Era uma linda manhã se sol, Giulia se levantou com ar preguiçoso, mais avistando a bela manhã que se instalava por traz da jan



Baixar 0,71 Mb.
Página1/9
Encontro10.07.2018
Tamanho0,71 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9

Sonho de Cristal

Dedicado ao meu mais precioso Cristal.



Capitulo 1

Era uma linda manhã se sol, Julia se levantou com ar preguiçoso, mais avistando a bela manhã que se instalava por traz da janela logo se pôs de pé para fazer seu delicioso desjejum e ela já podia sentir o aroma de café recém passado que vinha da cozinha, o sol já estava alto e sua mãe como sempre se levantava antes dele raiar e deixava tudo caprichosamente preparado para o café da manhã.

Marina Bosco a mãe de Julia era uma mulher muito elegante e bonita, ninguém dizia que era sua mãe, pois ela tivera Julia muito cedo, quando tinha apenas dezesseis anos Marina uma menina linda com ares de mulher Filha de Marta e Mario Bosco se apaixonou perdidamente por Eduardo Maklen, um militar que costumava freqüentar a cidade de Veneza onde Marina morava, logo que Eduardo viu Marina uma certa tarde ao chegar da escola, quis acompanha-la até em casa e logo cresceu um sentimento forte entre eles, começaram a se encontrar todos os dias depois da aula, até que Eduardo a pediu em namoro. Namoraram por seis meses e sempre que Eduardo tinha uma folga no seu serviço militar ele corria para ficar ao lado de Marina, um belo dia Eduardo disse á ela que precisaria fazer uma longa viajem para uma batalha que ele precisaria enfrentar, prometendo que escreveria e assim que tudo acabasse eles se casariam. Eduardo partiu deixando Marina totalmente desconsolada, no primeiro mês ele escrevia toda a semana mais derrepente ele parou de escrever, Marina mandou enumeras cartas por três meses e foi quando descobriu que estava grávida, ela tentou de todas as maneiras obter noticias mais não conseguiu, diante do desespero contou para seu pai, que era seu grande amigo tudo o que acontecera, seu pai muito amoroso apoiou a filha recebendo a neta com todo amor, inclusive dando seu nome a ela, já sua mãe uma mulher muito ríspida e de tradições muito fortes, se decepcionou com a filha nunca conseguindo perdoar pelo escândalo que Marina causara entre a sociedade. Marina muito forte e corajosa recebeu Julia com todo amor e carinho porque era o símbolo do que de mais belo ela já tinha vivido, Julia era alta e esguia, olhos azuis como os do pai e cabelos negros como de Marina, Julia era muito parecida com o pai e talvez por isso Marina nunca conseguiu esquecer Eduardo, dedicando a vida totalmente a filha e não conseguindo viver outro amor.

Julia com 21 anos e totalmente devotada à mãe tem a plena certeza de que a mãe ainda espera a volta do pai para que possam ser felizes.

Ela estava no 3° ano da faculdade de veterinária, ela era muito apaixonada por animais decidiu que seguiria essa profissão, ela morava com a mãe em Bonito- Mato Grosso do Sul.

Marina decidiu ir morar no Brasil quando Julia tinha dois anos, ela estava totalmente desolada pela ausência de Eduardo e cansada dos maus-tratos da mãe resolveu ir morar com sua tia Maria, irmã mais nova de sua mãe, Maria se apaixonou por um brasileiro em uma viajem com os pais ao Brasil e resolveu largar tudo e casou-se com a aprovação dos pais com um rico empresário, Maria era apaixonada por Marina desde que ela nascera, e sempre que podia ia para Veneza ficar com a sobrinha, Marina encontrou na tia uma grande amiga e quando se cansou das brigas com a mãe resolveu ir embora, Maria ficou encantada, pois nunca pudera ter filhos, ela e seu marido receberam Marina e Julia com todo amor e Marina resolveu viver definitivamente com a Tia.

Quando Julia completou 10 anos Maria e o marido Tom sofreram um acidente de carro e morreram deixando toda sua fortuna para Marina e a filha, Marina arrasada decidiu que viveria o resto da vida no lugar que sua tia tanto amara e onde ela soube o que realmente era ter uma família.

Julia adorava aquele lugar era perfeito com paisagens de tirar o fôlego cachoeiras deslumbrantes e a natureza sempre presente, ela também gostava de Veneza, era um lugar encantador e romântico, sempre se divertiu muito quando ia passar as féria lá com os avós, mais só em Bonito ela se sentia realmente em casa.


Julia desceu para tomar café, Marina como sempre estava com uma sorriso carinhoso a sua espera, ela deu um beijo muito terno na mãe e disse:
__Bom dia mamãe!
__Bom dia minha filha!
__A manhã está linda hoje não acha?
__Sim, mais eu achei que você não fosse descer hoje!
__É que eu fiquei estudando até tarde, tenho uma prova importante hoje e não quero fazer feio.
__Acho ótimo que você se dedique aos seus estudos mais você anda estudando demais! Não acha que deveria sair e se divertir um pouco ou até mesmo fazer umas loucuras como as meninas da sua idade?
Julia deu uma gostosa gargalhada
__Mamãe! Você não deveria me dar esses conselhos, devia me educar!
Marina sorriu:
__Eu acho que te eduquei demais, você nunca me deu um trabalho! Nem tenho muito assunto quando minhas amigas reclamam das filhas delas eu só tenho elogios pra você, acho que elas pensam que escondo a verdade, uma rebeldia de vez em quando não faz mal á ninguém!
__Ah mamãe! Você realmente não existe, eu prometo que vou pensar no assunto, quem sabe eu não apareço no seu chá semanal com um belo piercing na sobrancelha!
__ Até que seria um começo!
As duas riram.
__Bom dona Marina eu preciso estudar, deixa-me ir que já estou atrasada.
__Tudo bem minha filha, bom estudo pra você.
Com um beijo, Julia se despediu da mãe.
Já havia acabado a aula quando Julia resolveu ir até sua cachoeira preferida, já havia alguns dias que ela não ia até lá e depois da prova difícil que teve, pensou que devia recarregar as baterias.

Chegando lá Julia se encantou com a paisagem, conhecia aquele lugar desde criança, mais cada vez que visitava não conseguia deixar de perder o fôlego com aquela água transparente e cristalina, as pedras por todo lado dando um toque único e os pássaros e flores trabalhavam em perfeita harmonia para transmitir a paz que só aquele lugar conseguia passar.

Ela tratou de tirar a roupa e ficar só com seu biquíni que combinavam com o azul de seus olhos, mergulhou e sentiu-se renovada com o toque da cachoeira em seu corpo.

Depois de se banhar resolveu deitar sobre as pedras e tomar sol, para poder apreciar melhor o som da cachoeira em conexão com o canto dos pássaros, deitou e de tão relaxada mergulhou num sono profundo.


Julia acordou assustada ao sentir a água fria em contato com seu corpo aquecido pelo sol, depois de despertar e recobrar a consciência de onde estava percebeu um rapaz nadando em volta da pedra onde ela estava, ficou furiosa e disse:
__hei seu mal educado você não me viu aqui não?
Ele parecia nem ouvir.

Ela se levantou e disse:


__ hei mal educado estou falando com você.
Ele se virou e respondeu:
__Comigo?
__Com você sim por acaso tem mais alguém aqui, e principalmente mal educado como você?
__Espera aí, de onde você surgiu? E porque está me chamando de mal educado?
__Você não viu que eu estava deitada aqui na pedra, quando você mergulhou e me molhou toda?
__Desculpe, mais se você não queria se molhar deveria estar na sua casa dormindo na sua cama e não de biquíni em uma cachoeira!
__Mais você é muito abusado mesmo não é, não te ensinaram a respeitar o espaço do outro não?
__Olha, eu sei que você não gostou, mais não foi de propósito, eu nem te vi aí, na verdade eu sempre venho a esta hora e nunca tem ninguém, nem prestei atenção se estava sozinho, realmente me desculpe.
Ela ficou sem graça e respondeu:
__Tudo bem, eu nem deveria ter ficado brava é que eu acabei pegando no sono e acordei assustada.
__Tudo bem, então vamos começar de novo, oi meu nome é Lucas.

Ela sorriu e disse:


__O meu é Julia.
__Você costuma vir sempre aqui? Eu nunca te vi!
__É eu venho mais não há esta hora, é que eu tive uma prova muito difícil hoje na faculdade e decidi vir depois da aula pra relaxar um pouco.
__É, eu também venho sempre pra relaxar, na verdade aqui é o único lugar em que eu me sinto relaxado.
__Esse lugar é minha segunda casa.
__Pra mim, só aqui eu me sinto em casa.
__Você parece triste?

_

_É, os últimos dias não tem sido fáceis, mais eu não quero falar sobre isso, me fale sobre você!



Lucas e Julia ficaram por horas conversando e se conhecendo, falaram sobre diversos assuntos e logo pareciam velhos amigos, a conversa estava tão descontraída que nem perceberam a hora passar.
__Nossa! Que horas são?
Disse Julia assustada.
__São 16:30.
__Nossa, eu me esqueci da hora! Minha mãe deve estar preocupada!
__É verdade a conversa estava tão proveitosa que esquecemos do tempo, quer que eu te leve em casa?
__Não precisa se incomodar, eu não moro longe.
__Não, depois de ter te molhado toda é o mínimo que eu posso fazer!
Julia sorriu e disse:
__Não se preocupe eu já o perdoei, e também gosto de caminhar.
__Tudo bem, então me prometa que vamos nos ver de novo.
__Por mim tudo bem.
__Amanhã no mesmo horário então?
__Claro!
Eles se despediram e Julia foi embora contente com o novo amigo que havia feito.
Lucas ainda ficou mais um pouco ali pensando em Julia, ele nunca havia conhecido uma moça tão linda e inteligente, lembrou-se das conversas e risadas que trocaram e sentiu-se feliz por ter passado uma tarde longe das preocupações que tanto tiravam seu sono.

Foi embora pouco depois, contente e ansioso para o encontro da próxima tarde.


Lucas chegou em casa e seu pai o esperava na sala de estar com um ar um tanto desaprovador, Lucas o cumprimentou e foi subindo as escadas mais seu pai o chamou:
__Lucas! Onde você estava?
__Eu estava dando uma volta, porque? Nem isso eu posso mais?
__Pode, desde que avise onde está e a que horas vai chegar!
__Olha, pai, eu já estou bem grandinho pra o senhor ficar me controlando, não acha?
__Você é bem grandinho, mais ainda não se tornou um homem, vive me desafiando, questionando as minhas ordens e principalmente não dá a mínima para os valores da nossa família!
__Isso não é verdade pai, eu só não gosto do modo como você tenta me controlar, sempre exigindo todas as suas vontades e nunca respeitando as minhas!
__Eu é que sei o que é melhor pra você, quando eu tinha a sua idade eu sempre acatava as ordens do meu pai, jamais o desrespeitei.
__Por isso que você é infeliz, vive sempre querendo controlar as pessoas, casou com a mamãe sem amor e faz da vida dela um inferno, eu nunca vou ser como você!

__Seu moleque! Enquanto você estiver vivendo embaixo do meu teto e comendo as minhas custas você vai fazer o que eu mando.


__Você não vai me obrigar a casar com uma mulher que eu não amo e nem mesmo suporto só porque é conveniente para os seus negócios!
__Casar com que não ama? E você lá sabe o que é amor se nem os seus pais você consegue amar?
__Você não diga o que não sabe!
__Você namorou a Georgina desde criança! Era grudado nela! E agora diz que não quer se casar? Eu não entendo você!
__Você sempre impôs a presença dela aqui em casa, só porque você tinha interesse em ampliar os negócios com a firma do pai dela, eu já disse que não me caso de jeito nenhum, eu não tenho culpa se o pai dela faz todas as vontades e agora está me obrigando a casar para fechar o negócio!
__Mais ela ama você, e com certeza será uma boa esposa, ela tem nome e posição social, sabe se portar, não vejo porque motivo você não quer!
__Só existe um motivo, eu não a amo e não vou me casar por conveniência ainda mais se essa conveniência for pra você.
__Você realmente não pensa no melhor pra nossa família, essa sociedade ia ser boa pra todos nós, você sabe que a empresa está passando por momentos muito difíceis.
__Se eu puder ajudar de outra maneira tudo bem, já te disse que eu dou um duro danado naquela empresa se você quiser, mais eu não vou colocar a minha vida á disposição dos seus negócios, chega pai isso não tem mais discussão eu não quero mais falar sobre isso, vou pro meu quarto.
__Vê se desce no horário pra jantar, odeio esperar!
__Não precisa me esperar, perdi a fome.
Lucas subiu para seu quarto, entrou, trancou a porta e ficou pensando em tudo que acontecera, já eram normais estas brigas com o pai, quase que diárias, Seu pai não entendia que não pensava como ele, Otávio pai de Lucas sempre fora assim, queria controlar a tudo e á todos, o avô de Lucas era militar e tratava Otávio sempre com frieza e exigia muita disciplina, quando Otávio completou 18 anos seu pai o obrigou a casar com Elisabeth, uma moça muito rica e de nome imponente na região, o pai de Otavio, Augusto era o melhor amigo do pai de Elisabeth, e quando o pai de Elisa estava muito doente fez Augusto prometer que iria cuidar de sua filha, sua esposa havia falecido ainda muito jovem e Elisa ficou sem ninguém, Augusto a acolheu como filha e obrigou Otávio a se casar com ela para que não quebrasse a promessa de proteger a filha de seu grande amigo. Elisa era apaixonada por Otávio mais ele nunca conseguiu corresponder à altura esse amor, e não foram felizes no casamento, Otavio era sempre frio e ríspido com Elisa, na verdade ele a culpava por não ter conseguido se casar com seu grande amor e durante um bom tempo se fechou e ficou com muita raiva do Pai, passado um tempo ele descobriu que a mulher que ele tanto amara, era amante á anos de um homem casado amigo de seu pai, o que provocou grande escândalo na cidade, assim Otávio se resignou e entendeu que Elisa não tinha culpa e que seu pai sabia realmente o que era melhor pra ele, ele se casou com uma moça respeitável, que o amava e ele entendeu que não tinha motivos pra ter raiva e sim agradecer ao pai.

Quando Lucas nasceu Otávio jurou que sempre faria o melhor para o filho não deixando nunca que ele se enganasse e sofresse como havia acontecido com ele.



Lucas sabia que o Pai queria casa-lo com a filha do grande empresário Américo Ramos, que era dono de um grande escritório de advocacia, Otavio herdou do pai uma empresa não tão grande mais de grande nome e tradição no mercado, também de advocacia a idéia dele era fundir as duas empresas e ligar o nome da empresa de Otavio com a riqueza da empresa de Américo o que geraria lucro para as duas partes já que a empresa de Otávio era uma concorrência para a de Américo, mais como a empresa de Otávio estava passando por dificuldades financeiras Américo fazia algumas exigências para cobrir a divida e fazer a fusão, e uma delas era a vontade de sua única filha Georgina por quem ele tinha verdadeira adoração e fazia todas as suas vontades, Georgina era uma garota fútil e mimada que sempre conseguia o que queria, ela era apaixonada desde criança por Lucas e fazia de tudo para seduzi-lo, Lucas nunca simpatizou com o jeito de Georgina mais chegou a ter um namorico com ela, e ela ficou revoltada quando ele disse que não teriam mais nada. Nessa época Otávio estava quase pra fazer a fusão das empresas, Mais Georgina inconformada exigiu que o pai obrigasse Lucas a se casar com ela para só então fazer a fusão das empresas.
Lucas sentia seu estomago embrulhar só de imaginar, tendo que passar o resto de sua vida ao lado de Georgina, mais isso ele jurou a si mesmo, que mesmo o pai obrigando ele nunca faria.
Julia chegou em casa e ouviu uma bela bronca da mãe, mais elas eram muito amigas e acabaram tendo uma longa conversa sobre Lucas, Julia ficou encantada com ele, ele era inteligente, educado, de boa família, e trabalhava muito pra ajudar o pai. Naquela noite Julia foi dormir pensando em Lucas e ansiando pelo encontro que eles teriam no outro dia.
Julia acordou no horário de costume, fez o seu desjejum e saiu para faculdade, avisando para mãe que chegaria mais tarde, ela assistiu às aulas normalmente e depois resolveu almoçar com algumas amigas, depois elas resolveram que iriam se reunir para estudar, mais Julia despediu-se dizendo que tinha um compromisso, ela saiu contente caminhando e admirando a bela natureza, chegando em sua cachoeira preferida não resistiu em mergulhar, ficou lá tão distraída que nem percebeu que Lucas havia chegado e estava sentado em uma pedra observando-a. Ele chegou e a viu tão linda e tranqüila brincando pela água que sem perceber ficou ali parado, observando a beleza de Julia, ela era a jovem mais linda que ele já havia conhecido, ela tinha cabelos longos lisos, negros, um corpo com formas bem desenhadas, tudo á seu lugar, os olhos eram de um azul profundo e hipnotizante, ele chegou a conclusão de que conseguiria ficar por horas parado, só observando a profundidade do olhos de Julia, ele acordou quando percebeu que ela o estava chamando e sorriu para ela:
__Hei Lucas! O que aconteceu? Ficou parado aí me olhando!
__Desculpa, é que eu estava te vendo aí com tanta calma e tranqüilidade até me esqueci das minhas preocupações por um momento.
__ O que acontece com você, desde quando nos conhecemos achei que você tinha um ar triste no olhar! Você não quer me contar? Talvez eu possa te ajudar.
__Não se preocupe, são problemas familiares, um dia se resolve, e você já ajuda bastante me distraindo com esses seu olhos lindos!
Ela sorriu sem graça.
__Tudo bem então.
__Me conta, sua mãe ficou muito brava por você ter se atrasado ontem?
__Ela ficou preocupada, mais no fim, quando viu que eu estava bem, até achou legal, pelo menos tem algo pra contar pras amigas dela agora.
__Como assim?
__Minha mãe vive dizendo que eu estudo demais e quase não saio, e diz que eu não dou trabalho como as filhas das amigas dela, sabe que ela chegou a me dizer que uma rebeldia de vez em quando não faz mal a ninguém!
Lucas deu uma gargalhada.
__Sua mãe deve ser uma figura e tanto!
__Você nem imagina!
E assim eles ficaram o resto da tarde conversando sobre diversos assuntos, Lucas contou um pouco sobre sua família e Julia falou sobre a histórias da sua, eles nem perceberam as hora passar, Lucas se divertiu como não fazia a muito tempo e eles passaram a se encontrar sempre que podiam, as vezes na cachoeira, outras conhecendo lugares novos, a amizade foi crescendo e a vontade de estar cada vez mais perto também.

Certo dia, Julia combinou de encontra-lo na cachoeira de sempre, chegou da faculdade e foi direto pra casa se arrumar, Lucas tiraria algumas horas de folga no trabalho e se encontraria com ela na cachoeira de sempre. Julia tomou banho, colocou uma roupa leve e desceu para almoçar, Marina estava terminando o almoço quando viu Julia se aproximando.


__Olá mamãe! O que tem para o almoço?
__Fiz seu prato predileto! Porque você está tão bonita e perfumada á esta hora?

__Combinei de me encontrar com o Lucas depois do almoço.


__Ah!
__O que você quis dizer com esse ah?
__Você anda sempre se encontrando com esse rapaz, isso quando não fica horas com ele no telefone, por acaso vocês estão namorando?
__Claro que não mamãe, somos apenas amigos!
__Mais você está apaixonada por ele não está?
Julia ficou surpresa sem saber o que responder.
__Não! Quer dizer, eu acho que não, nós somos amigos, e eu gosto de conversar com ele e é só.
__Minha filha, eu te conheço, você está sim apaixonada por esse rapaz! Presta atenção! Qualquer um pode ver isso, está nos seus olhos! Toda vez que você fala dele seus olhos brilham, é como se eu estivesse vendo os olhos do seu pai quando olhavam pra mim! Isso é amor sim e dos raros.

Julia ficou pensativa, esta certo que seu coração pulava cada vez que ela o via ou ouvia a sua voz, que estava ficando incontrolável a vontade que ela sentia de vê-lo, mais ela não havia se atentado ao fato de que estava apaixonada por ele, talvez por ela nunca ter se apaixonado antes, tivera alguns namoricos sim, mais nada que tirasse os seus pés do chão e fizesse seu coração pular como quando Lucas falava palavras doces ou elogiava a sua beleza. Ela ficou confusa, como ela olharia pra ele agora que sua mãe abrira seus olhos pro que estava na sua frente e ela não conseguia enxergar!


__Mamãe isso não pode estar acontecendo!
__Porque não, tenho certeza que ele é um ótimo rapaz e também deve estar apaixonado por você!
__Será!
__Claro minha filha, ele sempre quer te encontrar quando pode, te liga todos os dias, sai mais cedo do trabalho pra te pegar na faculdade, que homem faria isso só por uma grande amiga?
__Mais mamãe ele nunca me disse nada!
__Tem certeza que ele nunca deu nenhuma dica? Talvez você é que não tenha percebido.
Ela pensou por um momento e depois respondeu:
__É mamãe, acho que você tem razão, eu vou ficar mais atenta ao que ele diz, mais se ele realmente disser alguma coisa o que eu vou fazer?
__Não se preocupe minha filha, seu coração vai saber exatamente o que fazer.
Julia almoçou calada refletindo em tudo que sua mãe havia dito, como ela não havia percebido que estava completamente apaixonada por ele? Na verdade ela estava tão encantada com a amizade entre eles que nem parou para analisar o que esses sentimentos realmente significavam, a realidade é que Julia vivia tão fechada no seu mundo, com os estudos e a preocupação que ela tinha com a mãe, que não separava tempo para as amizades, ela tinha algumas amigas na faculdade mais nenhuma confidente, e Lucas em tão pouco tempo se tornou seu amigo e uma companhia insubstituível e ela se sentia feliz de ter sua amizade era bom ter uma pessoa pra conversar e dividir as preocupações que ela tinha com a mãe em relação ao pai, Marina nunca havia superado a perda e falta de noticias de Eduardo e isso a deixava deprimida, preocupando cada vez mais Julia.

Ela saiu para o encontro com Lucas, já eram quase três da tarde quando ele chegou ao local, ela estava sentada em uma pedra pensativa e ele se aproximou beijando a sua testa.


Ela se assustou e sorriu.

Ele disse:


__Hei, porque esse rostinho lindo está tão preocupado?
Ela sorriu e não conseguiu disfarçar o desconforto, não conseguia agir naturalmente depois da conversa com a mãe, ele percebendo algo diferente perguntou:
__Aconteceu alguma coisa?
__Não.
__Tem certeza? Você está tão calada!
__Só preocupação com a faculdade, mais e você? Tudo bem?
__Mais ou menos, tive uma briga feia com meu pai.
__O que aconteceu?
__O de sempre, deixa pra lá, você já me parece preocupada e eu não quero te chatear com meus problemas.
__Você não me chateia, só estranho o fato de você sempre mudar de assunto quando pergunto do problema com o seu pai, porque você não que me contar? Não confia em mim?
__Não é isso, é que o clima na minha casa é insuportável e na empresa também, o único momento de alegria que eu tenho é quando estou com você e eu não quero desperdiçar falando de problemas tão desagradáveis.
Ela sorriu:
__Tudo bem, eu entendo, também não quero te ver aborrecido, só quero que você saiba que pode contar sempre comigo.
__Ta bom, eu prometo que te conto no nosso encontro de amanhã, mais hoje foi muito pesado e eu não quero falar disso, eu te chamei aqui por outro motivo.
__O que?
Lucas hesitou um pouco mais tomou coragem, já era hora de dizer a verdade e enfrentar as conseqüências.
__Estive pensando nos últimos dias e cheguei a conclusão de que não consigo mais esconder, eu estou completamente apaixonado por você e na realidade você é a única coisa boa que me aconteceu nos últimos tempos, eu queria dar mais tempo até ter certeza de que você sente o mesmo mais minha vida está entrando numa situação muito complicada, que eu não sei no que vai dar e eu não quero perder a única chance que eu tenho de ser feliz.

Eu quero ficar com você e não importa o que você me diga agora eu espero o tempo que precisar, mais não vou desistir.


Julia sentiu o chão sumir dos seus pés, já era uma surpresa ela lidar com o que acabara de descobrir que sentia, agora não sabia o que fazer com as palavras de Lucas, ela estava radiante em saber que ele correspondia o sentimento dela, mais ao mesmo tempo, saber o que representava pra ele á assustava um pouco, a única experiência que ela havia tido com amor era o que ela passava junto com sua mãe pelo desaparecimento de seu pai, ela sabia que esse era um sentimento maravilhoso, mais que poderia deixar muitas marcas como deixaram em sua mãe, na verdade ela sabia que tudo começava em conto de fadas, mais tinha medo de acabar sofrendo como Marina. Ela ficou calada, Lucas ficou apreensivo e com medo de ter se precipitado quando ela sorriu e disse:
__Você já amou alguém antes disso?
__Não.
__Então como você pode ter certeza de que está realmente apaixonado e não apenas encantado?
__Eu me apaixonei por você desde o primeiro dia que te vi, eu não consigo parar de pensar em você, fico contando os minutos pra te ver e quando não agüento mais te ligo só pra ouvir sua voz, eu sonho todas as noites com seus beijos, com seus olhos que não me saem da cabeça, tudo que eu faço me lembra você por mais simples que seja, eu sinto saudades quando estou longe, eu não consigo me imaginar com mais ninguém nesse mundo, se isso não é amor, o que mais pode ser? Se você tiver outra explicação pra tudo isso, por favor, me diga, porque eu não encontrei nada que explicasse a não ser o amor, um grande amor.
Ela olhou pra ele encantada, seu coração de tanto bater forte á essa altura parecia ter parado, ela não conseguia pensar em nada pra dizer, apenas o abraçou, ele se jogou nos braços dela num misto de desespero e alivio, ela o soltou passou a mão sobre seu rosto e beijou seus lábios, foi um beijo longo e intenso, ele tinha sonhado tanto com aquele beijo que aproveitou cada segundo, explorando a boca macia e doce de Julia, ela se entregou totalmente confirmando o que até aquele momento ela se perguntava, ela realmente o amava, com toda força e paixão que ela jamais achou que fosse possível amar, agora ela conseguia entender o porque do sofrimento de Marina, ter um sentimento tão forte como esse arrancado era mais do que o coração podia suportar.
Depois de vários momentos trocando caricias eles permaneceram deitados sobre a pedra, abraçados sem dizer nada, Julia encostada no peito de Lucas podia ouvir seu coração bater apressado no mesmo compasso que o dela, ele acariciando os cabelos de Julia sentia-se completo e realizado, naquele instante, não faltava mais nada, ele só pensava que nunca mais sairia de perto da mulher que iluminara seus dias e preenchia o vazio que antes havia em seu coração.



  1   2   3   4   5   6   7   8   9


©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal