História da Rádio Clube de Pernambuco



Baixar 23,63 Kb.
Encontro11.09.2017
Tamanho23,63 Kb.

História da Rádio Clube de Pernambuco

Quando ainda não existiam transmissões radiofônicas na América do Sul, um grupo de amadores, sob a liderança de Augusto Joaquim Pereira, fundou a Rádio Clube de Pernambuco, no dia 6 de abril de 1919. Vinte dias depois, seus estatutos foram aprovados e publicados pela Imprensa Nacional. Um edital de inauguração foi publicado dias antes no DIARIO DE PERNAMBUCO. "São convidados os amadores de telegrafia Sem Fio (TSF - como era conhecido o rádio) a comparecerem à sede da Escola Superior de Eletricidade (Ponte d´Uchoa) no próximo domingo, 6 do corrente, às 13h, para a fundação da Rádio Clube."
As primeiras instalações funcionaram no Parque Treze de Maio. No início dos anos 20, utilizando discos emprestados, a Rádio Clube transmitia óperas, obras clássicas e recitais, que eram ouvidos através de um rádio receptor, construído artesanalmente e acompanhado por fones de ouvido. Sua programação era voltada às classes média e alta. Em 1922, Oscar Moreira Pinto junta-se à Rádio Clube e, um ano depois, ela passa a operar com recursos próprios, mudando para a avenida Cruz Cabugá.
A instalação de um pequeno equipamento de 10 watts, em fevereiro de 1923, permite que a Rádio Clube seja sintonizada no Centro do Recife e em alguns bairros da cidade. Isso marcou, definitivamente, a antecipação de Pernambuco na história da radiodifusão nacional, pois seu pioneirismo foi bastante contestado com a chegada da Rádio Sociedade do Rio de Janeiro, fundada em abril de 1923 por Roquette Pinto.
Até a década de 30, fase de consolidação da rádio, todas as emissoras brasileiras funcionaram sem regulamentação oficial da atividade pelo Governo Federal. Foi criada a Comissão Técnica do Rádio para examinar os assuntos relativos à radiodifusão que se expandia no Brasil. O resultado foi um decreto do Governo Federal, em 1932, que definiu o rádio como "serviço de interesse nacional e de finalidade educativa", autorizando a publicidade radiofônica permitida no espaço de até 10% da programação das estações.

A Rádio Clube entrou também para a história com a primeira transmissão ao vivo de futebol no Norte/Nordeste com narração feita por Abílio de Castro, em 1931. A partir daí, a rádio começou a dedicar um espaço ao jornalismo esportivo, com melhor aparelhagem técnica e maior potência. Com uma equipe especializada, a Rádio Clube manteve, nas décadas de 60 e 70, a liderança absoluta em transmissões esportivas no Nordeste.
Em outubro de 1935, a rádio recebeu permissão oficial para executar a radiodifusão no País. O decreto n° 402, assinado pelo então presidente da República Getúlio Vargas, oficializava as operações da Rádio Clube de Pernambuco.
Depois de um ano, a rádio ganha novas instalações, inaugurando sua estação radiodifusora na Estrada do Arraial e aumentando a potência para 50 kws, passando a cobrir todo o Nordeste. Chegam novos locutores, artistas e jornalistas, ampliando sua rede de programação e tornando-a mais popular. Em 1939, a rádio passa a transmitir ao vivo em Freqüência Modulada (FM).
A partir de 1942, o Nordeste acompanha as notícias da Segunda Guerra Mundial pela Rádio Clube, com o surgimento, no ano anterior, do Repórter Esso, marco expressivo do jornalismo radiofônico. Dez anos depois, em 1952, a Rádio Clube é incorporada aos Diários Associados por iniciativa de Assis Chateaubriand.
Como primeira emissora de rádio no Brasil, a Rádio Clube de Pernambuco exerceu enorme influência social e cultural no Nordeste, sobretudo nas três primeiras décadas de sua existência, entre 1920 e 1950. As décadas de 40 e 50, a produção radiofônica ficou consagrada, principalmente com o surgimento do radioteatro, da radionovela e de programas de auditório, que formaram os ídolos, em que cantores e artistas fascinaram o público, projetando valores artísticos regionais e nacionais.

RÁDIO CLUBE DE PERNAMBUCO

MAIS VELHA QUE O RÁDIO

A Rádio Clube de Pernambuco é três anos mais velha que a primeira transmissão oficial de rádio no País.

Quando ainda não existiam transmissões radiofônicas na América do Sul, um grupo de amadores da TSF (Telegrafia sem Fio, como era conhecido o rádio na época), fundou a Rádio Clube de Pernambuco no dia 6 de abril de 1919. No dia seguinte, a edição da tarde do Jornal de Recife noticiou assim o fato: "Consoante convocação anterior, realizou-se ontem na Escola Superior de Eletricidade, a fundação do Rádio Clube, sob os auspícios de uma plêiade de moços que se dedicam ao estudo da eletricidade e da telegrafia sem fio.
Ninguém desconhece a utilidade e proveito dessa agremiação, a primeira do gênero fundada no País".
Vinte dias depois seus estatutos foram aprovados e publicados pela Imprensa Nacional, comprovando a sua existência como a primeira rádio do Brasil. No entanto, naquela época o rádio não era o que é hoje. As primeiras transmissões da Rádio Clube só eram captadas através de um rádio receptor, construído artesanalmente e acompanhado por fones de ouvido.
Poucas pessoas, a maioria da classe média alta de Recife, tinham acesso às transmissões de óperas, obras clássicas e recitais que dominaram a programação dos primeiros anos. Só a partir de fevereiro de 1923, com a instalação de um pequeno equipamento de 10 watts, foi que a rádio passou a ser captada no centro de Recife.

Por isso, o seu pioneirismo foi bastante contestado com a chegada da Rádio Sociedade do Rio de Janeiro, fundada em abril de 1923.


"O que poucos sabem é que a Rádio Nacional fez um estágio aqui em 1922, para aprender como era", relembra o assessor de marketing da Rádio Clube, Gilson Paiva, confirmando a vocação de laboratório que a rádio teve nos primeiros anos. A Rádio Clube entrou também para a história com a primeira transmissão ao vivo de futebol no Norte/Nordeste em 1931. Através de um decreto assinado em outubro de 1935 pelo então presidente Getúlio Vargas, a rádio recebeu permissão oficial para executar a radiodifusão no País.

A grande profissionalização da rádio aconteceu em 1952, quando foi incorporada aos Diários Associados de Assis Chateaubriand.

"Até 1939 não tínhamos concorrência, era o único sinal no Nordeste", completa Paiva.  A Rádio

Clube sempre foi voltada para a informação e jornalismo. Na década de 40 no entanto, quem dominava a programação era o Rádio Teatro, com a participação de artistas consagrados como Paulo Gracindo e Mário Lago.

Hoje, a programação contém música, desportos, notícias e prestação de serviços. A Rádio Clube faz parte do Grupo Associados de Pernambuco, que contém também a Rádio Caetés FM, o jornal Diário de Pernambuco e a TV Guararapes, retransmissora da programação da TV Bandeirantes.

Rádio do SJCP

De Pernambuco para o Mundo

Por Emília Spirlandelli


O slogan da emissora Rádio Jornal, empresa radiofônica do Sistema Jornal do Comércio de Comunicação, era "Pernambuco falando com o mundo".

Pode parecer estranho, mas o foco da empresa que nasceu em 4 de julho de 1948 era a Europa. Programas de auditório, humorísticos e desportivos eram irradiados em ondas curtas e em inglês. "Acredito que existia demanda, o proprietário da emissora, João Carlos Paes Mendonça, queria uma rádio com perfil diferenciado e focava o público fora do País. A fonte de receita da empresa era a publicidade e era feita de forma amadora", conta o director executivo, Paulo Fernandez. Um dos maiores sucessos da emissora foi a radionovela Gerônimo, o heroí do sertão. "Era uma produção local e responsável por um dos maiores índices de audiência de rádio da época.

A década de 60 marcou a concorrência com a TV e a maioria do casting da emissora migrou para o novo formato de comunicação e entretenimento.

A rádio amargou uma crise financeira que perdurou por 17 anos. Além da TV, outro responsável pela crise foi o desvio de verbas para a criação de uma emissora em Salvador. "A maior parte da renda da emissora em Pernambuco era destinada à construção de outra emissora na Bahia. Com isso a rádio viveu um período de pré-falência quase duas décadas.

"Depois de dançar nas mãos de diversos donos, os funcionários da Rádio Jornal assumiram a direção da empresa e mudaram o foco e o target da emissora, que já não era mais os europeus desde a década de 60.

Hoje a Rádio Jornal divide com mais cinco emissoras de rádio, jornais impressos e emissoras de televisão, os investimentos do grupo Sistema Jornal de Comércio. Além do jornalismo, a emissora foca a programação musical popular.

Estação Sat

De Vento em Popa
Nova rede de rádio em Pernambuco já conta com cem afiliadas. Com apenas um ano e meio de existência, a Rede Estação Sat já demonstrou que veio para ficar. A rede já conseguiu cem emissoras afiliadas pelo Nordeste e Centro-Oeste do País, a operar em Recife com tecnologia digital de última geração. Além de contar com parcerias com a Tropical FM da Bahia, para o intercâmbio de programas, e com a Rádio K de Goiás, para a cobertura da Copa do Mundo, que alavancou afiliadas e anunciantes, o grande trunfo da Estação Sat foi a contratação do radialista "Mução", considerado um grande comunicador humorístico da região Nordeste.

"A idéia original era fazer uma rede de rádio regional. Esta foi a primeira que nasceu em Pernambuco", afirma o diretor comercial, Edmundo de Castro. Segundo ele, o Programa do Mução consegue uma audiência de 4 milhões de ouvintes por minuto.


"Mução é escutado em Sergipe, Tocantins, Amazonas, Alagoas, Maranhão, Bahia, Paraíba, Ceará, Pará, Pernambuco e Brasília. "Ele consegue misturar a brejeirice do matuto com o humor, urbano, agradando ao nosso público C, D e E", afirma Castro.

As promoções em eventos diversos são a principal arma da rádio para conseguir anunciantes. Eventos como o Recifolia, um carnaval fora de época, e uma média de três shows por mês nas praias pernambucanas são o bastante para conseguir anunciantes como Nestlé, Unilever e GM.


"Faturamos em média R$ 120 mil por evento, sendo que 50% fica para a rádio", revela Castro.



©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal