Deus na Natureza



Baixar 1,43 Mb.
Página1/11
Encontro22.12.2018
Tamanho1,43 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11



WWW.AUTORESESPIRITASCLASSICOS.COM

CAMILLE FLAMMARION


DEUS NA NATUREZA





ÍNDICE


Introdução
PRIMEIRA PARTE - A Força e a Matéria

CAPÍTULO 1 = POSIÇÃO DO PROBLEMA

CAPÍTULO 2 = O CÉU

CAPÍTULO 3 = A TERRA
SEGUNDA PARTE - A Vida

CAPÍTULO 1 = CIRCULAÇÃO DA MATÉRIA

CAPÍTULO 2 = A ORIGEM DOS SERES
TERCEIRA PARTE - A Alma

CAPÍTULO 1 = O CÉREBRO

CAPÍTULO 2 = A PERSONALIDADE HUMANA

CAPÍTULO 3 = A VONTADE DO HOMEM
QUARTA PARTE - Destino dos seres e das coisas

CAPÍTULO 1 = PLANO DA NATUREZA — CONSTRUÇÃO DOS SERES VIVOS

CAPÍTULO 2 = PLANO DA NATUREZA — INSTINTO E INTELIGÊNCIA
QUINTA PARTE - Deus

CAPÍTULO 1 = DEUS

Introdução


Destina-se esta obra a representar o estado atual dos nossos conhecimentos precisos, sobre a Natureza e o homem.

A exposição dos últimos resultados a que atin­giu a inteligência humana no estudo da Criação é, ao nosso ver, a verdadeira base sobre a qual se há-de fundar doravante toda a convicção filosó­fica e religiosa. Em nome das leis da razão, tão solidamente justificadas pelo progresso contemporâneo e por força dos inelutáveis princípios cons­tituintes da lógica e do método, pareceu-nos que só através das ciências positivas deveremos pros­seguir na pesquisa da verdade.

Se temos, de fato, a ambição de chegar pes­soalmente à solução do maior dos problemas; se estamos sôfregos de atingir, por nós mesmos, uma crença na qual encontremos repouso e pábulo de vida; se nos anima, ao demais, o legítimo desejo de transmitir ao próximo a consolação que já en­contramos; — não temamos nunca afirmá-lo ser na ciência experimental que devemos procu­rar os elementos de cognição, só com ela devendo marchar.

O cepticismo e a dúvida universal imperam no âmago de nossa alma e nosso olhar escrutador, que nenhuma ilusão fascina, vigila na cripta dos nossos pensamentos. Não nos despraz que assim seja. Não lastimemos que Deus não nos houvesse tudo revelado ao criar-nos, dando-nos contudo o direito de discutir. Essa prerrogativa do nosso ser é ótima em si mesma, como condição maior de pro­gresso. Mas, se o cepticismo nos atalaia vigilante, também a necessidade de crença nos atrai.

Pode­mos duvidar, certo, sem por isso nos isentarmos do insaciável desejo de conhecer e saber. Uma crença torna-se-nos imprescindível. Os espíritos que se vangloriam de não a possuírem são os mais ameaçados de cair na superstição ou de anular-se na indiferença.

O homem tem, por natureza, uma necessidade tão imperiosa de firmar-se numa convicção —, par­ticularmente quanto à existência de um coordena­dor do mundo e da destinação dos seres — que, quando não encontra uma fé satisfatória, experi­menta a necessidade de se demonstrar a si mesmo que esse Deus não existe e busca, então, repousar o espírito no ateísmo e no niilismo.

Diga-se, também, já não ser a questão que ora nos apaixona, a de sabermos qual a forma do Criador, o caráter da mediação, a influência da graça, nem discutir, tão-pouco, o valor de argumentos teológicos. A verdadeira questão é saber se Deus existe, ou não.

Note-se que, em geral, a negativa é patroci­nada pelos experimentalistas da ciência positiva, enquanto a afirmativa se ampara nos indivíduos estranhos ao movimento científico.

Qualquer observador atento pode, ao presente, apreciar no mundo pensante duas tendências dia­metralmente Opostas.

De um lado, químicos ocupados em tratar e triturar, nos seus laboratórios, os fatos materiais da ciência moderna, por lhes extrair a essência e quinta-essência, a declararem que a presença de Deus jamais se manifesta em suas manipulações.

Doutro lado, teólogos acocorados entre poei­rentos manuscritos de bibliotecas góticas compulsando, folheando, interrogando, traduzindo, compi­lando, citando e recitando versículos dogmáticos, e declarando com o anjo Rafael, que, da pupila esquerda à pupila direita do Padre-Eterno medeiam trinta mil léguas de um milhão de varas, cada qual equivalente a quatro e meia vezes o comprimento da mão.

Queremos crer que de ambos os lados haja boa fé, que os segundos, como os primeiros, este­jam animados do propósito de conhecer a verdade. Pretendem os primeiros representar a Filosofia do século 20, enquanto os segundos guardam, respei­tosos, a do século 15. Os primeiros, passam por Deus sem O ver, como o aeronauta que sulca o espaço celeste, enquanto os segundos focalizam um prisma que retrai a imagem, colorindo-a.

O observador imparcial e independente que pro­cura explicar-lhes suas tendências contrárias, adimi­ra-se de os ver obstinados no seu sistema particular e pergunta a si mesmo se será verdadeiramente impossível interrogar, de um modo direto, este vas­to Universo e chegar a ver Deus na Natureza.

Por nós, isento de qualquer sectarismo, sen­timo-nos à vontade em eqüacionar o problema. Diante do panorama da vida terrestre; no âmbito da Natureza radiosa à luz do Sol, beirando mares bravios ou fontes inúrmuras; entre paisagens de Outono ou florações de Abril; tanto quanto no silêncio das noites estreladas, temos procurado Deus. A Natureza, interpretada com a Ciência, foi quem nô-lo demonstrou num caráter particular. De fato, Ele está nela, visível, como a força íntima de todas as coisas. Temos considerado na Natureza as re­lações harmônicas que constituem a beleza real do mundo, e, na estética das coisas, encontrámos a manifestação gloriosa do pensamento supremo.

Nenhuma poesia humana se nos figurou com­parável à verdade natural, e o Verbo eterno nos falou com mais eloquência nas mais modestas obras da Natureza, do que o pudera fazer o homem com seus cantos mais pomposos.

Seja qual for a oportunidade dos estudos que este trabalho objetiva, não esperamos agradar a toda a gente, certo de haver muitos incapazes de acordar do seu sono, e outros tantos a quem longe estamos de lhes corresponder aos pendores.

Acusa-se de indiferentismo a nossa época. A acusação é merecida. Onde estão, com efeito, os corações palpitantes de puro amor à verdade? Em que alma — perguntamos — ainda reina a fé? Não diremos, já, a fé cristã, mas uma crença sin­cera, seja no que for. Onde se vão os tempos em que as forças da Natureza, divinizadas, recebiam homenagens universais?

Tempos nos quais o homem, contemplativo e deslumbrado, saudava com fervor a potência eterna e manifesta na Criação?

Que é feito daqueles tempos em que os homens eram capazes de derramar o sangue por um prin­cípio, quando as repúblicas tinham à sua testa um ideal e não um ambicioso?

Quem se lembra dos tempos em que o gênio de um povo, esculpido em Notre Dame, ou em São Pedro de Roma, ajoelhava-se e pedia, conchegado aos seus muros de pedra?

Que é feito da virtude patriótica dos nossos antepassados abrindo as portas do Panteão para acolher as cinzas dos heróis do pensamento, e re­legando à noite do olvido a falsa glória da ociosidade e das almas?

Não coremos de o confessar, já que temos a franqueza de suportar um tal aviltamento: saturados de egoísmo, nossa alma não alimenta outra ambição que a do interesse pessoal.

Riqueza cuja origem permanece equívoca, louros surpreendidos, antes que conquistados, uma doce quietação, uma profunda indiferença pelos princípios, quem não verá nisso o nosso galardão? A parte, contudo, fora do mundanismo empolgante e rumoroso, vivem os que não se conformam em baixar a fronte dian­te da hipocrisia. Esses, trabalham na solidão e esquadrinham em silenciosa meditação os abismos da Filosofia e, se se mantêm fortes, é porque não se atrofiam ao contacto das sombras. Na verdade, é um contraste penoso de assinalar, quando vemos que o progresso magnífico, sem precedentes, das ciências positivas; que a conquista sucessiva do homem sobre a Natureza, ao mesmo tempo que tão alto nos elevaram a inteligência, deixaram res­valar o sentimento a níveis tão baixos. Doloroso, sentir que, enquanto por um lado a inteligência mais demonstra a sua capacidade, extingue-se por outro lado o sentimento, e a vida íntima da alma mais se embota na geena da carne.

A causa da nossa decadência social (passageira, de vez que a História não pode mentir a si mesma) deve-se à nossa falta de fé. A primeira hora deste nosso século marcou o derradeiro alen­to da religião de nossos pais. Baldos serão quais­quer esforços de restauração e reconstrução. Tudo o que se fizer não passará de simulacro, pois o que está morto não pode ressurgir. O sopro de uma revolução imensa passou sobre as nossas ca­beças deitando por terra nossas velhas crenças, mas, entretanto, fecundando um mundo novo.

Estamos, ao presente, atravessando a fase crí­tica que precede a toda renovação. O mundo pro­gride. É em vão que homens políticos e homens eclesiásticos imaginam, cada qual do seu lado, pros­seguir na representação do passado, num proscênio em ruínas. Impossível impedir que o progresso nos conduza a todos para uma fé superior, que ainda não possuímos, mas para a qual já caminhamos. E essa fé, não será outra que a convicção cientí­fica da existência de Deus; numa escalada à ver­dade pelo estudo da Criação.

É preciso ser cego, ou ter interesse em ilu­dir-se a si e aos outros (quantos neste caso se encontram!), para não ver e não ajuizar a nossa atualidade pensante. Foi por ter a superstição matado o culto religioso, que nós o menosprezámos e abandonámos. E foi porque as características do verdadeiro se nos revelaram mais claramente, que a nossa alma aspira a um culto mais puro. E não foi senão por se haverem afirmado diante de nós os imperativos da justiça, que hoje reprovamos institutos bárbaros, tais como a guerra, que, ainda recentemente, recebia a homenagem dos homens. É, enfim, porque o pensamento rompeu os grilhões que o prendiam à gleba, que não mais admitimos, de boamente, quaisquer tentativas que nos aproximem de qualquer espécie de servilismo. Nada obstante, há em tudo, e sempre, um progresso. Na incerteza, porem, em que ainda permanecemos, en­tre as perturbações que nos agitam, a maior parte dos homens, ao perceberem que as suas impres­sões e tendências esbarram fatalmente na inércia do passado, ou se afastam silenciosos se lhes so­bra força e coragem de o fazerem, ou se deixam arrastar na corrente geral, pela atração vigorosa da fortuna. É nas épocas críticas que as lutas se intensificam, intermitentes, sobre os eternos problemas cuja forma varia à feição dos tempos, a revestirem-se de um aspecto característico.

Nesta nossa época de observação e experimentação, os materialistas procuram apoiar-se em trabalhos cien­tíficos, e pretendem deduzir da ciência positiva o seu sistema.

Os espiritualistas, em geral, acredi­tam, ao invés, poderem pairar acima da esfera experimental e assomar aos píncaros da razão pura. Ao nosso ver, o espiritualismo para triunfar deve medir-se com o adversário no mesmo terreno e com as mesmas armas deste. Ele não perderá nada do seu caráter, condescendendo em baixar à arena, e nada terá a recear nessa justa com a ciência experimental.

As lutas empenhadas e os erros a combater, longe estão de se tornarem perigosos para a causa da verdade. Com o exigirem um exame mais rigo­roso das questões versadas, essas lutas nos ense­jam a preparação de uma vitória mais completa.

A Ciência não é materialista, nem pode servir ao erro. Como, e porque, pois, haveriam de temê-la o espiritualismo e a verdadeira religião? Duas ver­dades não se podem opor a uma terceira.

Se Deus existe, sua existência não poderia ser suspeitada nem combatida pela Ciência.

Para nós, temos a convicção íntima de que, muito pelo contrário, no estabelecimento de conhe­cimentos exatos sobre a construção do Universo, sobre a vida e o pensamento, propicia-se atual­mente o único método eficiente ao aclaramento do problema. Só assim poderemos saber se devemos admitir a soberania da matéria universal, ou se importa reconhecer uma inteligência organizadora, um plano e um destino imanentes.

Tal, pelo menos, a forma por que o debate se nos apresenta e impõe à mente, neste nosso trabalho.

Esperamos que esta tentativa de versar a exis­tência de Deus pelo método experimental aproveite ao progresso de nossa época, por estar de acordo com as suas tendências características.

Ficaremos satisfeito se a leitura deste livro deixar cair uma fagulha luminosa nos espíritos indecisos. Mais, ainda, se depois de haver meditado fundo estes nossos estudos, alguma fronte se le­vantar cônscia de sua legítima dignidade.

Se, regra geral, os ideólogos franceses não têm aplicado o método científico aos problemas da filosofia natural, em compensação alguns sábios tra­taram o assunto do ponto de vista das relações gerais manifestadas no mundo, e que lhe consti­tuem a unidade viva. Com prazer assinalamos, en­tre as obras deste gênero, os diversos trabalhos do Sr. A. Langel, aqui mesmo utilizados várias vezes.

Problemas da Natureza e problemas da vida não conduzem eles, efetivamente, ao máximo problema? Examinar as forças ativas no organismo universal, não será o mesmo que examinar as diversas mo­dalidades da força essencial e original?

As investigações que focalizam o estudo da Natureza podem aproveitar à Filosofia com maior segurança, às vezes, do que os tratados ou os diti­rambos especialmente consagrados à Metafísica. Os próprios escritos dos senhores Moleschott e Büchner nos ofereceram elementos de refutação.

A circulação da vida, qual a expõe o primeiro, mostra na vida uma força independente e trans­missível, dirigindo os átomos, mediante leis deter­minadas e conforme o tipo das espécies. O exame da Força e da Matéria estabelece, por outro lado, a soberania da Força e a inércia da Matéria.

Sendo a Força e a extensão os primeiros princí­pios do conhecimento, e sendo a Filosofia a ciência dos princípios, poderia esta obra ser considerada antes como um estudo filosófico, se não houvéssemos resolvido limitar-nos a uma discussão pura­mente científica. Este, efetivamente, o seu fim precípuo e que, por bem dizer, oferece mais atrativos, mau grado à aridez aparente do trabalho.

Pensamos que o único meio eficaz de combater o negativismo contemporâneo é voltar contra ele o materialismo científico e utilizar as suas próprias armas para derrotá-lo.

Esse discrime compete antes à Ciência que àFilosofia.

A Ideologia, a Metafísica, a Teologia, mesmo a Psicologia, dele se afastaram quanto possível.

Nós não razoamos com palavras, mas com fatos.

As verdades significativas da Astronomia da Física e da Química, como da Fisiologia, são, de si mesmas, as defensoras intrépidas da realidade essencial do mundo.

Por mais difícil que à primeira vista pareça a refutação científica do Materialismo contemporâneo, nossa posição é belíssima, desde que nos colo­camos no mesmo plano dos nossos adversários.

E nesta guerra eminentemente pacífica, estamos de

antemão seguros da vitória.

Basta-nos, com efeito, de vez que o inimigo está em falsa posição, descobrir a fraqueza dessa posição e desequilibrá-lo.

O método é simples e infalível, tão seguro que não o escondemos: deslocado o centro de gravida­de, sabe qualquer mecânico que o individuo colhido de surpresa cai, imediatamente, a procurá-lo no solo. Eis o quadro que se nos vai deparar. Críticos houve que pretenderam ver em nosso método laivos de sorriso e um tanto de ironia.

Não podemos ser juiz em causa própria, mas, ainda que a acusação tivesse fundamento, não nos caberia culpa alguma e sim, e só, aos acontecimen­tos, nos quais o grotesco teria momentaneamente empanado o sério, graças aos adversários tantas vezes arrastados ás consequências mais curiosas.

Referindo-nos à forma, devemos pedir ao leitor acredite, que, se por acaso tratarmos mais asperamente um que outro adversário, não é a nós que a falta deve ser imputada, visto não utilizarmos esses recursos extremos senão nos casos (muito frequentes talvez para eles) em que os adversários se obstinam em não se deixarem vencer. Somos, então, bem a nosso pesar, levados a feri-los com uma tática mais rude, forçando-os a convir, pelos argumentos irresistíveis do mais forte, que são eles de fato os mais fracos nesta guerra de princípios.

De resto, não há necessidade de acrescentar que são sempre esses princípios que atacamos, e nunca a personalidade dos que os advogam. Assim, considerando-se a índole mesma da questão, exclusas ficam as pessoas do campo de batalha.

Além disso, em consciência, não acreditamos pratiquem os adversários o materialismo absoluto — o dos seus interesses e das paixões egoístas e, portanto, não temos outra intenção que discutir as suas teorias.

Dividiremos nossa argumentação geral em cin­co partes, no intuito de demonstrar em cada uma a proposição diametralmente contrária à sustentada pelos eminentes advogados do ateísmo.

Assim, na primeira, lidaremos por estabelecer, preliminarmente, pelo movimento dos astros e depois pela observação do mundo inorgânico terrestre, que a Força não é atributo da Matéria, mas, ao contrário, a sua soberana, a sua causa diretora.

Na segunda parte, verificaremos, pelo estudo fisio­lógico dos seres, que a vida não é propriedade for­tuita das moléculas que a compõem e sim uma força especial a governar átomos, conforme o tipo das espécies. O estudo da origem e progressão das espécies também aproveitará à nossa doutrina.

Na terceira parte observaremos, examinando as rela­ções do pensamento com o cérebro, que há no ho­mem algo mais que a matéria, e que as faculdades intelectuais distinguem-se das afinidades químicas. A personalidade da alma afirmará o seu caráter e a sua independência.

A quarta evidenciará em a Natureza um plano, uma destinação geral e particular, um sistema de combinações inteligentes, no seio das quais o olhar desprevenido não pode dei­xar de admirar, mediante sadia concepção das cau­sas finais, o poder, a sabedoria e a previdência que coordenam o Universo.

A quinta parte, enfim, como centro de conver­gência das vias precedentes, nos colocará na posi­ção científica mais favorável para julgar simultaneamente a misteriosa grandeza do Ente Supremo e a cegueira inconteste dos que fecham os olhos para se convencerem de que Ele não existe.

O verdadeiro título desta obra deveria ser: — “A contemplação de Deus através da Natureza”.

alguns anos que se anuncia, como estando no prelo, este trabalho, e nós lhe temos modificado várias vezes o título, que, de início era puramente científico. (Da Força, no Universo.)

Acabamos, finalmente, por nos fixarmos neste. Sem dúvida, um título não tem essencial importância para que o autor se explique tão formalmente a respeito.

Mas, no caso vertente, julgamos útil declarar desde logo que todos quantos vissem nas quatro palavras da capa a expressão de uma doutrina, errariam completamente. Aqui não há panteísmo, nem dogma. Nosso objetivo é expor uma filosofia positiva das ciências, que, em si mesma, comporta uma refutação não teológica do materialismo con­temporâneo. É, talvez, imprudentíssima ousadia o tentar assim uma senda isolada, entre os dois ex­tremos, que sempre aliciaram poderosos sufrágios; mas, de vez que nos sentimos impelidos e susten­tados por uma convicção particular, tanto quanto por ardente amor a um novo aspecto da verdade, podemos, porventura, resistir ao impulso interior que nos inspira?

Ao leitor compete examinar a obra e decidir se alguma ilusão nos seduz e se nos oculta, sob o prestigio da verdade.

Não podemos, todavia, eximir-nos de confessar que, desde que lemos em Augusto Comte que a Ciên­cia aposentara o Pai da Natureza e acabava de »re­conduzir Deus às suas fronteiras, agradecendo os seus serviços provisórios” — sentimo-nos algo ofen­didos com a vaidade do deus-Comte, e nos deixamos empolgar pelo prazer de discutir o fundo científico de semelhante pretensão.

Verificamos, então, que o ateísmo científico éum erro e que a ilusão religiosa é outro erro. (De passagem digamos, o Cristianismo nos parece ainda esotérico.) Nossos atuais conhecimentos da Natu­reza e da vida nos representaram a idéia de Deus sob um prisma cujo valor a teodiceia, como o ateís­mo, não podem menosprezar.

Aos nossos olhos, o homem que nega simples­mente a existência de Deus e o que definiu esse Desconhecido e lhe debita em conta a explicação embaraçante, são ambos criaturas ingênuas, equi­valentes na erronia.

Mas, também não compete nos engajarmos aqui assim no método antinômico, e, sobretudo, não que­remos revestir-nos de aparências misteriosas.

Entremos, portanto, sem mais detença no âma­go do assunto, declarando que nos esforçamos por explanar com a mais sincera independência o que acreditamos ser a verdade.

Possam estes estudos ajudar a escalada, na trilha do conhecimento, a quantos tomam a sério a sua passagem pela Terra e o progresso da Hu­manidade.
Paris, Maio 1867.

PRIMEIRA PARTE
A Força e a Matéria

1

POSIÇÃO DO PROBLEMA

SUMÁRIO — Papel da Ciência na sociedade moderna. — Sua potência e grandeza. — Seus limites e tendências a ultrapassá-los. — As ciências não podem dar ne­nhuma definição de Deus. — Processo geral do ateísmo contemporâneo. — Objeções à existência divina, infe­ridas da imutabilidade das leis e da íntima União entre a força e a matéria. — Ilusão dos que afirmam OU negam. — Erros de raciocínio. — A questão geral resu­me-se em estabelecer as relações recíprocas da força e da substância.
O século que vivemos está desde já inscrito com caracteres indeléveis nas páginas da História. A partir dos mais remotos tempos, das velhas civilizações, nenhuma época viu, qual a nossa, esse magnífico despertar do espírito humano, para simultaneamente afirmar os seus direitos e a sua força. O mundo já não é o vale de lágrimas me­dieval, onde a alma vinha expiar a falta do primitivo pai e, confundindo-se no isolamento e na oração, acreditava conquistar um lugar no paraíso, ciliciando o corpo e cobrindo-se de cinzas.

Os frutos da inteligência já não atestam as longas, abstrusas e infindáveis discussões de esté­ril metafísica, construí das de palitos e escoradas em sutilezas escolásticas, a que se entregaram cegamente poderosos gênios, consagrando-lhes uma preciosa vida de estudos e despercebidos de assim perderem não apenas o seu tempo, mas o de algu­mas gerações.

Lá, onde em murados claustros se concentra­vam monjes e oratórios, ouve-se agora o ruido das máquinas, o ranger das engrenagens e o silvo do vapor das caldeiras combustas.

Se as instituições monásticas tiveram o seu papel no período das invasões bárbaras, nem por isso deixou de soar a sua hora extrema, como su­cede a todas as coisas perecíveis: o trabalho fecundo do operário e do agricultor substitui a deca­dência senil pela juvenilidade operosa e fecunda.

No anfiteatro das Sorbonnes, onde se discu­tiam exaustivamente os seis dias da Criação, as línguas de fogo da Pentecoste, o milagre de Josué, a passagem do Mar Vermelho, a forma da graça atual, a consubstancialidade, as indulgências par­ciais ou plenárias, etc., etc., e mil assuntos outros difíceis de profundar, vemos hoje instalar-se o la­boratório químico, no ambiente do qual a Matéria se faz docilmente pesar e mensurar; a mesa do anatomista, sobre cujo mármore se desvendam o mecanismo orgânico e as funções vitais; o micros­cópio do botânico, que surpreende os primeiros, os­cilantes passos da esfinge da Vida; o telescópio do astrônomo, que deixa entrever, para além dos céus transparentes, o movimento majestoso dos sóis gi­gantescos, regulados pelas mesmas leis que acionam a queda de um fruto; a cátedra de ensinamento experimental, à volta da qual as inteligências po­pulares vêm grupar suas filas atentas.

O próprio globo terrestre transformou-se. Cir­cunavegaram-no, mediram-no, e já não haverá Car­los Magnos que pretendam enfeixá-lo na mão, O compasso do geômetra destituiu o cetro imperial.

Oceanos e mares, em todas as latitudes, fen­dem-se ao impulso das quilhas levadas por velas pandas, ou pela rotação das hélices potentes e tre­pidantes.

Também — dragão flamívomo — a locomotiva percorre célere os continentes e, graças ao telé­grafo, podemos falar de um a outro hemisfério. O vapor deu vida nova e inesperada a inúmeros motores; a eletricidade nos permite auscultar, num momento e de conjunto, as pulsações da Humani­dade inteira.

Certo, a Humanidade jamais conheceu fase como esta; jamais se repletou em seu seio, de tan­ta vida e tanta força; jamais seu coração enviou, com tamanha pujança, a luz e o calor às mais longínquas artérias. Nem nunca o seu olhar se ilu­minou de um tal clarão. Por mais vastos que se deparem os progressos ainda conquistáveis, nossos descendentes serão sempre forçados a reconhecer que a Ciência deve à nossa época o estribo do seu Pégaso e que, embora engrandecendo-se e vendo o Sol ascender ao zênite, brilhante não lhes fora o dia se o não precedera a nossa aurora.

Mas, o que à Ciência outorga força e poder, convém sabê-lo, é ter por base de estudo elemen­tos determinados, que não abstrações e fantasmas. Assim é que, na Química, ela investe com o volume e peso dos corpos, examina-lhes as combinações, determina-lhes as relações; na Física, investiga-lhes as propriedades, observa-lhes as relações e as leis que as regem; na Botânica, aborda o estudo das primeiras condições da vida; na Zoologia, acompanha as formas existenciais e registra as funções orgânicas peculiares, os princípios da circulação da matéria nos seres vivos, sua manutenção e meta­morfoses; na Antropologia, constata as leis fisiológicas em atividade no organismo humano e deter­mina o papel dos diversos aparelhos que o com­põem; na Astronomia, inscreve o movimento dos corpos celestes e daí deduz a noção de leis directi­vas universais; e na Matemática, finalmente, formu­la essas leis e reconduz à unidade as relações numé­ricas das coisas.

Essa exata determinação de objetivo dos seus estudos é que dá valor e autoridade à Ciência. Aí temos como e porque a Ciência se engrandece. Mas, esses títulos também lhe acarretam um imperioso dever. Se, deslembrada dessa condição de poderio ela se desvia desses objetivos fundamentais para divagar no vácuo imaginário, perde simultânea-mente o seu caráter e a sua razão de ser.

E, desde então, os argumentos que pretende impor, nesses domínios exorbitantes do seu alcance e finalidades, deixam de ter valor científico, e mais ainda do que isso, porque ela se desqualifica e já não pode reivindicar o nome de ciência. Torna-se, por assim dizer, em soberana que acaba de abdicar e não é mais a ela que se ouve, mas aos sábios que peroram, o que nem sempre é a mesma coisa. E estes sábios, seja qual for o seu valor, já não serão mais intérpretes da Ciência, uma vez operando fora da sua esfera.

Ora, esta é, precisamente, a situação dos de­fensores do Materialismo contemporâneo, aplicando a Astronomia, a Química, a Física, a Fisiologia, a problemas que elas não podem resolver. E note-se que tais sábios não só constrangem essas ciências a responderem a problemas que lhes escapam à alçada, como ainda as torturam, quais pobres ser­vas, para que confessem a seu mau grado, e fal­samente, proposições de que jamais cogitaram. São, assim, inquisidores do fato, e não da palavra. Mas, dessarte, não é a Ciência, é um simulacro de ciência que manejam.

Nas seguintes controvérsias, demonstraremos que esses cientistas se encontram absolutamente fora da Ciência, que se enganam e nos enganam, que os seus raciocínios, deduções e consequências são ilegítimos, e que no seu louco amor por essa virginal ciência eles a comprometem simplesmente e chegariam a lhe alienar de todo a estima pública, se não houvesse o cuidado de mostrar que, ao in­vés da realidade, eles não possuem dela mais que uma ilusória sombra.

A circunstância mais penosa e a razão predo­minante que nos impelem a protestar contra as explorações de um falso rótulo, radicam-se ao fato de estarmos vivendo um tempo em que se sente, ou pelo menos se pressente, universahnente, o pa­pel e a finalidade da Ciência. Compreende-se que, fora dela, é que não há salvação, e que a Huma­nidade tanto tempo balouçada no oceano do igno­rantismo, só tem um porto a proejar — o da terra firme do saber. Também por isso, o espírito pú­blico se volta, convicto e esperançoso, para a Ciên­cia. Tantas provas de seu poder e riqueza tem ele recebido, de um século a esta parte, que se pre­dispôs a acatar-lhe, com simpatia e reconhecimento, todos os ensinos e teorias. Mas, nisso está, precisamente uma armadilha para o Espiritualismo. É que um certo número de cultores da Ciência, que a representam ou que se fazem dela intérpretes, ensinam falsas e funestas doutrinas.

Os espíritos sôfregos e despercebidos, que pro­curam em seus livros os conhecimentos de que necessitam, absorvem neles um tóxico pernicioso e suscetível de lhes destruir no âmago uma parte dos benefícios do saber.

Eis porque se impõe sobrestar um tão deplorá­vel arrastamento, aliás, tendente a universalizar-se.

Eis porque se torna absolutamente indispensá­vel discutir essas doutrinas e demonstrar que longe estão elas de entrosar na Ciência, com tanto rigor e facilidade, quanto pregoam, mas, ao invés, que são o produto grosseiro de pensamentos sistemáticos, que, perpêtuamente voltados sobre si mes­mos, têm a ilusão de se crerem fecundados pela Ciência, embora do radioso sol que ela simboliza não hajam recebido mais que um tênue raio des­viado de sua direção natural.

Há umas tantas questões profundas que, no curso da vida humana, nas horas de silêncio e solitude, se nos apresentam como outros tantos pon­tos de interrogação, inquietantes e misteriosos.

Tais os problemas da existência da alma, do seu futuro destino, da existência de Deus e das suas relações com a Criação.

Vastos e imponentes problemas, estes nos en­volvem e dominam em sua imensidade, pois senti­mos que nos aguardam e, na ignorância deles, não poderemos razoàvelmente alienar um tal ou qual temor do desconhecido.

Assim é que, já o dizia Pascal, um desses pro­blemas — o da mortalidade da alma — é tão importante, que é preciso haver perdido toda a cons­ciência para ficar indiferente ao conhecimento de si mesmo. O mesmo se poderá dizer quanto à exis­tência de Deus. Quando meditamos essas verdades, ou apenas na possibilidade da sua existência, elas nos aparecem sob aspecto tão grandioso que a nós mesmos interrogamos como podem criaturas inteligentes, seres racionais, pensantes, entregar-se uma vida inteira a Interesses transitórios, sem se abs­trairem uma que outra vez da sua apatia para aten­der a essas interrogativas preciosas.

Se é verdade, qual o temos observado, que há neste mundo homens absolutamente indiferentes, que jamais sentiram a magnitude desses proble­mas, menos não é que eles nos inspiram verda­deira piedade. Aqueles que, no entanto, mais agra­vam a bruteza da indiferença e, de caso pensado, desdenham alçar-se ao nível destes assuntos Im­portantes, preferindo-lhes os doces gozos da vida material, esses, — declaramo-lo alto e bom som —nós os deixamos sem pesar, entregues à sua inércia, para considerá-los fora da esfera intelectual.

O problema da existência de Deus é primacial a todos. Nem por outro motivo é que, contra ele, se assestam as principais, as mais possantes bate­rias do Materialismo que nos propomos combater. Pretende-se provar, com a ciência positiva, a ine­xistência de Deus e que uma tal hipótese não passa de aberração da inteligência humana. Um grande número de homens sérios, convencidos do valor desses pretensos raciocínios científicos, enfileira­ram-se ao redor desses inovadores recidivos, en­grossando desmesuradamente as hostes materialis­tas, primeiro na Alemanha e depois na França, na Inglaterra, na Suíça e na própria Itália.

Ora, nós não tememos dizer que, mestres ou discípulos, quantos se apóiam em testemunhos da ciência experimental para concluir que Deus não existe, cometem a mais grave inconsequência.

Acusando-os dessa erronia, haveremos de jus­tificar-nos, ainda que os incriminados possam, sob outro prisma, ser considerados homens eminentes e respeitáveis. De resto, é mesmo em nome da ciência experimental que vimos combatê-los.

Deixamos de lado toda a ciência especulativa e colocamo-nos, exclusivamente, no mesmo terreno dos adversários.

Não pensamos com Demócrito que, vazar os olhos, para evitar as seduções do mundo exterior, seja o melhor meio de cultivar frutuosamente a Filosofia, e, muito pelo contrário, permanecemos firmes na esfera da observação e da experiência.

Nessa posição, declaramos que por um lado não se prende imediatamente à existência de Deus, mas, por outro lado, desde que venhamos aplicar ao problema os atuais conhecimentos científicos, longe de conduzirem à negativa, afirmam eles a in­teligência e sabedoria das leis da Natureza.

A elevação para Deus, mediante o estudo cien­tífico da Natureza, nos mantém em situação equi­distante dos dois extremos, isto é: — dos que negam e dos que se permitem definir, simploriamente, a causa suprema como se houveram sido admitidos ao seu concelho. Assim, com as mesmas armas, com­batemos duas potências opostas: — o materialismo e a ilusão religiosa.

Pensamos que é igualmente falso e perigoso crer num Deus infantil, quanto negar uma causa primária.

Em vão se nos objetará não podermos afirmar a existência de uma entidade que não conhecemos. Precatemo-nos de presunções que tais. Certo, não conhecemos Deus, mas, sem embargo, sabemos que existe. Também não conhecemos a luz e sabemos que ela irradia das alturas celestes. Tão-pouco, conhecemos a vida e sabemos que ela se desdobra em esplendores na superfície da Terra.

Longe estou de crer — dizia Goethe a Ecker­mann — que tenha uma exata noção do Ser supremo. Minhas opiniões, faladas ou escritas, resu­mem-se nisto: Deus é incompreensível e o homem não tem a seu respeito mais que uma noção vaga e aproximativa. De resto, toda a Natureza, e nós com ela, somos de tal modo penetrados pela Di­vindade que dela nos sustentamos, nela vivemos, respiramos, existimos. Sofremos ou gozamos em conformidade de leis eternas, perante as quais re­presentamos um papel ativo e passivo ao mesmo tempo, quer o reconheçamos, quer não. A criança regala-se com o bolo, sem cogitar de quem o fêz, o pássaro belisca a cereja, sem imaginar como a mesma se formou. Que sabemos de Deus? E que significa, em suma, essa íntima intuição que temos de um Ser supremo? Ainda mesmo que, a exemplo dos turcos, eu lhe desse cem nomes, ficaria infinita­mente abaixo da verdade, tantos são os seus inu­meráveis atributos... Como o Ente supremo, a que chamamos Deus, manifesta-se não só no homem como no âmbito de uma Natureza rica e poten­te quanto nos grandes acontecimentos mundiais, a idéia que dele se faz é, evidentemente, exígua.”



A idéia que os antepassados formavam de Deus, em todas as épocas, sempre esteve de acordo com o grau de ciência sucessivamente adquirido pela Humanidade. Tal como o saber humano, essa idéia é variável e deve, necessàriamente, progredir, pois, seja como for, cada uma das noções que consti­tuem o patrimônio da inteligência deve seguir a par com o progresso geral, sob pena de ficar dis­tanciada.

No conjunto de um sistema em movimento, toda a peça que se obstinasse em estacionar, recua­ria realmente. Em nossos dias, já não é admissí­vel dizer-se, dogmàticamente, que tal ou tal noção é perfeita e deve guardar o ataque da infalibilidade: ou se faz, ou se não faz parte da marcha progressiva do espírito. No primeiro caso, importa acompanhá-lo integralmente e, no segundo, há que confessar-se em atraso. Eis o que precisa ficar bem claro.

Digamo-lo francamente: em ciência experimen­tal, Deus não pode ser admitido a priori e muito menos a destinação, ou finalidade, que presumimos apreender nas obras da Natureza.

As doutrinas apriorísticas caducaram, já se não admitem.

Confessemo-nos com os materialistas e per­guntemos se os que tomaram Deus e não a Natureza como ponto de partida explicaram, algum dia, as propriedades da matéria ou as leis que gover­nam o mundo. Puderam eles dizer-nos da mobi­lidade ou imobilidade do Sol? — se a Terra era plana ou esférica? — quais os desígnios de Deus, etc.? Absolutamente. Mesmo porque, seria impos­sível. Partir de Deus para investigação e exame da Criação é processo baldo de nexo e de sentido. Esse precário método para estudar a Natureza e inferir consequências filosóficas, no pressuposto de poder, com uma simples teoria, construir o Universo e fixar as verdades naturais, desacreditou-se, felizmente, há muito tempo.

Mas, pelo fato de havermos substituído a hipó­tese precedente pelos resultados do exame a pos­teriori, segue-se que devamos fechar os olhos e negar a inteligência, a sabedoria, a harmonia re­veladas pela própria observação? Haverá motivo para repudiar toda e qualquer conclusão filosófica e ficar a meio caminho, temerosos de atingir o fim? E deveremos, por isso, rendermo-nos aos cép­ticos contemporâneos que, sem embargo de evi­dência, rejeitam toda luz e toda conclusão?

Pensamos que não. Muito ao contrário, pelo método que preconizam, constatamos as suas recusas e inconsequências.

Antes de qualquer controvérsia, importa deter­minar as posições recíprocas, por evitar mal-enten­didos, esperando nós que as declarações precedentes bastem para esclarecer categoricamente a nossa atitude.

Combateremos francamente o materialismo, não com as armas da fé religiosa, não com os argu­mentos da fraseologia escolástica, não com as au­toridades tradicionais, mas pelos raciocínios que a contemplação científica do Universo inspira e fe­cunda.

Examinemos preliminarmente, num lanço-de-olhos, de conjunto, o processo geral do ateísmo hodierno.

Esse processo assemelha-se sensívelmente ao de que se utilizou o barão de Holbach, nos fins do século passado, para fundamentar o seu famoso Sistema da Natureza, obra de um materialismo vulgar, para a qual achava Goethe não haver su­ficiente desprezo e costumava averbar de — “legí­tima quintessência da senectude, inepta e insulsa”. O novo processo, mais exclusivamente científico, todavia, consiste principalmente em declarar que as forças que dirigem, não dirigem o mundo, isto é: que em vez de governarem a matéria, antes se lhe escravizam e que é a matéria (inerte, cega, desprovida de inteligência) que, movendo-se de si mesma, se governa mediante leis, cujo alcance ela não pode, todavia, apreciar.

Pretendem os nossos materialistas atuais que a matéria existe de toda a eternidade, revestida de umas tantas propriedades, de certos atributos e que essas propriedades qualificativas da matéria bastam para explicar a existência, estado e con­servação do mundo.

Dessarte, substituem um Deus-espírito por um Deus-matéria.

Ensinam que a matéria governa o mundo e que as forças químicas, físicas, mecânicas, não passam de qualidades.

Para refutar um tal sistema, há que tomar, por conseguinte, o partido contrário e demonstrar um Deus-espírito, antes que um Deus-matéria, in­compreensível, a reger a matéria; estabelecer que a substância é escrava antes que proprietária da força; provar que a direção do mundo não cabe às moléculas cegas que o constituem, mas a forças sob cuja ação transparecem as leis supremas.

Fundamentalmente, o problema se resume nes­ta demonstração e nós esperamos que ela ressal­tará brilhante dos estudos objetivados neste nosso trabalho.

E de vez que os adversários se apóiam em legítimos fatos científicos para estabelecer o erro, cumpre-nos contrabatê-los com esses mesmos fatos.

A bem dizer, ainda que se demonstrasse que o Universo não é mais que um mecanismo material, cujas forças não se conjugam a um motor, mas remontam a matéria, subindo e descendo in­cessantes num sistema de motilidade perpétua, nem por isso a causa divina estaria perdida.

Contudo, desde os primórdios da Filosofia, a partir de He­ráclito e Demócrito, o sistema mecânico do mundo constituiu-se o refúgio e o argumento dos ateus, enquanto o sistema dinâmico albergava e escorava os espiritualistas.

Nós, por princípio, filiamo-nos à concepção di­nâmica e combatemos o sistema incompleto de um mecanismo sem construtor. Muito judiciosamente, diz Caro: (1) — por um lado o mecanismo tudo explica, mediante combinações e agrupamentos de átomos eternos. Todas as variedades de fenôme­nos, o nascimento, a vida, a morte, mais não são que o resultado mecânico de composições e decom­posições,
(1) La Philosophie de Goethe, capítulo 6º.
a manifestação de sistemas atômicos que se reúnem e se separam.

O dinamismo, ao contrário, subordina todos os fenômenos e todos os seres à idéia de força.

O mundo é a expressão, seja de forças opostas e har­moniosas entre si, ou seja de uma força única, cuja metamorfose perpétua engendra a universalidade dos seres.

Pode constatar-se que, não obstante ser a ex­plicação secundária das coisas, até certo ponto, in­dependente da primária, ou metafísica, a História atesta o fato constante de uma afinidade natural: de um lado, entre a explicação mecânica e a hipó­tese supressiva de Deus; e de outro lado, entre a teoria dinâmica e a hipótese que diviniza o mundo em seu princípio.

A teoria mecânica, estabelecendo a pura ne­cessidade matemática nas ações e reações que for­mam a vida do mundo, é incompleta, por isso que suprime a causa e dissipa em névoa o mundo mo­ral. A teoria de uma força única, universal, sem­pre atual e formando a variedade dos seres pelas suas metamorfoses, ajusta essa misteriosa univer­salidade a uma força primordial.

Poder-se-ia, portanto, acusar simplesmente o processo geral dos nossos contraditores de um erro gramatical, atribuindo à matéria um poder só ca­bível à força, e pretendendo não passar esta de mero adjetivo qualificativo, quando lhe cabem os mesmos direitos daquela, na classe dos substantivos.

Examinemos agora, nesta mesma visada de conjunto, quais os grandes erros que marcham de paralelo e sustentam essa conduta e que havemos de encontrar sob várias formas, no curso das nos­sas contraditas.

O primeiro erro geral de que abusam os ma­terialistas é imaginarem que, pelo fato de existir Deus, importa atribuir-lhe uma vontade caprichosa e não constante e imutável, em sua perfeição.

Ersted, por exemplo, sábio escrutador do mun­do físico, exprimiu sensatamente as relações de Deus com a Natureza, dizendo que “o mundo é governado por uma razão eterna, cujos efeitos se manifestam nas leis da Natureza”.

O Dr. Büchner opõe a esse conceito a seguinte especiosa objeção: — “Ninguém poderia compreen­der como uma razão eterna, que governa, se con­forme com leis imutáveis. Ou são as leis naturais que governam, ou é a razão eterna. Que umas ao lado de outras entrariam, a cada instante, em colisão. Se a razão eterna governasse, supérfluas se tornariam as leis naturais, e se, ao revés, gover­nam as leis imutáveis da Natureza, elas excluem toda intervenção divina.” — “Se uma personali­dade governa a matéria num determinado sentido — opina Moleschott — desaparece da Natureza a lei da necessidade. Cada fenômeno se torna par­tilha de jogo do acaso e de uma arbitrariedade sem pelas.”

Havemos de convir que esta grave objeção é singularissima.

É um raciocínio extravagante que cai pela base. A nós nos parece, pelo contrário, que a inteligência notória nas leis da Natureza demonstra, no mínimo, a inteligência da causa a que se devem essas leis, que são, elas mesmas, precisamente a expressão imutável dessa inteligência eterna.

E não será algo ridículo pretender que essa causa deixe de existir, pelo motivo do íntimo acor­do com essas mesmas leis?

Vejamos, por exemplo, um excelente harpista: a sua virtuosidade é tão perfeita que os acordes frementes parecem-nos identificados com a poesia da sua alma! Diremos, então, que essa alma não existe, visto que para lhe admitir existência fora preciso que ela estivesse eventual e arbitrariamente em desacordo com as leis da Harmonia! Essa maneira de raciocinar é tão falsa que os próprios autores que a utilizam são os primeiros a reconhecê-lo implicitamente. Assim é que Büchner, referindo-se a milagres e ao fato de haver o clero inglês solicitado a decretação de um dia de jejum e de preces para conjurar a cólera, elogia Palmara­ton por haver respondido que o surto epidêmico dependia mais de fatores naturais, em parte co­nhecidos, e poderia melhor jugular-se com provi­dências sanitárias, antes que com preces.

Muito bem! O autor, melhor ainda, acrescenta: “Essa res­posta lhe acarretou a pecha de ateísmo e o clero declarou pecado mortal não crer pudesse a Provi­dência transgredir, a qualquer tempo, as leis da Natureza.”

Mas, que singular idéia faz essa gente de Deus que por si criou! Um legislador supremo a deixar-se comover por preces e soluços, a subverter a ordem imutável que ele mesmo instituiu, a violar por suas próprias mãos a atividade das forças naturais! — “Todo o milagre, se existisse — diz também Cotta — provaria que a Criação não me­rece o respeito que lhe tributamos, e os místicos deveriam deduzir, da imperfeição do criado, a im­perfeição do Criador.”

Aí temos os adversários em contradição con­sigo mesmos, quando, por um lado, não querem admitir uma razão eterna em concordância de leis imutáveis, e por outro pensam conosco, que a idéia de imutabilidade ou, pelo menos, a regularidade, identifica-se muito melhor com a perfeição ideal do ser desconhecido que denominamos — Deus, do que a idéia de mutabilidade e arbitrariedade, que umas tantas crenças pretendem impor-lhe.

Um segundo erro geral, não menos funesto que o precedente e que por igual ilude nossos contra­ditores, é o de acreditarem que, para existir Deus, importa colocá-lo fora do mundo.

Não vemos pretexto algum racional que possa justificar uma tal necessidade. E antes do mais, que significa essa idéia de uma causa soberana extra-mundo? Onde os limites do mundo? Pois o mundo, isto é, o espaço no qual se movem estrelas e terras, não é infinito por sua mesma essência?

Imaginais um limite a esse mesmo espaço e supondes que ele se não renova além? Será, então, possível traçar limites à extensão? Onde, pois, ima­ginar Deus fora do mundo? Será fora da matéria, o que se quer dizer? Mas, que é a matéria em si? — agrupamentos de moléculas intangíveis. Por­tanto, impossível determinar uma semelhante po­sição. Deus não pode estar fora do mundo, mas no mesmo lugar do mundo, do qual é o susten­táculo e a vida.

Não fôsse temer a pecha de pan­teísta e ajuntaríamos que Deus é — a alma do mundo. O Universo vive por Deus, assim como o corpo obedece à alma. Em vão pretendem os teólogos que o espaço não pode ser infinito, em vão se apegam os materialistas a um Deus fora do mundo, enquanto sustentamos que Deus, infi­nito, está com o mundo, em cada átomo do Universo — adoramos Deus na Natureza.

Entretanto, nossos adversários combatem es­tultamente o seu fantasma. “Não há considerar o Universo — diz Strauss — como ordenação regra­da por um espírito fora do mundo, mas, como razão imanente às forças cósmicas e às suas relações.”

A essa razão, chamamo-la — Deus, enquanto os modernos ateístas aproveitam essa declaração para sentenciar que, em não existindo fora do mun­do, é que Deus não existe.

Tudo, — diz H. Tuttle — desde a tinha (perdoem a expressão) que baila aos raios do Sol, à inteligência humana, que verte das massas medulosas do cérebro, está submetido a princípios fixos. Logo, não existe Deus.” Logo, existe — dizemos nós — “Livre é cada qual de franquear os limites do mundo visível — pondera Büchner — e de procurar fora dele uma razão que governa, uma potência absoluta, uma alma mum­dial, um Deus pessoal”, etc. Mas, que é o que vos fala disso? “Nunca, em parte alguma — diz o mes­mo literato — nos mais longínquos espaços reve­lados pelo telescópio, pôde observar-Se um fato que fizesse exceção e pudesse justificar a necessidade de uma força absoluta, operando fora das coisas.”



A força não impelida por um Deus, não é uma essência das coisas isoladas do princípio material” — adverte Moleschott.

Ninguém terá visão tão limitada — afirma ele alhures — para enxergar nas ações da Natureza forças outras não ligadas a um substrato mate­rial. Uma força, que planasse livremente acima da matéria, seria uma concepção absolutamente balda de sentido.

Positivamente, ainda hoje existem cavaleiros errantes, à guisa dos que outrora manobravam em torno dos castelos do Reno, e de bom grado arre­metem moinhos de vento. Lídimos heróis de Cervantes, visto que, no fim de contas, qual o filósofo que hoje propugna um Deus ou forças quaisquer fora da Natureza?

Vemos em Deus a essência virtual que susten­ta o mundo em cada uma de suas partes microscópicas, daí resultando ser o mundo como que por ele banhado, embebido em todas as suas partes e que Deus está presente na composição mesma de cada corpo.

Dessarte, a primeira trincheira cavada pelos adversários para bloquear o Espiritualismo foi por eles mesmos entulhada; e a segunda, nem sequer objetiva a cidadela, e os nossos soldados alemães não fazem mais que bater o campo.

Um terceiro erro, capital e imperdoável em cientistas de certa idade, é imaginarem-se com direito de afirmar sem provas, a embalarem-se com a doce ilusão de serem os outros obrigados a acre­ditar sob palavra. Coisas que a verdadeira Ciência profundamente silencia, afirmam-nas eles, categó­ricos. Afirmam, como se houvessem assistido aos concelhos da Criação, ou como se fôssem os pró­prios autores dela.

Eis alguns espécimes de raciocínios, cuja infa­libilidade é tão ciosamente proclamada.

Que os espíritos um tanto afeitos à prática científica se dêem ao trabalho de analisar as seguintes afirmações:

Moleschott diz que a força não é um deus que impele, não é um ser separado da substância ma­terial das coisas (quer dizer separado ou distin­to?). É a propriedade inseparável da matéria, a ela inerente de toda a eternidade. Uma força, não ligada à matéria, seria um absurdo. O azôto, o carbono, o oxigênio, o enxofre e o fósforo têm propriedades que lhes são inerentes de toda a eternidade... Logo, a matéria governa o homem.”

Cada uma destas afirmativas, ou negativas, éuma petição de princípios, a depender do sentido que dermos aos termos discutíveis, utilizados; mas, em suma, o que elas resumem é que a força vale como propriedade da matéria. Ora, essa é, preci­samente, a questão. Os campeões da Ciência, que pretendem representá-la e falar com e por ela, não se dignam de seguir o método científico, que é o de nada afirmar sem provas. Nas dobras do seu estandarte, com letras douradas, estereotiparam uma legenda fulgurante, a saber: — toda a pro­posição não demonstrada experimentalmente só me­rece repúdio — e, no entanto, logo de início, es­quecem a legenda. São pregadores de uma nova espécie: façam o que digo e não o que eu faço.

Veremos, com efeito, que, quantos afirmam que a força não impulsiona a matéria, exprimem um con­ceito imaginativo, nada científico.

Ouçamos, ainda, outras afirmativas gerais: “A matéria — diz Dubois-Reymond — não é um veícu­lo ao qual, à guisa de cavalos, se atrelassem ou desatrelassem alternativamente as forças. Suas pro­priedades são inalienáveis, intransmissíveis de toda a eternidade.”

Quanto ao destino humano, eis como se expri­me Moleschott: «Quanto mais nos convencemos de trabalhar para o mais alto desenvolvimento da Hu­manidade, por uma judiciosa associação de áci­do carbônico, de amoníaco e de outros sais; de ácido húmico e de água, mais se nobilitam a luta e o trabalho”, etc.

E também em nosso país: “Uma idéia — diz a Revista Médica — é uma combinação análoga à do ácido fórmico; o pensamento depende do fós­foro; a virtude, o devotamento, a coragem, são correntes de eletricidade orgânica”, etc.

Quem vos disse tal coisa, senhores redatores? Olhem que os leitores hão-de pensar que os vossos mestres ensinam esses gracejos, quando tal se não dá, absolutamente. Mesmo porque, do ponto de vista científico, esses raciocínios são totalmente nu­los. De fato, não se sabe o que mais admirar em tais expoentes da Ciência: se a singular audácia, se a ingenuidade de suas presunções.

Newton não se cansava de repetir: parece-nos, e Képler dizia: submeto-vos estas hipóteses... Aque­les outros, porém dizem: afirmo, nego, isto é, aqui­lo não é, a Ciência julgou, decido, condenou, pos­to que no que dizem não haja sombra de argumento científico.

Um tal método pode ter o merecimento da clareza, mas ninguém o inquinará de modesto, nem de verdadeiramente científico.

É que tais senhores têm a ousadia de impu­tar à Ciência a carga pesada das suas próprias heresias. Se a Ciência vos ouvisse, senhores (mas deve ouvir, porque sois seus filhos) — se a Ciên­cia vos ouve, não pode deixar de sorrir das vossas ilusões.

A Ciência, dizeis, afirma, nega, ordena, proí­be... Pobre Ciência, em cujos lábios pondes grandes frases, atribuindo-lhe ao coração um descomunal orgulho.

Não, meus senhores, e vós bem o sabeis (cá entre nós) que, nestes domínios, a Ciência nada afirma, nem nega, porque apenas procura.

Refleti, pois, que a armadura das vossas par­landas ilude os ignorantes e pode induzir em erro quantos não tiveram a faculdade de perlustrar os vossos estudos, e considerai que, quando nos arro­gamos o título de intérpretes da Ciência, ficamos na obrigação de não falsear o título, de permane­cer-lhe fiel e, por consequência, modestos tradu­tores de uma causa que tem na modéstia o seu primacial merecimento.

Se, da questão da força, em geral, passarmos à da alma, observaremos que, na esfera da vida animal, ou humana, os adversários não vacilam em afirmar, igualmente sem provas, que não existe personalidade no ser vivente e pensante; que o espírito, como a vida, mais não é que o resultado físico de certos grupamentos atômicoS, e que a ma­téria governa o homem tão exclusivamente quanto, a seu ver, governa os astros e os cristais, O fe­nômeno mais curioso é o de imaginarem que acla­ram o problema com as suas explicações obscuras:

“O espírito, diz o Dr. Hermann Scheffler (2), outra coisa não é senão uma força da matéria, ime­diatamente resultante da atividade nervosa”...



Mas... de onde provém essa atividade ner­vosa?

Do éter (?) em movimento nos nervos. De sorte que, os atos do espírito são o produto ime­diato do movimento nervoso, determinado pelo éter, ou do movimento deste nos nervos — ao qual im­porta ajuntar uma variação mecânica, física ou química, da substância imponderável dos nervos e de outros elementos orgânicos...

Eis aí, suponho, bem esclarecida a questão. Virchow diz que “a vida não é mais que modali­dade particular da mecânica”; e Büchner afirma que “o homem não passa de produto material; que não pode ser o que os moralistas pintam; que não tem faculdade alguma privilegiada”.

Que há em todos os nervos uma corrente elétrica — predica Dubois-Reymond — e que o


(2) Körper und Gelst, etc.
pensamento mais não é que movimento da maté­ria. Para Vogt, as faculdades da alma valem como funções da substância cerebral e estão para o cérebro como a urina para os rins (3). E Moleschott, assegura que a consciência, a noção de si mesmo, mais não é que movimentos materiais, ligada a correntes neuro-elétricas e percebidas pelo cérebro.

Teremos ensejo de assinalar, mais adiante, um ditirambo deste mesmo autor sobre o fósforo, o peso do cérebro, as ervilhas e lentilhas. Por agora, limitemo-nos a estes edificantes testemunhos.

Admiremos, sobretudo, a conclusão fundamen­tal: “E aí temos nós porque os sábios definem a força uma simples propriedade da matéria”. Qual a consequência geral e filosófica desta noção tão simples quanto natural? É que aqueles que falam de uma força criadora, tendo de si mesma origi­nado o mundo, ignoram o primeiro e mais simples princípio do estudo da Natureza, baseados na Filo­sofia e no empirismo.”

E, acrescentam — “qual o homem instruído, com um conhecimento mesmo superficial das ciên­cias naturais, capaz de duvidar não seja o mundo governado como geralmente se afirma, e sim que os movimentos da matéria estão submetidos a uma necessidade absoluta e inerente à própria matéria?“

Assim, pela só autoridade de alguns alemães, que vêm ingenuamente declarar não admitirem, seja como for, a existência de Deus e da alma, agar­rando-se embora a uma sombra de noção cientí­fica por justificar as suas fantasias, teríamos nós, ao seu ver, de abjurar a Ciência, ou deixar de crer em Deus.

Tivessem tido apenas a precaução de aplicar as regras do silogismo ao seu método; tivessem tido o cuidado de propor, primeiramente, as pre­missas irrefutáveis e não tirar delas senão uma
(3) Physiologische Briefe.
conclusão legítima, e poderíamos acompanhá-los no raciocínio e conferir-lhes um prêmio de retórica. Mas, vede em que consiste o seu processo:

Maior — A força é uma propriedade da ma­téria.

Menor — Portanto, uma propriedade da ma­téria não pode ser considerada superior, criadora ou organizadora dessa matéria.

Conclusão — Logo, a idéia de Deus é uma concepção absurda.

É assim que arvoram, antes de tudo, em prin­cípio a tese a discutir.

Combatendo cerradamente os métodos do Cris­tianismo, essa gente muito se assemelha aos que, no intuito de provarem aos Romanos a divindade de Jesus, assim começavam: — Jesus é Deus, e desse princípio não provado extraiam todas as de­duções.

Convicto estamos de honrar grandemente esses escritores, aplicando aos seus postulados as re­gras do raciocínio, que eles talvez nunca sonharam seguir.

Também poderíamos submeter-lhes as pretensões a uma outra forma mais ingênua, assim:

Antecedente — Matéria e força encontram-se sempre associadas.

Consequente — Logo, a força é uma quali­dade da matéria.

Aí temos, penso, um entimema de novo gêne­ro e de consequências bem evidentes, pois não? Mas, é assim que os senhores Alemães raciocinam, bem como os seus clarividentes imitadores, positi­vistas da nossa moderna França.

No primeiro caso, o raciocínio peca pela base; e, no segundo, ném mesmo faz jus a esse reproche, porque é uma infantilidade.

Certo, pesa dizê-lo, mas é a essa puerilidade, ou melhor — perversão da faculdade de raciocinar — que se reduz o movimento materialista dos nos­sos tempos. E nunca, como aqui, vem a pêlo a frase do misantropo que dizia não ser o homem um animal pensador, mas, falador.

Todo o fundamento desta grande querela, toda a base deste edifício heterogêneo, cujo desmorona­mento pode esmagar muitos cérebros sob os es­combros; toda a força deste sistema que pretende dominar o mundo, presente e futuro; todo o seu valor e potência, repousam nessa assertiva fanta­siosa, arbitrária e jamais demonstrada, de ser a força uma propriedade da matéria.

E é fingindo acompanhar a rigor as demons­trações científicas e só se apoiar em verdades re­conhecidas; é confungindo-se ao estandarte da Ciên­cia, apropriando-se de suas fórmulas e atitudes; é, enfim, com ela mascarando-se, que os pontífices do ateísmo e do niilismo proclamam as suas belas e edificantes doutrinas.

Mas a Ciência não é uma mascarada. A Ciên­cia fala de viseira erguida, não reivindica falsas manobras, nem luzes de falso brilho. Serena e pura na sua majestade, ela se pronuncia simples, modes­tamente, como entidade consciente do seu valor intrínseco. Nem procura impor-se, e, sobretudo, não aventa coisas de que não possa estar segura. Em vez de afirmar ou negar, investiga e prossegue, laboriosamente, no seu mister.

A exposição precedente já deixou adivinhar, sem dúvida, a tática do ateísmo contemporâneo.

Ele não é fruto direto do estudo científico, mas procura insinuar-se com essa aparência.

Evidente a ilusão, nesses filósofos, pois sabemos que há en­tre eles uns tantos conceitos sinceros. É à força de quererem conjugar à Ciência as suas teorias, que acabaram por embutir no cérebro essa união clandestina. Estas teorias não podem invocar a seu favor qualquer das grandes provas científicas da nossa época e, sem embargo, dão-se como re­sultantes de todo o moderno trabalho científico.

Isso repetem, e é com essa hermenêutica que abusam dos ignorantes e da juventude despreca­vida e entusiasta, tendendo a lhes fazer crer que as ciências, à força de progredirem, acabaram por descobrir e demonstrar que não há Deus nem alma. São eles que fazem a Ciência.

Dir-se-ia, em os ou­vindo, nada haver além deles. Os grandes homens da antigüidade e da Idade Média, tanto como os modernos, são fantasmas, e toda a Filosofia deve desaparecer diante do ateísmo pretensamente cien­tífico.

Preciso se faz que a imaginação popular não se deixe iludir por simples jogo de palavras, que mais valem, às vezes, por verdadeira comédia. Im­porta que as criaturas pensem por si mesmas, julguem com conhecimento de causa e adquiram a certeza de que os fatos científicos, perquiridos sem prevenção, não comportam as conclusões dogmáti­cas que lhes querem impor.

Vista de perto, a pedra angular a grande custo lançada pelo materialismo contemporâneo deixa en­trever que ela não passa de velho e carcomido tronco de madeira podre, e, no fundo, os partidá­rios do sistema não estão mais seguros do seu cepticismo do que o estariam os calvos discípulos de Heráclito ou de Epícuro.

Ainda que queiram convencer-nos do contrá­rio, todo o seu sistema não passa de hipótese, mais vazia e menos fundamentada que muitos romances científicos.

E uma vez que são eles próprios a declarar que toda hipótese deve ser banida da Ciência, não há como deixarmos de começar por esse banimentO.

Realmente, com que direito fazem da força atributo da matéria?

Com que direito afirmam que a força está sub­metida à matéria, que lhe obedece passivamente aos caprichos, escrava absoluta de elementos iner­tes, mortos, indiferentes, cegos? Maior e mais fun­dado é o nosso direito de inverter-lhes a proposi­ção, derrubando-lhes o edifício pela base.

Terminemos assim esta exposição do problema, decidindo que o discrime se coloca nestes termos fundamentais: é a matéria que domina a força, ou antes esta que domina aquela?

Trata-se de discutir e escolher uma ou outra, ou, para falar com mais exatidão — trata-se de observar a Natureza e optar depois.

E, pois que os honrados campeões da matéria afirmam, com tanta segurança, o primeiro enunciado, começamos revocando-o em dúvida e pro­pondo a alegação contrária.

*
No rostro desta obra inscrevemos, por conse­guinte, esta pergunta:

A força rege ou é regida pela matéria? Este o dilema que os fatos de si mesmos devem resolver.

O panorama geral do Universo vai oferecer-nos uma primeira demonstração de soberania da força e da ilusão dos materialistas.

Da matéria, nos elevamos às forças que a di­rigem; destas, às leis que as governam, e destas, ainda, ao seu misterioso autor.

A harmonia repleta o mundo dos seus acordes e o ouvido de alguns ínfimos seres humanos recu­sam-se a escutá-los. A mecânica celeste lança, ou­sadamente, no espaço, o arco das órbitas e o olho de um parasita desses orbes desdenha a grandeza da sua arquitetura.

A luz, o calor, a eletricidade, pontos invisíveis projetados de uma a outra esfera, fazem circular nos espaços infinitos o movimento, a atividade, a vida, a radiação do esplendor e da beleza, e as im­beles criaturas, apenas desabrochadas à superfície de um parasita desses orbes desdenha a grandeza a confessar a fulgurância celeste! É loucura ou é to­lice? É orgulho, ou ignorância? Qual a origem e a finalidade de tão estranha aberração? Porque a for­ça vital, álacre e fecunda, palpita no Sol como na borboleta que morre com a manhã; no carvalho anoso das florestas como na primaveril violeta? — porque a vida magnificante doura as messes de Julho e os cabelos anelados da juventude petulante e freme no seio virginal das noivas? — porque ne­gar a beleza, mascarar a verdade e desprezar a inteligência? Porque envenenar as virtudes eternas que sustentam a estrutura do mundo, e eclipsar, tristemente, a luz imácula que desce dos céus?

Antes de penetrar os mistérios do reino tão rico e interessante da vida, devemos considerar o esboço material do Universo, começando por de­monstrar a soberania da força no tracejar desse mesmo esboço. Dividiremos esta primeira em duas partes: o Céu e a Terra, para estabelecer em pri­meiro lugar, por leis astronômicas e depois pelas terrestres, que, onde quer que exista a matéria, jamais deixou de ser escrava servil, universalmente dominada pela energia que a rege. Esta divisão não deve sugerir, de modo algum, a velha compa­ração do céu com a Terra, que bem sabemos serem termos incomparáveis. Considerado como valor absoluto, o céu é tudo e a Terra nada é. A Terra é átomo imperceptível, perdido no seio do Infinito; o céu a envolve no ilimitado e a integra na popu­lação astral, sem exceção nem privilégio particular.

Reunir os dois vocábulos, é como dizer: os Al­pes são uma pedrinha, o Oceano é uma gota dágua e o Saara um grão de areia. É comparar o todo

a um mínimo do mesmo todo.

Importa, portanto, não interpretar literalmente a nossa divisão, que só se justifica por colimar maior clareza do assunto. Para nós, terricolas, este globo é alguma coisa, assim como para a minúscula lagarta, que aflora numa folha, esta folha que algo vale, mau grado à sua insignificância no conjunto da pradaria.

Nossa esfera de observação divide-se também, naturalmente, em duas partes: o que pertence e o que não pertence ao nosso mundo.

Ora, vamos estabelecer que, fora do nosso mundo, assim como nele, a matéria está em tudo e por toda a parte e não passa de coisa inerte, cega, morta, composta de elementos incapazes de se di­rigirem por si mesmos; que não agem nem pen­sam por impulso próprio e que, nos sendais invisíveis do espaço, tanto como nos canais da seiva ou do sangue, o que aglutina em átomos, dirige as moléculas e conduz os mundos, é uma Força na qual transparece o plano, a vontade, a inteligência, a sabedoria e o poder do seu amor.


2
O CÉU

SUMÁRIO — As harmonias do mundo sideral — Leis de Képler. — Atração universal. — Coordenação dos mun­dos e dos seus movimentos. — A força rege a matéria. — Caráter inteligente das leis astronômicas; condições da estabilidade do Universo. — Potência, ordem, sabe­doria. — Negação ateista, inquinações curiosas ao or­ganizador, objecões singulares ao mecânico. — Será verdade que não existe no parque da Natureza sinal qualquer de Inteligência? — Resposta aos julgadores de Deus.
A contemplação da Natureza oferece ao homem culto, incontestavelmente, inefáveis, particulares en­cantos. Na organização dos seres descobre-Se o in­cessante movimento dos átomos que os compõem, tanto quanto a permuta constante e operante entre todas as coisas.

Justa é a nossa admiração por tudo o que vive na superfície da Terra. O mesmo calor solar, que mantém no estado líquido a água dos rios e dos mares, conduz a seiva à fronde das árvores e faz pulsar o coração dos abutres e das pombas. A luz que espalha a viridência nos pra­dos, e nutre as plantas com um sopro impalpável, também povoa a atmosfera de maravilhosas bele­zas aéreas. O som que estremece a folhagem, can­ta na orla dos bosques, ruge nas plagas marinhas. Em tudo vemos, enfim, uma correlação de forças físicas, que abrange num mesmo sistema a tota­lidade da vida sob a comunhão das mesmas leis. Ora, quanto mais fervente for a nossa admiração pelo radiamento da vida planetária, mais extensiva e aplicável se tornará, em relação aos mundos que aí fulguram acima de nossas cabeças, no cenáculo das noites silenciosas. Esses mundos longínquos que, qual o nosso, se embalam no mesmo éter, sob o império das mesmas energias e das mesmas leis, são igualmente sedes de atividade e vida. Podería­mos apresentar este grandioso e magnífico espetáculo da vida universal como eloquente testemunho da inteligência, sabedoria e onipotência da causa anônima, que houve por bem reverberar, dos pri­mórdios da Criação, o seu mágico esplendor no espelho da Natureza criada. Mas, não é sob este prisma que desejamos aqui desdobrar o panorama das grandezas celestes. Apenas, para o teatro das leis que regem o nosso mundo, queremos convocar os negadores da inteligência criadora.

Se, abrindo os olhos diante desse espetáculo, eles persistirem em sua negativa, já não teremos como nos eximir de responder-lhes, em consciência, que tàmbém duvidaremos de suas faculdades men­tais. Porque, para falar com franqueza, a inteli­gência do Criador nos parece infinitamente mais curta e incontestável que a dos ateus franceses e estrangeiros.

E, como o método positivo consiste em não julgar antes de observar os fatos, corre-nos o de­ver que examinar primeiro os fatos astronômicos de que falamos, e depois da interpretação com que se satisfazem os nossos antagonistas. Se, depois disso, essa sua interpretação satisfizer, subscreveremos de antemão as suas doutrinas; mas, se, ao contrário, revelar-se insensata, temos, como dever de honra e por amor à verdade, de a desmascarar e entregar ao apupo da platéia.

Esqueçamos por momentos o átomo terrestre, no qual o destino nos fixou por alguns dias. Que o nosso Espírito se lance ao espaço e veja rolar diante de si o mecanismo gigantesco — mundos e mundos, sistemas após sistemas, na infinita su­cessão de universos estrelados. Ouçamos, com Pi­tágoras, as harmonias siderais nas amplas e céleres revoluções das esferas e contemplemos, na sua realidade, esses movimentos simultâneamente vertiginosos e regulares que enfeudam as terras celestes nas suas órbitas ideais. Observamos que a Lei suprema, universal, dirige estes mundos. Em torno do nosso sol, centro, foco luminoso, elétrico, calo­rífico do sistema planetário, giram os planetas obe­dientes. Os mais extraordinários labores do espí­rito humano deram-nos a fórmula da lei, que se divide em três pontos fundamentais, conhecidos em Astronomia por leis de Képler, operoso sábio que a descobriu graças ao seu gênio, como à sua pa­ciência, e que discutiu opiniaticamente, 17 anos, as observações do seu mestre Ticho-Brahe, antes que distinguisse sob o véu da matéria a força que a rege.

Esses três pontos são:
1º — Cada planeta descreve em torno do Sol uma órbita elíptica, na qual o centro do Sol ocupa sempre um dos focos.

2º — As áreas (ou superfícies) descritas pelo raio vector (4) de um planeta em redor do foco solar são proporcionais aos tempos que levam a descrevê-las.

3º — Os quadrados dos tempos de revolução planetária, em torno do Sol, são proporcionais aos cubos dos grandes eixos orbitários.
A síntese destas leis integra o grande axioma que Newton foi o primeiro a formular na sua obra imortal sobre os Princípios.

Neste livro, ensina-nos ele — como bem adver­te Herschel — que todos os movimentos celestes são consequências da lei, isto é: — que duas mo­léculas materiais se atraem na razão direta do vo­lume de suas massas e na inversa do quadrado das distâncias.
(4) Assim se denomina a linha Ideal que liga um pla­neta ao Sol.


  1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11


©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal