ContinuaçÃo da última cena do capítulo anterior



Baixar 199,77 Kb.
Encontro25.08.2018
Tamanho199,77 Kb.


PROFISSÃO : VIVER

CAPÍTULO 26
DE: CLÁUDIO R. SOUZA

CENA 01

PRÉDIO SANTO INÁCIO – APARTAMENTO DA JANE – SALA – DIA
  1. CONTINUAÇÃO DA ÚLTIMA CENA DO CAPÍTULO ANTERIOR


OLÍVIA E T.J.

OLÍVIA CURIOSA.



OLÍVIA

– Quem pode saber o endereço do Isaac?



T.J

– Uma vez o Eduardo ficou desaparecido uns dois dias. Minha mãe ficou preocupada. Procuramos por toda parte...



OLÍVIA

– Tá, T.J. E daí?



T.J

– Quando ele chegou ele disse que estava numa festa. Na casa do Isaac. Achei que fosse mentira... Mas quem sabe pode ser verdade?

OLÍVIA

– Claro... Temos que ligar para o seu irmão e pedir para que ele venha aqui... Agora...



OLÍVIA PEGA O TELEFONE.

  1. CENA 02


COBERTURA DO CÉSAR – SALA – DIA

CÉSAR E KARINA.



CÉSAR

– Será que isso é verdade, Karina?



KARINA

– Eles estão fazendo as investigações...

NOÊMIA ENTRA.

NOÊMIA

– O investigador Jonas está subindo...



KARINA

Obrigada, Noêmia. Pode deixar... Eu abro a porta...



NOÊMIA

– Vou trazer um café...

NOÊMIA SAI. A CAMPAINHA TOCA. KARINA ATENDE A PORTA.

KARINA

– Pode entrar, Jonas...



JONAS

– Com licença...

CÉSAR SORRI PARA JONAS.

KARINA

– Jonas, esse é o senhor César Sampaio...

CÉSAR CUMPRIMENTA JONAS.

JONAS

– O senhor é o proprietário da boate?



CÉSAR

– Exatamente... Sente- se, por favor...

JONAS, CÉSAR E KARINA SENTAM- SE.

CÉSAR

– A Karina me disse que o senhor está investigando um possível tráfico de drogas dentro da Black Eyes. E que o traficante pode ser um dos meus funcionários?



JONAS

– Isso mesmo...



CÉSAR

– E o senhor já conseguiu provas?



JONAS

– Já... O traficante é um dos seus funcionários... O nome dele é Isaac...

KARINA E CÉSAR FICAM SUPRESOS.

KARINA

– Isaac?


CÉSAR

– O bar man? Que provas o senhor tem contra ele? Porque fazer uma acusação dessas é muito...

JONAS CORTA.

JONAS

– Ele sequestrou a minha parceira. Jane, a irmã da Olívia. O senhor conhece?



CÉSAR

– Olívia? Conheço... Ela é frequentadora da casa...



JONAS

– E era cliente do Isaac também... Comprava drogas dele dentro da boate.



KARINA

– Como isso acontecia e a gente não percebia nada?



JONAS

– Ele é muito esperto...



CÉSAR

– E essa estória de sequestro? Como isso aconteceu?



JONAS

– Eu vou lhe explicar tudo...



  1. CENA 03


CLUBE – PISCINA – DIA

RUI, WALQUÍRIA E LUZIA SENTADOS À UMA MESA. TOMAM ALGUMA BEBIDA.



RUI

– Fazia muito tempo que eu não vinha a esse clube...



WALQUÍRIA

– Então, aproveite meu querido. Ele continua sendo o melhor clube da cidade.



LUZIA

– É... Aconteceu muitas coisas nesse clube...



RUI

– Eu, o Teófilo e o Alvaro costumávamos jogar tênis aqui sempre. O Alvaro ainda joga tênis. Luzia?



LUZIA

– Não sei...



RUI

– Falando em Alvaro, será que você podia me dar o endereço dele? Eu queria fazer- lhe uma visita...



LUZIA

– Você quer visitar o Alvaro no apartamento que ele mora com aquela vadia?



WALQUÍRIA

O tem de demais, Luzia? Eles são amigos. O Alvaro está separado de você. Não dos amigos.



LUZIA

– Os únicos amigos dele agora é a imprensa...


RUI

– Falando em imprensa, Luzia, você devia tomar cuidado com que anda falando aos jornais.



LUZIA

– O que é isso, Rui? Está preocupado com o Alvaro?



RUI

– Não... Estou preocupado com você...

WALQUÍRIA E LUZIA OLHAM- SE.

LUZIA

– Comigo? Por que comigo?



RUI

– Você também pode ser suspeita pela morte do Teófilo. Afinal, o seguro que você recebeu pela morte dele foi bem gordo. Se os jornais insinuarem que você e o Alvaro eram amantes antes da morte do nosso querido Teófilo, pode não pegar bem...



LUZIA

– Eu não era amante do Alvaro... Me envolvi com ele depois que o Teófilo morreu.



RUI

– Eu sei... Mas você sabe como é a imprensa... Adora inventar...

LUZIA FICA SÉRIA.

WALQUÍRIA

– Gente, vamos mudar de assunto? O jantar hoje a noite lá em casa. O Wallace quer todos vocês presentes... Ninguém pode faltar... Eu mandei preparar uns pratos...

WALQUÍRIA CONTINUA FALANDO. RUI PRESTA ATENÇÃO. LUZIA FICA PENSATIVA.

  1. CENA 04


APARTAMENTO DA LÍGIA – SALA – DIA

O TELEFONE TOCA. LÍGIA APARECE, ATENDE- O .



LÍGIA

– Alô?


DO OUTRO LADO DA LINHA ESTÁ PEDRO.

PEDRO

– Lígia? Pedro...



LÍGIA

– Oi, Pedro. Tudo bem?



PEDRO

– Tudo... Você saiu do plantão hoje sem se despedir...



LÍGIA

– É... Eu estava com um pouco de pressa...



PEDRO

– Parece que nos últimos dias você tem me evitado... Fiz algo que lhe desagradou?



LÍGIA

– Não... Claro que não... Está tudo bem...



PEDRO

– Estava pensando em passar na sua casa mais tarde. Podíamos ir assistir aquele filme que você queria ver...



LÍGIA

– Não, Pedro. Hoje não... Já tenho um compromisso. Deixa para outro dia. Está bem?

PEDRO FICA DESAPONTADO.
PEDRO

– Está bem... Então tchaú...



LÍGIA

– Tchaú...

LÍGIA DESLIGA O TELEFONE. FICA PENSATIVA.

  1. CENA 05


PRÉDIO SANTO INÁCIO – APARTAMENTO DO IVAN – SALA – DIA

PEDRO DESLIGA O TELEFONE. IVAN ENTRA.



IVAN

– Estava falando com a Rita, meu filho?



PEDRO

– Não... Com outra pessoa...



IVAN

– Pedro, não tente lutar contra si mesmo...



PEDRO

– O que você quer dizer com isso, pai?



IVAN

– Assuma o que o seu coração já assumiu. Mas não deixe os outros sofrerem por isso...

RITA BATE NA PORTA E ENTRA.

RITA

– Com licença... Estou entrando... Bom dia, seu Ivan

RITA DÁ UM BEIJO EM IVAN.

IVAN


  • Bom dia, Rita...



RITA

– Bom dia, amor...



PEDRO

Que surpresa, voce aqui a essa hora...



RITA

– Sua mãe não disse, não? Ela me convidou para a feijoada...



PEDRO

– Feijoada?



IVAN

– É... Sua mãe pôs na cabeça que quer fazer uma feijoada hoje. Convidou todos os nossos amigos...



RITA

– Pois é... Ela me ligou e eu vim... Afinal, sou a nora dela...

RITA ABRAÇA PEDRO. ELE OLHA PARA PEDRO.


  1. CENA 06


PRÉDIO SANTO INÁCIO – APARTAMENTO DO BILL E MILA – SALA – DIA

MILA PEDALA NA BICICLETA ERGOMÉTRICA. BILL APARECE.



MILA

– Bill...

MILA DESCE DA ERGOMÉTRICA E ABRAÇA BILL.

MILA

– Você está ótimo... Seu rosto melhorou..



BILL

– É... Olhei no espelho... Sarou...



MILA

– Fico contente... Mas você não vai trabalhar hoje. Melhor você recuperar- se mais um pouco...



BILL

– Mila, precisamos de dinheiro...



MILA

– Eu sei, Bill. Mas depois a gente vê isso... Tenho tanto medo que alguma coisa lhe aconteça... Quando eu vi você daquele jeito... Eu te adoro, Bill...



BILL

– Eu também, maninha... Te amo... MUITO...

BILL ABRAÇA MILA E RODA SEU CORPO NO AR. MILA RI.

  1. CENA 07


PRÉDIO SANTO INÁCIO – APARTAMENTO DO ANTONIO – SALA – DIA

MARTA E LÉO.



LÉO

– Por que você não quer ir, Marta?



MARTA

– Ah, Léo... Agradeça o convite da dona Carmem... Eu estou um pouco indisposta hoje.



LÉO

– Eu não vou deixa- la sozinha... Papai e mamãe foram nos meus tios. Só voltam no começo da noite.



MARTA

– O que é isso, Léo? Vou ficar bem. Pode ir. Vou ouvir música,ler um pouco e descansar. A noite preciso trabalhar.


LÉO

– Tem certeza?



MARTA

– Claro...

A CAMPAINHA TOCA. MARTA VAI ATENDER A PORTA. MARTA ABRE A PORTA E VÊ GORETE. GORETE FICA UM POUCO SUPRESA.

GORETE

– O Léo está?

LÉO APROXIMA- SE.

LÉO

– Oi, Gorete... Pode entrar... Essa é a Marta...

GORETE ENTRA.

GORETE

– Oi, tudo bem?



MARTA

– Tudo... O Léo já me falou muito de você...



GORETE

– Já? Bem ou mal?



LÉO

- Bem, né, Gorete... Afinal foi com você que perdi a minha...

GORETE CORTA.

GORETE

– Léo...


LÉO

– A Marta já sabe...


MARTA

– É... O Léo me contou tudo. Achei formidável...

GORETE DÁ UM SORRISO MEIO SEM GRAÇA.

GORETE

– É? ...Eu também...



  1. CENA 08


PRÉDIO SANTO INÁCIO – PORTARIA – DIA

NESTOR E ROSE.



ROSE

– Ah, Nestor... O que será que aconteceu com o seu Walter?



NESTOR

– Nada, dona Rose. Logo ele aparece...



ROSE

– Vou dar um prazo até domingo. Se ele não aparecer, eu vou na polícia...



NESTOR

– Dona Rose, o seu Ivan me convidou para a feijoada na casa dele. Será que eu podia...



ROSE

– Sair mais cedo nem pensar. Você sai as quatorze...



NESTOR

- Mais o almoço vai ser ao meio dia...



ROSE

– Então, você não vai poder ir, né, Nestor? É uma pena... Eu vou...

ROSE SAI REBOLANDO. ENTRA NO ELEVADOR E SOBE. NESTOR FICA OLHANDO COM RAIVA. ANA ENTRA PELA PORTARIA, CARREGANDO UNS PACOTES.
ANA

– E ai, Nestor? Vai na feijoada? A feijoada da dona Carmem é uma delícia. NESTOR

– A dona Rose não deixou eu sair mais cedo...

ANA APERTA O BOTÃO DO ELEVADOR.



ANA

– Que pena... Peço para a minha mãe guardar um prato para você...



NESTOR

– Obrigado, Ana...

O ELEVADOR CHEGA. ANA ABRE A PORTA. BILL SAI. OS DOIS SE ESBARRAM E OS

PACOTES QUE ANA CARREGAVA CAEM NO CHÃO. BILL E ANA OLHAM – SE .



BILL E ANA

– Oi...


OS DOIS OLHAM PARA OS PACOTES NO CHÃO. ABAIXAM- SE PARA PEGA- LOS.

BILL

– Desculpe... Fui desastrado...



ANA

– Não... Eu é que fui...

BILL E ANA PEGAM OS PACOTES. BILL E ANA PEGAM O MESMO PACOTE. SUAS MÃOS TOCAM – SE. ELES OLHAM – SE . FICAM SEM JEITO. LEVANTAM –SE.

ANA

– Obrigada...



BILL

– Ainda bem que não tem nada de quebrar...



ANA

– É... São apenas ingredientes para feijoada...



BILL

– Ah...


ANA

– Bem, deixa eu ir...

ANA VAI ENTRANDO NO ELEVADOR.

BILL

– Ana...


ANA VIRA- SE.

ANA

– Falou alguma coisa?



BILL

- ...Não... Nada...

ANA ENTRA NO ELEVADOR. O ELEVADOR SOBE. BILL FICA OLHANDO. BILL SAI EM

DIREÇÃO A SAIDA DO PRÉDIO.



NESTOR

– Isso é amor...



  1. CENA 09


PRÉDIO SANTO INÁCIO – APARTAMENTO DA JANE – SALA – DIA

OLÍVIA, T.J, EDUARDO E JONAS.



EDU

– Por que vocês querem saber uma coisa dessa?



T.J

– Fala, Edu. Você sabe aonde é a casa do Isaac?



OLÍVIA

– Edu, por favor. Você sabe ou não?



JONAS

– Essa informação é muito importante, rapaz...

EDU OLHA PARA T.J, OLÍVIA E JONAS.

EDU

– Sei... Por que?

T.J, OLÍVIA E JONAS GRITAM. EDU OLHA SEM ENTENDER.

JONAS

– Ótimo...



OLÍVIA

– Obrigada, Edu...

OLÍVIA DÁ UM BEIJO NO ROSTO DE EDUARDO.

T.J

– Muito bem, maninho... Mas depois que tudo isso acabar eu quero conversar com você...



EDU

– Será que vocês podem me falar o que está acontecendo?



JONAS

– Vamos falar... Eu acho que você vai ter que nos ajudar...



  1. CENA 10


CASA DO ISAAC – UM QUARTO – DIA

JANE SENTADA COM OS PUNHOS AMARRADOS. O CAPANGA DE ISAAC EM PÉ, PERTO DA PORTA. ISAAC ENTRA.



ISAAC

– Como está a minha menina?



JANE

– Por que você não me mata logo? Eu não aguento mais isso...



ISAAC

– Calma... Falei com a sua irmã hoje... Ela está bem...



JANE

– O que você quer com a gente? Eu lhe pago o que a Olívia devia.



ISAAC

– Eu já disse que isso não é mais só uma questão de grana. Quem vai decidir o futuro de vocês é a minha chefia. Eles não gostaram de ficar sabendo que a sua irmãzinha ficou nos devendo e ainda colocou um investigador atrás da gente. Uma de vocês duas vai pagar por isso.



JANE

– Se você fizer alguma coisa a Olívia, eu ...

ISAAC DÁ UM TAPA NA CARA DE JANE.

ISAAC

– Você não pode fazer nada... Você é uma policial mas aqui quem manda sou eu... Só vou esperar a ordem... Se mandarem lhe matar, eu vou achar o máximo... Detesto policial...

JANE OLHA PARA ISAAC COM ÓDIO.

JANE

– Canalha... Você é um verme...

ISAAC OLHA PARA JANE E RI.

  1. CENA 11


PRÉDIO SANTO INÁCIO – APARTAMENTO DA JANE – SALA – DIA

EDU, T.J, OLÍVIA E JONAS.



EDU

– Eu não acredito que o Isaac fez isso.



OLÍVIA

– Pode acreditar, Edu. Ele fez...



JONAS

– Agora que sabemos o endereço dele podemos resgatar a Jane.



T.J

– Jonas, eu não sou policial mas acho que temos que ter cuidado.



OLÍVIA

– O que você quer dizer, T.J?



T.J

– E se a Jane não estiver lá? Se ele estiver prendendo a Jane em outro lugar? Vocês vão invadir a casa dele... Se ela não estiver lá, pode correr perigo...



JONAS

– Entendi, seu raciocínio, T.J. E acho que você tem razão.



OLÍVIA

E como vamos fazer, então?

OLÍVIA FICA APREENSIVA.

EDU

– E ai que posso ajudar...

OLÍVIA, T.J E JONAS OLHAM PARA EDU, SEM ENTENDER.

EDU

– Eu tenho passagem livre na casa do Isaac. Sempre comprei...

EDU OLHA PARA T.J .

EDU

– Bem, sempre frequentei a casa dele. Posso ir até lá e verificarse a Jane está presa na casa.


T.J

– Não, Edu. Pode ser perigoso... Eu vou...



OLÍVIA

– Se você for, T.J, o Isaac vai desconfiar. Pode ser pior...



JONAS

– Rapaz, você tem certeza que pode fazer isso?



EDU

– Claro...



JONAS

– Você só vai observar... Nada de bancar o super herói...



EDU

– Tudo bem... E quando vocês querem que eu faça isso?



JONAS

– Vai ter que ser hoje...



EDU

– Beleza...

JONAS, OLÍVIA E T.J OLHAM- SE APREENSIVOS.

  1. CENA 12


MANSÃO DO WALLACE - QUARTO DE HÓSPEDES – DIA

DIANA E MAURA. DIANA PASSA BATOM NO ESPELHO DO BANHEIRO DO QUARTO.



MAURA

– Que bom ver que você está bem. Recuperada...



DIANA

– Recuperada? O coração ainda doe muito... Acho que nunca vai passar...


MAURA

– Claro que vai passar. Você é uma mulher forte...



DIANA

– Segunda –feira volto ao meu trabalho...

DIANA TERMINA DE PASSAR BATOM. VAI PARA O QUARTO. MAURA VAI ATRÁS.

MAURA

– E para a sua casa?



DIANA

– Volto segunda também... Chega de abusar da hospitalidade do Wallace.



MAURA

– Você sabe que ele faz questão disso...



DIANA

– Eu não quero criar falsas expectativas no Wallace, Maura. Eu não sei se vou conseguir amar outra pessoa... O Tómas... Ah, deixa isso para lá...



MAURA

– É mesmo... Chega de tristezas... O jantar de hoje... Como vai ser? Eu venho... Não perco isso por nada...



DIANA

– O Wallace fez questão... Quer me apresentar ao tio dele...

DIANA FICA TRISTE.

MAURA

- Amiga, não fica assim... Vamos escolher o vestido para voce usar hoje a noite. Trouxe todos o que voce pediu...

DIANA DÁ UM SORRISO TRISTE. MAURA ABRE O GUARDA ROUPAS E VAI MOSTRANDO OS VESTIDOS PARA DIANA.
CENA 13

MANSÃO DO WALLACE – JARDIM – DIA

CARLINHOS ANDA PELO JARDIM. WALLACE APROXIMA- SE.



WALLACE

– E ai, campeão? Por que não quis ir ao clube? Está um dia maravilhoso...



CARLINHOS

– Não estava com vontade...

WALLACE ABRAÇA CARLINHOS. OS DOIS SENTAM- SE NA GRAMA.

WALLACE

– O que está acontecendo? Você anda diferente ultimamente...Tem arrumado brigas com os colegas. Fica trancado no quarto... Cadê aquele garoto risonho que eu conhecia?

CARLINHOS DÁ UM SORRISO TRISTE.

CARLINHOS

– Por que... Por que a minha mãe tentou me matar e depois matou o meu pai, tio?



WALLACE

– Então, é isso? Você fica pensando nisso? Olha, Carlinhos eu não sei o motivo. Acho que ninguém sabe. Só ela... Você gostaria de vê- la?



CARLINHOS

- ...Nunca... Ela é uma assassina, tio... Nunca vou querer saber dela...



WALLACE

– Então, esqueça essa estória. Volte a ser como você era. A gente era feliz, não era? Eu, você e a vovó sempre fomos felizes...E ai? Vai deixar essa estória maluca acabar com tudo? Você está vivo. Isso é o que interessa...

CARLINHOS SORRI. WALLACE ABRAÇA – O .

WALLACE

– É isso ai, campeão... Esse é o meu garoto...



  1. CENA 14


PRÉDIO SANTO INÁCIO – APARTAMENTO DO IVAN – SALA – DIA

A MESA DA COZINHA ESTÁ COLOCADA NA SALA. PEDRO, ANA, RITA, GORETE, LÉO, ROSE, FLÁVIA E MIKE ESTÃO NA SALA.

CARMEM E IVAN SAEM DA COZINHA TRAZENDO DUAS GRANDES PANELAS COM

FEIJOADA.



IVAN

– O rango está pronto, gente...

O PESSOAL GRITA.

RITA

– Isso deve estar uma delícia, dona Carmem...



CARMEM

– Não quero que sobre nada...



PEDRO

– Vou pegar a caipirinha...

PEDRO VAI ATÉ A COZINHA. O PESSOAL VAI SERVINDO –SE E SENTANDO – SE NA MESA OU NO SÓFA.

GORETE

– Só está faltando o pagode...



ANA

– Eu vou por música...

ANA PÕE UM CD DE PAGODE NO APARELHO DE SOM.

LÉO

– Agora a feijoada da dona Carmem está completa...


PEDRO

– Quem quer caipirinha?



ROSE

– Eu quero um pouco, Pedro... Sirva para mim...



FLÁVIA

– Mãe, devargar...



CARMEM

– Deixa a sua mãe se divertir, Flávia...

MIKE SENTA- SE AO LADO DE ANA.

MIKE

– Ana, obrigado pelo convite... Eu queria me desculpar pelo que fiz naquela noite.



ANA

– Esquece, Mike... Já passou...

LÉO SENTA- SE PERTO DE FLÁVIA E GORETE.

GORETE

– E ai, Léo? Quando vai começar a trabalhar na Black Eyes?



LÉO

– Acho que daqui quinze dias, né, Flávia?



FLÁVIA

– Sei lá... Não sei porque a Karina quer contratar você. Eu já disse à ela : a única coisa que você faz bem é faxina.



GORETE

– E sexo também...

FLÁVIA OLHA PARA GORETE COM DESPREZO.

CARMEM, IVAN E ROSE COMEM NA MESA.
CARMEM

– O seu Walter já voltou, Rose?



ROSE

– Nem sinal...



IVAN

– Deve estar na gandaia com alguma mulher. Esses artistas adoram uma zona...



ROSE

– O que é isso, seu Ivan? O seu Walter não é assim...

PEDRO E RITA COMEM SENTADOS NO SÓFA.

RITA

– Aonde vamos hoje? Na casa de samba do Ivan?



PEDRO

– Não sei, Rita... Estou meio cansado...



RITA

– Ah, não, Pedro. Quero sair hoje...

RITA LEVANTA- SE. VAI ATÉ O SOM E ABAIXA O VOLUME.

RITA

– Gente... Deixa eu falar uma coisa...

TODOS OLHAM PARA RITA.

ANA

– Vai fazer um pronunciamento, Rita?



RITA

– Eu quero dizer que estou muito contente em estar aqui... Essa feijoada está uma delícia... A caipirinha também...

LÉO DÁ O COPO DE CAIPIRINHA À RITA. ELA TOMA.
RITA

– E quero dizer a todos aqui presentes que o próximo almoço vai ser em comemoração ao noivado meu e do Pedro.

TODOS BATEM PALMAS. PEDRO FICA SUPRESO.

CARMEM

– Vocês vão ficar noivos? Meu sonho é ver os dois casados...



ROSE

– É... Parece que dessa vez vai...

RITA SENTA- SE AO LADO DE PEDRO.

PEDRO

– Que loucura é essa?



RITA

– Nada... Só dei um toque que quero ficar sua noiva...

PEDRO OLHA PARA RITA COM REPROVAÇÃO.

  1. CENA 15


APARTAMENTO DO ALVARO E KARINA – SALA – DIA

KARINA ENTRA NO APARTAMENTO. VÊ ALVARO SENTADO NO SÓFA, TOMANDO UM

UÍSQUE.

KARINA

– Meu amor...

KARINA SENTA- SE NO SÓFA. ABRAÇA E BEIJA ALVARO.

KARINA

– Que saudades...


ALVARO

– Eu também...



KARINA

– Como foi a sua semana?



ALVARO

– Meio complicada... Depois da matéria do jornal....



KARINA

– Vai acontecer alguma coisa com você?



ALVARO

– Não... Por enquanto só os adversários políticos é que estão falando... São só palavras de um ex – mulher...

KARINA LEVANTA- SE.

KARINA

- ...Eu fui até a Luzia...



ALVARO

– Você o que?



KARINA

– Procurei a Luzia para pedir que ela parasse com isso. Disse inclusive que deixaria você para ela desmentir essa estória.



ALVARO

– E o que ela disse?



KARINA

– Que não quer mais você... Só quer vingança...

ALVARO LEVANTA- SE.

ALVARO

– Você teria coragem de me deixar?



KARINA

– Se você para o seu bem, sim... Eu te amo, Alvaro. Não quero prejudicar sua vida...



ALVARO

– Ah, Karina... Você é a mulher da minha vida....

ALVARO E KARINA BEIJAM –SE PROFUNDAMENTE.
CENA 16

CASA DA SARITA – COZINHA – DIA

WALTER E SARITA ALMOÇAM.



WALTER

– Por que você não quis ficar mais na barraca? Estou gostando de vender produtos importados...



SARITA

  • É que estou muito nervosa... O que o Rui Mendes veio fazer no Brasil? Ele devia ir embora daqui... e para sempre...

WALTER

– Esse Rui é aquele cara que o doutor falou? Por que você não quer ele no Brasil? Ele era seu marido?

SARITA FAZ O SINAL DA CRUZ.

SARITA

– “DEUS” me livre ter um homem daquele como marido... Eu nunca me casei, cana... A vida que tive nunca me permitiu isso...



WALTER

– Sempre foi sozinha? Nunca se apaixonou?



SARITA

– Paixão? Tive várias... Eu achava que a vida era linda. Que era esperta. Não precisava de ninguém... Até que um dia aconteceu...



WALTER

– Aconteceu o que?



SARITA

– Eu estava na hora errada com a pessoa errada. Tive que ir morar no Paraguai... Voltei para o Brasil a uns dois anos... Montei a minha barraca... Estava levando a minha vida... Pronto... Agora esse Rui Mendes aparece e o pesadelo volta.



WALTER

– Eu não estou entendendo...



SARITA

– Cana, esquece tá? Come... Eu não posso lhe contar tudo. Não sei quem você é. E se você for algum comparsa do Rui?

WALTER OLHA PARA SARITA SEM ENTENDER.
CENA 17

APARTAMENTO DO ALVARO E KARINA – SALA – DIA

A CAMPAINHA TOCA. A CAMPAINHA TOCA NOVAMENTE. KARINA APARECE FECHANDO A BLUSA.



KARINA

– Deve ser o rapaz da comida chinesa que pedi...

A CAMPAINHA TOCA NOVAMENTE. KARINA ARRUMA OS CABELOS E ABRE A PORTA. VÊ RUI MENDES COM UM PACOTE NA MÃO.

RUI

– A comida chinesa é aqui?

KARINA FICA MEIO SUPRESA.

KARINA

– É... Mas e o rapaz que sempre entrega?



RUI

– Ah, ele foi embora... Eu disse que entregava... Já paguei...



KARINA

– Não estou entendendo...



RUI

– Desculpe... Não me apresentei. Sou Rui Mendes. Gostaria de ver o Alvaro. Ele está?



KARINA

– O Alvaro? Claro... Ele está... Entre...

RUI MENDES ENTRA. KARINA FECHA A PORTA.

KARINA

– O senhor aguarda um momento? Vou chamá- lo...

ALVARO APARECE ENROLADO NUMA TOALHA.

ALVARO

– Cadê a comida chinesa? Estou morrendo de fome...

ALVARO OLHA E VÊ RUI.

ALVARO

– Rui?


RUI MENDES SORRI.

RUI

– ALVARO? Quanto tempo...


PRIMEIRO BREAK

  1. CENA 18


APARTAMENTO DO ÁLVARO E KARINA – SALA – DIA

KARINA SERVE UM COPO DE UÍSQUE À RUI. ALVARO APARECE VESTIDO.



ALVARO

– Pronto, Rui... Desculpe... Agora podemos conversar...



RUI

– Eu é que tenho que pedir desculpas. Vim sem avisar.



ALVARO

– Tudo bem... Faz tempo que você chegou ao Brasil?



RUI

– Essa semana... Alvaro, será que podíamos conversar a sós?

RUI OLHA PARA KARINA.

ALVARO

– Você se importa, Karina?



KARINA

- ...Não... Tudo bem... Eu estou no quarto... Se precisarem...

RUI SORRI PARA KARINA. KARINA SAI.

RUI

– Desculpe, Alvaro. Acho que ela não gostou...



ALVARO

– Pois então, Rui, fale...



RUI

– Você não mandou mais aquele dinheiro para ajudar no orçamento dos meus filmes.

KARINA OUVE A CONVERSA DOS DOIS , ESCONDIDA.

ALVARO

– Não preciso mais, Rui. A Luzia ficou sabendo de tudo... Do desfalque, da pasta de documentos. Já saiu até no jornal.



RUI

– É... Eu li...



ALVARO

– Então, a sua chantagem não vale mais nada, Rui Mendes.



RUI

– O que é isso, Alvaro? Eu nunca fiz chantagem com você... Eu só lhe pedi uma ajuda...



ALVARO

– Você me disse, Rui... Que eu podia lhe ajudar a produzir os filmes, pois da sua boca nunca a Luzia ficaria sabendo do desfalque.



RUI

– Eu continuo lhe ajudando. Já falei para a Luzia que ela devia parar com essas acusações... Afinal, o seguro que ela recebeu pela morte do Teófilo foi bem gordo. A imprensa pode insinuar que você e a Luzia já eram amantes quando o Teófilo morreu.

ALVARO FICA BEM SÉRIO.

ALVARO

– Eu e a Luzia não éramos amantes... Nós apaixonamos depois da morte do Teófilo.



RUI

– Claro... Mas...

ALVARO LEVANTA- SE.

ALVARO

– Por favor... Não quero falar mais desse assunto. Tenho uma nova mulher. Amo- a muito. Não quero que o fantasma da morte do Teófilo estrague meu relacionamento. Logo, a imprensa esquece esse assunto... Agora, se você me dá licença...

ALVARO APONTA A PORTA. RUI LEVANTA- SE.

RUI

– Claro... A gente se encontra uma outra hora... Volte aos seus momentos de prazer... É bom... Até logo, Alvaro...

RUI MENDES ABRE A PORTA E VAI EMBORA. KARINA APARECE.

KARINA

– Eu não acredito no que ouvi...



ALVARO

– O que é isso, Karina? Você ficou ouvindo a nossa conversa?



KARINA

– Você aceitava a chantagem desse homem. Por que?

ALVARO FICA NERVOSO.

ALVARO

– Por que eu não queria que ninguém ficasse sabendo a respeito do desfalque. Eu estava começando uma carreira política. Não podia envolver- me num assassinato.



KARINA

– Você não matou o Teófilo. Matou?

ALVARO GRITA.

ALVARO

– POR QUE? VOCÊ NÃO CONFIA EM MIM?



KARINA

– Não sei... Não sei mesmo... Essa estória toda está muito mal contada. Existe alguma podridão nisso. O T.J tem razão. O Prefeito Teófilo deve ter sido assassinado... ALVARO

– O único crime que eu cometi, Karina, foi o desfalque.

KARINA OLHA PARA ALVARO COM DESCONFIANÇA.



CENA 19

ANOITECER NA CIDADE



  1. CENA 20


CASA DO ISAAC – SALA – NOITE

ISAAC CONVERSA COM DOIS CAPANGAS.



ISAAC

– Vocês já sabem... Nada de vender a quem não conhecemos. Pode ser um flagrante...

UM OUTRO HOMEM ENTRA NA SALA E COCHICHA NO OUVIDO DE ISAAC.

ISAAC

– Ok, pode mandar entrar...

O CAPANGA SAI. EDUARDO ENTRA. ISAAC LEVANTA- SE SORRIDENTE.

ISAAC

– Eduardo, quanto tempo... Pensei que tivesse parado.



EDU

– Não... Só estava dando um tempo...



ISAAC

– Muito bem... Como vão as coisas?



EDU

– Bem... Desculpe vir até aqui mas é que não gosto de comprar no ponto da rua.



ISAAC

– Claro... Você é da casa... Vai querer quanto?



EDU

– Uns cinco...

ISAAC OLHA PARA UNS DOS CAPANGAS.
ISAAC

– Você ouviu... Cinco... Pega lá...



EDU

– Você está bem. Cheio de ajudantes...



ISAAC

– É... Consegui fazer bons negócios...

O CELULAR DE ISAAC TOCA ELE ATENDE. EDUARDO PRESTA ATENÇÃO.

ISAAC

– Alô? .... É ele. .... A mercadoria? Está bem. .... Deve estar dormindo. .... Acha melhor transferi- la? .... Claro. Deve ficar mais segura. .... Tudo bem. Eu faço isso, amanhã. .... Não. Ela não foge.... Não tem como. .... Até mais.

ISAAC DESLIGA O CELULAR. EDUARDO DISFARÇA.

EDU

– E ai? Quando volta para a Black Eyes?



ISAAC

– Não vou voltar mais...



EDU

– Não?


ISAAC

– Não... A chefia vai me transferir... Devem colocar outro lá dentro. Os clientes da Black Eyes são muito bons.

ISAAC FICA SÉRIO.

ISAAC

– Edu, você não falou para ninguém aonde moro. Falou?



EDU

– Eu? Eu não. Por que?



ISAAC

– Não... Nada... Umas coisas ai...

O CAPANGA VOLTA COM A DROGA E ENTREGA À EDU.

ISAAC

– Olhe ai sua encomenda...

EDUARDO TIRA UM DINHEIRO DA CARTEIRA E PAGA ISAAC.

EDU

– Bem, até mais...

ISAAC LEVANTA- SE.

ISAAC

– Pode usar aqui... Você é brother...



EDU

– Não... Vou para uma festa. Uso lá...



ISAAC

– Ah, é... Falou...

EDUARDO SORRI E SAI.

  1. CENA 21


UMA LANCHONETE – EXTERIOR – NOITE

EDUARDO PÁRA COM SUA MOTO. ELE DESCE DA MOTO E TIRA O CAPACETE. PEGA O CELULAR E LIGA –O . UMA GAROTA APROXIMA- SE DELE. EDUARDO DISCA UM NÚMERO. A MOÇA PEGA O CELULAR E DESLIGA- O .SEU NOME É MEIRE



MEIRE

– Para quem você está ligando?



EDU

– Meire? Quanto tempo... Preciso ligar para...

MEIRE CORTA.

MEIRE

– Esquece... Você não vai ligar para ninguém... Tem uma festa na casa do Mário. Vamos para lá?



EDU

– Acho que não vai dar...

MEIRE ABRAÇA EDUARDO.

MEIRE

– Vai dar sim... Estou sozinha. Sem namorado... É a sua chance. A festa vai ser daquelas...



EDU

– Você bebeu?



MEIRE

– Muito... Vamos?

MEIRE SOBE NA MOTO.

MEIRE

– Estou esperando...



EDU

– Tudo bem... Depois eu ligo...

EDUARDO SOBE NA MOTO, LIGA- A E PARTI COM MEIRE. MEIRE JOGA O CELULAR

PARA O ALTO.


CENA 22

MANSÃO DO WALLACE – SALA – NOITE

WALQUÍRIA, LUZIA, ARTUR, JOYCE, MAURA, RUI, CARLINHOS, T.J E WALLACE.

IVETE SERVE BEBIDAS AOS PRESENTES.

T.J DISCA UM NÚMERO NO CELULAR. LUZIA APROX



LUZIA

– Que tanto você disca nesse telefone, Teófilo Junior?



T.J

– Queria falar com o Eduardo. Mas o celular dele só cai na caixa postal.



LUZIA

– Ele deve ter desligado...



T.J

– Pode ser...

T.J DESLIGA O TELEFONE.
JOYCE E ARTUR.

ARTUR

– Joyce, queria que você me desculpasse por aquela noite.



JOYCE

– Eu me senti muito mal... Ainda estou magoada...



ARTUR

Vamos ter uma segunda chance, ok?



JOYCE

– Vou esperar com ansiedade...


WALQUÍRIA E RUI.

WALQUÍRIA

– Ele lhe falou isso?



RUI

– Falou... Foi direto...



WALQUÍRIA

– É... O Alvaro mudou mesmo. Não tem mais medo...



RUI

– É... Mas eu vou lembra- lo quem é Rui Mendes...


WALLACE, CARLINHOS E MAURA.

CARLINHOS

– Cadê a Diana, tio?



WALLACE

– Ela já vai descer...



CARLINHOS

– Sabia que meu tio gosta da Diana, Maura?



MAURA

– É mesmo? E você? O que acha dela?



CARLINHOS

– Acho ela muito legal. Ela devia casar com o meu tio.

WALLACE E MAURA RIEM. DIANA APARECE NA ESCADA.

WALLACE

– Gente, a nossa homenageada...

TODOS BATEM PALMAS. DIANA DESCE AS ESCADAS SORRIDENTE.

DIANA

– Wallace, por favor... Fico sem ação desse jeito...

RUI APROXIMA- SE.

RUI

– Diana... Diana Nogueira... Lembra- se de mim?

DIANA OLHA ATENTAMENTE PARA RUI MENDES.

DIANA

– Rui Mendes... Meu professor de vídeo na faculdade...



RUI

– Isso mesmo...



WALQUÍRIA

– Não acredito que vocês se conhecem...



RUI

– Diana era uma das minhas melhores alunas. Ela e aquele rapaz que você namorava...



DIANA

– Tómas... estamos separados...



RUI

– Ah, você chegou- se a casar com ele?



DIANA

– Moramos alguns anos juntos...



WALLACE

– Tio, chega de alugar a Diana. Mamãe, pode mandar servir o jantar.



JOYCE

– Você está ótima, Diana. Nem parece que sofreu um aborto...

DIANA OLHA SERIAMENTE PARA JOYCE

T.J

– Estou morrendo de saudades de você, Diana. Quanto volta para a revista?



DIANA

– Segunda, T.J. Estou com saudades também...



ARTUR

– Diana, sinto muito pelo o que aconteceu... Mas você continua linda...


DIANA

– Obrigada, Artur...



WALQUÍRIA

– Gente, vamos... O jantar vai ser servido...



CARLINHOS

– Quero sentar ao lado da Diana...



DIANA

– Será um prazer, Carlinhos...

TODOS DIRIGEM- SE PARA A SALA DE JANTAR.

  1. CENA 23


CASA DA SARITA – SALA – NOITE

WALTER DOME NO SÓFA. SARITA APARECE VESTINDO UMA CAMISOLA. VAI ATÉ A

COZINHA. VOLTA COM UM COPO DE ÀGUA. BEBE E OLHA PARA WALTER. WALTER

ABRE OS OLHOS.



WALTER

– Não consegue dormir?

SARITA FICA SEM JEITO.

SARITA

– Estava com sede...



WALTER

– Também não consigo dormir... Acho que não estava acostumado a dormir cedo...



SARITA

– É... Mas tem que dormir... Amanhã precisamos abrir a barraca e bem cedo...

WALTER SENTA- SE.
WALTER

– Sarita... E quando eu for embora?



SARITA

– O que tem?



WALTER

– Vai voltar a ser sozinha novamente?



SARITA

– Eu sempre fui sozinha. Solidão não me faz mal, não... Vamos dormir, cana... E pare de falar bobagens...

SARITA VAI EM DIREÇÃO AO SEU QUARTO. WALTER DEITA- SE. SARITA VOLTA.

SARITA

– Cana...



WALTER

– O que é?



SARITA

– Se quer saber, eu sinto falta de alguém sim... Ser sozinha é muito ruim... Deve ser bom ter alguém para dividir a vida. Nem que seja um pé de cana como você...

WALTER LEVANTA- SE.

WALTER

– Sarita... Acho que estou apaixonado por você...



SARITA

– O que é isso, cana? Você nem sabe quem é. E se for casado? Tiver filhos?

WALTER APROXIMA- SE DE SARITA.

WALTER

– Deixa isso para depois... Por enquanto, o cana aqui está a fim de você...

WALTER ABRAÇA SARITA E BEIJA SEU ROSTO, SEUS OMBROS.

SARITA

– Pára, cana... Pára...

SARITA GRITA.

SARITA

– PÁRA...

WALTER ASSUSTA- SE.

WALTER

– Por que?



SARITA

– Porque se não, eu não aguento...

SARITA ABRAÇA WALTER E OS DOIS BEIJAM- SE. SARITA JOGA WALTER NO SÓFA E ELES COMEÇAM A TRANSAR.

  1. CENA 24


MANSÃO DO WALLACE – SALA DE JANTAR – NOITE

WALQUÍRIA, WALLACE, T.J, LUZIA, RUI, MAURA, JOYCE, ARTUR, CARLINHOS E DIANA ESTÃO À MESA. DOIS EMPREGADOS SERVEM O JANTAR.



IVETE

– Está tudo a contento, dona Walquíria?



WALQUÍRIA

– Está tudo ótimo, Ivete...

WALLACE LEVANTA- SE.

WALLACE

– Gente, eu quero falar que convidei para esse jantar todas as pessoas que são minhas amigas para que juntos façamos uma pequena e singela homenagem a uma pessoa que admiro muito. Ela passou por uma tragédia mas sei que irá superar tudo isso, pois é uma mulher forte Que enfrenta os problemas de frente. Façamos um brinde a ela: Diana,

seja benvinda ao nosso convívio novamente.

DIANA SORRI. TODOS BRINDAM.



DIANA

– Obrigada... Muito obrigada...


  1. CENA 25


AMANHECER NA CIDADE
  1. CENA 26


APARTAMENTO DO ALVARO E KARINA - COPA – DIA

ALVARO E KARINA TOMAM CAFÉ DA MANHÃ. KARINA QUIETA.



ALVARO

– Estava pensando em darmos uma volta. Que tal irmos almoçar naquele restaurante que você gosta?



KARINA

– Não vai dá, Alvaro... Vou ter que passar na casa do César.



ALVARO

– Você vai trabalhar, hoje?



KARINA

– É... Precisamos acertar alguns detalhes da reinauguração da Black Eyes.



ALVARO

– Você está me evitando... É por causa de ontem, não é?



KARINA

Eu estou confusa, Alvaro... Não sei o que pensar... Aquela sua conversa com esse Rui Mendes


ALVARO

– Confie em mim... Eu já disse que não matei...

KARINA CORTA

KARINA

– Chega... Não quero falar mais nisso...

KARINA LEVANTA- SE.

KARINA

– Não me espere para o almoço... Vou almoçar com a Lígia...



ALVARO

– E eu vou voltar para Brasília...



KARINA

– Você faz o que achar melhor...

KARINA SAI. ALVARO JOGA UM COPO NA PAREDE.

ALVARO

– Droga...



  1. CENA 27


APARTAMENTO DA LUZIA – QUARTO DO EDU – DIA

EDUARDO DORMINDO. T.J ENTRA NO QUARTO.



T.J

– Eduardo, acorda...

EDUARDO RESMUNGA.

T.J

– Acorda, Edu...

T.J JOGA EDUARDO NO CHÃO. EDUARDO ACORDA ASSUSTADO.
EDU

– O que é isso?

EDUARDO LEVANTA- SE.

T.J

– Aonde você estava? Eu não disse para me ligar, ontem?



EDU

– Não deu... Eu fui numa festa... Perdi o meu celular...



T.J

– E o que você comprou lá? Cadê?



EDU

– O pessoal usou na festa...

T.J LEVANTA A MÃO PARA EDUARDO.

T.J

– Edu, se eu souber que você está usando isso...



EDU

– Eu não usei... Eu não usei...

T.J ABAIXA A MÃO.

T.J

– E a Jane? Me conte tudo o que você viu lá...



  1. CENA 29


PRÉDIO SANTO INÁCIO – APARTAMENTO DA JANE - SALA – DIA

OLÍVIA, JONAS E EDUARDO.



JONAS

– O que você está falando, rapaz?


EDU

– Isso que você ouviu. O T.J foi para a casa do Isaac salvar a Jane.



OLÍVIA

– Por que ele fez isso?



EDU

– Porque eu contei a ele que pela conversa que ouvi, eles falaram alguma coisa de transferir a Jane. Ele pediu para que eu viesse aqui avisar vocês...



OLÍVIA

– Esse T.J é louco... Ele pode piorar as coisas...



JONAS

– Não podemos esperar mais... Vou avisar a divisão de operações especiais...

JONAS PEGA O TELEFONE. DISCA UM NÚMERO.
CENA 30

CASA DO ISAAC – SALA – DIA

ISAAC E T.J.



ISAAC

– O que você quer aqui, T.J? Não sei do seu irmão...



T.J

– Eu quero uma coisa que você tem...



ISAAC

– É? Quem?



T.J

– A Jane...



ISAAC

– Jane? De quem você está falando?



T.J

– Você sabe muito bem... A irmã da Olívia...



ISAAC

– Não sei quem é...

T.J SACA UM ARMA E APONTA PARA ISAAC

T.J

– É bom se lembrar... Eu já fiz curso de tiro...

ISAAC OLHA SUPRESO.

  1. CENA 31


CASA DO ISAAC – UM QUARTO – DIA

JANE SENTADA COM AS MÃOS AMARRADAS. O CAPANGA ARMADO, ESTÁ PERTO DA PORTA. JANE OLHA AO REDOR. OLHA PARA O CAPANGA.



JANE

– Estou morrendo de calor... Você podia me ajudar a tirar essa blusa?

O CAPANGA OLHA PARA JANE.

JANE

– O que tem eu ficar de sutiã? Você não vai me estuprar, vai?

O CAPANGA SORRI. APROXIMA- SE JANE E PUXA A BLUSA DELA.

JANE

– Espera ai... Essa blusa que vocês me arranjaram é muito justa.

O CAPANGA TENTA TIRAR A BLUSA DE JANE. JANE APROVEITA E DÁ UM CHUTE

NOS TESTÍCULOS DELE. O CAPANGA CAE NO CHÃO. JANE LEVANTA- SE E DÁ DOIS CHUTES NO ROSTO DO CAPANGA. ELE DEIXA CAIR A ARMA E DESMAIA.



  1. CENA 32


CASA DO ISAAC – SALA – DIA

ISAAC E T.J.



T.J

– Eu estou perdendo a paciência. Aonde está a Jane?



ISAAC

– Calma, T.J, vamos conversar...

OUVE- SE O BARULHO DAS SIRENES DA POLÍCIA. ISAAC OLHA SUPRESO PARA T.J

ISAAC

– Se a polícia entrar aqui, a Jane está morta... Tem um capanga com ela...



T.J

– Cansei...

T.J DÁ COM A ARMA NO ROSTO DE ISAAC. ELE CAI NO CHÃO E FICA DESACORDADO.

  1. CENA 33


CASA DO ISAAC – EXTERIOR – DIA

VÁRIOS CARROS DA POLÍCIA ENTRAM PELA RUA. OS POLICIAIS VÃO DESCENDO

E PRENDENDO ALGUNS HOMENS QUE ESTÃO NA RUA. A POLICIA DE OPERAÇÕES ESPECIAIS TAMBÉM ESTÁ LÁ. ATIRADORES DE ELITE SE COLOCAM- SE EM LUGARES ESTRATÉGICOS. JONAS, OLÍVIA E EDUARDO OLHAM TODA A AÇÃO DA POLÍCIA.

  1. CENA 34


CASA DO ISAAC – INTERIOR – DIA

T.J PROCURA JANE PELA CASA. OLHA NOS QUARTOS. GRITA O NOME DELA.



T.J

– JANE...

OLHA EM ARMÁRIOS, BANHEIROS. CHEGA NOS FUNDOS DA CASA E VÊ UM QUARTO FECHADO. APROXIMA- SE.

T.J

– Jane...

T.J OUVE A VOZ DE JANE.

JANE

– Estou aqui...



T.J

– Jane, é o T.J... Eu vou tentar arrombar a porta...

T.J TENTA ARROMBAR A PORTA MAS NÃO CONSEGUE.

T.J

– Afasta- se... Eu vou atirar na fechadura...

JANE GRITA LÁ DE DENTRO.

JANE

– Pode atirar...

T.J ATIRA NA FECHADURA E CONSEGUE ABRIR A PORTA.

JANE

– T.J...


T.J ABRAÇA JANE.

T.J

– Você está bem? Vamos sair daqui. A polícia já está ai...

O CAPANGA COMEÇA A ACORDAR. T.J DÁ UMA CORONHADA NA CABEÇA DELE E

NOVAMENTE.


JANE

– Tente tirar essa corda... Não aguento mais...



T.J

– Espera...

T.J PROCURA ALGUMA COISA PELO QUARTO QUE POSSA CORTAR A CORDA.

ISAAC APARECE E APONTA UMA ARMA PARA JANE.



ISAAC

– Eu posso ir preso mas você vai morrer...

JANE OLHA APAVORADA PARA ISAAC. T.J OLHA.

T.J

– Não...


T.J CORRE E PULA NA FRENTE DE JANE. ISAAC DISPARA A ARMA. O TIRO PEGA EM

T.J. JANE GRITA.




    1. FIM DO CAPÍTULO





©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal