Início da mensagem original



Baixar 45,15 Kb.
Encontro14.09.2018
Tamanho45,15 Kb.

Data: Mon, 17 Dec 2007 18:20:44 -0200
Assunto: Dubai 1

Meus irmãos,


Saúde!
Já estamos em Dubai. No dia 16/12, viajamos 14 horas.
Encontramos mães de amigas da Ju e duas delas viajaram conosco,
Hoje, fomos ao Mall of the Emirates, o maior shopping daqui e depois fomos almoçar comida libanesa no Madinat Jumeirah,
Amanhã iremos fazer um city tour. Como é bom ser feliz, saudável e rico...
Detalhes: a) as muçulmanas vestem preto (abaya) e os homens (dishdash) até os pés; b) nosso prédio tem uns 1.000 empregados (as) da Emirates Airline; c) nosso endereço é Millenium Tower Sheik Zayad Road Emirates Acomodation apt 2004.
Abraços.
Máriton

Sent: Wednesday, December 19, 2007 5:01 AM

Subject: Dubai 2

Meus irmãos,

Saúde!

Dubai é um canteiro de obras. A construção civil funciona 24 horas por dia. Isso por toda a cidade. Vimos isso ontem, ao fazer o big bus city tour e big bus beach tour.



Os engarrafamentos aqui são constantes, porque não existe sistema de ônibus decentes com ar condicionado. Só os asiáticos (nossos paraíbas de São Paulo) é que os usam. O metrô está sendo construído. As pessoas se movem ou de carro particular ou de táxi, razão por que a vida aqui é muito cara. Tudo é longe.

No city tour, vimos os pontos turísticos principais: City Center (aqui: centre), Wafi City, Jumeirah Mosque, Mercato Mall, Jumeirah Beach Park e Public Park, Souq Madinat Jumeirah, Mall of Emirates, Times Square Shopping Centre, Festival City.

O mais hilárico desse passeio foi ver Dioneide discutir em português com o guia, sem ele entender uma palavra e sem ela perceber isso.

Isso porque os operários são todos asiáticos, africanos ou filipinos, falando inglês com sotaque forte.

Hoje à tarde vamos terminar o passeio, para fazer o beach tour, em face da briga com o guia. A malandragem existe em toda a parte. Ele deixou para fazer o passeio de barco bem no final. Eu perguntei a ele se o ônibus iria nos deixar no City Center. Ele disse que nós deveríamos voltar de táxi. Aí começou a discussão. Um casal escocês entrou na confusão, porque se sentiu também assaltado.

Detalhe: nos passeios se vê sempre longe ou perto o Burj Al Arab, o célebre hotel de 7 estrelas, muito bonito.

Fizemos esse passeio ontem sozinhos, porque a Ju não conseguiu permuta e foi obrigada a ir a Nova Iorque. Hoje está descansando lá e só amanhã estará de volta.

Abraços.


Máriton

Data: Wed, 19 Dec 2007 14:12:19 -0200


Assunto: Dubai 3

Meus irmãos,


Saúde!

Hoje foi um passeio maravilhoso, graças à discussão de ontem da Dioneide com o guia.


Fomos hoje fazer o passeio de barco no big beach tour no rio artificial de Dubai (Dubai creek), semelhante ao lago Paranoá de Brasília.
Pegaram um pouco da água do golfo pérsico e fizeram esse rio.
Nele demos uma volta, vendo boa parte da cidade.
Depois, com os peões (só homens) que trabalham em obras, atravessamos o Dubai creek e fomos para o outro lado da cidade, onde encontramos o museu de Dubai (Dubai museum).
Esse museu foi uma lição para mim, que só tenho a formação hebraico-greco-romana. Lá vimos a história da cidade, desde as suas origens, com beduínos, camelos, desertos, oásis etc.
A arqueologia daqui mostra fósseis de 2.500 anos a. C. É outra cultura totalmente diferente. Mesmo com a entrada turística de ocidentais, dificilmente esse povo deixará de ser oriental, com a sua cultura hindu e muçulmana.
Agora estou entendendo um pouco as coisas daqui: mulheres de abaya preta e homens com dishdash branco. Veste normal para eles.
Indianos tem a religião hindu deles, nem sempre muçulmana e sua língua é algo deles, mas os árabes (egípcios, iranianos etc.) usam o árabe.
Conversando em inglês com motoristas de táxi, eles me garantiram que o árabe é língua fácil, que se aprende em 4 semanas.
Por hoje é só.
Abraços.
Máriton
----------------------------------------------------------------------------------------------------------

Data: Thu, 20 Dec 2007 04:52:20 -0200


Assunto: Dubai 4
Meus irmãos, irmãs, cunhado e cunhadinhas,
Saúde!
Depois que Messalina me lembrou que, além dos irmãos, eu tenho também cunhadinhas, fiz a devida correção acima.
Hoje à tarde iremos ao deserto. À tarde, porque o calor é muito grande no deserto e o passeio só pode ser feito à tarde, indo até às 22:horas.
Agora vou apenas fazer algumas correções:
a) o prédio mais alto do mundo chama-se Burj Dubai, que vai ter 800 metros de altura, que cresce entre as águas do golfo pérsico e as areias do deserto;
b) Dubai é um dos 7 emirados árabes unidos que, há 40 anos, era apenas uma tribo no deserto à beira-mar;
c)  a roupa das mulheres é abayah (em cima de roupas lindas, que elas mostram nos salões de beleza) e dos homens e kandoura;
d) o centro antigo de Dubai é dividido pelo creek. A margem norte chama-se Deira e a outra é Burj Dubai;
e) Bastakiya é o centro histórico de Dubai. Atravessa-se o creek por 1 dh (R$ 0,50) no abra, uma barcaça, onde se pode conviver com a população local;
f) os shopping centers são livres de impostos;
g) Burj al Arab significa torre das nações árabes;
h) no Mall of the Emirates fica o ski Dubai, uma pista de esqui, com roupas de aluguel e equipamento;
Abraços.

Máriton
----------------------------------------------------------------------------------------------------------

Data: Fri, 21 Dec 2007 07:18:58 -0200
Assunto: Dubai 5
Meus irmãos, irmãs, cunhado e cunhadas,
Saúde!
Esqueci de contar a vocês que anteontem tivemos uma festinha num andar mais abaixo, para comemorar um aniversário. Lá estava um árabe vestido de kandoura, professor de educação física e colega de um brasileiro de Goiás, que trabalha aqui, convidado por um clube, para dar aulas de futebol para garotos de mais de 16 anos.
Quando os dois souberam que sou tenista há vários anos, me sugeriram que eu viesse morar aqui, para dar aulas de tênis para a "melhor idade",  que aqui não pratica nenhum esporte. Por alguns instantes, me entusiasmei com a idéia, porque aqui não há violência, assaltos nem pedintes nas ruas. Só acordei para a realidade, quando o filho da aniversariante me disse que estou aqui com o visto obtido pela Ju. Esse sonho deles teria que passar por um convite de um clube, que me daria o visto de permanência por um ano, com tudo pago (casa, carro, salário etc.). Acordei.
Vamos ao passeio de ontem, no deserto, Desert Conservation Reserve, a cerca de uma hora do centro da cidade.
Se você conhece as praias de Genipabu, em Natal ou os lençóis maranhenses, não vai ver nada especial. A única diferença é o deserto no sentido literal da palavra, imenso para o turista. Não vimos nenhum oásis. O passeio foi feito num jipe fechado, em que o motorista se divertia em deslizar pelas dunas, enquanto Dione e a mãe de uma amiga vomitavam. Eu me diverti muito, gritando para o motorista "Allah, my good Allah, Mohammed is his prophet".
Esse passeio com direito a ar condicionado e pôr-do-sol.
Ao anoitecer, o jipe se encaminhou para um grande acampamento no deserto. 3 coisas interessantes:
a) pequeno passeio de camelo, uma voltinha. Imaginem-me montado no bicho. Ele esta ajoelhado, levanta-se com dificuldade, dá umas voltas e retorna à posição inicial, de joelhos. Quando vi aquela cena várias vezes, pensei numa sabedoria superior, que bolou tudo isso;
b) tiramos fotos vestidos de abayah (as mulheres) e eu de kandoura. Lindo, vestido de árabe;
c) finalizando, comida libanesa animada com uma apresentação de dança do ventre, realizada por uma russa. Nosso motorista sugeriu a ela para me chamar para dançar. Eu tímido, com medo de mulher, me fiz de rogado, mas a insistência daquela filha de Eva me deu forças e lá fui eu ver de perto aquele corpo maravilhoso (Ah se eu fosse um homem...).
Antes de terminar, antes de chegar ao acampamento, se vê de longe o magnífico Al Maha Desert Resort & Spa, digno de uma noite das Arábias.
Volta-se à realidade, os carros fazem fila em uma espécie de posto de gasolina, para encher novamente os pneus, esvaziados antes de subir as dunas.
Abraços.

Máriton
----------------------------------------------------------------------------------------------------------

Data: Fri, 21 Dec 2007 15:34:33 -0300
Assunto: Dubai 6
Meus irmãos, irmãs, cunhado e cunhadinhas,
Saúde!
Hoje ficamos em casa, curtindo a comida brasileira, feita a várias mãos.
Fiquei encantado com o ambiente em que a Ju vive.
Como já havia dito, o prédio dela tem 58 andares, com 8 apartamentos por andar, com 3 suítes em cada apartamento, ou seja, uma pessoa por apartamento. Basta multiplicar, para ter uma idéia da multidão de comissários (as) e pilotos (as) morando aqui.
O que quero que saibam é que fiquei encantado com o ambiente alegre, feliz, agradável, amigo, descontraído em que a Ju vive.
Isso me agradou muito. Todos (as) vieram de outras companhias aéreas, porque a Emirates Airline parece ser um achado para essa turma. Basta lembrar que a Air France cobra 600 euros de aluguel de cada uma, o que as obriga a dividir os quartos. Aqui, tudo é de graça: apartamento, luz, gás, telefone (para ligações locais) e máquina de lavar, além da cozinha comum do apartamento, que as 3 usam.
Para terminar, existe um sistema perfeito de ônibus, que as leva para o aeroporto e as traz. De meia em meia hora a gente vê um em movimento.
Graças a Deus, enquanto ela permanecer aqui.
Abraços.
Máriton

Data: Sat., 22 Dec 2007 10:40:23 – 0300

Dubai 7.

Meus irmãos, irmãs, cunhado e cunhadinhas,

Saúde!
Ontem esqueci de dizer que o prédio da Emirates Accomodation, onde a Ju mora, tem uma piscina térmica e uma academia de ginástica muito moderna, de última geração, high tech.
Hoje fomos novamente conhecer um pouco mais da história de Dubai, Historical Dubai, indo visitar o Hatta Heritage Village. Estou usando as palavras inglesas, porque aqui tudo está escrito em árabe e em inglês. E todo o povo fala as duas línguas, exceto os indianos, filipinos e os originários de Sri Lanka, que falam a língua deles e o inglês.
O Heritage Village of Hatta é um exemplo das origens de Dubai, mostrando ao visitante.

Uma fascinante visão de seu passado.

Vimos a mesquina Sharia, construída há mais de 200 anos com o mesmo material que

as modernas, virada, como todas as outras, para Meca.

O Hatta Majis tem fortalezas com canhões antigos.

Vêem-se casas tradicionais em que eles viviam antigamente com muito folclore. Tudo isso foi restaurado, para mostrar ao visitante como eram as habitações daquela época,

com áreas de lazer das crianças.

Finalmente, no meio do deserto, encontramos um pequeno riacho (como o do Ponte),

Onde todos caíram na água.

Detalhe: os guias árabes tiraram o kandoura (=dishdash) e mergulharam com as garotas.


Perguntei ao nosso guia se isso não era pecado perante o alcorão. Sua resposta: eu não

Toquei nas mulheres, logo não é pecado.

O passeio terminou com um almoço num hotel 5 estrelas.

Abraços.
Máriton

Data: Sun, 23 Dec 2007 05:28:37 -0200
Assunto: Dubai 8
Meus irmãos, irmãs, cunhado e cunhadinhas,
Saúde!
Duas correções a) no apartamento da Ju moram 3 colegas, com seu quarto individual, estilo suíte, dividindo todas a cozinha, a sala e a lavanderia; b) nem todos (as) vieram de companhias aéreas.
Hoje vamos ficar vagabundando em casa, curtindo a piscina e a academia high tech.
Se vocês quiserem conhecer isto aqui, venham logo, antes que a Ju mude de idéia e saia daqui.
Seguindo a tradição muçulmana, às sextas-feira boa parte do comércio fecha ou abre somente depois das 14:00 horas. Tirar fotos de pessoas desconhecidas, principalmente mulheres, é considerado ofensivo.
Caso queiram vir conhecer Dubai, é bom saber:
a) vem-se pela Emirates Airline, por US$ 1,355.00, ida e volta, diretamente de São Paulo;
b) hotéis: Al Maha Desert Resort & Spa (diárias de US$ 1,135.00), Arabian Courtyard (US 280.00), Burj Al Arab (US 2,043.00), Hilton Dubai Creek (US 280.00), Jumeirah Beach Hotel (US$ 735.00), Kempinski Hotel (US$ 474.00), Sheraton Dubai Creek Hotel (US$ 286.00);
b) onde comer: Al Muntaha, Bastakiah Nights, Blue Elephant, The Boardwalk;
c) passeios: Dubai Museum, Dhow Cruise
, Ônibus turisticos, Safari no deserto, Spice Souk/Gold Souk, Madinat Jumeirah, Mall of the Emirates;
d) clima: A temperatura em Dubai é alta e o clima seco quase o ano inteiro. Em julho e agosto, pode chegar a 48 graus celsius. É raro chover;
e) câmbio: A moeda é dihram. U$ 1.00 vale 3,6 Dhs;
f) visto: brasileiros precisam de visto.
Abraços.
Máriton

Data: Mon, 24 Dec 2007 07:14:24 -0200


Assunto: Dubai 9
Meus irmãos, irmãs, cunhado e cunhadinhas,
Saúde!
Agora de manhã reli emocionado o texto do funk preparado pelo José Delfino, para a festa do meu aniversário.
Gostei muito de ter sido usada na música a minha afirmação de que quero ter a vida de Moisés: morrer aos 120 anos com vigor físico...Messalina, que é ginecologista, vai traduzir para vocês.
Hoje, dia de Natal, a Ju foi fazer um bate e volta (turn around) rapidinho a Karach, no Paquistão, de umas 3 horas somente, enquanto as amigas dela estão ajudando Dione e Dioneide a preparar a ceia de Natal. Ela saiu de casa mais ou menos umas 4:00 horas da manhã, pois o vôo sairia as 8:00. Fiquei impressionado com uma coisa. Ela sempre pede a benção da mãe, antes da viagem. O que eu não sabia é que o Thomas, seu namorado, sempre liga, para lhe desejar um bom vôo. Emoção para mim, quando a gente vê tantos casais que nem estão aí para o (a) companheiro (a), não lhe dando nenhuma assistência;
Resolvi escrever hoje neste meu diário algumas dicas sobre a história local:
a)1830: Até então Dubai era uma ilha de pescadores de peixes e de pérolas. Nessa época chegou a família Maktoum, até hoje no comando do emirado;
b)1892: Dubai e os outros emirados aceitam o controle do governo britânico. A família Maktoum transforma o vilarejo costeiro em ponto de mercadores e atrai principalmente comerciantes indianos. Hoje, mais de 50% da população é de descendentes do sul da Ásia;
c)1966: É descoberto petróleo em Dubai, o que já havia sido descoberto desde 1958 em Abu Dhabi, o maior emirado. Dubai, cidade de mercadores, começa a crescer. Em  1968, a Grã-Bretanha anuncia sua retirada da região;
d)1971: Reunião de 7 emirados árabes para formar um país, os Emirados Árabes Unidos (UAE, em inglês);
e)1998: Nasce em Dubai Rama, o "cama", filho de um camelo com uma lhama;
f)2002: Neste início de século, o comércio firma-se como a maior fonte de renda do emirado. A renda per capita é de US$ 19 mil;
g) 2006: A população dos Emirados Árabes Unidos chega a 3,5 milhões de habitantes. Em Dubai há 2,9 homens para cada mulher;
h) 2007: A Emirates Airline passa a voar para 96 destinos, entre eles São Paulo;
i) 2008: Data prevista para a conclusão do segundo complexo de ilhas artificiais, Palm Jebel Ali e de The World, um conjunto de 300 ilhas.
Por hoje é só.
Abraços.
Máriton

Data: Tue, 25 Dec 2007 13:36:16 -0200


Assunto: Dubai 10
Meus irmãos, irmãs, cunhado e cunhadinhas,
Saúde!
O nosso Natal em Dubai foi assim. Messalina deve lembrar-se da Norma, aquela das roupas para o casamento da Su
Fiquei conhecendo-a no aniversário da Ju, quando ela esteve presente com a sua filha Júlia, hoje também comissária da Emirates Airline.
Naquele dia, como todo o evangélico, ela fez questão de dizer para mim que é evangélica e me convidou para participar das suas reuniões.
Pois bem, como ela ficou encarregada da trazer o bacalhau para o nosso Natal (está em Dubai também), telefonei para ela, solicitando a gentileza de trazer uma bíblia, coisa rara por aqui.
Mostrei para ela o meu material para o Natal (cuja cópia dei para Messalina), ela gostou e combinei fazer uma reunião ecumênica, ela lendo os textos bíblicos.
Inicialmente, expliquei a todos que, num país muçulmano, o Natal não tem nenhum significado. Lembrei que a revista italiana Tempi di Unità busca unir os irmãos separados, procurando ver o que há de positivo em todos, a fim de que todos sejam um.
Feita a introdução, todos participaram da cerimônia. Ao terminar, algumas pessoas se manifestaram (alguns pais presentes), frisando o ambiente amigo, sereno, agradável que os (as) filhos (as) têm aqui.
Depois de muitos abraços, veio a ceia e depois, todos jovens, dançamos até de madrugada.
Abraços.
Máriton

Data: Wed, 26 Dec 2007 06:19:35 -0200


Assunto: Dubai 11
Meus irmãos, irmãs, cunhado e cunhadinhas,
Saúde!
Hoje Ju foi a Roma, devendo voltar só amanhã.
Pretendemos voltar no dia 01/01. Na volta dela, vamos fazer o passeio final, num lugar cujo nome não guardei.
Alguns esclarecimentos:
a) As fotos ficaram maravilhosas. Basta ler minhas crônicas e ver os diversos lugares visitados, para ter uma idéia global do que vivemos aqui;
b) O ideal é que vocês vejam na internet o programa do Amaury Junior, do dia 01/12 (programas de 2007), para acompanharem o roteiro, desde a saída de São Paulo, passando por todos os lugares daqui;
c) Disse acima que pretendemos voltar no dia 01/01, porque é o único dia em que há vagas nos vôos. Estamos de stand by e só viajamos se houver vaga;
d) Os asiáticos que moram no Brasil e os que moram na Ásia e têm negócios no Brasil descobriram Dubai como ponto de conexão, sem problemas de visto. Eles ficam no aeroporto daqui umas 3 a 5 horas, aguardando o próximo vôo (da Emirates Airline, é claro). Por essa razão é que todos os vôos são lotados. Não é com turistas brasileiros mas com homens de negócios, que estão aproveitando essa conexão. Dêem uma olhada no mapa do mundo, para visualizarem o que estou dizendo;
e) Lotados são todos os outros, para a Inglaterra (uns 14 vôos diários), para os Estados Unidos (Nova Iorque, Houston), Canadá etc.
f) Depois do almoço vamos ao centro histórico de Dubai, para comprar algumas lembrancinhas.
Abraços.
Máriton

Data: Thu, 27 Dec 2007 06:38:44 -0200


Assunto: Dubai 12
Meus irmãos, irmãs, cunhado e cunhadinhas,
Saúde!
Ontem fomos ao mercado, onde se podem encontrar especiarias e ouro, muito ouro no bairro de Deira, perto do creek.
Antes de escrever, quero frisar o assunto comércio. Na minha infância, vivi sempre rodeado de excelentes comerciantes. Calado (meu pai) nasceu para o comércio. Era gerente da maior loja do interior do Maranhão: Babilônia. Sua referência era meu tio (José Delfino da Silva - J.D.Silva) que, na década de 30 e 40, exportava babaçu para os Estados Unidos. Ele contava que, na Babilônia, descia todos os tecidos, para o freguês examinar, mesmo que não comprasse nada. Mais tarde, outro tio (Alderico Silva - A. Silva) cresceu também, sendo revendedor da Ford, campeão de vendas no interior do Maranhão e Piauí.
Pois bem, essas lembranças vieram à minha mente ontem.
Na entrada do Gold Souk, vê-se um portal que mostra a cotação do grama do ouro. Vale lembrar que o Gold Souk é um dos maiores mercados do mundo.
As ruas formam um labirinto, no centro histórico de Dubai, no bairro de Bastakiya.
Nada se compara a algumas horas de caminhada pelos labirintos dos souks, à beira do creek. As ruas e lojas se misturam umas as outras, mas é tudo limpíssimo.
São dois os principais souks: o Spice Souk, de especiarias, e o Gold Souk, com centenas de lojas de jóias de ouro de diferentes quilates. Entre uma joalheria e uma banca de temperos, há dezenas de lojas vendendo tradicionais vestimentas árabes, tapetes persas, lâmpadas de Aladim etc. No Spice Souk, além de temperos, há frutas secas e incensos. Pechinchar é a regra.
Anteontem, Dioneide e uma paulista, Cecilia, mãe da Vivi, comissária, foram a esse mercado, sem falar uma palavra de inglês. Pechincharam e fizeram boas compras.
Ontem elas nos levaram lá. Quando vocês vierem, anotem este endereço: Opp. Al Kayam Hotel - Gold Souk, Deira, Dubai. Fui apresentado ao dono (boss), Abdul Rahman. Digam para ele: Salam aleikum - Maleiko como salame (saudação aportuguesada por mim, de sacanagem), que lembrará de nossa visita.
Dioneide, esquentada como sempre, não aceitou comprar um material por 60 dhs, cujo preço original era 80. Disse que não pagaria por aquele preço. Abdul disse, como J.D.Silva faria, dê o seu preço. Ela disse: 40 dhs. Ele concordou e ainda compramos algumas camisetas.
Para finalizar, nos ofereceu café para nós 4.
Não esquecer que eles sabem os nomes de TODOS os jogadores de futebol do Brasil.
Abraços.
Máriton
------------------------------------------------------------------------------------------------------

Data: Sat, 29 Dec 2007 05:44:26 -0200


Assunto: Dubai 13
Meus irmãos, irmãs, cunhado e cunhadinhas,
Saúde!
Ontem à tarde voltamos ao Dubai Historical, de que já falei outras vezes, bem perto de tudo: creek, mercado antigo, City Center, onde moram muitos amigos da Ju.
Um amigo dela, Fabrício, mineiro, nos convidou para almoçar num restaurante japonês, perto da casa dele.
Foi muito divertido, porque, além de nós 4, estavam presentes o Fabrício, o Félix e a Georgia (Jojô). Papo muito agradável. Esse Fabrício escreve poesias em inglês. Quando morava em Londres, fez pontas no filme Alexandre, o Grande.
Depois do almoço, fomos comer a sobremesa e tomar cafezinho num clube, em frente ao Emirates Aviation College.
Depois, fomos visitar a Norma, mãe da Júlia.
Conheci a Roberta, colega de apartamento da Júlia. Fizeram a cabeça da Ju, para se mudar para esse bairro antigo, onde mora a maioria dos brasileiros, muito perto do aeroporto.
Essa Roberta namora Carlos Alberto (?), professor de jiu-jítsu do filho do xeque (xeique ?) maioral e está desenvolvendo um projeto para incrementar esse esporte aqui, com torneios internacionais etc.
Gente, o que estou percebendo é o seguinte: sei que a sua visão é ligada ao que vocês conhecem: Europa, Estados Unidos, Canadá, Japão e Austrália.
A tecnologia moderna mudou o mundo nos últimos 10 anos, numa rapidez extraordinária. Basta lembrar o computador, o e-mail, o i-pod, a máquina fotográfica digital, a tv digital e tantas outras coisas.
Estou convencido de que Dubai, lugar neutro, como é e foi a Suíça, é hoje o centro do mundo.
Já é passado os asiáticos fazerem conexão em Los Angeles e Paris para virem ao Brasil e vice-versa.
Abram o mapa do mundo e vejam a localização de Dubai. A conexão é feita atualmente por aqui. A inteligência dos xeques (xeiques ?) é muito grande, realizando aqui TUDO o que existe na Europa e nos Estados Unidos. Pensem em alguma coisa bacana por lá: vocês encontrarão aqui já pronta ou em fase de construção.
Como estou preparando o meu terceiro livro sobre a administração pública (pobre nega Binoca), vou dedicar alguns capítulos a este mundo novo, árabe, cujas noções só tive através dos livros de Malba Tahan. O fato de o Iran, Iraque, a Arábia Saudita ficarem próximos não significa nada para Dubai, porque os donos daqui são amigos do Bush e do Bin Laden (?).
Tenho para mim que a maioria dos árabes é gente séria, correta, trabalhadora, nada de terrorista, como eu pensava.
Abraços.
Máriton
--------------------------------------------------------------------------------------------------------

Data: Mon, 31 Dec 2007 05:48:30 -0200


Assunto: Dubai 14
Meus irmãos, irmãs, cunhado e cunhadinhas,
Saúde!
A Ju está curtindo tanto a presença da mãe...(!!!), que pediu para ela...(!!!) ficar até o dia 06/01, pois terá dias de folga (days off) até o dia 08/01. Aonde a vaca vai, o boi vai atrás. Como agora sou vagabundo, ficarei também.
Dias atrás falei que Dubai é o centro do mundo, dada a sua posição estratégica no mapa do mundo. Posso estar totalmente errado, porque só estou convivendo com comissários (as) e pilotos (as). A avaliação é de vocês.
Anteontem fizemos um passeio interessante. Fomos conhecer o Global Village.
Se você conhece a grande feira de Brasília, não tem muito que perder.
A diferença aqui é que é longe da cidade, um local imenso, com parque de diversões e centenas de lojas, que vendem TUDO o que existe no mundo árabe. Ouviram? No mundo árabe, porque todos os stands e lojas são do mundo muçulmano.
Uma observação. Estávamos passeando lá, quando vimos uma loja do Iêmen, com vários tipos de mel. Ao nos aproximar, uma muçulmana estava conversando com os comerciantes. Quando me viu, se dirigiu a mim. Perguntei-lhe se não estava indo contra o alcorão. Ela me disse que é jordaniana e que é mais aberta. Muitos aqui são muito rigorosos na tradição, confundindo isso com religião. Ela tinha o rosto descoberto e me cumprimentou, pegando na minha mão. Fanatismo e fundamentalismo existem em toda a parte. Bom saber que há pessoas mais abertas.
Ontem fomos a um churrasco surpresa, que a piloto (a) Kalina, a primeira pilota mulher da Varig e da Emirates Airline, ofereceu ao seu marido Sílvio.
Gostei muito de conversar com os pilotos. Eles ganham US$ 6,000.00 fora a casa, água, luz, gás, telefone (local) e colégio americano ou inglês para os filhos. Um deles, o Paulo, me disse que essa mordomia está chamando pilotos do mundo inteiro. Nesse condomínio moram mais de 500 pilotos casados com filhos.
No papo com ele e com outros, foi reafirmada a posição estratégica de Dubai, como centro do mundo, por onde passam as cargas e as pessoas, que vêm da Ásia para a Europa e a América. O movimento é tão grande, que a Emirates Airline vai ter agora dois vôos diários para São Paulo.
Detalhe. A educação é investida maciçamente aqui, como faz a China. A Índia não o faz, razão por que certamente perderá a corrida para a China e Dubai.
Por hoje é só. Como seria bom que o Brasil aproveitasse essa lição de investir na educação.
Abraços.
Máriton
---------------------------------------------------------------------------------------------------------

Data: Tue,  1 Jan 2008 14:13:03 -0200


Assunto: Dubai 15
Meus irmãos, irmãs, cunhado e cunhadinhas,
Saúde!
Algumas correções:
a) Duas amigas da Ju estão no vôo do dia 05/01. Por isso, iremos nesse dia e não no dia 06/01; b) Dioneide preferiu manter a sua data de volta e foi para São Paulo hoje, 01/01, na companhia da Cecília, mãe da Vivi, amiga da Ju; c) Esqueci de dizer que os pilotos da Emirates Airline têm também plano de saúde e uma aposentadoria suplementar (estilo Petros), com participação da empresa, podendo sacar todo o dinheiro no futuro
O nosso réveillon foi assim:
Uma amiga da Ju, Maira, nos convidou para passá-lo no apartamento dela. Havia muita gente, com muita comida e bebida. Muito alegre mesmo. É aquilo que já afirmei várias vezes: o ambiente de trabalho da Ju é excelente.
Antes do ano novo, a Maira avisou que iria passá-lo na praia, ao lado do Burj Al Arab.
Igual ao Brasil, tudo estava engarrafado, porque todos queriam ver os fogos. Quem já viu os de Copacabana não tem novidades. A única diferença é que eles são na praia onde fica o Burj. Conseguimos um táxi e ficamos como a maioria, vendo os fogos, com a distância do nosso prédio no Rio para o Hotel Nacional, ou seja, passamos dentro do táxi. Se tivesse havido mais organização, teríamos saído mais cedo de casa. Mas valeu.
Depois voltamos para a casa dela, com ambiente animado
De lá fomos para a casa do Fabrício, aquele que escreve poesias em inglês, onde nos divertimos muito. Decidi entrar numa escola de dança, para tentar chegar aos pés dele, um dançarino nota 10. Sugeriu que eu iniciasse com tango, que é mais fácil.
Chegamos em casa às 6:00 horas e dormimos até às 16:00 horas.
Por hoje é só.
Abraços.
Máriton

Data: Wed,  2 Jan 2008 14:15:31 -0200


Assunto: Dubai 16
Meus irmãos, irmãs, cunhado e cunhadinhas,
Saúde!
Hoje o dia foi agitado.
Bem cedo fui com a Ju fazer raios x do seu pé, que está com tendinite.
Depois já com Dione, fomos à imigração (Department of Naturalization and Residence), para reembolso da caução do dinheiro pago por ela pelo visto de Dioneide.
Em seguida, fomos almoçar no Royal Orchid, para comer comida tailandesa, que fica no Dubai Marina. Show de bola a comida. Valeu a pena.
Pensem no Iate Clube do Rio de Janeiro. Mais ou menos assim. Só que iates (yachts) milionários. Existem algumas pessoas com muito dinheiro neste mundo. E eu me gabava de conhecer meia dúzia de ricos do Village. Mil anos luz de distância!!!
Apos o almoço, fomos à clínica (Emirates Clinic), para o médico ver os raios x e diagnosticar que se tratava de uma tendinite no pé, o que lhe deu folga, não tendo que voar amanha. Bom para nós, que vamos viajar no sábado.
Em seguida fomos visitar a mesquita de Jumeirah (Jumeirah mosque). O interessante é que não era dia de visita. Mas, vendo uns gringos entrarem, pedi para entrar também. Ao responderem que eles eram muçulmanos, eu lhes disse que tenho o alcorão no coração. Fui liberado, tirei os sapatos e entrei. Ao ver um gringo tirando fotos, fui lá fora para pegar a máquina da Ju (mulher não entra naquela parte, só no ladies prayer) e fotografei o interior da mesquita. Não há nada dentro. É só um lugar para rezar. Perto do microfone, há dezenas de alcorões. Perguntei se podia pegar um deles. Disseram que só as pessoas limpas, que acabaram de tomar banho, é que podem fazê-lo. Paciência.
Fomos então para o Burj Al Arab, que fica perto do Jumeirah Hotel, na praia. Mas o nosso objetivo era o bar restaurante 360° ao lado, que mostra um excelente pôr-do-sol. Gente, vê-se o sol imenso entrando no golfo pérsico, até desaparecer totalmente. Lindo. Vocês não podem perder esse pôr-do-sol.
Abraços.
Máriton
---------------------------------------------------------------------------------------------------------

Data: Fri,  4 Jan 2008 07:16:42 -0200


Assunto: Dubai 17
Meus irmãos, irmãs, cunhado e cunhadinhas,
Saúde!
Esqueci de dizer que, ao sair da Emirates Clinic, a Ju foi à farmácia (pharmacy) pegar o remédio gratuitamente.
Nosso dia foi bem leve, ontem.
Durante o dia, Dione ficou arrumando nossas malas e Ju colocando as fotos em 4 cds. Ao vê-la fazendo isso, fico pensando na minha limitação, pois não me imagino nem de longe fazendo isso.
À noite fomos jantar no Paul, restaurante do Mall of the Emirates.
Por acaso, cruzamos com Michael, americano que trabalha como piloto da Emirates Airline. Já o conhecia de foto, pois a Ju havia viajado com ele a Inglaterra, indo visitar com ele à casa de Shakespeare.
O engraçado é que eu estava entendendo cada palavra dele. Disse-lhe isso. Ele me disse que TODAS as pessoas pedem para ele falar devagar, razão por que ele resolveu falar sempre devagar.
Isso é interessante ressaltar, porque os paquistaneses e indianos falam inglês com o seu sotaque gutural, o que dificulta muito o seu entendimento. Até a Ju, que só fala inglês, pede para eles, no telefone, falaram mais devagar.
De volta, Andréia, a japinha (que mora no 2001, ao lado do apartamento 2004, da Ju) nos convidou para degustar um vinho português.
Quero dar uma palavra final sobre Dubai.
Dubai não é um destino de primeira viagem. Se você ainda não foi a Londres ou Paris, nem passou uma temporada no Nordeste brasileiro, deixe o emirado para mais tarde. Também não se trata de uma viagem econômica: hotéis 5 estrelas são uma das especialidades da região. Mas, sem dúvida, é interessante ver como se está organizando um lugar de cultura diferente da nossa, e que pretende tirar boa parte da sua renda do turismo.
Dubai é o mais vistoso dos 7 emirados árabes e de certa liberalidade de costumes.
Há dois lugares que merecem ser visitados: a) Abu Dhabi, a capital, o maior e mais rico de todos os emirados; b) Sharjah, com apelo cultural e o mais conservador, considerado pela Unesco como a capital cultural do Oriente Médio. Aí os valores islâmicos são seguidos de maneira mais rigorosa: álcool, camisetas, bermudas e saias curtas não são permitidos nem tolerados.
Hoje vamos lanchar na casa do Maurício e jantar com o Félix, amigos da Ju.
Abraços.
Máriton








©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal