Formulário para apresentaçÃo de disciplinas



Baixar 26,32 Kb.
Encontro26.10.2017
Tamanho26,32 Kb.

CÂMARA CURRICULAR DO CoPGr
FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE DISCIPLINAS
SIGLA DA DISCIPLINA: EHA5721 SIGLA DO DEPTO.:
NOME DA DISCIPLINA: Recepção Estética em Museus de Arte
ÁREA: Estética e História da Arte
Nº DA ÁREA: 93131
VALIDADE INICIAL (Ano/Semestre):
Nº DE CRÉDITOS: 07 - Aulas Teóricas: (3 )

- Aulas Práticas: ( )

- Seminários e Outros: (1 )

- Horas de Estudo: (3 )

DURAÇÃO EM SEMANAS: 15
DOCENTE RESPONSÁVEL: NOME E NÚMERO USP

1. Profª. Drª. Rebollo Gonçalves 51630


Caso o docente já seja credenciado na área, indicar a data da aprovação do mesmo pelo CoPGr:
CUSTOS REAIS DA DISCIPLINA:

(Apresentar, se pertinente, orçamento previsto para o exercício, em folha anexa)



P R O G R A M A
OBJETIVOS:

A disciplina objetiva a discussão da recepção estética das exposições de arte, considerando, em especial, o contexto dos museus de arte moderna e contemporânea e as perspectivas do artista, do curador, do crítico de arte e do espectador.


JUSTIFICATIVA:

A disciplina, construída a partir de resultados de pesquisa dos docentes responsáveis, abre um campo de discussão sobre a exposição de arte como campo privilegiado da experiência estética e como espaço mediador de comunicação dos paradigmas teóricos e críticos da história da arte. Estuda o público da arte, tanto o artista, o curador, o crítico, como o espectador. Discute a fundamentação de conceitos teóricos necessários ao especialista em estética e história da arte.



CONTEÚDO:


  1. O conceito de recepção estética.

  2. Processo artístico e recepção estética: teoria e pesquisa.

  3. Os museus como contexto histórico-cultural da recepção estética.

  4. Os novos museus: arquitetura como cenografia.

  5. Desafios atuais dos museus de arte moderna e contemporânea.

  6. Arte contemporânea e o conceito de exposição.

  7. A exposição de arte como comunicação.

  8. A exposição de arte como forma estética.

  9. A exposição e suas tipologias cenográficas.

  10. A visita à exposição de arte: a figura do espectador.

  11. Percepção da obra de arte.

  12. A exposição como campo para a experiência estética.

  13. A exposição como campo de ilusões: arte e conhecimento.

  14. A exposição como campo intersubjetivo: artista-curador-espectador.

  15. Os lugares e os modos da crítica


BIBLIOGRAFIA

BLANCO, Maria Dolores Jiménez. Los Museos de Arte Contemporáneos in



SERRALLER, Francisco Calvo (org.) . LOS ESPECTÁCULOS DEL ARTE. Barcelona, Tusquets ed., 1993.
BELCHER, Michael. Organización y Diseño de Exposiciones. Gijón, Espanha, ed. TREA S.L., 1994.
BOURDIEU, Pierre e DARBEL, Alain. L’Amour de L’Art. Paris, Les Éditions de Minuit, 1969.
DAVALLON, Jean. L’Exposition à l’Oeuvre Paris/Montreal. L Harmattan. 1999.
DEBORD, Guy. La Sociedad del Espetáculo. Valencia. PRE-TEXTOS. 1999.
DÉOTTE, Jean-Louis e HUYGHE, Pierre-Damien. Le Jeu de l’ Exposition. Paris. Ed. L’Harmattan. 1998.
ECO, Umberto. Opera Aperta: Forma e Indeterminazione nelle poetiche contemporanee. Milão. Ed. Bompiani.1962.
____________ . I Limiti dell’Interpretazione. Milão. Bompiani, 1990.
FRAYZE-PEREIRA, João. Olho d´água. Arte e loucura em exposição. São Paulo, Ed. Escuta/Fapesp, 1995
_______________ Estética, psicanálise implicada e crítica de arte. Revista Brasileira de Psicanálise, v.38, n.2, 2004, ps.443-452.
FERNÁNDEZ, Luís Alonso. Introducción a la nueva museología. Madri. Alianza Editorial ( Arte y Música). 1999.
GONÇALVES, Lisbeth Rebollo. Entre cenografias. São Paulo, Edusp, 2004
__________ e FABRIS, Annatereza (orgs.) Os lugares da crítica de arte. São Paulo, ABCA/Imprensa Oficial, 2005
ISER, Wolfgang. El Processo de Lectura. In WARNING, R.( org). ESTÉTICA DE LA RECEPCIÓN. Madri. Visor Dis., 1989.
--------------------- . La Estructura Apelativa de los Textos In WARNING, R.( org). ESTÉTICA DE LA RECEPCIÓN. Madri. Visor Dist., 1989.
JAUSS, Hans Robert. O Prazer Estético e as Experiências Fundamentais da Poiesis, Aisthesis e Katharsis. In COSTA Lima,Luis. (org.). A LITERATURA E O LEITOR. Rio de Janeiro. Ed. Paz e Terra, 1979.
____________. A Estética da Recepção: Colocações Gerais. Idem. Ibidem.
LAKOTA, R. “Good exhibits on purpose: techniques to improve exhibit effectiveness”. In COMMUNICATING WITH THE MUSEUM VISITOR. Toronto, Royal Ontario Museum, 1976.
LAUMONIER, Isabel. Museo y Sociedad. Buenos Aires. Centro Editor de América Latina. 1993.
LEENHARDT, Jacques. O Museu, a Exposição: a autonomia dos objetos de arte em questão. Palestra proferida no Simpósio Internacional ARTE CONTEMPORÂNEA NO MUSEU. IMAGENS E DISCURSOS. Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo. 10 a 17 de outubro de 1997.
____________. A Estética da Recepção: Colocações Gerais. Idem. Ibidem.
MALRAUX, André. Le Musée Imaginaire. Paris. Gallimard, 1965.
MERLEAU-PONTY, Maurice. L’oeil et l’esprit. Paris, Gallimard, 1964
MICHAUD, Yves. L’Artiste et Les Commissaires. Nîmes, ed.Jacqueline Chambon, 1989.
O’ DOHERTY, Brian. Inside de White Cube. The Ideology of the Gallery Space. Berkeley/Los Angeles/ Londres. University of California Press, 1999.
PAREYSON, Luigi. Os problemas da estética. São Paulo, Martins Fontes, 1984.
POINSOT, Jean Marc. L’Exposition et la Redistribution des Tâches entre L’Historien d’Art, le Commissaire d’exposition et le Critique. Palestra realizada no Simpósio “A Recepção Estética em Museu de Arte”, organizado pelo Mac/Usp, novembro de 1996.
_____________ . Quand l’oeuvre a lieu. L’Art exposé et ses récits autorisés Villeurbanne, ed. Mamco- Genève/ Institut d’Art Contemporain/Art Édition.1999.
PUBLICS ET MUSÉES (Revista), Lyon, ed. Presses Universitaires de Lyon, n.1, maio 1992.

____________ . Interaction Sociale Au Musée, Lyon. Presses Universitaires de Lyon, n. 5, jan-.jun. de 1994.


VINÇON, René. Artifices d’ Exposition. Paris. Édition L’Harmattan, 1999.
WARNING, Rainer. Estética de la Recepción. Madri, ed. Visor Distribuición S.A, 1989.
OBSERVAÇÕES:

  1. Bibliografia complementar será oferecida em cada aula, sobre os diversos temas abordados.

  2. A disciplina será oferecida para um número mínimo de cinco e máximo de 15 alunos.




©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal