Carvalho aho



Baixar 106,64 Kb.
Encontro10.05.2017
Tamanho106,64 Kb.

ALMEIDA DS; CARVALHO AHO; COSTA AC; LIMA WL; OLIVEIRA FL. 2016. Qualidade de mudas de tomateiro produzidas em substrato orgânico enriquecido com pó de rocha. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE OLERICULTURA, 54. Anais... Recife: ABH, p. 200.


Qualidade de mudas de tomateiro produzidas em substrato orgânico enriquecido com pó de rocha

Déborah S. de Almeida1, Arnaldo Henrique de O. Carvalho2, Ariane C. Costa ³, Wallace L. de Lima4, Fábio L. de Oliveira5.

¹ IFES- Campus de Alegre, Pós Graduanda em Agroecologia, deborahsampaio12@gmail.com; 2 IFES - Campus Ibatiba, acarvalho@ifes.edu.br, Doutorando em Produção Vegetal - CCA/UFES; ³ UENF, Mestranda em Produção Vegetal, arianecardosocosta@hotmail.com; 4 IFES - Campus de Alegre, wallace@ifes.edu.br; 5 UFES - CCA, Departamento de Fitotecnia, fabio.oliveira.2@ufes.br.


RESUMO

O tomateiro (Lycopersicon esculentum L., H. Karst.), uma das principais hortaliças cultivadas no Brasil, coloca o Espírito Santo na nona posição em produção com 144.834 toneladas na safra 2015, sendo a hortaliça de maior expressão econômica no Estado, em uma área cultivada de 2.610 ha (IBGE, 2016), abastecendo tanto o mercado capixaba quanto o nacional. Objetivou-se avaliar a qualidade de mudas de tomateiro produzidas em substrato orgânico enriquecido com pó de rocha granítica. O trabalho foi realizado com tomate cv. Santa Clara, em tubetes médios de 120 cm³ em ambiente protegido no setor de Agroecologia do Ifes - Campus de Alegre. O delineamento experimental utilizado foi inteiramente casualizado com 10 tratamentos (T), sendo formados pela combinação de substrato orgânico (SO) a base de resíduos de cama de frango, esterco bovino, cinzas e podas de gramíneas dos jardins e diferentes concentrações de pó de rocha granítica (PR), a saber: T1 - 5% PR + 95 % SO; T2 - 10% PR + 90% SO; T3 - 15% PR + 85% SO; T4 - 25% PR + 75% SO; T5 - 35% PR + 65% SO; T6 - 50% PR + 50% SO; T7 - 75% PR + 25%SO; T8 - 100% SO; T9 - 100% PR e T10 - substrato comercial (SC) como testemunha, em 20 repetições. Aos 26 dias após a semeadura foram avaliadas as características biométricas necessárias para encontrar o Índice de Qualidade de Dickson (IQD) (DICKSON et al., 1960) determinando a qualidade das mudas. Os tratamentos que proporcionaram melhores índices foram os tratamentos T1 e T8, constituidos de substrato orgânico enriquedico com 5% de pó de rocha granítica e substrato orgânico puro, respectivamente. Conclui-se que é recomendável utilizar até 5% de pó de rocha granítica enriquecendo o substrato orgânico para produção de mudas de qualidade de tomateiro.



PALAVRAS-CHAVE: Lycopersicon esculentum(L.) H. Karst., resíduos, substratos orgânicos.

AGRADECIMENTOS

Ao MEC e MAPA, por meio do CNPq, pelo apoio financeiro ao Núcleo de Estudos em Agroecologia e Produção Orgânica do Instituto Federal do Espírito Santo - Campus Ibatiba, processo 487472/2013-6. À FAPES pela bolsa Pesquisador Capixaba do último autor (orientador).



REFERÊNCIAS

COSTA, LAM; COSTA, MSSM; PEREIRA, DC; BERNARDI, FH; MACCARI, S. 2013. Avaliação de substratos para a produção de mudas de tomate e pepino. Rev. Ceres, Viçosa, 60:675-682.

DICKSON, A; LEAF, AL; HOSNER, JF. 1960. Quality appraisal of white spruce and white pine seedling stock in nurseries. Forest Chronicle. 36:10-13.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2016, 10 de maio. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Dados referentes ao Estado do Espírito Santo, fornecidos em meio digital. Disponível em: http://www.sidra.ibge.gov.br/



Anais 54o Congresso Brasileiro de Olericultura (CD ROM), julho 2016




©livred.info 2019
enviar mensagem

    Página principal