Análise sobre a formaçÃo da família por indivíduos trans



Baixar 11,91 Kb.
Encontro26.07.2018
Tamanho11,91 Kb.

ANÁLISE SOBRE A FORMAÇÃO DA FAMÍLIA POR INDIVÍDUOS TRANS

Camila Saran Vezzani

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP)


Objetivos

Considerando o caráter incipiente em que a pesquisa se encontra, esta pretende refletir sobre as possibilidades e impactos dos núcleos familiares trans1 na seara social e jurídica. Busca-se, também, evidenciar e compreender essas famílias colocando questões e impasses às formas tradicionais de pensar sobre o tema pelos operadores do direito e pelo senso comum.



Métodos e Procedimentos

O trabalho constituir-se-á em duas frentes de análise. A primeira, em andamento, por meio de uma metodologia qualitativa de cunho etnográfico no trabalho de campo e entrevistas. A segunda parte da pesquisa, por sua vez, voltar-se-á para reflexão dos dados encontrados. Utilizar-se-á, nessa etapa, o método fenomenológico-hermenêutico.



Resultados

Em decorrência da fase inicial da pesquisa, os resultados ainda se mostram incertos. Atualmente a pesquisa encontra-se na fase de coleta de dados e entrevistas com indivíduos trans. No entanto, espera-se que, com o desenvolvimento da pesquisa, apurar-se o paradigma da patologização e o paradigma da heteronormatividade seriam os grandes expoentes, tanto pelos avanços obtidos na área jurídica, quanto pelos limites que possam ser verificados, e que sejam capazes de cercear o acesso à efetivação de direitos, especialmente aqueles ligados à constituição de família, de muitas pessoas “trans”.



Conclusões

Sopesando que os estudos de gênero são considerados interdisciplinares por natureza e serão analisados ao longo da presente pesquisa, será possível encontrar meios de garantir aplicação dos direitos envolvendo as famílias trans. Dessa forma, pesquisa preencherá um pouco da lacuna existente dentro da ciência jurídica, vez que os materiais são escassos, e não há uma cultura em se estudar gênero e sexo, de maneira a possibilitar que os trabalhos futuros consigam se aprofundar ainda mais sobre essa temática.



Referências Bibliográficas

BENTO, B. A reinvenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro: Garamond, 2006.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. 2.ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

BUTLER, J. O parentesco é sempre tido como heterossexual? In: Cadernos Pagu, Campinas, n. 21, p. 219-260.

FARIA, J. E. Eficácia jurídica e violência simbólica: o direito como instrumento de transformação social. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1988.

GOFFMAN, E. A representação do eu na vida cotidiana. Petrópolis: Vozes, 1975.

LÉVI-STRAUSS, C. As estruturas elementares do parentesco. 5. ed. Petrópolis: Vozes. 2009.

PEREIRA, C. A. M. et al. Testemunha ocular: textos de antropologia social do cotidiano. São Paulo: Editora Brasiliense, 1984.



ZAMBRANO, E. Parentalidades "impensáveis": pais/mães homossexuais, travestis e transexuais. In: Horizontes antropológicos, Porto Alegre, v. 12, n. 26, p. 123-147, 2006.

1 Utiliza-se aqui o termo “trans” para referir-se, de modo geral, a diferentes identidades tais como transgêneros, transexuais e travestis, bem como outras não oficiais, com o intuito de abarcar todas as pessoas que não se sentem contempladas pelo binarismo de gênero e transitam sobre essa concepção.




©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal