ComunicaçÃo interna



Baixar 67,21 Kb.
Encontro11.11.2017
Tamanho67,21 Kb.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL – UAB

LICENCIATURA EM PEDAGOGIA

PLANEJAMENTO DE ENSINO


DISCIPLINA:

POLÍTICAS PÚBLICAS DA EDUCAÇÃO

CH: 60h


CURSO

PEDAGOGIA


EMENTA

Concepções teóricas de Estado. Estado e educação. O sistema de ensino: organização e funcionamento. Políticas educacionais e legislação do ensino: educação básica e ensino superior. A Lei 9394/1996. O ensino público e privado. Educação e cidadania, o papel político e social da escola.


PROFESSORA FORMADORA:

EMILIA PEIXOTO VIEIRA


ANO:

2012

PERÍODO: 17/09 A 15/10






  1. OBJETIVO GERAL:

    • Concepções teóricas de Estado. Estado e educação. O sistema de ensino: organização e funcionamento. Políticas educacionais e legislação do ensino: educação básica e ensino superior. A Lei 9394/1996. O ensino público e privado. Educação e cidadania, o papel político e social da escola.




  2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS

  • Entender a dinâmica e as contradições sociais, bem como a correlação de forças no momento histórico/político em que foi formulada a legislação educacional, levando em consideração as diversas razões/interesses nela presentes: do Estado, da Igreja, da população em geral;




  • Estabelecer a relação entre a teoria e a prática, visando à construção crítica do conhecimento sobre as políticas públicas da educação.




  1. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO


    UNIDADE 1: ESTADO, SOCIEDADE E EDUCAÇÃO

      1. CONCEPÇÕES TEÓRICAS DO ESTADO.

      2. RELAÇÃO ESTADO, SOCIEDADE E EDUCAÇÃO.

      3. FUNÇÃO SOCIAL DA EDUCAÇÃO.


    UNIDADE 2: POLÍTICA EDUCACIONAL E POLÍTICAS SOCIAIS

    2.1. POLÍTICA EDUCACIONAL E POLÍTICAS SOCIAIS.

    2.2. EDUCAÇÃO NA SOCIEDADE BRASILEIRA.
    UNIDADE 3: ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA

    3.1. PRESSUPOSTOS TEÓRICOS LIBERAIS PARA O ESTADO, A SOCIEDADE E A EDUCAÇÃO: O ESTADO LIBERAL E O NEOLIBERAL.

    3.2. O ESTADO LIBERAL E NEOLIBERAL.

    3.3 PROPOSTAS NEOLIBERAIS PARA O BRASIL.

    3.4. A EDUCAÇÃO NAS CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS.

    UNIDADE 4: ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA E OS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO

    4.1. ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA.

    4.2. PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO


  2. MÉTODOS E TÉCNICAS

    • O conteúdo será trabalhado numa perspectiva histórico-dialética, tomando como eixo de análise a leitura crítica das concepções de Estado, Educação e Políticas Sociais. Os conteúdos serão trabalhados no sentido de possibilitar momentos de discussão dialogada dos conteúdos, debates das leituras obrigatórias, dos filmes, reflexão e análise de textos, procurando sempre promover a articulação entre a teoria e a prática.

  3. RECURSOS

    - filmes, textos, internet.

  4. AVALIAÇÃO

Em cada unidade temática as reflexões coletivas e individuais serão objetos de avaliação. É importante destacar que as oportunidades para essas reflexões dar-se-ão por ocasião das discussões e participação em todas as atividades programadas, resumos, seminários, provas escritas etc. Considerar-se-á a participação nos debates e a compreensão dos conteúdos indicados para a leitura.




  1. REFERÊNCIAS

AZEVEDO, Janete M. Lins de. A Educação como Política Pública. 3. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2004. (Col. Polêmicas do Nosso Tempo).

AZEVEDO, Janete Maria Lins de. “O Estado, a política educacional e a regulação do setor educação no Brasil: uma abordagem histórica”. In: Gestão da educação: impasses, perspectivas e compromissos. FERREIRA, Naura S. C., AGUIAR, Márcia A. da S. (orgs.). 2ª ed. São Paulo, Cortez, 2001. p. 17-42

BRANDÃO, C. O que é educação. São Paulo: Brasiliense, 1992.

BRZEZINSKI, Iria (Org.) LDB dez anos depois: reinterpretação sob diversos olhares. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

CARNOY, M. Educação, Economia e Estado: base e superestrutura, relações e mediações. 3. ed. São Paulo: Cortez, 1987.

CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA 1988.

CUNHA, L. A. Educação Brasileira: Projetos em disputa. São Paulo: Cortez, 1995.

______. A educação e a construção de uma sociedade aberta. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1980.

CURY, Carlos Roberto Jamil. A Educação Básica no Brasil. Educação &. Sociedade 2002, vol.23, n.80, pp. 168-200

FÁVERO, Osmar, SEMERARO, Giovanni (orgs.). Democracia e construção do público no pensamento educacional brasileiro. Petrópolis-RJ, Vozes, 2002.

FREIRE, A. M. A. Analfabetismo no Brasil. São Paulo: Cortez, 1989.

FREITAG, B. Escola, Estado e Sociedade. São Paulo: Cortez, 1979.

______. Política Educacional e Indústria Cultural. São Paulo: Cortez / Autores Associados, 1987.

GALEANO, Eduardo. As veias abertas da América Latina. Trad. Galeno de Freitas. 45. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2005.


GATTI, Bernadete e BARRETO, Elba Siqueira de Sá. Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: UNESCO, 2009.

GENTILI, P. A. A.; SILVA, T. T. (Orgs.) - Neoliberalismo, Qualidade Total e Educação. Petrópolis-RJ: Vozes, 1995.

KUENZER, A. Ensino de 2º Grau: O trabalho como princípio educativo. São Paulo: Cortez, 1988.

LEI 9.394/96 (Nova LDB).

LIBÂNEO, José Carlos et. al. Educação Escolar: políticas, estrutura e organização. São Paulo: Cortez, 2003.

MAAR, W. L. O que é política. São Paulo: Brasiliense, 1992.

MELCHIOR, J. C. de A. Recursos Financeiros e a Educação. In: Estrutura e Funcionamento da Educação Básica. São Paulo: Pioneira, 1998. p. 248-267

MONLEVADE, J; FERREIRA, E. O FUNDEF e seus pecados capitais. Ceilândia – DF: Ideia, 1998.

NASCIMENTO, Ilma Vieira do Nascimento, et all. Política Publica de Educação no Brasil: compartilhando saberes e reflexões. Porto Alegre: Sulina, 2006.

NEVES, Lúcia Maria Wanderley. Educação e política no Brasil hoje. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1999.

OLIVEIRA, D. Política e trabalho na escola: administração dos sistemas públicos de educação básica. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

OLIVEIRA, Romualdo Portela de (Org). Política educacional: impasses e alternativa. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1998.

OLIVEIRA, R. P; CATANI, A. M. (Orgs.). Reformas educacionais em Portugal e no Brasil. Belo Horizonte: Ed. Autêntica, 2000.

OLIVEIRA, Romualdo. Gestão Financiamento e Direito à Educação. 2. ed. São Paulo: Editora Xama, 2002.

OLIVEIRA, Romualdo Portela de; SANTANA, Wagner. Educação e federalismo no Brasil: combater as desigualdades, garantir a diversidade. Brasília: UNESCO, 2010.

PARO, V. H. Crítica da Estrutura da Escola. São Paulo: Cortez, 2011.

RICO, Melo Elizabeth (Org.). Avaliação de políticas sociais: uma questão em debate. São Paulo: Cortez; Instituto de Estudos Especiais, 1998.

PINTO, J. M. de R. A divisão de responsabilidade pelo ensino no Brasil e o impacto das mudanças recentes na legislação. In: PAIDÉIA: Cadernos de Psicologia e Educação da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto - USP. Fev/Ago 1996, nº 10/11.

SAVIANI, D. Política educacional no Brasil. São Paulo: Cortez, 1983.

_____. O nó do ensino de 2º grau. In: Bi Mestre, ano I nº 1. Out/1986.

SILVA, T.T. & GENTILI, P. (Orgs.) Escola S.A.: quem ganha e quem perde o mercado educacional do neoliberalismo. Brasília CNTE, 1996.

SUANO, H. Escola Brasileira. São Paulo: Atlas, 1987.

VIEIRA, Emilia Peixoto. O processo de elaboração da nova LDB. Texto mimeo./1999.



Universidade Estadual de Santa Cruz - UAB

Rodovia Ilhéus/Itabuna KM 16, CEP: 45662-000

Ilhéus – BA. Telefone para contato: (73) 36805069;






©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal