Gestão do conhecimento como ferramenta de estratégia organizacional



Baixar 42,03 Kb.
Encontro30.07.2018
Tamanho42,03 Kb.

GESTÃO DO CONHECIMENTO COMO FERRAMENTA DE ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL




DANIELA MARIA CARTONI



RESUMO
Este artigo trata da gestão do conhecimento como uma importante ferramenta de estratégia organizacional, por meio de um processo pelo qual a organização cria riqueza a partir do seu conhecimento, explícito ou tácito, que norteia o seu capital intelectual. Esse conceito está caminhando rapidamente para ser prioridade nas organizações para o desenvolvimento de inovação e manutenção da competitividade. No entanto, gerenciar o conhecimento vai além de investimentos em tecnologia da informação. Fundamenta-se em uma cultura de criação e compartilhamento do conhecimento, baseada na aprendizagem organizacional. Transformar o conhecimento em valor nas organizações tem sido um dos maiores desafios.
Palavras-chave: Gestão do conhecimento, organizações de aprendem, mudanças organizacionais
Introdução
Durante a última década, a literatura sobre teoria organizacional tem apresentado vasto material que incita a discussão sobre a importância da gestão da informação e do conhecimento como parte do novo paradigma produtivo.

Apesar dos conceitos ainda não estarem totalmente estruturados e os caminhos adotados serem diferentes de uma organização para outra, cada vez menos a gestão do conhecimento tem sido considerada um modismo e se mostra crescentemente como uma importante estratégia de gerenciamento. As organizações estão se atentando para a possibilidade de gerar e adquirir um recurso que pode gerar inovações e garantir a competitividade. Como argumenta Crawford (1994) “o conhecimento é a essência do poder monetário e, devido a isso, está aumentando cada vez mais, no mundo inteiro, a busca pelo controle do conhecimento e pelos meios de comunicação”.

Para compreender a aplicação destes conceitos é relevante analisar previamente as mudanças pelas quais a sociedade contemporânea tem passado, bem como a velocidade destas transformações. Se observarmos, por exemplo, a distribuição dos cem inventos que mudaram a história da humanidade ao longo do tempo, teremos uma nítida visão sobre a aceleração desse processo. Nos 2,6 milhões de anos que vão do período paleolítico - época em que foram geradas as primeiras ferramentas de pedra e deram início à jornada do homem rumo à civilização e domínio da natureza - até o surgimento da Era Cristã, foram registrados cerca de dezesseis inventos estratégicos. Nos primeiros dezoito séculos, essa cifra passou para vinte e, somente no século XIX, forma identificados 29 inventos, valor que saltou para 35 no século XX (Yenne, 2003).

Segundo CASTELLS (1999), “O conhecimento sempre esteve presente nas diversas eras econômicas, tanto na era agrícola quando o homem começou a explorar de forma sistemática os recursos naturais disponíveis, como na primeira revolução industrial com o surgimento da máquina a vapor e da fiandeira, na segunda revolução industrial marcada pelo advento da eletricidade e motor de combustão interna ou, mais recentemente, a partir da segunda metade do século XX, com os avanços associados ao surgimento da microeletrônica e produtos correlatos.”

A diferença desta fase atual de desenvolvimento do capitalismo, cunhada de “Revolução da Informação” ou “Terceira Onda” (TOFLER), é que a exigência de uma velocidade cada vez maior na geração de inovações tornou-se rotineira e pré-requisito para a sobrevivência das organizações (DRUCKER, 1999).

Dentre os fatores que mudaram o foco de uma sociedade industrial para a sociedade do conhecimento, podemos destacar desde transformações na economia e valor dos ativos mais significativos, até no perfil exigido do funcionário e sua empregabilidade.

Como relatam SVEIBY (1998) e STEWART (2002), as organizações do conhecimento são aquelas que contam com uma estrutura focada no conhecimento e não no capital; aquelas cujos ativos intangíveis são muito mais valiosos do que seus ativos tangíveis; cujos trabalhadores são profissionais altamente qualificados e com alto grau de escolaridade.

De acordo com BUROWITZ e WILLIANS, a adoção de um estilo de gestão do conhecimento envolve a decisão por gerenciar predominantemente o conhecimento tácito ou o explícito ou ambos simultaneamente, categorizando, assim, os métodos de Gestão do Conhecimento nos citados quatro estilos, conforme mostra a Figura 1. De acordo com estes pesquisadores, as empresas que adotam o estilo Dinâmico são aquelas que possuem práticas que promovem, equilibradamente, tanto o conhecimento tácito quanto o explícito e também são aquelas que apresentam melhor resultado de negócio.1


Figura 1 - Estilos de Gestão do Conhecimento – BUROWITZM E WILLIANS

Identificou-se, também, os processos utilizados pelas empresas para converter conhecimento (Socialização, Externalização, Combinação e Internalização) e, associou-se a estes mecanismos, a importância de uma prática ainda pouco aplicada pelas empresas que são as comunidades de prática.
Conclusão
Cada vez menos vista como um modismo, a Gestão do Conhecimento nas organizações tem demonstrado suas vantagens. Basta vislumbrar a forma como podem reutilizar soluções, registrar quem sabe o quê na organização, preservar sua memória, aumentar o grau de colaboração, melhorar o processo de obtenção de informações sobre a concorrência e o mercado em relacionada à ciência administrativa, verifica-se que o futuro da Gestão do Conhecimento depende muito do tipo de mudança comportamental e das pessoas que os gerentes e executivos das empresas venha a desenvolver nos anos vindouros.

A Gestão do Conhecimento nas organizações não pode estar circunscrita a uma visão estreita e facilmente solucionável com a adoção de tecnologias de comunicação e informação. Ainda que guarde uma relação próxima com o desenvolvimento tecnológico, este processo passa, necessariamente, pela compreensão das características e demandas do ambiente competitivo e, também, pelo entendimento das necessidades individuais e coletivas associadas aos processos de criação e aprendizado.

Portanto, gerenciar conhecimento é um processo longo e laborioso de mudanças, com resultados em médio e longo prazo. Envolve importantes ações de compartilhamento e utilização de conhecimento entre pessoas integradas em novos processos de negócio, utilizando tecnologias de informação e comunicação como apoio.
Referências Bibliográficas
STEWART, T. A. A riqueza do conhecimento - o capital intelectual e a organização do século XXI. Rio de Janeiro: Campus, 2002.
BUROWITZ, W. R.; WILLIANS, R L. Manual de gestão do conhecimento: ferramentas e técnicas que criam valor para a empresa. Porto Alegre: Bookman, 2002.
Alvin Tofler. A terceira onda. 2 ed. Rio de Janeiro: Record, 1983.
SANTOS, Antônio Raimundo dos . Gestão do conhecimento como modelo empresarial. Disponível em: http://www1.serpro.gov.br/publicacoes/gco_site/m_capitulo01.htm
SVEIBY, K. E. A nova riqueza das organizações:gerenciando e avaliando patrimônios de conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, 2002.
TERRA, J. C. C. Gestão do conhecimento, o grande desafio empresarial: uma abordagem baseada no aprendizado e na criatividade. São Paulo: Negócio Editora, 2001.
YENNE, B. 100 invenções que mudaram a história do mundo. Rio de Janeiro: Ediouro, 2003.
Manoel Castells. A sociedade em rede - a era da informação: economia, sociedade e cultura. Volume I. São Paulo: Paz e Terra, 1999.
CRAWFORD, R. Na era do capital humano: o talento, a inteligência e o conhecimento como forças econômicas - seu impacto nas empresas e nas decisões de investimento. São Paulo: Atlas, 1994.
HANSEN, M.; NOHRIA, N. & TIERNEY, T. What is your strategy for managing knowledge? Harvard Business Review, v. 77 n.2, p.106-116, mar-apr. 1999.


1 Os conhecimentos tácito e explícito são unidades estruturais básicas que se complementam e a interação entre eles é a principal dinâmica da criação do conhecimento na organização de negócios.

Conhecimento explícito é o que pode ser articulado na linguagem formal, inclusive em afirmações gramaticais, expressões matemáticas, especificações, manuais etc., facilmente transmitido, sistematizado e comunicado. Ele pode ser transmitido formal e facilmente entre os indivíduos. Esse foi o modo dominante de conhecimento na tradição filosófica ocidental.



O conhecimento tácito é difícil de ser articulado na linguagem formal, é um tipo de conhecimento mais importante. É o conhecimento pessoal incorporado à experiência individual e envolve fatores intangíveis como, por exemplo, crenças pessoais, perspectivas, sistema de valor, insights, intuições, emoções, habilidades É considerado como uma fonte importante de competitividade entre as organizações. Só pode ser avaliado por meio da ação.




©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal