AvaliaçÃo das propriedades físicas em filmes provenientes de isolado proteico de cms de frango



Baixar 32,57 Kb.
Encontro09.07.2018
Tamanho32,57 Kb.




.

Rio Grande/RS, Brasil, 23 a 25 de outubro de 2013.



AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS EM FILMES PROVENIENTES DE ISOLADO PROTEICO DE CMS DE FRANGO

MENEZES, Bruna da Silva

GABATINI, Daniela Cardozo

CORTEZ-VEGA, William Renzo

PRENTICE-HERNANDEZ, Carlos

brunamenezesbr@yahoo.com.br
Evento: Encontro de Pós-Graduação

Área do conhecimento: Ciências Agrárias

Palavras-chave (subproduto, biopolímero, qualidade)
1 INTRODUÇÃO
O interesse de manter, ou melhorar, a qualidade dos produtos embalados e, ao mesmo tempo, reduzir o desperdício de embalagens, tem encorajado a exploração de novos materiais de embalagens, como os filmes biodegradáveis formulados com matérias-primas oriundas de recursos renováveis, tais como proteínas (SOUZA et al., 2012).

Com isso, o objetivo deste estudo foi obter e avaliar produtos de inovação como filmes ativos de proteínas com o intuito de produzir biopolímeros melhorados de alto valor agregado, aproveitando a carne mecanicamente separada, um subproduto das indústrias processadoras de frango.


2 PROCEDIMENTO METODOLÓGICO
2.1 Desenvolvimento dos filmes

Para o desenvolvimento de filmes ativos de isolado proteico de CMS de frango serão estudados os efeitos da variável independente, concentração de isolado proteico de CMS de frango (IPF = 2 e 5g). Os filmes bioativos foram desenvolvidos pela técnica de casting, utilizando pH alcalino de 11,0, controlado com NaOH 1N.


2.2 Propriedades mecânicas

A resistência a tração (RT) e elongação na ruptura (E) será realizada de acordo com o método padrão da American Society for Testing and Materials, ASTM D-882 (ASTM,2001).


2.3 Cor e Opacidade

A cor e opacidade dos filmes serão obtidas utilizando-se colorímetro (Minolta, CR400, Osaka, Japão). Os parâmetros L* (luminosidade), a* (vermelho–verde) e b* (amarelo-azul) foram determinados.



3 RESULTADOS e DISCUSSÃO
O filme apresentou maior resistência a tração (8MPa) e menor alongamento (4,4%), com quantidade máxima de isolado proteico. MARTELLI (2005) fez um trabalho semelhante com filmes elaborados a partir da queratina de penas de frango e verificou que quando se aumenta a concentração de proteína na dispersão, há um aumento na tensão de ruptura dos mesmos, sendo que a tensão máxima de ruptura atingida pela autora foi de 6,11 MPa e paralelamente há uma diminuição no alongamento máximo dos filmes, o valor encontrado foi de 11,2%. Portanto, podemos observar que ambos estudos tiveram o mesmo tipo de comportamento.

Uma das principais classes de matérias-primas utilizadas na obtenção de filmes biodegradáveis são as proteínas. A formação de uma matriz macromolecular a partir de proteínas compreende três etapas: 1) ruptura de pontes intermoleculares de baixa energia que estabilizam o polímero em seu estado natural; 2) o rearranjamento e a orientação das cadeias poliméricas e 3) a formação de uma matriz tridimensional estabilizada por novas interações e pontes após o agente de ruptura das pontes intermoleculares ter sido removido (CUQ et al., 1998).

Em relação à cor, o parâmetro b* (responsável pela coloração mais amarela) apresentou-se maior com quantidade máxima de isolado protéico e o parâmetro luminosidade foi maior na quantidade máxima e mínima de proteína. Resultando assim, um filme luminoso e de cor mais adequada a biopolímeros usuais utilizando concentração máxima de isolado proteico utilizada neste estudo.


4 CONSIDERAÇÕES FINAIS
Foi possível aproveitar um subproduto da indústria processadora de frangos para produção de filmes ativos com uma resistência a tração máxima de 8MPa, com 4,4% de elongação e com boa coloração, próxima a biopolímeros usuais, utilizando 5g de isolado proteico de carne mecanicamente separada de frango.
REFERÊNCIAS
AMERICAN SOCIETY FOR TESTING AND MATERIAL (ASTM). Standard Test Methods for Tensile Properties of Thin Plastic Sheeting. ASTM D882-91, Philadelphia, USA, 2001.

CUQ,B.; GONTARD, N.; GUILBERT, S. Proteins as agricultural polymer for packaging production. Cereal Chemistry, v.75, p.1-9, 1998.



MARTELLI, S.M. Obtenção e caracterização de filmes de queratina de penas de frango. Florianópolis: UFSC, 2005. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Alimentos). Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina, Florianópolis.

SOUZA, C.O.; SILVA, L.T.; DRUZIAN, J.I. Estudo comparativo de caracterização de filmes biodegradáveis de amido de mandioca contendo polpas de manga e de acerola. Química Nova, vol.35, n. 2, 2012.





©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal