Homenagem ao prof. Armando sérgio da silva



Baixar 20,17 Kb.
Encontro26.10.2017
Tamanho20,17 Kb.

HOMENAGEM AO PROF. ARMANDO SÉRGIO DA SILVA
Nasceu em São Paulo no dia 27 de janeiro de 1946 e dois dias depois voltou para Mogi das Cruzes, onde o Prof. Armando reside até hoje.
Sua carreira universitária foi decorrente da atuação no teatro amador. Aos 14, 15 anos, havia na escola, sempre aos sábados, um evento chamado Programa Estudantil para o qual ele e os amigos convidavam a escola inteira para ir até o auditório. Lá, eles faziam dublagens e uma porção de coisas. Armando imitava o Elvis Presley e interpretava o Soneca na escolinha do grupo, que tentava copiar a Escolinha do Prof. Raimundo.
Esse grupo de estudantes tinha uma vida muito intensa, trabalhava, praticava esporte e tocava na fanfarra. Depois de algum tempo, Armando resolveu fundar um grupo de teatro, o Teatro Experimental Mogiano, no qual iniciou a carreira de ator, mas logo os colegas perceberam que ele era um ator canastrão, ele ficava em cena observando os outros, então sugeriram que ele fosse o diretor. Ele tinha o apelido de seu Lima, porque a voz era parecida com a do Lima Duarte.
Em 1966, Fernando Lona que tinha ganhado o Festival Nacional de Música Popular Brasileira, produzido pela extinta TV Excelsior, com a música Porta-Estandarte cantada por Geraldo Vandré, foi para Mogi das Cruzes, e convidou o Armando para dirigir seu show, o qual foi muito prestigiado pelo público.
Ainda em 1966, fazia cursinho em São Paulo, quando recebeu um livro do grupo de Antônio Benetazzo, amigo e líder estudantil, que continha o Julgamento de Luculus e A exceção e a regra, de Bertolt Brecht. Na época, Armando nem sabia quem era Brecht, mas resolveu assumir a direção de A exceção e a regra. Imaginou que o espetáculo teria certa influência do Teatro de Arena, que o cenário seria todo feito pelos corpos dos atores, e que teria música ao vivo. Sem saber nada sobre o conceito de distanciamento, utilizado por Brecht.
Com essa montagem, ele ganhou o Prêmio Governador do Estado - Melhor Diretor Amador do Estado de São Paulo. O prêmio era fazer o espetáculo no Teatro Maria Della Costa, e na estreia estavam na plateia o Governador do Estado, Laudo Natel, Décio de Almeida Prado e Augusto Boal. E naquele mesmo ano, Armando ganhou o Prêmio Pierrot, também pela direção da peça.
O prêmio Governador do Estado era uma bolsa de estudos para estudar teatro. Armando foi até a Escola de Arte Dramática falar com Maria Thereza Vargas, que era a secretária, para saber se tinha o curso de Direção, e soube que lá só tinha o de interpretação, mas estava abrindo na USP um novo curso na Escola de Comunicações Culturais/ECC, que se transformou na nossa ECA.
A ECC oferecia cursos de Teatro, Rádio e TV e Cinema. Naquele momento, ele trabalhava na Caixa Econômica Federal, como escriturário, para se manter, e fazia o Curso de Direito na PUC da Rua Monte Alegre. Com a bolsa de estudos, ele saiu do emprego e fez parte da primeira turma que se formou em 1970.
Casou-se em 1969, com Rosemary Muniz Silva e tiveram três filhos e seis netos. Quando estava em lua-de-mel, o Prof. Clóvis Garcia ligou para ele, e o convidou para ser professor. Assim o Prof. Armando iniciou sua carreira acadêmica, foram 45 anos de dedicação à academia.
Em 1980, fez o mestrado sobre o Teatro Oficina, que foi publicado com o título Oficina: do Teatro ao Te-ato. Concluiu o doutorado, em 1987, e pesquisou sobre a Escola de Arte Dramática/ EAD, do Dr. Alfredo Mesquita. Em 1999, chegou à Livre Docência, com a pesquisa Interpretação: uma oficina da essência, a qual foi publicada em 2010 no livro Cepeca: uma oficina de PesquisAtores. E na mesma época, prestou concurso para professor titular.
Em 2007, criou o Centro de Pesquisa em Experimentação Cênica do Ator/ Cepeca, que introduziu no Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da ECA, uma maneira inovadora de orientar pesquisas de mestrado e doutorado, que obrigatoriamente devem ter não só a teoria, mas a prática artística. Em 2010, o Cepeca foi registrado no CNPq.
Armando Ségio da Silva, foi o organizador dos livros CEPECA: uma oficina de pesquisatores2, em 2014.

CEPECA: uma oficina de pesquisatores. Em 2010.

E ao lado do seu querido ex-professor e ex-orientador Jacó Guinsburg (Orgs.): Diálogos sobre Teatro. São Paulo: EDUSP, 2002.


É autor dos livros Oficina do Teatro ao Te-Ato, publicado em 1981 e 2008, pela Editora Perspectiva e

Uma Oficina de Atores: A Escola de Arte Dramática de Alfredo Mesquita. São Paulo: EDUSP, 1989.

.
Artigos mais relevantes



.A Oficina da Essência no Cepeca, 2014.

Os Estímulos do Ator e Capítulo sobre interpretação Teatral, ambos na Revista Sala Preta, 2002.

Teatro Oficina no Brasil. Revista Nova Renascença, Lisboa, Portugal, 1981.
Capítulos de Livros:

A linguagem teatral do Oficina. In: SILVA, Armando Sérgio; Jacó Guinsburg (Org.): Diálogos sobre Teatro. São Paulo: EDUSP, 2002, p. 107-130.

O rigor e a ousadia do professor Jacó Guinsburg: uma questão de estilo. In: PATRIOTA, Rosângela (Org.). A cena em aula. São Paulo: EDUSP, 2009, p.450-453.
Atualmente está com três orientações de doutorado, todas com bolsas Capes/ DS e duas orientações já concluídas, com Bolsa FAPESP.
Ao longo de sua carreira publicou 5 livros, 5 publicações em periódicos com seletiva política editorial, 21 capítulos de livros, 33 teses de mestrado orientadas e já defendidas, 8 teses de doutorado orientadas e defendidas, 3 iniciações científicas orientadas, 40 participações em bancas de mestrado, 22 participações em bancas de doutorado, 4 participações em bancas de livre-docência e 1728 citações recebidas na literatura científica nacional e internacional, segundo o Google Scholar.
Foi homenageado recentemente no aniversário de 50 anos da Eca em 19 de outubro, quando recebeu a placa

por sua importância e valorosa contribuição na trajetória desta instituição.


É Vice-coordenador do Centro de Pesquisa em Experimentação Cênica do Ator, da Escola de Comunicações e Artes da USP.
Em suas atividades internacionais foi palestrante convidado no Colóquio Investigação e Arte organizado pelo Centro de Investigação em Artes e Comunicação - CIAC na Escola Superior de Teatro e Cinema do Instituto Politécnico de Lisboa - ESTC/ IPL.
Convidado da Jornada de Encuentro con Professores de la Escuela de Teatro de la Universidad de Artes y Ciencias Sociales - UARCIS e da Jornada de Intercâmbio entre estudiantes de la Universidad de Chile e Cepeca.
Atualmente é Colaborador Senior, para continuar prestando sua valorosa contribuição a esta instituição.
Parabéns, Prof. Armando Sérgio, e em nome de todos os seus alunos e ex-alunos, orientandos e ex-orientandos, agradeço suas valorosas e brilhantes contribuições que, certamente, nos conduziram à concretização de nossas pesquisas téóricas e artísticas, além de contribuírem para o nosso desenvolvimento humano. (Evinha Sampaio – 14/12/2016 – Congregação da ECA).



©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal