Alma sobrevivente



Baixar 1,15 Mb.
Página2/15
Encontro01.07.2018
Tamanho1,15 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   15

Agradecimentos


Neste projeto, minha agente, Kathryn Helmers, foi muito além das responsabilidades esperadas de uma pessoa com essa fun­ção. Em muitos aspectos, este livro não existiria se não fosse por ela, que ajudou a formar e a refinar a visão em minha mente para, então, estimular-me a cada passo, oferecendo-me tanto encorajamento quanto direção. Estruturação de frases, organização temática, opções para a capa, acabamento, cláusulas do contrato - ela participou alegremente de todas as fases do processo de publicação. Em vários momentos, men­ciono a psicose que é o processo de escrever; Kathryn ajudou a baixar esse estado para o nível da neurose e até conseguiu extrair alguns mo­mentos saudáveis de tudo isso.

Meu editor na Doubleday, Eric Major, colaborou com a mesma presença calma e sustentadora que conheci 20 anos atrás, quando ele publicou no Reino Unido as edições dos livros que escrevi com o Dr. Paul Brand. Minha assistente, Melissa Nicholson, passou horas a fio diante de uma tela de computador em bibliotecas e na internet para pesquisar e verificar os fatos.

Estes capítulos retratam pessoas sobre as quais escrevi em outras obras, como jornalista. Em cada caso, mudei e ampliei bastante o mate­rial, além de adicionar um ponto de vista pessoal. Mas continuei me baseando em pesquisa e, às vezes, nas palavras originais dos trabalhos anteriores. Artigos sobre Martin Luther King Jr., Dr. Robert Coles,Mahatma Gandhi e Dr. C. Everett Koop apareceram em edições da re­vista Christianity Today. Artigos sobre Annie Dillard, Frederick Buechner, Leon Tolstoi, Fyodor Dostoievski e Shusaku Endo apareceram em Books and Culture. Além disso, escrevi algumas reflexões sobre G. K. Chesterton como prefácio de uma edição de Orthodoxy, sobre o Dr. Paul Brand como prefácio de The Forever Feast, sobre Henri Nouwen em um capítulo de Nouwen Then e sobre John Donne para um trabalho conjunto intitulado Reality and the Vision. Alguns dos pensamentos que transcrevo aqui so­bre King, Donne, Endo e Tolstoi também aparecem em meus livros O Deus (in)visível, Maravilhosa graça e O Jesus que nunca conheci} Agradeço aos detentores dos direitos dessas publicações por permitirem que eu pesquisasse as frases e parágrafos dessas obras para descobrir algumas que se encaixassem no propósito deste trabalho.

Apresentação


Para alguns leitores, a leitura deste livro será a última ten­tativa de salvar a sua fé antes que tudo se ponha a perder. Foi para estes leitores - à beira do precipí­cio espiritual - que editamos este livro.

O conceito editorial sobre o qual foi construído Alma Sobrevivente foge da fórmula que normalmente se espera de um livro que procura resgatar os náufragos. O autor não propõe nada além de contar a sua própria história. Afinal, ele sabe que as pessoas decepcionadas com a igreja institucional não agüentam ouvir mais planos, fórmulas, pas­sos, cartilhas, regras ou leis, pois foi justamente esta tentativa de doutrinação comportamental que as afugentou.

Em outras obras ele já havia exposto a sua desilusão com os abusos da igreja institucional. Ele sempre encarou de frente temas como a hipocrisia dos evangélicos, as prioridades confusas da igreja contemporânea e a tendência dos líderes cristãos de oferecerem so­luções baratas para qualquer que seja o problema da condição hu­mana. Yancey nunca temeu as re­percussões de suas críticas, pois sabe que são justamente as falhas da igreja que impedem que muitos aceitem o evangelho de Cristo.Neste livro, entretanto, ele vai mais longe. Revela que, na sua juven­tude, quase abandonou a igreja, por considerá-la racista, retrógrada, despropositada e abusiva. Só não renunciou à sua fé cristã porque des­cobriu que havia outros como ele, desiludidos com a igreja, mas profun­damente comovidos pela mensagem central do cristianismo.

Num olhar retrospectivo, ele hoje chama essas pessoas de "mentores". Ajudaram-no a enxergar a totalidade da proposta cristã que existe por trás da organização eclesiástica estabelecida. Ajudaram-no também a descobrir o verdadeiro Cristo do cristianismo, a discernir a causa nobre que fundamenta toda a história da relação Deus-homem e a entregar-se ao compromisso apaixonante de defender o nome de Cristo.

O leitor desta tradução provavelmente não reconhecerá os nomes de todos os conselheiros e mentores de Philip Yancey. Autores como Frederick Buechner e Annie Dillard, por exemplo, são inéditos no Brasil. Outros, apesar de terem algumas obras editadas em português, são des­conhecidos pela maioria: Henri Nouwen, Shusako Endo, Robert Coles, G. K. Chesterton. Algumas escolhas surpreendem, por não fazerem par­te de nenhum panteão evangélico; é o caso de Mahatma Gandhi, que não foi cristão, mas cujas atitudes como líder sincronizaram-se com o jeito essencialmente cristão de comportar-se diante das adversidades. Há também algumas ausências intrigantes; onde estão C. S. Lewis, Dietrich Bonhoeffer e Dorothy Sayers?

Para o leitor desta edição em português, cabe uma elucidação. A maioria dos leitores do livro original em inglês também desconhece es­ses autores e as suas obras. Com base nas recomendações de Yancey, muitos desses leitores estão procurando saber mais. Esperamos que a publicação de Alma Sobrevivente em português tenha o mesmo efeito sobre os leitores e sobre o setor editorial como um todo. Desejamos despertar interesse nas obras desses indivíduos e, mais do que isto, demonstrar que a disciplina de procurar sabedoria nos bons livros ainda é o caminho mais curto para a compreensão da vida, para a aceitação dos paradoxos naturais que surgem no cristianismo, e para a constru­ção de um discernimento profundo entre o cerne e as circunstâncias do evangelho.

Mark Carpenter Editora Mundo Cristão

1. Depois do abuso

Philip Yancey


Às vezes, em uma sala de espera ou num avião, inicio conversas com pes­soas que não conheço, e é nesse momento que elas descobrem que escrevo livros sobre temas ligados à es­piritualidade. As sobrancelhas se erguem, as barricadas se levantam e, então, passo a ouvir mais uma história de horror sobre a Igreja. Creio que a expectativa dessas pes­soas é que eu defenda a Igreja, pois ficam surpresas quando digo: "Ah! mas a coisa é muito pior. Deixe-me contar a minha história". Tenho passado a maior parte de minha vida recuperando-me daquilo que a Igreja me fez.

Uma das igrejas que freqüentei, nos meus primeiros anos de vida na Geórgia, na década de 1960, possuía uma visão extre­mamente fechada do mundo. Um desenho bem na frente da igreja orgulhosamente anunciava nossa identidade, expressa em palavras que irradiavam de uma estrela com várias pontas: "Novo Testa­mento, comprados pelo sangue, nascidos de novo, pré-milenaristas, dispensacionalistas, fundamentalistas..." Nosso pequeno grupo de 200 pessoas era extremamente preso à verdade, à verdade de Deus, e todo aquele que discordasse de nós estaria brincando perigosa­mente na divisa com o inferno. Uma vez que minha família vivia num trailer estacionado no terreno da igreja, nunca pude escapar da nuvem envolvente que bloqueava minha visão e determinava as fronteiras do meu mundo.

Mais tarde, pude perceber que a igreja mesclava algumas mentiras com a verdade. Exemplo: quando subia ao púlpito, o pastor pregava abertamente o racismo. Ele dizia que as raças escuras eram amaldiçoa­das por Deus, citando uma obscura passagem do Livro de Gênesis, segundo a qual os negros seriam muito bons como servos. "Vejam como os garçons de cor conseguem caminhar nos restaurantes, rodando seus quadris por entre as mesas com extrema habilidade enquanto carre­gam as bandejas", dizia ele. Porém, como líderes, nem pensar.

Armado com tais doutrinas, apresentei-me no primeiro emprego. Foi uma espécie de estágio durante o verão no Centro de Doenças Con­tagiosas, próximo à cidade de Atlanta. Nesse hospital, encontrei meu supervisor, o Dr. James Cherry, Ph.D. em Bioquímica. E negro. Alguma coisa não batia.

Depois de fazer o colegial, entrei para um seminário em um Estado vizinho. Mais progressista que minha igreja, a escola havia admitido um estudante negro que, para manter as coisas num nível adequado de segurança, dividia o quarto com um aluno de Porto Rico. Essa esco­la acreditava em regras, muitas regras: todas contidas num livro com nada menos do que 66 páginas delas, o qual precisávamos ler, estudar e cumprir. O corpo docente e a direção tinham dificuldades em ligar cada uma das regras a princípios bíblicos, o que envolvia certo grau de criatividade, uma vez que algumas das regras (como as que tratavam do comprimento do cabelo dos rapazes e da saia das moças) muda­vam a cada ano. Na parte final do curso, já noivo, eu só podia passar a hora do jantar - que ia das 17h40 às 19h - com a mulher que hoje é minha esposa. Certa vez, fomos flagrados de mãos dadas, o que fez com que ficássemos "sob restrição", proibidos de nos ver ou falar por duas semanas.

Em algum lugar do grande mundo lá fora, estudantes estavam pro­testando contra a Guerra do Vietnã, marchando por direitos humanos em uma ponte próxima à cidade de Selma, no Alabama, e reunindo-se para celebrar a paz e o amor em Woodstock, em Nova York. Enquanto isso, estávamos preocupados em nos aprofundar no supralapsarianismo - o que aconteceu antes do pecado original - e em medir cabelos e saias.

Pouco antes da virada do milênio, na primavera de 2000, passei por uma experiência de recapitulação de minha vida. No primeiro dia, participei de um painel numa conferência na Carolina do Sul sobre o lema "Fé e Física". Embora não tivesse conhecimento de física algum, fui escolhido, com um representante da Escola de Divindade de Harvard, porque escrevo muito sobre assuntos de fé. O painel pendia mais para o lado da ciência, pois incluía dois físicos ganhadores do Prêmio Nobel e o diretor do Fermilab, um laboratório de aceleração de partículas nucleares próximo a Chicago.

Um dos laureados com o Prêmio Nobel começou dizendo que não via utilidade para a religião, considerando-a, na verdade, prejudicial e supersticiosa. "Dez por centro dos americanos admitem que foram abduzidos por extraterrestres, metade da população é criacionista e metade lê horóscopo todos os dias", disse ele. "Por que deveríamos nos surpreender se a maioria dissesse que crê em Deus?" Criado como ju­deu ortodoxo, ele é hoje um ateu convicto.

Os outros cientistas usaram palavras mais amenas para se referir à religião, mas disseram que restringiram seu campo de observação àquilo que pode ser visto e comprovado, o que, por definição, exclui as ques­tões ligadas à fé. Quando chegou minha vez de falar, reconheci os erros que a Igreja cometera e agradeci aos colegas por não terem queimado a nós, cristãos, numa estaca, agora que o feitiço estava virando contra o feiticeiro. Também agradeci pela enorme sinceridade de sua posição não teísta. Li um trecho de um artigo de Chet Raymo, astrônomo e cientista que escreveu sobre as probabilidades de nosso universo ter nascido, como ele acreditava, do puro acaso:

Se logo após o big-bang a relação entre a densidade do universo e sua taxa de expansão tivesse se desviado do valor previsto apenas parcialmente em 1015 (que significa um número 1 seguido de 15 zeros), o universo teria encolhido ou se expandido tão rapidamente que não haveria possibilidade de as estrelas e as galáxias se condensarem em sua matéria básica... A moeda girou no ar 1015 vezes e caiu em pé uma única vez. Se todos os grãos de areia de todas as praias da tara fossem universos possíveis - ou seja, universos que fossem consistentes com as leis da física como as conhecemos - e apenas um desses grãos fosse uni universo que permitisse a existência de vida inteligente, então esse único grão de areia é o universo que habitamos.

Depois do painel, dois outros ganhadores do Prêmio Nobel, um em Física e outro em Química, juntaram-se à discussão, além de alguns outros cristãos esclarecidos. Um dos físicos pediu para ver a citação de Raymo, a quem ele conhecia pessoalmente. "Dez elevado à 15a potên­cia, dez a 15... calculamos que existam 1022 estrelas no universo - tudo bem, posso ficar com esta idéia. Aceito esta probabilidade", disse.

Caminhamos então para a crítica à religião. Sim, ela causou muitos danos, mas também consideramos os muitos benefícios que ela trouxe. O próprio método científico nasceu do judaísmo e do cristianismo, os quais apresentaram o mundo como um produto de um Criador racional e, portanto, compreensível e sujeito à verificação. O mesmo aconteceu nas áreas da educação, medicina, democracia, obras sociais e questões legais, como a abolição da escravatura. Os físicos ateus reconheceram abertamente que não tinham bases reais para sua ética, e que muitos de seus colegas serviram a regimes nazistas e comunistas sem qual­quer remorso. Tivemos momentos fascinantes de troca de idéias, uma experiência única de diálogo verdadeiro que resultou de diferentes pers­pectivas sobre o universo.

Um dia depois, eu e minha esposa acordamos cedo e viajamos 160 quilômetros para participar da 30a reunião da turma do seminário. Ali, ouvimos nossos colegas descreverem as três últimas décadas de suas vidas. Um deles disse que se libertou da artrite depois de dez anos, quan­do finalmente lidou com um pecado não confessado em sua vida. Outro exaltou as virtudes de dormir sobre ímãs. Vários estavam sofrendo da síndrome de fadiga crônica, outros passavam por profunda depressão. Um casal havia internado recentemente sua filha adolescente em uma clínica para doentes mentais. Essas pessoas não tinham uma aparência saudável, e senti tristeza e compaixão enquanto ouvia suas histórias.

Paradoxalmente, meus colegas de classe ressuscitavam frases que aprendêramos no seminário: "Deus está me dando a vitória"; "Posso todas as coisas em Cristo"; "Todas as coisas cooperam para o bem"; "Estou caminhando em triunfo". Saí dessa reunião com a cabeça ro­dando. Fiquei imaginando qual seria a reação dos cientistas se eles estivessem presentes ali. Imagino que teriam apontado a disparidade entre o que viam na vida das pessoas e o verniz espiritual que fora aplicado sobre elas.

Logo na manhã seguinte, um domingo, levantamos cedo mais uma vez e viajamos quase 300 quilômetros até Atlanta para participar do sepultamento da igreja fundamentalista na qual cresci, aquela com a estrela de várias pontas. Depois de mudar de prédio para se livrar de uma vizinhança em constante mutação, a igreja se viu mais uma vez cercada de vizinhos afro-americanos 1 e com uma freqüência cada vez menor de pessoas. Em uma doce ironia, a igreja estava vendendo seu prédio para uma congregação afro-americana. Fui espiar o derradeiro culto dessa igreja, anunciado como uma reunião aberta a todos aque­les que já haviam freqüentado seus cultos.

Reconheci muitas pessoas que fizeram parte de meu passado, uma perturbadora armadilha do tempo na qual vi meus colegas adolescentes agora barrigudos, carecas e na meia-idade. O pastor, que era o mesmo de 40 anos atrás, enfatizou o slogan da igreja: "Batalhando pela fé". Ele disse: "Combati o bom combate e completei a carreira". Ele parecia mais baixo do que eu pensava. Estava menos aprumado, e seu cabelo, antes bem ruivo, estava totalmente branco agora. Agradeceu diversas vezes à congregação pelo Oldsmobile que recebera como presente de gratidão: "Nada mal para um pobre pastor como eu", repetia.

Durante o culto, mais longo que o normal, uma procissão de pes­soas se levantou e falou como havia encontrado Deus por meio dessa igreja. Enquanto os ouvia, fiquei pensando nas muitas pessoas que não estavam presentes, como meu irmão, que se afastou de Deus em grande parte por causa dessa igreja. Hoje vejo seu espírito contencioso com pena, ao passo que, na adolescência, isso havia arrancado de mim a fé e a vida. Naquele momento, a igreja havia perdido todo o poder que tinha sobre mim: seu ferrão não tinha mais veneno. Mas eu ficava lembrando a mim mesmo que quase abandonei a fé cristã como reação àquela igreja e que sentia grande simpatia pelas que haviam deixado o cristianismo.

Aquele fim de semana me deu um breve resumo de minha vida. "A que pertenço eu agora?", pensei. Havia muito tempo eu rejeitara o espírito de culto da igreja que eu estava ajudando a sepultar. Mas eu também não poderia abraçar o ceticismo materialista desses cientistas presentes no painel. Muito embora eles pudessem apostar na veracidade daquele fantástico grão de areia que se opôs às forças do acaso, eu não poderia fazê-lo. Teologicamente, é muito mais provável que eu me sinta mais confortável com o seminário evangélico, pois temos em comum sede por Deus, reverência pela Bíblia e amor por Jesus. Todavia, não en­contro ali muito equilíbrio ou saúde. Às vezes, sinto-me como a pessoa mais liberal no meio dos conservadores e, em outros momentos, o mais conservador entre os liberais. Como posso equilibrar meu passado re­ligioso com meu presente espiritual?

Já me encontrei com pessoas e ouvi muitas outras que passaram por um processo similar de procura pela verdade a partir de seu passa­do religioso. São católicos romanos que hesitam diante de uma freira ou de um padre, antigos membros da Igreja Adventista do Sétimo Dia que não conseguem beber uma xícara de café sem uma ponta de culpa, menonitas que ficam preocupados se uma aliança de casamento pode ser um sinal de mundanismo. Hoje, alguns deles rejeitam total­mente a Igreja, considerando os cristãos como ameaças, ou mesmo repulsivos.

Um dos personagens do livro A Segunda Vinda, de Walker Percy, 2 captou este pensamento de maneira apropriada:

Estou cercado de cristãos. Eles normalmente estão falando de um alegre e confortável porvir, o que não é muito diferente de outras pessoas - muito embora eles, os cristãos do Sul, os Estados Unidos, o mundo ocidental tenham matado mais pessoas do que quaisquer outros povos juntos. Mas não posso afirmar que eles não tenham a verdade. Mas, se eles têm a verdade, por que são tão repulsivos, na mesma proporção em que abra­çam e propagam a verdade? Uma pessoa pode se tornar cristã mesmo que haja poucos ou nenhum cristão ao redor dela. Você já viveu no meio de 15 milhões de batistas do sul? (...) Um mistério: se as boas novas são ver­dadeiras, por que alguém não se agrada em ouvi-las?

Sua última pergunta é bastante forte. Se o evangelho é considerado uma eucatástrofe - palavra usada por J. R. R. Tolkien para uma coisa espetacularmente boa que acontece a alguém terrivelmente ruim -, por que tão poucas pessoas recebem essas notícias como sendo real­mente boas?

Hoje acredito que me tornei escritor para colocar no lugar certo algumas palavras usadas e abusadas pela igreja da minha juventude. Apesar de ouvir que "Deus é amor", a imagem que eu fazia de Deus, a partir dos sermões que ouvia, estava muito mais próxima de um tirano irado e vingativo. Cantávamos: "Cristo ama as criancinhas (...) quer loirinhas, quer hindus, esquimós ou índios nus". 3 Porém, a situação era outra quando uma dessas crianças diferentes de nós queria entrar na igreja. Os professores do seminário insistiam em dizer que "vivemos debaixo da graça, não mais debaixo da Lei", e por toda a minha vida nunca consegui entender com clareza a diferença entre as duas coisas. Desde então, tenho me lançado numa busca para desenterrar as boas novas, limpar as palavras originas do evangelho e descobrir o que a Bíblia realmente quis dizer quando usou termos como amor, graça e compaixão para descrever o próprio caráter de Deus. Encontrei verda­de nessas palavras, verdade que precisa ser buscada com diligência e habilidade, como os afrescos que estão ocultos por camadas de tinta e massa nas capelas antigas.

Senti-me motivado a escrever porque, para mim, isso foi como se frestas de luz se transformassem em uma janela aberta para outro mun­do. Lembro-me do impacto causado por um pequeno livro chamado To Kill a Mockingbird (Para matar um tordo 4), que tratava da questão dos pressupostos segregacionistas de meus amigos e vizinhos. Quando segui adiante e li livros como Black Like Me (Negro como eu 5), The Autobiography of Malcolm X (Autobiografia de Malcolm X 6) e Letterfrom Birmingham City Jail (Carta de uma prisão em Birmingham), de Martin Luther King Jr., meu mundo se despedaçou. Senti o poder que permite que uma mente hu­mana entre em outra sem qualquer empecilho, como se fosse um bisturi. Percebi que aqueles textos poderiam avançar nas fendas, trazendo oxi­gênio espiritual às pessoas presas em caixas herméticas.

Comecei a valorizar, em especial, a qualidade libertadora da pala­vra escrita. Os oradores das igrejas que freqüentei podiam levantar suas vozes e manipular as emoções como quem toca um instrumento musical. Mas sozinho, em meu quarto, controlando cada virada de página, encontrei-me com outros embaixadores da fé - C. S. Lewis, G. K. Chesterton, John Donne -, cujas doces vozes atravessaram o tempo para convencer-me de que, em algum lugar, viveram cristãos que co­nheceram a graça e a Lei, o amor e o julgamento, a paixão e a razão. Tornei-me escritor por causa do meu próprio encontro com o poder das palavras, porque percebi que palavras estragadas e distanciadas de seu sentido original poderiam ser recuperadas.

Desde então, tenho me apegado ferozmente à postura de um pe­regrino, pois é isso o que verdadeiramente sou. Não tenho autoridade religiosa alguma. Não sou nem pastor nem professor, senão apenas um peregrino, uma pessoa que, como tantas outras, vive em meio a uma busca espiritual. Inevitavelmente (e também por instinto), questiono e reavalio minha fé a todo instante. Quando voltei daquele fim de sema­na de virar a cabeça entre os físicos, os colegas de classe do seminário e os fundamentalistas do Sul, perguntei a mim mesmo outra vez: por que ainda sou cristão? Por que continuo buscando um evangelho que veio a mim no meio de tanta distorção e apatia, que normalmente mais parece notícia ruim do que boas novas?

Todo escritor tem um tema principal, um rastro que fica perse­guindo, uma coisa da qual vive buscando a origem. Se eu tivesse de definir meu próprio tema, ele seria a história de uma pessoa que absor­veu algumas das piores coisas que a Igreja tem para oferecer, mas que, ainda assim, descansou nos braços amorosos de Deus. Sim, passei por um período no qual rejeitei Deus e a Igreja, uma conversão ao contrá­rio que fez com que eu sentisse certa liberdade por algum tempo. Con­tudo, não tornei-me ateu ou um refugiado da Igreja, mas um de seus defensores. O que permitiu que eu resgatasse uma fé pessoal a partir dos danosos efeitos da religião?

As pessoas retratadas neste livro percorrem um longo caminho para responder a essa pergunta. Em 30 anos como jornalista, tive a liberdade de investigar todo tipo de pessoa. Já me encontrei com algumas que são verdadeiros personagens de um romance de Flannery O'Connor.7 En­trevistei o tele-evangelista Jim Bakker na época da explosão imobiliária de seus condomínios, do extravagante estúdio de televisão e do parque temático cristão, e o vi negar publicamente tudo aquilo que me dissera e que estava gravado em fita. Ouvi uma garota de Las Vegas contar como se encontrara com Deus enquanto estava na mesa de operação "para aumentar os seios", e que, sob anestesia, teve um sonho em que viu um caminhão basculante feito de carne humana - "Tudo era feito de carne, até os pára-lamas" -, jogando um carregamento de adolescentes ameri­canos num lago de fogo.

Em geral, porém, prefiro evitar essas pessoas, por mais interessantes que seus casos possam parecer. Elas lembram muito do meu passado, do qual ainda quero fugir. Em vez disso, optei, desde o início de minha carreira jornalística, por procurar pessoas das quais eu pudesse apren­der algo, pessoas que eu gostaria de imitar. Como cresci cercado, em grande parte, de modelos negativos, estava ansioso por algum que fosse positivo. Encontrei alguns.

Um rico empresário chamado Millard Fuller cresceu desiludido com a competição no meio empresarial e, desafiado pelo pastor radical Clarence Jordan, abandonou sua vida de luxo e fundou uma empresa de construção de casas populares - a Habitat for Humanity comemorou recentemente a marca de 100 mil casas construídas. Um presbiteriano dedicado chamado Jack McConnell inventou um teste para tuberculo­se, ajudou a desenvolver o remédio Tylenol e aparelhos de ressonância magnética e, quando se aposentou, passou a recrutar médicos aposenta­dos para formar equipes de clínicas gratuitas que atendiam a pessoas pobres.

Cicely Saunders entrou na faculdade de Medicina já na meia-idade porque as autoridades lhe disseram que, "nesta profissão, as pessoas somente dão ouvidos aos médicos". Ela nunca praticou Medicina, mas, em vez disso, deu início ao movimento moderno de tratamento de doen­tes terminais, introduzindo uma nova maneira de ajudar os que estão à beira da morte.

Durante o período em que dirigiu o Jardim Botânico de Nova York e o Jardim Botânico Real em Kew, Inglaterra, Sir Ghillean Prance fundou um instituto com o bizarro nome Botânica Econômica, cujo propósito é mostrar aos países com grandes extensões de florestas tropicais que eles podem lucrar muito mais colhendo e replantando seletivamente alguns produtos do que devastando a floresta inteira.

A partir de longas entrevistas com essas pessoas, fiquei grandemente impressionado com o papel que pessoas comuns podem desempenhar, quando estão cheias de fé, no avanço das causas da justiça e da miseri­córdia. "A glória de Deus é uma pessoa cheia de vida", disse Irineu, teó­logo do segundo século de nossa era. Infelizmente, esta descrição não reflete a imagem que muitas pessoas têm dos cristãos modernos. Certo ou errado, as pessoas os vêem como discretos, nervosos e reprimidos, pessoas que estão menos dispostas a comemorar e mais propensas a receber nossa reprovação. Como jornalista, porém, já me encontrei com pessoas que possuem uma vida realmente mais positiva, em todos os aspectos, em função de sua fé. Elas têm vida abundante e, como passei tempo suficiente com elas, desejei beber eu mesmo dessa fonte de vida e, então, proclamá-la a todo o mundo.

As pessoas que são retratadas neste livro são representantes selecio­nados daqueles de quem aprendi e por quem fui desafiado. Eles nos saúdam de países tão diferentes quanto Japão, Holanda, Rússia, Índia e Inglaterra, assim como dos próprios Estados Unidos. Nem todos são cristãos ortodoxos, e um deles, Mahatma Gandhi, optou por ser contrá­rio à fé cristã. Mas todos eles foram permanentemente transformados por seu contato com Jesus. Conversei pessoalmente com boa parte deles e os entrevistei, sendo que, em alguns casos, desenvolvi uma amizade eterna. Conheço a outra metade apenas indiretamente, por meio dos escritos que deixaram. É estranho, mas aqueles que estão mais distantes do cristianismo ortodoxo - Gandhi, Tolstoi, Dostoievski, Endo - foram os que mais me ajudaram a compreender minha própria fé, lançando luz sobre ela a partir de um ângulo que eu não havia considerado.

Os escritores são parasitas, sugando vida de outras pessoas, e sou grato por ter recebido algo dessas vidas extraordinárias. Alguns deles ajudaram a mudar a história do planeta. Outros responderam fiel­mente a um chamado interior para se colocar na arena pública. Há ainda os que simplesmente sentaram-se em suas casas, com um bloco de anotações à mão, refletindo, separando idéias, registrando suas vi­das e seus pensamentos para a posteridade. Hoje, faço a mesma coisa, apresentando esses meus mentores como se estivessem em uma galeria de retratos, na esperança de passar a outros o seu legado.

As 13 pessoas que você verá neste livro têm algo em comum: o im­pacto que causaram em mim. Por esta razão, a cada capítulo pergunto qual a diferença que elas fizeram em minha vida. De que maneira eu mudei em função do contato, direto ou indireto, que tive com elas? Com o passar do tempo, as pessoas que retrato aqui se tornaram os instru­mentos que moldaram minha fé; foram minha "nuvem de testemu­nhas" pessoal. Se eu fosse convidado a participar de uma convenção cheia de céticos ou representantes de outra religião, e me fosse pedido para explicar minha fé, elas seriam as companhias que eu gostaria de ter ao meu lado. Eu poderia simplesmente apontar para elas e dizer: "Os cristãos não são perfeitos, em todos os sentidos, mas eles podem ser pes­soas cheias de vida. É isso o que eles são". Cada um se destaca em seu campo e todos colocam a fé como uma das razões de serem como são.

Devo dizer que, para mim, escrever sobre esses atributos tem sido um exercício de saúde e até mesmo de alegria. Não estabeleci uma meta, como sair por aí para converter a todos, defender a Igreja ou criticá-la. Quero simplesmente apresentar a todos um grupo de pessoas excepcio­nais que não posso e não tenho desejo algum de tirar de minha mente.

Fred Rogers, o apresentador do show infantil Mister Rogers' Neighbor-hood (A vizinhança do senhor Rogers), segue uma tradição todas as vezes que fala em público: ele pede às pessoas presentes em sua audiência que parem por um instante, em silêncio, e pensem em todos aqueles que as ajudaram a se tornar o que são. Certa vez, numa importante reunião na Casa Branca, foram-lhe dados apenas oito minutos para falar sobre a criança e, ainda assim, ele dedicou um de seus minutos ao silêncio. "In­variavelmente, é disso que as pessoas vão se lembrar", diz ele. "Aquele silêncio."

Normalmente, nos chega à mente uma pessoa do passado: um avô, uma professora da escola primária, um tio ou uma tia excêntrica. Passei vários minutos pensando na pergunta de Roger. Este livro representa minha resposta. Essas são as pessoas que me ajudaram a reencontrar os tesouros perdidos de Deus.




1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   15


©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal