Daniel capítulo nove (segunda parte)



Baixar 34,57 Kb.
Encontro10.10.2018
Tamanho34,57 Kb.

DANIEL CAPÍTULO NOVE (SEGUNDA PARTE)
Em Daniel 11:28 (última parte), temos:

Ele fará o que lhe aprouver e tornará para a sua terra”. (ARA).


Essa última parte de Dan. 11:28, está intimamente relacionada com Dan. 9:27b. Por isso, deveremos ter bastante cuidado ao interpretarmos a segunda parte de Dan. 9:27. Ela é muito rica em detalhes. Abaixo, vamos fazer a comparação entre algumas Versões, que temos utilizado neste estudo. Antes veremos, Dan. 9:26, onde todas as versões, concordam no que diz respeito aos eventos que iriam ocorrer “depois das sessenta e duas semanas”.
E depois de sessenta e duas semanas será cortado o ungido, e nada lhe subsistirá; e o povo do príncipe que há de vir destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será com uma inundação; e até o fim haverá guerra; estão determinadas assolações”. (AVR).

Depois das sessenta e duas semanas, será morto o Ungido e já não estará; e o povo de um príncipe que há de vir destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será num dilúvio, e até ao fim haverá guerra; desolações são determinadas”. (ARA).

E, depois das sessenta e duas semanas, será tirado o Messias e não será mais; e o povo do príncipe, que há de vir, destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será com uma inundação; e até ao fim haverá guerra; estão determinadas assolações”. (ARC).

Depois das sessenta e duas semanas um Ungido será eliminado, embora ele não tenha ...q E a cidade e o Santuário serão destruídos por um príncipe que virá. Seu fim será no cataclismo e, até o fim, a guerra e as desolações decretadas”. (BJ).


A Nota de Rodapé da Bíblia de Jerusalém, correspondente a letra (q), na página 1703, está escrito o seguinte: “(q) Um vocábulo deve ter caído do texto. Teod. Completa: ‘pecado’. Outros propõem: ‘sucessor’.”

Embora tenha referência à “Cidade e o Santuário”, que seriam destruídos “por um povo de um príncipe”, não faz parte das “Setenta semanas”. E quando o Texto Sagrado diz: “Depois das sessenta e duas semanas”, subtende-se “sessenta e nove semanas”, porque as “Setenta semanas decretadas” no verso 24, foram divididas no verso 25: “sete semanas” e “sessenta e duas semanas”. Por isso, no verso 26 diz: “Depois das sessenta e duas semanas”. O que torna evidente, em uma soma, tratar-se da “semana de número sessenta e nove”.


Podemos interpretar assim: “Depois das sessenta e nove semanas, será morto o Messias”. Sem levarmos em conta, a destruição da cidade e do Santuário, do verso 26, o verso 27a, nos indica o que iria ocorrer na última ou “Septuagésima semana”.
E o (gebîr) Senhor fará aliança, por muitos (lrabîm – A preposição le + a palavra rabîm ), em [por] - (shābû‘a ’echād) uma semana; e na metade da semana fará cessar o sacrifício e a oblação”.
O verso 27, é um verso que explica os acontecimentos citados nos verso 24-26, bem como a causa da destruição da cidade e do Santuário, citado no verso 26.
Traduzindo o verso 26, temos:
“E Depois das sessenta e duas semanas um Ungido será eliminado, embora ele não tenha ... q E a cidade e o Santuário serão destruídos por um príncipe que virá. Seu fim será no cataclismo (we ‘ad qēts mi lechāmâ) - e, até o fim da guerra, (nechěretset) - estão determinadas assolações”.

A expressão: “e, até o fim da guerra”. Esta guerra, diz respeito a guerra dos judeus com os romanos, que terminou no ano 70 d. C.
A expressão: “estão determinadas assolações”, diz respeito aos próprios judeus. Sobre isso, transcreveremos os principais fatos, ao final do comentário da segunda parte do verso 27.
Cataclismo: “... Desastre social; derrocada; catástrofe.” - (BUENO, Francisco da Silveira. Dicionário Escolar da Língua Portuguesa. 11ª ed. Rio de Janeiro – RJ, Ministério da Educação e Cultura (MEC) – Fundação Nacional de Material Escolar (FENAME), 1983. p. 238.).
Cataclismo: “1. Transformação brusca, e muito ampla, da crosta terrestre. 2. Desastre social.” – (FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Mini Dicionário. Rio de Janeiro – RJ, Editora Nova Fronteira. p. 94.).
Portanto, cataclismo, foi o que ocorreu aos Judeus, na destruição do Templo e da Cidade de Jerusalém.

Agora, podemos analisar a segunda parte do verso 27.
E sobre a asa das abominações virá o assolador; e até a destruição determinada, a qual será derramada sobre o assolador.” (AVR).

E sobre a nave do Templo estará a abominação da desolação até o fim, até o termo fixado para o desolador”. (BJ).

Sobre a asa das abominações virá o assolador, até que a destruição, que está determinada, se derrame sobre ele”. (ARA).

E sobre a asa das abominações virá o assolador, e isso até à consumação; e o que está determinado será derramado sobre o assolador”. (ARC).



Esta parte do verso 27, pode ser traduzida assim:
“E sobre a asa das abominações dos assoladores (na nave do Templo), que até a consumação, então (que está) determinada, derrame-se (seja derretido), por causa da assolação”.
Esta segunda parte, diz respeito às abominações cometidas no Santuário, que culminou na destruição da cidade e do Templo de Jerusalém.
Tendo Jesus saído do templo, ia-se retirando, quando se aproximaram dele os seus discípulos para lhe mostrar as construções do templo. Ele, porém, lhes disse: Não vedes tudo isto? Em verdade vos digo que não ficará aqui pedra sobre pedra que não seja derribada”. (Mat. 24:1-2 - ARA).
O Messias, deixou claro aos apóstolos: “Quando, pois, virdes que a abominação da desolação, de que falou o profeta Daniel, está no lugar santo (quem lê, que entenda)”. (Mat. 24:15 – ARC).

Quando, pois, virdes estar no lugar santo a abominação de desolação, predita pelo profeta Daniel (quem lê, entenda)”. (Mar. 13:14 - ARC).

Mas, quando virdes Jerusalém cercada de exércitos, sabei, então, que é chegada a sua desolação”. (Luc. 21:20 – ARC).
Os textos são claros, e nos dão dois detalhes fundamentais. O primeiro: Antes da desolação, “Jerusalém” ficaria “cercada de exércitos”. O segundo: A abominação da desolação estaria no Lugar Santo do Santuário.
Além de nos dá esses dois detalhes que nos orientam na interpretação, por que será que o Messias foi enfático? “quem lê, entenda”, referindo-se as profecias do profeta Daniel. Esta ênfase que Ele deu, foi justamente porque a abominação predita pelo profeta Daniel ainda estaria no futuro. Não apenas isso. Mas, principalmente, porque o profeta previu (predisse) duas abominações. A primeira, no que diz respeito ao Santuário de Jerusalém (Dan. 8:11 e 13-14; 9:26 e 27). A segunda, no que diz respeito ao Santuário Celestial (Dan. 8:12 e 13-14; 11:31 e 12:11; Dan. 7:25; Luc. 21:24; Apoc. 11:1-4; 12:6 e 13:5-6), que envolve “os tempos dos gentios”.
As Igrejas (Católicas e Evangélicas), em geral, interpretam a abominação da desolação, descrita pelo Messias, segundo está escrito em Mateus, Marcos e Lucas, vinculando à rebelião da assolação ou rebelião da desolação ou rebelião da devastação Dan. 8:13 e, também, às assolações (desolações, devastações) de Dan. 9:26; bem como ao rebelar-se ou revoltar-se de Dan. 8:12.

O relato do Evangelho Segundo João 10:22 (e dos Livros e Primeiro e Segundo Macabeus): “Celebrava-se em Jerusalém a Festa da Dedicação. Era inverno”. (ARA) torna incontestável a abominação, praticada por Antíoco Epifânio contra o Templo em Jerusalém, bem como a sua purificação na época dos Macabeus. Contudo, ela não se harmoniza, nem o reinado de Antíoco Epifânio, perfeitamente, com todos os pormenores da profecia de Dan. 8:9-14. Portanto, essa referência à “Festa da Dedicação”, que João, preocupou-se em registrar, mostra que ela teve aprovação de Elohym. Por isso o Messias compareceu (ou comparecia) a ela. Apesar disso, além dessa citação, nenhum outro escritor do Novo Testamento registrou nenhum comentário do Messias sobre os acontecimentos relacionados a Antíoco Epifânio e a referida abominação.


O Messias, no entanto, nos advertiu: “Mas, quando virdes Jerusalém cercada de exércitos, sabei, então, que é chegada a sua desolação”. (Luc. 21:20 – ARC).
Contudo, essa abominação da desolação, não ocorreu no ano 68 d. C. com Céstio, quando ele sitiou Jerusalém. Porque a advertência do Messias é clara: “Abominação da desolação no lugar Santo”. E Céstio na entrou no lugar Santo. Este lugar, não pode ser uma simples área externa ao Templo (e muito menos em uma área externa à cidade de Jerusalém) que era composto de Lugar “Santo” e “Santo dos Santos” (Heb. 9:1-3). Porque Jerusalém, em si, não é um lugar Santo.

Os acontecimentos que envolveram o governador Céstio, é o que está relatado em Lucas.

Mas, quando virdes Jerusalém cercada de exércitos, sabei, então, que é chegada a sua desolação”. (Luc. 21:20 - ARC).
Porque dois foram os sinais, o primeiro com relação à Cidade sitiada: “Mas, quando virdes Jerusalém cercada de exércitos, sabei, então, que é chegada a sua desolação”. (Luc. 21:20 – ARC).

O segundo, com relação a abominação no lugar Santo: “Quando, pois, virdes que a abominação da desolação, de que falou o profeta Daniel, está no lugar santo (quem lê, que entenda)”. (Mat. 24:15 – ARC).
Por isso, temos que entender bem os versos que se seguem:
Então, os que estiverem na Judéia fujam para os montes; quem estiver sobre o eirado não desça a tirar de casa alguma coisa; e quem estiver no campo não volte atrás para buscar a sua capa. Ai das que estiverem grávidas e das que amamentarem naqueles dias! Orai para que a vossa fuga não se dê no inverno, nem no sábado”. (Mat. 24:16-20 – ARA).
Esses versos não dizem respeito ao cerco, realizado por Tito, à cidade de Jerusalém. Porque desse momento em diante, foi praticamente impossível uma fuga. Portanto, a partir do primeiro sinal os discípulos do Messias deveriam fugir, e o começo das abominações era o último sinal a última oportunidade para os discípulos.
Mas, quando virdes Jerusalém cercada de exércitos, sabei, então, que é chegada a sua desolação. Então, os que estiverem na Judéia, que fujam para os montes; os que estiverem no meio da cidade, que saiam; e, os que estiverem nos campos, que não entrem nela”. (Luc. 21:20-21 – ARC).
Essa abominação, como veremos, não foi causada pelos romanos. Estes destruíram a cidade e o Templo. A abominação, foram os próprios judeus que praticaram, dentro do Santuário. Então, juntando o sinal da cidade cercada por exércitos e a “Abominação da desolação no lugar Santo”, os apóstolos e todos os discípulos do Messias, deveriam ler e entender, para saber do que se tratava, bem como nós, que vivemos nos últimos dias.

Antes de Céstio, governador da Síria, ter sitiado a cidade de Jerusalém, ocorreram muitas rebeliões dos judeus contra os governadores romanos na Judéia: Félix, Albino e Floro respectivamente. Contudo, antes de Céstio sitiá-la, o rei Agripa (sobrinho do rei Herodes, que reinava na Caldácia) e sua irmã, a rainha Berenice, tentaram persuadir os revoltosos, mas foi em vão. Muitas vezes, os revoltosos e mesmo o povo procuravam abrigo na área do Templo, depois passaram a fazer dele uma fortaleza contra as forças inimigas. O que veio a causar, a partir dessas atitudes, a abominação predita pelo profeta Daniel e ratificada pelo Messias. Contudo, a abominação da desolação, que foi predita pelo profeta Daniel, só ocorreu após Céstio ter se retirado com o seu exército, de acordo com o que está escrito em Lucas 21:20-21.


Abaixo, serão citados alguns relatos de Flávio Josefo, que foi testemunha ocular dos acontecimentos que precederam a destruição do Templo e da cidade de Jerusalém.



LTJ/130502 josielteli@hotmail.com 2ª Impressão Corrigida e Ampliada




©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal