Ensino da dançA



Baixar 45,34 Kb.
Encontro12.07.2018
Tamanho45,34 Kb.

CEAP- EDUCAÇÃO FÍSICA

ENSINO DA DANÇA

PROFª HELAINE QUARESMA



ENSINO DA DANÇA
FUNDAMENTOS TÉCNICOS DA DANÇA.
Conceitos:
Fundamentos: é o conjunto de conhecimentos, proposições e de idéias simples ou gerais básicas para se deduzir outros conhecimentos.

Técnica: parte material ou conjunto de processos de uma arte. Maneira, jeito ou habilidade especial de executar ou fazer algo.

(Buarque de Holanda)


Os fundamentos são a base e a sedimentação sobre a qual se estrutura a técnica da dança. Dentro destes fundamentos encontramos os parâmetros que são as referências dos fundamentos técnicos da dança. estes parâmetros são:

- corpo;


- espaço;

- movimento;

- forma;

- ritmo;


- dinâmica.
1º Parâmetro – MOVIMENTO
MOVIMENTO é um elemento constante no espaço e tempo. Um corpo está em movimento quando ele ocupa posições sucessivas no espaço impulsionado por uma força.

A dança possibilita uma perfeita educação corporal e permite educação do movimento transformando-os em arte.


Leis e Princípios do movimento:

EIXOS: são linhas imaginárias que vão do centro de um plano ao centro de outro plano. São de dois tipos:


EIXOS HETEROPOLARES: eixos que tocam planos diferentes. Ex:

  1. Longitudinal ou céfalo-podálico – vai do centro do plano cefálico ao centro do plano podálico.

  2. Sagital ou ventro-dorsal – vai do centro do plano dorsal ao centro do plano ventral.

EIXO HOMOPOLAR: é o eixo que toca planos semelhantes, é representado pelo eixo transversal ou latero-lateral, que vai do centro do plano lateral direito ao esquerdo.
PLANOS DE DELIMITAÇAO

  • SUPERIOR OU CEFÁLICO: é o que toca o indivíduo superiormente.

  • INFERIOR OU PODÁLICO: é o que toca o indivíduo inferiormente.

  • ANTERIOR OU VENTRAL: é o que toca o indivíduo anteriormente.

  • POSTERIOR OU DORSAL: é o que toca o indivíduo posteriormente.

  • LATERAL DIREITO E ESQUERDO: são os que tocam o indivíduo lateralmente.


PLANOS DE DIVISÃO

  • MEDIANO OU SAGITAL: é um plano imaginário de secção vertical que passa longitudinalmente através do corpo e o divide em 2 metades mais ou menos semelhantes (antímeros direito e esquerdo)

*Antímero: princípio que diz que o indivíduo é formado por 2 metades mais ou menos semelhantes.

  • PARAMEDIANO OU PARASAGITAL: é qualquer plano paralelo ao mediano.

Ex: plano mamilar, ao nível dos mamilos na direção antero-posterior.

  • FRONTAL OU CORONAL: é um plano de secção vertical, faz ângulo reto com o plano mediano, dividindo o corpo em 2 metades; anterior ou ventral e posterior ou dorsal.

  • HORIZONTAL OU TRANSVERSAL: é um plano perpendicular aos planos mediano e sagital que divide o corpo em duas metades: superior e inferior.


ARTICULAÇÕES

É a conexão entre partes rígidas do organismo, quer sejam ossos, quer sejam cartilagens.



TIPOS:

  1. Sinartroses: imóvel. Ex: suturas cranianas.

  2. Anfiartroses: ligeiramente móveis. Ex: vertebras toráxicas

  3. Diartroses: amplamente móveis. Ex: escápulo-umeral


FUNÇÃO DOS MÚSCULOS:

  • AGONISTAS: responsáveis direito pelo movimento.

  • ANTAGONISTAS: realiza o trabalho oposto dos agonistas.

  • SINERGISTAS: auxilia o trabalho dos agonistas.

  • FIXADORES OU ESTABILIZADORES: estabilizam as articulações


Ação Muscular:

A ação dos músculos agonistas e antagonista geram contrações:

- Estáticas ou isométricas (movimento potencial)

- Concêntricas e excêntricas classificadas pelos fisiologistas como contração isotônica (movimento liberado)

A preparação neuro-muscular é estimulada através de:


  • Sinergias musculares.

  • Músculos agonísticos e antagonísticos.

  • Exercícios isotônicos e isométricos.

  • Trabalho de mobilidade articular.

  • Trabalho de potência muscular.

Execução consciente dos movimentos evoluiu:

  • Controle neuro-muscular preliminar e básico p/ os mais complexos.

  • Gesto geral (grosseiro) p/ o específico (refinado).

- Gesto vazio de conteúdo para o expressivo (emocional)

CONDICIONAMENTOS E AUTOMATISMO
Na Dança os condicionamentos e automatismos vêm após a execução consciente, sedimentada no esquema neuro-muscular para a forma reflexa da execução do movimento.

Esta breve análise dos detalhamentos cientificamente pedagógicos servirá como elo para entendermos os fundamentos técnicos da dança: corpo, espaço, forma, movimento, dinâmica e ritmo.

O corpo humano é uma unidade que se movimenta graças ao seu sistema pelas reações nervosas que acionam os músculos por um circuito nervoso chamado arco-reflexo. As sensações do exterior são levadas aos centros neurais pelos nervos sensitivos/ aferentes onde se transformam em percepções e voltam pelos nervos eferentes ao fuso neuro-muscular excitando o músculo que efetua o movimento.

As possibilidades do indivíduo em executar o movimento com maior ou menor habilidade e melhor ou pior nível de performance depende de sua condição corporal anatômico-morfológica e graus de treinamentos. O movimento do corpo, é pois, uma função dos mesmos.


TIPOS DE MOVIMENTO

A rotação e a translação são os princípios mecânicos do comportamento motor. Eles dão origem aos movimentos.



  • ROTAÇÃO: movimento do corpo em torno do eixo que passa pelo centro da massa desse corpo. São divididos em:

  • Interna e Externa: partes pares do corpo.

  • Direita e Esquerda: partes impares do corpo.

Na dança utilizam-se os termos: en dehors para rotação externa ou movimentos executados de dentro para fora do corpo e en dedans para rotação interna ou movimentos executados de fora para dentro do corpo.

  • TRANSLAÇÃO: movimento do centro da massa de um corpo em relação a qualquer referencial. Podem ser:

  • Flexão/extensão e hiperextensão

  • Abdução/adução (afastar e aproximar respectivamente)

  • Supinação/ pronação:


ESTADOS DO MOVIMENTO
MOVIMENTO POTENCIAL: contém a força dentro do contorno corporal, predispõe para a liberação do movimento, pode descrever diferentes contornos ao expressar diferentes formas.

O movimento potencial é aquele que retém a energia. Esta fica concentrada não sendo liberada totalmente. É o caso da figura estática, que contém a fora dentro de um contorno. A força manifesta-se fisicamente sem causar deslocamento da massa muscular como um todo ou parte deste todo.


MOVIMENTO LIBERADO: aquele que extravasa a energia levada a uma realização máxima modificando os contornos corporais ou os impulsionando-os e projetando-os para o espaço. O corpo projetado no espaço descreve trajetórias, direções, sentidos, através do deslocamento e locomoções dentro de um tempo estabelecido e dinâmica variada.

No movimento da Dança, além do resultado físico da força empregado p/ o deslocamento da matéria, há também uma força intríseca resultante de reações psíquicas e emocionais atuando sobre o nosso corpo.


Aspectos do Movimento
Curva de execução do movimento: é a trajetória do movimento. Dividi-se em:

- Ictus inicial: inicio do desprendimento de energia p/ o inicio do movimento;



- Clímax: ápice do movimento;

- Ictus final - escoamento da energia, parada do movimento.
FORMAS DE EXECUÇÃO

MOVIMENTO BALANCEADO: são executados como pêndulos de relógio nos planos frontal(direita e esquerda), sagital(frente e trás) em diferentes níveis (cima e baixo); caracteriza-se pela manutenção da força uniforme dentre as fases de alongamento e encurtamento dos músculos. Este movimento não se opõe a gravidade e envolve várias articulações em sua execução. Ex: sequências de “cambrés”.


MOVIMENTO PERCURTIDO: executado com precisão e vigor, caracteriza-se por um término brusco onde se processa uma rápida contração muscular e uma enorme concentração de energias, como se retivesse intensamente a força. O ictus inicial e final são tão integrados que a ação do meio é quase imperceptível.
MOVIMENTO CONDUZIDO: seu modo de execução corresponde à unidade do modo de ação das sinergias musculares caracterizada pela total integração das três fases do movimento, manifestada pela manutenção da força uniforme dentre as fases de alongamento e encurtamento das sinergias opostas. Ex: execução dos port-de-bras (passando pelas posições de forma initerrupta)
MOVIMENTO PENDULAR OU OSCILADO: executado ao nível de somente uma articulação com movimento semelhante a um pêndulo; a característica principal é que o movimento guarda uma igualdade contínua na amplitude do movimento. Ex: os “grand battements” de 4 para 4 posições devant e derriére, sem parada na primeira posição.
MOVIMENTO VIBRATÓRIO: executado com movimento de pequena amplitude e repetidamente; possui características idênticas ao movimento percutido. As energias iniciais e paradas são tão rápidas que o movimento absorve características de tremido, sacudido, vibrado. Ex: petit battement sur le coup de piês.
MOVIMENTO LANÇADO: executado como uma variação do movimento balanceado com o ictus inical bastante forte, caracteriza-se por uma energia que desloca parte do corpo como se esta fosse desprender do todo em direção ao infinito. Ex: grand-battements.
MOVIMENTO ONDULANTE ou SUSTENTADO: a característica do movimento é caminhar em pequenas ondas dando idéia de flutuação de contornos, dando a impressão de perda da gravidade; durante a execução, o movimento se irradia ondulatório, percorrendo diversas articulações sucessivamente.

2º Parâmetro- FORMA
É o contorno de massa do todo individual do ser infinito.

É o que descreve o projeto ou configurações básicas para que possamos nos valer para moldar ou desenvolver as figuras de dança.

(Jorge Zahar, 1986)


  • TIPOS

    • Linhas Retas.

    • Linhas Curvas.

    • Combinações

As formas do corpo são basicamente as linhas retas, curvas e suas combinações. Assim quando duas ou mais linhas retas se combinam mudando de direção abruptamente, produzem um padrão anguloso de formas; quando duas linhas curvas se unem mudando gradualmente a direção no meio, temos um padrão ondulado. Qualquer destes movimentos podem ser praticados por qualquer parte do corpo simultaneamente ou sucessivamente subindo ou descendo, além de abrindo ou fechando, andando ou girando, aumentando ou diminuindo. Quando estes padrões são combinados, enriquecem a coreografia. Isto porque diferentes partes do corpo utilizam diferentes padrões espaciais e formas, o que acarreta em coreografias mais harmônicas, com precisão e clareza.
MODIFICAÇÃO DA FORMA:

Posições:



    • pelo afastamento ou aproximação

    • Rotações nas posições

    • Elevações nas posições

    • Flexões/ extensões de outros segmentos.


3º Parâmetro- CORPO
Região limitada pelo espaço constituída pela matéria.

Espaço global (kinesfera): extensão máxima onde o corpo pode percorrer dentro de uma coreografia.

Zonas habituais das partes do corpo no movimento:


    • Braços - parte superior

    • Pernas – parte inferior

    • Mãos – maiores possibilidades

    • Cabeça – centro axial do corpo.

Partes do corpo podem invadir áreas ou zonas naturais de outras partes através da invasão nos planos, níveis e graus de execução da forma.

Partes do corpo mais usada na dança:

- Parte axial: cabeça e coluna

- Parte segmentar: membros superiores e inferiores

- Parte segmentar dos segmentos: braço/antebraço/mãos/dedos/coxa/perna/pé/dedos.


O alinhamento do corpo em relação ao espaço é a direção do corpo do bailarino dentro da moldura de seu próprio corpo em relação ao espaço, seja na sala de aula, seja no palco.

O bailarino deve-se considerar o centro do ponto do quadrado no qual irradia 3 linhas: vertical, horizontal e diagonal.

Os alinhamentos podem ser:


    • Devant: frente

    • Derriere: atrás

    • Croisé: cruzado

    • Effacé: sempre frente para o público

    • Epaulé: movimento de ombros.

    • Ecarté: afastado, separado

    • A la second: em segunda

Bases de sustentação do corpo:



    • PÉ: alto- ½ ponta; normal; intermediária baixa –demi-pliés; baixa- grand-pliés.

    • AJOELHADA: nível normal- reto; nível baixo- obtuso

    • SENTADA

    • DEITADA

    • COMBINADAS

Posições do corpo:

    • Posições aproximadas: 1, 3, 5 e 6(cruzada)

    • Posições afastadas: 2, 4, 7 e 8(cruzada)


4º Parâmetro – ESPAÇO
Espaço em dança é o lugar que o corpo ocupa entre determinados limites e em um espaço determinado.

Referencias do espaço:



    • Planos: frontal, sagital e horizontal.

    • Sentidos: vertical, horizontal e intermediários (diagonais altas e baixas, vertical alta e baixa, linha média)

    • Direções: frente, trás, esquerda frente/trás, diretita frente e trás. Longe, perto, afastado junto

    • Trajetórias: reta e ondulante.

Todos os sentidos e direções devem ser sempre utilizados dentro de uma coreografia. São eles:

- frente,

- trás,


- lados: direito e esquerdo;

- diagonais: frente direita e esquerda e atrás direita e esquerda



5º Parâmetro – RITMO

Na dança o ritmo é a disposição harmônica entre o movimento em potencial e o movimento liberado em diferentes intensidades, vibrações, coloridos e velocidades de reação destes estados em movimento.

As vibrações rítmicas expressam por música, som, palavras, batidas de palma, etc., profundo efeito sobre o ser. Elas despertam emoções, acalmam, excitam, deprimem, diminuem tensões, dependendo da qualidade e variedade do ritmo.
ESTRUTURAS RÍTMICAS:

Figuras rítmicas:



    • positivas (semibreve, mínima e semi-mínima)

    • Negativas (pausa)

- Compasso: binário, ternário e quaternário.

- Intensidade: forte e fraco

- Andamento: lento, rápido, moderado,…

- Timbre: alto (agudo), baixo (grave)

- Harmonia: combinações de sons simultâneos.

- Melodia: sucessão de notas musicais.

- Tipos de ritmo: auditivo, visual, tátil.


Seleção do Ritmo para a aula:

- Função do movimento.



- Função da faixa etária:

  • 3 anos - ritmo natural – compasso binário;

  • 4 anos - compasso quaternário;

  • 7 anos - compasso ternário;

  • 10 anos – apto para qualquer tipo de compasso e combinações.



6º Parâmetro – DINÂMICA
A dinâmica na dança é a associação dos parâmetros, como forma, movimento, ritmo, espaço e corpo.
A dança deve propiciar ao executante e ao expectador emoções múltiplas que os façam sonhar com os momentos vivido, percebido e imaginado. Utilizar os fundamentos técnicos ao elaborarmos as coreografias tornará visualmente melhores os momentos acima citados.



©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal