Comente a notícia veiculada pela Veja, produzindo um texto, entre e 10 linhas, que revele seu ponto de vista, levando em conta que você é um vestibulando que vai entrar profissionalmente para o mercado de trabalho, dentro de ou anos



Baixar 0,53 Mb.
Página1/2
Encontro23.11.2017
Tamanho0,53 Mb.
  1   2

Cefet 1A / verão 2003 •

redação
Redação 01

Comente a notícia veiculada pela Veja, produzindo um texto, entre 6 e 10 linhas, que revele seu ponto de vista, levando em conta que você é um vestibulando que vai entrar profissionalmente para o mercado de trabalho, dentro de 3 ou 4 anos.

APÓS CONCLUIR O SEU TEXTO, TRANSCREVA-O PARA A FOLHA DE REDAÇÃO.

A GARANTIA ACABOU

Estudo mostra que aumentou a taxa de desemprego entre as pessoas com nível superior

Saiu um estudo feito pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) que relativiza uma verdade tida como absoluta ligando educação e vida profissional. Ficou estabelecido que, quanto mais as pessoas estudam, mais altos podem ser seus salários e menor é o risco de perder o emprego. Os anos de estudo a mais ajudam muito, mas o trabalho do Ipea constatou que o efeito da escolaridade depende da média de ensino da sociedade. Explica-se: num país onde as pessoas têm, em média, seis anos de ensino, leva uma vantagem brutal quem estuda doze anos. Mas, se a média geral da sociedade aumenta para sete ou oito anos, os doze anos já não significam mais garantia de emprego. E a conseqüência é previsível. Pessoas que até outro dia se imaginavam livres do fantasma da demissão começam a conviver com a dura realidade da recolocação.

Hoje cerca de 500 000 estudantes concluem a universidade por ano e saem à procura de um emprego – dez vezes mais do que o contingente universitário de oito anos atrás. Os departamentos de recursos humanos das grandes companhias registram a recente e gradativa elevação do nível educacional dos candidatos. Há apenas dois anos, 40% dos candidatos a uma vaga na Volkswagen combinavam três pré-requisitos: diploma de ensino superior, conhecimento de uma língua estrangeira e domínio básico da informática. Um novo levantamento mostrou que nove de cada dez candidatos passaram a reunir as três qualificações. Nos últimos sete anos, a taxa de desemprego no Brasil aumentou de 4,4% para 7,5% – um crescimento de 70%. De acordo com o levantamento do Ipea, a taxa de desemprego entre pessoas com doze anos ou mais de escolaridade aumentou 81% no mesmo período. “Nunca foi tão fácil para pessoas preparadas e com estudo conseguir um bom emprego”, diz o economista Lauro Ramos, coordenador da diretoria de estudos sociais do Ipea.

(Mônica Weinberg, revista Veja, 11/09/2002)
redação 2

Produza um texto, entre 6 e 10 linhas, que dê continuidade e conclua, coerentemente, o trecho apresentado.

APÓS CONCLUIR O SEU TEXTO, TRANSCREVA-O PARA A FOLHA DE REDAÇÃO.

Muito barulho por nada

Não foi desta vez que o planeta foi salvo – e nem o mais sonhador dos ambientalistas esperaria isso. Mas a escassez de resultados deixou no ar um sentimento de frustração. Durante dez dias, mais de 100 chefes de Estado e 60 000 delegados reuniram-se em Johanesburgo, na África do Sul, para traçar as diretrizes de como o mundo deve direcionar o crescimento econômico sem degradar ainda mais o meio ambiente. Batizada de Rio+10, a conferência tinha como objetivo avançar nas discussões iniciadas na Eco92, no Rio de Janeiro, há dez anos – quando, pela primeira vez, os países reconheceram a necessidade de estabelecer metas ambiciosas para combater os males causados pelo uso predatório dos recursos naturais.

O encontro de Johanesburgo terminou com a sensação de que . . .

(Revista Veja, 11/09/2002)

português





TEXTO DE REFERÊNCIA PARA AS QUESTÕES 01 A 07

CRISE DO MERCADO OU CRISE DO SUJEITO? (adaptado)

Contardo Calligaris, Folha de São Paulo, 08/08/2002

Muitos dizem que a crise de Wall Street em 2001 e 2002 é um efeito da ganância.(...) Minha previsão é um pouco diferente.

Desde o início do século 19, deixamos de calcular o valor social de cada um com base no lugar, na classe e na família em que nasceu. Para definir o valor de uma pessoa, suas riquezas começaram a contar mais que sua origem. Passamos de uma época que venerava o “ser” (nobre, burguês ou escravo) para uma época que venerava o “ter”. A mudança foi democrática: afinal, era difícil escapar do destino que nos reservavam as diferenças de nascença (só à força de casamentos), mas, no breve espaço de uma vida, por ventura ou pelo trabalho, um indivíduo podia transformar seu status, se esse dependesse apenas de sua riqueza. (...)

No fim do século 19, as riquezas tornaram-se conspícuas: diferenças de consumo, e não só de carteira.

Essa nova ostentação era o primórdio de uma mudança da subjetividade que seria exigida poucas décadas mais tarde, quando a época do “ter” entrou em crise, em 1929.

(...) Passamos de uma sociedade organizada pelas diferenças de bens e posses para uma sociedade comandada pela aparência. Não se trata mais da necessidade de o rico mostrar sua riqueza. Parecer rico torna-se mais importante do que ser rico. Vale mais um pobretão chique do que um ricaço maltrapilho. Essa nova hierarquia, fundada nos sinais exteriores de “invejabilidade” mais do que de riqueza, abre possibilidades insuspeitadas de consumo e de crescimento. (...)

Para a subjetividade da época do parecer, não devemos o que somos nem ao berço nem às posses, mas ao olhar dos outros.

(...) Aconteceu o previsível: a subjetividade dominante impôs seu feitio à sociedade inteira, inclusive à economia. Na época do “ter” (conspícuo ou não), valiam as empresas que produziam, acumulavam e trocavam riquezas reais. Na época do parecer, a economia também preferiu o parecer: valiam as empresas que “pareciam” ricas, ou seja, que produziam sobretudo sua própria imagem.

(...) Obviamente, num mundo em que parecer é mais importante do que ser, as ações da empresa fazem parte da fachada. Valorizá-las (mesmo por um embuste contábil) é mais importante do que aumentar a produtividade ou equilibrar balanços.

Essa bolha estourou. Talvez estoure também o tipo de subjetividade que foi a alma da bolha. Assim como 1929 anunciou o fim da época do “ter”, 2001 e 2002 anunciariam o fim da época do “parecer”.

(...) Depois da subjetividade do “ser”, do “ter” e do “parecer”, quem sabe, seja a hora de uma subjetividade do fazer e do fazer, se possível, as coisas certas.

Questão 01



Assinale a alernativa INCORRETA sobre o texto.

A) Todo o texto se organiza em torno da defesa do ponto de vista que acredita que, ao contrário do que afirmam muitos, a crise de Wall Street não é um efeito da ganância e sim o fim da época do “parecer”.

B) Para explicar a crise de Wall Street de 2001 e 2002, o autor analisa três grandes maneiras de calcular o valor social do homem: o “ser”, o “ter” e o “parecer”.

C) A primeira maneira  ser  era anterior ao século 19, quando o valor social do homem era calculado com base na classe social.



D) Opondo-se ao ser a partir do século 19, o “parecer” propõe uma classificação mais democrática, pois possibilitava a todos a ascensã social por meio do trabalho ou da sorte. CORRETA

E) O que, num primeiro momento, era algo democrático  a passagem do “ser” ao “ter”  passou a ser também discriminatório, pois mais importante do que “ter” era “ostentar”.

Questão 02

Assinale a alternativa INCORRETA sobre o texto.

A) A época do “ter” entra em crise em 1929 quando deixamos a importância do ‘ter” para adotarmos o “parecer”.

B) A cada uma dessas maneiras de classificar o homem  no sentido de “encaixá-lo” em uma classe  corresponde também profundas transformações na economia. A época do “ter” inicia-se com a burguesia e termina com a crise de 1929; a época do “parecer” começa aí e termina com a crise de Wall Street.

C) A crise de Wall Street deve-se, segundo o autor, a uma transferência para a economia de princípios de classe: mais importante que ter bom rendimento é aparentar aos acionistas que se o tem.



D) O autor afirma que da mesma maneira que a crise econômica de 1929 marcou o fim da era do “ter”, a crise de 2001 e 2002 marcam o fim da era do “parecer”. CORRETA

E) O autor explica a crise de Wall Street  valorização de ações por meio de embuste contábil, por exemplo, que resultou na falência de muitas empresas  por um apego à essência do “parecer”.

Questão 03

Leia as seguintes afirmações sobre o texto e, depois, assinale a alternativa correta.

I) O autor propõe um percurso histórico para comprovar sua tese: parte de um problema atual (crise de Wall Street em 2001 e 2002) e busca a origem desse problema através do tempo (início do século 19, fim do séc. 19, 1929) até chegar ao seu tema contemporâneo.

II) Subentende-se que, para o autor, os problemas econômicos têm um substrato sociológico.

III) Pela evolução apresentada pelo autor pode-se acreditar que a crise econômica atual leve ao fim da subjetividade do “parecer”.

A) Somente I está correta.

B) Somente I e II estão corretas.

C) As três estão corretas. CORRETA

D) Somente I e III estão corretas.

E) Somente II e III estão corretas.

Questão 04



Assinale qual das alternativas abaixo reescreve da melhor maneira possível o seguinte trecho do texto:

Essa bolha estourou. Talvez estoure também o tipo de subjetividade que foi a alma da bolha. Assim como 1929 anunciou o fim da época do “ter”, 2001 e 2002 anunciariam o fim da época do “parecer”.

A) Essa bolha estourou bem como estourará o tipo de subjetividade que foi a alma da bolha. Assim como 1929 anunciou o fim da época do “ter”, 2001 e 2002 anunciam o fim da época do “parecer”.

B) Essa bolha estourou, estourará também o tipo de subjetividade que foi a alma da bolha. Assim como 1929 anunciou o fim da época do “ter”, 2001 e 2002 representam o fim da época do “parecer”.

C) Essa bolha estourou, assim também estourará o tipo de subjetividade que foi a alma da bolha. 1929 anunciou o fim da época do “ter”, 2001 e 2002 sinalizam o fim da época do “parecer”.

D) Essa bolha estourou, com certeza estourará também o tipo de subjetividade que foi a alma da bolha. Assim como 1929 anunciou o fim da época do “ter”, 2001 e 2002 marcam o fim da época do “parecer”.

E) Essa bolha estourou. É possível que estoure o tipo de subjetividade que foi a alma da bolha. Assim como 1929 anunciou o fim da época do “ter”, 2001 e 2002 podem representar o fim da época do “parecer”. CORRETA

Questão 05



Qual dos provérbios abaixo NÃO tem relação com o tema do período a seguir: “Parecer rico torna-se mais importante do que ser rico. Vale mais um pobretão chique do que um ricaço maltrapilho.”

A) “Quem ama o feio, bonito lhe parece.”

B) “Quem vê cara, não vê coração.”

C) “O hábito faz o monge.” CORRETA

D) “Por fora bela viola, por dentro pão bolorento.”

E) “As aparências enganam.”

Questão 06



Assinale a alternativa que substitui corretamente a palavra sublinhada no trecho a seguir, mantendo o seu sentido original.

Para a subjetividade da época do parecer, não devemos o que somos nem ao berço nem às posses, mas ao olhar dos outros.

A) e sim CORRETA

B) mais


C) pois

D) todavia

E) contudo

Questão 07



No período “Essa bolha estourou”, do penúltimo parágrafo, a expressão sublinhada refere-se a:

A) empresas com problemas contábeis.



B) crise econômica resultante da subjetividade do “parecer”. CORRETA

C) embuste contábil.

D) ações de empresas de “fachada”.

E) imagem de empresas fraudulentas.

Questão 08

Assinale a alternativa que NÃO é um argumento para a tese do trecho em destaque:

"O Brasil está passando por um grande ajuste das contas externas, de uma magnitude provavelmente maior do que a do ajuste de 1999. No setor externo, o próximo governo vai pegar um país muito mais forte."

(Adaptado de O Estado de S. Paulo, 25/08/02, p. B2)

A) O diretor do Banco Central calcula que a necessidade de financiamento externo em 2003 será de US$ 10 bilhões a US$ 15 bilhões menor do que os US$ 50 bilhões que eram previstos até pouco tempo.

B) A redução da vulnerabilidade externa está acontecendo simultaneamente em quase todos os itens relevantes do balanço de pagamentos, como comércio exterior, dividendos, juros, etc.


  1. Existe um certo consenso de que a deterioração financeira do Brasil nos últimos meses deve-se a um ambiente internacional extremamente adverso aos países emergentes, à vulnerabilidade externa e fiscal do País. CORRETA

  2. D) O motor da mudança que está diminuindo a vulnerabilidade externa é o câmbio flutuante. Graças à alta do dólar, não está havendo nenhuma fuga de capitais de pessoas físicas.

E) O turismo também é um item relevante do balanço de pagamentos em que está acontecendo a redução da vulnerabilidade externa.

Questão 09



O Romantismo brasileiro foi (...) tributário do nacionalismo; embora nem todas suas manifestações concretas se enquadrassem nele, ele foi o espírito diretor que animava a atividade geral da literatura.”

(Antônio Candido: Formação da Literatura Brasileira)

Analise os fragmentos a seguir, extraídos de romances românticos:

I) “A casa da farinha não era mais do que um vasto alpendre aberto por todos os lados e coberto de palhas de pindoba.

No centro via-se o forno onde tinha de ser cozida a massa já apertada pela prensa e livre da manipueira. Parte dela, porém, tanto que saía do pé das rodas, era lavada em gamelas e alguidares onde deixava o resíduo ou goma para os beijus e tapiocas.

A prensa estava armada a um dos lados do alpendre; no outro viam-se as duas ordas que não cessavam de girar. Quando cansavam os matutos ou escravos que as moviam, eram logo substituídos por gente fresca.

Os dois matutos, ali bem conhecidos, foram saudados pelas pessoas que estavam trabalhando, e, como é costume em tais ocasiões ainda hoje, trataram eles de concorrer gratuitamente com o auxílio dos seus braços descansados, o que a muitos não deixou de ser agradável.”

(Franklin Távora)

II) “Naquele tempo é certo que o gado barbatão multiplicava-se com prodigiosa rapidez; e os vastos campos incultos, bem como as florestas ainda virgens, ofereciam às manadas selvagens refúgios impenetráveis.

Daí provinham essas famosas correrias tão celebradas nas cantigas sertanejas, e nas quais os vaqueiros gastavam semanas e meses à caça de um boi mocambeiro, que eles perseguiam com uma tenacidade incansável, menos pelo interesse, do que por satisfação de seus brios de campeadores.”

(José de Alencar)

III) “Corria um belo tempo; a vegetação reanimada por moderadas chuvas ostentava-se fresca, viçosa e luxuriante; a água do rio ainda não turvada pelas grandes enchentes, rolando com majestosa lentidão, refletia em toda a pureza os esplêndidos coloridos do horizonte, e o nítido verdor das selvosas ribanceiras. As aves, dando repouso às asas fatigadas do contínuo voejar pelos pomares, prados e balsedos vizinhos, começavam a preludiar seus cantos vespertinos.”

(Bernardo Guimarães)

Confirma(m) a afirmação do crítico:

A) I, II e III. CORRETA

B) somente III.

C) somente II e III.

D) somente II.

E) somente I e II.

Questão 10

Sampaio, enquanto eles comiam, procurava instruí-los pelo melhor nos costumes da vida fluminense.”

(Aluízio Azevedo: O Coruja).

Os trechos a seguir contêm as instruções de Sampaio a Teobaldo e André, recém-chegados de Minas ao Rio de Janeiro:

I) “Isto aqui, rezava ele – é um demônio de uma terrinha, que tanto pode ser muito boa, como pode ser muito má. Para aqueles que desejam se fazer gente, trabalhar, dar-se ao respeito – não há terra melhor; mas para os que só pensam na pândega e têm, como o senhor, ordem franca em uma casa comercial como esta, - não há terra mais perigosa. ”

II) “É preciso ter muito cuidado com as francesas! (...) Francesa é um modo de dizer. Refiro-me a todos esses diabos de que vai se enchendo o Rio de Janeiro e que não fazem outra coisa senão esvaziar as algibeiras dos tolos! Todo o cuidado é pouco para não cair nas garras de algum dos tais demônios! Encontrando o perigo – é fugir, fugir, para não chorar ao depois lágrimas de sangue! O senhor veio ao Rio foi para estudar, não é? Pois enterre a cara dentro dos livros e feche os olhos ao mais!”

III) “Não digo que não se divirta; consinto que vá ao teatro de vez em quando; se se der com alguma família, pode freqüentá-la; mas tudo isso, já se vê, com muita prudência e com muito juízo. Evite as más companhias, fuja dos vadios e dos viciosos; não freqüente a rua do Ouvidor; não entre nos cafés (...) E, principalmente, meu amigo, não se meta a escrevinhador, que isso tem posto muita gente a perder!”

A concepção de meio do Naturalismo é quebrada em:

A) somente I.



B) I, II e III. CORRETA

C) somente II.

D) II e III.

E) somente III.

Questão 11

Numa espécie de “prefácio” ao seu romance Serafim Ponte Grande, 1933, Oswald de Andrade afirma: “Transponho a vida. Não copio igualzinho. Nisso residiu o mestre equívoco do naturalista. A verdade de uma casa transposta na tela é outra que a verdade da natureza. Pode ser até oposta. Tudo em arte é descoberta e transposição.

O material da literatura é a língua. A afasia da escrita atual não é perturbação nenhuma. É fonografia. Já se disse tanto. A gente escreve o que ouve – nunca o que houve.”

Com base no texto, é correto afirmar que o autor:

A) alista-se nas fileiras da prosa moderna surgida a partir de ’30.

B) amplia suas concepções estéticas de ’20, aproximando pintura e literatura.

C) incorpora elementos do surrealismo ao seu modo de pensar a literatura moderna.



  1. opõe-se ao modo de conceber a literatura como ensaio sociológico. CORRETA

E) busca formas novas para a prosa, a fim de retomar a temática naturalista.

Questão 12



I) “Ora (direis) ouvir estrelas! Certo

Perdestes o senso!” E eu vos direi, no entanto,

Que, para ouvi-las, muita vez desperto

E abro as janelas, pálido de espanto...

E conversamos toda a noite, enquanto

A Via Láctea, como um pálio aberto,

Cintila. E, ao vir do sol, saudoso e em pranto,

Inda as procuro pelo céu deserto.

Direis agora: “Tresloucado amigo!

Que conversas com elas? Que sentido

Tem o que dizem, quando estão contigo?”

E eu vos direi: “Amai para entendê-las!

Pois só quem ama pode ter ouvido

Capaz de ouvir e de entender estrelas.”

(Olavo Bilac: Poesias, 1882)

II) “CONCERTO

ORA (DIREIS) OUVIR ESTRELAS!

Bilac

Oh! vós que me escutais e que nas noites tristes

Andastes divagando ao frescor do relento

E além pelo infinito escampo conduzistes

O infinito que em vós se chama – Pensamento;

Dizei-me se o concerto oculto já sentistes

Que vibra muito além, além do firmamento...

Dizei-me se do espaço as vibrações ouvistes

Sonoras palpitando aos tristes ais do vento?

Que macabra harmonia é o dormitar das campas!...

A gama sideral!... o giro das esferas!...

A voz da natureza!... o ressonar dos pampas!...

Oh! vós que ouvis, irmãos, sonatas de Beethoven,

Ide ouvir alta noite essas notas austeras

Que o vento me segreda e os meus ouvidos ouvem!”

(Jorge de Lima: XIV Alexandrinos, 1914)

Da comparação dos dois textos, pode-se afirmar que:

A) o segundo é uma sátira ao primeiro.

B) os dois trabalham o tema do amor.

C) o segundo diferencia-se por usar o verso livre.

D) os dois apresentam-se em forma de um diálogo.

E) os dois ilustram o tipo de poesia que viria a ser combatida pelo modernismo. CORRETA

Questão 13



Assinale a alternativa que analisa INCORRETAMENTE o conteúdo do livro Seminário dos Ratos, de Lygia Fagundes Telles.

A) O conto que dá título ao livro tem, como personagem central, os ratos – animais repugnantes, irracionais, incontroláveis, devoradores ferozes – metáfora do ser humano na sua ânsia de consumir o que se lhe apresenta, sempre em benefício próprio.



B) Todos os contos trabalham enfoques diferentes do mesmo tema, o que produz um efeito de continuidade tal qual um romance que possui um mesmo fio condutor interligando todos os personagens. CORRETA

C) O livro mescla contos intimistas – que abordam a complexidade das relações humanas – com o fantástico que ultrapassa o âmbito do real para mostrar metaforicamente as loucuras, a imaginação e os absurdos do cotidiano.

D) O homem é a peça central desses contos, o homem com todas as suas angústias, alegrias e tristezas, indefinições, sonhos e fraquezas, frustrações e arrependimentos, reproduzindo a teia das relações humanas.

E) O clima de mistério de alguns contos traduz o finíssimo humor da autora e sua habilidade em manter o suspense ora pela ambigüidade da situação ora pelo enigmático, buscando prender o leitor até o final.

Questão 14

Em relação à obra Meus Poemas Preferidos, de Manuel Bandeira, assinale a alternativa INCORRETA:

A) Em “Desalento”, poema inicial da coletânea, Manuel Bandeira expõe sua arte poética, que consiste em afirmar o afastamento da vida em relação à poesia, presente nestes versos: “E nestes versos de angústia rouca/ Assim dos lábios a vida corre,/ Deixando um acre sabor na boca.” CORRETA

B) Em “Os sapos”, Bandeira estabelece um juízo crítico e negativo contra os poetas parnasianos: “O sapo-tanoeiro,/Parnasiano aguado,/Diz: - ‘Meu cancioneiro/É bem martelado.’”

C) Em “Meninos carvoeiros”, Bandeira narra a vida dos meninos pobres, mas o faz, suspendendo a tragicidade à medida que a narrativa-poema é dada também pelo ponto-de-vista dos meninos: “Adoráveis carvoeirinhos que trabalhais como se brincásseis.”

D) Em “Pneumotórax”, Bandeira trata da morte e da doença com pouca dramaticidade e sentimentalismo.

E) Nos versos “Criou-me, desde eu menino,/Para arquiteto meu pai./Foi-se-me um dia a saúde...”, percebemos o tom autobiográfico em que Bandeira poetiza a sua saúde debilitada, tema recorrente em sua obra.

Questão 15

Passa gente vindo da feira. Agora temos uma feira aqui perto de casa. Para mim apenas movimenta a esquina, com tantas empregadas e donas-de-casa carregadas de sacos e cestas de frutas, verduras e legumes. Ao poeta Drummond, que mora mais além, a feira deve incomodar, porque os grandes caminhões roncam sob a sua janela, e o vozerio dos mercadores e freguesas perturba o seu sono matinal.

O que não tem a menor importância: na atual situação do mundo é bom que os poetas estejam vigilantes. Quanto aos cronistas, que eles durmam em paz; é melhor que se recolham e se esqueçam de fazer a crônica destes dias, em que não há nenhum exemplo nem lição. O poeta é mais adequado para ouvir as exclamações patéticas (“os tomates estão pela hora da morte”) e tomar o pulso dos fatos concretos da mercância local. Além disso deve subir até sua janela a fragrância das verduras e de todas essas coisas nascidas na terra, ainda frescas e vivas, coloridas. É bom que ele veja as quinquilharias ingênuas, as ervas misteriosas, as pequenas inúteis e preciosas coisas do mar e do sertão, os cavalos-marinhos e as sementes escuras. Só ele poderá entender as coisas de barro e de palha, a glória dos tomates, o espanto de pedra no olho dos peixes eviscerados, e o constrangimento amarelo desses abacaxis sem sabor que amadurecem no meio do inverno.”

(Rubem Braga, “A feira”)

O fragmento acima permite compreender os seguintes aspectos de 200 Crônicas Escolhidas, EXCETO:

A) a aproximação entre a poesia e a crônica, empregando o cronista recursos utilizados pelos poetas.

B) a transformação do cotidiano em assunto para as crônicas.

C) a construção da crônica a partir de uma confissão da falta de assunto, de vontade ou de tempo para escrever.

D) a transformação de acontecimentos corriqueiros em “exemplo” ou “lição”.

E) o interesse do cronista exclui as “coisas nascidas na terra”, “quinquilharias”. CORRETA



Inglês



TEXTO REFERENTE ÀS QUESTÕES 16 - 20.
EINSTEIN’S HOT TIME

By Steve Mirsky

The well-known quote from Albert Einstein in his attempt to make relativity more accessible to the layperson goes: “When a man sits with a pretty girl for an hour, it seems like a minute. But let him sit on a hot stove for a minute and it’s longer than any hour. That’s relativity.”

Some serendipitous research shows that the pretty girl / hot stove line turns out to be more than just a clever thought. Recently I came across the statement in its original form. Amazingly the pretty girl / hot stove quote is actually the abstract from a short paper written by Einstein that appeared in the Journal of Exothermic Science and Technology in 1938. Apparently, the great theoretician tried his hand and other body parts, at experimentation to derive his simple explanation for relativity.

(Adapted from SCIENTIFIC AMERICAN, SEPTEMBER, 2002)

questão 16



Einstein’s quote was an attempt to make relativity _____.

A) complicated



B) simple CORRETA

C) funny


D) interesting

E) boring

Questão 17

The quote means that:

A) pretty girls make the time short.

B) hot stoves make the time long.

C) the observation of time is different for men and women.



  1. the observer’s state of mind is important for the perception of time. CORRETA

E) a minute is not longer than an hour.

Questão 18



Choose the item that does NOT contain the comparative form of an adjective.

A) more accessible

B) better

C) clever CORRETA

D) longer

E) worse

Questão 19



Came across in “…I came across the statement…” can be replaced by:

A) see.


B) saw.

C) seen.


D) find.

E) found. CORRETA

Questão 20



The author _____.

I) thinks Einstein’s quote is intelligent

II) knows for sure that Einstein tried some parts of his body on a hot stove

III) is surprised because the quote is part of a paper

A) T - F – T CORRETA

B) T - F - F

C) F - F - F

D) F - T - F

E) F - T - T

O TEXTO A SEGUIR É REFERENTE ÀS QUESTÕES 21 - 25.
THE CHALLENGES WE FACE: Energy and Climate

By JeffreyKluger & Andrea Dorfman

About 2.5 billion people around the world have no access to modern energy services, and the power demands of developing economies are expected to grow 2.5% per year. But if those demands are met by burning fossil fuels such as oil, coal and gas, more and more carbon dioxide and other greenhouse gases will hit the atmosphere. That, scientists tell us, will promote global warming, which could lead to rising seas, storms, droughts and other climatic disruptions.

A new U.N. Environment Program report warns of the effects of a haze across all southern Asia. Estimated to be 3k thick, it may be be responsible for hundreds of thousands of deaths a year from respiratory diseases.

Pre-Johannesburg proposals call for eliminating taxation and pricing systems that encourage oil use and replacing them with policies that provide incentives for alternative energy. In India there has been a boom in wind power because the government has made it easier for entrepreneurs to get their hands on the necessary technology.

Other technologies can work their own little miracles. Micro-hydroelectric plants are already operating in numerous nations, including Kenya, Sri lanka and Nepal. One plant in Kenya was built by 200 villagers, all of whom own shares in the cooperative that sells the power.

(Adapted from TIME, AUGUST 26, 2002)

GLOSSARY:

Haze = nevoeiro

Questão 21



The power demands of developing economies _____ grow 2.5% per year.

A) will


B) shall

C) may CORRETA

D) ought to

E) must

Questão 22



Choose the alternative used as a verb in the text.

A) developing

B) warming

C) pricing



D) operating CORRETA

E) including

QUESTÃO 23

Which in “…which could lead to …” refers to:

A) scientists.



B) global warming. CORRETA

C) rising seas.

D) storms.

E) droughts.

QUESTÃO 24

Them in “…replacing them with…” refers to:

A) taxation and pricing systems. CORRETA

B) proposals.

C) policies.

D) incentives.

E) alternative energy.

QUESTÃO 25



According to the text:

I) There is no rural electrification in many parts of the world.

II) People in Asia are getting sick because of a haze.

III) The use of wind power in India has become more popular due to government policies.

IV) All the villagers, who built the plant in Kenya, own shares.

A) F - F - T - T

B) F - T - F - T

C) F - T - T - F

D) T - F - T - F

E) T - F - T – T CORRETA


Espanhol


LAS CUESTIONES DE 16 A 22 SE REFIEREN AL TEXTO SIGUIENTE:
LOS COSMÉTICOS

Como mujer, como persona que quiere cuidarse y envejecer dignamente sin pasar por el quirófano, me pregunto qué de verdad hay en todos esos cosméticos milagrosos que se me ofrecen durante treinta segundos varias veces al día. Porque de ser verdad todo lo que dicen, yo los quiero utilizar todos.

Los hay de muchas clases y para todas las edades: hidratantes de cuerpo, de cara, para la noche, para el día, antiarrugas, peelings, antistress, reductores. Si hay algo en común en ellos es, desde luego, el precio: todos son carísimos. Pero asumiendo que quien algo quiere algo le cuesta, lo más difícil es decidirse por cuál, y es ahí donde quiero hacer más hincapié y aprovecho para manifestar la ansiedad que padezco al tener que decidirme por alguno, porque yo no quiero renunciar a los beneficios de ninguno de ellos.

He hecho una sencilla regla matemática para saber si los puedo utilizar todos, y la respuesta es: imposible, no hay horas en el día para aplicarlos a lo largo y ancho de mi cuerpo. Por eso, se me ha ocurrido una solución: proponer a alguna empresa de cosméticos que haga un único producto en el que se reúnan las propiedades de todos, presentándolo en un envase a tamaño granel. ¿A que és fácil? Y, si yo he sido capaz de llegar a esta conclusión, ¿por qué no lo ha hecho ya algún fabricante?

Las ventajas son claras. Ahorrarían en publicidad: con un sólo anuncio lleno de maravillosas experiencias cutáneo-corporales nos convencerían de sus beneficios. Ahorrarían en envases: ya no sería necesario inventar botes cada vez más estrafalarios para contener sus productos. Y, por último, ahorrarían en la provocación de angustia y ansiedad en las consumidoras: ya no tendríamos que decidir cuál queremos aplicarnos.

Señores cosmetólogos: sean sensatos, por favor. Ustedes fabriquen cosméticos, que nosotras compraremos ilusiones. Si nos las venden bien, claro está.

( CHACHI, Chachián. Estamos en sus manos: A la publicidad.)

QUESTÃO 16



Según la lectura del texto, la autora:

I) quisiera hacerse vieja sin tener que sufrir una cirugía plástica.

II) sugiere a los cosmetólogos que creen botes menos desaliñados.

III) está ansiosa por usar todos los cosméticos a la vez, pero le resulta muy difícil.

IV) está preocupada con las reacciones alérgicas ocasionadas por el uso de cosméticos inadecuados.

V) piensa que los cosméticos no le acreditan a envejecer con dignidad.

A) están correctas las afirmaciones I, III y V.



B) la II, IV y V están equivocadas. CORRETA

C) sólo la IV está equivocada.

D) están correctas las afirmaciones III y V.

E) sólo la I está equivocada.

QUESTÃO 17

Los hay de muchas clases...” La palabra subrayada se refiere a:



A) cosméticos. CORRETA

B) precios.

C) anuncios.

D) hidratantes corporales.

E) edades.

QUESTÃO 18

Si hay algo en común en ellos es, desde luego, el precio.” La expresión subrayada significa en portugués:

A) necessariamente.

B) desde já.

C) com certeza. CORRETA

D) a partir de hoje.

E) logo.

Questão 19



De acuerdo con el texto, en “(...) envejecer dignamente sin pasar por el quirófano (...)”, el vocablo subrayado significa:

A) sarcófago.

B) quiromasajista.

C) tratamiento de piel.



D) sitio de cirugía. CORRETA

E) abrigo de idosos.

Questão 20

En Ahorrarían en publicidad(...)”, lo opuesto al vocablo subrayado es:

A) derrocharían. CORRETA

B) dispensarían.

C) eximirían.

D) ganarían.

E) sacarían.

QUESTÃO 21

Aprovecho para manifestar la ansiedad que padezco.” El verbo subrayado tiene la misma irregularidad de:

A) conocer, escocer y producir.

B) nacer, satisfacer y lucir.

C) parecer, crecer y traducir. CORRETA

D) merecer, remecer y seducir.

E) envejecer, ensordecer y cocer.

QUESTÃO 22

Es ahí donde quiero hacer más hincapié.” De acuerdo con el texto, “hacer hincapié” significa en portugués:

A) torcer.

B) tergiversar.

C) esclarecer.



D) enfatizar. CORRETA

E) encher-se.

Questão 23

LA TORTUGUITA

Una tortuguita trepaba todos los días hasta lo más alto de un árbol elevadísimo y luego se tiraba del mismo, una y otra vez, hasta que un día, una pareja de pájaros se mira y dice:

¿Che, vieja, no te parece que le digamos al nene que es adoptado?



(dominio público)

De la lectura del chiste es posible concluir que:

A) la pareja de pájaros cree que la tortuguita está muy idosa para ejercitarse tanto.



B) la tortuguita piensa que va a volar como sus padres adoptivos. CORRETA

C) la tortuguita subía y bajaba del árbol para no hacerse vieja.

D) la tortuguita no se parece a sus padres porque es adoptiva.

E) la pareja de pájaros piensa que la tortuguita es muy joven para adoptar a un bebé.



QUESTÃO 24

Según la historieta, es correcto afirmar que:

A) a Zipi y Zape les suspendieron en Geografía.

B) Zipi y Zape son alumnos muy empollones.

C) Zipi y Zape aprobaron por los pelos.

D) Zipi y Zape hicieron chuletas en los exámenes.

E) Zipi y Zape catearon en todas las materias. CORRETA

QUESTÃO 25





  1   2


©livred.info 2019
enviar mensagem

    Página principal