Igreja cristã maranata



Baixar 410,11 Kb.
Página1/4
Encontro10.07.2018
Tamanho410,11 Kb.
  1   2   3   4







IGREJA CRISTÃ MARANATA



SEMINÁRIO DE PRINCIPIANTES PARA OS BRASILEIROS
USA - AGOSTO DE 1998

ÍNDICE:

Bíblia A Palavra de Deus ................................................................ 02



Provérbios (Guerra Inteligente) ...................................................... 07
Culto Profético ................................................................................... 10
Idolatria ............................................................................................... 15
Igreja Corpo de Cristo .................................................................... 20
Batismo com o Espírito Santo ........................................................... 20

BÍBLIA - A PALAVRA DE DEUS

Se nós fossemos discutir Bíblia no ponto de vista da razão, nós poderíamos trazer muitos argumentos que a confirmam, argumentos fortes.

Existem hoje estudos feitos por computadores que mostram que a Bíblia tem uma seqüência que seria impossível à mente humana fazê-la.

Isaac Newton foi um grande estudioso da Bíblia e ele dizia que ela é um livro selado, pois possui um código que ele não conseguiu detectar, nem descobrir.

A Palavra tem coisas interessantes que nós poderíamos discutir racionalmente.

No campo da arqueologia, por exemplo, a Bíblia contribuiu com informações valiosíssimas porque foi através de suas referências que pôde-se chegar à descobertas, por exemplo, de cidades que nem mesmo a História tinha conhecimento.

Isaías, 800 a.C., já dizia que a Terra era redonda. Quando Galileu disse que a Terra era redonda e que o sol era o centro do sistema solar, quase morreu na fogueira, pela Inquisição da Igreja Católica.

Pedro, em uma se suas cartas diz o seguinte: Mas o dia do Senhor virá como o ladrão de noite; no qual os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se desfarão, e a terra, e as obras que nela há, se queimarão. (II Pe. 3:10)

A palavra elemento usada por Pedro, no original grego, é uma expressão muito usada pelos físicos no campo da fusão dos elementos químicos, é a palavra óranus. Foi exatamente esse elemento químico que Bequerel usou quando descobriu a radioatividade, ele baseou-se na fusão do átomo do urânio ( óranus). O átomo de urânio foi o precursor da radioatividade, todos os outros elementos vieram depois.

Pedro disse isso há quase 2.000 anos atrás e ele era um pescador, não era físico.


OBJETIVO:
A Bíblia é um livro diferente. Nós poderíamos chegar à conclusão (até racionalmente) que a Bíblia veio de Deus, entretanto nós não a aceitamos pela razão, nós a aceitamos pela fé e sendo assim, nós vamos ver que ela tem um objetivo.

O Objetivo da Bíblia é a salvação do homem.

O que é salvação?

A palavra salvação, que em hebraico é Yéshua é o nome JESUS. O nome Jesus é Salvação.

Em Ap. 19:13 nós lemos: E estava vestido de uma veste salpicada de sangue, e o nome pelo qual se chama é a Palavra de Deus.

De quem o texto fala?

Ele fala do Senhor Jesus.

E qual é o nome pelo qual Ele se chama?

O nome pelo qual Ele se chama é a Palavra de Deus.

Jesus é a Palavra, e se o objetivo da Palavra é salvação, ela contém, portanto, o projeto de Deus.

O projeto de Deus é a salvação do homem.

E quem é salvação?

É Jesus, é Yéshua.

Se o grande projeto de Deus é salvação, e se este projeto está na Palavra, e se o nome Salvação é Jesus, nós vamos entender que Jesus está em toda a Palavra.

Se o grande projeto de Deus (que está na Palavra) é salvação (esse é o objetivo da Palavra), e se salvação é Jesus, nós vamos entender que a Palavra toda nos aponta o Cordeiro, ela nos mostra o Cordeiro. Nós vamos encontrar Jesus em toda a Bíblia, do Gênesis ao Apocalipse.
De que forma você vai ver Jesus no Velho Testamento?
Você vai ver Jesus profético , é a figura dele, a figura do Cordeiro, da rosa de Sarom, da fonte das águas vivas, etc. Por exemplo:
Gn. 3:15 B O Senhor diz à serpente: E porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua semente e a sua semente; esta te ferirá a cabeça...

Gn. 22:7 B Isaque diz a seu pai Abraão: Eis aqui o fogo e a lenha, mas onde está o cordeiro para o holocausto? E Abraão respondeu: Deus proverá para si um cordeiro para o holocausto, meu filho.

Êx. 12:3 B O Senhor diz ao povo de Israel: Falai a toda a congregação de Israel, dizendo: Aos dez deste mês tome cada um para si, um cordeiro...

Sl. 45 B Tu és mais formoso do que os filhos dos homens; a graça se derramou em teus lábios, por isso Deus te abençoou para sempre. Cinge a tua espada à coxa, ó Valente, com a tua glória e a tua majestade...

Ct. 2:1 B Eu sou a rosa de Sarom, o lírio dos vales...

Is. 53 B Porque foi subindo como um renovo perante ele, e como raiz de uma terra seca... tomou sobre si as nossas enfermidades... e pelas suas pisaduras fomos sarados.

Zc. 13:1 B Naquele dia haverá uma fonte aberta para a casa de Davi, e para os habitantes de Jerusalém, contra o pecado e contra a impureza.


E de que forma você vai ver Jesus no Novo Testamento?
Você vai ver Jesus revelado.
Jesus está em toda a Palavra porque todo o objetivo dela é salvação. Nós aceitamos a Palavra, nós a recebemos porque ela nos mostra, ela nos revela todo o projeto de salvação para o homem, que é Jesus.

Para a Religião, a Palavra pode ser discutida até do ponto de vista racional, teológico, mas para nós a importância dela está no seu objetivo, que é a salvação do homem, e nós só entendemos esse objetivo de Deus se a Palavra for revelada.

Se a Palavra não for revelada você vai ficar na letra e a própria Bíblia diz que a letra mata. E por quê?

A letra mata porque é a Bíblia sem o Espírito Santo, e é Ele quem revela o projeto de Deus para a salvação do homem.

O homem sem o Espírito Santo tem a Bíblia na razão, mas quando o Espírito Santo revela, ele tem a Palavra revelada, ele vai além da letra.

Os fariseus, no tempo de Jesus, não puderam entender aquilo que o Senhor lhes falava. Por quê?

Porque eles não conheciam a revelação.

Jesus disse àquela turma de religiosos: Quem não comer da minha carne e não beber do meu sangue, não tem parte comigo.

Se eu estivesse lá e se eu fosse um daqueles fariseus, eu também diria O que eles disseram: Ele não é normal, Ele está falando que nós temos que comer um pedaço dele e beber do seu sangue. Que negócio difícil!

Eles não entenderam isso e por isso não lhe deram crédito.

Jesus disse: Quem tem sede vem a mim e beba.

E eles pensaram: Mas como?? Onde está a água que ele trouxe?

Todos estavam na letra. A letra mata porque ela não dá vida. Que tipo de vida?

A vida eterna.

A Palavra revelada é a Palavra que está além da letra.

Se você entender o que é Palavra revelada, você entendeu a aula toda.

Nós estávamos num seminário de principiantes em Porto Velho, Rondônia, e um dos pastores me disse, em particular: Olha, há um jovem advogado, famoso na cidade, que visita a igreja de vez em quando, ele é muito inteligente e faz umas perguntas bem difíceis a respeito da Bíblia.

Eu fiquei na expectativa de encontrar esse advogado.

Quando eu terminei a aula, às 9:00h, e já ia saindo pra tomar o café, um cidadão, ainda jovem, me cumprimentou e foi logo dizendo: Eu queria dizer que não concordei com a sua aula.

_ Não concordou com a minha aula?

_ É, eu achei que você cometeu uma falha na sua aula, eu acho que você disse uma coisa que não existe, e eu achei isso muito sério.

_ O que foi que eu disse e que não existe?

_ Você usou aquela frase: Bíblia Palavra Revelada. Você cometeu um equívoco porque a Bíblia já está revelada (e começou a me dar uma aula) porque a Bíblia é Deus se revelando ao homem através da sua Palavra, é Deus se fazendo conhecer ao homem...

Quando ele terminou de falar, eu lhe disse: Me responde uma coisa: Tudo o que Jesus fez teve um sentido teve um significado ou foi tudo feito aleatoriamente, Ele teve vontade de fazer e fez?



_ Tudo o que Ele fez teve um significado.

_ Então me responde: Você conhece a cura dos três cegos?

_ Sim, eu conheço.

_ Então você lembra da cura de Bartimeu. Ele chegou e Jesus disse: Vê, a tua fé te salvou. Com o segundo homem, o cego da aldeia, Jesus impôs as mãos sobre ele e lhe perguntou: O que vês? E ele respondeu: Vejo os homens como árvores. Então Jesus o levou para fora da aldeia e impôs as mãos novamente sobre ele, orou e então lhe perguntou: E agora? E ele disse: Agora eu vejo até ao longe. Jesus encontrou o terceiro cego junto ao tanque de Betesda, em Jerusalém. Jesus cuspiu no chão, fez lodo, colocou nos olhos dele e lhe disse: Vai se lavar no tanque. Ele foi e voltou enxergando perfeitamente.

Agora eu vou fazer uma pergunta a você. Por que Jesus não curou os três cegos da mesma maneira?

Aí ele parou, olhou para mim e disse: Não sei.

Eu disse: Segunda pergunta: Será que para Jesus elas foram diferentes porque deu na idéia dele ou é porque isso tem um significado?

_ Certamente que tem um significado.

_ E qual é?

_ Não sei.

_ Se você não sabe é porque você conhece letra. O que você não sabe é o que está além da letra. Eu vou dizer qual é o significado de cada uma dessas curas. Você vê por onde?

_ Eu vejo pelos olhos.

_ Você vê porque no seu cérebro existe o centro da visão, se você tiver uma trombose e ela afetar essa área que é responsável pela visão, você fica cego, mesmo tendo os olhos perfeitos. O olho é apenas uma câmera para receber a luz, é como se fosse uma máquina fotográfica. A luz incide sobre o objeto em foco, reflete e atravessa a abertura chamada pupila. Depois ela atravessa uma lente que se chama cristalino e projeta aquela imagem sobre um filme que está lá atrás e que se chama retina. A retina então joga aquela imagem através do nervo até ao cérebro, tudo isso é feito numa velocidade incrível, semelhante à velocidade da luz.


Para ver você precisa de luz, sem ela não poderíamos ver nada.

O Senhor disse: Eu sou a luz do mundo, quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida. Então nós entendemos que salvação é ver Jesus, salvação é ver essa luz, que é Jesus.

Quando Jesus curou os três cegos, Ele estava dando a primeira e grande doutrina de salvação.

Bartimeu era cego, mas sabia quem era Jesus, tanto que disse: Jesus, filho de Davi, tem misericórdia de mim!. Ele é tipo do homem que conhece Bíblia, conhece tudo de religião, conhece o cristianismo, mas não teve uma experiência de salvação, ainda não viu Jesus.

O cego que estava na aldeia é tipo do homem do mundo, ele teve um encontro com Jesus no mundo, ele teve uma experiência através da mão de Jesus, que é a experiência através do corpo, é quando Jesus atinge o homem lá no mundo através da Igreja.

E como vem esse homem? Ele vem enxergando tudo direitinho? É claro que não.

Eu lembro de um colega de faculdade, o Fernando, ele fumava muito, três maços de cigarros por dia. Eu o evangelizei e o levei à igreja, era um sábado, e Jonas orou por ele. Na segunda-feira ele comprou uma Bíblia e foi para a faculdade com ela debaixo do braço. Os colegas diziam:

_ Fernando, o que está acontecendo com você?

_ Glória a Jesus! Rapaz, eu me converti, estou na igreja do Amadeu. Eu agora sou crente. Rapaz, você precisa aceitar a Jesus.

Ele estava vendo? Sim ele estava vendo, mas estava vendo tudo torto. Depois que ele foi batizado com o Espírito Santo, depois que Deus falou com ele, depois que Deus começou a operar na vida dele, ele começou a ver ao longe. (É exatamente isso que acontece quando o Senhor tira o homem do mundo).


O terceiro cego o que estava junto ao tanque de Betesda, ele estava querendo ver, mas faltava alguém para ser usado na sua cura, alguém para abrir-lhe os olhos. E o que Deus usa?

Deus usa aquilo que sai da boca de Jesus misturado com o barro.

O barro é o homem. Deus usa o barro, mas depois que ele é usado, é preciso que seja retirado porque se deixar secar no olho ele pode fazer uma úlcera de córnea, e vai provocar cegueira, ele vai ficar cego novamente.

O homem foi usado. Você viu quem foi? Então vai lá no tanque e tire o barro.

Ele vai, tira o barro e volta enxergando perfeitamente. Deus usou o homem? Esquece o homem, porque São as águas do Espírito Santo que vão abrir os seus olhos e vão limpar cada vez mais, para que você possa ver cada vez melhor.

Esse é o significado que está na Palavra. Você sabia disso? Você conhecia isso?

_ Não, eu não sabia.

_ Você não sabia porque você está na letra e a Palavra revelada é a que está além da letra.
Outro exemplo:
O Senhor Jesus disse: Eis que o semeador saiu a semear. Quem é o semeador?

É o Espírito Santo.

Ele saiu a semear o quê?

A Palavra, ela é a semente.

Só o Espírito Santo sabe semear a Palavra revelada e é por isso que nós temos que deixar o Espírito Santo operar em nós. Se a Palavra é revelada vai nascer, em nosso coração, uma árvore frutífera, igual à que nasceu no coração de Paulo, de Pedro, de João, daqueles irmãos do passado, que é a mesma árvore que nasce no nosso coração hoje, porque a Palavra é a mesma.

Em Mateus 7:24 a 27, nós lemos um trecho do sermão da montanha, onde Jesus dizia: Todo aquele que escuta estas minhas palavras e as pratica, é semelhante ao homem prudente que edificou a sua casa sobre a rocha.

O homem prudente é aquele que ouve. Deus fala e ele ouve, porque Jesus está falando de uma construção espiritual.

O Senhor diz: Faça isso. E você faz. Compra o imóvel. E você compra. Dá esse assunto. E você dá. Ele dá toda a orientação, é só ouvir e seguir.

O homem que está fazendo uma construção espiritual baseado naquilo que Deus está falando, é um homem prudente, ele está construindo sobre a rocha.

Agora, se Deus está falando com você e você não atende, Ele fala de novo e você também não atende, por que Ele vai continuar falando com você? Afinal você tem boas idéias, você está decidido a fazer aquilo que está na sua cabeça, você quer fazer uma obra segundo a sua razão. Na realidade você é um insensato porque a sua construção está sendo feita sobre a areia.

Qual a diferença entre a rocha e a areia?

A Palavra é a rocha, é o inteiro, mas se eu tirar um pedacinho, eu vou ter um grão de areia. Por exemplo: a Bíblia diz que o nome de Deus é Jeová, então eu vou ser testemunha de Jeová. Eu vou guardar o sábado. Tudo isso está baseado em fragmento de rocha, da Palavra, ou seja, na areia, na letra. Ele usou um versículo da Bíblia e construiu ali. Essa é a construção do insensato e ela tem um nome, Religião. Se você não tem revelação, faça então uma boa religião. É um versinho que eu fiz.

A construção sobre a rocha é a construção baseada na revelação. Construir na areia, é construir sobre o fragmento da Palavra, é Religião.

A construção, a obra que foi feita, ela vai ser testada quando vierem a chuva, os ventos e a enxurrada.


A chuva é aquilo que é produzido pela evaporação de grandes massas de água.

Qual é a maior massa de água que existe no nosso planeta?

É o mar. E o mar é tipo do mundo.


Quem está influenciando quem? É a Igreja quem está influenciando o mundo, ou é o mundo quem está influenciando a Igreja?

É o mundo quem está influenciando a Igreja. Nós vemos casos de artistas famosos que se convertem tempos depois eles aparecem fazendo show, os mesmos trejeitos, a mesma calça rasgada no joelho, a mesma camisa, colocou mais dois brincos além daqueles que ele tinha, argola no nariz, o cabelo... Aquela fisionomia horrorosa, só que agora na sua guitarra está escrito ARoqueiro de Cristo@.



O vento é a vã doutrina.

Eu estava no hospital e vi uma discussão entre um médico e um casal. A senhora tinha que ser operada e o marido estava dizendo: Ela não vai poder tomar transfusão de sangue porque a nossa religião não permite.

Aí o médico disse: Se ela não fizer a transfusão de sangue, eu não opero porque sem ela e a sua mulher vai morrer, essa cirurgia vai fazer ela perder muito sangue e eu vou ter que repor uns três litros de sangue nela, no mínimo. Sem o sangue eu não opero porque eu não sou maluco, não vou me arriscar.

E o homem queria que ele operasse sem a transfusão de sangue, ele insistia nesse ponto: Tem que operar sim, mas sem o sangue.

Eu estava ali por perto ouvindo porque eu queria saber por que não podia receber sangue.

Aí o colega perguntou: Por que a sua mulher não pode tomar sangue?

O marido respondeu: Porque está lá em Atos15: 20 o seguinte: Se abstenham das contaminações dos ídolos, da prostituição, do que é sufocado e do sangue. Deus orientou à Igreja que ela devia abster-se de comer sangue.

Aí eu cheguei e disse para ele: Na realidade a orientação é para que a Igreja não coma sangue de animal, era sangue de animais ingerido por via oral e a transfusão é de sangue humano por via endovenosa, ou seja, na veia. A Bíblia fala de sangue animal ingerido pela boca e o que o doutor quer é colocar sangue humano na veia.

O camarada me olhou, olhou pra mulher dele e perguntou: Você é crente?

_ Sou.

_ Qual a sua igreja?

_ É importante saber qual é a minha igreja?

_ É só por curiosidade.

_ Eu sou da Igreja Maranata.

_ Só podia ser, esse é o pessoal mais difícil que existe.

Não é uma questão de ser difícil, é uma questão de doutrina.


A enxurrada é aquilo que está escondido.

Eu atendi uma senhora no meu consultório. Ela estava preocupada e me dizia: Doutor Amadeu, eu estou com um problema sério com os meninos lá de casa. Nós somos de uma igreja tradicional e depois do culto eles vão para o barzinho beber.



_ É mesmo?

_ É.

Dois meses depois ela voltou lá no consultório, toda alegre: O senhor não sabe da maior.



_ o que aconteceu?

_O Senhor me deu uma bênção, Os meninos não vão mais para o barzinho. Agora, todos os sábados, eu vou ao supermercado e compro tudo e eles bebem dentro de casa, pra não darem escândalo lá fora. Ninguém fica sabendo e eles ficam à vontade.

Isso é enxurrada.



A REVELAÇÃO.
A luz, que é a revelação, ela começa no gênesis, foi a primeira coisa que Deus criou. Deus disse: Haja luz. E houve luz.

O Senhor Jesus disse: Eu sou a luz do mundo.

Em Atos 2:1 nós vemos que a Igreja começou no Pentecostes, que também é chamada de Festa das Luzes.

Você vê aqui a revelação, a Trindade: o Pai, o Filho e o Espírito Santo.


Certa vez Jesus perguntou aos seus discípulos: Quem dizem os homens ser o Filho do homem?

E os discípulos responderam: Uns João batista, outros Elias, e outros Jeremias ou um dos profetas.

Eu pergunto aos irmãos: Quem disse que Jesus era Elias, falou mal de Jesus?

Não, ele falou bem porque Elias foi um grande profeta. Da mesma maneira que João Batista era, da mesma maneira que Jeremias era. Todos falaram bem. Mas a resposta estava certa?

Não, ela não estava certa tanto é que Jesus quis saber deles e lhes perguntou: E vós, quem dizeis que eu sou?

Diz a palavra que Simão Pedro, respondendo, disse: Tu és o Cristo, o Filho de Deus vivo.

Pedro identificou o projeto de Deus, ele teve uma revelação.

E Jesus respondendo disse: Bem-aventurado és tu, Simão Barjonas, porque não foi a carne nem o sangue que te revelou isso, mas foi o meu Pai, que está nos céus. Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela.

O que o Senhor disse foi: Tu és Pedro. A palavra usada aqui é Petrus, que é a pedra normalmente usada numa construção qualquer, como por exemplo, num muro, numa calçada, trata-se de um pedaço de pedra, uma pedra cortada para um determinado fim.



E sobre esta pedra edificarei a minha igreja. A palavra aqui é petra, que á a rocha por inteiro.

Petrus é um pedaço da petra, que é a rocha inteira, a rocha maciça.



Então o que Jesus disse foi: Pois também eu te digo que tu és Pedro, tu és um pedaço de pedra, um fragmento de pedra, e também te digo que sobre esta pedra, sobre esta rocha edificarei a minha igreja.

Quem é a rocha?

É Jesus.

Quem é a revelação?

É Jesus.

Qual foi a revelação que Pedro teve?

Foi: Tu és o Cristo, o Filho de Deus vivo. Jesus é a revelação, é o projeto de Deus, e Pedro obteve do Senhor a identificação desse projeto, que é Jesus.

A Igreja está edificada sobre a rocha, que é Jesus, que é a revelação.

Pedro teve a revelação e isso trouxe uma conseqüência. Qual foi ela?

O Senhor disse a ele: Eu te darei as chaves do reino dos céus.

Quem está na letra entende o seguinte: Chave é para abrir porta, portanto, Pedro recebeu as chaves dos céus, ele é o porteiro do céu.

Eu lembro que quando eu era criança, eu queria ir ao estádio, mas eu não conhecia o presidente do clube, eu conhecia o porteiro. Eu chegava lá e dizia para o porteiro: Seu José posso passar por debaixo da roleta? E ele sempre deixava: Passa menino. Eu não precisava conhecer o presidente porque o porteiro resolvia o meu problema, ele me deixava passar por baixo da roleta e assim eu entrava no estádio.

As pessoas pensam que no céu acontece a mesma coisa. Elas chegam lá e encontram Pedro na porta: Olá, Pedro, você lembra daquela coisa que nós tínhamos lá e tal... mês de junho, aquela festa em sua homenagem, aqueles foguetinhos?

Isso é letra. A Religião ensinou assim.

Como fica isso na revelação?

Jesus deu a Pedro as chaves do reino dos céus. A chave abre a porta. Mas quem é a porta?

A porta é Jesus. Pedro usou a primeira chave no Pentecostes, ele entrega uma revelação ali e 3.000 almas aceitam o Senhor Jesus. Pedro usou a segunda chave quando ele e João subiam para o templo na hora da oração, às 15:00h, ali na porta do templo chamada Formosa estava um coxo que lhes pediu esmola. Pedro orou pelo coxo e ele foi curado. Ali mesmo no templo Pedro entregou outra mensagem e 5.000 pessoas se converteram. A terceira chave ele usou quando foi à casa de Cornélio, era a abertura do evangelho para os gentios.
O Senhor disse que as portas do inferno não prevalecerão contra ela.

Se a porta, que é Jesus, se abriu as outras portas não vão prevalecer contra ela. E quais as outras portas?

Todas as outras, como por exemplo, a porta do vício, a porta da miséria e tudo o mais.

Nós temos recebido esta chave que Pedro recebeu?

Temos sim, nós temos recebido a Palavra revelada, é ela que abre a porta para aquele que não conhece o Senhor.
***** ACOMPANHAR NO PAINEL *****
O Velho Testamento foi escrito em hebraico.

A primeira frase da Bíblia é Bereshit barah Eloim...


No século IV, o responsável pela biblioteca da Alexandria escreveu uma carta ao sumo sacerdote de Jerusalém pedindo-lhe que enviassem tradutores capazes de verter o Velho Testamento do hebraico para o grego.

O sumo sacerdote enviou seis anciãos de cada tribo para fazerem esse trabalho. Em homenagem a estes setenta e dois homens, essa primeira versão da Bíblia em uma só língua, ou seja, no grego, foi chamada de Septuaginta.


CONSULTA À PALAVRA
II Co. 3:6 - ... porque a letra mata, e o espírito vivifica.
Quando você clama pelo sangue de Jesus, você está clamando pelo seu Espírito.

E quando você abre a Palavra clamando pelo sangue de Jesus, essa Palavra que é letra, ela adquire vida e fala. Aí está a grande experiência com a Palavra.

Quando eu estava em Vila Velha, eu tinha um diácono que era militar. Ele era muito disciplinado e eu o coloquei para tomar conta das viúvas, eram vinte e uma senhoras. Chegou um tempo que ele não agüentava mais. Ele quis entregar a função e foi consultar o Senhor a respeito disso, ele não queria mais cuidar delas, elas davam uma Amão de obra@ terrível.

Ele perguntou ao Senhor: Posso entregar isso, Senhor?

Abriu a Palavra e o Senhor respondeu no texto de Isaías 1:17 B Aprendei a fazer bem; praticai o que é reto, ajudai o oprimido, fazei justiça ao órfão, tratai da causa das viúvas.

Ele chegou lá na igreja e me disse: Eu tinha uma conversa com você, mas mudei de idéia, eu ia entregar o trabalho com as viúvas, mas não vou mais entregar porque eu abri a Palavra e o Senhor falou comigo neste texto aqui e eu entendi que não era pra entregar.

Um irmão tinha um carro velho e quis se desfazer dele. Deu um capricho no carro, tapou os buracos, deu uma pintura, botou um óleo no motor e colocou o carro à venda. Quem olhava para o carro achava uma beleza, mas ele não valia nada.


Apareceu um cidadão lá e ele foi consultar o Senhor: Posso vender o carro?

Ai o Senhor lhe respondeu no texto de Ezequiel 15:5 Ora, se estando inteiro, não servia para obra alguma, quanto menos sendo consumido do fogo, quanto menos sendo queimado, se faria dele qualquer obra?

Ele chegou para o cidadão e disse: Olha, eu até preparei esse carro aqui, mas ele não está bom, tem uns podres que eu escondi, está precisando de fazer o motor.

Mas o camarada respondeu: Não tem problema não, eu compro assim mesmo.

O Senhor deu uma bênção a ele, o carro não valia nada e o camarada comprou assim mesmo.
Um irmão de jardim América tem uma loja de venda de ovos, ele só vende ovos, tem ovo de tudo quanto é jeito. Um dia apareceu lá um cidadão com um caminhão cheio de ovos para vender para ele. O camarada disse que não tinha podido vender no Ceasa e tal, e queria fazer negócio, queria vender a mercadoria toda pela metade do preço.

O irmão ficou desconfiado e resolveu consultar o Senhor sobre o assunto, saiu um pouquinho dali, abriu a Palavra: Senhor, este negócio é bom?

Então o Senhor lhe respondeu no texto de Jó 6:6 Ou comer-se-á sem sal o que é insípido? Ou haverá gosto na clara do ovo?
É claro que ele não comprou ovo nenhum.
Amém.


PROVÉRBIOS (Guerra Inteligente)
Pv. 24:6 - Porque com conselhos prudentes tu farás a guerra, e há vitória na multidão dos conselheiros.
Meus irmãos, nós temos que entender que estamos diante de uma realidade, há uma batalha que está sendo travada. O grande problema do evangelho, do cristianismo é não saber que está diante de uma batalha e, por não saber ou não levar esse fato em consideração é que sobreveio a derrota.

O evangelho está vivendo as suas dificuldades, as suas lutas, a sua falência diante do mundo porque está perdendo a batalha. E por que este evangelho que está aí está perdendo a batalha para o mundo? É o mundo que está influenciando a Igreja ou é ela que está influenciando o mundo?

O mundo está influenciando a Igreja, é ele que está ditando as normas para a Igreja, é ele que está ganhando a batalha. Este é o primeiro sinal, é a primeira conseqüência.

E a Obra? Nós também fomos chamados para sermos derrotados?

Não, nós não seremos derrotados porque nós sabemos que estamos numa batalha, nós sabemos quem é o nosso Comandante, nós sabemos por quem estamos lutando e sabemos que precisamos vencer, nós conhecemos os motivos da nossa vitória, nós não estamos enganados.

A Obra é a conscientização do homem de que ele está numa batalha. Desde o primeiro dia que nós conhecemos esta Obra, nós entendemos que as lutas seriam grandes. A terra precisava ser possuída, e nós lembramos daquela palavra do servo de Deus que já se estava despedindo, para orientar aqueles que iam continuar a longa jornada para entrarem na terra prometida: Há muita terra para ser possuída.

Nós estamos diante de uma batalha e usamos as armas que estão à nossa disposição, que são:
O clamor - A primeira arma é o clamor porque no clamor você se esconde na luz de Jesus. Se eu pegar um farol e direcionar a luz para qualquer pessoa aqui, ninguém me vai enxergar porque eu vou ficar na parte escura do ambiente em que estamos. A revelação é como a luz desse farol que está direcionado para o adversário, a luz está sobre o adversário e não deixa que ele veja quem está detrás do farol porque a luz o protege, o adversário não consegue ver você, não consegue saber quem é você porque você está protegido, escondido, na luz, que é Jesus.

Nos Movimentos, o camarada está ali, de repente caiu, acabou, porque é aquele negócio de Eu te ordeno, Sai em nome de..., e sai mesmo, mas espera o camarada na primeira esquina ou vai para a casa dele.



O culto profético - É uma batalha em grupo, ele entra sabendo que está lidando diretamente com o inimigo. Quando entra um visitante numa igreja, ninguém se vai enganar a respeito dele, nós o olhamos com amor, damos toda a atenção, são nossos amigos, queremos o bem deles, mas nós sabemos que ali existem lutas muitos grandes, opressões e é necessário que aquela pessoa se liberte, mas para isso nós temos que entender que nós precisamos atacar com conselhos prudentes.

Onde estão os conselhos prudentes?

Eles estão na evangelização da Igreja, no culto profético, porque ali você se abastece dos elementos para a batalha.

A Palavra revelada - Nós estamos trazendo uma palavra por revelação, você não precisa ler a Bíblia para ninguém, o visitante não precisa mais de Bíblia, você não precisa orar por ele por dez minutos não, você só vai pedir aquilo que ele está precisando ou aquilo que o Senhor mostrar, você não vai perder tempo: Senhor Deus, abençoa a sua vida, por misericórdia... e vai aquele negócio, o camarada não sabe mais onde ele está, já se perdeu, e o visitante está doido para ele tirar a mão de cima da cabeça dele. Nós vamos direto, mas como é que fazemos isso?

Nós temos que entender que estamos numa guerra e essa guerra se faz com conselhos prudentes e a prudência é própria do Espírito Santo.

O Espírito Santo é prudente. Digamos que eu chegue aqui e diga: O Senhor revelou que há uma pessoa aqui que vai-se suicidar. Isso é prudência?

Não, mas nós sabemos que quando o Senhor revela é certo, por isso é preciso aquele cuidado.


Há muitas formas de se lutar hoje. A batalha que se trava pode ser:
Individual que é quando você está evangelizando uma pessoa no seu trabalho, na sua vizinhança, no seu círculo de amizades, na sua família, na igreja.
Coletiva - que é quando você está num grupo, trabalhando numa evangelização da Obra.
Nós temos que entender onde nós estamos e o que nós vamos fazer. Eu estou mostrando as armas individuais, aquilo que você está fazendo como grupo.

Vocês estão com uma pessoa numa determinada casa e, amanhã, surgiu a oportunidade de evangelizar. Você tem que ir no clamor, você tem que esperar o momento, você tem que dizer somente o suficiente e se afastar. É só fazer as coisas por revelação, não adianta esse negócio de querer evangelizar todo o mundo sem uma revelação da parte do Senhor, sem uma orientação do Senhor porque a Obra tem uma direção na batalha e tudo vem da parte do Senhor.

Nós estamos numa batalha, numa guerra e nós temos um Comandante, nós temos um comando geral e é ele quem determina todas as nossas ações. Eu não estou aqui porque eu quis, eu estou aqui porque o Senhor me mandou vir, eu estou aqui obedecendo a uma ordem do Senhor. Eu não estou aqui porque quero ver os irmãos, eu gosto muito de todos, mas eu não estou aqui por causa disso e os irmãos também não estão aqui por minha causa, mas vieram porque o Senhor quis que viessem para aprender, para serem abençoados.

Nós estamos diante de uma grande batalha que se trava no mundo e que está sendo perdida pelo evangelho que aí está, mas nós não podemos perder essa guerra.



Quando nós estivemos em Israel, o nosso guia (cicerone) nos levou até Golã, que faz divisa entre Israel e Síria, é um lugar maravilhoso. Os sírios atiravam das colinas para as campinas do Jordão, lugar onde haviam muitas plantações. O que Israel fez?

Ele tomou aquela região, apossou-se daquela área montanhosa e construiu ali umas casamatas. Aquelas montanhas não têm muita vegetação, mas têm muitas pedras e eles aproveitaram para colocarem postos avançados ali em cima.

Os sírios, então, se prepararam para a guerra e mantiveram segredo sobre isso. Num dia de sábado, dia guardado pelos judeus, os sírios desceram as montanhas completamente armados, com carros de combate, com todo o tipo de armamento, e encontraram o exército de Israel, praticamente, todo desmobilizado.

Quando os grupos de israelitas que estavam nos postos avançados viram que os sírios estavam atacando, eles se comunicaram imediatamente com o comando geral e a ordem que veio foi: Ninguém se mexa. Fiquem quietos onde estão. Deixem que eles passem.

Ninguém entendeu aquela ordem, eles estavam lá justamente para defender, essa era a missão deles, mas o comando geral havia dito: Deixem eles descerem, deixem eles virem, não se oponham e se escondam para que eles não saibam que vocês estão aí. E foi isso que aconteceu, silêncio total. Os sírios desceram sem encontrar resistência alguma e quando eles já estavam nas estradas que davam para Jerusalém, o comandante sírio disse: Até agora Israel não deu um tiro sequer, eu acho que nós estamos cercados, vamos voltar.

Os sírios debandaram, subiram aquilo tudo novamente, com carros de combate, homens, com tudo. A essa altura, Israel estava mandando reforços para aquela região, o sábado já estava acabando e agora era ação. Israel destroçou o exército sírio. O comandante sírio pensou que estivessem cercados, mas não estavam cercados coisíssima nenhuma e foram direto para a armadilha.

Por que os israelenses tiveram êxito?

Porque o comando, aquele que sabe de todas as coisas, deu uma ordem e foi obedecido. Se os soldados que estavam nos postos avançados se dessem a conhecer, se eles se mostrassem de alguma forma, os sírios iam dizer: Olha, eles não têm mais coisa nenhuma aqui, a defesa deles está toda aqui, vai ser fácil, aniquilamos com estes e avançamos para Jerusalém.

É por isso que A Palavra diz que com conselhos prudentes se faz a guerra.

A Obra se realiza com conselhos prudentes e esses conselhos prudentes são do Espírito Santo, e eles vêm, como que, por uma estação de rádio que ninguém pega, que ninguém consegue sintonizar (porque o mundo não está em sintonia com o Senhor), é através de um código que vem do Senhor para a Obra e que ninguém de fora consegue entender.

Quando existe uma batalha, tudo o que o exército inimigo quer é saber como estão as transmissões de rádio porque, ou ele tenta cortar a comunicação entre o comandante e seu comandados, ou ele tenta decifrar o código e inteirar-se das ordens do comandante inimigo para seus comandados e assim prevenir-se e dar sempre um passo à frente e lograr a estratégia do exército inimigo.

Num livro que relata a guerra dos seis dias, está falando de um episódio em que um comando, um grupo, tinha recebido a seguinte ordem: Vocês vão localizar o inimigo, mas vocês vão à noite, de pára-quedas. Eles tinham a localização, era numa bacia que ficava no deserto (porque no meio da areia havia uma cavidade e eles iam ficar escondidos ali).

Os inimigos estavam na saída de um desfiladeiro chamado Pashmidla. O comando israelita tinha ordem de não entrar em confronto, era apenas para dar as posições do inimigo ao comando geral.

Na primeira noite o capitão daquele grupo de reconhecimento localizou os inimigos, os egípcios, mas ele achou que o inimigo estava tão descontraído, tão à vontade, que resolveu atacar. Ele desobedeceu à ordem do comando geral porque a missão daquele grupo era localizar a tropa inimiga, passar as informações para que os aviões atacassem, bombardeassem o inimigo.

Aquele grupo estava bem armado, eles tinham todos os equipamentos, inclusive carros de combate, mas eram para uma emergência, para se defenderem, não era para atacar o inimigo, aquele capitão se precipitou e por causa dessa imprudência, muitos morreram o grupo quase foi dizimado.

Aquele capitão passou toda a guerra na prisão e, mais tarde, foi condenado porque não obedeceu.

Nós não sabemos o que o Senhor quer quando nos manda para uma determinada missão, e nem podemos perguntar, é só esperar, porque o Senhor vai apresentar os resultados daquela missão. O Senhor me manda vir aqui entregar uma mensagem. Eu chego aqui e entrego uma palavra e vou embora, eu não tenho que perguntar ao Senhor se Ele abençoou ou não, porque eu fiz aquilo que Ele me mandou fazer, eu disse aquilo que Ele me mandou dizer. Agora, se Ele me manda dizer uma coisa e eu digo outra, então eu desobedeci, então eu sou auto-suficiente.

Meus irmãos, nesta Obra não existe o auto-suficiente.

As igrejas estão aí, e elas estão evangelizando?

Não, isso é conversa, elas não têm nada para dizer, não têm preparo para a evangelização. O que eles fazem é colocar a marmitinha nas costas, armar a barraca para pescar à noite, jogar uma bolinha, o churrasquinho, aquela conversa que todo o mundo conhece.

A Obra não perde tempo porque ela está diante de um combate de vida ou morte e nós temos a consciência disso e sabemos que não podemos ser derrotados.
Quais são os princípios táticos de uma guerra?
11) O preparo.
O combatente tem que estar preparado. Você está preparado para o combate?

Nós temos problemas, o Senhor tem mostrado dificuldades com pessoas, mas hoje o Espírito Santo está revelando porque Ele quer preparar você porque, do contrário, você não vai suportar o combate.



As lutas virão. E se você estiver brigado com a sua mulher, ou ela com você? Como é que vai ser? Que evangelho é este? Tratando mal a sua família? O que você vai fazer para vencer essa dificuldade?

Vocês vão orar, não está em questão quem é o culpado, se é você ou se é ela ou se são os dois. Nós estamos numa batalha e não podemos dar brecha ao inimigo em momento algum, não pode haver divisão no exército, porque o exército só é vitorioso quando mantém a unidade, ele vai coeso para a batalha para vencer, ele não vai para ser dividido.

O armamento tem que estar preparado. Tem tanque? Tem munição? Tem contingente? Tem avião preparado para decolar? Tem instruções? O piloto está à postos ou ainda vai jantar? O tanqueiro ainda vai buscar o filho na escola?

O preparo é para o momento porque o inimigo não dá trégua, não existe isso: Olha, inimigo, espera um pouquinho que eu vou me preparar e já volto pra lutar com você, está bem? Olha, eu estou administrando a situação. Ou é ou não é, ou está ou não está, não existe meio termo.

A Obra é uma batalha que se trava todos os dias na sua vida.
21) O armamento.
As armas têm que ser modernas. Quando você combate com uma arma moderna, o inimigo fica tonto porque ele não sabe os segredos dela, o seu poder de alcance e de destruição.

O Egito tinha foguete que Israel não conhecia, então eles trouxeram os seus inventores e um foguete, desmontaram, conheceram a tecnologia empregada e fizeram um contra-foguete. Os egípcios ficaram desnorteados com o contra-ataque de Israel, não sobrou nada.


31) O serviço secreto.
Que são as revelações.
41) A obediência às ordens do comando geral.
O comandante vai à frente, tudo obedece a um comando geral, não é uma coisa da cabeça da pessoa, porque é com conselhos prudentes que se faz a guerra e só quem tem esses conselhos é o Comandante geral, é o Espírito Santo.

A evangelização é um processo coletivo, o campo está diante de nós, hoje nós estamos aqui, amanhã estaremos em todo o país, na grande evangelização, aquela que o Senhor determinar, o êxito da Obra, tudo o que nós queremos é isso.

Israel estava dormindo quando a notícia chegou: Os egípcios atravessaram o Canal de Suez. O que vamos fazer? Vamos recrutar o povo, recrutar os soldados e começar o combate?

A resposta foi: Não. Somente um pessoal estava preparado para isso, o povo não estava pronto, eles iam sair correndo com uma arma na mão.

Os egípcios estavam na região do monte Sinai.

Um dos comandantes disse ao comando geral: Nós estamos em condições de atacar os egípcios, o nosso povo está perfeitamente descansado, estamos aguardando as ordens para o ataque.

O alto comando então respondeu o seguinte: Vão para as suas casas descansar, ninguém vai pegar em armas, apenas estejam atentos.

Aquele comandante ficou sem entender: Os inimigos estão às portas e nos mandam dormir?

Entretanto, o exército egípcio ficou de prontidão a noite inteira esperando um ataque de Israel, quando era 05:00h todo o mundo estava roncando, não agüentaram o sono. Foi nesse momento que Israel atacou e pegou a todos de surpresa. Israel caiu com tudo em cima deles, bombardeio, artilharia, infantaria, no fogo cruzado. Os egípcios ficaram desesperados, acordaram no meio de um pesadelo, sem saberem direito o que estava acontecendo.

Israel precisava ganhar a guerra em seis dias e por isso o comando geral mandou um exército à direita e outro à esquerda e disse: Distraiam o inimigo aqui. Fogo, fogo, o tempo inteiro.

Os egípcios estavam às voltas com aquele fogo centrado e começaram a mandar passar mais tropas.

O comando disse: Deixa passar tudo, mas nós não podemos ceder terreno, se precisar, recuem um pouco, o suficiente para que todos eles entrem.

Quando eles entraram, Israel fez aquele trabalho chamado de pinça, ele englobou, passou pelo estreito de Omar, fechou tudo. A tática era: ou os egípcios morriam de sede ou se rendiam porque eles não tinham como se abastecerem.

Meus irmãos, as guerras que o Senhor comanda são feitas com inteligência. Essa Obra não é de um, nem de dois e nem de três, mas ela é uma Obra do Espírito Santo, onde há uma operação de anjos nesta hora, cercando tudo, é uma operação de poder, é uma batalha que está sendo travada e nós precisamos entender isso. Se os irmãos não entenderem isso, estão fora desta Obra porque não vão poder lutar sozinhos, não vão poder lutar sem armas, não vão poder lutar sem as ordens do Comandante geral.


Além do clamor pelo sangue de Jesus, do culto profético e da Palavra revelada, quais são as outras armas que nós temos?
Nós temos o louvor, a madrugada, o jejum, a oração, os dons espirituais, tudo está dentro de um conjunto, são armas que o mundo não conhece, a Religião não conhece.

Na Religião não tem comando geral, cada um faz o que quer, eles obedecem ao líder, àquele que está à frente e o resultado é exatamente igual àquele que nós falamos, o caso daquele capitão desobediente: morte, vergonha, prisão, vitória do inimigo.

Meus irmãos, nós temos que entender que a guerra é feita com inteligência, com discernimento, com prudência, com conselhos prudentes e não existe melhor conselho do que o do Espírito Santo para a nossa vida.


A guerra tem que ser ganha em seis dias porque a Igreja tem que partir, o exército tem que sair vitorioso e essa batalha só será ganha se entendermos o projeto de Deus para a nossa vida, e se entendermos que esta Obra como uma Obra de luta, de trabalho, de obediência, de vitória, e se nós entendermos que estamos diante de uma batalha onde, de um lado nós sabemos quem está, que é o inimigo, e do outro nós, com o Senhor dos Exércitos.

Amém.


CULTO PROFÉTICO
ÊXODO 18:21 e 22 - E tu, dentre todo o povo, procura homens capazes, tementes a Deus, homens de verdade, que aborreçam a avareza, e põe-nos sobre eles por maiorais de mil, de cem, maiorais de cinqüenta, e maiorais de dez; para que julguem este povo em todo o tempo; e seja que todo o negócio grave tragam a ti, mas todo o negócio pequeno eles o julguem; assim a ti mesmo te aliviarás da carga, e eles a levarão contigo.

Quando nós falamos culto profético, nós estamos dando uma ênfase à palavra profético porque, na verdade, o culto na Obra é revelado, ele é profético, ou seja, nós dirigimos um culto ao Senhor orientado pelo próprio Senhor.

O culto profético se processa totalmente na revelação, isto é, o louvor, a mensagem e a assistência se processam na revelação.

Um exemplo prático.

Quando o Senhor levantou esta Obra no nosso meio, um servo dirigiu-se ao púlpito com uma palavra trazida de casa, ele abriu a Bíblia para começar a pregar e, naquele momento, uma pessoa foi usada em línguas e uma outra pessoa em interpretação.

O Senhor dizia: Meu servo que está no púlpito, feche a Bíblia.

Ele fechou.

_ Torne a abrir.

Ele abriu.

_Coloque o dedo no lado direito.

Ele colocou.



_ Desce mais um pouco.

Ele desceu.



_ A mensagem que Eu quero está aí.
O Senhor concedeu uma grande bênção. Não é o nosso caso hoje porque agora nós temos uma orientação diferente, os membros cresceram muito e a Obra hoje não está mais concentrada em algumas pessoas, ela está dividida no corpo.
Um exemplo bíblico: Jesus entrou na sinagoga dos judeus. As sinagogas eram locais de oração e lá eram lidos, aos sábados, obedecendo a uma seqüência, a lei no Velho Testamento e os profetas, ou seja, num sábado era lida a lei, no sábado seguinte, os profetas.

Naquele sábado Jesus estava na sinagoga e o ministro do templo deu-lhe o livro a ser lido naquele dia, que era o livro do profeta Isaías, e o texto que o Senhor leu foi: O Espírito do Senhor Jeová está sobre mim, porque o Senhor me ungiu para pregar boas novas aos mansos: enviou-me a restaurar os contritos de coração, a proclamar liberdade aos cativos, e a abertura de prisão aos presos; a apregoar o ano aceitável do Senhor e o dia da vingança do nosso Deus. (Is. 61:1 e 2)

Jesus fechou o livro, devolveu ao ministro, sentou-se, e disse: Hoje se cumpriu esta escritura em vossos ouvidos. (Lc. 4: 18 a 21)

Naquele dia o culto foi profético, o culto foi vivo, a vontade do Senhor foi feita, e o Senhor deseja realizar isto com o seu povo, com a sua Igreja, Ele deseja que tenhamos um culto revelado.


As quatro fases do culto profético.
10) A BUSCA.
Esta é a fase em que toda a Igreja busca o Senhor para que Ele envie as revelações para o culto.
20) A REUNIÃO.
Esta segunda fase consiste na reunião que nós temos, meia hora antes do culto, para buscar, do Senhor, as orientações para o culto. Não é uma reunião de intercessão nem de glorificação, mas é para colocar em ordem aquilo que o Senhor revelou. Ela se processa em cinco minutos, no máximo.
Quem participa da reunião do culto profético?
O grupo de intercessão, os obreiros e o grupo do dia.

Todos podem participar da reunião?

Sim, todos devem participar, mas tem pessoas que têm dificuldade de participar, novos convertidos e pessoas mais antigas e cabe ao responsável pelo grupo prepará-las, ele vai dando o preparo mediante orientações, mediante algumas aulas, para dar condições ao grupo de estar no culto profético, porque o objetivo do culto profético é que toda a Igreja esteja integrada nele e cresça.
E o que se faz nessa reunião?




  1   2   3   4


©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal