As profecias de são Malaquias não são tão populares quanto as de Nostradamus, João XXIII, etc, mas, na opinião dos estudi



Baixar 205,42 Kb.
Página1/4
Encontro27.05.2017
Tamanho205,42 Kb.
  1   2   3   4


São Malaquias (Bispo Malachy O'Morgair, 1094-1148)


BIOGRAFIA
O homem que se tornou São Malaquias nasceu no ano de 1094, em Armagh, situada onde atualmente na Irlanda do Norte. Seu nome de batismo era Maelmhaedhoc O'Morgan; que depois foi latinizado para Malaquias. Estava ainda em plena adolescência quando se tornou o Abade de Armagh. Todos os que o conheciam ficavam surpreendidos pela sua devoção a Deus e pela sua forte presença. Ele era alto, grande, magro e luminoso; mas, o mais importante - ele era sábio além de seus anos. Isso estava claro.
Em 1119 ele foi ordenado padre, e tornou-se sacerdote por Al Morir San Celsus no mesmo ano. Depois de sua ordenação, continuou seus estudos de liturgia e teologia em Lismore, San Malchus. Em 1124 foi consagrado bispo de Condor.
Com a morte de San Cellus, São Malaquias foi nomeado Arcebispo de Armagh em 1132, por sua grande humildade e dedicação. As intrigas não o permitiram assumir o cargo por dois anos. Em três anos restaurou a disciplina eclesiástica em Armagh. Segundo São Bernardo, São Malaquias tinha um dom para a religião.
Em 1139 viajou para Roma e no caminho visitou São Bernardo em Clairvaux. Lá começou seu legado com a Irlanda. Ao regressar via Clairvaux, juntou cinco monges para fundar na Irlanda a grande abadia de Mellifont em 1142.
Em uma segunda viajem a Roma, São Malaquias chegou doente a Clairvaux e morreu nos braços de São Bernardo em 2 de novembro.
Foi canonizado pelo papa Clemente III em 6 de julho de 1199. Sua festa é celebrada em 3 de novembro.
Em sua primeira viajem a Roma, aos 45 anos (em 1139), que suas visões começaram. No princípio, ele ficou muito atormentado pelas imagens que via. Sua maior preocupação foi a visão da destruição da Santa Igreja. Lhe foi dito que não revelasse o conteúdo de suas visões abertamente. Ao invés, ele escreveu lemas curtos ou sátiras que descreviam cada Papa, até o último deles, de forma que eles serviriam como um esboço do tempo até o fim desta Era.
Antes do outono de 1140, todas as suas profecias haviam sido transcritas para o papel. Malaquias confiou as visões encadernadas ao então Papa Inocente II. No princípio ele não levou Malaquias a sério… Foi então que o próprio Papa Inocente II recebeu uma visão e uma advertência dura de Deus. Dali em diante, o Papa levou fé em tudo aquilo que Malaquias lhe falou. Inocente II trancafiou os lemas na Igreja onde lá permaneceram, não lidos, por quase 400 anos.
Malaquias passou o resto de sua vida servindo a Deus, curando e alimentando os famintos. Ele recebeu visões até o fim de sua vida - predizendo, com 19 dias de antecedência, a própria morte com exatidão de data e hora. Morreu nos braços de são Bernardo, em Clairvaux, França.
A mais famosa das profecias atribuídas a São Malaquias é sobre os Papas. Ela é composta de "lemas" para cada um dos 112 papas, desde Celestino II, eleito em 1130, até o fim do mundo.
Esses "lemas" descritivos dos papas podem se referir a um símbolo de seu país de origem, a seu nome, seu escudo e armas, a seu talento ou a qualquer outra coisa referente ao Papa.
Foi muito discutido se São Malaquias é o verdadeiro autor das profecias. Alguns historiadores acreditam que o manuscrito original foi escrito até o século XVI. Se São Malaquias é o autor das profecias, essas ficaram desaparecidas por mais de 400 anos.
Muita gente acredita que se trata de falsificação, feita por pessoas que queriam influenciar a escolha dos papas. Falsificação ou não, há sempre muita coincidência, todas elas se confirmando ao longo do tempo. Não existem provas para os acusadores de fraude. Porém, um dos mais respeitados historiadores do século XVI, Onófrio Panvinio, corregedor e revisor da Biblioteca do Vaticano em 1556, parece aceitar completamente a autenticidade da profecia de Malaquias.
A "Profecia dos Papas" só foi publicada em 1595, na cidade de Veneza, pelo monge Arnold de Wion. Os textos estão hoje no Museu do Vaticano.
Apesar dos autores de profecias serem ameaçados pela Igreja Católica de excomunhão, as profecias de Malaquias não foram oficialmente condenadas. Algumas piadas, inclusive, seriam usadas na hora dos conclaves, até por cardeais, para tentar adivinhar o nome do futuro Papa.
Em 1909, quando o papa Pio X dava uma audiência, sentiu-se subitamente mal. Quando voltou a si, comentou: "O que vejo é terrível. Serei eu? Será meu sucessor? O certo é que o papa sairá de Roma e, ao deixar o Vaticano, terá de caminhar sobre os cadáveres de seus sacerdotes".

PROFECIA DOS PAPAS
As profecias de são Malaquias não são tão populares quanto as de Nostradamus, ou do Papa João XXIII, etc, mas, na opinião dos estudiosos, é a que tem colhido os melhores e mais notáveis acertos.
Em 1595, no século XVI, Arnoldo de Wion, um monge muito famoso por sua santidade e sabedoria, publicou um livro intitulado Lignum Vitae. Seu livro foi baseado na profecias de são Malaquias. Diz-se que as profecias de Malaquias passaram 400 anos trancadas nos Arquivos Romanos, até que foram descobertas, supostamente em 1590.
Há um total de 113 lemas Papais. Aqui nós revisaremos só alguns desses.
NOTA: Houve 300 anos muito voláteis chamados o "Grande Cisma" onde existiram Papas e Antipapas. Dos 113 Papas preditos por São Malaquias, 10 são considerados Antipapas.




  1   2   3   4


©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal