Indicators of physical fitness level practitioners in the field of tennis



Baixar 89,14 Kb.
Encontro27.09.2018
Tamanho89,14 Kb.

______________________________________________________________

INDICADORES DE NÍVEIS DE APTIDÃO FÍSICA EM PRATICANTES DE TÊNIS DE CAMPO

INDICATORS OF PHYSICAL FITNESS LEVEL PRACTITIONERS IN THE FIELD OF TENNIS

Adriano Damaceno Telles - adriano_telles01@hotmail.com

Érica Jaqueline Papile Candido – erica_jaqueline@hotmail.com

Murilo Magri Barbieri - muhbarbieri@hotmail.com



Gisele Barros – gigibarros@hotmail.com

_______________________________________________________________

RESUMO

O tênis de campo, é um esporte que se desenvolve muito nos últimos anos, sendo crescente a procura de pessoas pela prática do mesmo, é uma modalidade muito complexa e em função disto, a identificação das capacidades físicas requisitadas na modalidade torna-se essencial para montar um programa adequado de iniciação de sua prática. Assim, a verificação de indicadores de níveis de aptidão física relacionada à saúde pode se tornar uma ferramenta indispensável para que se trabalhe visando ressaltar as potencialidades e reduzir as dificuldades do praticante, tendo o tênis como o meio para o desenvolvimento como um todo. O tênis envolve habilidades abertas com agilidade, coordenação, flexibilidade, força, resistência, lateralidade, além de outros aspectos psicológicos importantes para o jogo. Os “golpes” para se praticar o tênis, são ensinados em conformidade com estas habilidades. Quanto mais cedo começa a sua pratica, mais facilidade terá seu desenvolvimento. A seguinte pesquisa tem como principal objetivo avaliar os indicadores de níveis de aptidão física em adolescentes praticantes de tênis de campo. As avaliações foram realizadas no Laboratório de Avaliação do Esforço Físico (LAEF) no Centro Universitário Salesiano Auxílium (Unisalesiano), e foi composta por 14 sujeitos de 18 a 26 anos do gênero Masculino, sendo, 7 praticantes de tênis de campo e 7 hábitos a pratica de atividade física, os materiais usados foram balança, estadiômetro, banco de wells (flexibilidade), compasso de dobras cutâneas, Esteira rolante, Analisador de gases, dinamometria (Pressão manual), lactimetro e frequencimetro cardíaco. Para análise dos dados foram utilizados os testes de média e desvio padrão e para a comparação dos dados pareados o teste t - Stundet com nível significante p ≤ 0,05. Nos resultados obteve diferença estatisticamente significante na variável de percentual de gordura GT=11,95 ± 2,58; GFA=14,99 ± 6,09*, que mostra o grupo fisicamente ativo, ser maior que o do grupo de tenistas, e obteve também uma diferença estatisticamente significante, quando comparamos o grupo de tenistas com um grupo fisicamente ativo nas variáveis de (FLEX), 33,5 ± 4,13; 35,4 ± 5,63*, (DD) 58,71 ± 2,21; 49,14 ± 7,79*,(DE) 57,85 ± 2,19; 48,01 ± 8,06* (ABD) 56,42 ± 5,09; 49,85 ± 5,82*e barra 11,57 ± 1,51; 6 ± 5,60*, o que podemos analisar com estes dados coletados é que a variável de (VO2max.) 55,72 ± 3,64; 55,46 ± 4,42, não houve diferença significante, mesmo comparando com um grupo apenas de fisicamente ativos. Diante dos resultados expostos, concluiu-se que em muitos dos testes, possivelmente devido ao tipo de população a ser comparada, apresentou características de força sendo maior que de resistência, às poucas diferenças morfológicas ainda presentes na faixa etária estudada, podem apresentar oscilações, os resultados se diferenciaram em varias variáveis as quais foram analisadas, o que podemos dizer que o tênis promove ao atleta um nível de aptidão física, muito bom quando se relaciona com pessoas fisicamente ativas.

Palavras-chave:Tênis. VO2max. Dinamometria. Flexibilidade. Barra. Abdominal. Saltos verticais.



ABSTRACT


The tennis, is a sport that develops in recent years, increasing demand of people for the practice of it, is a very complex sport and as a result, the identification of physical abilities required in the sport is essential to mount an adequate program of initiation of their practice. Thus, review of indicators of levels of physical fitness and health could become an indispensable tool for people to work in order to highlight the potential and reduce the difficulties of the practitioner, with tennis as the medium for development as a whole. The open tennis involves skills with agility, coordination, flexibility, strength, endurance, handedness, and other psychological aspects important to the game. The "hits" to practice tennis, are taught in accordance with these skills. The sooner you begin your practice, the facility will have its development. The following research has as main objective to evaluate the indicators of physical fitness levels in adolescents practicing tennis. Evaluations were performed at the Laboratory for Assessment of Exertion (LAEF) Auxilium Salesian University Center (Unisalesiano) and consisted of 14 subjects from 18 to 26 years Male gender, being 7 in tennis field and the 7 Habits physical activity practice, the materials used were scales, stadiometer, stock wells (flexibility), skinfold calipers, Crawler, gas analyzer, dynamometer pressure (manual), and frequency meter lactimeter heart. For data analysis we used the tests mean and standard deviation for comparison of paired t test - Stundet with significant level p ≤ 0.05. The results obtained statistically significant difference in variable percentage of fat GT = 11.95 ± 2.58, 14.99 ± 6.09 GFA = *, shows that the physically active group, be larger than the group of players, and also obtained a statistically significant difference when comparing the group of players with a physically active group in the variables (FLEX), 33.5 ± 4.13, 35.4 ± 5.63 * (DD) 58.71 ± 2 , 21; 49.14 ± 7.79 * (DE) 57.85 ± 2.19, 48.01 ± 8.06 * (ABD) 56.42 ± 5.09, 49.85 ± 5.82 * bar and 11.57 ± 1.51, 5.60 ± 6 *, we can analyze the data collected is that the variable (VO2máx.) 55.72 ± 3.64, 55.46 ± 4.42, no significant difference, even compared to just a group of physically active. Given the results above, it was concluded that in many of the tests, possibly due to the type of population to be compared, showed characteristics of force being greater than the resistance, the few morphological differences still exist in the age group studied, may have oscillations, the results differed in several variables which were analyzed, we can say that tennis athlete to promote a level of fitness, very good when it relates to physically active people.
Keywords: Tennis. VO2max. Grip strength. Flexibility. Bar. Abdominal. Vertical Jumps.


INTRODUÇÃO

Sabe-se que atualmente, em função do desenvolvimento tecnológico e científico, o esporte passou a fazer parte da vida de grande parte dos indivíduos. Tanto o conhecimento teórico e prático sobre os benefícios do exercício físico orientado, quanto à busca por uma melhor qualidade de vida, aproximou a população do esporte. O tênis é considerado um esporte para as camadas mais altas da sociedade, sua origem está remontada desde o Império Romano. 

Segundo a CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE TÊNIS (2004) em 1874, um major inglês chamado Walter Clopton Wingfielduqe propôs como jogo novo o sphairistike, que em grego significa jogo de bola, conservando-se por pouco tempo esse nome, serviria como diversão para seus convidados antes do real propósito da visita que era a caça ao faisão, sendo no gramado de sua mansão a disputa das primeiras partidas de tênis.

O tênis chegou ao Brasil em 1888, trazido principalmente por engenheiros britânicos, que vieram ao pais para construir estradas de ferro (BALBINOTTI, C., 2009).

O tênis de campo é uma modalidade muito complexa e em função disto, a identificação das capacidades físicas requisitadas na modalidade torna-se essencial para montar um programa adequado de iniciação de sua prática. Assim, a verificação de indicadores de níveis de aptidão física relacionada à saúde em crianças e adolescentes pode se tornar uma ferramenta indispensável para que se trabalhe visando ressaltar as potencialidades e reduzir as dificuldades de cada aluno, tendo o tênis como o meio para o desenvolvimento da criança e/ou adolescente como um todo.

De acordo com Vretaroso (2006), o tênis de campo é uma modalidade muito complexa e em função disto, a identificação das capacidades físicas requisitadas na modalidade torna-se essencial para montar um programa adequado de iniciação de sua prática. Assim, a verificação de indicadores de níveis de aptidão física relacionada à saúde pode se tornar uma ferramenta indispensável para que se trabalhe visando ressaltar as potencialidades e reduzir as dificuldades do praticante, tendo o tênis como o meio para o desenvolvimento como um todo.

Segundo Balbinotti (2009), a preparação física exerce um papel determinante na performance no tênis. Trata-se de uma composição formada por aspectos gerais e específicos do rendimento esportivo. Assim, emerge a necessidade de um planejamento cuidadoso como algo a ser desenvolvido desde o inicio da pratica esportiva.

Matsudo (2000) define a aptidão física como a capacidade de um indivíduo desempenhar suas funções cotidianas sem prejuízo ao equilíbrio biopsicossocial. É composta de fatores biológicos, psicológicos e sociais. Os estudos se dirigem com maior freqüência aos fatores biológicos, que podem ser subdivididos em antropométricos, metabólicos, neuromotores, nutricionais e maturacionais.

A aptidão física caracteriza-se como um produto voltado ao dimensionamento das capacidades para a realização do trabalho muscular (GUEDES et al, 2002).

Para Tadoro (2001, p. 03), “sedentário, do latim sedentarius, tem origem na palavra sedere (estar sentado), é o sinônimo de inativo, passividade, ou seja, aquele que faz o mínimo possível de movimento”.

A capacidade do ser humano para realizar exercícios de média e longa duração depende muito do sistema aeróbio. Assim, um dos índices mais utilizados na avaliação da capacidade aeróbia é o VO2max (DENADAI, 1999).

Para Leite (2000) o VO2max é a maior quantidade de oxigênio que o sistema cardiovascular é capaz de entregar aos tecidos do organismo, durante uma atividade física máxima, sendo que, quanto mais se utilizar os músculos durante uma atividade física, maior será o VO2max.

De acordo com Denadai (1999) os valores em repouso do VO2max são bastante semelhantes entre indivíduos treinados e sedentários, mas durante um esforço maximo os indivíduos treinados possuem valores de VO2max, que são duas vezes maior que os valores apresentados por indivíduos sedentários.

A composição corporal é um dos assuntos mais importantes dentro do campo da Cineantropometria. Pode ser definida como sendo “a quantificação dos principais componentes estruturais do corpo humano” (MALINA, 1996).

A composição corporal em atletas é um referencial importante obtido pela antropometria.

Com métodos adequados e mensurações cuidadosas, porcentagem de gordura pode ser estimada com um erro de aproximadamente 3 a 4% de gordura, a mais ou menos (HOWLWY, 2005).

Segundo Guedes, Guedes (1998), embora os cálculos do índice de massa corporal possam ser simples, sua interpretação como referencial de sobrepeso apresentam dificuldades. Os pontos de cortes utilizados têm sido estabelecidos de maneira arbitrária, suscitando, por outra vez, polêmicas entre os especialistas da área.

Este estudo tem por finalidade traçar um perfil antropométrico e de desempenho em testes motores nas variáveis da aptidão física em adolescentes praticantes de tênis de campo.

A presente pesquisa será realizada no Laboratório do Esforço Físico situada no centro Universitário Católico Salesiano Auxílium, com 14 indivíduos do gênero masculinos entre praticantes de tênis de campo e fisicamente ativos com idade de 18 a 25 anos.

O trabalho tem como objetivo geral: Comparar as diferenças na aptidão física, entre praticantes de tênis de campo e indivíduos fisicamente ativos.

Este estudo será norteado pelo seguinte problema: Até que ponto o treinamento de tênis pode influenciar nos indicadores de níveis de aptidão física quando relacionados entre praticantes de tênis de campo e fisicamente ativos?

A identificação das capacidades físicas requisitadas na modalidade é indispensável em um programa de treinamento e na formação de tenistas, pois cria bases para destrezas e habilidades motoras e é essencial para o desempenho e execução dos movimentos, que nada mais é do que a técnica (OCHOA, 2004). Ao considerar o tênis um esporte o qual é praticado por pessoas de classe social mais alta, e também é praticado pela maioria como um esporte de lazer, ele envolve muitas capacidades técnicas e um preparo físico aprimorado, alem de muita coordenação motora, por ser um esporte de envolvimento motor de membros superiores e inferiores.



1 PESQUISA DE CAMPO


    1. Sujeitos

A Amostra Experimental foi composta por 16 sujeito de 18 a 25 anos do gênero Masculino, sendo, 8 praticantes de tênis de campo e 8 fisicamente ativos, residentes na cidade de Lins.




    1. Condições ambientais

As avaliações foram realizadas no Laboratório de Avaliação do Esforço Físico (LAEF) no Centro Universitário Salesiano Auxílium (Unisalesiano) no período da tarde e noite, o qual a sala obteve sua temperatura controlada entre 22° C a 24°C, e umidade relativa do ar (URM) de 41%.



    1. Protocolo I (antropometria)

Os sujeitos foram submetidos às seguintes avaliações antropométricas.

Peso - para se medir o peso corporal, o avaliado deve ficar em pé de frente para o monitor da balança, sem calçado e com o mínimo de roupa possível.

Estatura - Distância entre o vértex e a região plantar, o avaliado deve estar sem calçado, com os pés unidos, colocando em contato com a escala de medida as superfícies posteriores dos calcanhares, a cintura pélvica, a cintura escapular e a região occipital, deve estar em apnéia respiratória (GUEDES; GUEDES, 2003).

1.4 Dobras Cutâneas:

Tricipital: É a medida na face posterior do braço, paralelamente ao eixo longitudinal,no ponto que compreende a metade da distancia entre a borda súpero-lateral do acrômio e o olecrano (GUEDES; GUEDES, 2003)

Supra-iliaca: É obtido obliquamente em relação ao eixo longitudinal da metade da distancia entre o ultimo arco costal e a crista ilíaca, sobre a linha axilar media (GUEDES; GUEDES, 2003).

Abdominal: É a medida aproximadamente dois centímetros a direita da cicatriz umbilical, paralelamente ao eixo longitudinal (GUEDES; GUEDES, 2003).

1.5 Protocolo II (flexibilidade)

Para essa avaliação usamos o banco de sentar e alcançar, o avaliado deve estar sentado, com os pés apoiados na caixa e joelhos estendidos, e com os braços estendidos á frente com uma mão em cima da outra, em seguida o tronco deve ser flexionado à frente na tentativa de alcançar a maior quantidade de centímetros possível, o avaliador deve segurar os joelhos do avaliado para evitar a flexão dos mesmos (PITANGA, 2004).

1.6 Protocolo III (Capacidade Cardiorrespiratória)

A avaliação para determinação do consumo máximo de oxigênio será utilizado o analisador de gases METALYZER 3B, e para o incremental do teste será realizado com aumento na velocidade da esteira iniciando com uma velocidade de 9 km/h com estágios de três minuto aumentando 1 km/h de velocidade até exaustão máxima voluntária ou comportamento anormal de um dos parâmetros fisiológicos em questão considerados, sendo freqüência cardíaca (FC) e o coeficiente respiratório (RQ).

1.7 Protocolo V – Abdominal

Medir indiretamente a resistência dos grupos musculares flexores que compõem a região do abdômen e quadril por meio do maior número possível de flexões de quadril / abdominais em 60 segundos.

Procedimentos

O avaliado posiciona-se em decúbito dorsal com o quadril flexionado e joelhos flexionados formando um ângulo de 900 (noventa graus) na articulação do joelho, e plantas dos pés apoiadas no solo. Os antebraços são cruzados sobre o tórax, de forma que a mão direita toque o ombro esquerdo e a mão esquerda toque o ombro direito. As mãos devem permanecer em contato com os ombros durante toda a execução dos movimentos, bem como deve-se garantir o contato entre braços e tronco. Se durante o teste o avaliado perder esse contato, não será considerada a flexão realizada nessa condição.

Os pés (tornozelos) são segurados por um colaborador fixando-os no solo durante toda a execução do teste. O afastamento entre os pés não deve exceder a largura do quadril.

A posição inicial para o exercício é quando o candidato estiver com a parte média superior das escápulas apoiada no solo.

O teste é iniciado pelo comando do avaliador “Prepara! Já” ou apito, havendo o acionamento concomitante do cronômetro, e finalizando com o comando “Pare!” ou apito final e o respectivo travamento do cronômetro.

O avaliado realizará a flexão do tronco até que os cotovelos toquem nos músculos do quadríceps (coxa), retornando à posição inicial até que as escápulas toquem o solo, contando-se assim um movimento ou uma flexão. Se não houver o contato da parte média superior das escápulas com o solo, a flexão é considerada incompleta e não será valida.

Foi permitido o repouso entre os movimentos, considerando como tempo máximo 60 (sessenta) segundos para a realização do teste, computadas apenas as flexões realizadas até o término desse tempo.

O teste será aplicado sobre colchonete em solo plano.

1.8 Protocolo VI – Barra

A metodologia para a preparação e execução do teste em barra fixa para o sexo masculino obedecerá aos seguintes aspectos:

I – Ao comando “em posição”, o avaliado deverá dependurar-se na barra, com

pegada em pronação e braços estendidos, devendo manter o corpo na vertical e sem contato com o solo;

II – Ao comando “iniciar”, o avaliado flexionará simultaneamente os cotovelos até o queixo ultrapassar a parte superior da barra. Em seguida estenderá novamente os cotovelos até a posição inicial;

III – A contagem das execuções corretas levará em consideração o seguinte:

a) O movimento só será considerado completo após a total extensão dos cotovelos;

b) A não extensão total dos cotovelos antes do início de uma nova execução será considerada um movimento incorreto, o qual não será valido

1.9 Protocolo de Treinamento

O Treinamento é feito de segunda, quarta e sexta e tem duração de uma hora e meia a duas horas em quadras de tênis de saibro, primeiramente, e realizado um alongamento, depois um bate bola, após o bate bola que dura em torno de 20minutos, inicia-se o treino especifico.


  1. Análise Estatística

Para análise dos dados será utilizado os testes de média e desvio padrão e para a comparação dos dados pareados o teste t - Stundet com nível significante p ≤ 0,05.

2.1 Resultados

Para apresentação dos resultados os mesmos serão expressos em forma de tabelas e gráficos.

TABELA 1 – Comparação das características dos sujeitos do grupo Tenistas (GT), grupo Fisicamente Ativo (GFA).






(GT)

(GFA)

Idade

21,83 ± 1,87

20,75 ± 2,43

IMC

21,95 ± 1,02

23,60 ± 2,60

% GORD

11,95 ± 2,58

14,99 ± 6,09*

Fonte: elaborada por autores, 2010. *P≤0,05 em relação ao (GT) com (GFA).

Na tabela acima foram expressos os dados em média e desvio padrão das variáveis de idade, Índice de massa corporal (IMC), e percentual de gordura (%GORD), o qual observa-se uma diferença estatisticamente significante na variável de percentual de gordura, que mostra o grupo fisicamente ativo, ser maior que o do grupo de tenistas.

TABELA 2 - Comparação dos níveis de aptidão física, entre o (GT) e GFA), nas variáveis de flexibilidade (FLEX), volume máximo de oxigênio (VO2 max), dinamometria direita (DD) e dinamometria esquerda (DE), abdominal (ABD), Barra, e salto vertical (SV).





(GT)

(GFA)

(FLEX)

33,5 ± 4,13

35,4 ± 5,63*

(VO2max)

55,72 ± 3,64

55,46 ± 4,42

(DD)

58,71 ± 2,21

49,14 ± 7,79*

(DE)

57,85 ± 2,19

48,01 ± 8,06*

(ABD)

56,42 ± 5,09

49,85 ± 5,82*

BARRA

11,57 ± 1,51

6 ± 5,60*

(SV)

41,55 ± 3,17

40,54 ± 3,91

Fonte: elaborada por autores, 2010. *P≤0,05 em relação ao (GT) com (GFA).

Na tabela acima podemos observar diferença estatisticamente significante, nas variáveis de (FLEX), (DD), (DE), (ABD) e barra, quando comparamos o grupo de tenistas com um grupo fisicamente ativo, o que podemos analisar com estes dados coletados é que a variável de (VO2max.), não houve diferença significante, mesmo comparando com um grupo apenas de fisicamente ativos.



2.9 DISCUSSÃO

O tênis de campo, é um esporte que se desenvolve muito nos últimos anos, sendo crescente a procura de pessoas pela prática do mesmo. Por derradeiro, também o aumento expressivo de crianças e adolescentes a ingressarem e a praticar precocemente tal esporte.

Carnaval (2004) afirma que o tênis envolve habilidades abertas com agilidade, coordenação, flexibilidade, força, resistência, lateralidade, além de outros aspectos psicológicos importantes para o jogo. Os “golpes” para se praticar o tênis, são ensinados em conformidade com estas habilidades. Quanto mais cedo começa a sua pratica, mais facilidade terá seu desenvolvimento.

No tênis, destaca-se uma série de habilidades abertas, onde o jogador nunca repete o mesmo golpe porque nunca recebe a mesma bola, é um jogo onde muitos fatores interferem, tais como: habilidade de recepção, habilidade para tomar decisões, execução de habilidades e análise da habilidade, por isso é de suma importância que se treinem estas situações para conseguir no momento do jogo executar, pois o tempo de resposta é muito curto.

A preparação física exerce um papel determinante na performance no tênis. Trata-se de uma composição formada por aspectos gerais e específicos do rendimento esportivo (BALBINOTTI, 2009).

O tênis é um esporte que apresenta caráter intermitente, intercalando movi­mentos explosivos de alta intensidade e curta duração com períodos de recuperação. As ações específicas do tênis são caracterizadas por saídas rápidas com paradas bruscas, mudanças de direção e golpes realizados com a raquete.

A aptidão física caracteriza-se como um produto voltado ao dimensionamento das capacidades para a realização do trabalho muscular (GUEDES et al, 2002).

Em uma pesquisa realizada por, Krustrup e Bangsbo (2001) aponta que nas modalidades com características intermitentes, a contribuição da energia anaeróbia é importante para se ter rendimento aceitável no jogo, além de que, bons níveis de condicionamento anaeróbio são requeridos para retardar a fadiga em jogadores.

A identificação das capacidades físicas requisitadas na modalidade é indispensável em um programa de treinamento e na formação de tenistas, pois cria bases para destrezas e habilidades motoras e é essencial para o desempenho e execução dos movimentos, que nada mais é do que a técnica (OCHOA, 2004). Ao considerar o tênis um esporte o qual é praticado por pessoas de classe social mais alta, e também é praticado pela maioria como um esporte de lazer, ele envolve muitas capacidades técnicas e um preparo físico aprimorado, alem de muita coordenação motora, por ser um esporte de envolvimento motor de membros superiores e inferiores.

O tênis é um esporte baseado na imprevisibilidade. A imprevisibilidade da duração do ponto, seleção do golpe, estratégia, tempo de jogo, clima e o oponente influenciam as demandas fisiológicas da modalidade. O planejamento e orientação para o treinamento do tênis exigem o entendimento das variáveis fisiológicas determinantes da performance durante a partida. O tênis é composto de diversas ações que exigem energia de forma explosiva repetida dezenas, se não centenas de vezes durante o jogo. Ao contrário de outros esportes, o tênis não tem tempo limite para o seu término. Isso resulta na ocorrência de jogos que duram menos de uma hora e outros que duram mais de 5 horas. Portanto, essas variações requerem que o tenista de sucesso seja altamente treinado anaerobiamente para a realização das atividades durante o jogo e aerobiamente para melhorar a recuperação durante e após as partidas.

O consumo Máximo de Oxigênio (VO2máx) é tipicamente utilizado como o melhor marcador da potência aeróbia e aptidão cardiorrespiratória. Nas partidas de tênis existe uma tendência de aumento do VO2 e Freqüência Cardíaca (FC) com o prosseguimento do jogo e diminuição durante os períodos de recuperação. Os valores de VO2máx de tenistas de alto nível competitivo tem variado entre 44 e 69 ml/kg/min, com a maioria dos valores maiores que 50 ml/kg/min (CHRSTMAS et al., 1998). Nesta pesquisa os tenistas apresentaram um valor de VO2máx de 55,72 ml/kg/min, o que comprova a citação acima, estando maior que 50 ml/kg/min, mas não apresentou diferença estatística quando comparada com o grupo fisicamente ativo nesta pesquisa. Esses valores de VO2máx classificariam os tenistas como sendo altamente treinados anaerobiamente. Em uma observação feita por Bernardi e colaboradosres, 1998 apontam que os tenistas considerados como atacantes agressivos tiveram valores mais baixos de VO2 que os jogadores de linha de base. Para isso alguns pesquisadores sugeriram que o tênis é um esporte aeróbio devido à longa duração e valores de FC média moderados durante o jogo (BERGERON et al. 1991). Entretanto, a natureza explosiva do saque e dos golpes, as mudanças rápidas de direção que requerem capacidade anaeróbia, e o requerimento de um alto percentual de fibras de contração rápida não representam atividades aeróbias. Autores como Kovacs (2006), tratam como equívoco a afirmação que o tênis é um esporte predominantemente aeróbio.e o classifica como uma atividade predominantemente anaeróbia requerendo alto nível de aptidão aeróbia para evitar a fadiga e auxiliar na recuperação entre os pontos. Essas informações podem ser aplicadas na elaboração de programas de treinamento especialmente para diferentes estilos de jogo. Este estudo tem por finalidade traçar um perfil antropométrico e de desempenho em testes motores nas variáveis da aptidão física em adolescentes praticantes de tênis de campo. Foram analisados 14 indivíduos do gênero masculinos entre praticantes de tênis de campo com um nível de treinamento regular e fisicamente ativos com treinamento irregular, com idade de 18 a 26 anos, tais foram submetidos a fazer testes de VO2max, dinamometria, flexibilidade, barra, abdominal e saltos verticais. Estes testes foram feitos somente uma vez, ou seja, aconteceu somente uma pré-avaliação, com o objetivo de apenas comparar os dois grupos. Os indivíduos fisicamente ativos não tinham o mesmo tempo de treinamento semanal, uns treinavam 6 horas ou mais por semana, e outros apenas 3 horas. Os tenistas todos tinham um nível de treinamento bem pesado, pois treinavam mais que 6 horas na semana.

Matsudo (2000) define a aptidão física como a capacidade de um indivíduo desempenhar suas funções cotidianas sem prejuízo ao equilíbrio biopsicossocial. É composta de fatores biológicos, psicológicos e sociais. Os estudos se dirigem com maior freqüência aos fatores biológicos, que podem ser subdivididos em antropométricos, metabólicos, neuromotores, nutricionais e maturacionais.

Através dos resultados obtidos na comparação das características dos sujeitos podemos observar que houve uma diferença estatisticamente significante na variável de percentual de gordura, apresentando um valor de 11,95 no grupo dos tenistas, e 14,99 para o grupo de fisicamente ativos que estatisticamente apresenta ser maior que o do grupo de tenistas, isto ocorre devido ao treinamento semanal, e a pratica regular da parte dos tenistas em comparação aos indivíduos fisicamente ativos, sendo realizando atividades que auxiliam na diminuição do porcentual de gordura.

Na comparação dos níveis de aptidão física, podemos observar diferença estatisticamente significante, nas variáveis de flexibilidade, dinamometria direita e esquerda, no teste de abdominal e na barra, quando comparamos o grupo de tenistas com um grupo fisicamente ativo, observando as diferenças apontadas nestas variáveis e destacando a dinamometria, podemos evidenciar que o tênis é um esporte o que esta ligada com a força de empunhadura, além de segurar a raquete, exige uma força para golpear a bola e também toda a tensão da partida, aproveitando para citar a diferença também apontada na barra fixa o que faz flexão dos cotovelos também utiliza da força de empunhadura, levando o atleta ter mais facilidade de execução e se sustentar pendurado na barra por mais tempo. Na variável flexibilidade os tenistas são mais flexíveis porque o jogo em si exige muita flexibilidade, quanto maior a flexibilidade do tenista melhor execução do movimento. A associação da flexibilidade com o desempenho depende do esporte praticado. No que diz respeito ao esporte, não precisamos de evidências estatísticas e científicas para imaginarmos que certos tipos de atividades físicas demandam graus adequados de flexibilidade para uma boa execução. Uma vez a flexibilidade sendo uma característica específica para a articulação e o movimento realizado, cada atividade impõe exigências particulares ao praticante. Apesar do consenso em torno desta afirmativa, os pontos de vista quanto à importância relativa da flexibilidade para o esporte são muito divergentes. Em parte, os debates em torno do assunto resultam da falta de definições e técnicas de medida universalmente aceitas, das dúvidas que ainda existem sobre a forma pela qual a flexibilidade responde à exercitação a longo prazo e às limitações de ordem metodológica de muito dos estudos que vêm sendo publicados (GLEIM & McHUGH, 1997). Os tenistas obtiveram melhores resultados no teste de abdominal por utilizar muito essa musculatura, pois ao realizar a rotação do tronco na fase inicial do movimento, a musculatura abdominal é posicionada de maneira que quando o golpe é executado, a frente do corpo rotaciona em direção à rede através do impacto com a bola. Enfim, podemos dizer que o tênis promove ao atleta um nível de aptidão física, muito bom quando se relaciona com pessoas fisicamente ativas.



3 CONCLUSÃO

Diante dos resultados expostos, pode-se concluir com o presente estudo que em função de tanta carência de estudos, literatura e pesquisas envolvendo iniciantes no tênis de campo, a comparação de informações relacionadas ao teste de preensão manual, que são importantíssimos na modalidade, ficou sem parâmetros de análise. Concluiu-se também que em muitos dos testes, possivelmente devido ao tipo de população a ser comparada, apresentou características de força sendo maior que de resistência, às poucas diferenças morfológicas ainda presentes na faixa etária estudada, podem apresentar oscilações, os resultados se diferenciaram em varias variáveis as quais foram analisadas, o que podemos dizer que o tênis promove ao atleta um nível de aptidão física, muito bom quando se relaciona com pessoas fisicamente ativas. Ressalta-se, finalmente, a importância de elaboração de futuros estudos que envolvam outros componentes da aptidão física envolvendo o tênis de campo como forma de ampliação das bases científicas que envolvem essa modalidade.



REFERÊNCIAS

BALBINOTTI, C et al, O ensino do tênis: novas perspectivas de aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 2009.

BERGERON MF, Maresh CM, Kraemer, WJ, et al. Tennis: a physiological profile during match play. Int J Sports Med 1991;12:474–9.

CARNAVAL, P.E. Medidas e Avaliação em Ciências do Esporte. Rio de Janeiro, 2004.

CHRISTMASS M, RICHMOND S, CABLE N et al. Exercise intensity and metabolic response in singles tennis. J Sports Sci 1998;16:739–747.

GLEIM, G.W.; McHUGH, M.P. Flexibility and its effects on sports injury and performance. Sports Medicine, v.24, p.289-99, 1997.

DENADAI, B. S. Índices fisiológicos de avaliação aeróbia: conceitos e aplicações. Ribeirão Preto, [s.n.]. 1999. Cap. 1, p. 2.

LEITE, Paulo Fernando. Fisiologia do Exercício. Ergometria e Condicionamento Físico, Cardiologia Desportiva. 4ªed. São Paulo: Robe Editorial, 2000. 300p.

MARINS, J.B.C.; GIANNICHI, R.S. Avaliação & Prescrição de Atividade Física. 3ªed. Rio de Janeiro: Shape, 2003.

(OCHOA, J. ); www.itftennis.com, [s.d,s.l]. Entrenamiento de las capacidades físicas em el tenis de campo. International Tennis Federation. 2004. Disponível em: www.itftennis.com.Acesso em: 11 Set. 2010.

SANTOS, L.J.M.dos. Dinamometria isocinética lombar. Revista digital Buenos Aires – Año 8 – Nº 49 – Jun, 2002.1p.

UGRINOWITSCH, C; BARBANTI, J.V.; O CICLO DE ALONGAMENTO E ENCURTAMENTO E A “PERFORMANCE” NO SALTO VERTICAL. Rev. paul. Educ. Fís., São Paulo, 12(1): 85-94, jan./jun. 199.



KOVACS MS. Carbohydrate intake in tennis. Are there benefits? Br J Sports Med, 2006; 40.






©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal