Fernando Pessoa e a Mensagem



Baixar 37,43 Kb.
Encontro19.07.2018
Tamanho37,43 Kb.

Fernando Pessoa e a Mensagem
Enquadramento histórico

  • Início do século XX

  • Avanço tecnológico e científico em contraste com as más condições de trabalho

  • Capitalismo conduz à I Guerra Mundial (1914-1918) e Revolução russa (1917)

  • Necessidade de repensar a sociedade e o próprio Homem:

    • Nietzsche põe em causa os fundamentos de então e sugere uma reavaliação dos valores para viver a vida na sua plenitude;

    • Freud demonstra a complexidade do homem e o seu lado inconsciente;

    • Einstein põe em causa grande parte do conhecimento científico.


Arte

  • Em rutura com a tradição, os artistas optam por uma abordagem mais irónica e provocatória

  • Na literatura, os protagonistas passam de heróis a seres vulgares

  • Enaltecido pelas correntes literárias anteriores, o indivíduo perde a sua identidade e unidade, criando “outros eus” (fragmentação do eu)

  • Maior liberdade na linguagem, dando sentidos metafóricos novos às palavras

  • Reinventam-se as formas, usam-se técnicas novas e experimentam-se caminhos desconhecidos

  • Movimentos:

    • Modernismo: diversidade e pluralidade; caminho pessoal de questionação e reinvenção dos valores

    • Futurismo: movimento, velocidade e máquina como demonstração de força do indivíduo

    • Cubismo: fracionamento da realidade

    • Abstracionismo: recusa de representação do real

    • Surrealismo: apelo à imaginação, sonho e loucura; escrita automática


Fernando Pessoa

Nasce a 13 de junho de 1888, em Lisboa. Emigra aos 7 anos para Durban, África do Sul, onde obtém excelente rendimento escolar. Regressa a Lisboa em 1905, onde frequenta dois anos o Curso Superior de Letras. Monta a tipografia Íbis, que nunca funcionou e se revelou um fracasso. Em 1912 publica na revista Águia e em 1914 cria os heterónimos Alberto Caeiro, Álvaro de Campos e Ricardo Reis. Funda com Mário de Sá-Carneiro a revista Orpheu, introdutora do Modernismo em Portugal. Em 1917 publica com Almada Negreiros, Amadeo de Souza-Cardoso e Santa-Rita (“Geração de Orpheu”) o Portugal Futurista. O seu único livro, Mensagem, é publicado em 1934. Morre a 30 de novembro de 1935, na sequência de uma crise hepática.


Palavras-chave em Fernando Pessoa

Alma, Loucura, Absoluto, Sonho, Noite, Nevoeiro


Mensagem – Análise de textos

1.ª Parte

  1. O dos Castelos

  • Personificação da Europa

  • “Futuro do passado” designa uma alma que permanece.

  1. Ulisses

  • Lenda da criação da cidade de Lisboa por Ulisses

  • “O mito é o nada que é tudo”: apesar de fictício, legitima e explica a realidade

  • O mito está num plano superior à realidade, dada a sua intemporalidade

  1. D. Afonso Henriques

  • D. Afonso Henriques equiparado a Deus, tendo como missão o combate aos Infiéis

  • Vocabulário de dimensão sagrada: “vigília”, “infiéis”, “bênção”

  • Referência ao aparecimento de Deus a D. Afonso Henriques na Batalha de Ourique

  1. D. Dinis

  • Mitificação de D. Dinis pela sua capacidade visionária (plantou os pinhais que viriam a ser úteis nos Descobrimentos); construtor do futuro

  • O Presente é “noite”, “silêncio” e “Terra”, enquanto que o futuro é os pinhais, com som similar ao do mar, daí a “terra ansiando pelo mar”

  1. D. Sebastião rei de Portugal

  • A “loucura” ou “sonho” é a capacidade de desejar e ter iniciativa, para ultrapassar o estado de “cadáver adiado que procria” (simplesmente vive esperando a morte)

  • Convite a que outros busquem a grandeza para construir algo importante (“Minha loucura, outros que me a tomem”)

  • Para ser grande, Portugal deve ter loucura e desejar grandeza, para poder “renascer o país”

  • Enquanto figura histórica, D. Sebastião morreu em Alcácer-Quibir (“ficou meu ser que houve”) mas persiste enquanto lenda e exemplo de “loucura” (“não o que há”)

  • Apesar do fracasso, a batalha de Alcácer-Quibir é importante para motivar e recuperar Portugal do estado de “morte psicológica”


2.ª Parte

  1. O Infante

  • “Deus quer, o Homem sonha, a obra nasce”: descrição do processo de criação

  • Porque Deus quis unir a Terra, “criou” o Infante D. Henrique para que este impulsionasse a obra dos Descobrimentos

  • Mitificação do infante, criado e predestinado por Deus

  • Depois de criado o Império material (“Cumpriu-se o mar”), “o Império se desfez”, faltando “cumprir-se Portugal”, sob a forma de um Quinto Império espiritual

  1. Horizonte

  • O horizonte (“longe”, “linha severa”, “abstrata linha”) simboliza os limites

  • Descrição das tormentas da viagem (passado), da chegada (presente) e reflexão (projeção futura)

  • A esperança e a vontade são impulsionadoras da busca

  • O sucesso permite atingir o Conhecimento como recompensa

  1. Ascensão de Vasco da Gama

  • Capacidade de interferência de Vasco da Gama no plano mitológico das guerras entre deuses e gigantes

  • Ascensão de Vasco da Gama e dos Portugueses, porque devido aos seus feitos “se vão da lei da morte libertando”, perante pasmo quer no plano mitológico (deuses e gigantes) quer no plano terreno (pastor)

  1. O Mostrengo

  • Existência permanente do desconhecido

  • O homem do leme treme com medo do perigo, mas enfrenta-o (herói épico)

  • Imposição progressiva do homem do leme ao mostrengo

  1. Mar Português

  • Lamentação do “preço” dos descobrimentos e reflexão sobre a sua utilidade

  • O mar (“sal”, “lágrimas”) é de origem portuguesa – mitificação de Portugal

  • “Tudo vale a pena/Se a alma não é pequena”: o preço da busca é recompensado, neste caso tornando-se português o mar.

  • É no mar (desconhecido) que se espelha o céu

  • Cumprir o sonho é ultrapassar a dor

  1. Prece

  • Poema de transição da 2.ª para a 3.ª parte da obra

  • Descrição negativa do presente e consequente saudade do passado

  • “O frio morto em cinzas a ocultou:/A mão do vento pode erguê-la ainda.”: Debaixo das cinzas ainda resta alguma esperança

  • Demonstração do desejo de novas conquistas

  • Independentemente da conquista, interessa “que seja nossa” para recuperar a identidade e glória passadas.

  • O Passado é representado pela grandeza nacional (Descobrimentos) e o Presente pela saudade do passado, daí a necessidade de recuperar o fulgor e o tom de esperança implícito no poema


3.ª Parte

  1. O Quinto Império

  • “Triste de quem é feliz!”: Felicidade de quem não sonha, não passando de “cadáver adiado que procria”

  • Quem sonha está permanentemente descontente, e por isso tem objetivos

  • Depois de quatro Impérios, um novo nascerá, começado por D. Sebastião

  • D. Sebastião morreu, mas a mitificação permanente permite que o sonho persista e que possa ser prosseguido – “minha loucura, outros que me a tomem”

  1. Screvo meu livro à beira-mágoa

  • Descontente face à situação do mundo, o poeta vive na ânsia do sonho e da vinda do “Encoberto” para o despertar

  • O vocativo varia, assegurando apenas a vinda de um messias, independentemente da sua identidade

  • O sujeito poético apela à vinda do destinatário para “acordar” o povo

  1. Nevoeiro

  • Metáfora do Portugal presente, na indefinição, obscuridade e incerteza

  • O país vê-se perante uma crise de identidade e valores

  • Ao contrário da nação, o sujeito poético está inquieto, chorando a saudade do passado

  • É chegada a hora de preparar o futuro, despertar o reino e cumprir a missão já que ao nevoeiro sucede um novo dia

Estrutura da Obra

A Mensagem divide-se em três partes fundamentais:

1.ª Brasão (nascimento) – Fundação da nacionalidade e presença de heróis lendários e históricos, de Ulisses a D. Sebastião, passando por D. Afonso Henriques e D. Dinis

2.ª Mar Português (realização) – ânsia do desconhecido e luta contra o mar. Apogeu dos portugueses nos Descobrimentos

3.ª O Encoberto (morte) – Morte de Portugal simbolizada no nevoeiro; afirmação do mito sebástico na figura do “Encoberto”; apelo e ânsia da construção do Quinto Império

Estas três partes conduzem à ideia de renascimento futuro do país


Simbologia

Água: fonte e origem da vida, purificação, retorno

Ar: espiritualização, vento, sopro, intermediário entre céu e terra, vida invisível

Cinzas: morte, penitência, dor

Dia: nascimento, crescimento, plenitude e declínio da vida

Espada: estado militar, bravura, poder. Destrói mas restabelece e mantém paz e justiça

Fogo: purificação, regeneração, iluminação, destruição

Manhã: luz pura, vida paradisíaca, confiança no próprio, nos outros e na existência

Mar: dinâmica da vida, nascimento, transformação

Morte: fim absoluto do que é positivo e/ou vivo, aquilo que desaparece na evolução, acesso a uma vida nova de libertação das forças negativas

Noite: tristeza, angústia, começo da jornada, tempo de gestação e conspiração, imagem do inconsciente, trevas e fermento do futuro (preparação do dia)

Números:

1: verticalidade, criador, centro cósmico e místico, revelação

2: oposição, conflito, reflexão, equilíbrio, esforço, combate

3: ordem intelectual e espiritual, divino, unidade do ser vivo, perfeição

4: solidez, sensível, terrestre, totalidade, universalidade

5: união, ordem, harmonia, equilíbrio, perfeição, sentidos, relação céu/terra

6: prova entre bem e mal

7: poder, pacto entre Deus e Homem, plenitude, perfeição, equilíbrio, realização total, ciclo concluído, consciência da vida

8: equilíbrio cósmico, época eterna, justiça, ressurreição e transfiguração

9: medida das gestações, plenitude, coroação de esforços

10: totalidade, criação do universo

12: divisões espácio-temporais, complexidade do universo, ciclo fechado

13: mau augúrio

17: número nefasto

Pedra: Construção, sedentarização do Homem, relação entre terra e céu

Sonho: incontrolado, escapa à vontade do indivíduo, necessário ao equilíbrio biológico e mental

Terra: substância universal, matéria-prima, função maternal, regeneração
Funcionamento da Língua

Relações entre Palavras

  • Hiperonímia: a significação da palavra inclui a significação da outra

  • Hiponímia: a significação de uma é abrangida pela significação da outra

  • Holonímia: a palavra refere um todo enquanto que a outra refere a parte

  • Meronímia: a palavra refere uma parte do todo


Referências Deíticas

  • Pessoais: marcas do eu em relação ao outro

  • Temporais: Marcas do tempo em função do “agora”

  • Espaciais: Marcas de localização em função do ”aqui”


Expressões Nominais – Valores referenciais

  • Definidas: antecedidas por determinante artigo definido ou demonstrativo; são um nome próprio ou pronome pessoal

  • Valor referencial:

    • Específico: indica conhecimento compartilhado pelos interlocutores

    • Genérico: refere-se à classe de entidades de forma geral

  • Indefinidas: antecedidas por determinante artigo indefinido ou nulo

  • Valor referencial:

    • Específico: não há necessidade de acrescentar elementos para compreender a frase

    • Não Específico: refere um conjunto de propriedades não justificadas

    • Genérico: referem-se ao nome no seu sentido geral


Expressões Nominais – Valor do Adjetivo

  • Restritivo: se colocado depois do nome

  • Não restritivo: anteposto ao nome


Expressões Nominais – Valor das Orações Relativas

  • Relativas Explicativas: acrescenta informação sem alterar o sentido da frase. Tem valor explicativo e é colocada entre vírgulas

  • Relativas restritivas: limita ou especifica o antecedente, diferenciando-o. Tem valor restritivo e a sua ausência altera o significado da frase


Expressões Predicativas – Tempo

  • São os tempos verbais que conferem a noção de tempo, bem como do sujeito enunciador e do modo

  • Valores temporais

    • Simultaneidade: as ocorrências dão-se ao mesmo tempo

    • Anterioridade: ocorrência anterior ao tempo de enunciação

    • Posterioridade: ocorrência posterior ao tempo de enunciação


Expressões Predicativas – Aspeto

  • Lexical

    • Instantâneo: situações pontuais

    • Prolongado: pressupõem uma certa duração

    • Atividades: podem, em teoria, prolongar-se indefinidamente

    • Estados: exprimem sentimentos ou qualidades, pelo que são independentes do tempo

  • Gramatical

    • Perfetivo: a ação está concluída

    • Imperfetivo: a ação é prolongada e ainda não está concluída

    • Genérico: situações intemporais, permanentes

    • Habitual: repete-se por tempo teoricamente ilimitado

    • Iterativo: repete-se periodicamente (habitual não fixo)

    • Pontual: ação momentânea. É normalmente um evento instantâneo

    • Durativo: ação prolonga-se durante algum tempo

Podem ser combinados vários aspetos
Expressões Predicativas – Modalidade

  • Modalidade Epistémica: atitude do locutor em relação ao que enuncia

    • Valor de certeza

    • Valor de probabilidade

    • Valor de possibilidade

  • Modalidade Deôntica: O locutor procura agir sobre o interlocutor

    • Valor de obrigação

    • Valor de permissão

  • Modalidade Apreciativa: Exprime um juízo valorativo com valor de certeza


Atos de fala e intenção comunicativa

Um ato de fala é um comportamento verbal, governado por regras que asseguram intenções comunicativas.



Tipos de atos de fala:

  • Assertivos: transmitem uma posição ou verdade assumida por quem fala

  • Declarativos: Exprimem uma realidade criada pelo próprio ato de fala

  • Expressivos: expressam sentimentos e emoções de quem fala

  • Diretivos: pretendem conduzir o outro a uma ação

  • Compromissivos: compromisso assumido pelo sujeito que fala

  • Declarativos assertivos: reúnem os objetivos dos declarativos e dos assertivos

Estes podem ser:




©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal