América anglo-saxônica



Baixar 0,6 Mb.
Encontro11.07.2018
Tamanho0,6 Mb.

AMÉRICA ANGLO-SAXÔNICA

Dois países integrados

  1. Os Estados Unidos e o Canadá são os dois únicos países do continente americano que apresentam uma economia de mercado desenvolvida. Ou seja, são os únicos países incluídos no norte industrializado.

    1. São os maiores países do continente americano e estão entre os maiores do mundo: o Canadá tem 9.372.610 km² e os Estados Unidos tem 9.970.610 km². Apenas a Rússia é maior que ambos (17.075.400 km²) e a China (9.571.300 km²) é maior que os Estados Unidos.

    2. Estendendo-se de leste para oeste, ou seja, do Oceano Atlântico ao Pacífico, a área territorial desses dois países tem uma importância fundamental, pois favorece a existência de recursos naturais. Mas o Canadá — que apresenta clima continental frio, com invernos rigorosos, e clima frio polar no norte —, enfrenta dificuldades para povoar suas áreas mais geladas, não chegando, assim, a explorar de todo seus recursos naturais. Nesse aspecto, os Estados Unidos levam vantagem: apenas poucas áreas, de dimensões reduzidas, apresentam grandes altitudes, como as montanhas rochosas (a oeste), ou clima árido, como o deserto do Colorado (a sudoeste). Isso possibilita o povoamento de quase todo o território e a exploração de mais recursos naturais.

    3. Nas montanhas Rochosas, que atravessam, de norte a sul, todo o oeste da América Anglo-Saxônica, existem importantes recursos minerais. A leste do Canadá localiza-se o planalto do Labrador, com ricas reservas de ferro. Nos montes Apalaches, a leste dos Estados Unidos, há reservas quase inesgotáveis de carvão mineral e carvão fóssil, com numerosas minas exploradas a céu aberto.

    4. Na porção central de ambos os países, há uma importante área de planície, chamada Planície Central, coberta por dois tipos de vegetação herbácea: as pradarias e as estepes. Nas pradarias, chove entre 250 e 500 mm, já nas estepes esse índice é inferior a 250 mm. Somente uma pequena área no sudoeste do Canadá está coberta por pradarias. Nos Estados Unidos, porém, uma imensa área apresenta essa vegetação, substituída pelas estepes apenas a oeste, na direção dos desertos e da área montanhosa.

    5. O montante de reservas naturais nos Estados Unidos era de tal ordem que o país se caracterizou por um verdadeiro esbanjamento de recursos no início de sua industrialização. Exploravam-se apenas os melhores filões das jazidas de ferro, manganês, bauxita, cobre, etc. Muitos poços petrolíferos e minas ainda em condições de funcionamento foram abandonados. Esse desperdício acabou provocando sérios danos ao meio ambiente, além de esgotar diversas minas. É por isso que, atualmente, os Estados Unidos dependem da importação de alguns produtos, como manganês, bauxita e níquel.

    6. As jazidas minerais mais importantes do Canadá localizam-se próximo à fronteira com os Estados Unidos. Esse fato, aliado ao clima rigoroso do norte do território, explica porque essa área limítrofe é a mais populosa. O Canadá possui uma população reduzida: 31 milhões de habitantes. Os Estados Unidos, por sua vez, tem 285 milhões de habitantes — pouco menos de 4% da população mundial —, que desfrutam de um elevadíssimo padrão de consumo. Trata-se do maior e mais diversificado mercado consumidor do planeta.

Formação territorial dos EUA

  1. Entre o fim do séc. XV e o começo do séc. XVI, navegadores contratados pela Inglaterra e pela França desembarcaram na porção norte do continente americano. Mas foi no séc. XVII que a Inglaterra iniciou a colonização do território que hoje é os Estados Unidos.

Da formação à independência das Treze Colônias

  1. Em 1607, puritanos — membros se uma seita protestante — desembarcaram na baía que recebeu o nome de Chesapeake, na planície litorânea do oceano Atlântico. Ali fundaram a cidade de Jamestown, no atual Estado da Virgínia. Em 1620, outro grupo de puritanos desembarcou do navio Mayflower a nordeste daquela mesma planície e fundou a cidade de Plymouth. Ao longo do séc. XVII, outras colônias foram surgindo de norte a sul na faixa litorânea leste. Assim, em meados do séc. XVIII, formavam-se 13 colônias inglesas na América do norte: Rhode Island, New Hampshire, Nova York, Massachusetts, Connecticut, Pensilvânia, Nova Jersey, Delaware, Virgínia, Maryland, Carolina do Norte, Carolina do Sul e Geórgia.

  1. Esta colonização está intimamente ligada ao que acontecia na Inglaterra desde o começo do séc. XVI. As graves disputas político religiosas internas levaram um grande número de ingleses — a maioria bem situada economicamente – a procurar reconstruir a sua vida fora da Europa. Por isso, as colônias do norte do continente americano também eram conhecidas como nova Inglaterra.

  2. Os ingleses desenvolveram, assim, no norte e no centro da costa leste dos atuais Estados Unidos uma colônia de povoamento. Logo que chegaram às colônias, os puritanos estabeleceram condições de independência entre as mesmas, embora estivessem unidas em torno de objetivos comuns, o que foi de grande importância no momento de se libertarem da Inglaterra, como veremos mais adiante.

  3. Embora reconhecendo a supremacia do governo inglês, desde o princípios os colonizadores asseguraram para si certa autonomia em relação à metrópole. Isso se traduziu na organização econômica dessas colônias, que passaram a desenvolver manufaturas, como roupas e gêneros alimentícios, apesar da proibição da Inglaterra.

  4. As colônias do sul, por outro lado, desenvolveram grandes propriedades agrícolas e escravagistas. A agricultura, voltada para exportação, especializou-se na produção de mercadorias tropicais, como algodão e tabaco, de grande interesse europeu.

  5. O contínuo crescimento das manufaturas ampliou a autonomia dos colonos em relação à metrópole. Se no séc. XVII a Inglaterra via com bons olhos a saída de inúmeros grupos puritanos e não interferia muito na organização das colônias, no século seguinte ela mudou a sua postura.

  6. Em 1763 a Inglaterra venceu a guerra dos Sete Anos contra a França e tomou o Canadá e a Índia da mesma. Como a guerra arrasou a economia inglesa, o parlamento decretou várias medidas para recuperá-la. Uma delas foi o imposto sobre o chá (Tea Act) e a imposição de as 13 Colônias só negociarem com a Inglaterra.

  7. Essa medida foi o estopim para o inicio de um conflito que levou à declaração da Independência por parte das 13 Colônias e a criação, em quatro de julho de 1776, dos Estados Unidos da América. Mas a Inglaterra só foi reconhecer essa independência depois de intensas lutas.

  8. A declaração de independência proclamava os direitos universais do homem e serviu de base para a atual Constituição dos Estados Unidos, promulgada em 1787. Essa constituição transforma os Estados Unidos numa federação, em que cada Estado pode fazer sua própria constituição, baseada em deliberações da própria sociedade.

A conquista do Oeste

    1. Constituída a federação, os norte-americanos iniciaram a conquista do oeste. Foi uma política de expansão muito rápida, onde tribos indígenas foram massacradas e várias desapareceram. Essa expansão se deu por suas maneiras: pela compra de territórios e por guerras com o México.

  1. Grandes contingentes de imigrantes europeus participaram da ocupação do vasto oeste norte-americano e, sem eles, essa conquista não se realizaria. O governo para atraí-los, decretou a posse de 160 acres de terra para quem cultivasse durante cinco anos.

  2. A conquista do oeste coincidiu com a industrialização do país. Assim, os Estados Unidos tinham dois grandes interesses: alcançar ricas reservas minerais existentes nas montanhas Rochosas, na serra Nevada e na cadeia das Cascatas; e ampliar o mercado consumidor interno.

A guerra civil norte-americana e o predomínio do Norte

    1. Com a industrialização do país, as diferenças entre o norte industrializado e o sul agrário aprofundaram-se. Ao mesmo tempo em que o processo industrial se concentrou no norte, o poder político ficou em parte com o sul.

  1. As tensões aumentaram quando Abraham Lincoln aboliu a escravidão no país com o objetivo de ampliar o mercado consumidor, pois o escravo não recebe salário, e portanto, não pode comprar. Então os Estados do sul decidiram separar-se do norte e constituíram os Estados Confederados da América. O norte não gostou da separação porque perdia territórios conquistados durante a conquista do oeste e porque os Estados do sul forneciam-lhes matérias-primas, necessárias às indústrias. Assim, entre 1861-1865, houve a guerra da secessão, com o norte vitorioso.

  2. Internamente, a principal conseqüência disso foi a diminuição da autonomia dos Estados e um fortalecimento da união. Esta se reorganizou sob o controle da burguesia industrial, que colocou em prática o seu projeto de industrializar todo o país, determinando a expansão da economia dos Estados Unidos.

  3. Novos mercados e novas riquezas passaram a interessar os Estados Unidos, que se tornaram imperialistas. Foi na América Latina que os Estados Unidos começaram a sua dominação, depois começaram abrir filiais de empresas em outros países, as multinacionais.

Formação territorial do Canadá

    1. A colonização do Canadá teve início no séc. XVII, quando o francês Samuel Champlin fundou, em 1608, a cidade de Quebec, às margens do rio são Lourenço. Em 1642, no vale do mesmo rio, foi fundada a cidade de Montreal, de onde os franceses partiram para conhecer o interior do território.

  1. Navegando pelo rio são Lourenço, em direção ao sul, atingiram os Grandes Lagos — na divisa com os atuais Estados Unidos — e a planície do Mississipi. Assim, na primeira metade do séc. XVIII, os franceses ocuparam territórios desde ao nordeste do Canadá até o golfo do México. Parte desses territórios recebeu o nome de nova França. A colonização do Canadá caracterizou-se por povoamentos, e os colonizadores eram normalmente fugitivos políticos e religiosos franceses.

  2. Em 1763, a Inglaterra tomou posse dessas colônias. Mas os franceses não se voltaram contra a Inglaterra durante a independência dos Estados Unidos, pois sua população era predominantemente católica e não quiseram se envolver com protestantes (EUA).

  3. A oposição religiosa levou à separação do Canadá em duas províncias: o alto Canadá (hoje província de Ontário), de maioria protestante e o baixo Canadá (atual província de Quebec), predominantemente católica e francesa.

  4. Depois de muita pressão, a língua francesa tornou-se oficial no Quebec em 1969, embora a língua oficial do país seja o inglês.

  5. O movimento separatista canadense tem motivações nacionalistas, agravadas pelo fato de o nível de vida dos descendentes franceses ser inferior ao dos descendentes ingleses, o que é mais evidente na cidade de Toronto.


ATIVIDADES

I- Por que os Estados Unidos e o Canadá são dois países bem integrados?



II- Como se deu a formação territorial dos Estados Unidos?



©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal