Escolas Judaicas



Baixar 112,42 Kb.
Encontro15.12.2018
Tamanho112,42 Kb.



FORMAÇÃO DE IDENTIDADE EM ESCOLA DE EXCELÊNCIA: O CASO DE UMA ESCOLA JUDAICA
Diana Mandelert – PUC/Rio

O presente trabalho foi desenvolvido no âmbito da minha dissertação de mestrado que focalizou as relações família e escola em uma instituição judaica. O trabalho foi construído a partir de um survey aplicado em 9 escolas de prestígio1 da cidade do Rio de Janeiro. O universo desta investigação foi constituído por duas escolas confessionais, duas bilíngües, duas “alternativas”, duas escolas públicas federais e uma escola judaica. O survey é composto de três questionários – alunos, pais e professores – e foi aplicado nas turmas de 8ªs séries.

A perspectiva deste texto é apresentar um panorama das escolas judaicas e a importância destas para a reprodução da comunidade judaica. A escola em tela cria um ambiente de imersão na cultura judaica, possibilitando a exposição dos alunos a um contexto cultural específico a partir do qual se construiria sua identidade e a de seu grupo social.
I - Contextualização das escolas Judaicas:

Até a modernidade2, o povo judeu tinha uma vida comunitária separada dos cristãos, vivendo de acordo com suas próprias instituições jurídicas. Eles eram os eternos estrangeiros, mesmo morando por várias gerações no mesmo lugar, seus hábitos destacavam-se como diferentes. Simmel (1983) analisa a questão do estrangeiro e usa como exemplo, a situação dos judeus e o imposto cobrado na Idade Média em Frankfurt denominado Beede: os cristãos eram tributados conforme sua fortuna variava; no caso dos judeus, a tributação era fixa, cada judeu deveria pagar um valor pré-determinado independente de sua situação, “esta fixação repousava no fato de que o judeu tinha sua posição social como judeu e não como indivíduo possuidor de conteúdos objetivos” (Simmel, 1983, p.187).

Com a conquista do direito à cidadania, inicialmente por conta da Revolução Francesa, os judeus deixaram de viver em estamentos para (compor como indivíduos) as novas classes sociais que surgem com o sistema capitalista (Grinberg, 1997, p.288). Desta forma, em troca da igualdade de direitos, tiveram de abdicar de suas instituições jurídicas e de sua vida comunitária singular. Esta integração fez com que houvesse uma ruptura dos “mecanismos de reprodução e socialização ‘natural’ (…) colocando assim como uma questão permanentemente em aberto a continuidade voluntária da vida judaica e do significado da identidade judaica” (Sorj, 2001, p.151). A partir daí, as barreiras institucionais que até então filtravam e limitavam a influência do meio externo sobre a identidade judaica foram desaparecendo gradativamente.

No bojo dessas transformações, ao final do século XVIII início do século XIX, houve o que se denominou de Haskalá ou Emancipação ou ainda Iluminismo Judeu, movimento que se desenvolveu na Alemanha e posteriormente influenciou outras regiões. Este movimento intelectual dos judeus da Europa central e oriental teve como escopo “reformar” o judaísmo, para pensar o judaísmo na sua dimensão religiosa e “questionar o grau de aproximação que poderia existir entre as culturas judaicas e não judaicas” (Epelboin, 1997, p.112). Para isso os cultos foram reduzidos e neles diminuiu a utilização do hebraico em prol de idiomas nativos, as mulheres foram equiparadas na esfera religiosa, os modos de vestir especificamente ‘judaicos’ ficaram restritos às rezas e, no cotidiano, foram também modificadas as leis dietéticas judaicas.(Rosenberg, 1992, p.19).

Para Grinberg (1997), uma vez que a transmissão de valores tornou-se bem mais problemática pela abertura e integração dos judeus nas sociedades, não é por acaso que surgem nesta época as escolas judaicas. Estas cumpriam a programação escolar normal do país de adoção, complementada por temas especificamente judaicos como o ensino da Torá3, sendo um exemplo desta nova configuração da educação judaica a Jew’s Free School, fundada em 1817 em Londres (Grinberg, 1997, p. 271).

Aqui no Brasil também podemos perceber a importância da constituição dessas instituições pela fundação da primeira escola judaica no Rio de Janeiro em 1922, logo no início do primeiro grande fluxo migratório judaico que aconteceu nos anos 204. A escola se chamava Maguen David (escudo de David), transformado posteriormente em Ginásio Maguen David e, finalmente no Colégio Hebreu Brasileiro, na Tijuca (Veltman, 1998).

Cabe ressaltar que a constituição da vida comunitária dos judeus no Rio de Janeiro foi o resultado das diversas convicções políticas dos judeus imigrantes do leste europeu. Assim, formou-se “um universo comunitário dinâmico e plural, onde se recriava mimeticamente o espectro político das comunidades judaicas do Leste Europeu” (Grin, 1997, p.108). Podemos desta forma, compreender a disseminação de escolas judaicas como a escola Scholem Aleichem fundada pela esquerda judaica, e posteriormente a criação, por uma dissidência dessa escola, do Eliezer Steinberg em 1954, mantida pelo Instituto Israelita Brasileiro de Cultura e Educação, o IIBCE. Atualmente existem no Rio de Janeiro cinco escolas judaicas: TTH Bar – Ilan, Cheder Beit Menachem, A. Liessen, Eliezer Steinbarg - Max Nordau e o ORT. É preciso salientar, contudo, que embora partilhem diversas características, elas não seguem todas as mesmas orientações.

Essas orientações dividem a grosso modo o conjunto em dois tipos de escolas: as de orientação religiosa e as de orientação laica5. A primeira está fundamentada na fé, “em um conjunto de axiomas e postulados, isto é, princípios, por sua natureza intrínseca, dogmáticos.”( Guinsburg, 1997, p.260) Nestas o ideal siônico de retorno à terra de Israel determinado pela lei tradicional judaica tem por vezes “…características místicas e/ou religiosas, buscando o retorno à Terra Prometida e esperando a vinda do Messias e a Salvação” (Ibid, p.260).

A segunda de enfoque laico tem suas origens no período da Haskalá e pode ser subdividida em dois grandes subgrupos:

Um francamente culturalista, e outro, ideologicamente sionista6. É verdade também que, com o advento do Estado de Israel, a tendência culturalista se aproximou da postura sionista em geral. E, numa visão redutora, encontram-se hoje duas colocações básicas sionistas: a primeira, marcadamente política, visando a aliá7, e a outra, menos ideologizada e mais culturalista.”(Ibid, p. 261).


Esta distinção é muito importante, pois nenhuma escola culturalista aceita ser denominada de religiosa. As escolas judaicas seculares estão baseadas na possibilidade de ser judeu e não ter religião. Para entendermos a possibilidade de uma escola judaica ser secular e não confessional acredito que a explicação de Sorj ajude a clarear a questão:

Como é possível ser agnóstico ou ateu e judeu ao mesmo tempo? Esta pergunta, que ouço repetidamente, supõe que o judaísmo se reduz a uma religião. Explico então que o judaísmo inclui uma tradição religiosa com uma diversidade de correntes, mas que a partir do início dos tempos modernos ele se diversificou, criando versões seculares ou mesmo militantemente atéias que o transformaram em algo que certos autores designaram como uma tradição cultural nacional e, outros, como uma civilização”. (2001, p. 33).


II - A escola:

A escola definida como objeto da pesquisa é judaica na vertente culturalista. A coordenadora do ensino judaico da instituição estudada assim definiu o que seria uma escola culturalista:

é uma escola humanista, uma escola que do judaísmo se direciona para a cultura judaica. Olhando a cultura como um grande todo que contém setores e departamentos. Então toda cultura contém o que? Uma língua que é a expressão máxima de uma cultura, tem um idioma que no nosso caso é o Hebraico. Tem uma literatura, tem um vínculo com alguma terra; nosso vínculo aqui é duplo, o nosso vínculo é um vínculo de fato, um vínculo real de cidadania brasileira e um vínculo espiritual, um vínculo ancestral com a terra de Israel. Uma cultura tem um folclore, que é a sabedoria popular, isso nós também visamos. Tem também uma visão filosófica de mundo que inclui uma visão de cosmos e que inclui uma religião. Então a gente tem essa visão ampla de judaísmo, essa escola é uma escola liberal. Digamos, eu vou usar dois termos tradicional liberal, liberal tradicional”.
Estas escolas permitem uma integração da cultura judaica com a cultura circundante. Esta vinculação a duas culturas possibilita aos alunos sentirem-se judeus sem se sentirem estrangeiros.

A escola estudada situa-se no Rio de Janeiro, é fruto da fusão de duas escolas e por isso está dividida em três sedes diferentes distribuídas pela zona sul da cidade. No ano de 2004 foi a festa de meio século de fundação da escola. Possui em torno de 1000 alunos e atende da Educação Infantil até o Ensino Médio. Como todas as instituições judaicas (sinagogas, clubes, locais de assistência etc.) fora de Israel, é uma escola comunitária, formada por ativistas e por profissionais.

Os ativistas são pais de crianças da escola que compõem o denominado Diretório de pais, órgão máximo da instituição. A cada dois anos é formada uma chapa presidida por um pai da escola que concorre ao cargo de presidente. A chapa é votada por toda a comunidade de pais. Até hoje sempre houve apenas uma chapa e normalmente ocorre a reeleição do presidente. Esta diretoria tem como função designar e apoiar os profissionais que administram a escola e cuidar para que sejam mantidos os valores e objetivos da comunidade de pais, de acordo com o espírito dos fundadores. Os diretores, todos voluntários, ajudam nos diversos segmentos da escola, tais como finanças, transporte, segurança, eventos, concessão de bolsas, marketing, assuntos pedagógicos e interação com outros órgãos da comunidade (informação do site da escola).

No organograma da escola, abaixo do diretório de pais encontra-se o corpo de profissionais (coordenadores, professores, funcionários etc), supervisionado pela direção geral, responsável tanto pela parte pedagógica quanto pela parte administrativa. Apesar de estar sob a responsabilidade da direção geral, existe uma intensa ligação entre o diretório de pais e a gerência administrativa, já que esta última é responsável pelo levantamento de fundos, a preservação do patrimônio e as questões administrativas em geral.


III – Formação de Identidade

Segundo Bourdieu (1979), citando Durkheim, todo grupo tem a tendência de constituir maneiras específicas para perpetuar-se para além da finitude dos seus agentes individuais. São as denominadas estratégias de reprodução que se destinam a manter o grupo de uma geração para outra, se possível, melhorando sua posição no espaço social. As estratégias de reprodução formam um sistema, cada uma delas devendo contar com os resultados obtidos pela estratégia que a antecedeu a cada momento, ou podem ter um alcance temporal mais curto (Bourdieu apud Singly, 1993, p. 26)8. Podemos ver esse sistema no site da Escola Israelita Brasileira Salomão Guelmann9 na parte referente à história da instituição, segundo o qual qualquer comunidade de imigrantes procura, no país de adoção, manter pelo menos algumas de suas características culturais. Criam assim nos países de adoção as instituições básicas: sinagoga, centros culturais, cemitério e escolas necessárias à transmissão e prática daquele patrimônio cultural e religioso.

Este objetivo de perpetuação é particularmente claro para a comunidade judaica, como assinala Shimon Peres10: “No futuro, a questão não será se judeu é aquele que tem mãe ou pai judeu. Judeu será aquele que tiver filhos judeus”. Buber também reafirma esta questão ao afirmar que “O passado de seu povo é sua memória pessoal, o futuro de seu povo é a missão pessoal que lhe foi imposta.” (ibid, p.30)

Podemos pensar que as escolas judaicas têm, dentre outras, duas funções extremamente importantes: a transmissão de valores judaicos para a formação de uma identidade e um “ponto de encontro” para os judeus espalhados pelas cidades. Para Bourdieu “a cultura escolar propicia aos indivíduos um corpo comum de categorias de pensamento que tornam possível a comunicação” (2004, p.205) e continua: “tendo sido moldados segundo o mesmo ‘modelo’ (pattern), os espíritos assim moldados (patterned) encontram-se predispostos a manter com seus pares uma relação de cumplicidade e comunicação imediatas” (idem, p.206). Estas características da cultura escolar ajustam-se perfeitamente à necessidade da existência / fundação da escola judaica para a manutenção da identidade judaica.

Além disso, segundo Bourdieu, a companhia constante e prolongada de condiscípulos dotados de disposições semelhantes reforça, em cada um, as disposições e os valores partilhados e, desta forma a confiança específica em próprio valor. Ao proporcionarem à comunidade judaica um espaço com identidade cultural específica para a formação das novas gerações, estes estabelecimentos que atraem esses grupos procuram formar uma elite escolar, socialmente reconhecida. Através dessa distinção, publicamente instituída, os alunos se nutrem do sentimento de pertencer a um grupo excepcional e são estimulados a desenvolver práticas marcadas pelo sentimento de diferença - ou superioridade11 - que tendem a reforçar tais diferenças. Podemos citar aqui a participação de situações de lazer e convívio de caráter extra-escolar como: grupos de jovens, dança folclórica, colônia de férias etc. Laços de fraternidade, intensos e duráveis, se instauram entre os colegas adolescentes, de forma tão “natural” como os sentimentos familiares no interior do grupo doméstico e desenvolve-se assim o esprit de corps tão comum aos egressos das “grandes escolas” analisadas por Bourdieu no contexto francês.

A segregação agregadora que a instituição escolar opera é, sem dúvida, o mais poderoso operador da estruturação social dos afetos, e as amizades ou os amores entre os condiscípulos são uma das formas as mais seguras e melhores dissimuladas da constituição dessa espécie particularmente preciosa de capital social que são as relações da escola, princípio durável de solidariedades e de trocas de todas as ordens entre membros da mesma classe de idade escolarmente instituída sob o nome de “promoção” (Bourdieu, 1989, p. 257)

A convivência e as amizades que vão se consolidando nos anos de escola selam a adesão a valores comuns e, muito especialmente, ao valor do grupo enquanto corpo integrado e disposto a todas as trocas que reforcem a integração e a solidariedade entre os pares.

Tratando-se de uma minoria cultural, a convivência escolar é ainda mais fundamental no sistema de reprodução, pois como a própria coordenadora de ensino judaico da escola explicitou, assinalando a força socializadora dos meios de comunicação e, muito especialmente, da televisão: “A Xuxa não fala de judaísmo”. A escola, portanto, se coloca como um instrumento de transmissão de identidade, ultrapassando sua simples condição de espaço de reunião de judeus. Mais uma vez é a coordenadora de ensino judaico que esclarece a diferença entre uma escola judaica e uma escola para judeus:

a escola para judeus é uma escola de concentração de judeus, mas que não tem dentro dos seus objetivos a transmissão de uma tradição, a vivência de uma cultura, a possível criação ou continuidade dessa cultura, dentro dessa identidade, dessa visão de mundo. Então a escola judaica, é para judeus, e tem uma finalidade de reforço, ênfase da identidade com um componente cognitivo além do afetivo (…) o nosso currículo é construído de maneira que como você não tem judaísmo na rua, na televisão, na rádio, no cinema, no computador, não tem. (…)O que acontece é que quando a criança sai daqui com 16, 17 anos ela tem a identidade reforçada…”


No Brasil, a questão da identidade judaica passa a ser ainda mais problemática, pois de acordo com Sorj (2001) a cultura judaica não encontrou aqui as condições para fortalecer seu desenvolvimento. A identidade judaica tinha se firmado como resposta ao anti-semitismo e como um ‘esforço auto-reflexivo’. O brasileiro é por temperamento tolerante com todas as crenças e experiências místicas, enquanto que nas tradições judaicas de monoteísmo rígido há uma diferenciação extrema entre o mundo judeu e o não-judeu. A mitologia judaica se sustenta na valorização do passado, do sofrimento coletivo e “na ‘curtição’ da ansiedade e angústia existencial” (Sorj, 2001, p.152), o que gera uma insatisfação com o presente. A cultura brasileira, ao contrário da cultura judaica, é marcada pelo “deixa pra lá”, não teme o futuro e valoriza o momento presente. Segundo o autor, a cultura judaica tem uma atitude de ‘voluntarismo pessimista’, enquanto que a cultura brasileira é otimista de esperança. Assim, para Sorj: “se a convivência das mitologias judaica e brasileira não deixa de ser altamente terapêutica para os judeus, a elaboração de uma síntese implica num verdadeiro desafio”. Lewin (1997, p.11) explicita a situação quando diz que a transmissão da tradição judaica pelas famílias, na nova realidade social, torna-se “mais abstrata e vaga, algo que tem que ser aprendido na escola”. Isto porque, diante da pressão de inclusão exercida pela sociedade nas famílias:

a tradição passa a ter uma existência mais simbólica e longínqua, onde a nostalgia do passado preenche o vácuo do presente e sua riqueza cultural anterior transmuta-se em repetições e lembranças sem criação e elaborações próprias” (op. cit, p.11)




IV – Razões de escolha de uma escola judaica

Como já assinalamos, as instituições investigadas no survey estão em posições de distinção no campo escolar por terem uma imagem de qualidade de ensino e por estarem sempre entre as melhores do Rio de Janeiro de acordo com a imprensa carioca. Para Bourdieu, campos são espaços sociais relativamente autônomos nos quais determinado tipo de bem é produzido, consumido e classificado. Em um campo, os agentes (instituições, grupos, classes sociais) lutam pela apropriação do capital classificado e hierarquizado como superior aos demais. Os agentes no campo distribuem-se em posições que vão das dominantes às subordinadas. As escolas fazem parte do campo educacional e nele lutam por posições cada vez mais favoráveis no imaginário social. É preciso salientar que as posições no campo não são estáveis, pois os campos sociais estão em permanente luta derivada pelos investimentos dos agentes pelas melhores posições nas classificações; mas quem está no ‘alto’ passa a ser a referência, o padrão, a imagem a ser perseguida pelo resto do grupo. Partindo desse pressuposto, a tabela 1 dos resultados do survey nas escolas em anexo indica as razões que influenciaram a escolha das escolas. Iniciarei esta análise pelo conjunto dos diferentes tipos de escolas que compuseram o survey para, posteriormente, apontar as diferenças entre a escola judaica e as demais.

Para todas as escolas deste survey, dentre as razões mais importantes para a escolha da escola12 estão a boa formação cultural e o método de ensino. Estas respostas mostram famílias que tem como objetivo desenvolver o capital cultural de seus filhos. As famílias sabem que ao colocarem seus filhos em instituições consideradas como de excelência acadêmica, garantirão um bom padrão de formação escolar e cultural reforçando o capital cultural familiar e incorporando os saberes definidos como mais importantes no campo educacional.

A escolarização realizada em instituições de prestígio tem ainda a capacidade de transformar este capital cultural em capital simbólico, já que sua imagem de excelência acadêmica no Rio de Janeiro faz com que seus diplomas agreguem um “selo de qualidade” que as distingue e a seus alunos no mercado educacional. Ao estudar em uma escola de prestígio o aluno recebe uma marca de distinção que destaca o seu valor no espaço social.

Outro traço em comum das razões de escolha das escolas é a parceria na educação dos filhos, assinalado em torno de 70% pelas famílias de todas as escolas. Acredito que a percepção de parceria da escola com a família seja o resultado da representação da escola como uma instituição complementar ao trabalho de educação familiar. A escola será capaz de continuar o trabalho de transmissão de capital cultural feito em casa. Capital cultural é entendido aqui, não apenas no aspecto cognitivo, mas na própria possibilidade de construção de um habitus consueto à sua posição social, que reforça os gostos, estilos e percepções que os distinguem no espaço social.
V- A construção do capital social de base escolar

Entre estas razões, as que distinguem a escola judaica são as relações sociais, a orientação religiosa e o que podemos chamar de tradição familiar: os pais já terem estudado na escola. O fato da escola poder propiciar relações sociais é um dos critérios de escolha para famílias que Ball, Gewirtz & Bowe definiram como os “privileg/skilled choosers” (apud Nogueira,1998, p. 45); isto é, pais para quem “a composição social da clientela de um estabelecimento representa um elemento decisivo na escola”, entre outros. Esta composição é ainda mais importante quando se trata de membros da comunidade judaica, pois para muitos, a escola se transforma em locus privilegiado para a transmissão sobre a cultura, religião e tradições judaicas. A comunidade judaica cada vez mais integrada na sociedade mais ampla perde parte de sua capacidade de transmitir aos filhos uma formação judaica, um ambiente exclusivamente judaico (Hemsi, 1997, p.90). Em uma pesquisa feita pela escola13, o item “ter um bom ambiente social” também foi o terceiro aspecto mais considerado na escolha da escola, com 41% das respostas14. Finalmente, as razões que concentraram maior número de respostas na escola judaica foram qualidade de ensino com 83,6% e a orientação religiosa com 78,8%.

Santos (1996), em pesquisa feita em uma instituição católica de prestígio, sobre escolarização das elites, afirma que as estratégias de manutenção ou ascensão social através da escola se orientam em vários sentidos. O primeiro sentido estaria no objetivo de: “desenvolver o capital cultural propriamente dito, bem como adquirir esse tipo de capital transmudado em capital simbólico”. Como já vimos, este sentido já foi visto na opção escolhida “boa formação cultural” (Ibid, p. 19).

O segundo sentido seria: “desenvolver ou adquirir capital social de forma a assegurar uma estratégia de apoio para a posterior inserção no mercado de trabalho”(Ibid, p.19). Este aspecto explica a importância das relações sociais na perspectiva do conceito de capital social desenvolvido por Bourdieu. O autor distingue capital social, do capital econômico e do capital cultural, definindo-o como a rede de relações pessoais duráveis que podem trazer benefícios para o indivíduo funcionando como um capitalizador social de recursos em vários campos e situações. Nesse sentido, as relações sociais, além do benefício emocional que possam oferecer, possibilitam a aquisição de benefícios materiais ou simbólicos. Os benefícios materiais podem ser exemplificados pelas possibilidades abertas pelas redes de relação para indicações de emprego, possibilidades de empreendimentos lucrativos e, no caso específico dos alunos, a ampliação e o acesso a práticas sociais e culturais diferenciadas, como viagens, circulação por ambientes variados e prestigiosos etc. O benefício simbólico é decorrente da possibilidade da participação de círculos sociais que ocupam posições dominantes. A amizade desenvolvida na infância de maneira ‘fortuita’, sem interesses, com pessoas cujos pais estão no alto das hierarquias sociais (econômica, política, cultural etc), possibilita no futuro servir como recurso (capital social) para a entrada e permanência no mercado de trabalho.

Para os judeus a construção da rede social é fundamental. Eles sabem que a comunidade da qual fazem parte não é um dado natural, isto é, não basta ser judeu para ter um grupo social, é preciso criar, desenvolver e manter os vínculos sociais dentro da comunidade judaica. É claro que ser judeu pode ser como um “cartão de visitas”, mas é necessário produzir e reproduzir as relações, enquanto relações duráveis, para que estas continuem a render lucros simbólicos e materiais. Isto porque, a constituição de uma rede social não acontece por uma simples “definição genealógica das relações de parentesco” (Bourdieu, 1998, p.68). No caso, ser filho de mãe judia define na religião quem é judeu, mas não compõe uma rede de relações. Para que ela exista é necessário uma proximidade quer seja no espaço físico, social, simbólico ou econômico.

A formação desta rede social ficou patente nas entrevistas, nas observações das reuniões de diretório, no survey e na pesquisa quantitativa realizada pela escola. Os depoimentos abaixo, confirmam esta interpretação:

é uma comunidade que permite que a gente venha a saber o que eles estão fazendo quando saem daqui. Eu sei o que turmas de 18 anos atrás são hoje.” (coordenador do ensino médio)

Porque esses meninos se encontram muito, o tempo inteiro, toda hora. É dentro da escola, é na Hebraica ou no CIB, é na sinagoga, são os condomínios em Teresópolis e os pais também!”(coordenadora do ensino fundamental)


Esta proximidade é referendada pela resposta dos pais ao survey: 93% dos pais conhecem os colegas da escola de seu filho e 56% conhecem os pais dos colegas da escola do filho. Em comparação com as outras escolas, a escola judaica, junto com as bilíngües, é a que apresenta as maiores porcentagens nas duas questões como se pode ver na tabela 2 em anexo.

Outro momento em que podemos constatar a importância da construção desta rede social é na composição das turmas, muitos pais querem decidir com quem seus filhos vão desenvolver uma relação mais próxima. Segundo a coordenadora, todas as vezes que ela quis mexer nas turmas “foi problemático”: os alunos fizeram pressão e os pais consideraram que seria prejudicial para seus filhos. Para exemplificar a questão, a coordenadora relatou que, em uma tentativa de satisfazer em parte os alunos, foi pedido que cada aluno fizesse seis escolhas, das seis seria garantida no mínimo um dos amigos. Ainda assim, para um dos alunos:

No dia seguinte o pai estava aqui: ‘ele não pode ficar nesta turma porque meu filho não fez as escolhas certas’. O que acontece: eram pais, ele se dava bem com pais dos outros grupos. Nós pudemos bater pé firme: ‘não vai mudar’. É difícil, às vezes a gente consegue, às vezes a gente tem que abrir mão.”(coordenadora do ensino médio)
Se a leitura da coordenadora é correta, vemos mais uma vez a importância desta rede de relações. Os pais para garantirem a proximidade tentam influenciar até na composição das turmas. As próprias mães nas entrevistas exploratórias relataram que foram à escola para trocar o filho de turma. Das quatro mães entrevistadas, três fizeram relatos deste tipo, o motivo seria sempre que a composição do grupo estava sendo prejudicial para a aprendizagem dos filhos. A coordenadora também salientou, em conversa informal, a extrema preocupação das famílias com a vida social de seus filhos, externando o receio do filho ser de alguma forma excluído do grupo. Segundo ela, a coordenadora do ensino judaico mantêm uma agenda onde ficam escritas as datas das festas de bar mitzva15 dos meninos para não haver o risco de coincidirem as datas dos colegas e os convidados ficarem divididos.

Finalmente o terceiro sentido apontado por Santos é “garantir a homogamia de classe, ou seja, a manutenção da homogeneidade da origem social dentro das famílias por meio do matrimônio e da reprodução”. (Ibid, p.19). Este depoimento focaliza um fator fundamental para a comunidade judaica: a homogamia. Se para ser judeu é necessário ser filho de mãe judia, o casamento inter-religioso é muitas vezes um problema. Ele produz filhos que são vulgarmente chamados de ‘caju’, termo derivado das sílabas iniciais de ‘católicos’ e ‘judeus’. Filhos de judeus com pessoas de qualquer outra religião. Filhos que não se enquadram no esquema rígido de homogamia dos judeus. Por isso, apesar de ser uma escola da vertente culturalista, pertencer à religião judaica é fundamental. É importante que os filhos tenham contato com outros judeus para possibilitar casamentos futuros.

Nas escolas confessionais pesquisadas (ambas católicas no caso) no entanto, a situação é diferente e a religião16 foi a 6ª razão mais escolhida pelos pais. Podemos inferir daí, talvez, que a religião tem um peso diferente para os católicos: pertencendo a maioria da população brasileira, eles não precisam estar tão atentos a este quesito quando escolhem uma escola. Além disso, no Rio de Janeiro as escolas católicas ocupam uma posição de destaque no campo educacional, podendo os agentes selecionar uma entre um leque de escolas católicas, ou até mesmo optar por uma escola laica apesar da orientação católica da família.

Cabe salientar, por fim, que os nossos achados de pesquisa estão de acordo com o estudo de Zadoff (1989) sobre a educação judaica em países latino-americanos. As famílias judaicas dos outros países da América Latina também evidenciaram desejar uma escola de excelência acadêmica com um ambiente judaico. A excelência acadêmica é fundamental nas escolas judaicas seculares, isto porque, quando não é oferecida, são preteridas por outras escolas não judaicas, com níveis melhores de desempenho no conjunto do sistema escolar. Estas famílias, portanto, estão mais preocupadas em preservar seu próprio socio-ethnic class status (sic), isto é, sua posição social como judeus, do que em preservar os valores tradicionais do judaísmo. Zadoff continua dizendo que o ambiente judaico proporcionado pelas escolas permite a continuidade da existência da comunidade além de prevenir casamentos inter-religiosos.

A escola judaica, portanto, favorece a construção de um habitus consueto com a comunidade judaica. A segregação operada pela escola faz com que o grupo reforce sua identidade, além de favorecer a construção paulatina de uma auto-imagem positiva de si e de seu grupo sociocultural, corroborada pela distinção acadêmica socialmente reconhecida que lhe é garantida na sua escolarização.

Bibliografia:

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. Introdução, organização e seleção Sergio Miceli. 5ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2004.

BOURDIEU, Pierre. Escritos de educação. / Maria Alice Nogueira; Afrânio Catani (orgs) – Petrópolis, RJ: Vozes, 1998.

BOURDIEU, Pierre. La Distinction, Paris: Minuit. 1979.

EPELBOIN, Solange. Identidade Judaica: formação, manutenção e possível modificação. Psicologia IP/UFRJ, 1997, Mestrado.

GRIN, Mônica. “Diáspora Minimalista: A crise do judaísmo moderno no contexto brasileiro”. In: Identidades judaicas no Brasil contemporâneo. Bila Sorg (org.). Rio de Janeiro: Imago, 1997.

GRINBERG, Keila. “A formação da identidade étnica na escola judaica: um estudo de caso” In: Judaísmo, memória e identidade. Org. Lewin, Helena. Colaboração: Diane Kuperman. Rio de Janeiro: UERJ, 1997.

GUINSBURG, Gita K. “As perspectivas de uma educação judaica para uma sociedade em transformação” In: Judaísmo, memória e identidade. Org. Lewin, Helena. Colaboração: Diane Kuperman. Rio de Janeiro: UERJ, 1997.

HEMSI, Sylvana. Identidade Judaica: um modelo paulistano liberal. Dissertação de Mestrado – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. USP, São Paulo, 1997.

LEVIN, Jack. Estatística aplicada a ciências humanas. 2ª edição. São Paulo: Harbra, 1987.

LEWIN, Helena. O olhar do jovem sobre sua identidade judaica. In: Judaísmo, memória e identidade. Org. Lewin, Helena. Colaboração: Diane Kuperman. Rio de Janeiro: UERJ, 1997.

NOGUEIRA, Maria Alice. A escolha do estabelecimento de ensino pelas famílias: a ação discreta da riqueza cultural. Revista Brasileira de Educação Jan/Fev/Mar/Abr 1998 nº 7 p. 42-56

ROSENBERG, Roy. Guia conciso do judaísmo: história, prática, fé. Tradução Maria Clara De Biase W. Fernandes. Rio de Janeiro: Imago, 1992.

SANTOS, Maria Paula de Souza Côrrea dos. Escola Católica e Formação de elites: um projeto conservador? PUC-Rio – Educação. Rio de Janeiro, 1996. Dissertação de mestrado

SINGLY, François de. Sociologie de la famille contemporaine. Paris: Nathan, 1993. Coleção 128 Sociologie.

SORJ, Bernardo e BONDER, Nilton. Judaísmo para o séc. XXI: o rabino e o sociólogo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001

VELTMAN, Henrique. A História dos Judeus no Rio de Janeiro. São Paulo: Expressão e Cultura, 1998.

ZADOFF, Efraim. Jewish Education in Other Latin American Countries H.S. Himmelfarb & S. Della Pergola (eds.), Jewish Education Worldwide, Cross-Cultural Perspectives, University Press of America, 1989, pp. 229-251.


Tabela 1 – Razões que influenciaram a escolha desta escola

Razões que influenciaram a escolha desta escola

Bilíngües

Confessionais

Alternativas

Públicas

Judaica

Estudou na escola


8%

5%

3%

12%

30%

Métodos de ensino


70%

83%

100%

87%

78%

Fica perto de casa


8%

17%

48%

48%

30%

É uma escola de prestígio


31%

58%

51%

93%

70%

Oferece boa formação cultural


92%

84%

95%

95%

93%

Pelas relações sociais


20%

34%

58%

54%

89%

Boa aprovação no vestibular


18%

62%

27%

87%

63%

Garante o aprendizado de outra língua


88%

25%

14%

43%

48%

Parceria na educação do filho(a)


76%

74%

88%

68%

78%

Recomendação de amigos


42%

28%

56%

40%

41%

Orientação religiosa


4%

62%

0%

3%

82%


Tabela 2 - Capital social escolar - Você conhece os colegas da escola de seu filho(a)?



















Bilíngües

Confessionais

Alternativas

Públicas

Judaica

Total

Você conhece os colegas da escola de seu filho

Sim

Freq.

65

103

22

65

25

280




%

89,0%

67,8%

50,0%

69,1%

92,6%

71,8%

Pouco

Freq.

8

45

22

28

1

104




%

11,0%

29,6%

50,0%

29,8%

3,7%

26,7%

Não

Freq.

0

4

0

1

1

6







%

,0%

2,6%

,0%

1,1%

3,7%

1,5%

Total

Freq.

73

152

44

94

27

390




%

100,0%

100,0%

100,0%

100,0%

100,0%

100,0%

Tabela 3 - Capital social escolar - Você conhece os pais dos colegas da escola de seu filho(a)?



















Bilíngües

Confessionais

Alternativas

Públicas

Judaica

Total

Você conhece os pais dos colegas de seu(sua)

Filho(a)?



Sim

Freq.

40

42

7

26

15

130




%

54,8%

27,5%

16,3%

27,7%

55,6%

33,3%

Pouco

Freq.

31

82

29

48

11

201




%

42,5%

53,6%

67,4%

51,1%

40,7%

51,5%

Não

Freq.

2

29

7

20

1

59




%

2,7%

19,0%

16,3%

21,3%

3,7%

15,1%

Total

Freq.

73

153

43

94

27

390




%

100,0%

100,0%

100,0%

100,0%

100,0%

100,0%



1 As escolas investigadas foram selecionadas principalmente com base no desempenho de seus egressos aprovados nos exames de vestibular para os cursos e universidades mais procurados, assim como nas notícias da mídia impressa carioca que anualmente divulga rankings das escolas consideradas melhores, conforme a aprovação no vestibular da UFRJ.

2 Modernidade - período, influenciado pelo Iluminismo, em que o homem passa a se reconhecer como um ser autônomo, auto-suficiente e universal, e a se mover pela crença de que, por meio da razão, pode-se atuar sobre a natureza e a sociedade. Dicionário Eletrônico Houaiss da língua portuguesa 1.0.5.

3 Torá – palavra hebraica que significa em sentido estrito os cânones das Escrituras Sagradas. Refere-se aos cinco livros da Bíblia ou o Pentateuco in: Gerard, André-Marie. Dictionnaire de la Bible. Paris, Editions Robert Laffort, 1989.

4 De acordo com Decol (2001) até 1919 já haviam imigrado 12.000 judeus para o Brasil.

5 Utilizarei aqui a diferenciação feita por Guinsburg (1997).

6 Sionismo – movimento iniciado durante os últimos anos do século XIX que afirmava que o único modo pelo qual os judeus poderiam escapar à perseguição era através da volta à sua antiga pátria – Sion, a terra de Israel. (Rosenberg, 1992, p. 81)

7 Aliá – emigração para Israel.

8 Singly : “Destinées à produire la valeur du groupe domestique et de ses membres, toutes ces stratégies forment système, ‘chacune d’elles devant à chaque moment compter avec les résultats atteints par celles d’entre les autres qui l’a précedée ou qui a une visée temporelle plus courte’ (Bourdieu, 1989)”

9 Escola Israelita Brasileira Salomão Guelmann, localizada em Curitiba. Disponível em: http://www.eisbg.com.br. Acesso em: 11/12/2003.

10 Shimon Peres, apud HEMSI, Sylvana. Entidade Judaica: um modelo paulistano liberal. 1997. Dissertação de Mestrado – Departamento de Línguas Orientais da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. USP, São Paulo.

11


12 No questionário de pais das escolas bilíngüe 1 e confessional 1 não constavam as opções: “parceria na educação do filho(a)”, “recomendação dos amigos” e “orientação religiosa”.

13 Pesquisa quantitativa feita na escola em julho de 2003 pela diretoria de pais com o objetivo de “abrir um canal de comunicação e estreitar os laços com a comunidade de pais” e “avaliar o grau de satisfação focando a percepção dos pais de alunos que estudam em horário integral”. O questionário foi enviado para 683 famílias e 477 responderam, índice de retorno de 69,84%.

14 Os primeiros tal qual no survey do SOCED foram: qualidade de ensino com 83,6% e ser uma escola judaica com 78,8%.

15 Bar mitzva: o menino judeu ao completar 13 anos alcança a maioridade religiosa, para comemorar a data normalmente é feita uma cerimônia na sinagoga seguida de festa.

16 Esta opção não constava do questionário dos pais da escola confessional 1.





©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal