Excelentíssimo senhor juiz presidente do tribunal regional federal da 5a regiãO



Baixar 389 Kb.
Página1/2
Encontro17.02.2019
Tamanho389 Kb.
  1   2



EXCELENTÍSSIMA SENHORA MINISTRA CÁRMEN LÚCIA, PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL.

PARTIDO COMUNISTA DO BRASIL – PC do B, pessoa jurídica de direito privado, registrado no Tribunal Superior Eleitoral e com representação no Congresso Nacional, com sede na sala 1.224, do Edifício Executivo Office Tower, localizado no bloco F, da quadra 2, do SHN, Asa Norte, Brasília, DF, inscrito no CNPJ sob o nº 54.956.495/0001-56, representado por sua Presidenta, Luciana Barbosa de Oliveira Santos, brasileira, em relação de união estável, no exercício de mandato de Deputada Federal pelo PCdoB/PE residente e domiciliado em Recife - PE e estabelecida na sede do Partido, vem, perante Vossa Excelência, por seus advogados abaixo assinados, endereço para intimações no rodapé, com fundamento nos artigos 102, I, “a” e “p” e 103, VIII, ambos da Constituição Federal, e na Lei nº 9.868/1999, propor a presente

AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE

COM PEDIDO DE MEDIDA LIMINAR

em face da Lei n.º 13.424, de 28 de março de 2017, mais especificamente o atinente ao seu art. 7º, que modifica a redação do art. 4º da Lei nº 6.615/78, publicada no DOU de 29 de março de 2017, o que faz com fundamento nas razões a seguir aduzidas.



I – PRELIMINARMENTE

I.1 – DO CABIMENTO
Em observância ao princípio da supremacia da Constituição Federal, coube a esta Suprema Corte a sua guarda, por meio do controle concentrado de constitucionalidade, conforme expressa disposição da Carta Magna:

Art. 102. Compete ao Supremo Tribunal Federal, precipuamente, a guarda da Constituição, cabendo-lhe:

I – processar e julgar, originalmente:


  1. a ação direta de inconstitucionalidade de lei ou ato normativo federal ou estadual e a ação declaratória de constitucionalidade de lei ou ato normativo federal;

p) o pedido de medida cautelar das ações diretas de inconstitucionalidade.
A norma impugnada na presente demanda integra a Lei nº 13.424/17, a qual promove alterações em diversas legislações existentes para “dispor sobre o processo de renovação do prazo das concessões e permissões dos serviços de radiodifusão”.

Conforme será demonstrado, o art. 7º da mencionada lei padece de vícios formais e materiais que afrontam diretamente a Constituição Federal, situação esta que configura o cabimento da presente ação, a fim de que esta Suprema Corte declare a inconstitucionalidade do referido dispositivo.



II – DA NORMA IMPUGNADA

Inicialmente, cabível colacionar o teor do art. 7º da Lei 13.424/17, dispositivo ora impugnado que promoveu a alteração na Lei nº 6.615/78, que dispõe sobre a regulamentação da profissão de Radialista, tendo modificado a redação do §4º do seu art. 4 e incluído, ainda, os incisos I e II no respectivo parágrafo. Vejamos.

Art. 7º - O art. 4º da Lei nº 6.615, de 16 de dezembro de 1978, passa a vigorar com as seguintes alterações:
Art. 4º (...)

§ 4º As denominações e descrições das funções em que se desdobram as atividades e os setores mencionados nos §§ 1º, 2º e 3º, a serem previstas e atualizadas em regulamento, deverão considerar:

I - as ocupações e multifuncionalidades geradas pela digitalização das emissoras de radiodifusão, novas tecnologias, equipamentos e meios de informação e comunicação;

II - exclusivamente as funções técnicas ou especializadas, próprias das atividades de empresas de radiodifusão. (NR)


O texto antigo do §4º, revogado pelo art. 7º da Lei 13.424/17, dispunha o seguinte, in verbis:

As denominações e descrições das funções em que se desdobram as atividades e os setores mencionados nos parágrafos anteriores constarão do regulamento.

Consoante as argumentações a serem expendidas na presente inicial, poder-se-á constatar a ocorrência não apenas de vício formal, mas sobretudo a violação material que tal dispositivo perpetra em face das normas constitucionais.

III – BREVE HISTÓRICO LEGISLATIVO

A proposta de edição de medida provisória apresentada pelo Sr. Gilberto Kassab, em 22 de setembro de 2016, então Ministro da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicação, ao Senhor Presidente da República trazia, na sua exposição de motivos, a sua finalidade geral e originária, qual seja a de disciplinar os prazos e procedimentos dos pedidos de renovação de concessão e permissão dos serviços de radiodifusão, matéria prevista no art. 2231 da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 e na Lei nº 5.785/72, que prorroga o prazo das concessões e permissões para a execução dos serviços de radiodifusão sonora, especialmente o seu art. 4º 2.

Propunha-se, ainda, disciplinar a possibilidade de se realizar a transferência direta e indireta da concessão e permissão enquanto se processa a renovação da outorga. E para justificar o enquadramento da referida MP nos critérios constitucionais3, expôs-se o que segue:

(...) 9. Pretende-se conferir remissão aos concessionários e permissionários que, em razão da perda do prazo atualmente previsto na legislação ordinária (6 a 3 meses antes do término da vigência da outorga), estão passíveis de ter declarada a extinção da outorga pelo Congresso Nacional. Caso não seja concedida a remissão proposta, o Poder Executivo deverá encaminhar proposições de perempção ao Congresso Nacional, e precisará de quórum de dois quintos dos parlamentares de ambas as Casas Legislativas, em votação nominal, para confirmar a não renovação.

10. A urgência e a relevância da Medida Provisória ora proposta se justificam para evitar a descontinuidade ou interrupção do serviço público.

11. A relevância da edição da Medida Provisória se mostra evidente diante da competência constitucional da União de explorar, diretamente ou mediante concessão ou permissão, os serviços de radiodifusão sonora e de sons e imagens, na forma do art. 21, inciso XII, alínea “a”, da Constituição Federal. Nestes termos, considerando que as normas de competência não apenas delimitam as atribuições, mas também fixam responsabilidades, cumpre a União adotar as medidas ora propostas como forma de garantir a continuidade e a regularidade da execução do serviço.

12. A urgência decorre do atual quadro de precariedade e insegurança jurídica dos processos de renovação de prazo e de transferência da concessão ou permissão. A necessidade de regularizar e ordenar a tramitação administrativa de processos de renovação e transferência no âmbito do Poder Executivo e do Poder Legislativo é premente e fundamental para garantir a boa ordem dos serviços públicos e para restaurar a confiança de novos investimentos do mercado no setor de radiodifusão, sobretudo diante da iminência da migração digital.

13. Tal medida se torna urgente e relevante, pois caso não seja concedida a anistia proposta, o Poder Executivo deverá encaminhar um número considerável de proposições de perempção de rádios e TVs ao Congresso Nacional, sendo necessário quórum de 2/5 dos parlamentares de ambas as Casas Legislativas, em votação nominal, para confirmar a não renovação, conforme previsto no art. 223 da Constituição. Tal fato causaria um acúmulo considerável de matérias para apreciação legislativa, impedindo e atrasando debates de grande relevância à população, além de causar um prejuízo à continuidade do serviço público de comunicação por radiodifusão. (g.n.)


Em análise dos critérios de relevância e urgência, a Presidência da República, no exercício de suas atribuições previstas no art. 62 da CF/88, editou a Medida Provisória nº 747, de 30 de setembro de 2016, nos exatos termos da proposta supramencionada, consoante se observa no documento que segue em anexo.

É notório, portanto, que este ato normativo se restringia a dispor, apenas, sobre o processo de renovação das concessões e permissões para a execução dos serviços de radiodifusão.

Pois bem. Submetida a MP ao Congresso Nacional, foram apresentadas diversas emendas parlamentares, das quais se destaca a proposta pelo Deputado Sandro Alex, em outubro de 2016, a qual pretendia acrescer à MP o seguinte dispositivo:

Art. 5º O art. 4º da Lei nº 6.615, de 16 de dezembro de 1978, passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 4º ......

§4º As denominações e descrições das funções em que se desdobram as atividades e os setores mencionados nos parágrafos anteriores, a serem previstas e atualizadas em regulamento, deverão considerar:

I - as ocupações e multifuncionalidades geradas pela digitalização das emissoras de radiodifusão, novas tecnologias, equipamentos e meios de informação e comunicação;

II - exclusivamente as funções técnicas ou especializadas, próprias das atividades de empresas de radiodifusão.(NR)”

Art. 6º Esta lei entra em vigor na data de sua publicação, procedendo-se à primeira atualização de que trata o §4º do art. 4º da Lei nº 6.615. de 16 de dezembro de 1978, no prazo de até 90 (noventa) dias subsequentes.
A motivação externada pelo congressista a justificar a sua proposta de emenda fora fundamentada, em síntese, nos seguintes termos:

As mudanças que vêm ocorrendo nos segmentos da mídia podem ser, assim, observadas sob o ponto de vista técnico, que nos mostra os meios de comunicação em busca de se adaptar às novas perspectivas e demandas abertas pela digitalização dos meios e dos seus produtos tradicionais, o que é atestado pela multifuncionalidade de móbiles, mas também pela multifuncionalidade dos profissionais que atuam nos vários segmentos de mídia.

Sob o ponto de vista político-legislativo, o avanço ditado pela convergência das tecnologias de informação e comunicação exige a atualização dos marcos regulatórios, mormente como no caso brasileiro, que mantém uma legislação obsoleta, de cinco décadas, incapaz de atender às demandas e dinamismo atuais, advindos de tecnologias e inovações que se alternam ou sucedem velozmente; e também se ressente de profundo desajuste da regulação profissional da área, cuja enunciação de profissões e respectivas atribuições se revelam descompassadas, superpostas e superadas por outros enunciados, mormente quando se trata de radiodifusão digital ou via internet.

Essa etapa desafiadora e dinâmica determina cruciais readequações operacionais e tecnológicas dos veículos de comunicação social, mas, ao mesmo tempo, torna inadiável promover a modernização e readequação das funções e especializações técnicas próprias dos quadros profissionais e gestores das emissoras.



Em termos de definição e caracterização, as ocupações ligadas ao rádio e à televisão mostram-se hoje, na sua grande maioria, defasadas e inadequadas, impostas por uma legislação antiquada, da era pré-digital, de tal sorte que nomenclaturas e funções ainda descritas na regulação profissional traduzem-se mais como rótulo, sem correspondência com a atividade efetivamente desempenhada pelo prestador do serviço, ou ainda, dizem respeito a funções não exclusivas de rádio e TV, mas presentes em diferentes setores econômicos ou empresas, e que não exigem qualificação diferenciada.
Ora, claramente notável que a referida emenda tinha o objetivo de promover uma reestruturação na profissão de radialista, fato este que, irrefutavelmente, foge e muito do objeto da medida provisória editada. Isto porque, esta em nada disciplinava alterações acerca da descrição das funções desempenhadas pelos radialistas que levasse em consideração as ocupações e multifuncionalidades geradas pela digitalização das emissoras de radiodifusão.

Todavia, mesmo diante da ausência de pertinência da referida emenda e em total inobservância do§ 4º do art. 4º da Resolução nº 1/20024 do Congresso Nacional, a MP fora convertida na Lei nº 13.424/17, a qual trouxe em sua redação, especificamente no art. 7º, a alteração advinda da emenda parlamentar do Deputado Sandro Alex.

Permitindo-se um pequeno parêntese, convém ressaltar que a inserção da alteração do § 4º do art. 4º da Lei nº 6.615/78 já foi objeto de tentativa de alteração por meio de substitutivo (documento anexo) ao Projeto de Lei nº 1.337-A/2003, de autoria do Deputado Wladimir Costa.

Nesse sentido, interessante pontuar que o referido projeto de lei tem por finalidade a inclusão do parágrafo único no art. 7º da Lei nº 6.615/78, a fim de vedar a concessão de registro provisório para o exercício da profissão de radialista (documento anexo). Ao analisar a tramitação, observa-se que o mesmo encontra-se na Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público – CTASP, aguardando parecer do relator5.

Notável, portanto, que este último rito, de lei ordinária, é o mais adequado para se discutir o teor da proposta de regulamentação das funções, ocupações e multifuncionalidades da profissão de radialista, uma vez que permite o debate social e parlamentar de maneira ampla acerca das consequências que advirão da mudança.

Logo, a inclusão dessa questão no bojo de uma conversão de medida provisória, fere não apenas a própria lisura do processo legislativo ante a configuração do chamado “contrabando parlamentar ou legislativo”, mas também a extrapolação do próprio poder regulamentar, conforme será melhor analisado a seguir.



IV – DA INCONSTITUCIONALIDADE FORMAL – DA CONFIGU-RAÇÃO DO “CONTRABANDO PARLAMENTAR OU LEGISLATIVO

Ademais, resta observar o processo de acréscimo de emendas ao texto legislativo na conversão das MPs em Leis, de modo que, no caso concreto, como ocorreu com a Medida Provisória 747/2016 ao se permutar na Lei 13.424/17, fica evidente a possibilidade única e exclusiva da ocorrência de emendas que tragam consigo lastro relacionado ao conteúdo inicial disposto nas MPs.

O debate acerca do processo de conversão carrega em seu seio a complexidade do processo democrático, onde o conteúdo temático da emenda parlamentar em sede de conversão não deveria ser de substância distinta daquela apresentada na Medida Provisória, visto sua origem e legitimidade à luz do Estado Democrático de Direito, regido por regras especiais e excepcionalíssimas na edição de Medidas Provisórias e na mutação destas em normas legais em sentido estrito.

Portanto, é notória a ocorrência da figura do “Contrabando Legislativo” na etapa de conversão da Medida Provisória 747 na Lei 13424. Também definido como instrumento de suposta adequação da temática da MP quando são incorporadas emendas ao conteúdo inicial com temática distinta daquela objeto da Medida Provisória e, assim sendo, visivelmente escapa ao escopo fundante proposto.

Enaltece a observação elencada pelo Informativo Nº 803 do STF:

O Tribunal reputou que, quando uma medida provisória, ao ser convertida em lei, passa a tratar de diversos temas inicialmente não previstos, o seu papel de regulação da vida comum estaria enfraquecido do ponto de vista da legitimidade democrática. Com essa prática, se geraria insegurança. Um processo legislativo democrático, público e transparente deveria primar por uma uniformidade temática que o tornasse sempre mais acessível, pelos outros poderes e pelo povo. Esse entendimento não significaria fortalecimento do Executivo, tendo em vista a importante função de controle do Legislativo no que diz respeito aos pressupostos autorizadores de medida provisória. Ademais, também não implicaria, necessariamente, o reconhecimento da inconstitucionalidade de todas as leis de conversão promulgadas até o presente julgamento, inclusive a lei objeto desta ação. Isso se daria por duas razões: em primeiro lugar, seria a primeira oportunidade de a Corte enfrentar o tema, e compreensão diversa subtrairia a possibilidade de diálogo entre os diversos ramos do Estado sobre a matéria. Em segundo lugar, essa prática alusiva à conversão de medidas provisórias estaria arraigada, a resultar em diversas normas produzidas de acordo com o procedimento. Assim, a decisão da Corte não poderia provocar insegurança jurídica, de modo que estariam preservadas as leis fruto de conversão de medida provisória, no que diz respeito à inconstitucionalidade formal. O Ministro Roberto Barroso acrescentou que o entendimento pela inconstitucionalidade das emendas parlamentares sem pertinência temática com a medida provisória decorreria de nova interpretação da Constituição quanto a esse costume, à luz do fato de que a prática seria reiterada há muito tempo. O Ministro Teori Zavascki frisou a LC 95/1998, a tratar da técnica de formulação das leis, segundo a qual a necessidade de pertinência temática estaria prevista. O Ministro Gilmar Mendes enfatizou a necessidade de se sinalizar ao Congresso Nacional que essa prática, muito embora mantidos os atos praticados até o momento, não poderia se repetir doravante. Vencidos os Ministros Rosa Weber (relatora), Marco Aurélio e Ricardo Lewandowski (Presidente), que julgavam o pedido procedente; e o Ministro Dias Toffoli, que julgava o pleito improcedente em maior extensão, por considerar que não caberia ao STF avaliar a pertinência temática entre a medida provisória e a emenda, o que seria de competência do Congresso Nacional.6

Deste modo, nota-se a impertinência temática do art. 7°, que versa sobre a descrição, denominação e ocupação dos trabalhadores da área de radiodifusão, indevidamente introduzido, no processo legislativo de conversão em lei, na Medida Provisória, que tratava acerca do processo de renovação do prazo das concessões e permissões dos serviços de radiodifusão, atentando, deste modo, contra as prerrogativas democráticas.

Referida sedimentação jurisprudencial da Corte Magna consolidou-se no julgamento da Ação Direta de Constitucionalidade 5127/DF, relatoria original da Ministra Rosa Weber e redator do acórdão, de 15.10.2015, o Ministro Edson Fachin, por meio da qual a Confederação Nacional das Profissões Liberais (CNPL) questionava alterações na MP 472/2009, convertida na Lei 12.249/2010, que resultaram na extinção da profissão de técnico em contabilidade.

Nesta ocasião, o Guardião da Constituição decidiu cientificar o Congresso Nacional de que a prática é incompatível com a Constituição Federal.

Deve-se pontuar, com ênfase, que o uso de medidas provisórias se dá por motivos de urgência e relevância da matéria, cuja a análise cabe precipuamente ao chefe do Poder Executivo e que o entendimento predominante do STF é, em se tratando de matéria sob reserva de iniciativa do Executivo, de que há necessidade de pertinência temática entre a emenda parlamentar e o conteúdo da norma original.

O “contrabando legislativo” não é mera inobservância de forma, mas um procedimento antidemocrático, em que se subtrai do debate legislativo a discussão sobre normas que integrarão estavelmente o mundo jurídico.

Ao se optar por este “método” de introdução de emenda congressista impediu-se que os dispositivos questionados fossem analisados por comissões temáticas, fossem objeto de audiências públicas e que fosse debatido e refletido de forma mais aprofundada.

A própria Resolução 1/20027 do Congresso Nacional, em seu art. 4º, §4º, veda a apresentação de emendas sobre assuntos não pertinentes ao texto da MP.



In verbis:

§ 4º É vedada a apresentação de emendas que versem sobre matéria estranha àquela tratada na Medida Provisória, cabendo ao Presidente da Comissão o seu indeferimento liminar.


A matéria versada na emenda, no presente caso em tela, ainda que não sujeita à reserva de iniciativa do chefe do Poder Executivo, não foi considerada como de relevância e urgência a merecer o rito especial, previsto na resolução supramencionada, do processo de conversão de medida provisória em lei.

De modo que o colegiado do STF, na ADI 5127/DF, no que concerne à possibilidade de, em processo legislativo de conversão de medida provisória em lei, ser apresentada emenda parlamentar com conteúdo temático distinto daquele objeto da medida provisória, consignou que esta seria espécie normativa primária, de caráter excepcional, sujeita a condição resolutiva e de competência exclusiva do Presidente da República (CF, artigos 59, V; e 62, § 3º).



Como espécie normativa de competência exclusiva do Presidente da República e excepcional, não seria possível tratar de temas diversos daqueles fixados como relevantes e urgentes. Uma vez estabelecido o tema relevante e urgente, toda e qualquer emenda parlamentar em projeto de conversão de medida provisória em lei se limitaria e circunscreveria ao tema definido como urgente e relevante. Assim, e somente assim, seria possível emenda parlamentar ao projeto de conversão, desde que observada a devida pertinência lógico-temática.

O uso hipertrofiado da medida provisória, instrumento excepcional, deturparia o processo legislativo, gerando distorções ilegítimas. Nessa quadra, a prática das emendas parlamentares no processo de conversão de medida provisória em lei com conteúdo temático distinto apresentaria fortes incongruências democráticas.

O Legislativo, no procedimento de permuta, poderia aprovar emendas aditivas, modificativas ou supressivas. Por outro lado, o fato de a Constituição não ter expressamente disposto no art. 62 a impossibilidade de se transbordar a temática da medida provisória não significaria que o exercício da faculdade de emendar pelo Congresso fosse incondicionado.

Em virtude destes argumentos o caput do art. 5º e art. 6º, §§ 1º e 2º8 da Resolução 1/2002 do Congresso Nacional foram declarados incidentalmente inconstitucionais pelo STF, no julgamento da ADI 4029/DF, sob a relatoria do Ministro Luiz Fux, de 8 de março de 2012. Ipsis litteris:

EMENTA: AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE. LEI FEDERAL Nº 11.516/07. CRIAÇÃO DO INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. LEGITIMIDADE DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SERVIDORES DO IBAMA. ENTIDADE DE CLASSE DE ÂMBITO NACIONAL. VIOLAÇÃO DO ART. 62, CAPUT E § 9º, DA CONSTITUIÇÃO. NÃO EMISSÃO DE PARECER PELA COMISSÃO MISTA PARLAMENTAR. INCONSTITUCIONALIDADE DOS ARTIGOS 5º, CAPUT, E 6º, CAPUT E PARÁGRAFOS 1º E 2º, DA RESOLUÇÃO Nº 1 DE 2002 DO CONGRESSO NACIONAL. MODULAÇÃO DOS EFEITOS TEMPORAIS DA NULIDADE (ART. 27 DA LEI 9.868/99). AÇÃO DIRETA PARCIALMENTE PROCEDENTE. 1. A democracia participativa delineada pela Carta de 1988 se baseia na generalização e profusão das vias de participação dos cidadãos nos provimentos estatais, por isso que é de se conjurar uma exegese demasiadamente restritiva do conceito de “entidade de classe de âmbito nacional“ previsto no art. 103, IX, da CRFB.

2. A participação da sociedade civil organizada nos processos de controle abstrato de constitucionalidade deve ser estimulada, como consectário de uma sociedade aberta dos intérpretes da Constituição, na percepção doutrinária de Peter Häberle, mercê de o incremento do rol dos legitimados à fiscalização abstrata das leis indicar esse novel sentimento constitucional.

3. In casu, a entidade proponente da ação sub judice possuir ampla gama de associados, distribuídos por todo o território nacional, e que representam a integralidade da categoria interessada, qual seja, a dos servidores públicos federais dos órgãos de proteção ao meio ambiente.

4. As Comissões Mistas e a magnitude das funções das mesmas no processo de conversão de Medidas Provisórias decorrem da necessidade, imposta pela Constituição, de assegurar uma reflexão mais detida sobre o ato normativo primário emanado pelo Executivo, evitando que a apreciação pelo Plenário seja feita de maneira inopinada, percebendo-se, assim, que o parecer desse colegiado representa, em vez de formalidade desimportante, uma garantia de que o Legislativo fiscalize o exercício atípico da função legiferante pelo Executivo.

5. O art. 6º da Resolução nº 1 de 2002 do Congresso Nacional, que permite a emissão do parecer por meio de Relator nomeado pela Comissão Mista, diretamente ao Plenário da Câmara dos Deputados, é inconstitucional. A Doutrina do tema é assente no sentido de que “'O parecer prévio da Comissão assume condição de instrumento indispensável para regularizar o processo legislativo porque proporciona a discussão da matéria, uniformidade de votação e celeridade na apreciação das medidas provisórias'. Por essa importância, defende-se que qualquer ato para afastar ou frustrar os trabalhos da Comissão (ou mesmo para substituí-los pelo pronunciamento de apenas um parlamentar) padece de inconstitucionalidade. Nessa esteira, são questionáveis dispositivos da Resolução 01/2002-CN, na medida em que permitem a votação da medida provisória sem o parecer da Comissão Mista. (...) A possibilidade de atuação apenas do Relator gerou acomodação no Parlamento e ineficácia da Comissão Mista; tornou-se praxe a manifestação singular: 'No modelo atual, em que há várias Comissões Mistas (uma para cada medida provisória editada), a apreciação ocorre, na prática, diretamente nos Plenários das Casas do Congresso Nacional. Há mais: com o esvaziamento da Comissão Mista, instaura-se um verdadeiro 'império' do relator, que detém amplo domínio sobre o texto a ser votado em Plenário'. Cumpre lembrar que a apreciação pela Comissão é exigência constitucional. Nesses termos, sustenta-se serem inconstitucionais as medidas provisórias convertidas em lei que não foram examinadas pela Comissão Mista, sendo que o pronunciamento do relator não tem o condão de suprir o gama de associados, distribuídos por todo o território nacional, e que representam a integralidade da categoria interessada, qual seja, a dos servidores públicos federais dos órgãos de proteção ao meio ambiente.

6. A atuação do Judiciário no controle da existência dos requisitos constitucionais de edição de Medidas Provisórias em hipóteses excepcionais, ao contrário de denotar ingerência contramajoritária nos mecanismos políticos de diálogo dos outros Poderes, serve à manutenção da Democracia e do equilíbrio entre os três baluartes da República. Precedentes (ADI 1910 MC, Relator(a): Min. SEPÚLVEDA PERTENCE, Tribunal Pleno, julgado em 22/04/2004; ADI 1647, Relator(a): Min. CARLOS VELLOSO, Tribunal Pleno, julgado em 02/12/1998; ADI 2736/DF, rel. Min. CEZAR PELUSO, Tribunal Pleno, julgado em 8/9/2010; ADI 1753 MC, Relator Min. SEPÚLVEDA PERTENCE, Tribunal Pleno, julgado em 16/04/1998).

7. A segurança jurídica, cláusula pétrea constitucional, impõe ao Pretório Excelso valer-se do comando do art. 27 da Lei 9.868/99 para modular os efeitos de sua decisão, evitando que a sanatória de uma situação de inconstitucionalidade propicie o surgimento de panorama igualmente inconstitucional.

8. Deveras, a proteção do meio ambiente, direito fundamental de terceira geração previsto no art. 225 da Constituição, restaria desatendida caso pudessem ser questionados os atos administrativos praticados por uma autarquia em funcionamento desde 2007. Na mesma esteira, em homenagem ao art. 5º, caput, da Constituição, seria temerário admitir que todas as Leis que derivaram de conversão de Medida Provisória e não observaram o disposto no art. 62, § 9º, da Carta Magna, desde a edição da Emenda nº 32 de 2001, devem ser expurgadas com efeitos ex tunc.

9. A modulação de efeitos possui variadas modalidades, sendo adequada ao caso sub judice a denominada pure prospectivity, técnica de superação da jurisprudência em que “o novo entendimento se aplica exclusivamente para o futuro, e não àquela decisão que originou a superação da antiga tese” (BODART, Bruno Vinícius Da Rós. Embargos de declaração como meio processual adequado a suscitar a modulação dos efeitos temporais do controle de constitucionalidade. RePro, vol. 198, p. 389, ago/2011).

10. Não cabe ao Pretório Excelso discutir a implementação de políticas públicas, seja por não dispor do conhecimento necessário para especificar a engenharia administrativa necessária para o sucesso de um modelo de gestão ambiental, seja por não ser este o espaço idealizado pela Constituição para o debate em torno desse tipo de assunto. Inconstitucionalidade material inexistente.

11. Ação Direta julgada improcedente, declarando-se incidentalmente a inconstitucionalidade dos artigos 5º, caput, e 6º, caput e parágrafos 1º e 2º, da Resolução nº 1 de 2002 do Congresso Nacional, postergados os efeitos da decisão, nos termos do art. 27 da Lei 9.868/99, para preservar a validade e a eficácia de todas as Medidas Provisórias convertidas em Lei até a presente data, bem como daquelas atualmente em trâmite no Legislativo



Com essa prática se gerar-se-ia insegurança. Um processo legislativo democrático, público e transparente deve primar por uma uniformidade temática que o torne sempre mais acessível e condizente com os ditames do Estado Democrático de Direito.

Conforme já mencionado no item da análise do histórico legislativo, a Medida Provisória, no processo de conversão em lei, fora modificada por diversas emendas parlamentares, dentre elas, aquela que promoveu a adição de matéria diversa e adversa no âmbito da medida editada e que é objeto da presente impugnação (art. 7º da Lei nº 13.424/17).

Nesse sentido, ao interpretar as disposições constitucionais vigentes, o Congresso Nacional editou a Resolução nº 1 de 2002 que, em seu art. 4º, § 4º, proíbe a apresentação de emendas que versem sobre matéria estranha à tratada na medida provisória.

E, não poderia ser diferente, pois o debate acerca do processo de conversão carrega em seu seio a complexidade do processo democrático, onde o conteúdo temático da emenda parlamentar em sede de conversão não deveria ser de substância distinta daquela apresentada na Medida Provisória, tendo em vista a sua origem e legitimidade à luz do Estado Democrático de Direito.

Não por outra razão que o Supremo Tribunal Federal, no bojo da ADI nº 5127, decretou a inconstitucionalidade do chamado “contrabando legislativo”, tendo assim restado ementado:

DIREITO CONSTITUCIONAL. CONTROLE DE CONSTITU-CIONALIDADE. EMENDA PARLAMENTAR EM PROJETO DE CONVERSÃO DE MEDIDA PROVISÓRIA EM LEI. CONTEÚDO TEMÁTICO DISTINTO DAQUELE ORIGINÁRIO DA MEDIDA PROVISÓRIA. PRÁTICA EM DESACORDO COM O PRINCÍPIO DEMOCRÁTICO E COM O DEVIDO PROCESSO LEGAL (DEVIDO PROCESSO LEGISLATIVO). 1. Viola a Constituição da República, notadamente o princípio democrático e o devido processo legislativo (arts. 1º, caput, parágrafo único, 2º, caput, 5º, caput, e LIV, CRFB), a prática da inserção, mediante emenda parlamentar no processo legislativo de conversão de medida provisória em lei, de matérias de conteúdo temático estranho ao objeto originário da medida provisória. 2. Em atenção ao princípio da segurança jurídica (art. 1º e 5º, XXXVI, CRFB), mantém-se hígidas todas as leis de conversão fruto dessa prática promulgadas até a data do presente julgamento, inclusive aquela impugnada nesta ação. 3. Ação direta de inconstitucionalidade julgada improcedente por maioria de votos.



A C Ó R D Ã O

Vistos, relatados e discutidos estes autos, acordam os Ministros do Supremo Tribunal Federal, em Sessão Plenária, sob a Presidência do Ministro RICARDO LEWANDOWSKI, na conformidade da ata de julgamento e das notas taquigráficas, por maioria de votos, em julgar improcedente o pedido formulado na ação direta, com a cientificação do Poder Legislativo de que o Supremo Tribunal Federal firmou o entendimento, ex nunc, de que não é compatível com a Constituição da República a apresentação de emendas parlamentares sem relação de pertinência temática com medida provisória submetida à apreciação do Congresso Nacional, ressalvado o entendimento do Ministro Luís Roberto Barroso, que propôs o reconhecimento incidental da inconstitucionalidade do costume, bem como da constitucionalidade da Resolução do Congresso Nacional que regulamenta a matéria. Restaram vencidos os Ministros Rosa Weber (Relatora), Marco Aurélio, e Ricardo Lewandowski, que julgavam procedente o pedido, e, em maior extensão, o Ministro Dias Toffoli, que o julgava improcedente. (g.n.).

Brasília, 15 de outubro de 2015.
Notória a similitude entre o julgamento da ADI nº 5127 com a matéria em discussão na presente ação de controle de constitucionalidade, uma vez que, conforme demonstrado no tópico antecedente, houve a inserção do art. 7º na lei de conversão da MP nº 747/2016, dispositivo este que não possuía nenhuma pertinência temática com o objeto da citada MP.

Interessante, ainda, memorar o entendimento defendido pelos e. Ministros desta Corte quando do julgamento da ADI 5127. Vejamos.

A Ministra Relatora Rosa Weber proferiu seu voto nos seguintes termos:

A deflagração do procedimento para conversão de medida


provisória em lei é consequência do exercício, pelo Presidente da República, da sua competência privativa para editar medidas
provisórias, submetendo-as de imediato ao Congresso Nacional.

Como a jurisprudência desta Suprema Corte entende incompatível com o delineamento constitucional a incorporação de emenda parlamentar a projeto de lei apresentado pelo Chefe do Poder Executivo nos limites do seu poder de iniciativa quando ausente o vínculo de afinidade material, a mesma ratio conduz a que tampouco se admita emenda absolutamente inovatória em rito legislativo sujeito a garantias mais brandas do que as que norteiam o processo legislativo ordinário. (...)

A incorporação de emenda parlamentar sobre matéria estranha às versadas na medida provisória implica permitir se instaure o rito legislativo anômalo previsto excepcionalmente na Carta Política para a conversão de medida provisória em lei quanto a matéria não submetida ao Congresso Nacional na forma do art. 62, caput, da Constituição da República. Mais do que o poder de emenda, significa conferir ao parlamentar a titularidade de iniciativa para, esquivando-se do procedimento para aprovação das leis ordinárias, submeter propostas legislativas avulsas ao rito dos projetos de lei de conversão,
aproveitando-se da tramitação de medida provisória sobre outra
matéria
. (...)

Nessa ordem de ideias, entendo que não encontra amparo na


sistemática constitucional a admissão de emenda parlamentar sem pertinência temática com matéria versada na medida provisória submetida ao procedimento de conversão em lei
. Consoante assentado pelo eminente Ministro Celso de Mello ao julgamento da ADI 2681- MC/RJ, revela-se “implícita, no sistema constitucional brasileiro, a exigência de que as emendas parlamentares guardem relação de pertinência (afinidade lógica) com o objeto da proposição legislativa. Para o Ministro Ilmar Galvão, o requisito da pertinência da emenda à matéria versada no projeto “se acha implícito no próprio significado da ação de emendar” (ADI 574/DF).

Colho, ainda, a lição convergente da doutrina:

"A medida provisória pode ser emendada no Congresso,
não mais perdurando a proibição nesse sentido que havia no
regime do decreto-lei, na ordem constitucional pretérita. As
emendas apresentadas devem, porém, guardar pertinência
temática com o objeto da medida provisória
, sob pena de
indeferimento.” (MENDES, Gilmar Ferreira; BRANCO, Paulo
Gustavo Gonet. Curso de Direito Constitucional. 8a ed. rev. e
atual., São Paulo: Saraiva, 2013, p. 884-5, destaquei)

A lei de conversão particulariza-se e qualifica-se por: a) pressupor uma medida provisória a converter; b) possuir conteúdo delimitado e condicionado pela medida provisória; c) seguir processo legislativo específico; e d) dever ser aprovada dentro do prazo constitucional sob pena de decadência. Portanto, tendo âmbito temático próprio, bem assim processo legislativo específico, a lei de conversão da medida provisória é, insista-se, espécie normativa primária e autônoma”. (AMARAL JUNIOR, José Levi Mello do. Medida provisória e sua conversão em lei: a emenda constitucional nº 32 e o papel do Congresso Nacional. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2004, p. 284, destaquei)

(...)

O que tem sido chamado de contrabando legislativo, caracterizado pela introdução de matéria estranha a medida provisória submetida à conversão, não denota, a meu juízo, mera inobservância de formalidade, e sim procedimento marcadamente antidemocrático, na medida em que, intencionalmente ou não, subtrai do debate público e do ambiente deliberativo próprios ao rito ordinário dos trabalhos legislativos a discussão sobre as normas que irão regular a vida em sociedade.Com efeito,



“Nas democracias constitucionais contemporâneas apenas
as normas postas pelos representantes do povo construídas
por meio de um processo específico podem obrigar ou proibir uma ação ou omissão, como consta, p. ex. no art. 5º, II, da Constituição Federal
. Isso significa que a soberania popular deve ser exercida nos limites determinados pela ordem jurídica, cujas normas apenas são válidas se criadas nos marcos constitucionais do devido processo legislativo.

Nessa linha, doutrina e jurisprudência reconhecem que o devido processo legislativo é uma garantia, do parlamentar e do cidadão, inscrita na cláusula do substantive due process of law (art. 5º, LIV, da CF/88), envolvendo a correta e regular elaboração das leis.

Para além da tramitação formal, a dimensão substantiva da due process of law impõe que o processo legal seja justo e adequado, o que deve ser preservado já na fase de produção das leis.” MARRAFON, Marco Aurélio e ROBL FILHO, Ilton Norberto. “Controle de constitucionalidade no projeto de lei de conversão de medida provisória em face dos ‘contrabandos legislativos’: salvaguarda do Estado Democrático de Direito” In FELLET, André e NOVELINO, Marcelo (Orgs). Constitucionalismo e Democracia. Salvador: JusPodivm: 2013, p. 236-7, destaquei).

Não se trata em absoluto de apenas de aproveitar o rito mais célere para fazer avançar o processo legislativo, supostamente sem prejuízo. A hipótese evidencia violação do direito fundamental ao devido processo legislativo – o direito que têm todos os cidadãos de não sofrer interferência, na sua esfera privada de interesses, senão mediante normas jurídicas produzidas em conformidade com o procedimento constitucionalmente determinado.


Em resumo, a e. Relatora entendeu que a prática de inserção de emendas parlamentares dissonantes do objeto trabalhado na medida provisória constitui violação ao princípio democrático (art. 1º, caput, e parágrafo único, CF/88), bem como à Separação dos Poderes (art. 2º, caput) e ao devido processo legislativo (art. 5º, caput, e inciso LIV, CF/88).

Na mesma linha, tem-se o posicionamento do e. Ministro Ricardo Lewandowski:



Trata-se, segundo muitos entendem, e eu me filio a essa corrente, de um verdadeiro abuso legislativo, que distorce a função precípua da medida provisória, que, em sua essência, é nobre, abstraída as críticas que o Ministro Celso de Mello, com muita razão, teceu em seu voto.

Mas eu penso que há uma inconstitucionalidade escancarada nas medidas provisórias que incluam, por parte do Legislativo, em primeiro lugar, matéria privativa do Poder Executivo. E, em segundo lugar, matérias que não guardem pertinência temática com o projeto originalmente enviado ao Congresso Nacional. Em terceiro lugar, que não apresentem - como já foi dito, eu estou apenas repetindo o que já foi superiormente veiculado - relevância ou urgência.

O e. decano Ministro Celso de Mello assim se posicionou:



A extração constitucional do poder de emenda, de outro lado, não permite presumir a existência de vedações que não as decorrentes de cláusula constitucional explícita, como a que resulta da norma inscrita no art. 63, inciso I, da Constituição da República, ressalvado o entendimento, que esta Corte já proclamou (ADI 574/DF, Rel. Min. ILMAR GALVÃO, DJU de 08/06/93), de que se revela implícita, no sistema constitucional brasileiro, a exigência de que as emendas parlamentares guardem relação de pertinência (“afinidade lógica”) com o objeto da proposição legislativa.

Torna-se importante ressaltar que a observância da relação de pertinência material (ou de afinidade lógica) com o objeto veiculado na proposição legislativa qualifica-se como requisito legitimador das emendas parlamentares, sob pena de reconhecer-se ocorrente o vício da inconstitucionalidade formal, tal como tem sido reiteradamente assinalado pela jurisprudência constitucional desta Suprema Corte (ADI 546/DF, Rel. Min. MOREIRA ALVES – ADI 574/DF, Rel. Min. ILMAR GALVÃO – ADI 973-MC/AP, Rel. Min. CELSO DE MELLO – ADI 1.050-MC/SC, Rel. Min. CELSO DE MELLO – ADI 2.887/SP, Rel. Min. MARCO AURÉLIO, v.g.).

Tenho por irrecusável, por isso mesmo, que se revela patentemente inconstitucional a prática censurável de contrabando legislativo constatada naqueles casos em que a emenda parlamentar não guarde a necessária relação de pertinência material ou de congruência com o conteúdo de medida provisória submetida ao processo de conversão em lei, eis que também aplicáveis a esse procedimento especial de conversão legislativa as mesmas restrições constitucionais que conformam e condicionam o regular exercício do poder de oferecer emendas (ADI 4.433/SC, Rel. Min. ROSA WEBER).

A e. Ministra Cármen Lúcia também se manifestou pela inconstitucionalidade da prática ora combatida:

Entretanto, a parte que se refere especificamente à introdução de emendas não pertinentes, tenho que a interpretação haverá de ser rigorosamente no sentido de considerá-las contrárias ao Texto Constitucional, até porque, apenas para citar, por exemplo, Carlos Maximiliano: “o que é excepcional interpreta-se restritivamente”.

E também, em respeito ao princípio do devido processo legislativo, há que se respeitar a natureza de cada qual das espécies legislativas. Aqui haveria até uma contradição nos termos, porque a Constituição dispõe que a medida provisória será convertida, e, por isso, adotou-se a lei de conversão. Ora, não se converte o que não veio na medida provisória; converte-se aquela matéria tratada, como medida adotada, em lei. Por isso é que se chama lei de conversão.

Então, essa introdução de emendas com temas que nada tem a ver com o posto inicialmente na medida provisória esbarram não apenas na natureza, mas até mesmo na qualificação que emana do que estabelecido na Constituição. Converte-se o que existe. Essa matéria é inteiramente nova e realmente seria contrária, portanto, ao devido processo legislativo.
Alinhando-se a este voto, o e. Ministro Gilmar Mendes ponderou que embora não conseguisse julgar pela procedência do pedido posto na mencionada ADI, a partir da aplicação da técnica da “norma ainda constitucional”, dever-se-ia sinalizar ao Congresso Nacional que já não mais se aceita essa prática, a qual denominou de “propostas-ônibus”.

O e. Ministro Barroso, por sua vez, salientou as violações constitucionais oriundas dessa prática:

Há pelo menos três violações constitucionais. Admitir que um parlamentar apresente, a uma medida provisória encaminhada pelo Executivo, uma emenda que não tenha nenhuma pertinência temática viola a Constituição em três momentos. Em primeiro lugar, subtrai do Presidente da República a competência para fazer a avaliação da urgência e da relevância, que é uma competência dele, atribuída pela Constituição. Portanto, é uma usurpação de poder. Em segundo lugar - e também observou a Ministra Rosa Weber -, há uma clara violação ao devido processo legal, porque existe um modo normal e ordinário de produção legislativa. A medida provisória é a exceção, e a exceção para casos específicos. Quem apresenta uma emenda sem pertinência temática a uma medida provisória está burlando o devido processo legal, que tem uma tramitação diversa. E, em terceiro lugar – e também observado pela Ministra Rosa Weber -, há um problema de violação do princípio democrático, porque a medida provisória suprime uma parcela importante do debate público e do processo deliberativo que deve transcorrer no âmbito do Congresso Nacional.
Tal entendimento seguiu-se ao exposado no voto do e. Ministro Edson Fachin, redator do acórdão:

Tem-se que a Medida Provisória é espécie normativa primária (art. 59, V), de caráter excepcional (em casos de relevância e urgência – art. 62), sujeita à condição resolutiva (art. 62, §3º) e de competência exclusiva do Presidente da República (art. 62, todos da CRFB).

Se a Medida Provisória é espécie normativa de competência exclusiva do Presidente da República e excepcional, pois sujeita às exigências de relevância e urgência – critérios esses de juízo político prévio do Presidente da República –, não é possível tratar de temas diversos daqueles fixados como relevantes e urgentes. Uma vez estabelecido o tema relevante e urgente, toda e qualquer emenda parlamentar em projeto de conversão de Medida Provisória em lei se limita e circunscreve ao tema definido como urgente e relevante. Vale dizer, é evidente que é possível emenda parlamentar ao projeto de conversão, desde que se observe a devida pertinência lógico-temática. (...)

Como é sabido, o procedimento de conversão em lei da Medida


Provisória tem no processo legislativo de conversão o seu instrumento de realização. Neste, o poder Legislativo pode aprovar emendas à medida provisória, sejam elas aditivas, modificativas ou supressivas (CLÈVE, Clèmerson Merlin. Medidas Provisórias. 3ª Ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2010. p. 249 e p. 252).

Nesse quadrante, ao Poder Legislativo é cabível não apenas o


controle de edição da Medida Provisória, mas também a modificação de seu texto normativo.

Por outro lado, porém, o fato de a Constituição não ter expressamente disposto no art. 62 a impossibilidade de se transbordar a temática da Medida Provisória, não significa que o exercício da faculdade de emendar pelo Congresso Nacional seja incondicionado.

É o que se vê, por exemplo, ao se constatar que as demais limitações previstas ao poder de emenda (exemplificativamente as previstas nos arts. 61, §1°, 84, 63, I, II, 166, §§3° e 4°) também se aplicam àquelas apresentadas ao projeto de conversão de medida provisória.

Assim, a menção à ausência de vedação expressa no texto da Constituição sobre a possibilidade de emenda com conteúdo diverso daquele que originou a Medida Provisória não afasta qualquer processo de cotejo interpretativo que abranja parâmetros implícitos, decorrentes de sua interpretação sistemática e unitária.

Ou seja, não é apenas porque o texto constitucional não veda expressamente essa possibilidade que ela seja permitida, especialmente à luz do princípio democrático e do regular processo legislativo por ele desenhado (estampados, entre outros, nos arts. 1º, caput, parágrafo único, 2º, caput, 5º, caput, LIV, CRFB).
Ao concluir seu voto, o i. Min. Edson Fachin reconheceu a “inconstitucionalidade formal decorrente da impossibilidade de se incluir emenda em projeto de conversão de medida provisória em lei com tema diverso do objeto originário da Medida Provisória”.

Na mesma linha, foi o defendido pelo saudoso Ministro Teori Zavascki:

Senhor Presidente, eu concordo com os fundamentos da Ministra Rosa e dos demais Ministros que votaram a respeito da ilegitimidade dessa prática de emendas de contrabando, vamos chamar assim, no processamento das medidas provisórias. Os fundamentos de Sua Excelência estão muito bem delineados no belo voto que proferiu, o qual, nessa parte, acompanho integralmente. (...)

Eu diria que se trata de uma espécie de norma consuetudinária, até contra legem, porque a Lei Complementar nº 95, que trata da técnica de formulação das leis, já contém essa proibição no art. 7º, inciso II, segundo o qual "a lei não conterá matéria estranha a seu objeto ou a este não vinculada por afinidade, pertinência ou conexão". De certo modo, esse costume ou essa prática não é apenas inconstitucional, mas é uma prática contra legem. A verdade é que ela tem sido adotada e com frequência na atividade legislativa. (...)

Portanto, penso que uma solução dessa espécie, como colocou o Ministro Barroso, seja uma solução adequada. A minha proposta vai nesse caminho, ou seja: aqui estamos apreciando não apenas determinada lei, mas também a prática que ensejou sua aprovação. A solução talvez seja julgar inconstitucional essa prática com efeitos ex nunc, e, portanto, isso ressalvaria a higidez da norma. Em nome da segurança jurídica e dos elevados interesses sociais que a declaração de inconstitucionalidade ex tunc envolveria, salvar-se-iam todas as medidas provisórias com emendas sem pertinência temática. A declaração seria com eficácia ex nunc, ou seja, em relação às medidas provisórias ainda não definitivamente convertidas em lei até a data da publicação da ata do presente julgamento.
Por fim, colaciona-se trecho do voto do e. Min. Marco Aurélio:

Presidente, a situação concreta é escancarada. Inseriu-se, quando do procedimento alusivo à conversão da medida provisória em lei, matéria totalmente estranha àquela tratada, inicialmente, no ato do Executivo, ou seja, na medida provisória.



Para mim, numa visão desassombrada, a impropriedade constitucional salta aos olhos – e não vou evocar, referir-me às letras, parcialmente às letras do nome – CABM, a doutrina de Celso Antônio Bandeira de Mello. Não preciso evocar o que se contém em Direito Administrativo de Sua Excelência – já não sei mais a edição atual, porque foram muitas as edições, fenômeno a revelar o grau de acatamento – para alicerçar esse voto, porque minha conclusão decorre, como também a do emérito Professor Celso Antônio Bandeira de Mello, do texto da Lei Básica, da Lei das Leis da República, que é a Constituição Federal.
Conforme demonstrado, quando a matéria fora posta à analise da Suprema Corte, esta decidiu pela inconstitucionalidade do chamado “contrabando legislativo”, por entender que tal prática consistia em violação ao princípio democrático e ao devido processo legislativo.

Compete destacar, ainda, que o referido julgamento fora realizado em outubro de 2015, tendo a sua ata sido disponibilizada no mesmo mês e cientificada por fax aos interessados, dentre eles o Congresso Nacional, em novembro de 2015. A publicação do inteiro teor do acórdão foi em maio de 2016 e transitou em julgado em outubro de 2016.

Levando-se em consideração os efeitos ex nunc da declaração de inconstitucionalidade da inclusão de emendas parlamentares sem pertinência temática com a medida provisória submetida à apreciação para sua conversão em lei, evidencia-se o descumprimento dessa decisão ao se constatar que a lei de conversão da MP nº 747/16, objeto da presente demanda, foi realizada posteriormente àquela.

Ou seja, mesmo ciente de que a prática de inserção de emendas impertinentes no processo de conversão de medida provisória, o Congresso Nacional aprovou a emenda parlamentar do Deputado Sandro Alex que adicionou o art. 7º ao projeto de lei de conversão, com o objetivo de regular a profissão de radialista. Para que não restem dúvidas acerca da ausência de correlação temática arguida, observe-se o quadro abaixo:



MP 747/16

Emenda nº 3 – Dep. Sandro Alex

Objeto: Alterar a Lei nº 5.785/72 para dispor sobre o processo de renovação do prazo das concessões e permissões dos serviços de radiodifusão.

Objeto: Alterar o art. 4º da Lei nº 6.615/78, que versa sobre a profissão de radialista, com a finalidade de promover alteração na regulamentação dessa profissão.

É inquestionável a distinção entre a matéria veiculada em sede de Medida Provisória – a qual havia passado pelo crivo de relevância e urgência pela Presidência da República –, e a matéria inserida na lei de conversão, sem guardar nenhum nexo de pertinência lógico-temática.

Deste modo, irrefutável a impertinência temática do art. 7° da Lei nº 13.424/17, que versa sobre a descrição, denominação e ocupação dos trabalhadores radialistas, a configurar a sua indevida introdução no processo legislativo de conversão em lei da MP nº 747/16, que tratava acerca do processo de renovação do prazo das concessões e permissões dos serviços de radiodifusão, atentando, deste modo, contra as prerrogativas democráticas, em especial ao devido processo legislativo.

O “contrabando legislativo”, frise-se, não é mera inobservância de forma, mas um procedimento antidemocrático, em que se subtrai do debate legislativo a discussão sobre normas que integrarão estavelmente o mundo jurídico.

Isto porque, ao se optar por este “método” de introdução de emenda congressista, impediu-se que os dispositivos questionados fossem analisados por comissões temáticas, que fossem objeto de audiências públicas e que fosse debatido e refletido de forma mais aprofundada.

Nesse ponto, inclusive, há de se ressaltar que a alteração promovida às pressas por meio de inserção indevida no projeto de conversão da MP está sendo discutida no âmbito do Projeto de Lei nº 1.337/2003, o qual segue sua tramitação na Câmara dos Deputados, atualmente na Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público – CTASP.

Ou seja, a manobra legislativa implementada, com a introdução da emenda em tela, na mutação da medida excepcional e provisória em lei, reveste-se, em realidade, na adoção de um verdadeiro atalho inconstitucional para possibilitar a entrada permanente no mundo jurídico de um dispositivo objeto de projeto de lei datado de 2003, que ainda encontra-se em procedimento de tramitação nas comissões competentes do Congresso Nacional.

Visível, assim, que a proposta de alteração da regulamentação da profissão de radialista está sendo analisada, debatida e aprofundada em seus impactos perante o rito de lei ordinária no Congresso Nacional, de modo que a inserção precipitada e impertinente à MP nº 747/16 demonstra o aviltamento do princípio democrático e do devido processo legislativo.

Ademais, embora a matéria versada na emenda, no caso em tela, ainda que não sujeita à reserva de iniciativa do chefe do Poder Executivo, não foi considerada como de relevância e urgência a merecer o rito especial, previsto na resolução supramencionada, do processo de conversão de medida provisória em lei.

Afinal, consoante visto na oportunidade de julgamento da ADI 5127, esta Suprema Corte consignou que a medida provisória é espécie normativa primária, de caráter excepcional, sujeita a condição resolutiva e de competência exclusiva do Presidente da República (artigos 59, V; e 62, § 3º, ambos da CF/88). E, justamente por tal razão, não seria possível tratar de temas diversos daqueles fixados como relevantes e urgentes, sob pena de configurar verdadeira usurpação de poder.

Se a Casa Legislativa entendesse pela urgência e relevância, o que lhe é facultada, há a possibilidade de acelerar sua tramitação, por meios próprios e legais, para adentrar definitivamente na esfera normativa brasileira.

Nas palavras do e. Ministro Edson Fachin, “o uso hipertrofiado de instrumento excepcional – Medida Provisória –, ordinarizando-o, deturpa diuturnamente o processo legislativo desenhado pela Constituição Federal, gerando distorções ilegítimas na arena democrática”. Continua ao asseverar que “a prática das emendas parlamentares no processo de conversão de medida provisória em lei com conteúdos temáticos distintos dos nela versados apresenta fortes incongruências democráticas”.

Logo, em que pese a possibilidade de o Poder Legislativo promover emendas aditivas, modificativas ou supressivas dentro do processo de conversão de medidas provisórias (art. 62, §12, CF/88), não se deve concluir que tal poder é incondicionado, em razão da leitura e da interpretação sistêmica da própria Carta Constitucional.

A viabilidade do controle do Poder Judiciário, inclusive, fora exaltada quando do julgamento da ADI 4029, a qual restou assim ementado:

AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE. LEI FEDERAL Nº 11.516/07. CRIAÇÃO DO INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. LEGITIMIDADE DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SERVIDORES DO IBAMA. ENTIDADE DE CLASSE DE ÂMBITO NACIONAL. VIOLAÇÃO DO ART. 62, CAPUT E § 9º, DA CONSTITUIÇÃO. NÃO EMISSÃO DE PARECER PELA COMISSÃO MISTA PARLAMENTAR. INCONSTITUCIONALIDADE DOS ARTIGOS 5º, CAPUT, E 6º, CAPUT E PARÁGRAFOS 1º E 2º, DA RESOLUÇÃO Nº 1 DE 2002 DO CONGRESSO NACIONAL. MODULAÇÃO DOS EFEITOS TEMPORAIS DA NULIDADE (ART. 27 DA LEI 9.868/99). AÇÃO DIRETA PARCIALMENTE PROCEDENTE. (...) 6. A atuação do Judiciário no controle da existência dos requisitos constitucionais de edição de Medidas Provisórias em hipóteses excepcionais, ao contrário de denotar ingerência contramajoritária nos mecanismos políticos de diálogo dos outros Poderes, serve à manutenção da Democracia e do equilíbrio entre os três baluartes da República. Precedentes (ADI 1910 MC, Relator(a): Min. SEPÚLVEDA PERTENCE, Tribunal Pleno, julgado em 22/04/2004; ADI 1647, Relator(a): Min. CARLOS VELLOSO, Tribunal Pleno, julgado em 02/12/1998; ADI 2736/DF, rel. Min. CEZAR PELUSO, Tribunal Pleno, julgado em 8/9/2010; ADI 1753 MC, Relator Min. SEPÚLVEDA PERTENCE, Tribunal Pleno, julgado em 16/04/1998).


E, justamente em defesa de um processo legislativo democrático, público, transparente, que esta Suprema Corte reafirmou o seu posicionamento quando do julgamento da ADI 5012, em 16 de março de 2017, ao reiterar a inconstitucionalidade da inserção de emendas parlamentares sem pertinência temática com o objeto da medida provisória posta à apreciação do Congresso Nacional para a sua conversão em lei.

Em que pese a ação proposta pela Procuradoria-Geral da República ter sido julgada improcedente, há de se ressaltar que tal resultado apenas se deu em razão do princípio da colegialidade, pois ao julgar a ADI 5127 definiu-se efeitos ex nunc para a inconstitucionalidade ali declarada, a partir da data do julgamento, que se deu em outubro de 2015. Assim, como os dispositivos impugnados na ADI 5012 tinham sido convertidos em lei no ano de 2010, impôs-se a sua manutenção, em atenção ao princípio da segurança jurídica e legislativa.

Do contrário todas as leis resultantes de processos de conversão de Medidas Provisórias e que foram emendadas com temas impertinentes ao objeto urgente e relevante deveriam ser declaradas inconstitucionais, o que não seria aconselhável, tendo em vista as inúmeras e incontáveis relações jurídicas disciplinadas por elas.

Todavia, como exaustivamente demonstrado, a norma objeto de impugnação fora inserida e convertida em lei posteriormente ao julgamento da ADI 5127, razão pela qual a declaração de inconstitucionalidade do art. 7º da Lei nº 13.424/17 é medida que se impõe.



IV – DA INCONSTITUCIONALIDADE MATERIAL

Este tipo de inconstitucionalidade, também chamada de substancial ou doutrinária, abrange vício referente ao conteúdo. O vício diz respeito à matéria, ao conteúdo, ao objeto da lei ou do ato normativo.

O conteúdo de uma norma não poderá afrontar os princípios constitucionais e se a matéria contida no ato normativo, no caso em tela o art. 7º da Lei 13.424/17, violar direitos e garantias constitucionais, a inconstitucionalidade material estará presente e não pode a substância ora viciada prevalecer em razão da Constituição Federal.

A partir destas iniciais considerações parece ser interessante prosseguir para detalhar os efeitos desta nova redação do art. 4º, §4º, da Lei 6.615/78, aos trabalhadores atuais e futuros.

É de se ressaltar que nenhuma norma deve ser interpretada de forma isolada do seu arcabouço jurídico, em especial o constitucional. Considerando a mudança da norma, sua evolução deve, sim, ser o primeiro passo para a verificação da nova diretriz.

Ocorre que a interpretação necessita sempre, também, do seu viés sistémico, sob risco de choque direto ou indireto com disposições constitucionais.

Assim é que a nova redação do §4º do art. 4º da Lei 6.615/78 deve ser interpretada em conjunto com o próprio artigo 4º e seus parágrafos – e demais comandos da lei – e com a Lei 13.424/17, que o alterou. Observando o §4º, tem-se sua evolução:

A versão anterior:

§ 4º - As denominações e descrições das funções em que se desdobram as atividades e os setores mencionados nos parágrafos anteriores constarão do regulamento.



A versão atual:

§ 4o  As denominações e descrições das funções em que se desdobram as atividades e os setores mencionados nos §§ 1o, 2o e 3o, a serem previstas e atualizadas em regulamento, deverão considerar:    (Redação dada pela Lei nº 13.424, de 2017) (g.n.).


Da análise da alteração, tem-se que o núcleo do artigo ainda permanece em sua nova redação: a menção às formas e atividades delimitadas nos parágrafos anteriores e a necessidade de serem constantes no regulamento.

A regra da previsão permanece, assim como os elementos delineados nos tópicos anteriores. As novas diretrizes do parágrafo são: (i) a atualização e (ii) a observância dos elementos, constantes nos seus incisos I e II.

Daí verifica-se que os conceitos previstos nos parágrafos anteriores não haverão de ser os únicos previsíveis nos regulamentos. A previsão regulamentar pode ser, segundo a nova redação, atualizada para conter novas formas.

Parte-se, então, para a fração sistemática da interpretação. Considerando-se, primeiramente, a permanência do rol dos demais parágrafos, conjugado com os núcleos atualização e observância dos incisos I e II do §4º, tem-se que novas atividades e setores podem vir a surgir. O primeiro questionamento a se suscitar desta atualização é a sua amplitude, do que se verifica o que segue.

A expressa menção deste artigo à necessidade de atualização evoca a conclusão de que o rol constante nos parágrafos do art. 4º necessita ser expressamente alterado para garantir o preceito da atualização.

O que tal menção indica, portanto, é que o rol é de observância obrigatória, vez que a atualização das atividades e setores lá constantes se fará sempre de forma expressa e na própria lei, uma vez que o regulamento não tem o condão de prever formas contra legem, incompatíveis com o rol legal.

Ocorre que o §4º, em sua parte final, também expressa a possibilidade de atualização dos regulamentos. Quanto a isso, conjugando sistematicamente a diretriz com a permanência do rol e o preceito do art. 10 da Lei 13.424/17, tem-se que os regulamentos necessitarão ser alterados sempre que a lei sofrer atualização em seu rol.

E é por esse modo que a interpretação do §4º se entrelaça inevitavelmente com a totalidade do art. 4º, do qual faz parte, para garantir que os regulamentos sempre devem observar o rol constante em seus parágrafos, o qual pode sofrer novas alterações legislativas para garantir a atualização.

Partindo-se para os incisos I e II do §4º, originados da alteração legislativa, tem-se:

I - as ocupações e multifuncionalidades geradas pela digitalização das emissoras de radiodifusão, novas tecnologias, equipamentos e meios de informação e comunicação; (Incluído pela Lei nº 13.424, de 2017)

II - exclusivamente as funções técnicas ou especializadas, próprias das atividades de empresas de radiodifusão.     (Incluído pela Lei nº 13.424, de 2017)
Dos incisos a serem observados, extrai-se que a alteração tem o claro intuito de fazer valer, especificamente para os radialistas, o conceito de multifuncionalidade. Considerando que a atualização é iniciada por lei, é de se concluir que a multifuncionalidade deve ser observada sempre que esta tratar de atualizar o rol de atividades e setores.

No entanto, apesar de desconhecido a existência de ato regulamentador de tal dispositivo legal e que tenha sido editado posteriormente a publicação e a entrada em vigor da Lei 13.424/17, há que se ponderar uma extrapolação das funções dos atos normativos expedidos pelo Poder Executivo, o que poderia ensejar, mesmo que indiretamente, a inconstitucionalidade, no viés material, da referida norma.

Auferir a “regulamento” a competência para “atualizar” as ocupações e multifuncionalidades geradas pela digitalização das emissoras de radiodifusão, novas tecnologias, equipamentos e meios de informação e comunicação, de funções técnicas ou especializadas, pode, num primeiro momento, significar um transbordamento da tarefa precípua dos decretos e regulamentos expedidos pelo chefe do Poder Executivo.

É que a Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 estabelece, em seu art. 84, inciso IV, que compete privativamente ao Presidente da República, sancionar, promulgar e fazer publicar as leis, bem como expedir decretos e regulamentos para sua fiel execução (art. 84, IV da CRFB/88).

Daí se extrai que o poder regulamentar é o poder dos Chefes do Poder Executivo de explicar, de detalhar a lei para sua correta execução, ou de expedir decretos autônomos sobre matéria de sua competência ainda não disciplinada por lei.

É um poder inerente e privativo do Chefe do Poder Executivo, portanto indelegável9. Ele apenas possui competência para regulamentar as leis já existentes por meio de decretos ou regulamentos. Ele não pode, entretanto, invadir os espaços das leis em sentido estrito.

Esta sim é um autêntico ato normativo, enquanto o decreto decorre de um ato normativo (a lei), mas não se confunde com ela, até porque é hierarquicamente inferior a ela.

Ou seja, regulamento é um ato administrativo geral e normativo, expedido privativamente pelo Chefe do Executivo, por meio de decreto, visando explicar o modo e a forma de execução da lei (regulamento de execução) ou prover situações não disciplinadas em lei (regulamento autônomo ou independente).

Neste sentido o poder regulamentar é um poder de caráter derivado ou secundário, pois decorre da existência da Lei. O poder regulamentar não é poder legislativo, por conseguinte não pode criar normatividade que inove a ordem jurídica. Seus limites naturais situam-se no âmbito da competência executiva e administrativa, onde se insere. Ultrapassar esses limites importa em abuso de poder, usurpação de competências, tornando írrito o regulamento dele proveniente, e sujeito a sustação pelo Congresso Nacional (art. 49, V da CRFB/88)

Art. 49. É da competência exclusiva do Congresso Nacional:

V - sustar os atos normativos do Poder Executivo que exorbitem do poder regulamentar ou dos limites de delegação legislativa;

Percebe-se, portanto, que ainda que o Poder Executivo tenha recebido poderes para regulamentar a norma, não pode esse poder jamais ser exercido além do seu poder regulamentar, ou mesmo em confronto com a lei.

Decorre disso que, segundo a interpretação sistemática e harmônica da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, a lei não tem autoridade suficiente para atribuir a um regulamento poder que extrapole o que está previsto na própria Carta Magna.

O exercício do poder regulamentar do Executivo se situa dentro da principiologia constitucional da separação de Poderes (CF, arts. 2º; 60, §4º, III), pois, salvo em situações de urgência e relevância (medidas provisórias), o Presidente da República não pode estabelecer normas gerais criadoras de direitos ou obrigações, por ser função do Poder Legislativo. Assim, o regulamento não poderá alterar disposição legal, tampouco criar obrigações diversas das previstas em lei.

É o que ensina a mais apurada doutrina e a jurisprudência dos Tribunais Superiores. Vejamos.

Nas palavras do Ministro Carlos Velloso:

Os regulamentos, na precisa definição de Oswaldo Aranha Bandeira de Mello, ‘são regras jurídicas gerais, abstratas, impessoais, em desenvolvimento da lei, referentes à organização e ação do Estado, enquanto poder público’. Editados pelo Poder Executivo, visam tornar efetivo o cumprimento da lei, propiciando facilidades para que a lei seja fielmente executada. (...) Por isso, as leis não devem descer a detalhes, mas, conforme acima ficou expresso, conter, apenas, regras gerais. Os regulamentos, estes sim, é que serão detalhistas. Bem, por isso, leciona Esmein, ‘são eles prescrições práticas que têm por fim preparar a execução das leis, completando-as em seus detalhes, sem lhes alterar, todavia, nem o texto, nem o espírito.’ (VELOSO, Carlos Mário da Silva. Temas de Direito Público. Belo Horizonte: Del Rey, 1994, p. 421)

A seguir o entendimento do Superior Tribunal de Justiça:

ADMINISTRATIVO. RECURSO ORDINÁRIO EM MANDADO DE SEGURANÇA. FUNCIONAMENTO DE INSTITUIÇÃO DE ENSINO. REGULARIDADE FISCAL. EXIGÊNCIA. ILEGALIDADE NO CASO CONCRETO. PRECEDENTES DO STJ. PROVIMENTO DO RECURSO ORDINÁRIO. 1. Na hipótese examinada, a ora recorrente impetrou mandado de segurança contra ato do Secretário de Estado de Educação do Estado de Mato Grosso do Sul que indeferiu a solicitação de autorização de funcionamento de instituição no ensino fundamental, em face da não comprovação da regularidade fiscal (FGTS e INSS). 2. A Corte a quo asseverou que a Constituição Federal atribuiu ao Estado (arts. 24, IX, e 209, II, da Constituição Federal) o poder de autorizar o funcionamento e de proceder à fiscalização dos estabelecimentos de ensino, bem como concluiu pela regularidade da atribuição de competência ao Conselho Estadual de Educação para a expedição de normas atinentes à autorização de funcionamento das instituições de ensino de nível estadual. Assim, afirmou a legalidade da exigência de regularidade fiscal para a autorização de funcionamento de instituição de ensino prevista na Deliberação nº 6.363/2001 do Conselho Estadual de Educação, ainda que não prevista na Lei Estadual 1.460/93, que regula o referido órgão. 3. A exigência de apresentação de "Certidão de regularidade relativa à seguridade Social e ao FGTS", como requisito de autorização de funcionamento de atividade educacional, extrapola os limites do poder regulamentar, porquanto não prevista em lei, bem como configura meio coercitivo e arbitrário para pagamento de débitos fiscais. Assim, é manifesta a ilegalidade da exigência de comprovação de regularidade fiscal e previdenciária da instituição de ensino, para o recebimento e processamento de pedido de autorização de funcionamento de unidade educacional, pois o Fisco detém meios legais de cobrança de tributos não recolhidos. 4. Nesse sentido, os seguintes precedentes deste Tribunal Superior: REsp 1.008.488/DF, Rel. Min. Mauro Campbell Marques, DJe de 19.8.2009; REsp 1.116.469/DF, Rel. Min. Herman Benjamin, DJe de 5.8.2009 REsp 1.069.595/DF, 2ª Turma, Rel. Min. Humberto Martins, DJe de 27.5.2009; REsp 662.972/RS, 1ª Turma, Rel. Min. Teori Albino Zavascki, DJ de 5.10.2006; REsp 651.207/RS, 1ª Turma, Rel. Min. Luiz Fux, DJ de 30.5.2005. 5. Provimento do recurso ordinário

Vejamos o entendimento do Tribunal Regional Federal da 1ª Região:



ADMINISTRATIVO. MANDADO DE SEGURANÇA. TRANSPORTE INTERESTADUAL DE PASSAGEIROS. UTILIZAÇÃO IRREGULAR. APREENSÃO DO VEÍCULO. LIBERAÇÃO CONDICIONADA AO PAGAMENTO DE MULTA E OUTRAS DESPESAS. PENALIDADE NÃO PREVISTA EM LEI. PROIBIÇÃO. LEGITIMIDADE PASSIVA AD CAUSA. 1. Ressai incabível a tese de ilegitimidade passiva "ad causam" da autoridade apontada como coatora, se esta, ao prestar suas informações, ataca o mérito da causa, como no caso. 2. "O Colendo Superior Tribunal de Justiça, quando do julgamento do REsp nº 1.144.810/MG, submetido à sistemática dos recursos repetitivos, firmou orientação no sentido de que 'a liberação do veículo retido por transporte irregular de passageiros, com base no art. 231, VIII, do Código de Trânsito Brasileiro, não está condicionada ao pagamento de multas e despesas'." Precedente: (AMS 0001736-06.2011.4.01.4300/TO; APELAÇÃO EM MANDADO DE SEGURANÇA Relator DESEMBARGADOR FEDERAL JIRAIR ARAM MEGUERIAN Órgão SEXTA TURMA Publicação 24/06/2013 e-DJF1 P. 154 Data Decisão 08/03/2013). 3. "Na espécie dos autos, afigura-se passível de correção, pela via do mandado de segurança, o ato da autoridade coatora que condiciona a liberação do veículo automotor, de propriedade da impetrante, ao pagamento de multa e outras despesas, uma vez que extrapola os limites do poder regulamentar do órgão recorrente, a imposição de penalidade não prevista em lei, devendo ser liberado o veículo, tão-logo seja cessada a atividade irregular. Precedentes desta Corte Regional e do Superior Tribunal de Justiça.". Precedente (REOMS 0046584-53.2011.4.01.3500/GO; REMESSA EX OFFICIO EM MANDADO DE SEGURANÇA Relator DESEMBARGADOR FEDERAL SOUZA PRUDENTE Convocado JUIZ FEDERAL CARLOS EDUARDO CASTRO MARTINS (CONV.) Órgão QUINTA TURMA Publicação o 14/09/2012 e-DJF1 P. 397 Data Decisão 05/09/2012) 4. Remessa oficial a que se nega provimento.
Em relação ao poder regulamentar da Presidência da República, a Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, em seu art. 84, inciso IV10, prevê que lhe compete, privativamente, expedir decretos e regulamentos para fiel execução da lei, e não para inovar em relação a ela.

É esse o entendimento do Supremo Tribunal Federal, consubstanciado no Pleno, ADI nº 1435-8/DF – medida liminar – Rel. Ministro Francisco Rezek, Diário da Justiça, Seção I, 6 de agosto de 1999, pág. 5: “Decretos existem para assegurar a fiel execução das leis”.

Neste diapasão, um olhar mais aprofundado e dedicado às alterações promovidas pelo art. 7º da Lei 13.424/17 ao §4º do art. 4º da Lei 6.615/78, podem implicar numa verdadeira extrapolação do poder regulamentar ao atribuir a regulamento ou decreto o poder de prever e atualizar as denominações e descrições das funções em que se desdobram as atividades e os setores da profissão de radialista, levando-se em consideração as ocupações e multifuncionalidades geradas pela digitalização.

Repita-se, a norma impugnada ao atribuir estas tarefas a um decreto ou regulamento, na realidade, promove a concessão de um exercício exorbitante e inconstitucional a estes atos normativos infra legais.



V – DO PLEITO LIMINAR

Em consonância com os arts. 10 e ss. da Lei 9868/99 há que se conferir decisão liminar ao presente pleito, pois, nitidamente, verificáveis seus requisitos.

Cristalina a presença do fumus boni iuris em decorrência de decisão transitada em julgado do Supremo Tribunal Federal nos autos da ADI 5127. Nela há recomendação expressa, com efeitos ex nunc (após maio de 2016), de não se permitir mais aos congressistas emendar projetos de conversão de MP em Lei com temas distintos e impertinentes com o objeto editado através de Medida Provisória. A probabilidade do direito evidencia-se também em virtude dos demais fundamentos jurídicos acima explanados e delineados.

O periculum in mora motiva-se no perigo de dano ou mesmo de risco ao resultado útil do processo, tendo em vista que o Presidente da República, em conformidade com a competência conferida pelo novo §4º do art. 4º da Lei 6.615/78, introduzido através de emenda parlamentar na conversão da MP 747/16 na Lei 13.424/17 (art. 7º), já esboçou proposta de Decreto (em anexo) para atualizar o rol de funções da profissão de radialista.

Além do mais, o próprio artigo 10º da Lei 13.424 estabelece que a lei entra em vigor na data de sua publicação (29/03/2017), procedendo-se à primeira atualização de trata o §4º do art. 4º da Lei nº 6.615, de 16 de dezembro de 1978, no prazo de até 90 dias subsequentes.

Se tal ato regulamentar se concretizar, o que está para acontecer, graves danos poderão ocasionar aos profissionais radialistas além de prejuízos ao resulto útil do processo se está situação jurídica se consolidar.



VI - DOS PEDIDOS

Ante todo o exposto, requer:



  1. A concessão da medida cautelar, nos termos do art. 10, §3º ou, subsidiariamente, do caput do art. 10 da Lei 9.868/99.

  2. Se restar improvido o item “a”, a notificação do Exmo. Sr. Presidente da República e do Presidente do Congresso Nacional para que prestem as devidas informações sobre essa ação, nos termos da Lei nº 9.868/99 e do Regimento Interno do Supremo Tribunal Federal;

  3. A citação do Exmo. Sr. Advogado-Geral da União e a intimação do Exmo. Sr. Procurador-Geral da República para se manifestarem, sucessivamente, com base na Lei nº 9.868/99 e no art. 103, § 1º da Constituição Federal, respectivamente;

  4. Que seja a presente ação julgada procedente para declarar a INCONSTITUCIONALIDADE FORMAL do art. 7º da Lei nº 13.424/17, por afronta ao art. 1º, caput e parágrafo único, art. 2º, caput, e ao art. 5º, caput e inciso LIV, todos da CF/88, devendo-se reafirmar o posicionamento desta Suprema Corte quando do julgamento da ADI 5127, uma vez que o dispositivo impugnado é oriundo de emenda parlamentar sem pertinência temática com o objeto da Medida Provisória nº 747/16 submetida à conversão em lei ao Congresso Nacional em momento posterior ao julgamento da citada ADI 5127;

  5. De igual sorte, que seja declarada a INCONSTITUCIONALIDADE MATERIAL do art. 7º da Lei nº 13.424/17, por afronta aos art. 84, inciso IV, art. 49, inciso V, art. 2º, caput, e art. 60, § 4º, inciso III, todos da CF/88, em decorrência da extrapolação do poder regulamentar.

Dá-se à causa o valor de R$ 1.000,00 (mil reais) para fins procedimentais.

Termos em que,

Pede deferimento.

Brasília/DF, 24 de agosto de 2017.




CEZAR BRITTO

OAB/DF 32.147






RODRIGO CAMARGO

OAB/DF 34.718



PAULO FREIRE

OAB/DF 50.755





1 Art. 223. Compete ao Poder Executivo outorgar e renovar concessão, permissão e autorização para o serviço de radiodifusão sonora e de sons e imagens, observado o princípio da complementaridade dos sistemas privado, público e estatal.



  1   2


©livred.info 2019
enviar mensagem

    Página principal