Explicando melhor



Baixar 62,75 Kb.
Encontro11.09.2017
Tamanho62,75 Kb.

Texto 6: 2º semestre/2007 – Fundamentos da Educação – Prof. Sandro.

Betti, Mauro. A janela de vidro: esporte, televisão e educação física. Campinas: Papirus editora, 1998. 159 págs. (resumo e trechos selecionados pelo professor da disciplina).
1ª. Parte: síntese de algumas informações e conceitos importantes do livro:
Os meios de comunicação de massa são meios que permitem a um número relativamente pequeno de pessoas comunicar-se, rápida e simultaneamente, com um grande número de pessoas.

O esporte na atualidade está diretamente associado aos meios de comunicação de massa (mídia, do latim media, plural de médium = meio). Sendo que a relação esporte-televisão vem alterando, progressiva e rapidamente, a maneira como praticamos e percebemos o esporte. Na modernidade, para além do ato de praticar esporte, a figura do espectador se coloca com grande importância.

O espectador esportivo no sistema capitalista é definido por Mauro Betti como o “indivíduo que financia o sistema comercial do esporte, comprando o produto: competição esportiva.”

Os primeiros espectadores do esporte moderno surgiram na Inglaterra, no século XIX. Eram os apostadores nas lutas de boxe e corridas de rua de Londres. ESPECTADOR-APOSTADOR.

A forma seguinte de espectador esportivo que surgiu foi o ESPECTADOR-TORCEDOR, fiel a uma das partes em disputa. Esse personagem social é ainda presente nos estádios e ginásios.

Um processo que viria a influenciar de forma marcante a relação do espectador com o esporte na contemporaneidade se deu a partir da criação da televisão em 1936. Produzida em larga escala após a Segunda Grande Guerra. Os Jogos Olímpicos de Berlim, em 1936 foram televisionados para os presentes no local. Os Jogos Olímpicos de Londres, 1948, foram transmitidos para toda a Inglaterra. Na década de 1950, eventos esportivos passaram a integrar a programação regular das redes de televisão principalmente nos E.U.A e Europa.

A partir da década de 1960 passou a ocorrer a difusão das transmissões ao vivo dos eventos esportivos. Em 1962 foi inaugurado o primeiro sistema de satélites estadunidense e, pela primeira vez, um jogo de beisebol foi transmitido ao vivo para a Europa. Surge, então, um terceiro tipo de espectador. O qual predomina no cenário esportivo atual: o TELESPECTADOR.

Verifica-se que uma das conseqüências inevitáveis do desenvolvimento dos sistemas de comunicação de massa no mundo contemporâneo relacionado à educação física é a universalização dos espetáculos esportivos. Na esteira desse fenômeno, cresceu o interesse comercial da Indústria Capitalista pelo esporte. As campanhas de marketing passaram a explorar a popularidade dos astros esportivos, combinando sua imagem com a imagem dos produtos a serem vendidos. O trabalho principal passaria a ser transformar o esporte em um produto cada vez mais atraente ao consumidor. O esporte foi transformado em TELE-ESPETáCULO, modelado para ser consumido por telespectadores que procuram um entretenimento excitante.

Dentre os importantes atrativos criados pelas redes de televisão para obter a atenção do espectador para o esporte tele-espetáculo podemos destacar:


  • A transmissão ao vivo, que proporciona a cumplicidade entre o locutor e o telespectador diante do inesperado.

  • O conforto de rever os lances com o recurso do replay.

  • O jogo de cores e musica e a dramaticidade imprimida ao jogo pelo narrador.

Os programas atuais de esportes na televisão, inclusive os brasileiros, utilizam a fórmula surgida na rede Americana ABC, na década de 1960, que foi batizada por alguns autores de: FALAÇÃO. O esporte já não é uma prática “real”, mas uma “falação”, por causa do distanciamento de sua prática original ligada ao lazer e a transformação em esporte tele-espetáculo no sistema capitalista. O esporte, de jogo em primeira pessoa, em que se exercita a liberdade, torna-se uma espécie de discurso sobre o jogo. Um clássico do futebol entre duas equipes tradicionais no Brasil, por exemplo, tem uma cobertura sobre treinamentos, preparação, debates, entrevistas com jogadores, técnicos e dirigentes, estatísticas, entre outras informações, que supera em dezenas de horas o tempo efetivo da partida propriamente dita.

Como conseqüência do surgimento e desenvolvimento do esporte tele-espetáculo na sociedade atual cresce o contingente de espectadores “desprovidos de qualquer competência prática e atentos a aspectos extrínsecos da prática, como o resultado, a vitória”. O jogo como espetáculo para os outros e o jogo jogado por outros e visto por mim.

Surgem outros interesses do consumidor pelo esporte como produto, não apenas o de praticá-lo. Uma pessoa pode interessar-se por um esporte, por exemplo, pelo iatismo, mesmo sem praticá-lo ou assistir competições ao vivo ou pela televisão. Pode interessar-se por sua história, pela conquista de medalhas, pela tecnologia dos barcos. Autores que se referem a essa forma de lazer, o nomeiam como: lazer como conhecimento. Uma outra pessoa pode interessar-se por um esporte, por exemplo, pelo futebol, mesmo sem praticá-lo e assistir jogos ao vivo ou pela televisão. Pode ser um torcedor de um time só ou simplesmente gostar de assistir esse tipo de competição. Autores que se referem a essa forma de lazer, o nomeiam como: lazer como consumo.


EXPLICANDO MELHOR...


Esporte telespetáculo: Uma realidade textual autônoma.

Para a televisão, importa tanto forma de mostrar o esporte como seu conteúdo. Uma conseqüência imediata é a fragmentação e a distorção do fenômeno esportivo. pois a televisão seleciona imagens esportivas e as interpreta para nós, propõe um certo "modelo" do que é "esporte" e "ser esportista". Mas, sobretudo, fornece ao telespectador a ilusão de estarem contato perceptivo direto com a realidade, como se estivesse olhando através de uma janela de vidro, conforme a metáfora proposta por Willem Hesling (1986). Virilio advoga, com perspicácia, que a janela é um objeto meta físico da arquitetura. A primeira janela é a porta-janela, típica dos castelos medievais; a segunda janela é a que mais conhecemos, aquela que ilumina, areja, e pela qual se olha e se é visto; a televisão é a terceira janela, através da qual o homem contemporâneo se abre para o mundo. Já não abrimos a janela para ver o que se passa, apertamos o botão da TV. é a tele-realidade, segundo Virilio.

Para além do esporte espetáculo, já identificado pela sociologia do esporte na década de 1980, cabe agora falar no esporte telespetáculo, construído pela televisão, e que traz novas implicações para a sociologia do esporte e do lazer, pois há diferenças na experiência de assistir ao esporte como testemunha corporalmente presente, nos estádios e nas quadras, e pela televisão, em casa, confortavelmente sentado no sofá. As diferenças podem ser explicadas, segundo Hesling (ibidem), por um lado, pela natureza própria dos eventos esportivos e, por outro, pelas convenções do meio de comunicação.

Do ponto de vista perceptivo-psicológico, a imagem que o telespectador vê reproduz apenas certas condições de percepção do original, uma reprodução que passa pela limitação dos próprios códigos televisivos. A autonomia visual do telespectador, por exemplo, é prejudicada, pois ele só pode ver o que a câmera lhe mostra. Há ainda diferenças no nível do Contexto do espectador: assistir à televisão é quase sempre uma atividade solitária, que contrasta com a coletividade da multidão no estádio, cujas reações afetam a avaliação da qualidade de urna partida de futebol, por exemplo.

Do ponto de vista da natureza dos eventos, há que se levar em conta a posição e o foco de interesse das câmeras, e a informação adicional. O telespectador pode identificar-se com a posição do público (por exemplo, no futebol e no tênis) ou dos atletas (no automobilismo, por exemplo, com as minicâmeras instaladas nos próprios carros de corrida). Nos esportes coletivos o interesse da câmera é seguir a bola; para o telespectador, a partida existe onde está a bola, e isso é feito à custa de uma visão mais global do evento. Em compensação, a televisão fornece muita informação adicional na forma de câmera lenta, replays, closes etc.

De acordo com Buscombe (1975), iluminação, cor, definição, enquadramento, movimento e colocação das câmeras, "cortes" e edição são códigos visuais usados para criar imagens particulares de um evento; códigos auditivos como comentários, estilo de música e volume são também usados. Argumenta esse autor que uma configuração particular desses vários códigos influencia os significados possíveis para um dado texto televisivo.

A transmissão televisiva propõe uma nova visão do evento esportivo: a repetição obsessiva dos lances mais violentos ou espetaculares, o fanatismo da torcida, a euforia da vitória etc. Isso facilita muito a comercialização do esporte, pois permite a ênfase em tudo o que mais interessa aos investidores, e produz uma visão artificial do esporte em combinação com uma linguagem "guerreira", amplificando o falso drama que se vive no campo e nas quadras (Carvalho 1985). Porque, em princípio, a competição esportiva é uma luta simbólica, e não uma luta real. Kathleen M. Kinkema e Janete C. Harris (1992) notaram o uso, pela mídia, de um código narrativo que constrói uma "história" para um evento esportivo, dramatizando-o. Estudo de Richard Gruneau (1989) identificou, na cobertura televisiva de eventos esportivos, uma produção voltada para a inclu­são de elementos centrais à narrativa, como espetáculo, performance individual, drama competitivo, incerteza e risco.

A abertura do "Wide World of Sports", o programa pioneiro de variedades esportivas da rede americana ABC8 e que serviu de padrão para os demais, referia-se à "emoção da vitória e a agonia da derrota, o drama humano das competições atléticas".9 Estava descoberta a fórmula! Segundo Roone Arledge, idealizador do programa:

Queríamos trazer a técnica dos programas de variedades. das convenções políti­cas, dos espetáculos de teatro que fossem feitos com câmera na mão, slow-motion moderno e replays; não tinha nada a ver com o evento em si, mas com a fonna de apresentar - no "Wide World" tínhamos um monte de esporte sobre os quais as pessoas nunca tinham ouvido falar antes.10

A televisão, além de estimular o consumo de produtos esportivos (vestuário, equipamentos etc.), utilizando o esporte como conteúdo ou associando-o a outros produtos por meio do anúncio publicitário, tornou o próprio telespetáculo esportivo um produto de consumo comparável às telenovelas e aos programas de auditório. O esporte telespetáculo ensaiou seus primeiros passos na Copa do Mundo de 1966 - o primeiro evento internacional integralmente explorado pela televisão - e firmou-se nos Jogos Olímpicos de 1984, em Los Angeles.



Bilhões em jogo

Comunicação e mídia no âmbito do conhecimento e intervenção em Educação Física.



Giovani de Lorenzi Pires e Fernando Gonçalves Bitt.

A crise aguda do capitalismo e sua tentativa de renovação conservadora através de diferentes mecanismos de produção e acumulação flexíveis, gerou um novo conceito de cidadania tutelada, em que cidadão é quem consegue inserir-se no mercado, tornar-se consumidor. Com isso, além de veicular valores e atitudes necessários ao projeto ideológico da cultura de consumo, o papel da mídia passa a ser também o de disponibilizar na forma de mercadoria a produção humana tanto material como simbólica. O avanço da tecnologia aplicada aos meios de comunicação de massa consegue atribuir a esta produção transformada em mercadoria tratamento estético que a torna irresistível ao consumidor, gerando inclusive novas necessidades de consumo.

À mídia é atribuído ainda papel co-adjuvante no processo de banalização e mercadorização da cultura. A produção standardizada e serializada de bens culturais visa atender a camadas segmentadas de consumidores de diferentes níveis de poder aquisitivo, conforme já denunciada por Adorno e Horkheimer (1985), através do conceito de indústria cultural. Por meio dos mecanismos de reprodução e consumo virtuais, conforma-se hoje um mercado mundializado que comercializa simbolicamente informação e entretenimento, amplamente apoiado no poder midiático de divulgação, que institui globalmente a chamada sociedade-­espetáculo; espetáculo esse que, por sua própria condição, é muito mais visual do que auditivo, muito mais emocional do que reflexivo ou compreensivo.

Consolida-se, assim, a televisão como principal veículo de massa, pautando e trazendo a reboque as demais mídias, num processo que Bourdieu (1997) denomina circularidade circular da informação: os Jornais e rádios dão destaque e ampliam hoje as notícias televisivas de ontem à noite, que retomam a pauta do noticiário noturno conforme sua repercussão durante o dia, e assim até que se esgotem as informações "quentes” ou que novos temas assumam este espaço. Desta forma, soa familiar a afirmação de Vilches (1997) que sugere serem os efeitos sociais das modernas tecnologias midiáticas decorrentes muito mais das mudanças no processo (modo) de produção e veiculação da informação do que propriamente dos seus conteúdos. Será que o meio virou a mensagem, como antecipou McLuhan?


No campo da já referida espetacularização midiática da realidade, parece ser indiscutível a importância adquirida pelo esporte, considerando-se aqui o fenômeno polissêmico do seu conceito adotado na mídia (Betti, 1998). Do jogo final do Campeonato Brasileiro de Futebol à aventura de descer cachoeiras seguro por cordas, tudo é esporte, tudo é imagem, tudo é emoção, enfim, tudo é espetacular! Dumazedier (1979) refere-se ao esporte como um dos mais apropriados eventos para a mídia, em vista da indeterminação prévia dos resultados e da sensação de interatividade que o espetáculo esportivo confere ao (tele)espectador: "a peça não é escrita antes de ser representada, mas sim concomitantemente, e o público, mais do que em qualquer outro espetáculo, tem a impressão de que contribui para a escrita, compartilhando, em espírito e em gesto, as esperanças e angústias dos atores" (p. 10), ainda que o faça a quilômetros de distância, diante do tubo de imagem do seu televisor.

Os projetos de investigação e intervenção profissional desenvolvidos no âmbito da cultura de movimento ou, mais especificamente, da cultura esportiva não podem prescindir ou desconsiderar as informações e os conhecimentos sobre este campo que são produzidos através da mídia. Desta forma, torna-se evidente a interface que se constitui entre a área das Ciências da Comunicação Social e a Educação Física/Ciências do Esporte, tendo o esporte e as práticas corporais (se quisermos adotar o conceito mais restrito de esporte) como ponto fulcral desta relação.

Educação Física Escolar e o Esporte Telespetáculo (Por Mauro Betti)

Entendemos que a educação física não é uma ciência, como propõe a matriz científica, mas uma área de conhecimentos relativos à cultura corporal de movimento, que sistematiza e critica conhecimentos científicos e filosóficos, recebe e envia demandas à prática, às ciências e à filosofia. Concebemos a educação física como um campo dinâmico de pesquisa e reflexão. Os problemas e as questões emergem da prática, e sua articulação vem a constituir uma problemática que questiona as ciências e a filosofia. Como resultado da pesquisa científica e da reflexão filosófica, emergem novas perspectivas e questões sobre a prática, e também indicações para a sua transformação em prática de melhor qualidade (humana). Assim, adquirimos da prática uma visão mais sofisticada, emergem questões mais complexas, aparecem problemas onde tudo parecia estar bem... Novos questionamentos são enviados às ciências e à filosofia, a partir de uma prática revisitada. Prática e conhecimento são indissociáveis em nosso entendimento da educação física.

O princípio integrador aí possível advém de um processo de valoração; portanto, só a filosofia pode propiciar essa integração. Por isso, a problemática que articulamos com base na prática já é impregnada de valores. A busca de uma melhoria qualitativa das práticas corporais de movimento é a base de uma nova concepção de educação física. E os conceitos de melhoria e qualidade são conceitos valorativos. O que teria levado um pesquisador a ver na evasão de um programa de treinamento em natação um problema, como já vimos, e não um dado "normal" do esporte? São seus valores em relação ao esporte, que envolvem, por sua vez, valores sobre o homem, a sociedade etc.

Evidentemente, a educação física entendida, stricto sensu, como com­ponente curricular das escolas de 1º e 2º graus tem um papel estratégico nesse processo. É tarefa da educação física preparar o aluno para ser um praticante lúcido e ativo, que incorpore o esporte, o jogo, a dança e as ginásticas em sua vida, para deles tirar o melhor proveito possível. Isso implica também com­preender a organização institucional da cultura corporal em nossa sociedade; é preciso prepará-lo para ser um consumidor do esporte espetáculo, para o que deve possuir uma visão crítica do sistema esportivo profissional, e dos instru­mentos conceituais e perceptivos para urna apreciação estética e técnica do esporte. É preciso preparar o cidadão que vai aderir aos programas de ginástica aeróbica, musculação, natação etc., em instituições públicas e privadas, para que possa avaliar a qualidade do que é oferecido, e identificar as práticas que melhor promovam sua saúde e seu bem-estar. É preciso preparar o leitor/espec­tador para analisar criticamente as informações que recebe dos meios de comunicação sobre a cultura corporal de movimento.



Assim, entendemos que a principal tarefa da educação física na escola é introduzir e integrar o aluno na cultura corporal de movimento, formando o cidadão que vai produzi-la. reproduzi-la e transformá-la, instrumentalizando-o para usufruir do jogo, do esporte, da dança e das ginásticas em benefício de sua qualidade de vida. A educação física também propicia aos alunos, como os outros componentes, um certo tipo de conhecimento. Mas não é um conhe­cimento que se possa incorporar dissociado de uma vivência concreta. A educação física não pode se transformar num discurso sobre a cultura corporal de movimento, sob pena de perder a riqueza de sua especificidade, ela deve se constituir como uma ação pedagógica com aquela cultura. Essa ação pedagógica a que se propõe a educação física será sempre uma vivência impregnada da corporeidade do sentir e do relacionar-se. A dimensão cognitiva far-se-á sempre sobre esse substrato corporal. O professor de educação física deve auxiliar o aluno a compreender seu sentir e seu relacionar-se na esfera da cultura corporal de movimento.

Mas, para intervir, é preciso conhecer. Se os educadores querem posicionar-se perante a televisão, devem conhecer o meio e sua linguagem.


Se a educação física quer intervir no campo do esporte, precisa conhecer os fundamentos do esporte telespetáculo.

As novas formas de comunicação abrem outras possibilidades de percepção do mundo, quer dizer, adicionam e não substituem totalmente as formas tradicionais, como a escrita, e sua contrapartida, a leitura. Temos hoje mais e não menos maneiras de perceber o mundo - o que não significa, automaticamente, compreendê-lo melhor.

Por isso, não podemos simplesmente censurar a TV e o esporte que ela retrata. Esse é o universo cultural em que as novas gerações socializam-se no esporte. O futebol já não é só uma "pelada" num terreno baldio, é também Videogame, jogos em computador, espetáculo da TV. Uma revista especia­lizada em esportes, com uma estratégia de marketing dirigida ao público jovem trouxe, em seu primeiro número, um disquete de computador para explicar a lei do impedimento no futebol. Assistir aos esportes e praticá-los formam uma nova unidade de relações dissimétricas e variáveis. Esse é um novo cenário por onde a educação física terá de se mover - queiramos ou não, gostemos ou não.

Crianças imitam o voleibol que vêem na televisão, e "brincam" de rebater a bola com as mãos: estão "jogando" ou "praticando esporte"? Responder a essa pergunta parece cada vez menos importante - o que importa é compreender como o jogo infantil e as formas televisivas do esporte se interpenetram hoje.

Na medida em que as tecnologias eletrônicas propõem um novo mundo, a educação deve falar de um modo possível de nele se orientar. Na medida em que a televisão propõe um novo esporte, a educação física deve falar de um modo possível de nele se orientar.

Se a TV trabalha com estereótipos, como quer Dieter Prokop (apud Marcondes Filho 1986), em contrapartida, os profissionais da educação física são atores sociais vivos, que constroem, mantêm e alteram significados sobre a educação física, sobre si próprios e sobre o esporte. Não devemos acreditar que os estereótipos apresentados hegemonicamente pela TV são definitivos (por exemplo, o técnico é sempre "durão"). A televisão amplifica estes estereótipos, é certo, mas eles refletem crenças e valores da sociedade que são mutáveis. Devemos, portanto, sempre considerar a possibilidade da mudança e manter vivos os contra-estereótipos: não somente dinheiro e medalhas como recompensa, mas também o prazer intrínseco de participar; não só rivalidade, mas cooperação no confronto com outro ser humano; não apenas o rendimento máximo do superatleta, mas o ótimo das pessoas comuns. Na linguagem das teorias culturalistas, é preciso procurar espaços para propagar a contra-hegemonia.


A educação é um processo penoso na civilização ocidental, que custa ao homem uma tremenda repressão corporal, e o esporte é um dos poucos campos em que se legitimaram socialmente as manifestações de excitação e prazer, e a vivência simbólica da luta com outro homem. Contudo, tal vivência só é plena na vivência prática do esporte. Lembramos novamente Adorno (1986), para quem o esporte pode exercer um papel educativo, antibarbárico e anti-sádico.

Assistir ao esporte e praticá-lo seriam dimensões complementares do mesmo fenômeno social, como quer Belbenoit (1976), mas a televisão impõe um modelo de consumo passivo cada vez mais autônomo - o esporte telespetáculo. A educação física deve propiciar um equilíbrio entre essas duas possibilidades. A "felicidade" e a "liberdade", para Elias, resultariam de um equilíbrio mais permanente, de uma sintonia mais fina entre, por um lado, as exigências gerais da existência social do homem e, por outro, suas necessidades e inclinações pessoais. Só então "poderão os seres humanos dizer a respeito de si mesmos, com alguma justiça, que são civilizados"

(Elias 1993, p. 274).

Só posso civilizar-me plenamente no esporte, no sentido que Elias conferiu a essa expressão, se desenvolvo meu autocontrole no contato real com outros seres humanos que comigo competem num campo socialmente definido, com regras claras e precisas. Essa é uma tarefa da educação física, se quer ser "educação" e da educação, se quer ser "física”, já que, a julgar por Elias, não há educação que deixe de ser simultaneamente social, psíquica e corporal.

Mas qual esporte? A necessidade de diferenciar as diversas modalidades e os diversos tipos de esporte aparece em especial nas teorias cultura­listas. Mesmo tentando impor um modelo hegemônico para a prática do esporte, o discurso televisivo apresenta contradições.

Destaca-se, em primeiro lugar, o fenômeno lingüístico da polissemia, que amplia o significado da expressão "esporte". Parafraseando Ricoeur, "temos mais práticas que palavras para as expressar". A cultura corporal contemporânea de movimento é rica em práticas corporais, dotadas das mais diversas intensidades de tensão, exigências psicomotoras, seriedade etc. A televisão, na ânsia de espetacularizar e vender seus produtos, chama a tudo de "esporte" - uma moeda, forma de pensamento intercambiável, se nos lembrarmos de Prokop. Então, todos querem praticar "esporte", palavra que passa a designar uma diversidade de práticas: escalar uma cachoeira conge-

lada, descer da boca de uma caverna pendurado numa corda, andar de moto por uma trilha na mata. O mesmo ocorre com a adjetivação "esportista": esportista é também o gordo dirigente enfiado num terno, o telespectador, o torcedor fanático. Os critérios clássicos da sociologia que definem o que é esporte foram subvertidos; já não é necessária a competição, a comparação ­de desempenhos, a busca da vitória ou do recorde para que uma atividade seja nomeada "esporte". O esporte telespetáculo exige uma ampliação dos limites conceituais.

Em segundo lugar, a mídia exerce uma função de conhecimento sobre o esporte (táticas, técnicas, história, tecnologia etc.), embora como função complementar, porque a principal é a espetacularização. Não podemos nos esquecer da importância cognitiva que a imagem adquiriu nos nossos tem­pos, que pode contribuir para enriquecer a apreciação e a interpretação do telespectador. Precisamos entender que a mídia possibilita um conhecimento publicamente partilhado no campo da cultura corporal de movimento. Há aulas de ginástica aeróbica pela TV; médicos concedem entrevistas falando dos benefícios e dos riscos da atividade física; comentaristas nos informam sobre táticas e regras em vários esportes; revistas femininas e para adoles­centes receitam exercícios para "diminuir a barriga".

A educação física precisa usar esse fenômeno a seu favor, porque, se ela já não existe como um "conteúdo" concreto (porque seus conteúdos são o jogo, o esporte, a dança, as ginásticas), existe como conceito capaz de articular teoricamente as práticas corporais da sociedade, conferindo-lhe sentidos e concedendo-lhe projetos. A possibilidade de elevar o esporte ao plano da cultura, da humanização, da civilização e da libertação do homem está em potencial nas próprias práticas que se autodenominam "esporte". Desenvolver esse potencial sob a orientação de valores conscientemente eleitos é uma tarefa da educação física.



A consciência crítica, a humanização, a elevação dos patamares de civilização só podem ser propostas às novas gerações com base no seu contexto de vida, na sua linguagem, nas suas novas formas de comunicação e compreensão do mundo, que incluem a tecnologia audiovisual. Na cultura esportiva das crianças e dos jovens, tomam parte tanto o esporte como prática corporal "real" como as formas "virtuais" do esporte telespetáculo, dos jogos de videogame e computador.



  1. 8Que se iniciou, provavelmente, nos primeiros anos da década de 1960.

  2. Série "Mais que um jogo", produzida pela BBC de Londres, e exibida pela TV Cultura.

  3. Declaração prestada à série "Mais que um jogo", produzida pela BBC de Londres, e exibida pela TV Cultura.




9


10





©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal