Direito civil



Baixar 0,97 Mb.
Página1/12
Encontro02.06.2018
Tamanho0,97 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   12


Resumão Direito Civil



RESUMO

DIREITO CIVIL
Conteúdo


  1. Das Pessoas; pag. 02

  2. Dos Bens pag. 08

  3. Do Bem de Família pag. 12

  4. Ato Jurídico pag. 13

  5. Direitos Reais e Pessoais pag. 17

6. Direitos das Obrigações pag. 30

7. Contratos: Conceitos, Classificação e Espécies pag. 34

8. Da Responsabilidade Civil pag. 45

9. Do Casamento pag. 49

10. Do Concubinato pag. 55

11. Filiação pag. 56

12. Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei nº 8.069/90) pag. 60

13. Direito das Sucessões pag. 71



Alexandre José Granzotto Julho a Outubro / 2002


RESUMÃO - DIREITO CIVIL




1. DAS PESSOAS



1.1. PESSOA FÍSICA NATURAL É todo “ser humano”, sujeito de direitos e obrigações. Para ser considerado PESSOA NATURAL basta que o homem exista. Todo homem é dotado de personalidade, isto é, tem CAPACIDADE para figurar numa relação jurídica, tem aptidão para adquirir direitos e contrair obrigações.
1.2. Capacidade: é a medida da personalidade. Pode ser de DIREITO ou de FATO



  • Capacidade de Direito: é própria de todo ser humano, que a adquire assim que nasce (começa a respirar) e só a perde quando morre; Em face do ordenamento jurídico brasileiro a personalidade se adquire com o nascimento com vida, ressalvados os direitos do nascituro desde a concepção.




  • Capacidade de Fato: nem todos a possuem; é a aptidão para exercer, pessoalmente, os atos da vida civil (capacidade de ação). Só se adquire a Capacidade de Fato com a plenitude da consciência e da vontade.




  • A pessoa tem a CAPACIDADE DE DIREITO, mas pode não ter a CAPACIDADE DE FATO.




  • Ex.: os recém nascidos e os loucos têm somente a capacidade de direito, pois esta capacidade é adquirida assim que a pessoa nasce. Eles podem , por exemplo exercer o direito de herdar. Mas não têm capacidade de fato, ou seja, não podem exercer o direito de propor qualquer ação em defesa da herança recebida, precisam ser representados pelos pais ou curadores.




  • Se a mãe puder exercer o pátrio poder, comprovando a sua gravidez, pode ser investida judicialmente na posse dos direitos sucessórios que caibam ao nascituro.




  • Capacidade Plena  é quando a pessoa tem as duas espécies de capacidade (de direito e de fato).




  • Capacidade Limitada  Quando a pessoa possui somente a capacidade de direito; ela é denominada INCAPAZ, e necessita de outra pessoa que a substitua, auxilie e complete a sua vontade.


Começo da Personalidade A personalidade começa com o nascimento com vida, o que se constata com a respiração (docimásia hidrostática de Galeno). Antes do nascimento não há personalidade, mas a lei, todavia, lhe resguarda direitos para que os adquira se vier a nascer com vida.




Extinção da Personalidade A personalidade se extingue com a morte real, física.





  1. Morte Real – A sua prova se faz pelo atestado de óbito ou pela justificação, em caso de catástrofe e não encontro do corpo. A existência da pessoa natural termina com a morte, e suas conseqüências são: extinção do pátrio poder; dissolução do casamento; extinção dos contratos pessoais; extinção das obrigações; etc




  1. Morte Simultânea (comoriência) – é quando duas ou mais pessoas (quando houver entre elas relação de sucessão hereditária) morrem simultaneamente, não tendo como saber quem morreu primeiro.



Graus de Parentesco Existem graus de parentesco em Linha Reta e Linha Colateral.

Em Linha Reta: Pai, Filho, Neto, Bisneto.


Em Linha Colateral: Irmão (2º grau), Tio/Sobrinho (3º grau); Primos (4º grau).
Linha Sucessória Quando uma pessoa morre e deixa herança, a linha sucessória é a seguinte: Descendentes, Ascendentes, Cônjuge e Parentes até 4º grau.
c) Morte CivilQuando um filho atenta contra a vida de seu pai ele pode ser excluído da herança por indignidade, como se “morto fosse”, somente para o fim de afastá-lo da herança. Outra forma de Morte Civil é a ofensa à honra (injúria, calunia e difamação), ou a pessoa evitar o cumprimento de um testamento.
d) Morte Presumida ocorre quando a pessoa for declarada ausente, desaparecida do seu domicilio, ou que deixa de dar noticias por longo período de tempo. Os efeitos da Morte Presumida são apenas patrimoniais. O ausente não é declarado morto, nem sua mulher é considerada viúva. Os herdeiros poderão requerer a sucessão definitiva 05 (cinco) anos após a constatação do desaparecimento.

Legitimação é a aptidão para a prática de determinados atos jurídicos. Consiste em saber se uma pessoa tem, no caso concreto, CAPACIDADE para exercer PESSOALMENTE seus direitos. Tolhem a legitimação: saúde física e mental, a idade e o estado. A falta de legitimação não retira a capacidade e pode ser suprida.
Representação: p/ absolutamente incapazes;

Assistência: p/ relativamente incapazes

Graus de Capacidade


  • Capazes

  • maiores de 21 anos (excetuando-se as pessoas possuidoras de uma ou mais características abaixo elencadas);



  • Absolutamente Incapazes – devem ser representados; não podem participar do ato jurídico  o ato é NULO; Os atos praticados pelos absolutamente incapazes são considerados nulos de pleno direito quando não tiverem sido realizados por seu representante legal. São absolutamente incapazes:




  • menores de 16 anos;

  • loucos/alienados de todo gênero (submetidos à perícia médica);

  • surdos e mudos que não conseguirem exprimir sua vontade;

  • ausentes (declarados judicialmente – morte presumida).




  • Relativamente Incapazes – devem ser assistidos; o ato jurídico pode ser anulável. Os atos praticados pelos relativamente incapazes são considerados anuláveis quando praticados sem a devida assistência. São relativamente incapazes:




  • maiores de 16 anos e menores de 21 anos;

  • pródigos (que têm compulsão em gastar e comprar); o pródigo para casar precisa de autorização do seu curador.

  • silvícolas (índios).


Observações:

  • Quanto à incapacidade relativa, pode-se afirmar que o menor - entre 16 e 21 anos - equipara-se ao maior quanto às obrigações resultantes de atos ilícitos, em que for declarado culpado. (artigo 156-CC).




  • A incapacidade do menor cessará com o seu casamento. (homem: só com autorização dos pais ou responsável ,e só a partir dos 18 anos; mulheres: a partir dos 16 anos)




  • Se uma pessoa relativamente incapaz vender um imóvel, o adquirente sabendo que ele só tinha 18 anos de idade, sem a devida assistência dos seus representantes legais, este ato será anulável.




  • Os relativamente incapazes podem ser mandatários.



1.2.1. Emancipação: É a aquisição da plenitude da capacidade antes dos 21 anos, habilitando-o para todos os atos da vida civil. A emancipação, por concessão dos pais ou por sentença judicial, só produzirá efeito após sua inscrição no Registro Civil.


  • Adquire-se a emancipação e conseqüente capacidade civil plena:




  • por ato dos pais ou de quem estiver no exercício do pátrio poder, se o menor tiver entre 18 e 21 anos. Neste caso não precisa homologação do juiz, bastando uma escritura pública ou particular, e registrada em cartório;

  • por sentença do juiz, ouvido o tutor, se o menor tiver 18 anos;

  • pelo casamento;

  • pelo exercício de emprego público efetivo, na Administração Direta;

  • pela formatura em grau superior;

  • pelo estabelecimento civil ou comercial com economia própria.




  • A capacidade plena civil (maioridade civil) se dá aos 21 anos e a maioridade penal se dá aos 18 anos.


1.3. DOMICÍLIO E RESIDÊNCIA
Domicílio – é a sede jurídica da pessoa, onde ela se presume presente para efeitos de direito. É o lugar pré-fixado pela lei onde a pessoa presumivelmente se encontra.
Residência - é uma situação de fato,
Domicílio da Pessoa Natural é o lugar onde a pessoa estabelece a sua residência com ânimo definitivo. A residência é, portanto, um elemento do conceito de domicílio, o seu elemento objetivo. O elemento subjetivo é o ânimo definitivo.


  • Algumas regras para se estabelecer o domicílio das pessoas naturais


Regra Básica  O domicílio da pessoa natural é o lugar onde ela estabelece sua residência com ânimo definitivo;
Elemento objetivo = a fixação a pessoa em determinado lugar
Elemento subjetivo = a intenção de aí fixar-se definitivamente.
Outras Regras:


  1. Pessoas com várias residências onde alternativamente vivam ou com vários centros de ocupação habitual:




  • domicílio é qualquer um deles;



  1. Pessoas sem residência habitual, nem ponto central de negócios

(Ex.: circenses)


  • domicílio é o lugar onde for encontrado;


Domicílios necessários e legais

a) dos incapazes  o dos seus representantes;


b) da mulher casadao do marido;
c) do funcionário público  o lugar onde exerce suas funções, não temporárias;
d) do militar  o do lugar onde serve;
e) dos oficiais e tripulantes da marinha mercante  o do lugar onde o navio está matriculado
f) do preso  o do lugar onde cumpre a sentença


Domicílio Contratual ou Foro de Eleição é o domicílio eleito pelas partes contratantes.

Domicílio das Pessoas Jurídicas 




  • A pessoa jurídica tem por domicílio a sede ou a filial, para os atos ali praticados.



  • No Brasil, prevalece a teoria da pluralidade de domicílios



1.4. PESSOA JURÍDICA
Conceito são entidades em que a Lei empresta personalidade, capacitando-as a serem sujeitos de direitos e obrigações. Não possuem realidade física.

  • Pessoa Jurídica de Direito Público

  • União; Estados; Municípios; Distrito Federal; Autarquias; Partidos Políticos;



  • Pessoa Jurídica de Direito Privado

  • Sociedades Civis, religiosas, científicas, literárias; Associações de Utilidade Pública; Fundações; Sociedades Mercantis.



Requisitos p/ a constituição da Pessoa Jurídica




  • vontade humana - “affectio” - se materializa no ATO DE CONSTITUIÇÃO que se denomina Estatuto (associações sem fins lucrativos), Contrato Social (sociedades civis ou mercantis) e Escritura Pública ou Testamento (fundações).




  • Registro - o ato constitutivo deve ser levado a Registro para que comece, então, a existência legal da pessoa jurídica de Direito Privado. Antes do Registro, não passará de mera “sociedade de fato”.




  • Autorização do Governo - algumas pessoas jurídicas precisam de AUTORIZAÇÃO DO GOVERNO para existir. Ex.: seguradoras, factoring, financeiras, bancos, administradoras de consórcio, etc.




  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   12


©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal