As faces da bissexualidade na sociedade contemporânea faces of bisexuality in contemporary society



Baixar 69,02 Kb.
Encontro10.07.2018
Tamanho69,02 Kb.


AS FACES DA BISSEXUALIDADE NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA
FACES OF BISEXUALITY IN CONTEMPORARY SOCIETY
Franciani Mayra de Oliveira Marques - francianimayra@hotmail.com;

Marcela Santana Pavoni – santanapavoni@hotmail.com; Sabrina Alves Cavichio sabrinacavichio@hotmail.com – Graduandas do Curso de Psicologia – 7º Sem. Centro Universitário Unisalesiano Lins – SP.

Orientador – Prof. Dr Maurício Ribeiro de Almeida, Programa de Psicologia Social Instituto de Psicologia da USP – mauricio928@uol.com.br – Centro Universitário Unisalesiano – Lins – SP

RESUMO
Esta pesquisa discute a bissexualidade como uma variação da sexualidade humana. O estudo foi realizado durante o 1º Semestre de 2012, na disciplina de Sexualidade Humana, V Semestre, Curso de Psicologia - Centro Universitário Unisalesiano, Lins/SP. Por meio de levantamento bibliográfico identificou-se como a sexualidade se apresenta na história da humanidade. Para o enriquecimento dos dados verificou-se algumas estratégias criadas por veículos de comunicação para discutir o assunto. Assim, como fonte de dados, selecionou-se três vídeos da internet que tratam da bissexualidade, nos quais se verifica a narrativa de pessoas e profissionais. Os dados foram analisados com base no Construcionismo Social. Disparidades foram observadas nas concepções dos pesquisadores, pois ainda não conseguem chegar a um aprofundamento do tema. Concluiu-se que a bissexualidade insere-se no campo das variações do desejo sexual, tendo em sua constituição intricados processos psíquicos e sociais, não sendo considerada uma aberração, uma doença a ser tratada, tampouco escolha ou opção.
Palavras-chave: Bissexualidade. Sexualidade Humana. Desejo Sexual.
ABSTRACT
This research discuss bisexuality like a variation of Human sexuality. The research was accomplished during the first semester of 2012, in the subject of Human Sexuality, V semester, Psychology Course – Unisalesiano University Center, Lins/SP.

By means of bibliography, was identified how the sexuality show itself in the human history, and in the contemporary society. For a enrichment of data, was verified some strategies created by communications vehicles to discuss the affair.

Therefore, as data source, three videos that deal with bisexuality were selected, in which there is narrative of these people and professionals of human sexuality. This datas were analized based in social constructionism.

Disparities were observed in researchers’ conceptions, because there isn’t any deepening in this theme, what makes hard to extend the matter. It is a fact that bisexuality isn’t a invention, or ends in a single research. Concluded that bisexuality fits in the field of variation of sexual desire, having in its composition intricate psychological and social processes, not being considered a freak or disease that deserves being treated. It is necessary to ratify that the manifestation of desire isn’t mere choices or options that happens in the personal, or individual field.


Keywords: Bisexuality. Human Sexuality. Sexual Desire.

INTRODUÇÃO
Todo ser humano tem na sua origem características ligadas ao masculino ou feminino. Ao nascer com pênis: homem. Ao nascer com vagina: mulher. Isso é o que convencionalmente se usa para definir o sexo feminino ou sexo masculino. Porém, estudos na área de sexualidade humana indicam que possuir o órgão genital feminino não nos faz necessariamente desejar uma pessoa do sexo masculino. Sexo e sexualidade não é a mesma coisa. A sexualidade humana pode manifestar-se de diferentes formas, pois se relaciona à dimensão do desejo, este por sua vez é comandado por instâncias psíquicas e igualmente afetado por fenômenos sociais e políticos.

Uma contribuição importante acerca das variações da sexualidade pode ser encontrada no campo teórico denominado Construcionismo Social (PARKER, 2007). Esta abordagem refere-se à influência dos fatores sociais e históricos na construção da subjetividade humana. O construcionismo não nega a influência dos fatores biológicos, porém, não o elege como principal elemento para explicar a constituição e funcionamento da sexualidade humana. Portanto, para se compreender as diferentes configurações da sexualidade, deve-se levar em conta as influências históricas e socioeconômicas que vigoram em uma dada época.

De acordo com Parker (2007):
Em particular, a teoria da construção social permite fazer distinções entre atos sexuais, identidades sexuais e comunidades sexuais. A inerente reflexividade do modelo de construção social, por outro lado, permite que se questione a validade de se impor, a outras culturas, as crenças populares ocidentais sobre a sexualidade (p. 129).
A teoria Queer pode ser entendida como uma linha do pensamento científico ligado ao paradigma do Construcionismo Social. De acordo com Barbero (2005), os pressupostos dessa abordagem originam-se do movimento político reivindicatório surgido nas universidades dos Estados Unidos na década de 1980. Tal abordagem permite um modo de compreensão acerca da sexualidade e do gênero e suas diferentes vertentes nas sociedades contemporâneas. Trata-se de um instrumento teórico importante para repensarmos a dimensão ontológica da sexualidade, bem como os preconceitos que ainda atingem as questões da subjetividade humana no que tange ao erotismo e ao prazer. Os pressupostos da teoria Queer defendem que a sexualidade é uma instância fluída e construída socialmente, em permanente construção e desconstrução (WEEKS, 2007).

Um dos argumentos mais potentes desta linha teórica é o não aprisionamento do desejo sexual em regras rígidas e pré-estabelecidas. Ou seja, o desejo pode estar livre de identidade tanto de gênero como sexual, de rotulação, de normatização, uma vez que pode ser direcionado a objetos que proporcionem prazer, sem necessariamente produzir danos, ou prejuízo ao sujeito desejante.

Ou seja, tais argumentos se contrapõem às concepções normalmente encontradas em dicionários e manuais de sexualidade. No dicionário Aurélio (FERREIRA, 2004), por exemplo, há uma definição um tanto diferente sobre a sexualidade, como: 1. Qualidade do que é sexual; 2. Modo de ser próprio do que tem sexo. (p. 23). Percebemos que em tal definição não há menção ao desejo. Fica, pois, subentendido uma naturalização, calcada em argumentos biologizantes quando se afirma que é “modo de ser próprio de quem tem sexo” (p. 23). É, portanto, o modo como a sociedade impõe valores e regras, enquadrando e condenando o diferente. Assim, o diferente também é construído socialmente, mas pelo fato de se destoar das regras vê-se obrigado a negar a variação de seu desejo e a aceitar regras e imposições sociais.

Na sexualidade humana não falamos de escolhas, falamos de orientação. É o desejo que se direciona a algo. Portanto, torna-se difícil controlar ou reprimir o desejo sexual. Podemos sim, negociar com ele, mas não existe, pelo menos até agora, nada externo capaz de fazer com que alguém deixe de sentir desejo homossexual, heterossexual, bissexual, simplesmente por enfrentar preconceito, não encontrar aceitação social.

Atualmente não é possível negar as diferentes manifestações sexuais, pois adquirem notável visibilidade em diferentes esferas. Apesar de maior visibilidade, pode-se constatar que desde os primórdios da civilização o desejo sexual e as práticas sexuais não ocorrem somente entre um homem e uma mulher. Frente a tal diversidade, é possível falarmos de sexualidade de maneira mais aberta, e analisar como as diferentes orientações sexuais podem desencadear novos processos de subjetivação na sociedade contemporânea. É sobre tais aspectos que este trabalho se propõe a discutir a bissexualidade, visando compreendê-la como uma dimensão do desejo sexual e, se porventura, dispara prazer e modalidades de gozo ou de sofrimento psíquico.
AS CONCEPÇÕES DE SEXUALIDADE E AS INFLUÊNCIAS HISTÓRICAS
Somos invariavelmente influenciados pela cultura e por discursos sociais, políticos e ideológicos que circulam a nossa volta. Não se deve, por exemplo, taxar os homossexuais de sujeitos difíceis ou atrelados a um único tipo de personalidade. Também se observa que se os estereótipos afetam o olhar das pessoas heterossexuais, os homossexuais também podem cair em armadilhas que podem restringi-los a uma concepção binária da sexualidade, ou seja, pessoas mais elegíveis para assumir o rótulo de homossexuais do que outras, por exemplo, gays mais viris que não se relacionam ou também discriminam os chamados gays mais afetados. Se antes os binarismos utilizados para diferenciar os gêneros (homem x mulher) pregava somente a heterossexualidade como norma, outro tipo de binarismo pode admitir variações apenas no campo da sexualidade restrita à dimensão hétero ou homossexual, excluindo outras modalidades do desejo sexual, como, por exemplo a bissexualidade. Com a ampliação e ação política dos movimentos reivindicatórios passou-se a pensar na homossexualidade como uma possível variação da sexualidade humana. Frente a tal constatação, passou-se a aceitar essa segunda variação, em detrimentos de outras categorias que se ligam a variação de gênero, como é o caso da travestilidade, transexualidade, entre outras variações de gênero e do desejo.

Conforme já apontado, a sexualidade humana não é influenciada apenas por aspectos orgânicos, mas é afetada por fatores políticos e econômicos e assim sendo, pode também ficar aprisionada pela cultura, pela história, determinando os critérios de elegibilidade e de normalidade em um dado período. Esse enquadramento pode causar sofrimento aos indivíduos que se afastam de tais normas e não se enquadram necessariamente na dimensão heterossexual ou homossexual.

Vainfas (1992) estudou a influência dos processos históricos, políticos e religiosos que engendraram as concepções de sexualidade no Ocidente. Para o autor, a sexualidade enfrentou diversas fases, ora com restrições absolutas de práticas sexuais (virgindade absoluta), mesmo entre os casados, ora a flexibilização desses valores. Essa mudança fez com que a atividade sexual passasse a ser prescrita apenas como forma de procriação e perpetuação da espécie. A preocupação dos líderes religiosos nos primeiros anos do cristianismo não estava associada apenas às palavras sagradas. Nos primeiros anos, os doutores da patrística, conhecidos como líderes religiosos da época, foram fortemente influenciados por filosofias não cristãs, como o platonismo e o estoicismo. A primeira corrente desprezava o corpo e valorizava o mundo das ideias, e a segunda tinha um discurso misógino, ou seja, inferiorizava a figura da mulher, e ainda defendia uma vida rigorosa com negação dos prazeres corporais.

Louro (1997) discute as questões de gênero, e assim como Vainfas (1992) e Barbero (2005), defende que a sexualidade se mostra diretamente afetada pelas influências históricas e sociais, seja na dimensão do desejo ou da identidade de gênero.

Foucault (1988) é autor de referência na linha do construcionismo social, suas ideias são fundamentais para compreender as expressões subjetivas da sexualidade humana nas sociedades modernas. Segundo o autor, os discursos produzidos pela Medicina e pelo Estado, forjaram uma visão de sexualidade útil e saudável, necessária para modernizar as sociedades e higienizá-la, classificando-a como saudável ou patológica. Os efeitos desta prática: a primeira, a legitimação e a visibilidade nos espaços sociais; a última, a institucionalização e a exclusão dos espaços urbanos. Segundo Foucault (1988), podemos perceber que a ortopedia discursiva, ou seja, qualificação dos discursos para tratar da sexualidade, tornou-se uma técnica de dominação e controle da população que precisava ser disciplinada, e subordinada ao saber da medicina e do controle do Estado. Em seu livro História da Sexualidade (1988), Foucault fala da censura, entendida por ele como uma ação que leva a paradoxos, ou seja, cria um mutismo - um segredo sobre as questões da sexualidade, mas ao mesmo tempo suscita o interesse de todos sobre o tema (a sexualidade). Segundo o autor, não era permitido falar sobre sexo em qualquer lugar, sendo que apenas algumas pessoas (cientistas e políticos) podiam se pronunciar sobre o assunto. Tal autoridade foi adquirida pelos cientistas e médicos, considerados legítimos para deter o conhecimento. Leigos e a população de modo geral, estavam proibidos de falar no assunto. A maneira de falar também se modifica. Oficializou-se a forma correta de se referir a tudo que tinha relação com o sexo. A partir de então, questões de ordem sexual passaram da mera classificação de pecado à virtude, para o binômio: saúde - doença.

As consequências de tal censura são sentidas até hoje. Muitos não conseguem falar no assunto, muito embora em muitos espaços sociais se perceba o interesse que as questões de sexualidade desperta. Tabu e interesse parece ainda atingir o universo da sexualidade.



DIFERENÇAS ENTRE AS CONCEPÇÕES DE SEXO E DE SEXUALIDADE: CONCEITUAÇÕES IMPORTANTES

Conforme salientamos anteriormente a sexualidade é engendrada a partir de influências sociais, políticas, religiosas, que permearam a história da humanidade. Se reportássemos à Antiguidade poderíamos observar diferentes significados em torno das concepções de sexualidade mantidas pelos povos e culturas primitivas. Porém, para os objetivos de nosso estudo será suficiente destacar as particularidades encontradas nas sociedades pré e pós-capitalistas, uma vez que as interferências observadas nessa fase, associadas ao poder secular do Cristianismo no ocidente gerou a noção de sexo/sexualidade que mantemos na sociedade contemporânea.

Para esse entendimento é importante uma breve distinção entre os conceitos de sexo e sexualidade, que permitam o aprofundamento em torno dos processos de normatização relacionados às práticas sexuais e a acelerada fragmentação entre a dimensão afetiva e sexual legadas às sociedades modernas.

Assim sendo, sexo é identificado como a marca biológica, a caracterização genital e natural, constituída a partir da aquisição evolutiva da espécie humana como animal. “A sexualidade de forma mais ampla é um conceito cultural, constituído pela qualidade, pela significação do sexo” (NUNES & SILVA, 2000, p. 74). A partir desse referencial a sexualidade insere-se na vivência e significação do sexo, para além do determinismo naturalista, congrega em si a intencionalidade, manifestações dialógicas e culturais.

Vitiello (1997) adota concepção semelhante sobre o tema ao afirmar que a ideia de sexualidade deve ser compreendida por meio de um enfoque abrangente. A sexualidade manifesta-se em todas as fases da vida de um ser humano ao contrário da conceituação vulgar que a restringe ao coito (genitalidade). Para o autor, o reducionismo impresso nesse conceito não é o mais importante e precisa ser superado. A sexualidade deve ser tomada no contexto da afetividade e como uma instância que permeia todas as manifestações humanas, do nascimento até a morte (2000, p. 16).

A sexualidade entendida a partir desses aspectos congrega fenômenos que extrapolam o determinismo biológico. Michel Foucault (1988) de forma pormenorizada destaca os dispositivos de controle e os processos de normatização da moral sexual empregados pelas sociedades no auge do período vitoriano.

Até o início do século XVII ainda vigorava certa liberdade relacionada à vivência e práticas sexuais. Essas práticas não se manifestavam sob segredos e as palavras eram ditas sem resistência ou excessivos disfarces. Para as questões de natureza sexual contava-se com tolerância e complacência. Os códigos morais que a regulavam eram frouxos se comparados aos valores a serem disseminados a partir do século XIX.

Para a burguesia vitoriana as manifestações da sexualidade devem ficar circunscritas no território do mundo privado. Com essa prescrição a família conjugal patriarcal torna-se a instância que melhor representa esses valores. É nessa instituição que se normatizam as práticas sexuais e previne-se os comportamentos desviantes. No campo da medicina atrela-se a sexualidade à função precípua da reprodução, conceito secularmente defendido pela Igreja. O quarto do casal torna-se o único espaço legítimo para a expressão de comportamentos sexualizados, desde que norteados pelos princípios da moral vigente.

A regulação de normas que determinam as práticas sexuais são milimetricamente esquadrinhadas, criando-se desde então um padrão de normalidade. O que se encontra fora das regras será negado, reprimido, expulso, reduzido ao silêncio e ao campo da patologia. Se um dado comportamento sexual não conta com legitimidade religiosa, estatal ou jurídica, deverá ser abolido e, se não deve existir, qualquer tentativa de manifestação deverá ser eficazmente combatida.

Assim, a repressão moderna da sexualidade se sustenta através de estratégias sutis e requintadas; isso favorece a uma explosão discursiva sobre a sexualidade, a fim de torná-la um segredo e uma dimensão a ser adequadamente dominada. Após séculos de repressão, o sexo torna-se um importante instrumento dos modos de produção do sistema capitalista. Nesse processo o sexo reveste-se como um importante meio de produção e produto gerador de alta fonte lucrativa e de consumo. Ao ser cooptada pelo sistema capitalista segrega-se ainda mais a dimensão humana da sexualidade. Tal processo fortalece sentimentos antagônicos que remetem a sexualidade ao campo da culpa e pecado, atrelados à busca desenfreada pelo prazer. Banida para a esfera da vida privada ou para o universo da marginalidade, como ocorre nos casos de prostituição e dos inúmeros apelos ao consumo, à sexualidade tem entre outras consequências a desconexão entre afeto e prazer, tornando-se cada vez mais distante a aquisição de atributos e sensações que levam à autonomia, à busca de prazer e ao bem-estar físico e emocional.



BISSEXUALIDADE: DIFÍCEIS CAMINHOS ENTRE O ESTRANHAMENTO E A ACEITAÇÃO
Seria mais fácil começar a entender o que é ser bissexual por eliminação, ou seja, descobrindo o que o bissexual não é. O que podemos dizer com certeza é que a pessoa bissexual não é hermafrodita, não é transexual, nem travesti, nem tão pouco andrógena (pessoa com características femininas e masculinas).

Assim, afirmamos o bissexual como aquele sujeito que tem seu desejo sexual orientado para ambos os sexos. É um desejo afetivo sexual, um sentimento, uma necessidade interna, que independente da vontade do sujeito, se manifesta. Não é ele quem escolhe desejar ambos os sexos. Ele é um homem como qualquer outro, ela é uma mulher como qualquer outra, estão de acordo com sua anatomia. Nascem biologicamente perfeitos e se comportam de maneira comum: ele como homem e se sente homem, ela como mulher e se sente mulher.

Em 1948, Alfred Charles Kinsey, professor e doutor de biologia nos Estados Unidos, realizou uma pesquisa na qual constatou que 50% dos americanos tinham tido experiências homossexuais, variando em número. Alguns casos com número maior de relações heterossexuais e menor número de relações homossexuais e vice-versa (VITIELLO, 1986).

Desde a antiguidade, as relações homossexuais e bissexuais sempre existiram, sendo aceitas ou não em diferentes culturas. Diferentemente de hoje, não havia, as classificações ou categorizações sexuais. Algumas culturas rurais, de tribos, por exemplo, baseiam suas relações na identidade de gênero e não no órgão genital propriamente dito. Se um homem não deseja se casar com uma mulher e assume as tarefas desse gênero feminino, ele assume uma posição em sua comunidade na qual não é discriminado e pode manter relação sexual com os homens da tribo, como se fosse uma “mulher”.

Segundo o psiquiatra, psicodramatista e sexólogo Ronaldo Pamplona, autor do livro “Os Onze Sexos”, hoje a neurociência avança muito rapidamente para a afirmação de que já nascemos heterossexuais, homossexuais ou bissexuais. Porém, não acreditamos nisso, não acreditamos que possa ser algo determinante como diz o psiquiatra. A liberdade, como já foi citada anteriormente, dada pela teoria Queer, nos leva a olhar todos os aspectos que envolvem a dimensão sexual e de gênero, de maneira totalmente nova e desprendida de verdades absolutas.

A psicanalista mexicana, Marina Castañeda, em seu livro A Experiência Homossexual (2007), destaca que, até mesmo quem nunca experimentou se relacionar com nenhum dos sexos pode-se considerar bissexual se seu desejo está direcionado aos dois sexos, masculino e feminino. Tal posição tomada pelos bissexuais emerge pré-conceitos não só por parte dos heterossexuais, mas também por parte dos homossexuais.


De fato, há nessa autodesignação um elemento de rejeição em relação às duas orientações reconhecidas pela sociedade: os bissexuais definem-se por oposição às categorias de homossexual e de heterossexual, que eles sentem muito restritas. Os textos programáticos das associações bissexuais na Europa e nos Estados Unidos proclamam que eles não são nem uma coisa nem outra, mas que representam uma terceira opção tão válida quanto às outras. Se ela nunca foi reconhecida como tal é precisamente porque está entre duas ordens: ela é invisível, porque a ordem sexual tradicional impõe uma visão binária da sexualidade, na qual se é ou heterossexual ou homossexual (Castañeda, p. 281, 2007).
Um número considerável de homossexuais acusa os bissexuais de não assumirem a sua homossexualidade e de usarem essa nomenclatura para não se comprometerem. Para estes homossexuais a bissexualidade não existe. É justamente nesse ponto que a teoria Queer alerta àqueles que lutaram por visibilidade social, a não se deixarem cair na mesma armadilha social e política, de adaptação e normatização. Pois, o que aconteceu e infelizmente ainda acontece com muitos homossexuais (foram e ainda são rotulados, estereotipados, discriminados, perseguidos, etc.), está acontecendo com os bissexuais, e talvez, possa até parecer exagero, mas de forma ainda mais cruel, já que não apenas parte da comunidade heterossexual os julga. Parte dos homossexuais também os julga e os acusa.
ANÁLISE DOS DADOS

OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO E A REPRESENTAÇÃO DA BISSEXUALIDADE
Na mídia e na internet circulam diversas informações, e muitas vezes, assuntos sérios e complexos são tratados sem o devido aprofundamento e seriedade. Baseando-nos em tal realidade, escolhemos três vídeos para a apresentação do trabalho, os quais servirão para uma análise crítica, tendo em vista o levantamento bibliográfico realizado na formulação deste estudo.

Os dois primeiros vídeos (1 e 2) selecionados para análise e discussão foram selecionados do site Youtube, o maior site de postagem de vídeos existente desde 2005.

Vídeo – 1. O primeiro vídeo foi feito por um casal jovem, tendo sido postado na internet no dia 28 de julho de 2010. O casal se intitula como Casal Sem Vergonha, sendo que também mantêm uma página na internet, cujo endereço é www.casalsemvergonha.com.br. Com uma linguagem liberal, simples expressa por uso de palavrões e uma linguagem cotidiana, o casal descreve a necessidade do ser humano se tornar menos hipócrita. Esse casal, mesmo aparentando valores liberais no campo da sexualidade não deixa de demonstrar atitudes de preconceito, em especial quando o apresentador (que se identifica como Eme Veigas), ressaltou nunca ter visto homem que gostasse de pegar homem, pois deveria ser considerado como gay. E não é só, a apresentadora (nomeada como Jaqueline Barbosa), diz que há modismo neste contexto “mais liberal” de demonstrar bissexualidade. Para ela, a explosão dessa moda foi quando as cantoras Britney Spears e Madonna se beijaram em público em 2009.

A visão dos apresentadores mostra-se simplista, uma vez que explicam a bissexualidade apenas no campo do modismo, negando a intrincada complexidade que afeta o campo do desejo sexual. Não se pode negar que o comportamento das referidas cantoras pode ter mexido com o imaginário e fantasias, principalmente dos jovens, porém, tal evento pode ser analisado como uma expressão de uma sociedade que permite maior fluidez da sexualidade. Pode-se afirmar que a sociedade começa a discutir assuntos anteriormente proibidos. Vídeo 2 - O tema da bissexualidade foi encontrado em outra fonte, Disponibilizada em dois arquivos, nos seguintes endereços eletrônicos: http://www.youtube.com/watch?v=mAtL60tpnF0;_http://www.youtube.com/watch?v=HUCo9vrSjY4.

O material teve origem em um programa denominado Falando Sobre Sexo, exibido em um formato interativo, pois conta com a participação dos telespectadores via internet. É transmitido pela TV Gazeta e apresentado pela psicóloga e sexóloga Carla Cecarello. Nesse material encontra-se a fala do psiquiatra e psicanalista Ronaldo Pamplona. O profissional aborda no programa a questão da bissexualidade. Deste pôde-se retirar o maior conteúdo que permitiu o aprofundamento da análise sobre o tema.

Uma das primeiras questões referiu-se ao fato de que a pessoa que se define como bissexual, na verdade não sabe o que quer. Para os que não se atrevem a refletir e aceitam as afirmações difundidas pelo senso comum, essa seria uma ótima justificativa para classificar sujeitos bissexuais como inseguros emocionalmente. Porém, tal imediatismo na explicação merece cautela. Conforme já apresentado, o desejo não é algo que se pode controlar com facilidade, ainda mais se falando de desejo sexual. O bissexual tem o seu desejo direcionado para ambos ou sexos. Ele tem desejo heterossexual e homossexual, tornando-se difícil rejeitar ou reprimir sua manifestação. Uma afirmação contundente do psiquiatra e em contradição com a abordagem do Construcionismo social que respalda as análises sobre sexualidade refere à afirmação de que: já nascemos heterossexuais, homossexuais ou bissexuais. Para o autor, tais afirmações estão amparadas em pesquisas da neurociência. Se os enfoques biológicos dariam as bases explicativas, como ficariam os seguintes questionamentos: E o papel dos processos sociais? Quais articulações, por exemplo, poderiam existir entre os processos sociais e a zoofilia? Já se nasce desejando ter relação com um animal não humano? Como ficaria a necrofilia? Tais questionamentos não visam ao menosprezo das pesquisas nessas áreas de estudo, porém, seus resultados, podem explicar totalmente a dimensão do desejo bissexual?

É possível explicar os fenômenos da vida e da sexualidade apenas pela biologia? Em outros momentos do programa, aparece uma situação que se associa com tais justificativas. Trata-se de um caso em que um homem, de nome Paulo, pede explicação para fatos de sua história de vida. O mesmo relata que teve atração sexual por travestis durante 15 anos (dos 20 aos 35 anos de idade). Atualmente com 40 anos, depois de passar por uma experiência espiritual numa igreja, o mesmo afirma que passou a se sentir atraído por mulheres. Segundo o especialista, embora o desejo do sujeito tenha sido reprimido, não se pode afirmar que tenha sido curado ou extirpado ou que não voltará a se manifestar. O mais provável é que tal desejo esteja sublimado. Ainda segundo Ronaldo Pamplona, o caso do sujeito apresentado pode se tratar de uma bissexualidade que ainda não foi decifrada e compreendida por ele mesmo. Tratado com maior sensatez, a frase de um convidado provoca reflexões quando questiona que a bissexualidade não pode ser tratada apenas como um modismo da sociedade moderna. Nesse aspecto diz “Ninguém vai querer entrar na moda para ficar com a vida complicada!”.

Castañeda (2007) esclarece que existem dois tipos principais de bissexualidade: a bissexualidade sucessiva e a bissexualidade simultânea. Na sucessiva, o bissexual se relaciona por um período com o sexo oposto e depois de um tempo com alguém do mesmo sexo, e vice-versa. Na bissexualidade simultânea, o sujeito conserva ambas as relações ao mesmo tempo, mantêm relações heterossexuais e homossexuais paralelas. Nesse sentido, pode-se pensar que o bissexual tem uma preferência predominante em um período, embora possa ser potencialmente disposto a direcionar seu desejo para pessoas do sexo masculino e feminino. Para a autora, provavelmente, um dos relacionamentos o complete mais, ou o faça se sentir mais confortável por vários motivos e isso não significa que ele está indeciso ou que queira esconder sua homossexualidade.

Neste contexto, o casamento como conhecemos fica comprometido. Como manter um casamento nos padrões tradicionais se o desejo é dirigido para mais de um sujeito? O casamento é uma invenção histórica, e temos a ilusão de que sempre foi do jeito que é. Relembrando Vainfas, o casamento indissolúvel e monogâmico foi uma imposição da igreja primitiva. A fidelidade era a palavra de ordem, mas, ser fiel com quem? Quando nos comprometemos a estar num casamento, nos comprometemos em ser fieis. Esquecemos que ser fiel a nós mesmos é o melhor caminho e, viver mentindo a si mesmo é torturante. Atualmente, a nossa mentalidade está voltada para uma relação de posse, de tratar o outro como objeto, pertencente a mim, esquecendo que o outro é outro, que tem suas próprias vontades, pensamentos e sonhos. Talvez por isso, fidelidade, nesse sentido, não cabe no caso da bissexualidade. O casamento vai depender da negociação dos parceiros, da honestidade da relação, no que cada um é capaz de compreender.

No programa Falando Sobre Sexo foi citada uma pesquisa organizada pelo movimento LGBT de Brasília. Neste, foi retratado o dilema entre manutenção a relação do segredo ou a revelação da orientação sexual. De acordo com tais discussões, é preciso levar em consideração o seguinte aspecto: manter a relação ou admitir o desejo por uma relação homossexual, além da heterossexual. É algo bastante complexo, pois muitas pessoas não conseguem enfrentar as consequências da revelação. Frente ao dilema, não se consegue obter estatísticas precisas, como até mesmo saber se o número de homens é maior entre os bissexuais.

Outro grupo estudado por meio desta pesquisa foi o das Crossdressers. Esta é uma categoria em que os sujeitos usam roupas femininas. Esse comportamento é assim observado quando um homem se traveste de mulher e a mulher se traveste de homem por várias razões, porém, tal comportamento não tem relação direta com a orientação sexual. Muitas pessoas podem se perguntar se o Crossdresser seria um bissexual. Assim como outras orientações sexuais, tais sujeitos podem ser heterossexuais, homossexuais ou bissexuais (BARBERO, 2005).

Em função de o ocidente cristão ter sido impregnado de regras, doutrinas e discursos persuasivos, o diálogo entre os casais com relação aos seus próprios desejos ainda é desafiador. Olhar para si mesmo e sentir o próprio desejo requer muita coragem. Nas relações, as dúvidas assombram e perseguem. Eu desejo que ela penetre em mim uma prótese peniana durante a relação, o que será que ela vai pensar? Será que ela vai aceitar? Esta foi uma situação interessante discutida no programa. Uma mulher declara que em toda relação sexual, o marido pede para ela penetrar nele um pênis de borracha, sendo que ela se formula a seguintes pergunta: Ele é bissexual?

Freud considerava uma bissexualidade original, resolvida, segundo ele, após o Complexo de Édipo, conforme destaca Castañeda (2007). Com Freud aprende-se que as zonas erógenas estão presentes desde a infância, porém, manifestam-se por meio do autoerotismo. Seguindo tais fontes teóricas pode-se dizer que o marido da referida mulher não é necessariamente um sujeito com orientação bissexual. Como disse o Dr. Pamplona, o reto, o ânus é uma área de prazer, na qual homens e mulheres podem sentir prazer.

É preciso citar as diferenças do bissexual masculino e da bissexual feminina. De acordo com Castañeda (2007), percebe-se que os motivos do homem ser bissexual não são os mesmos da mulher. Existe nesta busca por ambos os sexos uma falta. A mulher procura na relação com outra mulher, uma ligação afetiva, precisa satisfazer suas necessidades emocionais. Ela continua desejando os dois sexos e procura no outro o que falta. O homem procura em outro homem relações sexuais mais frequentes, mais intensas e mais variadas, procura liberdade, e o sexo com outro homem além de lhe proporcionar prazer, não implica uma ligação afetiva.

Vídeo 3 - O último vídeo analisado está no seguinte endereço eletrônico: http://video.br.msn.com/watch/video/mudanca-de-nome/antt9dpk. Este material expõe aspectos da bissexualidade associado à identidade de gênero. Tal material foi retirado da pagina do MSN com o título Mudança de Nome, sendo que se refere à vida de uma cineasta chamada Sharon no qual se apresenta a mudança de nome de seu pai. O pai de Sharon relata no filme que, aos 3 ou 4 anos de idade, conheceu um bebê com o nome de Trisha e a partir daí, sem explicação alguma, desejou se chamar Trisha e concretizou a mudança de seu nome em 1998. Os dois (pai e filha) vão contando de maneira sucinta toda essa história. Percebe-se que Trisha não demonstra uma vivência rígida no campo da sexualidade, porém conserva o casamento e se diz muito bem casado. A mãe de Sharon sempre soube dos desejos do marido, pois ele se revelou a ela antes do casamento, existindo, segundo os relatos, boa aceitação. As características físicas de Trisha com o passar do tempo ficaram parecidas com as representações do feminino. Assim, pôde-se inferir que o caso se remete a um caso de trânsgenero e não de bissexualidade. Ao final, a cineasta diz: Meu pai não teve medo de ser um indivíduo... uma força criativa e simplesmente uma pessoa única.

CONCLUSÃO
Conhecer as variações do desejo sexual tornou este trabalho complexo e desafiador. Tais desafios, porém, não impuseram barreiras para sua realização, uma vez que sua complexidade tornou-o motivador e instigante. À medida que se debruçava sobre o tema pôde-se analisar, por meio de fundamentação teórica (FOUCALUT, 1988; LOURO, 1997, BARBERO, 2005; CATAÑEDA, 2007), os processos subjetivos no campo da sexualidade. Esse percurso permitiu reinterpretar valores do senso comum que normalmente afetam a compreensão das sexualidades que se destoam dos padrões heteronormativos, como é o caso da bissexualidade.

A visibilidade do tema – bissexualidade é recente nos meios acadêmicos e científicos, verificando-se escassez de fontes bibliográficas para estudá-lo.

A estratégia metodológica desta pesquisa, que se constituiu em analisá-la por meio de fontes bibliográficas e materiais veiculados pela internet, mostrou-se adequada nos seguintes aspectos: por um lado, os vídeos ajudaram a visualizar de modo mais concreto as questões da sexualidade que são encontradas em fontes teóricas; por outro lado, reforça-se a ideia de que os materiais da internet inspiram cuidados, uma vez que dos três vídeos analisados apenas um deles apresentou de modo preciso as questões da bissexualidade apontadas na literatura, um segundo vídeo discutiu equivocadamente conteúdos de bissexualidade com as de transgênero e um terceiro material apresentou conteúdo distorcido sobre o tema.

O levantamento bibliográfico e os materiais pesquisados na internet permitem afirmar que a bissexualidade é fenômeno social de visibilidade crescente. Entender a condição subjetiva desencadeada pela bissexualidade e também como tal variação do desejo sexual se expressa parece ser uma tarefa a qual a psicologia começa a se dedicar.


REFERÊNCIAS
BARBERO, G. H. Homossexualidade e Perversão na psicanálise: uma resposta aos Gays and Lesbian Studies. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2005.
CASAL sem Vergonha. Bissexualidade e Ciúmes. Episódio 2 – Filme disponível em: <http://www.youtube.com/watch?v=jToVV90bU0g>. Acesso em: 09 de abril de 2012.
CASTAÑEDA, M. A experiência homossexual: explicações e conselhos para os homossexuais, suas famílias e seus terapeutas. São Paulo: A Girafa Editora, 2007.
FALANDO sobre Sexo. Bissexualidade – 15/04/2011 – parte 1/2. Vídeo Disponível em: <http://www.youtube.com/watch?v=mAtL60tpnF0>. Acesso em: 30 de abril de 2012.
FALANDO sobre Sexo. Bissexualidade – 15/04/2011 – parte 2/2. Vídeo Disponível em: <http://www.youtube.com/watch?v=HUCo9vrSjY4>. Acesso em: 30 de abril de 2012.
FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário Aurélio de língua portuguesa. 5 ed. Curitiba: Grupo Positivo, 2004.
FOUCAULT, M. História da sexualidade a vontade de saber. vol. 1. 11 ed. Rio de Janeiro: Graal, 1988.
LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.
MSN Vídeos. Mudança de Nome – 23/04/2012. Vídeo Disponível em: <http://video.br.msn.com/watch/video/mudanca-de-nome/antt9dpk>. Acesso em: 23 de abril de 2012.
NUNES, C; SILVA, E. A educação sexual da criança. Campinas: Autores Associados, 2000.
PARKER, R. Cultura, economia política e construção social da sexualidade. In. LOURO, G. L. (Org). O corpo educado. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 1997.
VAINFAS, R. Casamento, Amor e Desejo no Ocidente Cristão. 2 ed. São Paulo: Editora Ática, 1992.
VITIELLO, N. Sexologia – II – Comissão nacional de sexologia da FEBRASGO. São Paulo, Roca, 1986.
______________. Sexualidade quem educa o educador: um manual para jovens, paise educadores. São Paulo: Iglu, 1997,
WEEKS, J. O corpo e a sexualidade. In. LOURO, G. L. (Org).O corpo educado. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.



©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal