Contracultura Cristã



Baixar 1,23 Mb.
Página16/18
Encontro11.09.2017
Tamanho1,23 Mb.
1   ...   10   11   12   13   14   15   16   17   18

MATEUS 7:28, 29
Conclusão: quem é esse pregador?

Muitas pessoas, inclusive os adeptos de outras religiões e os que não têm nenhuma, dizem-nos que estão preparadas para aceitar o Sermão do Monte como contendo a verdade auto-evidente. Sabem que ele inclui sentenças tais como "Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia", "Amai os vossos inimigos", "Ninguém pode servir a dois senhores", "Não julgueis, para que não sejais julgados" e "Tudo quanto, pois, quereis que os homens vos façam, assim fazei-o vós também a eles". Lindo! Aqui, dizem eles, Jesus de Nazaré é o mestre da moral em sua forma melhor e mais simples. Aqui está o âmago de sua mensagem antes de ser incrustada, por seus intérpretes, de adições sem valor. Aqui está o "Jesus original", com ética simples e sem dogmas, um profeta da justiça, sem sofisticação, reivindicando ser nada mais que um mestre humano e nos dizendo que façamos o bem e que nos amemos uns aos outros. "O Jesus do dogma eu não entendo", disse certa vez um pro­fessor hindu a Stanley Jones, "mas o Jesus do Sermão do Monte e da cruz eu amo e me sinto atraído por ele". Semelhantemente, um mestre islâmico sufi disse-lhe que "quando lia o Sermão do Monte não podia conter as lágrimas".460

Mas esta explicação popular do Sermão não pode ficar de pé após um exame detalhado. Ela está errada em dois pontos: pri­meiro, na sua opinião sobre o mestre e, segundo, na sua apresentação dos seus ensinamentos. Pois, ao examinarmos esses dois pontos mais detalhadamente, surge uma coisa muito diferente.

Consideramos no último capítulo as características dos ensina­mentos de Jesus, o seu esboço da contracultura cristã e a sua chamada para o discipulado radical. Agora resta-nos considerar a excepcionalidade do mestre propriamente dito.

O que vamos descobrir é que é impossível construir um muro entre o Jesus do Sermão do Monte e o Jesus do restante do Novo Testamento. Em lugar disso, o pregador do Sermão do Monte é o mesmo Jesus sobrenatural, dogmático, divino, que se encontra em outros lugares. Portanto, a pergunta principal que se nos impõe, não é "O que fazer com estes ensinamentos?", mas "Quem, afinal de contas, é esse mestre?" Esta foi certamente a reação daqueles que ouviram o Sermão pregado.

Quando Jesus acabou de proferir estas palavras, estavam as mul­tidões maravilhadas da sua doutrina; 29 porque ele as ensinava como quem tem autoridade, e não como os escribas.

O que primeiro impressionou os ouvintes do Sermão (as multi­dões, como também os seus discípulos, 5:1) foi a autoridade extraordinária do pregador. Ele não titubeava nem hesitava. Não era inseguro, sentindo necessidade de se justificar, nem tam­pouco era extravagante ou empolado. Pelo contrário, com uma certeza calma e despretenciosa, expunha a lei para os cidadãos do reino de Deus. E estavam as multidões maravilhadas e (o termo grego aqui é muito forte) atônitas.461 "Após mil e nove­centos anos", comenta A. M. Hunter, "nós ainda continuamos atônitos".462

Portanto, seria proveitoso tentarmos analisar esta "autori­dade" de Jesus, conforme exposta no Sermão. Sobre o que se firmava? De onde vinha a autoconsciência que o levava a falar deste modo? Que indicações o Sermão dá sobre como ele enten­dia a sua identidade e a sua missão? Não temos de procurar muito para encontrar as respostas a estas perguntas.
1. A autoridade de Jesus como mestre

As multidões ficaram atônitas diante da sua doutrina, pois ele as ensinava com autoridade. Sim, ele se apresentou primeiro e mais do que tudo como um mestre, e deixava os seus ouvintes per­plexos com o conteúdo, com a qualidade e com a maneira de expor a sua instrução. Mas, naturalmente, existiram milhares de outros mestres entre os judeus e outros povos. Muitos foram seus contemporâneos. O que, então, havia de tão especial nele? De uma certa forma, ele assumia o direito de ensinar a ver­dade absoluta. Ele era judeu, mas sua mensagem não era segundo os padrões judaicos. Ele estava interpretando a lei de Moisés, mas de tal modo a mostrar que era a lei de Deus. O que ele tinha a dizer não estava culturalmente condicionado, no senti­do de ficar limitado a um povo em particular (os judeus) ou a um lugar em particular (a Palestina). Sendo absoluto, era universal. Portanto, ele falava como quem sabia o que estava falando. "Nós dizemos o que sabemos", ele declarou em outro contexto.463 Ele sabia quem seria grande no reino de Deus e quem seria o menor, quem era "bem-aventurado" diante de Deus e quem não o era, qual o caminho que leva à vida e qual à destruição. Com absoluta confiança em si mesmo, declarou quem herdaria o reino dos céus, quem herdaria a terra, quem obteria misericórdia, quem veria a Deus e quem estava apto a ser chamado filho de Deus. Como podia ele ter tanta certeza?

Comentaristas têm procurado uma linguagem adequada para descrever este sabor peculiar da doutrina de Jesus. Tenho cole­cionado algumas de suas tentativas, que tendem a descrever Jesus como um rei ou legislador. "Ele falou com realeza", escreveu Spurgeon,464 com "segurança real",465 ou com "soberania". Stonehouse, p. 199. A ex­pressão de Gresham Machen foi que "ele reivindicou o direito de legislar pelo reino de Deus",466 enquanto James Denney com­binou as figuras de rei e legislador ao escrever sobre a sua "sobe­rania prática sobre a consciência, a vontade e os afetos do ho­mem" e a respeito de sua "autoridade moral suprema, legislando sem vacilação e exigindo obediência implícita".467 E Calvino dis­se que as multidões ficaram atônitas "porque uma majestade estranha, indescritível e fora do comum atraía para ele a mente dos homens".468

Seus ouvintes naturalmente comparavam e contrastavam a pessoa dele com muitos mestres com os quais estavam familia­rizados, especialmente os escribas. O que mais os surpreendia era que ele os ensinava como quem tem autoridade e de modo nenhum como os escribas, pois estes não tinham autoridade pró­pria. Eles concebiam seu dever em termos de fidelidade à tra­dição que tinham recebido. Por isso, eram artiquários; mergu­lhavam em comentários, buscavam precedentes, reivindicavam o apoio de nomes famosos entre os rabinos. Sua única autori­dade encontrava-se nas autoridades que constantemente citavam. Jesus, por outro lado, que não recebera formação de escriba,469 escandalizava o conservadorismo de então, varrendo as tradições dos anciãos, sem reverência pelas convenções sociais e falava com uma originalidade própria que cativava alguns e enfurecia ou­tros. A. B. Bruce resumia a diferença, dizendo que os escribas falavam "pela autoridade", enquanto que Jesus falava "com autoridade".470

Ele não ensinava como os escribas, e tampouco ensinava como os profetas do Velho Testamento. Estes não eram como os es­cribas, presos ao passado. Viviam no presente. Reivindica­vam falar em nome de Jeová, de modo que a voz viva do Deus vivo se ouvia através dos seus lábios. Jesus também insistia que suas palavras eram as palavras de Deus: "O meu ensino não ê meu, e, sim, daquele que me enviou".471 Mas havia uma dife­rença. A fórmula mais comum com a qual os profetas introdu­ziam seus oráculos era "Assim diz o Senhor", expressão que Jesus nunca usou. Em vez disso, ele começava com "Em verdade, em verdade vos digo", atrevendo-se assim a falar em seu próprio nome e com sua própria autoridade, a qual ele sabia ser idên­tica à do Pai.472 Este "Em verdade, em verdade vos digo" (amëèn lego humiri), ou "Eu vos digo" (lego humin) aparece seis vezes no Sermão do Monte (5:18; 6:2, 5, 16, 25, 29). Em mais seis ocasiões, isto é, nas seis antíteses do capítulo 5, encontramos uma asserção ainda mais forte com o seu egö enfático, "Mas eu vos digo" (egó de lego humin). Não que ele estivesse contradi­zendo Moisés, como já vimos mas, antes, as corrupções que os escribas faziam de Moisés. Todavia, quando o fazia, desafiava a tradição herdada há séculos e reivindicava substituí-la com a sua própria interpretação exata e autorizada da lei de Deus. Assim, ele "apresentava-se como um legislador, não como um intérprete; ordenava e proibia, abolia e prometia, sobre a sua palavra apenas".473

Tão certo estava da verdade e da validade da sua doutrina, que disse que a sabedoria e a insensatez humanas deviam ser ava­liadas pela reação àquela doutrina. As únicas pessoas sábias, deu ele a entender, eram aquelas que edificavam suas vidas sobre as suas palavras, obedecendo-lhes. Todas as outras pessoas eram néscias porque rejeitavam a sua doutrina. Ele podia até aplicar a si mesmo aquelas palavras da sabedoria personificada que apa­recem em Provérbios 1:33: "O que me der ouvidos habitará segu­ro". É prestando atenção a ele, a sabedoria de Deus, que o homem aprende a ser sábio.


2. A autoridade de Jesus como o Cristo

Há evidências no Sermão do Monte, como em muitas outras partes da sua doutrina, de que Jesus sabia que viera ao mundo com uma missão. "Em vim", ele diria474 em diversas ocasiões no Evangelho de Mateus, referindo-se a si mesmo como o "envia­do".475 Ele não viera, insistia em dizer, "para abolir a lei e os profetas", mas para "cumpri-los" (plérõsaí).

A reivindicação pode parecer bastante inocente até que refli­tamos sobre suas conseqüências. O que ele está asseverando é que todos os prenúncios e predições da lei e dos profetas encon­travam seu cumprimento nele, e que, portanto, todas as linhas do testemunho do Velho Testamento convergiam nele. Ele não pensava em si mesmo como um outro profeta, nem sequer como o maior dos profetas, mas, antes, como o cumprimento de toda a profecia. Esta crença de que os dias de expectativa tinham aca­bado e que ele tinha introduzido o período do cumprimento estava profundamente enraizada na consciência de Jesus. As primeiras palavras registradas do seu ministério público foram: "O tempo está cumprido (peplêrõtai), e o reino de Deus está próximo".476 No Sermão do Monte há cinco referências diretas ao reino de Deus.477 Decorrem delas, embora com diversos graus de clareza, que ele mesmo inaugurara o reino de Deus, e que ele tinha autoridade para admitir pessoas nesse reino e conceder-lhes as bênçãos do mesmo. Tudo isto significa, resumindo, que o próprio Jesus sabia ser o Cristo, o Messias de Deus da expectativa do Velho Testamento.
3. A autoridade de Jesus como Senhor

Já tivemos ocasião de observar que a concessão do título "Se­nhor" a Jesus não implica necessariamente num reconhecimento dele como o divino Senhor. Como N. B. Stonehouse explicou: "A flexibilidade da palavra grega 'Senhor' deve realmente ser reco­nhecida: nem todo exemplo do seu uso implica em uma consciên­cia da divina autoridade. Nem todos os que se dirigiram a Jesus chamando-o de Senhor escolheram esse nome especificamente como o equivalente à divindade; como forma polida de trata­mento, poderia significar um pouco mais do que o 'senhor' (com s minúsculo)."478 Não obstante, em alguns contextos, Jesus parece deliberadamente aceitar todas as implicações que o título leva, como quando ele o associou a outro título favorito seu, "Filho do homem", o qual na visão de Daniel receberia o domí­nio universal,479 e com o "senhor" de Davi que se assentaria à direita de Deus.480

Apenas o contexto pode nos ajudar a julgar quanto domínio e quanta divindade podem ser adequadamente incluídos na pala­vra "Senhor". Tomemos como exemplo a seção do Sermão do Monte na qual Jesus se referiu às pessoas que o chamavam de "Senhor, Senhor".481 Ele não estava se queixando porque tinham escolhido este título, pois o aceitava como apropriado. O que ele tinha contra era que eles o usavam superficialmente, sem lhe dar o devido significado. Ele não era simplesmente um "senhor" que devia ser respeitado; ele era o "Senhor", que devia ser obe­decido. O equivalente de Lucas torna claro este ponto: "Por que me chamais, Senhor, Senhor, e não fazeis o que vos mando?"482 Portanto, Jesus via-se a si mesmo como mais do que um mestre, dando conselhos que as pessoas podiam atender ou não, a seu bel-prazer. Ele era senhor delas; dava ordens esperando ser obedecido, e as advertia de que o bem-estar eterno delas es­tava em jogo. Explicitamente, em tudo isto, Jesus não era sim­plesmente um rabino. Os alunos de um rabino judeu assentavam-se a seus pés para estudar o Tora. Jesus era rabino num certo sentido, uma vez que ensinava a seus discípulos o verdadeiro significado do Tora. Mas sua expectativa não era que simples­mente absorvesse seus ensinamentos, mas, sim, que se lhe devo­tassem pessoalmente. Isto, sem dúvida, era a razão por que não se contentava tão somente com o título "Rabi", pois na verdade era seu "Mestre e Senhor".483 Foi por isso também que eles, por sua vez, não se tornaram simplesmente "rabis", guardando e manejando a tradição de sua doutrina; eles também foram, mui­to mais, "testemunhas" dele.
4. A autoridade de Jesus como Salvador

Está claro no Sermão que Jesus conhecia o caminho da salvação e o ensinava. Ele foi capaz de declarar quem era bem-aventurado e quem não o era. Ele pôde apontar para a porta estreita, que levava ao caminho difícil para a vida. E foi bastante explícito sobre que espécie de casa sobreviveria às tempestades do juízo, e qual desmoronaria.

Mas, se penetrarmos mais profundamente em sua mensagem, descobriremos que ele não só ensinou a salvação; ele também a concedeu. Mesmo nas bem-aventuranças, ele aparece no papel daquele que virtualmente distribui bênçãos e concede o reino. O Professor Jeremias cita a insistência de J. Schniewind de que "as bem-aventuranças são testemunhos ocultos que Jesus deu de si mesmo como o salvador dos pobres, dos que choram, etc."484

Ou consideremos como Jesus estabeleceu que os seus ouvintes, aquele grupinho de camponeses, eram "o sal da terra" e "a luz do mundo". Como poderiam ter uma influência restritiva e iluminadora do mundo? Só por seguirem a Jesus. Porque Jesus não era mau, como todo o mundo,485 nem partilhava das trevas uni­versais, mas era a "luz do mundo"486 e assim podia fazê-los sal e luz. É ainda mais significativo que, no Evangelho de Mateus, o Sermão do Monte (capítulos 5-7), característico das palavras de Jesus, é seguido da narrativa do seu ministério prático (capítulos 8 e 9), característico de suas obras. Aqui vemo-lo reivindicando autoridade para perdoar pecados e realmente conceder perdão a um paralitico (9:2-6), e então comparando-se, como salvador dos pecadores, a um médico dos doentes (9:12).


5. A autoridade de Jesus como Juiz

Todo o Sermão do Monte foi pregado ante o sombrio cenário do dia do juízo vindouro. Jesus sabia que este era uma realidade e desejava que o fosse nas mentes e nas vidas dos seus discípulos. Por isso declarou as condições da salvação e advertiu quanto às causas da destruição, especialmente em seu pitoresco retrato dos dois caminhos e dos dois destinos.

Muito mais notável que esta ênfase sobre a certeza de um juízo futuro foi a sua reivindicação de que ele mesmo seria o juiz.487 O egocentrismo da cena que ele descreveu é notavelmente extra­ordinário. Três vezes usou os pronomes pessoais "eu" e "me". Primeiro, ele mesmo seria o Juiz, ouvindo as provas indiciadoras e enunciando a sentença. Daquele solene dia, ele disse: "Muitos me dirão naquele dia, Senhor, Senhor . . . Então lhes direi..." Assim, os acusados lhe endereçarão seu caso e ele lhes respon­derá. Apenas ele, ninguém mais, decidirá e declarará o destino deles. Segundo, o próprio Jesus será o critério de julgamento. As pessoas apresentarão como evidência o uso que fizeram do seu nome, bem como os seus ministérios; mas isto será inadmis­sível como evidência. "Nunca vos conheci", lhes dirá. O destino dos seres humanos dependerá, não do seu conhecimento e do uso que fizerem do seu nome, mas do conhecimento que tiverem dele pessoalmente. Nenhum serviço prestado a Cristo, mas o relacio­namento com Cristo, será o tema. Terceiro, a sentença que Jesus pronunciar também se relacionará com ele: "Apartai-vos de mim, os que praticais a iniqüidade." A hediondez da "perdição"488 e da "ruína"489 que ele predisse será o banimento de sua presença. Destino pior não poderia ser descortinado, deu a entender, do que a eterna separação dele.

Assim, o carpinteiro de Nazaré fez-se a figura central do dia do juízo. Ele mesmo assumirá o papel de Juiz (e mais tarde, no Evangelho de Mateus, ele descreve mais detalhadamente como "se assentará no trono da sua glória").490 Além disso, a base do julgamento será a atitude das pessoas em relação a ele, e a natureza do julgamento será exclusão de sua presença. Seria difícil exagerar a assustadora egocentricidade destas reivindi­cações.


6. A autoridade de Jesus como Filho de Deus

No Sermão do Monte, Jesus dá-nos uma doutrina compreensiva de Deus. Ele é o Criador, o Deus vivo da ordem natural, que dá o sol e a chuva, que alimenta as aves, que veste as flores e supre as necessidades vitais dos seres humanos. Ele é também o Rei, cujo governo justo e salvador irrompeu nas vidas humanas atra­vés de Jesus. Mas acima de tudo (e novamente através de Jesus) ele é o nosso Pai. Dirigindo-se aos discípulos, Jesus constante­mente referia-se a ele, chamando-o de "vosso Pai que está nos céus", de quem eram filhos, cuja misericórdia deviam copiar, em cuja amorosa providência deviam confiar e do qual deviam se aproximar em oração, sabendo que ele jamais lhes daria algu­ma coisa que não fossem "boas dádivas''.

Em todos estes discursos, Jesus chamava Deus de "vosso Pai". E uma vez referiu-se "à vontade de meu Pai".491 Nunca, porém, ele se inclui entre os discípulos para falar de Deus como o "nosso Pai". Naturalmente disse-lhes que eles orassem "Nosso Pai",492 mas não se associou a eles nisso. Na verdade, não poderia, pois, embora desse a seus discípulos o privilégio de dirigir-se a Deus com o mesmo título de intimidade que ele usava ("Abba, Pai"), continuava profundamente cônscio de que Deus era seu Pai em um sentido totalmente diferente, único. Mais tarde, ele expres­saria isto em palavras também registradas por Mateus: "Tudo me foi entregue por meu Pai. Ninguém conhece o Filho senão o Pai; e ninguém conhece o Pai senão o Filho, e aquele a quem o Filho o quiser revelar".493 Esta filiação exclusiva Jesus não rei­vindicou nem declarou explicitamente no Sermão do Monte, mas ficou implícita no uso preciso dos possessivos "meu Pai", "vosso Pai", "nosso Pai".
7. A autoridade de Jesus como Deus

Entendo que, sempre que nos aventuramos a investigar a cons­ciência que Jesus tinha de sua divindade, tentamos mergulhar em águas profundas demais para serem sondadas. Que ele co­nhecia a Deus como "meu Pai" está claro; também está claro que sabia de sua própria filiação excepcional. Mas agora pode­mos arriscar mais um passo, pois temos evidências de que ele se considerava igual a Deus, um só com Deus. Não que ele o dissesse explicitamente no Sermão, mas as reivindicações de exercer prer­rogativas divinas, bem como o seu modo de falar de si mesmo dão a entender isso. Podemos apresentar três exemplos.

O primeiro refere-se à bem-aventurança final. É preciso lembrar que as oito bem-aventuranças são generalizações na terceira pessoa ("Bem-aventurados os mansos, os misericordio­sos, os pacificadores", etc), enquanto que a nona muda para a segunda pessoa, quando Jesus se dirige a seus discípulos: "Bem-aventurados sois quando, por minha causa, vos injuriarem e vos perseguirem e, mentindo, disserem todo mal contra vós. Regozijai-vos e exultai, porque é grande o vosso galardão nos céus; pois assim perseguiram aos profetas que viveram antes de vós".494 É esta analogia com os profetas que é impressionante. A lógica parece ser esta: Jesus espera que seus discípulos tenham de sofrer por causa dele ("por minha causa"), e então compara essa perseguição com a dos profetas do Velho Testamento. Aque­les profetas sofreram por causa de sua fidelidade a Deus, en­quanto que os discípulos de Jesus sofreriam por sua fidelidade para com ele. Daí se conclui que, ao comparar os seus dis­cípulos aos profetas de Deus (e mais tarde ele os "enviou" como os profetas foram "enviados"),495 ele está comparando-se a Deus. Como Crisóstomo explicou no fim do quarto sé­culo, "Aqui ele . . . veladamente indica a sua própria dignidade, e a sua igualdade na honra com aquele que o gerou".496 Um equivalente similar percebe-se em dois outros exemplos. Quando ele os advertiu de que uma pessoa que simplesmente o chamasse de "Senhor, Senhor" não entraria no reino dos céus, seria de se esperar que ele continuasse dizendo "mas aquele que se submete ao meu senhorio", ou "mas aquele que me obedece como Senhor". E isto é o que, de fato, encontramos na versão do Sermão em Lucas, onde chamá-lo de "Senhor, Senhor" é contrastado com o fazer o que ele diz. Mas, de acordo com Ma­teus 7:21, ele continuou: "Mas aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus". Se, então, Jesus considerava o obedecer-lhe como Senhor e o fazer a vontade do Pai como coisas equi­valentes, estava se colocando no mesmo nível de Deus. É ainda mais impressionante porque Jesus não se empenhou nesta decla­ração sobre si mesmo. Este não era o seu propósito no contexto. Esta prova de consciência de sua divindade escapou quando ele falava sobre uma coisa totalmente diferente, isto é, o significado do verdadeiro discipulado.

O mesmo é verdade no terceiro exemplo. Encontra-se nos ver­sículos seguintes, que falam do dia do julgamento e já foram mencionados. Todos sabem que Deus é o Juiz. E Jesus também. Aqui, ele não antecipou uma declaração direta e específica de que Deus lhe confiara o julgamento do mundo. Ele simples­mente sabia que, no último dia, as pessoas lhe apelariam e que então ele teria a responsabilidade de declarar-lhes a sentença. E, ao dizê-lo, novamente igualou-se a Deus.

Eis aqui, portanto, o seu "Jesus original", o seu "simples e inofensivo mestre da justiça", cujo sermão do Monte contém "ética simples e nenhum dogma"! Ele ensina com a autoridade de Deus e declara a lei de Deus. Ele espera que as pessoas edifiquem a casa de suas vidas sobre as palavras dele, e acrescenta que só aqueles que o fazem são sábios e estarão seguros. Ele diz que veio para cumprir a lei e os profetas. Ele é o Senhor que deve ser obedecido e o Salvador que concede bênçãos. Ele se coloca no papel central do drama do dia do juízo. Ele fala de Deus, chamado-o de seu Pai num sentido único, e finalmente dá a entender que faz o que Deus faz, e que o que as pessoas lhe fazem estão fazendo para Deus.

Não se pode fugir do que em tudo isso implica. As reivindica­ções de Jesus foram verdadeiramente expostas com tanta natura­lidade e modéstia e de maneira tão indireta que muitas pessoas jamais as percebem. Mas estão aí; não podemos ignorá-las e ain­da assim manter a nossa integridade. Ou elas são verdadeiras, ou Jesus sofria de uma coisa que C. S. Lewis chamou de "megalo­mania aguda". Mas poderia alguém defender seriamente que a ética sublime do Sermão do Monte é produto de uma mente per­turbada? É preciso um alto grau de cinismo para chegar a tal conclusão.

A única alternativa é aceitar Jesus ao pé da letra, e suas reivin­dicações pelo que realmente são. Neste caso, devemos aceitar o seu Sermão do Monte com seriedade extrema, pois aqui está o quadro que ele apresenta da sociedade alternativa de Deus. São os padrões, os valores e as prioridades do reino de Deus. Com demasiada freqüência, a Igreja tem se afastado deste desafio, mergulhando numa respeitabilidade burguesa e conformista. Nessas ocasiões fica quase impossível distingui-la do mundo: perde a sua salinidade, a sua luz se extingue e ela repele todos os idealistas, pois não dá evidências de ser a nova sociedade de Deus que já está desfrutando das alegrias e do poder da era vin­doura. Só quando a comunidade cristã viver pelo manifesto de Cristo é que o mundo será atraído e Deus, glorificado. Portanto, quando Jesus nos chama é para isto que o faz, pois ele é o Senhor da contracultura!



A Aliança Bíblica Universitária do Brasil, através da sua publicadora, a ABU Editora, se propõe a apresentar esta série que se intitula A BÍBLIA FALA HOJE, constituída somente de exposições bíblicas.

A A.B.U.B. é uma entidade interdenominacional que tem como objetivo básico a evangelização do universitário e do estudante secundarista. Sua atuação é feita principalmente através dos próprios estudantes, através dos núcleos de estudo bíblico, dos acampamentos e congressos. A fim de preservar sua característica essencialmente evangélica e bíblica, a A.B.U.B. adota as seguintes Bases de Fé, que são subscritas, sem reservas, pela sua liderança, em todos os níveis:



  1. A existência de um só Deus, Pai, Filho e Espírito Santo, Um em essência e Trino em pessoa.

  2. A soberania de Deus na Criação, Revelação, Redenção e Juízo Final.

  3. A inspiração divina, veracidade e integridade da Bíblia, tal como revelada originalmente, e sua suprema autoridade em matéria de fé e conduta.

  4. A pecaminosidade universal e a culpabilidade de todos os homens, desde a queda de Adão, pondo-nos sob ira e condenação de Deus.

  5. A redenção da culpa, pena, domínio e corrupção do pecado, so­mente por meio da morte expiatória do Senhor Jesus Cristo, o Filho encarnado de Deus, nosso representante e substituto.

  6. A ressurreição corporal do Senhor Jesus Cristo e sua ascensão à direita de Deus Pai.

  7. A missão pessoal do Espírito Santo no arrependimento, na regene­ração e na santificaçâo dos cristãos.

  8. A justificação do pecador somente pela graça de Deus, por meio da fé em Jesus Cristo,

  9. A intercessão de Jesus Cristo, como único mediador entre Deus e os homens,

  10. A única Igreja, Santa e Universal, que é o Corpo de Cristo, à qual todos os cristãos verdadeiros pertencem e que na terra se manifesta nas congregações locais.

  11. A certeza da segunda vinda do Senhor Jesus Cristo em corpo glorificado e a consumação do Seu reino naquela manifestação,

  12. A ressurreição dos mortos, a vida eterna dos salvos e a condenação eterna dos injustos.

Estas Bases de Fé são conforme às da C.I.E.E. — Comunidade Internacional de Estudantes Evangélicos.




1 Citado por McArthur, p. 12.


2 The Making of a Counter-Culture, Anchor Books, Doubleday, 1969, p. 233.


3 Ap3:l.

4 Lv 18:1-4.

5 Nm 23:9; SI 106:35.

6 lSm8:5,19,20.

7 Ez 20:32.

8 Jr 10:1, 2;Ez20:7.

9 2Rs 17:7, 8,19;cf. Ez5:7; 11:12.

10 Mt4:17.

11 Lvl8:3.

12 p.23.

13 4:25.

14 4:23,24.

15 Mt 11:29,30.

16 A teoria de B. W. Bacon foi resumida e criticada por W. D. D avies, pp. 15-25.

17 A teoria de Austin Farrer foi criticada por W. D. Davies, pp. 9-13.

18 cf. Mt2:15.

19 1 Co 5:7, 8.

20 Davies, p. 108.

21 Lc6:17-49.

22 Lc 6:12,17

23 Mt 13.

24 p. 258.

25 p. 259.

26 pp. 1,5

27 7:28,29.

28 Mt8:5;Lc7:l.

29 p.94.

30 p.95.

31 A expressão é do Prof. Jeremias (p. 14).

32 pp. 105-148.

33 Penguin Classics, 1966, pp. 566-568.

34 cf. Mt 5:28; 6:21

35 Mt7:11

36 cf. Mc 7:21-23.

37 Mt 7:16-20; 12:33-37

38 p. ex. 5:16,48; 6:9,32,33; 7:11.

39 Bruce,p.95.

40 Jo 6:15.

41 Jo 18:36.

42 Macmillan, 1935; brochura, 1961.

43 p.89.

44 p.24.

45 p.27

46 p.91

47 p. 18.

48 pp.332ss.

49 cf. 1 Co 13:12; Hb 12:14; 1Jo 3:2; Ap22:4

50 Jo 14:9.

51 1 Jo3:6; 3Jo 11

52 1 Co 3:22, 23.

53 pp.48,49

54 p.6.

55 P-107

56 Por exemplo, Windisch, p. 96. W. D. Davies examina e rejeita esta recons­trução; pp. 316-341.

57 p. 285

58 p. 288.

59 Jeremias, p. 12.

60 p. 291.

61 p. 11.

62 p. 24.

63 p. 30.

64 p.32

65 p. 110.

66 pp. 110,111.

67 p.209.

68 Sf3:12.

69 S134:6.

70 Is 41:17,18.

71 Is57:15;66:l,2.

72 Is 61:1; Lc 4:18; cf. Mt 11:5.

73 p. 261.

74 Ap3:17.

75 Lc 1:53

76 p. 21.

77 Lc 6:25.

78 SI 119:136

79 Ez9:4.

80 Fp3:18.

81 Ed 10:l.

82 Rm 7:24; 1 Co5:2; cf. 2 Co 12:21.

83 2 Co 7:10.

84 Sl 56:8.

85 Lenski, p. 187.

86 Is 61:1; cf. 40:1.

87 Lc 2:25.

88 Ap7:17.

89 Mt 11:29; 2Co 10:1; cf.Zc9:9.

90 p. 65.

91 pp.68,69.

92 1Co 3:22.

93 Sl 37:1,11, 22,34; cf. Is 57:13; 60:21.

94 Mt 19:28, literalmente; 2 Pe 3:13; Ap 21:1.

95 2 Co 6:10.

96 p. 105.

97 Lc 1:53.

98 Mt 6:33.

99 cf. Rm 9:30-10:4.

100 p.27

101 Sl 107:9.

102 Jo4:13, 14; 7:37.

103 Ap 7:16, 17.

104 2Pe3:13.

105 p. 191.

106 6:14

107 Mt 18:21-35

108 Sl 24:3,4; 51:6,10; cf. Sl 73:1; At 15:9; 1 Tm 1:5.

109 Lc 11:39; Mt 23:25-28.

110 p. 33.

111 p. 50; cf. Sl 86:11, 12

112 p.34.

113 6:22.

114 Mt 10:34-36.

115 Mt 10:37.

116 1 Co


1   ...   10   11   12   13   14   15   16   17   18


©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal