Curso de pedagogia modalidade: licenciatura



Baixar 472,53 Kb.
Página1/6
Encontro07.11.2018
Tamanho472,53 Kb.
  1   2   3   4   5   6









UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA
CAMPUS IV: LITORAL NORTE




PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO

CURSO DE PEDAGOGIA



MODALIDADE: LICENCIATURA


Março – 2006

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA
Identificação: Curso de Graduação em Pedagogia

Modalidade: Licenciatura em Pedagogia (Magistério em Educação Infantil, nas Séries Inicias do Ensino Fundamental, no Ensino Médio na modalidade Normal e Gestão Educacional)

Área de Aprofundamento: Magistério em Educação de Jovens e Adultos

Turno: Diurno/Noturno

Regime Acadêmico: Créditos

Tempo para integralização curricular - Diurno

  • Mínimo: 08 (oito) períodos letivos

  • Máximo: 12 (doze) períodos letivos

Tempo para integralização curricular - Noturno

  • Mínimo: 09 (nove) períodos letivos

  • Máximo: 14 (catorze) períodos letivos

Limite de Créditos por Período Letivo

  • Máximo: 28 (vinte e oito) créditos

  • Mínimo: 18 (doze) créditos

Carga Horária Total

  • 3.210 horas/aula – 214 créditos

Base Legal:

  • LDB nº. 9394/96;

  • Parecer CNE/CP nº. 05/2005;

  • Parecer CNE/CP nº.03/2006;

  • Resolução nº. 34/2004 do CONSEPE/UFPB.



SUMÁRIO

1. Contexto Sócio-Histórico


2. Justificativa
3. Fundamentação Teórica e Metodologia
4. Objetivos do Curso
5. Perfil Profissional
6. Competências, Atitudes e Habilidades
7. Campo de Atuação Profissional
8. Estrutura Curricular
9. Fluxograma
10. Ementas
11. Operacionalização e Avaliação
12. Bibliografia


1. CONTEXTO SÓCIO-HISTÓRICO
A Universidade Federal da Paraíba (UFPB), ex-Universidade da Paraíba, criada pela Lei Estadual Nº 1.366, de 02 de dezembro de 1955, e federalizada pela Lei Nº 3.835 de 13 de dezembro de 1960, é uma instituição autárquica, de regime especial, de ensino pesquisa e extensão, vinculada ao Ministério de Educação, com sede e foro na cidade de João Pessoa e atuação no Estado da Paraíba.

Em seu processo evolutivo, a UFPB passou por várias etapas diferenciadas. Até 2002, estava distribuída em sete campi: Campus I (João Pessoa), Campus II (Campina Grande), Campus III (Areia), Campus IV (Bananeiras), Campus V (Cajazeiras), Campus VI (Sousa) e Campus VII (Patos). Atualmente, após criação da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), que abrangeu os Campi II, V e VI, compõe-se de três campi: Campus de João Pessoa, Campus de Areia e Campus de Bananeiras, que visam :



  • Possibilitar condições para produção científica relativa ao Ensino, Pesquisa e Extensão nos três segmentos: professores, servidores técnico-administrativos e alunos;

  • Produzir e socializar o conhecimento acadêmico e outras manifestações culturais;

  • Implementar ações de fortalecimento dos processos políticos formais e informais;

  • Estimular a reflexão crítica e intervenção nas políticas públicas.

As agudas dificuldades socioeconômicas e educacionais que configuram a microrregião Litoral Norte do Estado, justificam o empenho da UFPB no sentido de criação de mais um campus para atender a esta região. As precárias condições de vida da população da referida microrregião, envolvendo 11 municípios, são expressas nos perversos indicadores sociais situados entre os piores da Paraíba: expectativa de vida na ordem de 58,7 anos, taxa de mortalidade infantil de 67,4 por 1.000 crianças nascidas e até um ano de idade e a taxa de analfabetismo da população de mais de 15 anos de 46,0%. Em 2003, apresentava um PIB na ordem de R$ 492.656 mil, representando apenas 3,6% do PIB paraibano.

A alta taxa de analfabetismo dos municípios envolvidos expressa a gravidade da situação educacional local, mesmo considerando a posição que ocupa o Estado, como detentor da terceira maior taxa de analfabetos entre os estados nordestinos. A este quadro se somam os crônicos problemas da educação básica brasileira, reconhecidos amplamente nos altos índices de repetência, evasão, distorção idade/séries que habitam as estatísticas educacionais nordestinas. Mesmo assim, os sistemas municipais de ensino vêm apresentando o crescimento ano a ano das matriculas no ensino fundamental, percebido pelo incremento das taxas do Ensino Médio, na ordem de 120,2%, na última década no Estado. De acordo com os dados veiculados em 2004, as populações de 18 a 24 anos na microrregião do Litoral Norte, totalizam 17.309 habitantes, constituindo-se numa significativa demanda para o ensino superior. Tal situação indica a necessidade premente de desenvolvimento de ações educativas, culturais e tecnológicas com a criação de um campus da UFPB em Mamanguape e Rio Tinto, apontando para a reconfiguração econômica da microrregião, bem como para resgate da cidadania de sua população.

A proposta ora apresentada, de criação do Curso de Pedagogia insere-se na perspectiva de melhoria da qualidade do ensino da Educação Básica. Além, da valorização profissional dos educadores está no rol das preocupações das universidades públicas, a formação do pedagogo que seja capaz de pensar, decidir, planejar e executar com qualidade as atividades educacionais em várias instâncias e níveis é o grande desafio para o atual contexto educacional. Diante do quadro atual e da própria função social desse profissional, como núcleo gerador de conhecimento e enriquecimento cultural, se justifica a importância do Curso de Pedagogia para esta Região.



2. JUSTIFICATIVA

O Curso de Graduação em Pedagogia do Campus IV (Litoral Norte) da Universidade Federal da Paraíba terá inicio no segundo período do Ano Letivo 2006, no município de Mamanguape. Tendo em vista a demanda por professor para atuar na Educação Infantil, nas Séries Iniciais do Ensino Fundamental e no Magistério da Educação de Jovens e Adultos, com formação em nível superior, se justifica a importância do Curso de Graduação em Pedagogia para formar esse profissional.

A Universidade, com o propósito de alimentar a sua prática acadêmica, têm compreendido a necessidade de desenvolver reflexões nos seus diversos Cursos, com o intuito de reafirmar/rever, através de seus currículos, os princípios político-pedagógicos que dão suporte às práticas pedagógicas a serem implementadas.

Nesta direção, o atual Curso de Pedagogia tem sua estrutura curricular pautada, no sentido de tomar a docência e a gestão escolar, como base de sua formação. O curso está respaldado nas transformações que perpassam a educação infantil, o ensino fundamental (séries iniciais).

O currículo do curso propõe a superação da dicotomia professor versus especialista, como também, a formação de quem pensa versus formação de quem faz. Dessa forma, procura atender as novas exigências no mundo do trabalho para os pedagogos e impulsionando novas estruturas organizativas nos Cursos de Pedagogia.

A presente proposta buscar superar essas dicotomias, historicamente postas, contempla uma concepção de currículo que permite ao aluno do Curso de Pedagogia interagir com o ensino, com base nas teorias e procedimentos didático-metodológicos, com a pesquisa, como fonte de produção de novos conhecimentos, e a extensão, que permite aos alunos o contato com as iniciativas educacional presentes na e fora da comunidade universitária.

O trabalho interdisciplinar envolvendo essas áreas, em conjunto, objetiva a formação do saber construído, baseado em critérios de cientificidade, que permitam a atuação do pedagogo junto ao mundo do trabalho de forma crítica e consciente, exercendo sua cidadania profissional.

A Universidade compreendida como local dinâmico de saberes, espaço de diálogo busca permanente de sintonia com nossos tempos, atenta às mudanças e renovações, como também impulsionada pelas necessidades educacionais da realidade circundante, não pode se eximir de seu compromisso com os projetos que buscam a melhoria da educação.

A realidade educacional das redes de ensino público do Estado da Paraíba tem apresentado um quadro preocupante: um grande número de professores sem a qualificação necessária para o desempenho das complexas funções educativas que desenvolvem. Esta realidade vem demandando uma ampliação de esforços das instâncias educacionais do Estado, desafiadas ainda pela premência do prazo de uma década, a contar da publicação da Lei de Diretrizes Gerais da Educação Nacional – LDB, Lei nº. 9.394/96, para que todos os professores em exercício sejam habilitados em nível superior.

É sabido que diversos são os determinantes que favorecem a deterioração da qualidade da educação ofertada nas escolas públicas e que, muitos deles, estão diretamente ligado às relações sociais e econômicas as quais está submetida grande parte da população. Essa é uma constatação que não pode levar ao imobilismo dos que fazem à educação, pelo contrário, o sistema educacional deve buscar, sem perder de vista a globalidade e as circunstâncias, desenvolver ações peculiares que orientem novas práticas educativas.

Diante disso, torna-se necessário as Universidades, enquanto parte desse sistema, participar de forma lúcida e crítica, exercendo sua função social de conquista e vivência da cidadania dos integrantes da sociedade que se quer democrática.

Esse desafio, presente, sobretudo nos cursos de formação de professores, une-se à necessidade de esses cursos articularem a formação aos aspectos inovadores que se apresentam no mundo contemporâneo. No caso específico do pedagogo, ele deve ser credenciado a atuar, como docente e gestor, em diferentes níveis de ensino e áreas, tais como: Educação Infantil, Ensino Fundamental, Ensino Normal e áreas que desenvolvem atividades com os alunos tradicionalmente incluídos na categoria da educação especial, jovens e adultos e indígena.

Para isso, urge superar a visão dicotômica, em que de um lado se coloca a teoria e de outro a prática, historicamente presente no processo ensino-aprendizagem, sendo fundamental uma concepção de currículo que leve em conta as experiências vivenciadas no âmbito educacional, de modo a proporcionar aos alunos a reflexão e a otimização de sua prática profissional.

Desse modo, a educação superior possibilitará a formação do pedagogo capaz de atuar nos processos sociais e criar alternativas com potencial para enfrentar as problemáticas que emergem do mundo atual.

Finalmente, é importante ressaltar que este Projeto Político-Pedagógico é um documento inicial, possuindo um caráter dinâmico, possibilitando as mudanças que posteriormente possam ser empreendidas.




  1   2   3   4   5   6


©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal