Criada em 24 de julho de 1928 pelo presidente Washington Luiz como a “Polícia das Estradas”, a Polícia Rodoviária Federal teve os serviços de vigilância das estradas organizado a partir de 1935



Baixar 6,6 Kb.
Encontro11.09.2017
Tamanho6,6 Kb.

Senhor Presidente, Senhoras Deputadas e Senhores Deputados,
Nesta última semana antes do recesso parlamentar fiz questão de subir a tribuna para homenagear a Polícia Rodoviária Federal, que em 2008, completa 80 anos de existência. Destaco aqui o trabalho de todos os policiais, que ao longo da trajetória têm intensificado a presença não só na fiscalização de trânsito nas estradas, mas também no trabalho de prevenção e repressão ao crime organizado.

Criada em 24 de julho de 1928 pelo presidente Washington Luiz, pelo Decreto nº 18.323 - que definia as regras de trânsito na época - como a denominação inicial de “Polícia das Estradas”, a Polícia Rodoviária Federal teve os serviços de vigilância das estradas organizado a partir de 1935.

Naquela ocasião, a malha viária era de responsabilidade da Comissão de Estradas de Rodagem, hoje o Denit (Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transporte) e contava com um patrulheiro e 450 vigias da Comissão para cuidar das estradas. Desde 1928 até 1939, o sistema rodoviário no Brasil incluía apenas as rodovias Rio Petrópolis, Rio São Paulo, Rio e Bahia e União da Indústria. No Paraná, o núcleo da Polícia das Estradas foi criado em 1943, para exercer o policiamento nas rodovias em construção no Estado. A área de atuação da PRF foi se ampliando até os dias de hoje, quando a malha rodoviária federal fiscalizada chega a 55 mil quilômetros de rodovias e estradas no território brasileiro. A Polícia Rodoviária Federal conta hoje com 11 mil policiais na ativa. Ela está estruturada em uma unidade administrativa central, localizada em Brasília, e nas unidades administrativas regionais, representadas pelas 22 Superintendências e por cinco Distritos, além de 156 sub-unidades administrativas, denominadas delegacias, 390 postos de fiscalização, totalizando, assim, em sua estrutura, 550 pontos de atendimento em todo o Brasil.

A partir de abril de 1990, a PRF passou a integrar a estrutura organizacional do Ministério da Justiça, como Departamento de Polícia Rodoviária Federal.

Sob essa nova ótica, a PRF passou a ter, também como missão, parte das responsabilidades d Poder Executivo Federal, para com a segurança pública. Além das atribuições normais de patrulhar as estradas e prestar segurança aos usuários das rodovias federais, os policiais rodoviários têm ainda a missão constitucional de cuidar, prestar socorro às vitimas de acidentes de trânsito e zelar pela proteção do patrimônio da União, entre outras atividades.

Os policiais ainda desenvolvem comandos voltados à educação de trânsito e à fiscalização do transporte de produtos perigosos. Esses profissionais também têm participado ativamente das negociações com líderes de movimentos sociais em função do aumento de ocupações, manifestações e conflitos envolvendo esses agentes às margens das rodovias federais.

Destaco aqui o trabalho do Sindicato dos Policiais Rodoviários Federais no Rio Grande do Sul - SINPRF/RS, que tem 16 anos de extensa atuação no Estado. Em nome de todos os policias parabenizo o presidente do Sindicato, Deonildo Paulo Carniel e o delegado representante, Jairo Fernando da Costa. Na última semana, estive reunido com estas autoridades e os policiais, Laerte Becker, Leri Silva, Delmar Severo e Fabiano Müller. Eles estiveram em meu gabinete para pedir apoio à Medida Provisória 431, que tem como foco principal o reajuste dos salários de cerca de 800 mil servidores civis e 600 mil militares.

Senhor Presidente, é notória a importância desse segmento de segurança para o País. Em vista disso, conclamo ao governo federal para que o trabalho destes policiais seja cada vez mais valorizado, com reconhecimento salarial e também oferecendo melhores condições de trabalho.


Afonso Hamm

Deputado Federal (PP-RS)



©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal