Brand Equity e Lealdade



Baixar 91,77 Kb.
Encontro12.07.2018
Tamanho91,77 Kb.

VI SEMEAD ENSAIO

Marketing

Título do Trabalho: Como medir a produtividade de Marketing da Empresa através dos conceitos de Valor de Marca e Lealdade à Marca
Autor: Andres Rodriguez Veloso
Titulação mais alta: Mestrando em Administração – Escola de Administração/ Universidade Federal do Rio Grande do Sul


Título do Artigo: Como medir a produtividade de Marketing da empresa utilizando os conceitos de Valor de Marca e Lealdade à Marca

Resumo
Medir a produtividade de Marketing dentro de uma empresa é um desafio que a academia tem enfrentado com muito afinco ao longo das últimas décadas. A área de Marketing dentro das empresas tem sofrido forte pressão no sentido de justificar seus gastos. São diversos os incentivos para pesquisas nesta área, principalmente através do M.S.I.. Buscando agregar a esta discussão propõe-se um modelo que busca medir a produtividade em Marketing utilizando os conceitos de Valor de Marca e Lealdade à Marca.
Palavras Chave: Produtividade em Marketing, Lealdade à Marca e Valor de Marca.
Abstract: Measuring the productivity of the Marketing department is a challenge that the marketing academy has been facing fierce fully along the last decades. Marketing department has been on great pressure to justify its spending. There are innumerous incentives for research in this particular area, most of them sponsored by the Marketing Science Institute. Trying to bring deepness to this discussion the author proposes a model that intends to measure marketing productivity by using the concepts of Brand Equity and Brand Loyalty.
1 Introdução
Brand Equity, ou Valor de Marca tem sido um dos tópicos mais presentes na academia de Marketing nos últimos anos. O tópico faz parte da lista de prioridades do Marketing Science Institute-MSI (instituto que agrega profissionais e acadêmicos de marketing) do período de 2002-2004. O interesse pelo tema vem das inúmeras fusões e aquisições que aconteceram durante as décadas de 80 e 90 (Pitta & Katsanis, 1995; Keller 1993; Morgan, 2000), principalmente nos Estados Unidos. Podemos citar a compra da Duracell pela Gillette em 1996 e a compra da Kraft Inc. pela Philip Morris Companies Inc. Estas fusões e aquisições envolveram grandes empresas que eram donas de marcas muito poderosas.
Neste momento surgiu a questão de como avaliar o valor das marcas sendo transacionadas. Essa preocupação deu lugar à avaliação financeira de marcas, baseadas no valor da ação no mercado e em estimativas de fluxos de caixa futuros. Ao mesmo tempo surgiu uma corrente de estudos que indicava um outro caminho para o estudo do valor de uma marca. Este caminho de pesquisa buscava identificar o papel do consumidor e da empresa nesta relação (Keller, 1993; Aaker 1991). Identificando, assim, a importância do consumidor no que se refere a Valor de Marca. Para Keller (1993) Valor de Marca estaria relacionado com a possibilidade de um melhor gerenciamento, por parte da empresa, da função de marketing, ou seja, seria uma forma de a empresa guiar suas estratégias e monitorar a performance das atividades de marketing. Já para Aaker (1991) Valor de Marca estaria relacionado com os benefícios que esta poderia trazer, não só para a empresa, mas também para o consumidor.
Resumidamente, pode-se dizer que o conceito de Valor de Marca tem sido estudado através de três diferentes abordagens (Schultz, 2000): Foco no consumidor (através de conceitos como efetividade dos programas de marketing, lealdade à marca, preços Premium e ambiente favorável à extensão de marca), Valor da Ação (percentual do valor da ação no mercado que é resultado do valor da marca) e Valor da Marca no Mercado (através de fluxos de caixa descontados é calculado o valor da marca).
O que estas abordagens tem em comum é o fato de que todas estão relacionadas com o consumidor. A primeira reflete a forma como o consumidor avalia a marca. A segunda está baseada no valor da ação no mercado que é resultante de expectativas futuras de lucros, os quais não podem ser separados do consumidor. A terceira está relacionada com o conceito de fluxos de caixa descontados, o qual prevê valores de faturamento que também recaem na avaliação do consumidor e nas suas compras. Diante destas evidências podemos afirmar que um dos aspectos mais importantes para uma empresa interessada em avaliar o valor da sua marca e direcionar suas estratégias de marketing é com base na visão do consumidor (Keller, 1993; Morgan, 2000).
A lealdade é um dos fatores que se encontra presente em todas as visões de valor da marca. Um grande número de consumidores leais é um patrimônio da marca, e tem sido identificado como um dos maiores determinantes de Valor de Marca (Dekimpe et Al., 1997 apud Rundle-Thiele e Bennett, 2001). É ela que irá garantir que as previsões de lucros futuros e de fluxos de caixa se concretizarão. O valor da marca e a lealdade são partes integrantes de uma via de mão dupla que resulta em melhores resultados para as empresas que se empenham na implementação destes conceitos. A lealdade pode ser vista de duas maneiras (Morgan, 2000; Rundle-Thiele e Bennett, 2001):


  • O que o consumidor sente com relação à marca - ligações emocionais do consumidor com a marca.

  • Como o consumidor age em relação à marca – compras repetidas ao longo do tempo.

Segundo Rundle-Thiele e Bennett (2001) as empresas estão inseridas em diferentes contextos (mercados, categorias de produtos e envolvimento) que pedem por diferentes conceitos de lealdade. Os autores ainda acrescentam que não existe uma teoria unificada do campo, em referência ao estudo do comportamento do consumidor no que se refere à lealdade. Podemos relacionar estas considerações com o modelo de construção de lealdade de Oliver (1999), onde ele coloca que podem existir diferentes tipos de lealdade. De acordo com o contexto da empresa ela poderá ou não trazer seus consumidores para níveis mais altos de lealdade. Oliver (1999) considera que para o consumidor atingir este nível superior de lealdade é necessário que os seguintes construtos estejam presentes:




  • Satisfação: o produto ou serviço constantemente satisfaz o consumidor.

  • Determinação Pessoal: o consumidor deseja ser leal a determinado produto ou serviço.

  • Suporte Social: existe um ambiente que dá apoio para este consumidor que tem desejo de ser leal.

Através destes três itens Oliver (1999) expõe um modelo de como construir a lealdade superior através de uma série de etapas que também podem ser consideradas como formas de lealdade.

Através da apresentação das diferentes abordagens de Valor de Marca e de modelos de construção de lealdade será analisado qual o papel que a empresa pode assumir na busca de criar uma marca de valor e qual o grau de influência ela pode ter na criação de um segmento de consumidores leais Como resultado final apresentaremos um modelo de funcionamento do impacto das ações de marketing no consumidor e os resultados alcançados, através de ferramentas como Valor de Marca e Lealdade à Marca, criando a possibilidade de gerenciar a produtividade de marketing.

2 Modelos de Valor de Marca
Grinberg (2001) afirma que é possível inserir a visão de Valor de Marca como ferramenta para a gestão e avaliação da efetividade de ações de marketing dentro do conceito de Métricas de Marketing. Além do Valor de Marca a linha de pesquisa de Métricas de Marketing também é composta dos seguintes itens: Valor do Cliente, Comércio Eletrônico, Métricas do Mix de Marketing e Medidas Financeiras. Durante as últimas décadas do século passado, ainda segundo o autor, cresceu nas empresas o questionamento da validade dos investimentos feitos pela área de marketing. Como não existiam ferramentas eficazes para medir a produtividade de marketing os profissionais da área se viam sem argumentos consistentes para justificar os investimentos em atividades de marketing. Também foram inúmeros os chamados de renomados acadêmicos de marketing para a necessidade de criação de métricas eficazes para medir o desempenho de marketing. Outro fator que impulsionou o desenvolvimento de estudos no campo das métricas de marketing foram os incentivos dados pelo MSI.
A partir deste contexto serão apresentadas as diferentes visões e metodologias que podem ser utilizadas no que se refere ao Valor de Marca. Serão apresentadas as metodologias de Aaker (1991) e Keller (1993) para avaliação de Valor de Marca. O objetivo é apresentar um panorama geral das diferentes formas que são utilizadas para a avaliação do Valor de Marca a partir da perspectiva do consumidor. Posteriormente será apresentado os modelo de construção e análise da Lealdade à Marca de Oliver (1999) e Aaker (1991). Com base na junção destas teorias será construído o modelo proposto pelo autor.

2.1 Modelo de Valor de Marca de Aaker (1991)
Segundo Aaker (1991) apud Cunha (1997), o Valor de Marca está relacionado cinco variáveis e é direcionado para salientar os benefícios associados ao Valor de Marca para os consumidores e os resultados positivos que podem ser obtidos pelas empresas que detêm marcas fortes.
1) Lealdade à Marca: a lealdade progride num continuum de cinco níveis. No primeiro nível não existe lealdade à marca, os consumidores são indiferentes a marca e/ou são sensíveis a preço. No último e mais alto nível de lealdade os consumidores estão realmente comprometidos com a marca, a mesma passa a representar uma forma de expressão da personalidade deste consumidor.

2) Consciência de Marca: capacidade do consumidor de relacionar o produto com a categoria de produto a qual ele pertence. Existem diferentes níveis de consciência que vão desde a mera lembrança de uma exposição prévia a marca até o chamado top of mind, que seria a primeira marca lembrada pelo consumidor quando exposto a determinada categoria de produto.

3) Qualidade Percebida: na visão dos consumidores a qualidade não está necessariamente relacionada com especificações técnicas do produto ou de análises aprofundadas e criteriosas de características de produto. A qualidade que o consumidor considera estaria relacionada com um sentimento amplo e intangível a respeito da marca. Essa percepção de qualidade estaria ligada à capacidade da empresa de cobrar preços premium e a possibilidade de inserir extensões dessa marca no mercado.

4) Associações à Marca: são as lembranças que a marca ativa no consumidor. De acordo com o modelo de rede associativa de memória essas lembranças estariam relacionadas com os nódulos da marca, os quais teriam uma série de ligações com outras lembranças. Esses nódulos e suas ligações seriam correspondentes ao posicionamento da marca. Este posicionamento seria resultado dos esforços de marketing da empresa.

5) Ativos relacionados à Marca: são as patentes, marcas registradas e relacionamentos exclusivos com canais de distribuição.

Aaker (1991) apud Cunha (1997), salienta que os cinco elementos expostos acima se inter-relacionam e se influenciam. Os fatores que irão ditar como ocorrem estes relacionamentos são o nível de envolvimento do consumidor com o produto e o grau de importância que ele dá a compra e/ou ao produto. Os cinco elementos acabam por gerar uma série de benéficos, tanto para a empresa, como para os consumidores Aaker (1991) apud Cunha 1997:


1) Cria Valor para os consumidores: Na interpretação / Processamento de informações, Confiança na decisão de Escolha e Satisfação com a experiência de uso.

2) Cria Valor para a Empresa: Eficácia e Eficiência dos Programas de Marketing, Lealdade à Marca, Preços / Margens, Extensões de Marca, Poder de Barganha frente aos intermediários e Vantagem Competitiva.


2.2 Modelo de Valor de Marca baseado no consumidor (Keller, 1993)
Keller (1993) apresenta o conceito de Valor de Marca Baseado no Consumidor (CCBE-Consumer Based Brand Equity). Este tipo de valor é construído quando o consumidor é familiar com relação a uma marca e tem associações de marca fortes, favoráveis e únicas na memória. Essas associações de marca que o consumidor tem na memória são explicadas a partir do modelo de memória de redes associativas, o qual foi proposto por psicólogos (Keller, 1998). Este modelo diz que neurologicamente a memória consiste de nódulos de informações ligados por links. Cada nódulo está conectado com diversos links, que por sua vez se ligam a diversos outros nódulos, resultando na formação de uma rede. Quando um destes nódulos é objeto de algum tipo de ativação, que supere um certo nível mínimo, ele ativa seus links que ativam outros nódulos. Isso causaria a chamada difusão ativa (Collins e Loftus apud Keller 1993). O poder deste tipo de fenômeno se reporta ao grau de consistência dos links entre os nódulos. Uma marca forte, de valor, e que é objeto de lealdade por parte do consumidor deverá apresentar um grande número de ligações fortes entre nódulos relacionados. Para Keller (1993) a abordagem através do modelo CCBE é útil, pois sugere linhas-guia para estratégias e táticas de marketing e áreas onde a pesquisa pode ser utilizada para ajudar a tomada de decisão gerencial. O autor separa o modelo CCBE em dois conceitos relacionados: Consciência da Marca e Imagem da Marca.


  • Consciência da Marca: este item é “relacionado com a força da marca na memória do consumidor, refletida através da habilidade de identificar a marca em diferentes circunstâncias” (Rossiter e Percy, 1987 apud Keller, 1993). Consciência da Marca pode ser dividido em reconhecimento da marca (habilidade do consumidor em confirmar exposições anteriores à marca quando exposto a mesma) e lembrança da marca (habilidade do consumidor em relembrar da marca quando exposto a categoria a qual a marca pertence).

A importância do conceito de Consciência da Marca se apresenta quando o consumidor se lembra da marca ao ser exposto à categoria de produto a qual a marca pertence. O conceito de Consciência da Marca também se mostra importante ao afetar as decisões do consumidor em relação à marca ao ser exposto a uma série de diferentes marcas para consideração. Outro aspecto que deve ser salientado é o papel da Consciência da Marca afetando a tomada de decisão do consumidor ao influenciar a formação e a força das associações de marca na imagem da marca.




  • Imagem da Marca: percepções do consumidor sobre uma marca, refletida pelas associações que o consumidor guarda na memória. Para um melhor entendimento deste ponto podemos separar a imagem da marca em atributos (características que descrevem o produto ou serviço, ou seja, é o que o consumidor pensa que o produto ou serviço é e o que está envolvido na compra ou consumo), benefícios (valores pessoais que os consumidores ligam aos atributos do produto ou serviço, ou seja, o que os consumidores pensam que o produto ou serviço pode fazer para eles) e atitudes (avaliação geral do consumidor sobre a marca, estas avaliações são importantes porque elas formam a base para o comportamento do consumidor).

A força da Imagem da Marca está relacionada com a força das associações favoráveis a marca que o consumidor tem na memória. Quanto mais fortes, únicas e favoráveis forem estas associações maior o poder da empresa de cobrar preços Premium, sua participação de mercado e sua capacidade de criar extensões de marca. A imagem da marca, ou posicionamento, deriva dos resultados dos esforços de marketing de uma empresa, os quais levam o consumidor a perceber a marca como tendo uma imagem distinta em comparação às marcas oferecidas pelos concorrentes (Schifman e Kanuk, 2000; Wilkie, 1994). A lealdade do consumidor e o valor de marca estão profundamente relacionados com este posicionamento. Através dele a empresa poderá medir o impacto de suas ações, gerenciar melhor suas atividades, planejar ações futuras e criar um ambiente para que o valor da marca (consciência da marca e imagem da marca) se transforme em lealdade a marca.


2.3 Análise dos modelos de valor de marca
A partir dos modelos apresentados percebemos que a questão de Valor de Marca pode ser relacionada, primeiramente, com os esforços de marketing da empresa. A empresa é responsável pela geração de esforços que construam na mente do consumidor uma série de ligações positivas. Estas ligações vão servir para que o consumidor saiba categorizar o produto dentro de determinada categoria de produto. Desta forma o consumidor estará habilitado para comparar diferentes marcas. Dois outros aspectos também são muito importantes e estão de certa forma relacionados. São eles a Qualidade Percebida (Aaker, 1991) e os Benefícios da marca (Keller, 1993), ambos os conceitos se referem à qualidade intangíveis da marca, são as características do produto que não são visíveis. São estas características que vão dar, a marca da empresa, um lugar ou um posicionamento, único na mente do consumidor. Outro aspecto muito importante para a empresa, quando da implementação de estratégias de criação de Valor de Marca, é a questão do mercado. De acordo com o mercado e o tipo de produto que a empresa oferece serão diferentes as capacidades de criação de Valor de Marca. Produtos de baixo envolvimento não têm a mesma possibilidade de geração de valor de marca como um produto de alto envolvimento. Isso decorre do fato de que os consumidores não irão criar fortes ligações positivas a respeito de um produto de baixo envolvimento. Talvez para empresas atuando nestes mercados o caminho seja construir consciência da marca.
3 Modelo de construção e análise da lealdade
Neste segmento do artigo serão apresentados os modelos de lealdade de Aaker (1991) e Oliver (1999). A satisfação do consumidor foi durante algum tempo o foco maior da academia de marketing e das empresas (Oliver 1999). Segundo o autor, em 1993 quase que 30% das pesquisas de mercado adquiridas eram destinadas a avaliar a satisfação de um segmento de consumidores. Essa situação exigia uma mudança de paradigma. A partir desta mudança lealdade passaria a ser alvo de estudo, por parte da academia, e de aplicação, por parte das empresas. Ele justifica a importância da lealdade ao apresentar os resultados de pesquisa realizada pela empresa de consultoria Bain & Company, citação de Reichheld (1996), os quais indicam que uma mudança de 5% no nível de retenção de consumidores aumenta os valores líquidos de lucro entre 25% e 95% (14 indústrias foram estudadas). Devido à importância da lealdade da forma como aqui foi apresentada estaremos abordando os modelos de Lealdade de Aaker (1991) e Oliver (1999). Com base nestes modelos procederemos numa avaliação de qual o relacionamento que existe entre o conceito de Valor de Marca e Lealdade, sempre partindo da visão de que ambos se relacionam de forma muito intensa na criação dos resultados da empresa.
3.1 Modelo de Lealdade – Continuum em cinco níveis de Aaker (1991)
Para Aaker (1991) apud Cunha (1997), a lealdade progride em um continuum de cinco níveis:

1) Não existe lealdade à marca, os consumidores são indiferentes à marca e/ou são sensíveis a preço.

2) Consumidores estão satisfeitos ou medianamente satisfeitos a ponto de permanecerem presos à marca pelo hábito. Não existe um estímulo suficiente para levá-los a troca.

3) Consumidores estão satisfeitos e não trocam de produto em razão dos custos associados.

4) Consumidores gostam da marca, ela lhes proporciona um valor simbólico.

5) Consumidores realmente comprometidos com a marca, ela representa uma forma de expressão de personalidade. São poucas as empresas que conseguem trazer suas marcas para este patamar de lealdade.


Os esforços da empresa devem ser no sentido de trazer os consumidores para o nível 5 do continuum. Ressalva-se que deve haver uma preocupação com o grau de envolvimento do consumidor com o produto e a importância que o mesmo dá a classe do produto. Percebemos aqui uma semelhança com o último nível de lealdade apresentado por Oliver (1999) como veremos adiantes. Ambos os autores salientam que a lealdade, da forma como aqui apresentada, é para poucos.
3.2 Modelo de criação de Lealdade – Oliver (1999)
Segundo Oliver (1999) a lealdade cognitiva (1) foca nos aspectos da performance da marca, a lealdade afetiva (2) é direcionada para o gostar da marca, a lealdade conativa (3) (cognitiva e afetiva) é experimentada quando o consumidor se foca em querer recomprar a marca, e a lealdade de ação (4) é o comprometimento com a ação de recompra. As respectivas características destes estágios e as respectivas vulnerabilidades são expostas no Quadro 1.

Quadro 1 - Fases da Lealdade e as Correspondentes Vulnerabilidades

Estágio

Identificando o Marcador

Vulnerabilidades

1 Cognitivo

Lealdade a informações como preço, características e assim por diante.

Melhores avaliações, reais ou imaginadas, dos Atributos ou preço dos competidores através da comunicação e experiência própria ou indireta. Deterioração dos atributos da marca ou preço. Busca de variedade e experiências voluntárias.

2 Afetivo

Lealdade para um gostar: “Eu compro porque gosto do produto”.

Não-satisfação induzida cognitivamente. Aumento do “gostar” em relação a outras marcas, possivelmente criado através do imaginário e associações. Busca de variedade e experiências voluntárias. Deterioração da performance.

3 Conativo

Lealdade a uma intenção: “Eu estou comprometido com a compra do produto”.

Mensagens competitivas contra-argumentativas persuasivas. Experiências induzidas (e.g. cupons, amostras, promoções no ponto de venda). Deterioração da Performance.

4 Ação

Lealdade à inércia, associado com a superação de obstáculos.

Não disponibilidade induzida. Maiores obstáculos gerais. Deterioração de performance.

Fonte: Adaptado de Oliver (1999), pg. 36.
Percebe-se que o consumidor passa por uma série de estágios até atingir a lealdade. A empresa seria a responsável pelo fornecimento de informações, através de ações de marketing, para fazer com que o consumidor trilhasse o caminho da lealdade. Durante este caminho o consumidor está sujeito a um grande número de influências por parte de outras empresas. Essa vulnerabilidade tornaria essa lealdade em algo fugaz, sujeito a interferências. De acordo com o autor essas interferências se configurariam através da criação de uma não-satisfação induzida pela concorrência. Esse seria o tendão de Aquiles da lealdade, diante disso o autor considera que deve haver um algo mais no que se refere à lealdade. Com esta idéia, como pano de fundo, ele apresenta o quadro 4.
Quadro 2 – Quatro Estratégias de Lealdade




COMUNIDADE / SUPORTE SOCIAL


FORTALEZA INDIVIDUAL




Baixo

Alto

Baixo

1 - Superioridade de Produto

3 – Envolvimento com a Comunidade

Alto

2 - Auto-isolação determinada

4 - Auto-identidade imersa

Fonte: Adaptado de Oliver (1999), pg. 38.
A superioridade de produto (1) é a forma mais baixa de lealdade neste modelo. Ela reflete a visão tradicional de lealdade como resultante de alta qualidade e/ou superioridade de produto. De certa forma ela estaria relacionada com o último estágio apresentado na tabela 1, a lealdade caracterizada pela ação.
Quando o consumidor atravessa o limiar da superioridade de produto para auto-isolação (2), ele está se fechando para estímulos de marketing. Seus olhos são unicamente direcionados para a marca. Segundo o autor é possível comparar este estado com estar amando. Tirando o componente sensual do amor temos a adoração, ou atenção focada e o comprometimento leal. A adoração estaria relacionada com o não processamento de alternativas. O consumidor estaria ligado ao produto através do conceito de objeto do amor (Ahuvia, 1992 apud Oliver, 1999). O consumidor ama cegamente estes produtos ou objetos e recebe, de forma imaginária, o mesmo amor. Com relação ao comprometimento leal podemos dizer que ele se baseia na devoção e é mantido, em parte, pelo temor de perda experimentado quando da saudade em relação a pessoa amada. Até este momento apenas consideramos o consumidor individual comprometido com a marca. O que evolui para um comprometimento social com a marca.

Neste momento as motivações que cada consumidor tem para ser leal provêm da vontade de fazer parte de um grupo. Sendo que a motivação primária dos administradores do grupo seria agradar seus constituintes. Seria o chamado envolvimento com a comunidade (3). Existiria um senso de comunidade no compartilhamento de valores de consumo e comportamentos. Nesta vila de consumo social o consumidor se submete às recomendações da coletividade de forma voluntária e sincera. Como exemplos deste tipo de comunidade podemos citar as comunidades de proprietários de computadores Apple (até recentemente), membros de clubes de compra (Sam’s Club) e programas orientados por objetivos (vigilantes do peso).


Quando falamos da Auto-imagem imersa (4) estamos, finalmente, falando de lealdade. Neste momento o consumidor acha uma identidade natural com o que é consumido (o produto ou serviço) e o ambiente. O consumido passa a fazer parte, ou parcela da auto-identidade do consumidor e de sua identidade social. Ou seja, o consumidor não pode se conceber como um todo sem a presença do consumido. Exemplos deste tipo de situação: times esportivos, grupos musicais e organizações políticas. Resumindo, o consumidor quer ser leal, o ambiente quer que ele seja leal, e essas duas forças, simultaneamente agindo criam uma situação de simbiose. O papel da empresa neste tipo de situação é fornecer, através de um sério planejamento e pesquisa, um mecanismo que agregue as pessoas sob o guarda-chuva da corporação. Temos como exemplo deste tipo de atividade a Harley Davidson e o apoio que dá, através do HOG-Harley Davidson Owers Group, para os consumidores e seus grupos locais (Schouten e Mcalexander, 1995). É importante salientar que, segundo o autor, este seria o único momento em que existiria a lealdade da forma mais pura. A questão é saber quais empresas e em que categoria de produtos é possível que ocorra este tipo de lealdade. Pelo aqui apresentado podemos dizer que os ambientes mais favoráveis para o desenvolvimento deste tipo de lealdade seria o composto por uma categoria de produto que permitisse um alto envolvimento do consumidor com o produto.
3.3 Análise dos modelos de lealdade à marca
A lealdade conforme os modelos aqui apresentados varia desde níveis muito baixos, onde compras por hábito predominam, até um nível muito alto onde existe o comprometimento do consumidor com a marca. Este nível mais alto de lealdade representa um patamar muito difícil para ser atingido. Fatores como o mercado em que a empresa atua e os produtos que comercializa vão restringir essa possibilidade. Outro aspecto que tem que ser analisado com bastante atenção se refere ao momento em que a marca começa a abranger uma série de significados que se transferem para a personalidade do individuo. A marca começa a fazer parte da personalidade do consumidor, através da marca ele se apresenta para a sociedade. Os consumidores, neste patamar, apresentam um envolvimento extremo com a marca. A qual passa a fazer parte integrante da vida do consumidor. Para este consumidor não existe a possibilidade de “trair” esta marca.
Estes segmentos de consumidores leais representam um grande e importante fator para o Valor de Marca. São estes consumidores que irão garantir certa confiabilidade nas previsões de vendas futuras da empresa, as quais se refletem no Valor de Marca. Este impacto se dá através do valor de ação e/ou do valor descontado dos fluxos de caixa.
4 Discussão
Através da discussão da revisão bibliográfica apresentada estaremos construindo um modelo integrativo dos conceitos de Lealdade e Valor de Marca. Este modelo procura apresentar a forma como as ações de marketing de uma empresa impactam na construção de um posicionamento de produto, quais os fatores que influenciam esta construção, a forma como a marca pode ser utilizada para medir o impacto das ações e como todos estes itens acabam resultando em determinado Valor de Marca e parcela de consumidores que apresentam Lealdade à Marca.
Uma empresa, ao lançar ou reposicionar determinado produto, deve procurar realizar uma série de ações de marketing buscando estabelecer uma identidade para este produto. Estas ações de marketing irão criar um posicionamento de produto na memória do consumidor para o produto em questão. Dependendo da qualidade e dos objetivos destas ações de marketing a empresa tem a possibilidade de criar uma marca com alto Valor de Marca e que tenha uma proporção de consumidores que apresentem Lealdade à Marca. Keller (1993) agrega dizendo que “talvez um dos mais valiosos ativos para aumentar a produtividade de marketing seja o conhecimento que tenha sido criado na mente do consumidor a respeito de uma marca a partir dos investimentos de uma firma em programas prévios de marketing”.
Alguns fatores irão moderar a forma como as ações de marketing atingem estes consumidores. Aaker (1991) apud Cunha (1997) salienta que os cinco elementos expostos no seu modelo de Valor de Marca (Lealdade à Marca, Consciência de Marca, Qualidade Percebida, Associações à Marca e Ativos relacionados à Marca) se inter-relacionam e se influenciam. Os fatores que irão ditar como ocorrem estes relacionamentos são o nível de envolvimento do consumidor com o produto e o grau de importância que ele dá a compra e/ou ao produto. Essa colocação dá uma clara amostra da importância destes conceitos para o modelo aqui apresentado. Com base nisto podemos afirmar que o envolvimento do consumidor e a categoria de produto na qual ele classifica o produto em questão são os itens mais importantes a serem considerados quando pensamos questões como Lealdade à Marca e Valor de Marca. Estes dois fatores, envolvimento e categoria de produto estão intimamente relacionados. A empresa deve estar atenta para a forma como o consumidor vê seu produto, qual o envolvimento que ele tem com o produto em si e com a categoria de produto a qual ele pertence. Quanto mais alto for o envolvimento do consumidor, com o produto ou com a categoria, maior será a chance da empresa de criar um segmento de consumidores leais que gerem um alto valor de marca.
A marca será o item do processo que permitirá a empresa avaliar o impacto das ações de marketing. Através destas ações a empresa estará criando, na memória do consumidor, uma serie de significados para a sua marca. São estes significados que posteriormente serão avaliados pelos modelos de Valor de Marca para medir os impactos dos esforços da empresa. A lealdade será um dos fatores resultantes das ações de marketing da empresa e influenciará e será influenciada diretamente pelo valor de marca do produto em questão.
Os modelos de Lealdade à Marca e Valor de Marca permitem que à empresa medir a produtividade de marketing. Através de um constante acompanhamento do Valor da Marca para seus consumidores a empresa pode aferir a qualidade dos seus esforços de marketing. Outra forma de medir a qualidade destes esforços é através do constante monitoramento da parcela de consumidores leais à marca. A grande riqueza dos modelos de Lealdade e Valor de Marca, aqui apresentados, é que eles não só dão diretrizes para a empresa medir o impacto das suas ações, mas também dão o caminho para que a empresa construa este valor.
Na figura 1 apresentamos a discussão acima representada na forma de uma figura buscando tornar mais claras as relações entre os diversos itens abordados neste artigo.


5 Conclusões Finais
A disciplina e a área de marketing das empresas estão numa constante busca por criar métodos para medir a produtividade em marketing. Estes esforços aparecem dentro do contexto da linha de pesquisa composta pelas Métricas de Marketing. Num esforço de desenvolvimento do tema procuramos apresentar os conceitos de Lealdade à Marca e Valor de Marca e a forma como eles se relacionam no direcionamento das estratégias de determinada empresa. Além de mostrarem o caminho para a criação de estratégias de atuação estes conceitos, da forma como foram apresentados neste artigo, permitem que a empresa meça a efetividade dos seus esforços de marketing.
Deve ficar claro que o modelo aqui apresentado se caracteriza como um primeiro esboço de uma situação extremamente complexa. São diversos os fatores que devem ser inseridos no modelo para torná-lo mais completo. Também são diversas as ramificações que surgem a partir desta primeira iniciativa. Os conceitos aqui utilizados ainda estão sendo foco de diversas controvérsias com respeito a sua conceituação e aplicabilidade. Destacamos também as limitações de conceitos como Lealdade à Marca que, segundo diversos autores, não é algo que sirva para todos os tipos de produtos em vista de questões como envolvimento e categoria de produto. Diante disto reconhecemos a limitação do modelo a uma pequena parcela dos produtos existentes que podem ser alvo de fidelidade à marca.

6 Bibliografia
AAKER, David A. & KELLER, Kevin L.; “Consumer Evaluations of Brand Extensions”; Journal of Marketing, Vol. 54 (January 1990), 27-51.

CUNHA, Alexandra Lopes da; “ Valor da Marca para o Consumidor Final a Partir do Conceito de Brand Equity no Mercado de Iogurtes”; Dissertação de Mestrado PPGA-UFRGS, 1997.

GRINBERG, Cassio Sclovsky; “Marketing Metrics: um estudo exploratório sobre a construção do conhecimento de um novo tema em marketing”; Dissertação de Mestrado PPGA - UFRGS, 2001.

KELLER, Kevin L. & AAKER, David A.; “The Effects of Sequential Introduction of Brand Extensions”, Journal of Marketing Research, Vol 29 (February 1992), 35-50.

KELLER, Kevin L.; “Strategic Brand Management: Building, Measuring, and Managing Brand Equity”, Prentice-Hall, Upper Side River, New Jersey, 1998.

______________; “Conceptualizing, Measuring, and Managing Customer-Based Brand Equity”; Journal of Marketing, Vol 57 (1), Jan. 1993.

MARTINS, Roberto José & BLECHER, Nelson; “Quanto vale a Coca? E a Nike? E a...?”, Revista Exame, Ed. 662, 20 de abril de 1998.

MORGAN, Rory P.; “A Consumer Oriented Framework of Brand Equity and Loyalty”; International Journal of Market Research, 2000, Vol. 42 (1), 65-78.

OLIVER, Richar L.; “Whence Consumer Loyalty”; Journal of Marketing, Vol 63 (Special Issue 1999), 33-44.

PITTA, Dennis A. & KATSANIS, Lea Prevel; “Understanding Brand Equity for Successful Brand Extension”, The Journal of Consumer Marketing, Santa Barbara; 1995; Vol. 12, Iss. 4, 51-65.

RUNDLE-THIELE, Shryn & BENNETT, Rebekah; “A Brand For All Seasons? A Discussion of Brand Loyalty Approaches and Their Applicability for Different Markets”; The Journal of Product and Brand Management; 2001, Vol. 10 (1), 25-37.

SCHIFFMAN, Leon G. & KANUK, Leslie L., Comportamento do Consumidor, 6ª Ed., Rio de Janeiro, L.T.C. Editora S.A., 1997.

SCHIFMAN, Leon G.& KANUK, Leslie Lazar; Comportamento do Consumidor; L.T.C. Editora, Rio de Janeiro, 2000.

SCHOUTEN, John W. & MCALEXANDER; “Subcultures of Consumption: An Ethnography of the New Bikers”; Journal of Consumer Research,Vol 22, June 1995, p. 43-61.

SCHULTZ, Don E.; “Understanding and Measuring Brand Equity”, Marketing Management, Spring 2000, 8-9.

SWAMINATHAN, Vanitha, FOX, Richard J. & REDDY, Srinivas K.; “The Impact of Brand Extension on Choice”; Journal of Marketing, Vol. 65 (October 2001), 1-15.

WASHBURN, Judith H. & PLANK, Richard E.; “Measuring Brand Equity: An Evaluation of a Consumer Based Brand Equity Scale”, Journal of Marketing THEORY AND PRACTICE, Winter 2002, 46-62.

WILKIE, William L.; Consumer Behavior; John Wiley & Sons, New York, 1994.



ZHANG, Shi & SOOD, Sanjay; ““Deep” and “Surface” Cues: “Brand Extension Evaluations by Children and Adults”; Journal of Consumer Research, Vol 29 (June 2002), 129-141.






©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal