InauguraçÃo da sede da sociedade filarmónica recreio dos lavradores da ribeirinha terceira, 15 de Fevereiro de 2004



Baixar 6,38 Kb.
Encontro09.09.2017
Tamanho6,38 Kb.

INAUGURAÇÃO DA SEDE DA SOCIEDADE FILARMÓNICA RECREIO DOS LAVRADORES DA RIBEIRINHA
Terceira, 15 de Fevereiro de 2004

Intervenção do presidente do Governo Regional dos Açores, Carlos César
A tradição açoriana consolidou e sedimentou, ao longo dos tempos, a expressão musical das filarmónicas, que confere, hoje, em todas as ilhas do Arquipélago, um sentido de identificação cultural. Sem as filarmónicas, com as significações múltiplas que representam – vontades congregadas, predisposições de convívio, movimentos estéticos, espaços de lazer – não poderia ser esboçada uma cultura de autonomia no Arquipélago. A dimensão do tempo acarreta noções de tradição e de património, que as nossas filarmónicas vão modelando, em cada geração e em cada pessoa, participando e influenciando a vida social da sua freguesia, da sua ilha, da sua Região.
O património, contudo, não é inanimado, e a arte apura-se na tradição absorvida e nas vivências dos tempos presente e futuro. Assim, a música incorpora uma matriz cultural, porque, de modo singular e natural, as filarmónicas despertam emoções, num lento processo de transmissão e num modo terno de afirmação da nossa identidade, reanimando, de geração em geração, o espírito do lugar, através das variações dos ritmos, dos padrões e das melodias.
E, por isso, as filarmónicas dos Açores colhem um reconhecimento generalizado e entram no nosso imaginário colectivo. É neste sentido de tradição e nesta noção de património que as devemos acarinhar e apoiar, no seu aperfeiçoamento, na criação de condições para um processo de ensino e de aprendizagem mais alargado e mais rigoroso, através das Escolas de Música e através de uma legislação que tem vindo a ser produzida sobre esta matéria, que dignifica, alenta e assegura com mais consistência o seu futuro.
Fundada em 1 de Maio de 1886, a Sociedade Filarmónica Recreio dos Lavradores da Ribeirinha ultrapassa, porém, a sua estrita dimensão de associação musical, porquanto assume um valor simbólico, representando a sua freguesia e nela se reconhecendo com orgulho legítimo e com brio.
Parabéns, pois, à Sociedade Filarmónica Recreio dos Lavradores, pela sua Ribeirinha, e parabéns à Ribeirinha pela sua Filarmónica.
O meu desejo e o meu esforço, como Presidente do Governo, é que – uma e outra – continuem a progredir, usando cada vez mais o bem-estar da cultura e trabalhando cada vez mais para uma cultura de bem-estar.






©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal