Anacronismos no Livro de Mórmon Parte 4: Metais e Metalurgia



Baixar 33,82 Kb.
Encontro28.06.2017
Tamanho33,82 Kb.

Anacronismos no Livro de Mórmon Parte 4: Metais e Metalurgia


Entre os supostos anacronismos no Livro de Mórmon que constam na lista dos críticos estão diversos tipos de metais e a metalurgia (o processo de tornar minérios em metais úteis). Estes metais incluem latão, ferro e aço. Este artigo também discutirá a respeito da escrita em placas de metal e a possível composição das placas do Livro de Mórmon.

Metalurgia


Por anos, a melhor evidência sugeria que a metalurgia era desconhecida nas Américas até cerca de 900 d.C. Estudos recentes alteraram esta visão. “Informações atuais”, escreve um estudioso não SUD, “indicam claramente que por volta de 1000 a.C. a metalurgia mais avançada estava sendo praticada no Vale Cauca da Colômbia. 1 Os Peruanos iniciaram a metalurgia em 2000 a.C. e como geralmente é aceito que o Peru e a Mesoamérica mantinham contato por meio de comercialização, parece razoável que este conhecimento foi passado aos povos Mesoamericanos, principalmente depois que pelo menos uma dúzia de peças de metal foram encontradas na Mesoamérica que datam de antes de 900 d.C. 2
O problema com antigos artefatos de metal é que o metal (deixado exposto aos elementos ou não tratado) se corrói e deteriora – especialmente nas florestas úmidas e molhadas da Mesoamérica. Todavia, estudos lingüísticos ajudam a confirmar que a metalurgia era conhecida outrora nas Américas. Estudiosos não Mórmons que reconstruíram partes de diversas línguas antigas Mesoamericanas ficaram intrigados em descobrir que uma palavra para “metal” já existia em 1000 a.C. enquanto que a antiga língua dos Olmécas tinha uma palavra para metal desde 1500 a.C. 3

Latão


Acredita-se que o latão moderno – uma liga de cobre e zinco – foi inventado no décimo sexto século, embora a Bíblia faça uso da palavra “latão”. Estudiosos bíblicos geralmente explicam que “latão” na Bíblia refere-se na verdade à bronze. 4 Outros achados recentes indicam que “latão” genuíno (contendo zinco) era usado pelos Etruscos já nos dias de Leí, sugerindo que as placas de latão, na verdade, podiam ter sido feitas de latão. 5

Ferro


Enquanto que os críticos nos asseguram que o uso de ferro no Livro de Mórmon é anacrônico, pesquisas recentes refutam tal alegação. Um vaso de cerâmica que data por volta de 300 d.C., por exemplo, pode ter sido usado para fundição. Uma massa metálica dentro deste vaso continha cobre e ferro. O arqueólogo que fez tal achado também encontrou uma peça refinada de ferro em uma antiga tumba americana. 6 Até mesmo um crítico do Livro de Mórmon (que questione a relação entre o ferro do Novo Mundo e o ferro do Livro de Mórmon) reconhece que os Olmécas da América Central (que correspondem à lógica de tempo/lugar dos Jareditas) conheciam e usavam o “ferro”, como é evidenciado por espelhos de ferro. 7

Em 1996, um especialista em cultura Olméca não SUD, Dr. Anne Cyphers, observou que toneladas de ferro foram escavadas destes locais. 8 Dr. William Hamblim, em uma palestra com John Clark (do Departamento de Arqueologia da BYU) afirma que “um total de 10 toneladas de ferro foram encontradas em San Lorenzo, em diversas coleções volumosas, das quais a maior era de 4 toneladas. Antes da descoberta destas coleções, somente umas poucas peças de ferro eram conhecidas. Elas foram descobertas utilizando-se detectores de metais”. 9 Os Olmécas minando ferro notavelmente se parecem com os Jareditas: “E trabalhavam com toda espécie de minérios e faziam ouro e prata e ferro e latão e toda sorte de metais; e extraíam-nos da terra; portanto levantaram enormes montes de terra para extrair minérios: de ouro e de prata e de ferro e de cobre. E faziam toda sorte de trabalhos finos.” (Éter 10:23).



Aço


A Bíblia (versão do Rei Tiago) freqüentemente usa a palavra “aço” para se referir ao que conhecemos hoje como bronze. Mesmo especialistas reconhecem um problema na terminologia ao se discutir sobre o “aço” na antiguidade. Um dos primeiros cronistas nativos, por exemplo, escreveu que os Tarascans (os mais notáveis metalúrgicos da Mesoamérica na época da conquista hispânica) usavam capacetes de “aço”. 10 Um tipo de “aço” – uma liga meteórica de níquel-ferro – estava disponível na Mesoamérica e alguns estudiosos não SUD listam tal liga como “aço”. 11

As Placas “Douradas”


De acordo com Joseph Smith, o Livro de Mórmon foi gravado sobre uma pilha de placas com as dimensões de 15,24 cm de largura, 15,24 cm de espessura e 20,32 cm de comprimento e que tinha a “aparência de ouro”. 12 Muitos críticos alegam que placas de ouro com estas dimensões pesariam cerca de 90,72 kg – muito pesadas para Joseph carregá-las enquanto fugia de seus inimigos. 13 Todavia, aqueles que as manusearam afirmam que as placas pesavam somente entre 22,68 a 27,21 kg aproximadamente. 14
Enquanto que um bloco sólido de ouro possa pesar 90,72 kg, folhas de ouro irregulares moldadas a golpes de martelo, dentro do volume descrito por Joseph, somente pesariam 45,36 kg. Isto ainda é muito mais leve do que declaram diversas testemunhas do Livro de Mórmon. Voltando ao Novo Mundo, descobrimos que os antigos habitantes de fato faziam gravações sobre um metal que era mais leve do que ouro, mas que tinha a “aparência de ouro”.
Um artigo na Scientific America em 1984 enfocou a recente descoberta de vários objetos extensos de metal na América do Sul. A maioria destes objetos era feita de folhas de cobre marteladas. A princípio, quando estas folhas de cobre foram desenterradas elas estavam cobertas por uma corrosão esverdeada. Contudo, assim que a corrosão foi removida, descobriu-se que o cobre fora originalmente coberto com uma fina camada de prata ou ouro, de tal modo que as folhas “pareciam ser feitas inteiramente daqueles metais preciosos”. 15
A mais importante liga descoberta nestes locais foi uma mistura de cobre e ouro conhecida como “tumbaga”. Esta liga também foi descoberta em locais na antiga Mesoamérica. 16 Quando o cobre e o ouro (os dois únicos metais coloridos conhecidos pelos homens) são fundidos, eles se misturam e permanecem assim após esfriarem e se solidificarem. O tumbaga varia de 97% de ouro a 97% de cobre com traços de até 18% de outros metais ou impurezas. Uma vez que o acabamento de ouro era aplicado, parecia que o objeto de tumbaga era feito de ouro maciço. Embora o tumbaga “possa ser fundido, martelado, delineado, dourado, soldado, dobrado, endurecido, temperado, polido, talhado, modelado e revestido”, ele se deterioraria se não fosse devidamente armazenado. 17 É, portanto, interessante observar que as placas do Livro de Mórmon foram depositadas sobre duas pedras transversais ao fundo da câmara de pedra para que as placas não fossem expostas à água ou sujeira. Pouquíssima quantidade de oura teria feita às placas do Livro de Mórmon muito frágil, enquanto que grandíssima quantidade as teriam tornado muita pesadas, além de aumentar o risco de distorções durante a gravação. Se as placas do Livro de Mórmon fossem feitas de tumbaga, provavelmente seriam dentre 8 e 12 quilates de ouro e assim pesariam entre 24 e 39 kg. 18 Quando o tumbaga (que é de cor vermelha) é tratado com qualquer ácido simples – tal como ácido cítrico – o cobre na liga é removido de sua superfície, deixando uma brilhante camada dourada de 0,0001 cm de 23 quilates que é mais fácil para se gravar (este processo era usado na antiga América). Visto apenas com os olhos, o objeto teria a aparência de ouro puro. 19

Escritas sobre Placas de Metal


Embora seja possível que alguns fronteiriços nos dias Joseph Smith acreditassem que povos antigos escreviam sobre placas de metal, a afirmação de que o Livro de Mórmon foi escrito sobre placas causou ridículo poucos anos após Joseph Smith tê-la feito. Já em 1838 encontramos infâmias relativas à declaração de que “Judeus” teriam mantido registros em placas de latão. “Como se poderia escrever em latão?”. 20 Pelo menos por volta de 1887 (e por pelo menos um século depois) os críticos alegavam que “tais registros jamais foram gravados sobre placas douradas, ou sobre quaisquer outras placas, nos tempos antigos”. 21
Hoje temos centenas de exemplos de antigas escritas sobre placas de metal. O mais antigo exemplo de escrita Hebraica em placas é uma pequena placa de ouro com gravações datando de aproximadamente 1000 a.C. 22 Foram encontradas antigas gravações em placas de ouro, prata e bronze (“latão” no Livro de Mórmon). Uma placa de bronze em particular foi datada do sexto século d.C. – o mesmo período que o Livro de Mórmon declara Leí ter obtido as placas de Labão. 23
Algumas antigas placas de metal do Velho Mundo foram enterradas em caixas de pedra 24 e algumas antigas tradições Americanas incluem contos de registros sendo mantidos sobre placas de metal, e de ancestrais quem mantinham registros hieroglíficos em finas placas de ouro. 25

Referências


1 Archaeology, Nov./Dec., 1985, 81.

2 John L. Sorenson, “Digging into the Book of Mormon: Our Changing Understanding of Ancient America and Its Scripture,” Ensign (September 1984), 34-35.

3 John L. Sorenson, An Ancient American Setting for the Book of Mormon (Salt Lake City: Deseret Book Company and FARMS, 1985), 279.

4 Ibid., 283.

5 Ibid., 283-284.

6 Ibid., 284-285.

7 Deanne G. Matheny, “Does the Shoe Fit? A Critique of the Limited Tehuantepec Geography,” New Approaches to the Book of Mormon: Explorations in Critical Methodology, edited by Brent Lee Metcalfe (Salt Lake City: Signature, 1993), 289.

8 William J. Hamblin, “Talk on the Olmecs by Cypher,” posted 9/26/96 SAMU-L. Copy in my possession.

9 William J. Hamblin, “Supplement on Cyphers’ talk,” posted 10/2/96 SAMU-L. Copy in my possession.

10 Sorenson, An Ancient American Setting, 283.

11 John L. Sorenson, “A New Evaluation of the Smithsonian Institution ‘Statement Regarding the Book of Mormon,’” (Provo, Utah: FARMS, 1993), 17-18.

12 Joseph Smith, Times and Seasons, v3:9, March 1, 1842, 707.

13 See Lucy Mack Smith, History of Joseph Smith (Salt Lake City: Bookcraft, 1901), 107-108.

14 Robert F. Smith, “The ‘Golden’ Plates,” Reexploring the Book of Mormon, edited by John W. Welch (Salt Lake City: Deseret Book Company and FARMS, 1992), 276.

15 Heather Lechtman, “Pre-Columbian Surface Metallurgy,” Scientific America (June 1984), 56.

16 Ibid., 60.

17 Read H. Putnam, “Were the Golden Plates made of Tumbaga?” Improvement Era (September 1966), 789, 828-829.

18 Ibid., 830-831.

19 Smith, 276.

20 LaRoy Sunderland, Mormonism Exposed and Refuted (New York: Piercy & Reed Printers, 1838), 44-46.

21 Rev. M.T. Lamb, The Golden Bible, or, The Book Of Mormon Is It From God? (New York: Ward & Drummond, 1887), 11.

22 William J. Hamblin , “Sacred Writings on Bronze Plates in the Ancient Mediterranean,” (Provo, Utah: FARMS, 1994), 4.

23 Diane E. Wirth, A Challenge to the Critics (Bountiful, Utah, Horizon Publishers, 1986), 41-42.

24 H. Curtis Wright, “Ancient Burials Of Metal Documents In Stone Boxes,” Journal of Library History, v16:1 (Winter 1981) reprinted in FARMS, WRI-81, 48-49.



25 Sorenson, An Ancient American Setting, 283; Wirth, 43.
Texto original

http://www.fairlds.org/FAIR_Brochures/Anachronisms4.pdf
Escrito por Michael R. Ash para the Foundation for Apologetic Information and Research (FAIR) – (Fundação para Pesquisa e Informação Apologética).

http://www.mormonfortress.com

http://www.fairlds.org
Traduzido por Jeferson de O. Lopes

lopes466@gmail.com





©livred.info 2019
enviar mensagem

    Página principal