Feridos em nome de deus



Baixar 20,99 Kb.
Encontro19.07.2018
Tamanho20,99 Kb.

FERIDOS EM NOME DE DEUS.

RESUMO


REDEJOVEM
Somos chamados a ser discípulos de Cristo, e não de uma pessoa ou de um pastor. A autoridade pastoral não pode descer ao detalhamento da vida pessoal. Em geral os pastores não têm formação adequada, seminários formam seminaristas, e não pastores. Somente a vivência humana e a experiência da jornada podem formar um verdadeiro mentor espiritual. O líder religioso cuida de uma instituição. O mentor espiritual cuida de pessoas. O líder cuida de orçamento, de agenda, de programas e atividades. O mentor é o pastor. Quando a palavra do pastor é equiparada à palavra divina, e o pastor permite que se ouça dessa maneira, isso implica abuso. O guia espiritual não é um oráculo. Quando ele se coloca no papel de oráculo, certamente, em algum momento, vai cometer abuso. Toda vez que numa posição de serviço aquele que serve é o maior beneficiado, então ele não está servido; está sendo servido. Ali existe abuso. O pastor é autoridade sobre você no que diz respeito ao governo da comunidade, nas não no diz respeito à sua experiência pessoal com Deus. Este é o papel de Cristo: ser o único mediador entre Deus e os homens. A única mediação é feita por Jesus Cristo. Faz parte da natureza humana a transferência de responsabilidade. E a experiência espiritual não permite a transferência de responsabilidade. Ninguém se relaciona com Deus em nome de outro alguém. Casa um se relaciona por si mesmo. Muitos sentem a necessidade de endeusar pastores e estabelecer com estes um relacionamento idólatra. Um pastor que abusou de sua comunidade precisa de tempo para refazer o seu caminho. Precisa submeter-se à autoridade. Precisa tratar-se, aperfeiçoar-se, cuidar-se. Isso não acontece de um domingo para o outro com um pedido de perdão. Alguns, vivem próximo do líder, mas não são devidamente cuidados, aconselhados e nutridos. A imagem do pastor ficou muito desgastada por causa do espaço ocupado na esfera política. Alguns passaram a ter um efeito farisaico em suas vidas: pregam sermões, mas vivem uma vida incoerente com eles, e as pessoas descobrem. Então passam a ser vistos como hipócritas. Alguns pastores que cometem abuso, raramente, tem consciência ou a intenção de ferir. Na maioria das vezes, essas pessoas são até ingênuas quanto ao mal que estão causando. O cara não é necessariamente um patife consciente. Muitas vezes, ele acredita sinceramente no que está fazendo. Como Hither. Líderes que cometem abuso estão em geral obcecados por uma visão. Alguns, por acreditarem que o seu projeto é a salvação do mundo, não tem dificuldade em ferir quem quer que seja para atingir seus objetivos. Convencessem de que tem uma missão divina, e em nome dela estão disposto a sacrificar os sujeitos. Pensam que quando o ideal é maior que a pessoa, as pessoas podem ser, sim, sacrificadas em nome dele. Essa é a lógica do tirano, do abusador religioso. A igreja que passa pro cima de pessoas para implantar um reino não pode estar sob a liderança daquele que, temporariamente, abriu mão de um reinado para resgatar pessoas: Jesus. Muitos terão de prestar contas altas ao Senhor por venderem planos pessoas como se fossem divinamente inspirados. Alguns ousam dizer: “eu, ou nós, somos a última cartada de Deus para este século”. Há diferentes tipos de abuso religioso. Um deles é o que se perpetua ao infundir o medo no coração dos fiéis. A pregação do pastor insiste em que, se a ovelha não dr o dízimo, Deus mandará gafanhotos devoradores para destruir a empresa do coitado. Esquecem que maldição sem causa não prospera como diz Provérbios. Existe o perigo do ensino da cobertura espiritual, quando o líder se sente em posição hierarquicamente mais alta, mais privilegiada, sente-se mais tentado a controlar os que estão sob a sua tutela. Uma igreja saudável, espiritual e emocionalmente, entende que o papel de todos os membros é dividir os fardos, orar uns pelos outros, repartir alegrias e pesares. Não há privilegiados na hierarquia. Hão há eleitos, superdotados da oração. Identificando o autor ou potencial autor de abusos: cuidado com frases do tipo:”você não está na nossa visão. Se o Deus da bíblia se deixa questionar, por que o seu pastor não permitiria? Saiba distinguir quem está ganhado a glória por aquele milagre. Perceba se o programa é mais importante que as pessoas, pois quando o importante é o programa, as pessoas passam a ser peões a serviço de um programa. As pessoas tem medo do pastor? O pastor se comporta com cinismo diante das aflições humanas. Observe se o pastor ama as riquezas. O amor ao dinheiro é a raiz de todos os males. Observe se as pessoas só tem amizades circunstancias, ou seja, só são amigas se você estiver na igreja delas, se sair, deixam de ser suas amigas. Observe se a palavra da liderança vira lei. Nesse sentido, todo mundo é vítima, inclusive os lideres, que são levados a pagar um preço altíssimo, sendo forçados a levarem uma vida sem falhas. Tornam-se onipotentes. Efeitos negativos são observados em minorias, em grupos mais radicais e em seitas. A igreja se esmera em imprimir neuroses nos cristãos ao reforçar o caráter falso de um Deus legalista, que se relaciona com servos como se precisassem sempre adestrá-los. O modelo que prevalece é o de uma servo se relacionando com seu senhor, e não o de um pai lidando amorosamente com seu filho. Pessoas submetidas a abuso espiritual costumam possuir uma fé genuína, e se dedicam a desenvolver uma cosmovisão transcendental na qual acreditam. Alguns crentes são criados numa atmosfera castradora, recebendo uma orientação religiosa inquestionável, por que afinal não se questiona a “Deus”. Nesses ambientes, dá-se ênfase à necessidade de reverência à figura do sacerdote, que deve ser visto como santo. Experiências de abuso de autoridade deixam cicatrizes, as pessoas são obrigadas a submeter tudo à liderança eclesiástica, pois não são capazes de avaliar por si mesmas o que é certo. A vara era usada pelo pastor de ovelhas para conduzir, e não para espancar. Metaforicamente, é para guiar, não para bater. A educação autoritária não admite nenhuma forma de desobediência nem questionamentos. As pessoas ficam sempre inibidas de perguntar, de ter dúvidas. Coloque o pastor no lugar da autoridade, e este passa também a ser inquestionável. Pessoas não se desligam da comunidade da qual fazem parte porque sentem medo das maldições, por exemplo, o pastor Araújo da igreja Jesus, a verdade que marca disse que quem sai de sua igreja entra em baixo de uma maldição. Em termos de governo, o neopentecostalismo vertificou a igreja. O líder forte no topo da pirâmide, que não presta contas a ninguém, que toma decisões sozinho em questões financeiras e doutrinárias, acaba tirando das pessoas a oportunidade de funcionarem como um corpo. Em tais circunstâncias, os abusos se multiplicam. Alguns líderes religiosos tem dificuldade de administrar o poder. Embora a igreja pentecostal tenha uma diretoria, com presbíteros, o pastor fica no topo da pirâmide e dificilmente presta contas. Por ser um país de enorme desigualdade social e com uma população de baixo nível de escolaridade, o Brasil seria solo fértil ara a proliferação de líderes carismáticos que, em alguns casos, descambam em charlatanismo. A ausência do Estado como criador de uma rede proteção social básica é vista por pesquisadores como fator-chave para o crescimento tanto dos cristãos evangélicos no Brasil quanto dos pastores abusivos. Para confrontar o pastor que abusa da Palavra em benefício próprio, é preciso conhecer a Bíblia melhor do que ele. Existe muito uso de texto fora de contexto. Não há regra que obrigue um pastor ser formado em Teologia ou Filosofia, muitos pastores se auto ordenam, se auto intitulam bispos ou apóstolos. Amam a multidão, mas não estão muito preocupados com indivíduo. Nas igrejas protestantes históricas, e hoje também na Assembleia de Deus, não se ordenam mais pastores sem que tenham um curso de teologia. Nas neopentecostais, basta falar bem e ter desenvoltura para candidatar-se ao cargo. Apesar dos escândalos, essas igrejas florescem. Talvez porque a relação dos fiéis com a liderança não se dê no campo da reflexão, mas da emoção. Os pentecostais são mais inclinados a sentir do que a refletir. Sentir é suficiente para legitimar toda a falcatrua. O que move parte da igreja evangélica brasileira, hoje, é a grana. Na década de 70 as pessoas se convertiam e renunciavam a vida cômoda para viver pela fé, uma vida mais difícil, em nome do Evangelho. Hoje, é o contrário. Ser pastor e abrir igrejas virou negócio. Por outro lado, a pastores que choram “escondidos nos banheiros”, porque também sofrem maus-tratos. O projeto Timóteo visa reunir pastores para trocar experiências, conversar, desabafar e reaprender a relacionar-se fraternalmente entre iguais. A saúde emocional dos pastores parece estar em linha com a das comunidades que pastoreiam. A causa de muitas das doenças emocionais do pastor evangélico pode estar em boa medida associada à busca constante e inconsciente por ser uma pessoa relevante num mundo que, no fundo, o menospreza. Muitos pastores vivem sob a demanda de se tornarem significantes. São pastores num momento histórico em que o mundo não os vê mais como pessoas importantes. Não se trata de uma luta consciente, mas inconsciente. Há uma demanda interior por destacar-se. Entre os cristões pentecostais, ela se manifesta no formato carismático da liderança, que se traduz por: “Deus fala por meio de mim; sou um instrumento de Deus; tive um sonho, e Deus me falou”. Nas igrejas históricas, o desejo é conquistar poder institucional. O sujeito prova sua significância quando consegue ser o presidente do presbitério, do sínodo, e passa a articular sua vida em torno da posição institucional. Uma terceira via é a procura pro legitimação social por meio de titulação acadêmica. Todas essas trajetórias escondem uma profunda necessidade auto afirmação e um sentimento oceânico de inquietação. O pastor luta para provar-se significativo e digno para com os de fora, enquanto os de dentro, irmãos e seguidores, o sobrecarregam com uma expectativa elevadíssima de que ele seja uma pessoa inerrante. Esse conflito gera ansiedade e depressão, levando o indivíduo a entregar-se a caminhos obsessivos. Na busca por poder espiritual, ele recorre a práticas espirituais legítimas, mas exageradamente, como as orações em fim, frequentes jejuns, à espera de visões e profecias para transmitir à platéia. Por trás disso, existe um anseio: eu preciso ser revelante. A vertente acadêmica não é muito diferente disso. Pastores que se permitem ser frágeis, que tratam suas emoções com delicadeza, que desabafam com seus pares, que se permitem falhar e não posam de semideuses parecem ter menores chances de se transformar em autores de abuso. Eles aprendem a lidar com as expectativas irreais de sua comunidade de forma realista, tendo consciência de que a frustração será sua companheira de jornada. Hipócritas são levados por um desejo compulsivo de parecer perfeitos. Esperam que todos os admitem e ninguém os conheça de verdade. Judas e Pedro igualmente traíram Jesus. Judas não conseguiu enfrentar seu lado obscuro; Pedro conseguiu. A vida de Pedro mudou, e a de Judas chegou ao fim. Nenhum dos dois desfechos foi uma reação automática às circunstâncias. Ambos decidiram que não podiam mais continuar a viver daquele jeito. As pessoas adoram que o pastor brinque de ser Deus. Pastores e igrejas precisam perceber que a convivência traz à tona as limitações. E, assim como no casamento, o segredo não é a transformação do outro, mas o acolhimento dessas limitações. Pastores costumam ser feridos quando a igreja os descarta em favor de outro mais jovem e dinâmico. Igrejas são feridas quando o jovem pastor troca a comunidade por outra maior, com mais perspectiva de crescimento e um salário mais gordo. Os que sofreram abuso acabam ferindo aqueles que nunca delas abusaram. E isso produz uma cadeia de feridos. Temos igrejas ferindo pastores , e pastores feridos ferindo igrejas. É preciso descobrir um caminho de cura que alcance tanto a alma do rebanho quanto a de seus pastores. Uma pesquisa de Lotufo Neto apontou que 47% dos pastores apresentam sintomas de distúrbios psicológicos, maior do que a encontrada na população de São Paulo, onde a prevalência de transtornos mentais para a vida toda foi 31%, 33% para homens e 29% para mulheres. Os principais diagnósticos encontrados foram transtornos depressivos (16,4%), transtornos do sono (12,9%) e transtornos de ansiedade (9,4%). O que nos supre não é tanto o adicional de conhecimento acadêmico que obtemos nas aulas bíblicas, mas poder falar e ouvir o amigo relatar suas preocupações, desabafar as aflições que estejamos experimentando no trabalho ou na família e, no final, orar para que Deus possa nos ajudar em nossas fragilidades e na falta de uma percepção acurada sobre a vida. Embora a maioria concorde que o convívio fraternal defina a essência da caminhada cristã, biblicamente, essa jornada também está inserida num contexto de submissão a autoridades pastorais –assim mesmo no plural. A figura de um pastor único como detentor de autoridade sobre pessoas não tem respaldo do Novo Testamento. A única vez em que a palavra pastor é usada no singular é para se referir a Jesus. Em todas as demais, é usada no plural, para indicar um grupo de anciões (presbíteros) que zela pelo bem estar de toda a comunidade. Nesse caso, a autoridade de um pastor não é dele, mas do grupo de presbíteros que ele integra e a quem está também sujeito. O pastoreio é um dom e uma função, não tanto um cargo. O Novo Testamento enfatiza o pastoreio mútuo, de todos sobre todos. E nunca fala de pastor ou presbitério no singular, mas sempre no plural. O pastoreio é um dom espiritual exercido para aprimoramento da igreja (Ef. 4.11). A obediência não pode ser cega e todo ensino deve ser confrontado com as verdades bíblicas., para evitar desvios de rota. No entanto, de nada vale estar inserido em um contexto eclesiástico formal sem estar conectado a amizades significativas. Os feridos por abuso espiritual precisam redescobrir relacionamentos em que haja cuidado amoroso e acolhimento. Experimentar, como em nosso pequeno grupo de sobreviventes, o conforto daqueles que se dispõem a carregar os fardos uns dos outros, que sejam hospitaleiros, que ofereçam companhia não religiosa, mas humana, mediada pelo Espírito Santo. Chamar para o café, para ir ao parque, para ser companheiro. Jesus não nos chama a templos; Ele entra e habita em nós, que somos feitos seu templo. Precisamos descobrir relacionamentos terapêuticos que nos nossos sofrimentos e transtornos nos digam: “ conte com o meu silêncio, conte com a minha amizade, conte com as minhas orações. É isso que cura as pessoas. Uma vivência comunitária sadia envolve essa deliciosa cumplicidade. Mas implica também sujeição, pois todos erramos muitas vezes e precisamos que nos relembrem por onde recomeçar. A independência, dizem alguns, está na raiz do pecado original. A Bíblia não deixa margem de dúvida de que devemos nos submeter aos nossos guias, uma confusão cósmica teve origem justamente porque um anjo não foi capaz de se submeter. E nossos ancestrais seguiram-lhe o exemplo. É Jesus quem nos resgata dessa insubmissão, ensinando-nos a dizer: seja feita a tua vontade, e a não a minha. O fato de haver tantos líderes doentes que não merecem ser seguidos nem obedecidos não muda o princípio.
MARÍLIA DE CARMARGO CÉSAR.



©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal