Contabilidade em outros cursos



Baixar 14,82 Kb.
Encontro10.09.2017
Tamanho14,82 Kb.

CONTABILIDADE EM OUTROS CURSOS

Áreas afins à Contabilidade, como Economia e Administração de Empresas, utilizam com muita frequência a Contabilidade. Poderíamos dizer que essas duas ciências estão intimamente ligadas à Contabilidade, que lhes expõe quantitativa e qualitativamente os dados econômicos.



EVOLUÇÃO DA CONTABILIDADE

Constuma-se dizer que a Contabilidade é tão antiga quanto à origem do homem. Se abrirmos a Bíblia em seu primeiro Livro, Gênesis, entre outras passagens que sugerem a Contabilidade, observamos uma “competição” no crescimento da riqueza (banho de ovelhas) entre Jacó e seu Labão (+/- 4.000 a.C.). Se a riqueza de Jacó crescia mais do que a de Labão, para conhecer esse fato era necessário um controle quantitativo, por mais rudimentar que fosse. A Contabilidade, entretanto, vai atingir sua maturidade entre os séculos XIII e XVI d.C. (comércio com as índias, burguesia, renascimento, mercantilismo etc.), consolidando-se pelo trabalho elaborado pelo frade franciscano Luca Pacioli, que publicidade na Itália, em 1994, um tratado sobre a Contabilidade que ainda hoje é de grande utilidade no meio contábil. Assim nasceu o cenário mundial até o início do século XX.

O desenvolvimento da Contabilidade foi notório nos Estados Unidos, no século XX, principalmente após a Depressão de 1929, com a acentuação de pesquisas nessa área para melhor informar o usuário da Contabilidade. A ascensão cultural e econômica dos EUA, o crescimento do mercado de capitais e, consequentemente, da Auditoria, a preocupação em tornar a Contabilidade algo útil para a tomada de decisão, a atuação acentuada do Instituto dos Contadores Públicos americanos, a clareza didática da exposição dos autores em Contabilidade foram, entre outros, os fatores que contribuíram para a formação da Escola Contábil americana, que domina nosso cenário contábil atual.

- Contabilidade no Brasil

Com a criação, em 1902, da Escola de Comércio Álvares Penteado, em São Paulo, observamos a adoção da Escola Europeia de Contabilidade, basicamente a italiana e alemã. Com a inauguração da Faculdade de Economia e Administração da USP (1946) e com o advento das multinacionais anglo-americanas (e, consequentemente, da Auditoria originária dos países-sede), a Escola contábil Americana começou a infiltrar-se em nosso país. Essa escola, todavia, começou a exercer uma influência mais significativa no ensino da Contabilidade no Brasil a partir do lançamento do livro de Contabilidade introdutória, no início da década de 70, por uma equipe de professores da FEA/USP.

- Contabilidade, uma profissão fascinante

A contabilidade tem se mostrado como uma área profissional muito atraente. Ela se destaca como uma das melhores remunerações do mercado, sendo uma das mais procuradas nos vestibulares: nos últimos anos está entre os cinco cursos mais procurados no Brasil; nos Estados Unidos tem sido o curso mais procurado (top), o que mais cresce (HTTP://accounting web.com), havendo casos de universidade, naquele país, com crescimento em até 70% nos cursos de contábeis.

Além de ser atraente como profissão, conceitos contábeis são indispensáveis para gerir negócios e mesmo para o sucesso de qualquer pessoa, independente no que tange aos aspectos econômico-financeiros. Enfatizamos a importância da Contabilidade para as empresas modernas, para a sociedade contemporânea e para todos aqueles que querem ser bem-sucedidos nos negócios. Destacamos três aspectos que evidenciam a Contabilidade como uma das áreas mais atraentes entre as profissões:

- Desemprego Zero: desconhecemos um bom profissional contábil desempregado. Aliás, quando somos solicitados por empresas-clientes em consultoria para indicar um profissional, temos dificuldades em encontrar alguém disponível na área.

- Leque de opções: possivelmente a única profissão que tem dezenas de especializações, inúmeras oportunidades, desde um gerente de um sistema de informação para tomada de decisões, até investigador de fraude, auditor, controller, consultor, escritor, pesquisador, docente, analista financeiro, atuário, tributarista, empresário da contabilidade, funcionário público concursado, oficial contador das forças armadas, perito contábil, gerente financeiro, contador de custos, contador global etc. Além disso, a especialização pode ser por área, como, logística, arbitragem, entidade sem fins lucrativos, ONGs, condomínio, hospital, saúde, lazer, rural, informática, tecnologia, cooperativa, gastronomia, designer etc.

- Não tem preconceito de idade: de maneira geral, no nosso país, o profissional, em média, acima de 40 anos tem resistência pela maioria das empresas para conseguir empregos. Estas empresas preferem jovens pelo seu dinamismo, para pagar salários mais baixos, pelo fato de serem menos resistentes às mudanças, por terem mais facilidade de aceitar ordens, por serem profissionais mais motivados e mais criativos (Jornal O Estado de S. Paulo em 24.5.09), Por outro lado, o profissional contábil não encontra esta resistência. Como profissional liberal o contador se depara com diversas alternativas além daquela de ser empregado de uma companhia. Para o profissional contábil o mercado de trabalho é bastante promissor. Alguns exemplos podem ser citados, como, o Best-seller “Pai rico, Pai pobre” de Kiyosaki e Lechter.

Novas outras áreas surgem para o profissional contábil como: arbitragem e mediação, avaliador de marcas (intangível), consultor de viabilidade de empreendedorismo, contabilidade de empresas sem fins lucrativos (terceiro setor), da agroenergia, entidades esportivas, meio ambiente etc. Duram (Jornal Valor Econômico 11.2.04) diz que a figura do contador torna-se cada vez mais vital e bem remunerada no mundo empresarial em todo o país, cujos salários podem chegar ao teto de R$ 15 a 30 mil reais por mês. Diz que o perfil do contador passou a ser consultor e conselheiro da organização das empresas, zelando pelos seus números estrategicamente.

O Grêmio das Finanças, o grande mago dos Investimentos, Warren Buffett (no livro O TAO de W. B. Editora Sextante, p. 25), o homem mais rico do mundo (Revista Forbes 2007/8), doou US$ 32 bilhões para a fundação (2006), o maior filantropo da história, diz que a melhor profissão para se estudar é a Contabilidade. Ele diz: “A Contabilidade é a língua dos negócios. Existem muitas maneiras de descrever o que está acontecendo com uma empresa, mas seja lá o que se diga sempre se retorna à língua da contabilidade. Sem a Contabilidade não se conhece a saúde da empresa, não se toma decisões”.

A AMA, através de Warren Bennis, o maior especialista em lideranças nos Estados Unidos, por meio de uma pesquisa junto às universidades americanas, elaborou uma relação de cem decisões que mais afetaram o século XX no mundo dos negócios. Amoderna Contabilidade Empresarial tirou em primeiro lugar.

Peter Bernstein, no seu Best-seller “Desafio aos deuses”, Editora Campus, 1999, RJ, o melhor livro sobre gestão de risco, diz: “O método contábil descoberto por Luca Pacioli foi uma inovação revolucionária que teve importantes consequencias econômicas, comparáveis à revolução industrial trezentos anos depois”. Em outras palavras, Bernstein diz que o pai da contabilidade científica (dedica um capítulo do livro a Luca Pacioli) deu uma contribuição ao mundo, no milênio passado, comparável apenas à Revolução Industrial.

“Saques em Bagdá Apagam a História da Escrita”, Alberto Manguel diz: “A escrita, compreendi, foi à invenção não de um poeta mais um contador na necessidade de fazer registros”. Só um profissional que detém a informação, na necessidade de informar, poderia ter inventado a escrita. (Jornal O Estado S. Paulo 26.4.03)

Na www.vocesa.com.br diz que nos últimos 6 meses recebeu mais de 20 convites no leilão que se instalou na era da Contabilidade Internacional (Revista Você AS 03/08).

Profissão do Futuro, advogados num fórum sobre este assunto concluem: “Contabilidade e Administração são profissões do futuro, pois tratam de: globalização, fusão, privatização, contratos internacionais etc. que requerem sensibilidade econômica: se os advogados não se ajustarem a esta realidade serão excluídos do mercado” (Revista Exame 27.10.04).



A profissão contábil registra atualmente, conforme o Conselho Federal de Contabilidade, 450 mil profissionais (incluindo os Técnicos de Contabilidade) e em torno de 70 mil empresas de serviços contábeis. Já ultrapassamos a mais de mil cursos superior de Ciências Contábeis. Por outro lado, calcula-se que haja mais de 20 milhões de negócios no Brasil, ou seja, cada contador tem 50 empresas (negócios) para prestar serviços.

Trecho do livro Contabilidade Empresarial, do Prof. Dr. José Carlos Marion



©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal