Ácido úrico-pp fundamento



Baixar 4,55 Mb.
Página3/78
Encontro09.07.2018
Tamanho4,55 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   78

RESULTADOS

Unidade de Medida


mg/dL

Fator de Conversão de Unidades (mg/dL para SI)

mg/dL de Ácido Úrico x 59,5 = µmol/L de Ácido Úrico


CONTROLE DA QUALIDADE

Materiais

Identificar os materiais de controle interno e externo da qualidade, citando fabricante e número de catálogo.

Referenciar POP para limpeza e secagem dos materiais utilizados.

Controle Interno

Descrever a calibração periódica de pipetas, equipamentos utilizados, controle de temperatura ambiente e geladeiras para armazenamento dos kits.

Citar a utilização de soros controles (nível normal –código --------- e patológico –código -------) nas análises realizadas juntamente com a freqüência da utilização dos mesmos. Descrever o procedimento de verificação de novos lotes de controles e reagentes.

Citar POP para controle interno.



Controle Externo

Descrever os procedimentos utilizados nas avaliações de qualidade feitas por programas de comparação entre laboratórios ou outros controles de qualidade: PNCQ-SBAC e/ou PELM-SBPC



Gerenciamento dos dados obtidos no Controle Interno e Externo

Definir como os dados de controle são arquivados e gerenciados.

Fazer referência ao manual ou POP de garantia da qualidade.

VALORES DE REFERÊNCIA


Para amostras de Soro e Plasma

Adultos

Homens: 2,5 a 7,0 mg/dL

Mulheres: 1,5 a 6,0 mg/dL

Crianças

Homens: 1,5 a 6,0 mg/dL

Mulheres: 0,5 a 5,0 mg/dL

Para amostras de Urina

250 a 750 mg/ 24 horas

Estes valores devem ser usados como uma orientação. É recomendado que cada laboratório estabeleça seus próprios valores de referência.


SIGNIFICADO CLÍNICO


O ácido úrico é um metabólito das purinas, ácidos nucléicos e nucleoproteínas. Numerosas doenças, condições fisiológicas, alterações bioquímicas, fatores sociais e ambientais estão associados a elevações na concentração do urato plasmático.

Valores aumentados: A hiperuricemia ocorre na maioria dos pacientes com gota, na insuficiência renal, leucemia, policitemia, mieloma múltiplo, intoxicação por chumbo, cetoacidose, nos tratamentos com citostáticos ou tiazídicos, na síndrome de Lesch-Nyhan, nas hiperuricemias idiopáticas.

O aumento de urato está positivamente relacionado a hiperlipidemia, obesidade, aterosclerose, diabetes mellitus e hipertensão, embora os mecanismos destas alterações ainda não sejam bem compreendidos.



Valores diminuídos: As causas da hipouricemia são pouco freqüentes, ocorrendo na síndrome de Fanconi, doença de Wilson e doenças malígnas como linfoma de Hodgkin e carcinoma broncogênico.

Enquanto drogas como salicilatos, fenilbutazona aumentam a excreção de ácido úrico, outras como o alopurinol interfere na síntese, diminuindo assim sua concentração no sangue.



LINEARIDADE

Linearidade

A reação é linear até 20,0 mg/dL. Para valor acima de 20,0 mg/dL, diluir a amostra com NaCl 0,9 g%, realizar nova dosagem e multiplicar o resultado obtido pelo fator de diluição empregado.

Urina: Diluir a amostra (com pH entre 7,0 e 9,0 e aquecida 10 minutos a 56°C) 1:20 ou 1:40 com água destilada ou deionizada e repetir a medição. Multiplicar o resultado por 20 ou 40 conforme diluição previamente utilizada.

SENSIBILIDADE ANALÍTICA

Sensibilidade Analítica

Utilizando-se a absorbância do padrão como parâmetro verificou-se que o limite de detecção fotométrica é de 0,03 mg/dL.



LIMITAÇÕES DO MÉTODO

Os resultados deverão ser usados em conjunto com informações disponíveis da avaliação clínica e outros procedimentos diagnósticos.



REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

  1. Barham D, Trinder P. Analist 1972;97:142-145.

  2. Burtis CA, Ashwood ER. Tietz Fundamento de Química Clínica, 4a Ed - Guanabara Koogan; 1998.

  3. Duncan PH, Gochman N, Cooper T, Smith E, Sayze D Clin Chem 1982;28:284-290.

  4. Elin RJ, Johnson E, Chesler R. Clin Chem 1982;28:2089.

  5. Fossati P, Prencipe L, Berti G Clin Chem 1980, 26:227-31.

  6. Inmetro – Boas Práticas de Laboratório Clínico e Listas de Verificação para Avaliação, Qualitymark ed., Rio de Janeiro, 1997.

  7. Kaplan A, Szabo LL, Opheim KE. Clinical Chemistry: Interpretation and Techniques. Philadelphia, Lea & Febiger, 1988:140-143.

  8. Trinder P. Ann Clin Biochem, 1969;6:24.

  9. ÁCIDO ÚRICO-PP, Instruções de Uso, Gold Analisa Diagnóstica.






Nome

Assinatura

Data

Elaborado por:







___/___/___

Aprovado por:







___/___/___

Implantado por:







___/___/___

Substitui POP:




Revisado por:







___/___/___

Revisado por:







___/___/___

Revisado por:







___/___/___

Desativado por:







___/___/___

Razão:






Número

Destino

Cópias







Revisão 01/13

AEO-PP

FUNDAMENTO

O teste baseia-se na aglutinação das partículas de látex sensibilizadas com estreptolisina O (antígeno), quando misturadas com soro de pacientes contendo anticorpos específicos devido à infecção por estreptococos beta-hemoliticos dos grupos A e C produtores de estreptolisina O.


APLICAÇÃO CLÍNICA

A quantificação da AEO (Antiestreptolisina O) no soro é importante para monitorar a elevação dos seus níveis durante a fase aguda e a sua queda após a resolução dos estados de infecção provocados pelo Streptococcus beta-hemolítico dos grupos A e C produtores de estreptolisina O.

Os estreptococcus do grupo A são encontrados muitas vezes em infecções da parte superior do trato respiratório, assim como em infecções cutâneas superficiais.

AMOSTRA

Preparo do Paciente

Colher sangue pela manhã após jejum de 8 horas, salvo orientações médicas.



Amostras utilizadas

Soro.


Estabilidade e armazenamento da amostra

No soro, o analito é estável por 7 dias entre 2-8°C.



Volume ideal utilizado para análise

(Definir o volume ideal a ser encaminhado para análise).



Volume mínimo utilizado para análise

(Definir o volume mínimo a ser encaminhado para análise).



Critérios para rejeição da amostra

Não usar amostra hemolisada ou lipêmica.



Fazer referência ao manual ou POP de coleta, separação e distribuição de material.
REAGENTE UTILIZADO

AEO PP CAT. 492 MS 80022230110

AEO PP CAT. 492K MS 80022230125


GOLD ANALISA DIAGNÓSTICA LTDA

CNPJ – 03.142.794/0001-16

Av. Nossa Senhora de Fátima, 2363

Belo Horizonte – MG – Brasil

Farmacêutico Responsável: José Gilmar Pereira Berto - CRF-MG 13421

Componentes do kit

Conservar entre 2-8°C.



  1. Látex AEO – Contém suspensão de partículas de látex sensibilizadas com estreptolisina O e azida sódica 14,6 mmol/L. A sensibilidade do reativo é ajustada para detectar 200 UI/mL de AEO. Não congelar.

  2. P-Controle Positivo – Soro humano contendo mais de 200 UI/mL de AEO.

  3. N- Controle Negativo – Soro animal contendo menos de 200 UI/mL de AEO.


Estabilidade

Os reagentes são estáveis até o vencimento da data de validade impressa no rótulo e na caixa quando conservados na temperatura recomendada, bem vedados e se evite a contaminação durante o uso.



MATERIAIS AUXILIARES

Placa de reação e palitos (AEO – PP – Cat. 492).



Precauções e Cuidados Especiais

  1. Aplicar os cuidados habituais de segurança na manipulação dos reagentes e amostra biológica.

  2. Recomendamos seguir as Boas Práticas de Laboratórios Clínicos para a execução do teste e para conservação, manuseio e descarte dos materiais.

  3. O Látex AEO contém azida sódica como conservante. Evitar contato com os olhos, pele e mucosa. Não aspirar ou ingerir.

  4. Todos os reagentes derivados do sangue humano foram testados para anticorpos anti-HCV, anti-HIV e antígeno HbsAg e apresentaram resultados negativos. No entanto, devem ser tratados com precaução, como potencialmente infectantes. Manusear e descartar segundo as normas de biossegurança.

  5. De acordo com as instruções de biossegurança, todas as amostras devem ser manuseadas como materiais potencialmente infectantes.

Nota

O produto do Cat. 492K contém somente o reagente Látex AEO.

Os controles positivo e negativo e os materiais auxiliares fazem parte somente da apresentação do produto AEO – PP – Cat. 492.

Para utilização dos controles, adquirir o produto completo AEO- PP – Cat. 492.



Interferências


A lipemia (triglicérides até 500 mg/dL), a hemólise ( hemoglobina até 500 mg/dL), a bilirrubina até 15 mg/dL e os fatores reumatóides até 300 UI/mL não interferem.

Alguns medicamentos e substâncias podem interferir.



EQUIPAMENTOS


Procedimento Técnico Manual

  • Controles positivo e negativo e materiais auxiliares;

  • Agitador mecânico rotatório de velocidade regulável a 100 r.p.m;

  • NaCl 0,9 g%;

  • Tubos e Pipetas;

  • Cronômetro.


PROCEDIMENTO


1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   78


©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal