Alma sobrevivente



Baixar 1,15 Mb.
Página9/15
Encontro01.07.2018
Tamanho1,15 Mb.
1   ...   5   6   7   8   9   10   11   12   ...   15

8. Dr. C. Everett Koop

Serpentes e Pombas em Praça Pública


Quando eu era jovem, política era um palavrão. Nós, cristãos, nos considerávamos uma minoria sitiada; agradecida pela liberdade religiosa de nossa nação, sim, mas conformados a viver como uma insignificante contracultura numa sociedade do­minada pelos mundanos humanis­tas seculares. Na Escola Dominical, jurávamos fidelidade à bandeira cristã assim como à bandeira ame­ricana, e nunca duvidamos de que essa fidelidade era prioritária. Cer­tamente, ninguém se voltava para Washington em busca de liderança moral, e poucos na minha igreja assu­miam um papel ativo nas campanhas políticas.

John F. Kennedy ajudou a nos tirar da letargia em 1960. Um diácono alarmista dis­tribuiu cópias de um livro assusta­dor chamado If America Elects a Catholic President (Se a América ele­ger um presidente católico), e o pastor dava indicações veladas de que um presidente católico seria obri­gado a seguir ordens do papa, e não de seus compatriotas. Kennedy se elegeu e nenhuma dessas pro­fecias catastróficas se cumpriu.Em 1964, eu trabalhava no escritório dos Jovens Republicanos, na campanha de Barry Goldwater, e meu candidato foi derrotado. Na eleição seguinte, a primeira na qual eu podia votar, minhas inclinações políticas haviam mudado totalmente de lado, indo na direção do candi­dato democrata Hubert Humphrey - no fundo, eu preferia o senador poeta Eugene McCarthy -, mas meu Estado votou em massa em George Wallace. Richard Nixon, porém, ganhou nacionalmente, e os cristãos ficaram de orelha em pé quando Billy Graham começou a aparecer junto dele. Graham teve oportunidade de se arrepender em vida de seu erro, quando começou a conhecer o verdadeiro caráter daquele homem ao ler a transcrição das fitas do Caso Watergate.

A seguir, Jimmy Carter, natural da Geórgia, ganhou as eleições, atraindo enorme atenção para sua religião de nascidos de novo. A Time declarou: "O ano dos evangélicos", e alguns políticos de Washington designaram assistentes para descobrir tudo que pudessem sobre esse enorme eleitorado que parecia brotar durante a noite. Muitos evangé­licos não gostaram do piedoso Jimmy Carter, transferindo seu apoio para Ronald Reagan quatro anos mais tarde. Parecia uma escolha im­provável: Reagan raramente ia à igreja, doava quase nada à caridade e, apesar de seus "valores familiares", era o primeiro presidente divor­ciado e que tinha filhos gays e alienados. Reagan reconheceu a dívida que tinha com os evangélicos e promoveu uma plataforma social con­servadora, além de colocar alguns deles em posições estratégicas.

O sucessor de Reagan, George Bush, teve uma recepção fria, e perma­neceu por apenas um mandato. O ocupante seguinte da Casa Branca, um batista do Sul, freqüentava a igreja assiduamente, conhecia a Bíblia me­lhor do que qualquer outro presidente desde Woodrow Wilson e tinha evangélicos como Tony Campolo, Bill Hybels e George MacDonald entre seus mais próximos conselheiros. Mas nenhum presidente de tempos re­centes promoveu tamanho escárnio e total repugnância da comunidade cristã como Bill Clinton, mesmo antes de suas falhas morais se tornarem conhecidas do público. Política e religião realmente não se combinam.

Em outros países, o cenário é ainda mais estranho. Evangélicos em lugares como Europa, Austrália e Nova Zelândia lutam bem na esquerda da política, como os líderes católicos na América Latina. Para complicar as coisas, a História mostra que, quando os cristãos controlam as rédeas do poder, criam leis restritivas, lançam cruzadas contra os infiéis e perseguem seus hereges. Porém, quando governos seculares assumem o controle e começam a oprimir os cristãos, normalmente a Igreja floresce. Tenho constatado em minha vida que a China apresenta o maior percentual de crescimento numérico de cristãos em toda a história do mundo, um reavivamento que ocorre sob um governo que restringe a adoração e aprisiona pastores.

Nos Estados Unidos, as questões políticas e religiosas continuam a atrair as atenções. Um candidato judeu à vice-presidência, Joseph Lieberman, falava abertamente de Deus e atraía a crítica de grupos políticos judeus. Um procurador-geral pentecostal, John Ashcroft, se sujeitava a um escrutínio sobre suas convicções acerca do aborto e a homossexualidade. O presidente George W. Bush muda o sistema de concessões de entidades de caridade confessionais e promove o uso de vales em escolas religiosas.

É possível que uma pessoa se envolva em política sem que faça con­cessões fundamentais? Já citei renomadas figuras religiosas - Tolstoi, Gandhi, King - que ajudaram a transformar o quadro político. Apesar de ter aprendido com esses gigantes, tenho mais curiosidade quanto ao papel desempenhado por cidadãos comuns. Pode uma pessoa realmen­te servir "à cidade de Deus" e "à cidade dos homens", para usar termos próprios de Agostinho? Uma não irá inevitavelmente impedir a outra? Tenho observado bem de perto o exemplo de um cidadão comum, um médico que não tem experiência política, que faz de tudo para che­gar a um equilíbrio e que nos fornece um excelente estudo de caso. Co­nheço-o desde 1971, quando minha esposa trabalhou para um comitê que ele dirigia, supervisionando indicações internacionais de médicos residentes. Durante a administração Reagan, ele se tornou talvez o evan­gélico mais famoso de seu gabinete. Tinha profundas convicções sobre algumas das mais importantes questões morais de sua época e falava com objetividade sem precedentes. Os resultados surpreendiam a to­dos, inclusive ele mesmo.

Em três décadas de cirurgia no Hospital Infantil de Filadélfia, o Dr. C. Everett Koop criou técnicas pioneiras de salvar e curar bebês prematuros e defeituosos. Enquanto isso, em outra ala do mesmo hospi­tal, uma clínica de aborto era equipada, capaz de eliminar de dez a quinze vidas no mesmo tempo em que ele salvava uma ou duas. Para Koop, o aborto era uma questão moral muito clara, e era assim, apaixo­nadamente, que ele falava contra essa prática, chamando a decisão judicial do caso "Roe versus Wade", que legalizou o aborto, de "o mais importante evento da história americana desde a Guerra Civil". Por um período de tempo, Koop chegou a suspender sua brilhante carrei­ra na cirurgia pediátrica para fazer um trabalho de convencimento, com Francis Schaeffer, e advertir o público americano sobre as ques­tões relativas à vida humana. Numa dramática cena do seriado Whatever Happened to the Human Race? (O que aconteceu com a raça humana?), Koop olha para milhares de bonecas nuas espalhadas so­bre resíduos de sal no mar Morto e proclama: "Estou em Sodoma, lugar do mal e morte".

Koop também apresenta uma tendência de enxergar a tecnologia em termos de preto ou branco. Ele se converteu já adulto, freqüentan­do uma igreja presbiteriana, e sua fé está centralizada na doutrina da soberania de Deus. Sendo um experiente cirurgião que respeita a autoridade de uma cadeia de comando, que está acostumado a dar ordens e tomar decisões rápidas sobre vida e morte, Koop parece vir­tualmente imune aos surtos de angústia de Kierkegaard. Se Deus é todo-poderoso, então é natural que tudo que aconteça - tudo - esteja diretamente sob seu controle, o tempo todo.

Esta fé serena foi testada em 1968, quando Koop sofreu a mais dolorosa tragédia de sua vida, um evento que mudou profundamen­te sua constituição emocional. Antes desse fato, Koop achava que era sinal de fraqueza de um médico chorar com pais que haviam per­dido os filhos; mais tarde, começou a achar difícil não fazê-lo. Seu filho David, um jovem de 20 anos de idade, aluno do Colégio Dartmouth, morreu enquanto escalava uma montanha. O corpo de David ficou nas rochas por 52 horas antes de ser resgatado, uma terrível provação para a família Koop. Mas o diário pessoal de Koop daquela época, publicado sob o nome Sometimes Mountains Move não continha indício algum de qualquer luta com Deus. Ele termina com uma citação do Livro de Judas, no Novo Testamento: "Ora, àquele que é poderoso para vos guardar de tropeços...", seguido da declara­ção de fé do próprio Koop: "Deus era capaz de guardá-lo mas, em sua soberania, optou por não fazê-lo naquele momento".

Uma chamada telefonica urgente em agosto de 1980 colocou em xeque essa crença básica sobre a soberania de Deus. Ronald Reagan, que já lera dois livros de Koop e admirava suas convicções em favor da vida, queria que ele servisse como chefe da saúde pública nacional.58 A indicação ajudaria a solidificar o apoio de Reagan entre os constituintes a favor da vida, especialmente entre os evangélicos, o grupo que mais conhecia Koop. Pouco depois de sua posse, Reagan designou-o para o cargo de delegado assistente da Secretaria de Saúde e o nomeou chefe da Saúde Pública. Esta indicação, porém, precisava de uma ação do Congresso porque, aos 64 anos, Koop excedera a idade-limite para o cargo por apenas cem dias. Aquilo que Reagan e praticamente todo mundo na administração pensava se tratar de um procedimento legislativo pro forma iniciou um verdadeiro vendaval político.

A franqueza de Koop virou-se contra ele mesmo, especialmente depois que um bem-intencionado grupo pentecostal transmitiu a série de filmes de Schaeffer numa estação de televisão de Washington. Gru­pos como Planned Parenthood (Paternidade Planejada), NOW (National Organization for Women - Organização Nacional para as Mulheres) e outros grupos favoráveis à opção da mulher pelo aborto lideraram o ataque da cavalaria, brandindo todas as declarações ex­tremas que Koop fizera sobre aborto, direitos das mulheres e homossexualidade. Num caso de macarthismo 59 às avessas, questiona­ram não apenas suas crenças, mas também sua competência como médico, sua estabilidade emocional e até mesmo sua sanidade. O res­peitado jornal New York Times publicou um editorial intitulado "Dr. Desqualificado", e a imprensa de Washington cunhou um apelido ainda mais desagradável, chamando-o "Dr. Kook" ("Dr. Maluco", fazendo um jogo de palavras com seu nome). O congressista Henry Waxman proclamava-o um homem assustador e intolerante. Outros o considera­vam direitista excêntrico, um maluco mal-intencionado, um fanático religioso. Pela primeira vez na história centenária da Associação de Saúde Pública dos Estados Unidos, a organização protestou contra uma indicação. "Seria melhor ficarmos sem um chefe na divisão de saúde do que ter Koop ali", disse seu diretor executivo.

A família Koop chegou a Washington como turistas inocentes que acidentalmente caíram numa zona de guerra. Na Filadélfia, os triunfos cirúrgicos do Dr. Koop - separar gêmeos siameses, reparar deformidades faciais, reposicionar o coração no tórax de crianças - havia atraído uma generosa publicidade. Ganhador de diversos prêmios, inclusive a Légion d'Honneur na França, era com freqüência reconhecido nos jornais da Filadélfia como "nosso favorito e mais famoso filho". Agora, a imprensa local se juntara ao coro que o pressionava, pintando um quadro cruel de Koop, como se ele fosse um monstro de duas cabeças. Todas as ma­nhãs, o filho de Koop, que trabalhava em outra cidade, encontrava um jornal na porta de seu escritório com artigos difamatórios sobre seu pai, grifados com lápis vermelho.

Koop e sua esposa Betty estavam morando num lugar provisório, cercado de caixas ainda fechadas. Todos os dias, Koop trabalhava num espaçoso escritório de onde podia ver a cúpula do Capitólio e a enor­me bandeira norte-americana. Embora estivesse próximo da sede do poder, não tinha nenhum; a única coisa que recebia era o escárnio da cidade. Depois de quatro décadas de frenéticas jornadas de trabalho de 12 horas diárias, via-se agora diante de uma caixa de entrada de correspondências vazia, um telefone silencioso e uma agenda em branco - um quadro que, para ele, parecia um confinamento solitário. O Dr. Paul Brand visitou-o àquela época e me disse: "Por vários anos, aquele excelente cirurgião tinha criado notícias na área médica. Ele era um dínamo, um homem com uma missão. Agora, porém, vi a imagem de um leão enjaulado, cheio de um enorme poder, medindo a sala com seus passos, literalmente sem ter o que fazer. Também tive a impres­são de ver um homem ferido, alguém que precisava de conforto".

O próprio Koop reflete: "Não conseguia entender por que Deus havia interrompido uma vida tão tranqüila e produtiva. Nunca bus­quei qualquer cargo público, por isso acreditava que fora Deus quem havia me tirado de Filadélfia e jogado em Washington. Costumava fa­zer uma série de perguntas a Deus sobre isto. Durante aqueles nove agonizantes meses do processo de indicação, eu ficava olhando para minha Bíblia sobre a mesa, tentando entender o que havia acontecido. O pior dia foi aquele quando voltei para casa certa tarde - o sol entrava pela veneziana entreaberta em nosso pequeno apartamento em Georgetown -, abri a porta com minha chave e vi Betty em pé, lendo o Washington Post com lágrimas escorrendo por sua face".

"Não preciso disto", disse Koop. "Nunca fui tratado assim antes, e é errado colocar minha família nesta situação." Desta vez, foi Betty quem recordou que a soberania de Deus deveria, de alguma maneira, ter um propósito por trás da ruptura de suas vidas. "Se você desistir agora", disse ela, "vai ficar se perguntando para sempre." Betty ainda lhe deu um sorriso e disse: "E não se esqueça: você não tem mais um emprego na Filadélfia".

Como todo mundo sabe - todo mundo que assistia televisão, lia jornal ou ouvia rádio em 1980 -, C. Everett Koop finalmente con­seguiu o cargo de chefe do Departamento de Saúde e, contra todas as dificuldades, emergiu como um dos mais visíveis, atuantes e admirados servidores públicos da nação. Quando anunciou seu pedido de demis­são, em 1989, seus antigos críticos se derramaram em elogios àquele a quem um dia caluniaram. O apresentador de notícias Dan Rather cha­mou-o "o melhor chefe da Saúde de todos os tempos". O congressista Waxman, convertido em um de seus maiores fãs, concordou pronta­mente: "Ele é um homem de tremenda integridade. Ele fez tudo que uma pessoa neste cargo poderia fazer, e um pouco mais". A Associação de Saúde Pública dos Estados Unidos, o mesmo grupo que lutara contra sua nomeação, honrou-o com o mais alto prêmio por excelência. Prati­camente todo mundo, exceto seus aliados originais - estranhamente, os evangélicos - uniu-se no aplauso.

O que provocou essa enorme mudança na imagem de Koop? A res­posta está parcialmente no conceito errado que a mídia fez de Koop, parcialmente na habilidosa montagem de um gabinete que se encaixas­se em seus pontos fortes e parcialmente nos infernais nove meses que passou sentado num escritório vazio, sem ter o que fazer. Sobre seus críticos evangélicos, Koop acredita que eles não compreenderam quase nada do que ele fez como chefe do Departamento de Saúde. Ele tentou servir como o astuto profeta Daniel numa administração secular; eles estavam esperando alguma coisa mais parecida com um Amós ou um Jeremias.

Se os críticos seculares de Koop tivessem analisado seu passado com mais detalhes, teriam percebido que ele não tinha um ideário tecnocrata. A compaixão para com os homens não apenas temperou, mas de fato formou suas firmes crenças. Mesmo em seus agitados primeiros anos como cirurgião, ele encontrava tempo para cuidar dos necessitados numa missão de resgate no centro da cidade. Um de seus assistentes mais próximos explicou: "O que as pessoas não entenderam sobre o Dr. Koop é que ele é a favor da vida no mais profundo sentido da pala­vra - não anti-morte, mas pró-vida. Já o vi com milhares de pessoas -crianças malnutridas, socialites de Washington, pacientes terminais de Aids, esposas que sofreram abuso, ativistas favoráveis ao aborto -, e ele trata todos como se realmente acreditasse (e acredita) que foram criados à imagem de Deus. Ele é capaz de interromper sua agenda ocupada para se encontrar com alguma pessoa perturbada que quer falar com 'o doutor'. Ele realmente respeita o valor da vida humana".

Koop assumiu uma posição firme contra o aborto em função de sua experiência com centenas de milhares de pacientes pediátricos, muitos dos quais tão pequenos que cabiam em uma das mãos apenas, muitos tão deformados que nenhum outro cirurgião ousava tocar neles. Com o passar dos anos, Koop viu esses bebês crescerem e se trans­formarem em adultos plenamente capazes, com nomes, personalida­des e histórias individuais. Paul, que passou por 37 cirurgias faciais e abdominais, hoje formado pela West Chester University; Chris, que precisou de 15 cirurgias para que seu coração se colocasse no lugar correto e seus pulmões pudessem trabalhar corretamente; Maria, para quem o Dr. Koop criou um esôfago a partir de uma secção do cólon, e que prosseguiu até conseguir o grau de doutora e ela mesma se tornar uma cirurgiã pediátrica. Koop sabia que cada bebê perdido para um aborto era um Paul, uma Chris ou uma Maria em potencial.

Alguma coisa sobre o desamparo daqueles pequenos seres huma­nos atraiu Koop para o campo da cirurgia pediátrica num tempo em que só havia um punhado desses especialistas no país inteiro. Ele ti­nha uma queda pelos fracos e pelos menos privilegiados. Enquanto se sentava em seu gabinete durante as audiências de nomeação, pela pri­meira vez ele também se sentiu fraco e desprivilegiado. Um homem orgulhoso, acostumado ao sucesso, de repente estava tanto humilhado quanto isolado. Conforme se arrastavam as semanas, cada um dos di­versos grupos especiais de interesse fazia uma visita com o objetivo de esquadrinhar o indicado com relação às pessoas com quem ele deveria lidar. A maioria sabia pouco sobre ele, restringindo-se apenas às coisas escritas nos jornais à exaustão. Descobriram que o aspirante a chefe da Saúde Pública, sem poder e com poucas esperanças, tinha um bem em grande quantidade: tempo - tempo para ouvir suas preocupações.

Durante o período de nove meses, Koop ouviu diversas vozes vin­das de todo o país. Algumas, como a dos advogados dos direitos dos gays e dos grupos pró-aborto, eram ferozmente contrárias a suas posi­ções. Mas eles também faziam parte da nação cujos cuidados médicos ele supervisionaria. Koop olha hoje para aquele período como uma dá­diva maravilhosa. "Tive a chance de olhar para os problemas de saúde que a nação tinha e ponderar sobre o que eu poderia fazer quando finalmente fosse liberado. Decidi que usaria o gabinete para abraçar a causa dos menos favorecidos: crianças com deficiência física, idosos, pessoas à espera de transplantes, mulheres e crianças que estivessem sofrendo abusos. Durante os nove meses, desenvolvi uma agenda de­talhada, algo que nenhum chefe de gabinete antes de mim fizera. No fim, aquele período de terrível frustração possibilitou a execução de todas as coisas que eu era capaz de fazer no gabinete. Isto é que é a soberania de Deus operando!"

Em resumo, Koop usou o tempo para sonhar sobre a diferença que um chefe do Departamento de Saúde poderia fazer. E sua grande noto­riedade garantia que, depois de sua posse - que finalmente aconteceu, depois de uma agitada audiência do Senado -, tudo que ele dissesse ou escrevesse atrairia a atenção de um enxame de repórteres. Seus detratores, que queriam fazer-lhe mal, paradoxalmente ajudaram a en­tregar-lhe a plataforma pública que ele precisava para alcançar seus objetivos.

Depois de sua posse, Koop achou que era um almirante de três es­trelas sem um navio para comandar. O gabinete da área de Saúde, sua incumbência principal, ainda que vagamente definida, fora severamen­te negligenciado pelas administrações anteriores (o presidente Nixon nun­ca sequer se preocupou em apontar alguém para o cargo). Koop tinha pouquíssimo poder de decisão, nenhuma autoridade sobre orçamento e um grupo de colaboradores minúsculo. O ânimo das equipes comissio­nadas na área de serviços de Saúde Pública era o mais pessimista de todos os tempos. Numa tentativa de animar os funcionários, Koop pe­diu que eles usassem o uniforme que há muito tempo já havia saído de moda. Ele mesmo deu o exemplo, usando um uniforme engomado, orna­mentado com listas, dragonas, fitas e galões dourados. Levou um tempo para que a prática pegasse. Mais de uma vez, os passageiros dos aviões confundiam Koop com um comissário de bordo e pediam que ele aju­dasse com suas bagagens. E, agora, os cartunistas políticos tinham um alvo certeiro para suas brincadeiras. Quem era aquele médico estranho, com barba de Capitão Ahab 60 e uniforme de navio de cruzeiro, um ho­mem que, numa cidade cheia de pastas executivas de grife, usa uma mala de lona?

O diferencial do estilo de Koop chamou a atenção da mídia. Com dois metros de altura e pesando em torno de 90 quilos, ele era uma figura imponente dentro de seu uniforme, e conforme começou a fazer pronunciamentos sobre a saúde da nação com sua potente voz ao es­tilo do Brooklyn, a fascinação tomou o lugar da chacota. Um repórter disse: "Na televisão, sua barba cerrada e as dragonas do Serviço de Saúde Pública projetavam a imagem de um severo tio holandês que se levantaria contra os problemas causados por anos de passividade". Pessoalmente, esses mesmos repórteres ficaram impressionados com a cordialidade e a abertura do novo chefe da Saúde Pública. Não demo­rou muito para que ele se tornasse o mais requisitado para dar entre­vistas. Revistas colocaram sua figura austera em suas capas. Johnny Carson o citava em composições. Elizabeth Taylor mandou-lhe beijinhos no ar. O programa de televisão The Golden Girls propôs um quadro em sua homenagem.

"Onde está Koop, ali está a controvérsia" tornou-se um slogan em Washington. Ele criticava motoristas bêbados, convocava forças de com­bate ao abuso infantil e de cônjuges, criticava os hábitos alimentares americanos. Os superiores de Koop não sabiam o que pensar, especial­mente quando ele desrespeitava a hierarquia e desafiava sua política. O presidente Ronald Reagan, por exemplo, prometera aos senadores do Sul, como Jesse Helms, que não faria um discurso forte contra o cigarro. Mas lá estava o chefe da Saúde do governo Reagan, chamando os lobistas do tabaco "vulgares" e "mentirosos de pé chato", acusando-os de expor­tar a morte para o Terceiro Mundo. Com a objeção da Casa Branca, Koop declarou que a nicotina era tão viciante quanto a heroína, propôs o banimento de todos os anúncios de cigarro, insistiu na criação de áreas de não-fumantes e até pediu uma sociedade livre do cigarro. A admi­nistração estava constrangida. O senador Jesse Helms, um dos maiores defensores de Koop no passado, estava aterrorizado.

A despeito da enorme pressão, Koop não recuava. Mil americanos morriam todos os dias de doenças relacionadas ao fumo, e estando na posição do mais alto profissional de Saúde do país, ele precisava falar. Ele hoje considera o declínio no número de fumantes - quase 20 mi­lhões de norte-americanos pararam de fumar durante sua administra­ção - como seu maior feito. Nas questões sobre cigarros, educação sexual e distribuição gratuita de agulhas para viciados, além de vários outros assuntos, Koop traçou seus próprios caminhos.

Para um público sedento de integridade em seus líderes, Koop tor­nou-se um verdadeiro herói popular. O que parecia um serviço sem qualquer perspectiva, gradualmente se transformou numa arena cen­tral daquilo que Koop chamava "persuasão moral". "Tenho o senso de certo e errado", disse Koop, "mas várias pessoas desta cidade não têm". Em essência, Koop conseguia satisfazer as expectativas que os ame­ricanos tinham de um médico de família. Seu médico pode lhe falar coisas duras, recitar os maus hábitos que você tem, mas, mesmo assim, o que você quer é alguém que seja direto e objetivo, sem dourar a pílu­la, pois o que importa é sua saúde. Koop representava esta imagem muito bem.

À medida que os críticos aprenderam a respeitar sua independência e sua integridade, e o público como um todo passou a considerá-lo alguém que se preocupava sinceramente com seu bem-estar, transfor­mando-se num herói popular, seu eleitorado original viu com decepção aquilo que eles consideraram uma traição da causa que eles defendiam. Eis o retrato que os conservadores pintaram de Koop:

"Koop é uma das maiores decepções da administração Reagan" -National Review

"Koop devia ter ficado com a boca fechada" - Phyllis Schlafly, porta-voz dos conservadores

"Isso é uma vergonha (...) Ele traiu os mesmos princípios que fizeram dele o chefe do Departamento de Saúde" - Michael Schwartz, Free Congress Foundation (Fundação Congresso Livre)

"Se ele não podia agir de acordo com o que considerava correto, deveria ter renunciado ao cargo. Ele se revelou como alguém que valoriza mais as luzes do que sua própria consciência" Howard Phillips, do Grupo dos Conservadores.

Alguns evangélicos que o viam como a grande esperança política, com­partilhavam do mesmo senso de desalento. "Os partidários de longa data do Dr. Koop estão amargurados e deprimidos", queixava-se o comentaris­ta Cal Thomas, adicionando que "um ateu teria sido tão bem-sucedido quanto ele foi, apoiando a esquerda". Naquela época, Koop me disse: "Este tipo de crítica me afeta de uma maneira estranha. Não gosto mais de ir à igreja. Além do mais, Cal freqüenta a mesma igreja que eu".

O teólogo Harold O. J. Brown tipificava a preocupação dos evangé­licos. Fora ele que, uma década atrás, havia convencido Koop de que o aborto era errado em qualquer circunstância, mesmo em casos difíceis. Em 1975, em Mineápolis, terra de Billy Graham, ele e Koop haviam ajudado a fundar um lobby protestante que era contrário aos movimen­tos em favor do direito de escolha da mulher sobre manter ou não a gravidez, chamados de pro-choice. Seu movimento era pro-life, ou seja, a favor da vida. Sua admiração por Koop era sincera e franca. "Nunca houve, desde Williams Jennings Bryan, outro cristão evangélico com tal grau de clareza, sinceridade e determinação como o Dr. Koop, capaz de trazer valores espirituais à baila, que tenha sido indicado para um car­go público de tamanha envergadura." Não demorou muito até que o próprio Brown também começasse a expressar publicamente sua preo­cupação com o fato de Koop estar solapando a causa pro-life.

As reclamações dos conservadores se concentravam em três crises principais: o caso Baby Doe, a Aids e a carta sobre os efeitos do abor­to. A controvérsia do caso Baby Doe surgiu primeiro (entre 1982 e 1983): uma família e um médico concordaram em interromper a ali­mentação de uma criança que nascera com um defeito congênito. Nenhuma questão era mais próxima ao coração do Dr. Koop do que esta. Ele já havia feito 475 cirurgias para corrigir exatamente o problema do qual Baby Doe sofria, e interromper seu tratamento parecia-lhe um caso puro e simples de infanticídio. Após seis dias sem cuidado e atenção adequados, Baby Doe morreu. Depois de sua morte e de as duras regulamentações sobre futuros casos similares terem parado nos tribunais, Koop encontrou-se com os dois lados (as autoridades médi­cas se opunham fortemente às regulamentações), e saiu das reuniões com um compromisso baseado na criação de "comitês de revisão de cuidados com os pacientes" dentro dos hospitais locais.

A Suprema Corte derrubou o acordo, passando a discutir a ques­tão. Mas o processo de compromisso abriu uma lacuna entre o chefe do Departamento de Saúde e os defensores do movimento pro-life, que viam a concordância de Koop com os comitês como uma "submissão" à co­munidade médica. Se os lobistas contrários ao aborto saíram levemente desiludidos com Koop, ele saiu frustrado com sua mentalidade do tipo "tudo ou nada". Apesar de sua visão pessoal muito firme sobre essas questões, ele vislumbrou o momento propício, até mesmo a necessidade, de uma legislação sobre o assunto.

Tão logo o calor da questão de Baby Doe se dissipou, uma nova crise caiu nas mãos de Koop, como uma granada. No início de 1981, o Governo começou a detectar manifestações sobre uma epidemia con­centrada em grupos que tinham "comportamento de alto risco", notadamente homossexuais e usuários de drogas injetáveis. Ignorando os clamores externos das comunidades gay, o presidente evitou qual­quer menção da doença que viria a ser conhecida como Aids. Por cinco anos, Koop foi mantido fora do fluxo de informações e estava proibido de falar em Aids. Somente em 1986, quando dez mil casos foram con­firmados, foi que a administração pediu que o chefe do Departamento de Saúde preparasse um relatório sobre o assunto.

Hoje já nos esquecemos da histeria que cercou a crise da Aids, a maior parte vinda dos direitistas religiosos. Evangélicos de destaque re­ceberam em seus programas de rádio pessoas que diziam que a Aids podia ser contraída através de picadas de mosquito e nos assentos dos banheiros. De acordo com um membro do grupo daquela época, cinco mil cartas por semana chegavam ao Departamento de Saúde e Serviços Humanos, vindas de conservadores que lutavam contra fundos para pesquisa e educação sobre o assunto. O "julgamento de Deus" deveria seguir seu curso. Dado o clima político predominante, praticamente todo mundo esperava um relatório injurioso e moralista do médico evangéli­co. Os líderes dos direitos dos gays eram abertamente céticos.

Mas Koop levou sua missão a sério. Marcou reuniões informais de duas horas com 25 diferentes grupos, variando entre a Força Tarefa Gay e Lésbica e os batistas do Sul. Pediu que lhe fosse dada autorida­de para preparar sozinho o relatório, evitando os canais burocráticos normais que poderiam enfraquecê-lo. Trabalhando em casa numa escri­vaninha, produziu 27 rascunhos. Estas eram as palavras que davam o tom do relatório: "No começo da epidemia de Aids, poucos norte-ameri­canos tinham simpatia pelas pessoas contaminadas. O sentimento era de que, de alguma maneira, integrantes de certos grupos 'mereciam' es­tar sofrendo daquela doença. Deixemos de lado este tipo de sentimento. Estamos lutando contra uma doença, não contra pessoas".

O relatório sobre a Aids era notavelmente simples, falando dos peri­gos com detalhes anatômicos e pedindo que a educação sexual começasse "nos níveis escolares iniciais". Apesar de recomendar a abstinência e o sexo apenas dentro de um casamento monogâmico como a relação sexual mais segura, também recomendava o uso de preservativos para todo aquele que tivesse múltiplos parceiros sexuais ou que estivesse envolvi­do em atos homossexuais. "O silêncio deve ser extinto", declarou Koop.

O silêncio realmente desapareceu. Vozes internas da administração Reagan denunciaram a posição contrária de Koop aos testes compulsó­rios de Aids e à educação sexual precoce. Políticos liberais, como Ted Kennedy e Henry Waxman, elogiaram o relatório por sua simplicidade e sua ênfase nos aspectos de saúde da doença. Os ativistas dos direitos dos gays declararam Koop como "verdadeiro herói da Aids". O Congres­so apoiou Koop, exigindo algo sem precedentes: pediram a criação de uma cartilha educacional sobre a doença, que seria enviada a todos os lares americanos, num total de 107 milhões de domicílios, transforman­do-se na maior postagem de toda a história da América.

Alguns políticos conservadores ficaram irados. Paul Weyrich, um dos criadores do conceito de direitos religiosos, e a oradora conserva­dora Phyllis Schlafly mobilizaram-se contra Koop, organizando um boi­cote a um jantar em Washington promovido em sua honra. Sua carta dizia: "Koop não apenas afastou-se publicamente dos princípios dos grupos favoráveis à vida, como muitos acreditam que suas afirmações sobre a Aids são uma cobertura para a comunidade homossexual. Seu relatório sobre a Aids publicado em novembro último apresenta uma forma tal que mais parece ter sido editado pela Força Tarefa Gay Nacio­nal (...) As propostas do Dr. Koop para parar a disseminação da Aids representa a visão dos homossexuais, não a do movimento em favor da família". Vergando-se diante da pressão, três candidatos republicanos à presidência retiraram seu patrocínio ao jantar.

Como uma complicação adicional, no meio do furor causado pelo relatório sobre a Aids, Koop acordou de um cochilo à tarde vendo-se praticamente tetraplégico: ele não podia mexer as mãos nem os pés. Os vários anos em que se curvou para operar crianças agravaram uma antiga contusão que sofrera praticando esqui. Quando sua cabeça escorregou do travesseiro ortopédico durante o cochilo, a pressão pinçou uma artéria. Embora os cirurgiões tenham reparado a maior parte do dano, a recuperação o manteve no leito por várias semanas.

Koop olha hoje para trás, para aquele período de inatividade for­çada, muito semelhante àqueles nove meses do processo de indicação, e o vê como um presente providencial. Ele começou a ver a Aids como uma doença, e que o moralista e o cientista podiam trabalhar de mãos dadas - na verdade, precisavam andar de mãos dadas - para conter a epidemia. "Por sete semanas, pude ver o impacto do que se fizera atra­vés das reportagens. Percebi que tinha uma obrigação e uma tarefa, e assim decidi fazer algo que provavelmente ninguém havia feito antes no serviço público. Nas primeiras sete semanas de 1987, dirigi-me ape­nas a grupos religiosos. Comecei com a igreja de Jerry Falwell e uma capela na Liberty University passando pela Convenção Nacional de Radiodifusão Religiosa, conversando com pessoas conservadoras no judaísmo e no catolicismo romano, terminando com uma série de pro­gramas da Moody Broadcasting Network."

Nessas entrevistas, feitas com o uniforme completo e um colar or­topédico no pescoço, Koop afirmou a necessidade de abstinência e um casamento monogâmico. Mas ele ainda completou: "A abstinência to­tal para todos não é uma coisa realista, e eu não estou disposto a ver o fim da raça humana (...) Sou o chefe do Departamento de Saúde dos heterossexuais e dos homossexuais, do jovem e do velho, do moral e do imoral". Falando numa linguagem familiar, ele admoestou seus colegas cristãos: "Vocês podem odiar o pecado, mas precisam amar o peca­dor". Enquanto Koop demonstrava toda a sua repugnância à promis­cuidade sexual - ele usou de maneira enfática a palavra "sodomia" quando se referia aos atos homossexuais -, também insistia: "Sou o chefe do Departamento de Saúde, não o capelão geral".

Para explicar sua posição, ele com freqüência usava a analogia do médico da sala de emergência. Se uma ambulância chega com dois homens feridos, um assaltante de banco que atirou num guarda e o guarda que revidou ao tiro, qual homem o médico deveria tratar primei­ro? Ele deve cuidar daquele que tiver as feridas mais sérias, não o que tiver uma moral mais elevada. Koop já vira um número suficiente de pacientes de Aids com seus corpos esqueléticos, definhando e cobertos de chagas arroxeadas, para saber que eles precisavam do tratamento mais urgente. Seu voto fora o de atender aos fracos e menos favorecidos, e estava claro que não havia outro grupo de pessoas mais necessitado em todo o país. Independentemente do custo político, ele defenderia o direito que aquelas pessoas tinham ao tratamento e a necessidade de instruir o povo para que evitasse aquela doença mortal.

O chefe do Departamento de Saúde perdeu muito do apoio entre os políticos conservadores depois desse episódio sobre a Aids. Mas hoje Koop olha para trás com orgulho da atitude dos membros das igrejas de áreas mais distantes. "Realmente, creio que mudamos a posição das pes­soas sobre este assunto", diz. "Acho que recebi umas 20 cartas de apoio vindas de pastores ligados aos batistas do Sul. Aquela denominação foi uma das que entrevistei antes de escrever o relatório sobre a Aids. Eles nunca tinham ouvido falar das práticas sexuais que citava. Certo dia, em meu gabinete, muito gentilmente procurei explicar quais eram os problemas, tentando mostrar-lhes como era, por exemplo, o sexo prati­cado numa casa de banhos. Eles não sabiam se gritavam, se fugiam ou se escondiam o rosto. Mas eles se aproximaram e se mostraram muito incentivadores. Eu lhes disse: 'Se vocês estão tão preocupados com a educação sexual que seus filhos terão - e entendo por que vocês estão se sentindo assim -, por que vocês, uma denominação de 26 milhões de pessoas, não escrevem seu próprio currículo?' Nove meses depois, eles me convidaram para ajudá-los a lançar aquele mesmo currículo."

Aqueles conversadores que se levantaram contra Koop durante as . controvérsias da Aids e de Baby Doe ficaram agitados mais uma vez no início de 1989, quando a imprensa publicou uma carta de Koop para o presidente Reagan acerca do aborto. No outono anterior, um dos conselheiros de Reagan ligados ao grupo pro-life havia convencido o presidente de que o chefe do Departamento de Saúde faria uma pesquisa sobre os efeitos do aborto nas mulheres. "As descobertas seriam tão devastadoras que reverteriam o caso 'Roe versus Wade'", afirmou o conselheiro. Os ativistas favoráveis ao aborto, cientes de que a visão de Koop era abertamente contrária ao aborto, esperavam o pior. Em janeiro de 1989, Koop submeteu suas descobertas ao presidente, concluindo-as da seguinte maneira: "Lamento dizer, senhor Presidente, que, a despeito de toda pesquisa diligente feita por muitos dos funcionários do Serviço de Saúde Pública e do setor privado, os estudos científicos não trazem provas conclusivas sobre os efeitos de um aborto na saúde das mulheres". Líderes do movimento pelo aborto trombetearam a mensagem, com uma leve distorção: "Koop diz que o aborto não causa danos à mulher".

"Relatório de Koop sobre o aborto surpreende tanto a amigos quanto a inimigos", publicou o New York Times no dia seguinte, uma manchete que poderia ganhar um Prêmio Pulitzer de dualidade. Para alguns evan­gélicos, a carta de Koop foi a gota d'água, pois parecia que Koop havia abandonado os próprios princípios que fizeram com que ele fosse nomea­do. A controvérsia colocou uma mancha permanente na carreira de Koop, e pode ter contribuído para sua aposentadoria do serviço público.

O próprio Koop sente-se pessoalmente traído a respeito da questão. Ele revisara 255 relatórios sobre os efeitos do aborto na saúde. Alguns provavam que o aborto era inofensivo, outros provavam que era danoso. Colocados juntos, todos eles pareciam falhar em termos de metodologia. Além disso, apenas metade das mulheres que haviam sofrido aborto admitiu o fato numa pesquisa, e os estudos existentes não cobriam um universo tão grande. Apesar de Koop ter evidências registradas dos efei­tos psicológicos maléficos do aborto, não tinha qualquer dado científico que as apoiasse. Na verdade, sua carta ao presidente recomendava tal estudo - demoraria cinco anos e custaria 100 milhões de dólares, esti­mou mais tarde, e provavelmente confirmaria aquilo que o presidente queria provar -, mas, no presente, ele tinha de reconhecer que não havia dados estatísticos suficientes. Pediram-lhe que fizesse um julgamento científico, não que emitisse sua opinião pessoal.

Koop entregou sua carta em mãos na Casa Branca, com a promessa de que ninguém revelaria seu conteúdo até que o presidente tivesse a chance de responder. Quando Koop chegou em sua casa, pouco tempo depois, porém, sua esposa encontrou-se com ele na rua, em pânico. Ela acabara de ouvir os repórteres Peter Jennings, Tom Brokaw e Dan Rather citando a carta "confidencial". Além disso, estavam dizendo claramente que "o chefe do Departamento de Saúde não encontrou evidências de­ que o aborto é psicologicamente danoso". Koop ficou no telefone até a 1h tentando esclarecer sua posição, e apareceu na manhã seguinte no programa Good Morning, America para corrigir impressões erradas. O dano já havia sido feito. Os ativistas favoráveis ao aborto continua­vam a citar de maneira distorcida suas descobertas; os contrários se sentiam traídos.

"Havia muito mal-entendido naquela questão", reflete Koop hoje. "Lembro-me de uma mulher que veio correndo ao meu encontro, dizen­do: 'Oh, doutor Koop, fico tão feliz que o senhor tenha mudado sua posição sobre o aborto!' Respondi: 'Madame, a senhora não entendeu nada do que eu disse. Não mudei minha posição quanto ao aborto. Sim­plesmente me recusei a ser desonesto com as estatísticas. Só isso.' Em vista de tudo que eu havia dito e escrito sobre o assunto, como alguém poderia questionar minha visão sobre o aborto? Há certas conversas que já espero ter em todos os lugares por onde vou. Alguém vai chegar até mim e dizer que o operei quando tinha apenas alguns dias de vida. Outro virá e me dirá: 'Tenho uma dívida de gratidão com o senhor: nunca me preocupei com a vida humana até que o ouvi falar com Francis Schaeffer.' Naquela época, eu disse o seguinte ao pessoal contrário ao aborto: 'Vocês travam uma luta maravilhosa contra o aborto, transfor­mando-o numa questão moral, com a vida do feto sendo a preocupação principal. Não mudem a base de seu argumento, transferindo-a para a saúde da mãe. Se o outro lado perceber que vocês mudaram seus funda­mentos, vocês terão perdido a briga'."

Os meses seguintes que Koop passou em Washington foram quase tão desagradáveis quanto os primeiros. A nova administração, liderada por George Bush (o pai), assumiu o gabinete, nomeando outra pessoa para a posição que Koop queria. Ninguém pediu que ele saísse, mas também não o nomearam chefe do Departamento de Saúde. Por meio de uma série de táticas mesquinhas de pressão, Koop passou a sentir que não era bem-vindo. Não tinha acesso à sala de almoço executiva. Seu principal assessor foi demitido. Os funcionários da Casa Branca não retornavam mais suas ligações.

Certa vez, um repórter perguntou como Koop havia ganhado as medalhas de seu uniforme. Sua resposta foi: "A linha de cima foi o que os liberais fizeram para mim; a de baixo, foi o que os conservadores me fizeram". No fim de tudo, o homem que, mesmo diante de incessante oposição, havia superado a posição grandemente tendenciosa da mídia e transformado seu gabinete num dos postos mais respeitados do gover­no, silenciosamente pediu demissão do cargo.

A vida pública de Koop não terminou quando ele retirou seu unifor­me. Diante de qualquer coisa, as luzes se acendiam sobre ele. Conti­nuou a depor diante do Congresso sobre assuntos como as políticas em relação ao tabaco e abortos permitidos. Ganhou um Prêmio Emmy pela série de televisão C. Everett Koop, M.D. Um novo presidente, Bill Clinton, chamou-o em busca de ajuda. Hillary Clinton queria promover reuniões por todo o país para juntar fatos sobre a crise do sistema de saúde. Será que Koop a apresentaria ao meio médico? Ele concordou e sentou-se atrás dela em diversas reuniões, sempre deixando alguns conservadores bastante irados. Depois, fez um forte lobby no Congresso em favor da decisão do Governo sobre as grandes indústrias do tabaco. Estas duas iniciativas foram vítimas de rivalidades políticas internas.

Desgostoso, Koop mudou-se de volta para Dartmouth com sua mu­lher, para a universidade onde estudou, a qual havia fundado o Institu­to C. Everett Koop para treinamento de profissionais de saúde. Apesar de ainda viajar pelo mundo apresentando palestras, o ritmo de sua vida foi diminuindo para algo mais apropriado à sua idade - até que a revo­lução da internet o apanhou, aos 81 anos. Uma empresa completamen­te nova, a Drkoop.com, tornou-se pública em 1998 como portal com informações sobre cuidados com a saúde, e o co-proprietário Koop viu-se cada vez mais milionário. Como a maioria das riquezas angariadas em empresas pontocom, as ações de sua empresa evaporaram, chegando a perder 99% de seu valor, mas o site ainda atrai cinco milhões de visitan­tes por mês. Grande parte dos Estados Unidos ainda busca o conselho de seu médico de família que foi diretor do Departamento de Saúde. E Koop continua no meio da controvérsia, defendendo-se das críticas de que seu site na internet macula a opinião médica com interesses comerciais.

Conhecendo Chick Koop por 30 anos, segui sua carreira muito de perto como um estudo de caso em que um cidadão cristão é jogado na arena política. Ninguém poderia acusar aquele homem nomeado chefe do Departamento de Saúde, em 1981, de ter titubeado em questões morais. Ele se opunha a todo tipo de aborto, inclusive cm casos de estu­pro, até mesmo no caso de um feto seriamente defeituoso. Era contrário ao sexo fora do casamento e a todos os atos homossexuais. Sua indica­ção despertou um coro de oposição de liberais e altos brados de apoio dos conservadores, especialmente dos evangélicos. Mas no fim, foram os evangélicos que se sentiram traídos, e os liberais passaram a saudá-lo.

O que saiu certo, o que deu errado nessa saga tão alternada de um cristão que buscou servir a Deus igualmente bem em duas áreas conflitantes ao mesmo tempo? Discuti esses assuntos em profundida­de com o Dr. Koop, e aprendi muito com sua experiência. Tenho visto alguns cristãos modelares alcançando a sociedade como um todo, especialmente no campo da política. Há partidos facciosos que se per­petuam baseados no poder e no antagonismo, forças que se opõem diretamente aos princípios de amor e reconciliação do evangelho. Será possível, penso eu, exercer poder de uma maneira amorosa, ou se opor ao comportamento de alguém sem se opor àquele que se comporta daquele modo? E qual é o proveito de uma fé que tem pouca relevân­cia diante de uma cultura mais abrangente? "Sede, portanto, prudentes com as serpentes e símplices como as pombas", disse Jesus (Mt 10:16), alertando seus discípulos no momento em que os enviava ao mundo. Também vemos com freqüência políticos cristãos demonstrando a sa­bedoria das pombas e a simplicidade das serpentes.

Em primeiro lugar, Koop conseguiu convencer um público cético quanto à sua integridade básica. Até mesmo aqueles que discordavam dele vieram a aceitar sua sinceridade e sua integridade. Koop conta histórias de outros cristãos da Administração Pública que estavam dis­postos a esticar a verdade de modo que ela se encaixasse em seus pro­pósitos políticos. Quando, por exemplo, ele escreveu o relatório sobre a Aids, um funcionário da Casa Branca tentou mudar o texto original de Koop que dizia que "a maioria dos americanos se opõe ao homossexualismo, à promiscuidade de todo tipo e à prostituição", passando para "todos os americanos..." O fato de esta nova declaração ser evi­dentemente inverossímil não perturbava aquele cristão. Semelhan­temente, quando Koop concluiu que a pesquisa sobre os efeitos do aborto estava cheia de falhas, os conservadores reagiram furiosamen­te porque Koop não certificaria que os fatos apoiavam suas posições, independentemente das falhas nos levantamentos estatísticos que ele havia revelado. Koop percebeu que a agenda daqueles homens linha precedência sobre a verdade.

Perguntei a Koop qual conselho ele daria a cidadãos preocupados como eu, que queriam influenciar nas leis norte-americanas. De que maneira poderíamos ser mais eficientes? Sua resposta foi: "O que mais me perturbava, segundo o que me lembro, era a falta de conhecimento geral dos cristãos. Era como se eles dissessem que, ao se basear num princípio teológico, não havia necessidade de precisão nos fatos. As pessoas falam de liberais que temem a discussão. Eles não têm estofo para isto. Aprendi que também existem conservadores com o mesmo medo. Os cristãos deveriam se envolver em política e usar seus prin­cípios cristãos, sua moralidade e sua ética no processo. Mas eles não deveriam pular neste meio, dizendo que suas crenças são a única saída possível".

Koop insiste em dizer que sua visão moral básica não mudou no gabinete, que suas mais profundas crenças é que forneceram a funda­ção de todas as suas principais ações. Porém, depois de sair, ele recebeu apoio e aclamação impressionantes: diplomas honorários de universida­des, aplausos em pé durante jantares de despedida, defesas públicas em editoriais de jornais e a maior condecoração oferecida pela presidência a um civil, a Medalha da Liberdade. Alguns simplesmente gostam do fato de que suas decisões, independentemente das intenções por trás delas, serviram a seus objetivos políticos. Porém, para muitos dos cínicos de Washington, Koop serviu como um modelo novo e vivo de integridade vindo de um cristão evangélico - e isto num momento em que outros evangélicos bastante conhecidos estavam atraindo a atenção pela falta de integridade. Nas palavras da revista Time, "a cidade que adora no altar cinzento da ambigüidade percebeu que havia espaço para um ho­mem que trabalhava com preto no branco".

Koop sempre insiste que o moralista e o cientista devem trabalhar de mãos dadas na questão de saúde. A Igreja se opunha ao tabaco e ao álcool muito antes de os cientistas comprovarem suas suspeitas. Na batalha contra as doenças sexualmente transmissíveis, Koop admite que uma moralidade baseada em compromisso religioso - não mais em educação sexual - oferece a melhor chance de mudar o comportamen­to promíscuo de adolescentes. Agora que está fora do gabinete, ele se sente mais livre para falar sobre a fidelidade conjugal e a abstinência sexual. As pessoas ouvem o que ele diz em função da confiança construída durante o período que foi chefe do Departamento de Saúde.

A experiência de Koop verdadeiramente oferece um modelo para cris­tãos preocupados com as tendências culturais. Não se faz bem algum em citar passagens bíblicas a pessoas que não reverenciam a Bíblia, ou usar a justiça do Senhor para intimidar pessoas que não crêem. Existe uma ma­neira melhor de se comunicar, conforme Koop demonstrou. Muitas das maiores preocupações na área de saúde nos Estados Unidos estão relacio­nadas a opções de comportamento: doenças cardíacas e hipertensão exacerbadas pelo estresse; deformidades fetais relacionadas ao uso de álcool e drogas por parte da mãe; diabetes e outras doenças relaciona­das a dietas, crimes violentos, Aids e doenças sexualmente transmissíveis; acidentes de automóvel envolvendo o uso do álcool. Para os especialistas em saúde, essas preocupações são endêmicas, até mesmo epidêmicas.

Depois de corajosamente vencer a maioria das doenças infecciosas, o que fazemos agora é substituir os novos problemas de saúde pelos antigos, muitos deles baseados em escolhas morais. Os cristãos acredi­tam que os mandamentos de Deus não eram arbitrários, mas serviam para o nosso próprio bem, e os resultados na saúde da sociedade moder­na apóiam este princípio. Se pudermos comunicar mais do espírito de um interessado médico de família e menos do espírito de um moralista resmungão, então poderemos chamar a atenção de uma sociedade que caminha por uma estrada que leva à destruição.

Apesar de muitas pessoas se lembrarem mais de seu período no gabi­nete em função das grandes controvérsias, Koop vê as coisas de maneira diferente. Por onde quer que ande, cidadãos comuns se achegam a ele com palavras tocantes de agradecimento. "Estou participando de um grupo de discussão sobre abuso de cônjuges"; "Mantive minha gravidez por sua causa"; "Meu filho tem Aids. Deus o abençoe por tudo o que o senhor fez"; "O senhor me deu coragem para parar de fumar". Por cau­sa de reações como essas, Koop olha para os oito anos que passou no serviço público, para toda a turbulência que enfrentou ali, com poucos arrependimentos e muita satisfação. As pessoas lhe deram ouvidos por­que aprenderam a confiar nele, e muitos deram um passo adiante para mudar seu comportamento.

Hoje em dia, em seu novo papel de médico da família norte-america­na via internet, essa integridade está sendo questionada. Os repórteres descobriram que uma lista de hospitais recomendados em seu site havia pago 40 mil dólares pelo privilégio, e que Koop está testemunhando como um cientista a favor de indústrias químicas que tinham dado dinheiro a ele na condição de consultor. Koop defende vigorosamente suas ações, mas a controvérsia simplesmente salienta a questão de que os moralis­tas e os cientistas têm somente uma plataforma sobre a qual devem se pronunciar: a integridade.

Quando assumiu o serviço público, Koop também precisou apren­der a distinguir o imoral do ilegal. Nem tudo que ele considerava imoral era ilegal, uma distinção que muitos outros conservadores fra­cassaram em fazer. "Não cobiçarás" é uma questão moral tão séria que foi incluída como um dos Dez Mandamentos. Que prefeitura ou go­verno nacional poderia criar uma lei contra a cobiça? O orgulho é um pecado moral, talvez o pior pecado, mas podemos fazer com que o orgu­lho seja ilegal? Jesus resumiu a Lei do Antigo Testamento no manda­mento: "Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento" (Mt 22:37); que autoridade humana poderia policiar o cumprimento de tal mandamento? Apesar de os cristãos terem a obrigação de seguir os mandamentos de Deus, isto não quer dizer que devemos automaticamente transformar esses mandamentos morais em leis a serem cumpridas pelo Estado. Nem mes­mo a Genebra de João Calvino ousaria adotar o código legal do Sermão da Montanha.

Temos como exemplo atual o fato de os cristãos estarem debatendo os prós e contras dos direitos dos gays - uma questão moral, de acordo com os dois lados. Se acreditamos que a prática homossexual é imoral, devemos transformá-la em ilegal? Há não muito tempo, a Igreja da In­glaterra debateu uma questão com muitos paralelos: divórcio. A Bíblia tem muito mais a dizer sobre a santidade do casamento e o erro do divórcio do que sobre a homossexualidade. C. S. Lewis chocou muitas pessoas de seu tempo quando veio a público em favor da legalização do divórcio, baseado em que os cristãos não têm direito de impor nossa moralidade à sociedade como um todo. Apesar de pregar contra isso e de impor essa idéia com base em questões morais, ele compreendia mui­to bem a distinção entre moralidade e legalidade.

É claro que precisaremos exercitar a ética dos cirurgiões ao decidir quais princípios morais se aplicam à sociedade como um todo. Se deixa­mos de praticar essa habilidade, mais uma vez nos arriscamos a confun­dir os dois reinos, o de Deus e o deste mundo. Os profetas do Antigo Testamento usavam um padrão duplo em seus pronunciamentos. Consideravam que sua própria nação, Israel, deveria cumprir todas as partes do pacto de Deus, inclusive a guarda do sábado e os rituais de sacrifício no Templo. Eles criticavam as nações pagãs ao redor em ter­mos mais ligados à "lei comum", como os crimes de guerra, injustiça e decadência. No Novo Testamento, Paulo pergunta: "Pois com que di­reito haveria eu de julgar os de fora? Não julgais vós os de dentro? Os de fora, porém, Deus os julgará" (1 Co 5:12, 13).

Enquanto esteve no gabinete, Koop atraiu muita oposição de con­servadores que viam a moral em termos de "tudo ou nada". Eles o ata­caram por concordar com um compromisso no caso Baby Doe, muito embora os tribunais já tivessem derrotado as estritas diretrizes iniciais. Eles se opunham a qualquer compromisso com o aborto. Koop diz: "Um dos problemas dos movimentos contrários ao aborto é que eles são par­tidários do 100%. Historicamente, é fato que se os defensores da vida tivessem se sentado em, digamos, 1970 ou 1972 com os favoráveis ao aborto, poderíamos ter saído com um acordo sobre o tema em favor da vida da mãe, nos casos de estupro ou incesto, e nada mais. Isto teria evitado 97% dos abortos desde então. Afinal, 97% de 25 milhões são um monte de bebês".

Um absolutista em questões como aborto e homossexualidade, Koop aprendera, durante o exercício da função de chefe do Depar­tamento de Saúde, que os absolutos cristãos não podem ser sempre impostos sobre aqueles que não compartilham dos pontos de vista cris­tãos. Ele aprendeu, porém, a compaixão e a misericórdia para com os excluídos e amor pelos inimigos. O mundo percebeu. A revista Mademoiselle, por exemplo, publicou um artigo sobre ele que começava di­zendo: "A bondade notável raramente é encontrada em quantidade suficiente numa vida comum - é tão rara quanto ovos de avestruz de ouro no meio da política". O artigo prosseguia para homenagear o exem­plo de Koop nas áreas de intelectualidade, moralidade e honestidade ética, concluindo: "Ao exercer uma agonizante compaixão pelo pobre, pelo ferido e pelo menos favorecido, Koop integrou, de maneira feliz e espetacular, sua religião e sua vida profissional. Ele é um cristão, mas não é um sectário".

Koop provou-me que é realmente possível separar o pecado do pe­cador, opondo-se a um enquanto se abraça o outro. Em nossas conver­sas depois de sua demissão, ele voltou diversas vezes à questão da crise da Aids e a reação perturbadora de muitos dentro da Igreja. "Quando surgiu a questão da Aids, minha obrigação parecia muito clara. Eu via o estilo de vida das pessoas com repulsa, mas, como chefe da área de saúde, precisava olhar para os pacientes de Aids primeiramente como pessoas doentes. De acordo com o mesmo princípio, se uma senhora obesa en­trasse no hospital com um ataque na vesícula biliar, não poderia negar-lhe tratamento baseado na sua falta de disciplina em comer. Sentei-me ao lado de pacientes morrendo de Aids. Eles me lembravam gatinhos filhotes, tão doentes e tão fracos que abriam suas bocas para chorar e nenhum som saía delas. Como você pode deixar de colocar seu braço ao redor desse tipo de pessoa e oferecer-lhe apoio? Em vez disso, dizemos: 'Deus os está punindo, e eu apóio a punição de Deus'. É esta atitude que me deixa maluco."

"Como sempre digo, a maior parte desta nação considera a sodomia uma atitude errada em termos legais e espirituais. É o que eu penso. Mas sei que algumas das pessoas que persistem liderando seus reba­nhos para longe da questão da Aids fazem isto através da homofobia. Precisamos de uma nova palavra para isto. 'Homofobia' não é a mesma coisa que, digamos, 'francofobia'. Essas pessoas combinam o medo com um inacreditável ódio voltado aos homossexuais. Conversei com pes­soas que, se pudessem, apertariam um botão para destruir todos os ho­mossexuais do mundo por quaisquer meios que estivessem disponíveis."

Mesmo enquanto era chefe do Departamento de Saúde, Koop con­tinuou a rotular os atos homossexuais como "sodomia" e a advertir as pessoas contra seus riscos para a saúde. Mas quando ele foi falar para 12 mil gays em Boston, eles gritavam entusiasticamente: "Koop! Koop! Koop!" A comunidade gay, que discordava fortemente de suas convic­ções pessoais, aprendera a confiar nele quando afirmou ser o chefe do Departamento de Saúde de todas as pessoas, mesmo daquelas de cujo estilo de vida ele discordava. Ele os conquistara apelando para a com­paixão por aqueles de seu meio que estavam doentes e convocando vo­luntários para cuidar daquelas pessoas. Como ele próprio disse, estava simplesmente seguindo a herança cristã de cuidado com a saúde. Os primeiros hospitais eram mantidos por igrejas, diz ele a seus críticos, bem como os hospícios e os orfanatos.

O evangelho apresenta tanto altos ideais quanto graça abrangente. Com muita freqüência, porém, a Igreja inclina-se para uma ou outra direção. Ela tanto diminui os ideais, ajustando os padrões morais para baixo e amaciando os fortes mandamentos de Jesus e racionalizando o comportamento, quanto reduz as fronteiras da graça, considerando alguns pecados piores que outros e alguns pecadores inaceitáveis. Pou­cas igrejas se mantêm fiéis tanto aos altos ideais do evangelho e de sua graça infinita. A vida do Dr. C. Everett Koop sob os holofotes mostra quão difícil é manter esse equilíbrio. Contudo, estou convencido de que, a não ser que abracemos ambas as mensagens, estaremos traindo as boas novas que Jesus trouxe ao mundo.

"Percebi que os cristãos apresentam uma tendência muito grande a ficar irados com aqueles que não são como eles", disse-me um ho­mem, alguém que dirige uma organização que atende a pessoas com Aids. Notei exatamente o mesmo padrão. Depois de escrever um livro sobre minha amizade com Mel White, um ex-ghost writer de cristãos famosos, e agora um destacado ativista gay, recebi uma enorme quan­tidade de cartas condenando-me por continuar aquela amizade. "Como você consegue ser amigo de um pecador como aquele?", bradavam as cartas. Pensei muito sobre o assunto e saí com diversas respostas que creio serem bíblicas. A resposta mais sucinta, porém, é outra pergun­ta: como Mel White pode continuar sendo amigo de um pecador como eu? A única esperança para qualquer um de nós, independentemente de nossos pecados particulares, reside na inabalável confiança num Deus que inexplicavelmente ama pecadores, inclusive aqueles que pe­cam de maneiras diferentes das nossas.

C. EVERETT KOOP PARA INICIANTES


O Dr. Koop conta sua própria história na autobiografia intitulada Koop. Concentrando-se no período em que trabalhou no serviço público, ele defende cada uma das decisões que o transformaram em uma figura tão controversa, e oferece ricos insights sobre as questões éticas com as quais lidou. Um livro bem mais sucinto, chamado Sometimes Mountains Move, conta a agonia pessoal envolvida na morte de seu filho. Seu site na internet, www.drkoop.com, oferece diversos conselhos médicos e informa­ções. Para os leitores interessados na interseção da política com a fé, recomendo os livros de H. Richard Niebuhr, Stephen Carter, James Davison Hunter e Richard John Neuhaus.



1   ...   5   6   7   8   9   10   11   12   ...   15


©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal