História da Acupuntura no Brasil



Baixar 158,87 Kb.
Página1/3
Encontro20.10.2017
Tamanho158,87 Kb.
  1   2   3

História da Acupuntura no Brasil

A HISTÓRIA DA ACUPUNTURA NO BRASIL

A história da acupuntura em nosso país facilmente se confunde com a da imigração dos povos orientais ao Brasil. Naqueles tempos remotos, os pioneiros imigrantes vindos do outro lado do mundo, trouxeram na bagagem uma cultura milenar que contribuiu de maneira significativa não só para o desenvolvimento das terapias naturais, como também das artes plásticas e marciais, da culinária, da religião, da ciência, da tecnologia, da filosofia e do pensamento. Com eles chegaram a acupuntura, o do–in e novos conhecimentos na utilização das ervas. Com eles chegaram o Kung Fu e o Tai Chi Chuan, o Qui Gong e o Feng Shui. Com eles chegaram também influências na poesia, na literatura e na pintura. Com eles chegaram, enfim, novas formas de ver o mundo e contemplar a natureza.

No Brasil a história da acupuntura sempre envolveu certa aura de mistério, tais as marcantes diferenças existentes entre a Medicina Tradicional Chinesa e a ocidental. Hoje a milenar terapia das agulhas, que já foi taxada inadvertidamente até como charlatanismo e curandeirismo, é reconhecida por oito Conselhos Federais de Saúde como especialidade. Reconhecimento este plenamente legitimado pelo imenso apoio popular e ações governamentais obtidas em nosso país.

O Núcleo de Acupuntura e Terapias Naturais, Natural-in com apoio de profissionais e entidades de acupuntura as quais representa, tem a honra de relatar através desta compilação, fruto de inesgotável trabalho de pesquisa, alguns dos mais importantes momentos da rica história da acupuntura no Brasil, desde seus primórdios até os dias atuais. Agradecemos a todos os profissionais que colaboraram para a elaboração desta obra, ainda inacabada e aberta a sugestões, e por qualquer nova informação que possa ser enviada para tornar este trabalho ainda mais completo e informativo.

Endereço eletrônico para envio de sugestões ou informações: natural.in@terra.com.br

Márcio Jean De Carli - Biomédico e Acupunturista

A ACUPUNTURA NO BRASIL

Antes de 1500: registros históricos comprovam que os índios brasileiros já praticavam técnicas rudimentares muito semelhantes à Acupuntura Clássica Chinesa, antes da chegada de Pedro Álvares Cabral, através da implantação de espinhos no corpo.

1812: A história da imigração chinesa para o país remonta ao ano de 1812 quando, por sugestão do Conde de Linhares, D. João VI autorizou a entrada de 2.000 chineses. Vieram apenas 400 e foram destinados às plantações experimentais de chá do Jardim Botânico e da Fazenda Imperial de Santa Cruz, no Rio de Janeiro, ambas sob controle do Governo. Trouxeram com eles a sua medicina tradicional chinesa. Calcula–se que vivam hoje no Brasil cerca de 190 mil chineses e descendentes, 120 mil dos quais no Estado de São Paulo.

1895: Com o final do Período Feudal no Japão, muitos ficaram sem trabalho. O governo decide incentivar a saída do país de seus cidadãos. Foi firmado o Tratado de Amizade, Comércio e Navegação entre Brasil e Japão. O Kassato Maru chegou em 1908 trazendo os primeiros japoneses para o Brasil, que introduzem sua técnica de Acupuntura. Os imigrantes foram para as fazendas de café. Vencidos os contratos, grande  parte mudou-se para o interior paulista ou para a região litorânea. Outros se estabeleceram na periferia da capital.  Entre 1910 e 1914, chegaram cerca de 14.200 imigrantes. Entre 1925 e 1935, mais de 140.000 vieram. Hoje a comunidade japonesa ultrapassa a marca de 1 milhão de pessoas.



1930: O diplomata francês Soulié de Morant começa a divulgar mais intensamente a Acupuntura em sua terra natal. Dali ela se espalhará pela Europa e Américas. Posteriormente, pelo fato de não ser médico, foi perseguido por alguns ex-alunos médicos. Enquanto isso no Brasil os acupunturistas de origem oriental, por não dominarem o nosso idioma, tinham dificuldades de ensinar a acupuntura e as terapias orientais em português, tornando-as restritas à colônia oriental.

1947: No Japão apenas os acupuntores aprovados no exame de qualificação nacional organizado pelo Ministério da Saúde possuem o direito de exercer a técnica. Para prestar o exame é preciso cursar o mínimo de três anos em escolas oficialmente reconhecidas. A Lei Nacional 217, de 20 de dezembro de 1947, estabelece a qualificação da profissão de acu-terapeuta, moxa-terapeuta. Desde então, o Japão passou a ser a primeira nação democrática no mundo a regulamentar e reconhecer a profissão de acupuntor como independente e autônoma. No Brasil começa a aumentar o interesse dos ocidentais pela acupuntura.

1950: O professor Friedrich Johann Spaeth (foto) imigrou para o Brasil nos anos 40, fugindo da violência nazista, era natural de Luxemburgo e naturalizado brasileiro. Fisioterapeuta e massoterapeuta, foi cursar Acupuntura na Alemanha, lá permanecendo durante três anos. Foto cedida gentilmente pelo acervo pessoal do Dr. Márcio De Luna.

Frederico Spaeth

1958: Frederico Spaeth, como era mais conhecido, funda a Sociedade Brasileira de Acupuntura e Medicina Oriental e começa a ensinar Acupuntura para profissionais da área de saúde, grupo este responsável pela fundação desta primeira entidade da classe no país, a futura A.B.A. Foi o seu grande divulgador, numa época em que a descrença sobre a acupuntura chegava ao ponto de freqüentemente ser confundida com charlatanismo. Enquanto isso, a técnica milenar já é usada na China para controlar a dor pós-operatória e passa a ser utilizada como anestésico em operações simples.

1961: No ano de 1961, juntamente com os Drs. Ermelino Pugliesi e Ary Telles Cordeiro, Spaeth fundou o Instituto Brasileiro de Acupuntura - IBRA, primeira clínica institucional de Acupuntura do Brasil. Posteriormente agregaram-se ao IBRA os Drs. Evaldo Martins Leite, Aguinaldo Sampaio de Almeida Prado e Ruy César Cordeiro, que constituíram o núcleo da primeira diretoria da ABA, Associação Brasileira de Acupuntura, após a modernização estatutária da Sociedade Brasileira de Acupuntura e Medicina Oriental, em 1972.

1961: Chega ao Brasil o imigrante chinês Wu Tou Kwang, médico cirurgião vascular e um dos pioneiros da Acupuntura no Brasil, que vem formando novos acupunturistas clássicos há 20 anos. É hoje, sem a menor sombra de dúvida, o maior expoente em prol da regulamentação democrática e multidisciplinar da acupuntura no Brasil, nos moldes de como ela é realizada em seu país de origem. Segundo Wu a China é o país que mais utiliza as Terapias Naturais e por isso, consegue proporcionar a seus um bilhão e trezentos milhões de habitantes uma assistência de saúde barata e altamente eficaz.

http://www.acupuntura.org.br/



1963: A imigração oficial dos coreanos para o Brasil teve seu início em fevereiro de 1963, mas antes dessa data, pequenos grupos de coreanos que haviam sido prisioneiros na Guerra da Coréia (1950-1953), já haviam chegado ao Brasil. A outra leva veio nos anos pós-guerra (1964). Os primeiros imigrantes aportaram no porto de Santos, SP, na condição de colonos agrícolas. Trouxeram na bagagem um tipo de acupuntura bastante diferenciado da chinesa e da japonesa.

1965: Reuben B. Amber, psicólogo norte-americano discípulo de Wu Wei Ping, solicitou ao Departamento de Educação do Estado de Nova Iorque permissão para a prática de Acupuntura. Assim começou a campanha pela regulamentação da Acupuntura nos EUA. No Brasil a técnica ainda era vista com descrédito pela grande maioria da comunidade científica.

1966: A OIT (Organização Internacional do Trabalho) classifica o Acupunturista como uma das profissões da CIUO (Classificação Internacional Uniforme de Ocupações). Enquanto isso no Brasil muitos profissionais foram perseguidos por prática de charlatanismo, presos e acusados de curandeirismo. Nossa legislação não entendia que esta prática fosse saudável e que pudesse trazer benefícios à população.

1972: Foi fundada a ABA (Associação Brasileira de Acupuntura). O médico Dr. Evaldo Martins Leite sofreu censura pública pelo CRMESP (Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo) por  praticar a Acupuntura. O prestigio internacional da ABA chegou ao ponto de ser escolhida, na pessoa do seu então presidente, Frederico Spaeth, para a direção da Sociedade Internacional de Acupuntura, com sede em Paris. A partir da sua criação, a ABA, melhor estruturada que sua antecessora, dinamizou os seus objetivos, organizando e ministrando os primeiros cursos sistematizados de ensino da acupuntura, para profissionais da área da saúde.

http://www.abapuntura.com.br/



1972: Contrariando uma já consolidada tendência mundial, em sua resolução 467/72, o Conselho Federal de Medicina rejeita oficialmente a Reflexologia e a Acupuntura como atividades médicas. Neste mesmo momento, a Acupuntura vive grande impulso em nível mundial, quando o então presidente norte americano Richard Nixon e uma grande comitiva norte-americana estiveram na China para realizar uma sólida política de aproximação diplomática e comercial entre os dois países.

1972: O Ocidente teve sua atenção voltada para a acupuntura por causa do artigo do jornalista James Reston, editor do New York Times, que descrevia o efeito da acupuntura nas suas dores pós-operatórias depois de submetido a uma apendicectomia de emergência, quando acompanhava a equipe norte-americana de tênis de mesa em viagem à China.

1975: A Acupuntura é regulamentada nos estados de Nova York e Califórnia, USA, em nível multiprofissional, situação em que permanece até os dias atuais. Este fato localizado foi determinante para o fortalecimento da acupuntura nos Estados Unidos e também no Brasil.

1977: O Ministério do Trabalho, em convênio com a OIT (Organização Internacional do Trabalho) e a UNESCO (Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura), definiu a profissão de acupunturista sob o código número 0-79.15, na CBO (Classificação Brasileira de Ocupações) através do Projeto BRA/70/550. A CBO foi reconfirmada no Diário Oficial do dia 11/02/94, Seção 1.

1978: Os médicos também começam a aprender Acupuntura na Associação Brasileira de Acupuntura. Ocorre o Primeiro Seminário Brasileiro de Acupuntura, no Rio de Janeiro.

1979: A Organização Mundial de Saúde, órgão da ONU para a área, já reconhecia o uso da acupuntura como terapêutica eficaz para mais de 40 doenças (WHO, "Viewpoint on Acupuncture"). No Brasil acontece o segundo Seminário Brasileiro de Acupuntura, agora em São Paulo.

1979: Desde 1974, a Sohaku-in Foundation promove cursos em caráter informativo. Entretanto, o primeiro curso de ACUPUNTURA e ELETROACUPUNTURA de formação profissional, direcionado a médicos brasileiros e de SHIATSUTERAPIA a profissionais da área de saúde, teve inicio em 1979.

http://www.sohaku.org.br/



1979: No ano de 1979, na UNIRIO, antiga Escola de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro, iniciou um curso de Acupuntura para profissionais da área de saúde. O perfil dos alunos era de estudantes de medicina insatisfeitos com a perspectiva alopática que seus cursos lhes forneciam. Os professores eram o saudoso Professor e fisioterapeuta Frederico Spaeth, alguns jovens médicos recém formados, todos discípulos de Spaeth.

1980: Acontece o primeiro curso de Auriculoterapia no Brasil, ministrado pelo dentista Olivério de Carvalho Silva.



1980: É lançado o primeiro livro de Acupuntura escrito no Brasil, "Elementos de Acupuntura", pelo dentista Attilio Marins.

1980: Lançado o MH1, primeiro aparelho de eletroacupuntura fabricado no país. É iniciada a aplicação de imãs em pontos de Acupuntura.

1980: Em março de 1980 foi fundada a EOMA – Escola Oriental de Massagem e Acupuntura pelo Professor Tadamichi Yamada que ministrava aulas na Escola Técnica de massagem e Acupuntura de Kansai, no Japão. Já no Brasil, o Professor Yamada encontrou algumas dificuldades tais como o contato com uma nova língua e cultura, além dos entravos com a Legislação e a burocracia.

http://www.grupooriental.com.br/eoma/

1980: Apesar da falta de apoio do CRM médicos começam a freqüentar mais intensamente os cursos da ABA.

1980: Pelo fato de não ser médico,  Frederico Spaeth é destituído da presidência da ABA por seus ex-alunos médicos.

1981: No I Congresso Brasileiro de Acupuntura, no Recife, alguns médicos corporativistas começam a discriminar os acupunturistas clássicos.

1981: O professor e fisioterapeuta japonês, Asaji Suzuki, funda a ANDEMO, Associação Nacional para o Desenvolvimento da Medicina Oriental.

1981: É fundado o CEATA (Centro de Estudos de Acupuntura e Terapias Alternativas), um ícone da acupuntura multidisciplinar, onde médicos e profissionais de saúde têm aprendido a Medicina Vibracional. O CEATA vem sendo dirigido pelo médico Wu Tou Kwang desde 1981, é um dos 3 pioneiros em cursos de Acupuntura do país (ABA, CEATA, Lee). Já formou alguns milhares de profissionais. Foi pioneiro também na introdução, divulgação ou popularização nas técnicas: EAV-Vegatest, Magnetoterapia, Radiestesia, Radiônica, Astrologia Oriental, Florais de Bach, Cinesiologia Aplicada/O-Ring Test, Fitoterapia Chinesa, Cronobiologia Chinesa, Qi Gong, Craniopuntura, Iridologia e RMA.

http://www.acupuntura.org.br/

1981: Um curso técnico de Acupuntura de São Paulo foi reconhecido pelo MEC.



1982: A ABAA, Associação Brasileira de Acupuntura Auricular, foi fundada em São Paulo, com o objetivo de divulgar, estudar, pesquisar a Acupuntura Auricular, a Auriculoterapia e a Auriculomedicina.

http://www.epth.com.br/



1982: Fundada em 1982 A Associação de Massagem Oriental do Brasil (AMOR). A AMOR tem cumprido a finalidade de difundir a Massagem Oriental em nosso país.

http://www.massoterapia-amor.com.br/

1982: Os médicos começaram a aprender nos cursos do acupunturista coreano Eu Won Lee.

1982: Introdução da Cinesiologia Aplicada no país, método importante na avaliação energética dos meridianos e órgãos.



1983: A AMECA foi fundada como Associação de Acupuntura da América do Sul, sendo alterada para Associação de Medicina Chinesa e Acupuntura do Brasil em 1998. A AMECA filiou-se à WFAS (World Federation of Acupunture-Moxibustion Societies) em 1987.

http://www.ameca.com.br/

1984: O crescimento desenfreado da acupuntura vem preocupando os profissionais da área. Para coibir abusos, eles vêm batalhando pela regulamentação profissional. Tramitam no Congresso Nacional desde 1984 vários projetos de lei pela regulamentação da acupuntura – o PL3838/84 do médico Mário Hato, PL852/88, o do médico Antônio Salim Curiati (PPB-SP), PL935/91, o de Antônio Carlos Mendes Thame (PSDB-SP). Há inclusive o Nº337 de 1991 do senador Fernando Henrique Cardoso.

1984: No Congresso Brasileiro de Acupuntura, em Brasília, houve o primeiro desentendimento público na área. Os médicos separaram-se dos demais profissionais de saúde para fundar a SMBA (Sociedade Médica Brasileira de Acupuntura).



1985: A primeira entidade promovedora de cursos de acupuntura em odontologia foi o IBRAHO – Instituto Brasileiro de Acupuntura e Homeopatia Odontológica, em 1985, cujo presidente é um dos pioneiros da acupuntura e da homeopatia na odontologia, o cirurgião-dentista, Orley Dulcetti Junior.

1985: O Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional decide, em 29/10/85, através da Resolução COFITTO-60,  habilitar os fisioterapeutas  e terapeutas ocupacionais para a prática de Acupuntura.

1986: Quatro meses depois, o Conselho Federal de Biomedicina (CFBM) passa a habilitar os seus profissionais à prática da milenar ciência das agulhas, através da Resolução nº 02/86. Os profissionais graduados em biomedicina recebem o registro de especialista em acupuntura após criteriosa avaliação sobre a respectiva idoneidade científica do curso de especialização.

http://www.crbm1.com.br/

1986: No parecer decorrente do processo consulta 1588-28/85, aprovado em 1986, o Conselho Federal de Medicina rejeitou novamente a Acupuntura como atividade médica válida, pois consideravam que toda a terapêutica da acupuntura é baseada em princípios energéticos sem nenhuma semelhança real com a medicina ocidental .

1986: Apesar das resoluções contrárias do CFM, começam a surgir os primeiros cursos de Acupuntura dirigidos somente para médicos.



1987: A primeira habilitação em Acupuntura expedida por um Conselho Federal foi concedida ao Biomédico Sérgio Franceschini Filho. Um marco de pioneirismo do CFBM que abriu caminhos para que outros profissionais de saúde recebessem registro definitivo como acupunturista.

1987: Fundado em São Paulo, pelos mestres Liu Pai Lin e Liu Chih Ming, o CEMETRAC - Centro de Estudos de Medicina Tradicional e Cultura.

1988: Fundada a ANTN, Associação Nacional de Terapeutas Naturistas, uma ONG que oferece cursos de qualidade, assessoria jurídica e atua na defesa da causa dos Terapeutas Naturistas, em Curitiba, no Paraná.

http://sites.uol.com.br/antn/



1988: O médico Antônio Salim Curiati (PPB-SP) deu entrada ao projeto PL852/88 a favor da prática multidisciplinar da acupuntura.

1988: A CIPLAN, Comissão Interministerial de Planejamento, após realizar várias reuniões com a presença única dos representantes da SMBA, baixa Resolução CIPLAN n.º 5, normatizando o emprego da acupuntura nos Serviços Públicos Médicos Assistenciais, restringindo sua prática somente para médicos nas instituições governamentais.

1989: É aprovado pelo Ministério do Trabalho o Sindicato de Profissionais de Acupuntura, Moxabustão, Do-In e Quiroprática do Estado de São Paulo – o SATOSP, dirigido pelo acupunturista Edson Toyiji Murasaki.

1989: Também é aprovado o Sindicato de Profissionais de Acupuntura, Do-in e Moxabustão e Quiroprática do estado do Espírito Santo – SIATENES, dirigido pelo acupunturista Sebastião da Silva Valentim.

http://www.siatenes.kit.net/

1990: É realizado o primeiro curso de Florais no Brasil para médicos, a maioria deles acupunturistas.

1990: A CIPLAN (Comissão Interministerial de Planejamento e Coordenação), foi extinta no governo Collor e, com ela, as Resoluções que versavam sobre acupuntura em instituições públicas. A Resolução de 1988 só tinha valor em Serviços Públicos Médico-Assistenciais.

1991: É criada a FENAC (Federação Nacional de Profissionais de Acupuntura, Moxabustão, Do-In e Quiroprática), órgão centralizador que visa unir forças em torno da regulamentação democrática da profissão de acupunturista e formalizar ações em prol de uma acupuntura multidisciplinar de qualidade no país, registrada no Ministério do Trabalho, sob o nº24000.000345/91.

1991: Foram propostos os PL935/91 de Antônio Carlos Mendes Thame (PSDB-SP), e o Nº337 de 1991 do senador Fernando Henrique Cardoso, visando a regulamentação profissional. Todos estes projetos desde 1984 apresentam em comum o caráter democrático e social, estendendo o exercício da acupuntura para todos os profissionais da área de saúde e exigindo boa formação dos acupunturistas.

1991: Através da resolução WHA 44.34, a assembléia da Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendou à mesma a intensificação das atividades que levassem à cooperação entre as medicinas tradicionais e a medicina científica moderna, com a introdução de medidas reguladoras dos métodos de acupuntura.

1991: Enquanto isso no Brasil se inicia a longa tramitação do mais importante projeto que trata da regulamentação da acupuntura: o PLC Nº383/1991 do deputado Marcelino Romano Machado (PPB-SP), que teve prosseguimento com parecer favorável do relator Nilson Gibson (PMDB-PE). Obteve também parecer favorável dos 12 Conselhos Federais da área de Saúde (inclusive do Conselho Federal de Medicina) .



1992: O CASTA - Centro de Acupuntura, Shiatsu e Terapias Alternativas surgiu com a proposta de resgatar e divulgar a Medicina Tradicional Chinesa (MTC) como um todo.

http://nit.microlink.com.br/~casta/



1992: Desde a época de sua fundação o CIEPH - CENTRO INTEGRADO DE ESTUDOS E PESQUISAS DO HOMEM, através da sua ESCOLA SANTA CLARA, vem formando profissionais nas diversas áreas das Terapias Naturais. Buscando sempre o aperfeiçoamento, maior qualidade no ensino e pensando em melhorar a capacitação profissional dos futuros Terapeutas é que o CIEPH está oferecendo uma nova e original modalidade de ensino onde a formação fica cada vez mais completa e sólida.

http://www.cieph.com.br/

1992: A Universidade de Mogi das Cruzes (UMC) começa a ministrar o primeiro curso superior de Acupuntura do país, em nível de Pós-Graduação, para todos os profissionais de saúde.

1992: Fundada a Academia BHAKTI Shiatsu e Terapias Orientais, com atendimentos de acupuntura e aulas de yoga, no Rio de Janeiro.

1992: Fundada a KEIKO'S, escola de terapias alternativas de São Paulo. Promove cursos livres de acupuntura com aulas práticas e teóricas e ambulatório supervisionado.

http://www.keikos.com.br/



1993: Fundada em São Paulo a Clínica Escola Companhia Zen Núcleo de Práticas Orientais, por Amélia Kassis e Itagiba Matos.

http://www.ciazen.com.br/



1993: Também em São Paulo inicia suas atividades a ATMAM, uma clínica-escola cujo objetivo maior é divulgar e difundir as terapias naturais. Realiza atendimento e cursos de formação e especialização de terapia holística.

http://www.atmam.com/

1993: É publicado um relatório do seminário organizado pela Secretaria Nacional de Vigilância Sanitária, onde se recomenda o monopólio da Acupuntura pela classe médica. Tal seminário foi realizado sob condições suspeitas pois dele participaram 12 médicos da SMBA, 2 médicos a favor dos acupunturistas e 1 único profissional não-médico. Enquanto isso pesquisas realizadas pela WFAS (World Federation of Acupuncture-Moxibustion Societies), e pela revista "The European Journal of Oriental Medicine", dão conta de que só existe um país no mundo, a Dinamarca, onde a Acupuntura é restrita aos médicos e, por isso, lá a técnica chinesa está praticamente extinta.

1993: Parecer favorável dos 12 Conselhos Federais da área de Saúde (inclusive do Conselho Federal de Medicina) ao PL383/91, onde é solicitado um fórum amplo e democrático para a  discussão da acupuntura.



1993: No Fórum Regular dos Conselhos Federais da Área da Saúde, realizado no Conselho de Odontologia, em um Seminário sobre “O exercício da Acupuntura no Brasil”, organizado pela Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde, o Conselho de Medicina declara novamente que a acupuntura não é uma prática médica. Considerou-se em consenso na época que qualquer profissional da Área da Saúde, de nível superior tem bases acadêmicas necessárias para utilizar a Acupuntura.

1993: Fundado em dezembro o ALCHIMIA ESPAÇO HOLÍSTICO LTDA, em São Luiz do Maranhão, por Raquel Brito Cantanhed, onde desenvolve cursos de acupuntura.

alchimia@bol.com.br



1994: Fundada a Escola  Técnica  de  Reabilitação  Física (ETERF) pelo professor Oswaldo Gola , a utorizada pela Secretaria Estadual  da  Educação.

http://escoladef.vilabol.uol.com.br/



1994: Fundação da EPT, Escola Paulista de Therapias, espaço aberto para as terapias complementares com cursos, workshops, palestras, ambulatório para pessoas carentes, loja com livros, aparelhos e material para os terapeutas em geral.

http://www.epth.com.br/

1994: É introduzida no país a aplicação de Florais em pontos de Acupuntura.

1994: O SIMOR, Sindicato dos Massoterapeutas e Acupunturistas da Medicina Oriental de Belo Horizonte, é a entidade de classe local que congrega os profissionais de Acupuntura, Shantala, Do-in, Reiki, Fitoterapia Oriental, Medicina Ayurvédica, Radiestesia, Chi-kung, Seitai, Bioenergética, Rolfing, Alimentoterapia Oriental, Moxabustão, Pressão digital, aplicação de ventosa e outras terapias holísticas congêneres.

http://www.simorbh.hpg.ig.com.br/

1994: O PL 383/1991, do deputado Marcelino Romano Machado (PPB-SP), um projeto amplamente democrático e abrangente, foi aprovado na Câmara dos Deputados e encaminhado para a CAS (Comissão de Assuntos Sociais) do Senado, sob o código PLC 67/95. O relator foi o senador Valmir Campelo (PTB-DF).

1994: Ocorreu o I Simpósio Brasileiro de Acupuntura Veterinária com a vinda do Professor Oswald Kothbauer da Faculdade de Veterinária, da Universidade de Viena, Áustria e Professor Wang Qing Lan, Vice-Reitor da Faculdade de Veterinária, da Universidade de Beijing, China.

1994: Foi criada a Liga de Acupuntura do Departamento Científico do Centro Acadêmico Oswaldo Cruz da FMUSP, com a participação de acadêmicos de medicina da FMUSP, pelo médico e ex-aluno do CEATA, Paulo Farber,

1995: O CFM (Conselho Federal de Medicina) muda radicalmente a posição adotada nos últimos quarenta anos e classifica a Acupuntura como especialidade médica.

1995: O Conselho Federal de Enfermagem aprova, em sua 239ª Reunião Ordinária, o parecer n.º 004/95, favorável à prática de Terapias Naturais por profissionais de Enfermagem.  



  1   2   3


©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal