Alma sobrevivente



Baixar 1,15 Mb.
Página14/15
Encontro01.07.2018
Tamanho1,15 Mb.
1   ...   7   8   9   10   11   12   13   14   15

13. Henri Nouwen

O Ferido Que Cura Feridas


Em 1983, o padre e professor uni­versitário Henri Nou-wen viu pela primeira vez um quadro de Rembrandt chamado O retorno do filho pródigo na forma de um pôster pendurado atrás de uma porta. Talvez pelo fato de ele haver aca­bado de completar uma exaustiva turnê de palestras sobre a ques­tão da justiça na América Central e estava próximo de um colapso emocional, aquele quadro tocou-o de uma maneira que ele nunca havia sido tocado antes. Tudo que ele queria era tomar o lugar do fi­lho rebelde que se ajoelhava diante do pai, ser banhado pela luz dourada, sentir o doce peso das mãos do pai sobre seus ombros. Tudo que ele queria era ir para casa, independentemente do que isto significasse.

Por ter nascido na Holanda, Nouwen tinha uma atração pela pintura de seus compatriotas, es­pecialmente Rembrandt e Van Gogh. Três anos depois, quando foi convidado a visitar a Rússia, ele prontamente aceitou, em par­te porque isto lhe dava a oportu­nidade de ver algumas pinturas originais de Rembrandt. Em umasemana, ele foi duas vezes ao Museu Hermitage, em São Petersburgo, e ficou sentado várias horas diante da obra-prima que Rembrandt pintara em enormes proporções, maiores que as reais. Sentindo-se um anão diante da pintura, Nouwen viu as mudanças que a luz do Sol provocava com o passar das horas, bebendo cada detalhe dos personagens em seu cenário frugal.

Mais tarde, depois de renunciar ao magistério e fazer uma mu­dança radical em sua vida, Nouwen escreveu o pequeno livro A volta do filho pródigo: A história de um retorno para casa 80 . Ao mudar-se para uma comunidade de pessoas com deficiências físicas e mentais em Toronto, no Canadá, ele esperava ter finalmente encontrado seu lar. O quadro continuava a cativá-lo, e Nouwen começou a ver sua própria história nos termos da parábola de Jesus sobre o filho pródigo. Dez anos depois de se mudar, sua vida terminou num tipo de unidade poética, pois trabalhava num especial de televisão sobre o quadro, no ano de 1996, preparando-se para visitar o Hermitage com uma equipe de filmagem holandesa, quando sofreu o ataque cardíaco que tirou sua vida.

Ao refletir sobre a parábola durante toda a sua vida, Nouwen viu-se mais naturalmente identificado com o obediente e responsável filho mais velho. Afinal, desde os cinco anos ele já havia decidido que seria padre e brincava disto, fazendo um altar de brinquedo, um pequeno tabernáculo e criando algumas vestes. Formado em Teologia e Psicolo­gia na Holanda e, posteriormente, tendo sido ordenado padre, Nouwen passou os primeiros anos de sua carreira realizando ambições. Estu­dou na Clínica Menninger, lecionou em Notre Dame e Yale e viajou muito como conferencista. Abertamente ecumênico, falava para esquer­distas católicos da teologia da libertação e acenava para evangélicos carismáticos no mesmo dia (Robert Schuller, o popular pastor da televi­são, entregou a ele o púlpito da Catedral de Cristal por três programas consecutivos). Ele ignorava as recomendações de Roma para que ape­nas os católicos participassem na eucaristia, e a celebrava diariamente com amigos, alunos ou estranhos, onde quer que estivesse.

Depois de lecionar para alunos da elite e de escrever 16 livros, Nouwen já tinha um currículo montado e poderia morrer tranqüilo. Mas este era exatamente o problema. A agenda sempre cheia e a in­cansável competição estavam sufocando sua própria vida espiritual.

Tirou algumas férias de seis meses, retirando-se para uma abadia no interior do Estado de Nova York, afastando-se depois em direção à América do Sul, analisando uma possível posição para si mesmo como missionário em algum país em desenvolvimento. No Peru, viveu numa favela na região norte de Lima, uma paróquia de 100 mil pessoas. A família com a qual morava tinha poucas posses, mas Nouwen sentia seu amor por intermédio das crianças que subiam nele, rindo, pulando e brincando com o estranho padre que falava sua língua como uma crian­ça. Aquelas crianças literalmente "abraçaram a vida por ele", diria mais tarde. Ele descobriu um paradoxo: os pobres e oprimidos tinham um senso mais profundo do amor de Deus que os ocidentais, que tinham uma vida materialmente privilegiada.

"Quão pouco nós realmente sabemos sobre o poder do toque físi­co", escreveu Nouwen durante sua permanência no Peru. Ele visitara recentemente um orfanato em que as crianças, carentes de afeição, brigavam pelo privilégio de tocar nele. "Aqueles meninos e meninas queriam apenas uma coisa: serem tocados, abraçados, afagados e acari­ciados. É bem possível que a maioria dos adultos tenha as mesmas necessidades, mas tenham perdido a inocência e a consciência desinte­ressada de expressá-la. Há momentos em que vejo a humanidade como um mar de pessoas famintas por afeição, ternura, carinho, amor, aceita­ção, perdão e bondade. Parece que todo o mundo está dizendo: 'Por favor, ame-me'."

Vivendo nas casas dos pobres, Nouwen aprendeu que ministramos aos necessitados não apenas para levar Jesus até eles, mas também para encontrar Jesus dentro deles. Jesus disse: "bem-aventurados são os po­bres", e não "bem-aventurados são os que cuidam dos pobres". Ao viver entre eles, Nouwen recebeu essa bênção e começou a se recuperar do dano causado pelo estresse. Mesmo assim, o tempo que passou na Amé­rica do Sul convenceu-o de que seu chamado não estava ali. Depois de seis meses, aceitou novo cargo na Universidade de Harvard.

Enquanto vivia no Peru, Nouwen recebeu notícias de que sua cunha­da dera à luz uma menina com Síndrome de Down. Ele escreveu as seguintes palavras a sua família, sem saber que, em alguns anos, elas teriam um caráter profético:

Laura será muito importante para todos nós da família. Nunca tivemos uma pessoa fraca na família. Todos nós somos pessoas trabalhadoras, ambi­ciosas e bem-sucedidas, que raramente têm experimentado a fraqueza. Agora Laura chega e nos mostra uma dependência completamente nova. Laura, que sempre será uma criança, vai nos ensinar o caminho de Cristo como ninguém será capaz de fazê-lo.

(Extraído de Gracias!)

As pressões da fama, sua agenda de aulas em Harvard e questões pes­soais que se tornaram cada vez mais pesadas combinaram-se para le­var Nouwen ao ponto de um colapso total num espaço de três anos. Finalmente, ele caiu nos braços da Comunidade L'Arche (A Arca), que trabalhava com pessoas com deficiências sérias. Ele recebeu a visita do diretor de uma das casas L'Arche, Jan Risse, numa missão do fun­dador do grupo. Jan visitou Nouwen por alguns dias, fez refeições para ele e o ajudou de modo bastante prático. Nouwen ficou esperando o inevitável convite para dar uma palestra, escrever um artigo, oferecer abrigo. Nenhum desses pedidos foi feito. A L'Arche estava oferecendo graça pura e simples, sem qualquer restrição.

A visita de Jan causou uma impressão tal em Nouwen que ele pediu permissão a seu bispo para se juntar à Comunidade LArche na França. Pela primeira vez em sua vida, ele sentia que Deus o estava chamando para fazer alguma coisa. Ele queria aprender "o que o seminário e a Teologia não haviam ensinado: como amar a Deus e descobrir a presen­ça de Deus em meu próprio coração". O apoio que ele recebeu da comu­nidade na França foi o que o levou a se tornar o padre local de Daybreak, uma casa afiliada em Toronto.

Externamente, a mudança de Nouwen de um cargo numa uni­versidade para uma casa de saúde para doentes mentais parecia algo nobre, o derradeiro ato de um virtuoso irmão mais velho. Como Nouwen deixou claro em seus textos, porém, ele tomou essa decisão em função do fracasso, da escuridão espiritual e de feridas profun­das. Ele foi para lá não para dar, mas para receber; não por causa de excesso, mas por falta. Foi para conseguir sobreviver. Sempre coloca­do na posição do responsável irmão mais velho, ele havia se tornado presa das mesmas tentações que afligiram seu protótipo na parábola de Jesus. "A perdição do ressentido 'santo' é tão difícil de se alcançar justamente porque está por demais ligada ao desejo de ser bom e virtuo­so", concluiu ele.



Eu sei, a partir de minha própria vida, quão diligentemente tentei ser bom, aceitável, merecedor de estima e um exemplo digno para os outros. Sempre havia o esforço consciente de evitar as armadilhas do pecado e o constante temor de ceder à tentação. Mas com isso veio uma seriedade, uma intensida­de moralista - e até mesmo um toque de fanatismo - que dificultou muito me sentir à vontade na casa do Pai. Fiquei menos livre, menos espontâneo, menos alegre (...)

Quanto mais refletia sobre o filho mais velho dentro de mim, mais percebia quão profundamente enraizada esta forma de perdição estava e quão difícil era voltar para casa a partir daquele ponto. Retornar depois de uma escapada luxuriosa parece muito mais fácil do que voltar para casa depois de uma amargura que se enraizou nos profundos meandros do meu ser.

(Extraído de The Return of Prodigal Son)

No quadro de Rembrandt, o irmão mais velho está longe do pai, friamente observando o abraço de seu irmão irresponsável. Olhan­do para aquela imagem, Nouwen ficou pensando se Rembrandt não deveria ter chamado o quadro O retorno dos filhos perdidos, pois o filho mais velho estava, em muitos aspectos, mais perdido do que o pródigo, incapaz de superar seu próprio orgulho e seu ressentimento e participar da festa pela volta de seu irmão.

"Amo Jesus, mas...", escreveu Nouwen em seu diário, em relação à decisão de se mudar para Daybreak. "Amo Jesus, mas quero apegar-me à minha própria independência, mesmo quando esta independência não traz verdadeira liberdade. Amo Jesus, mas não quero perder o respeito de meus colegas de profissão, muito embora seu respeito não me faça crescer espiritualmente. Amo Jesus, mas não quero abdicar de meus planos de escrever, viajar e fazer palestras, mesmo que esses pla­nos muitas vezes sejam mais para minha glória do que para a glória de Deus."

No fim, Nouwen afrouxa as correntes da independência, do respei­to e da ocupação e muda-se de uma instituição de prestígio para outra sobre a qual poucas pessoas haviam ouvido falar, para trabalhar nãocom os líderes da nação, mas com os rejeitados pela sociedade. Ele fez isto, em parte, por causa de um detalhe facilmente ignorado na história de Jesus: o pai abre os braços para os dois filhos. Ele não apenas dá boas-vindas ao filho desobediente, mas também sai de casa para se en­contrar com o filho responsável que ouviu o som da música e da dança. Os mesmos braços que abraçaram o pródigo esperavam para abraçar e receber seu irmão ressentido. Nouwen ansiava por esse abraço.

Meu primeiro contato com Henri Nouwen se deu em sua fase de irmão mais velho. Topei com seu pequeno clássico The Wounded Healer no início de minha carreira, quando fazia pesquisas sobre o so­frimento, e achei suas idéias notáveis. Li muitos outros livros durante os anos que antecederam meu encontro com ele. Nouwen tem sido acusado de não ter deixado de publicar nenhum de seus pensamentos e, de fato, algumas de suas idéias foram publicadas mais de uma vez em diferentes formatos, como livretos disfarçados de livros comuns. Contudo, ele foi para mim um sábio irmão mais velho, um pioneiro que sabiamente explorou linhas de pensamento que eu mesmo estava ansioso por seguir.

"De alguma maneira, eu achava que escrever era uma forma de deixar que alguma coisa de valor duradouro emergisse de minha vida curta e passageira", escreveu certa vez, um sentimento que expressa o que todo escritor sente. Escrever foi um ato de descoberta tanto para ele quanto para seus leitores:



A maioria dos estudantes pensa que escrever é colocar idéias, insights e visões no papel. Acham que, primeiramente, precisam ter alguma coisa a dizer antes que possam efetivamente escrevê-la. Para eles, escrever é um pouco mais do que registrar um pensamento preexistente. Porém, com esta abordagem, o verdadeiro ato de escrever torna-se impossível. Escrever é um processo no qual descobrimos aquilo que vive dentro de nós. O próprio escrever revela o que está vivo (...) A mais profunda satisfação ao escrever é exatamente que este ato abre novos espaços dentro de nós dos quais não tínhamos consciência antes de começar a escrever. Escrever é embarcar numa jornada cujo destino final não sabemos.

(Extraído de Reflections on Theological Education)

Conheço bem o curso interior da jornada de se escrever. A maioria dos escritores é introspectiva, introvertida e está bem longe do tipo de pessoa que você convidaria para uma noite animada. Prefere se relacio­nar com um processador de textos a ter relação com uma pessoa de verdade. Nouwen não era assim. Enquanto preparava um livro ou mais por ano, ele também mantinha uma rotina frenética como orador in­ternacional, professor e padre, convidando alegremente outros a par­ticiparem de sua jornada.

Certa vez, quando jantava com um grupo de escritores, a conver­sa se encaminhou para as cartas que recebíamos de leitores. Richard Foster e Eugene Peterson citaram um jovem ativo que buscara dire­ção espiritual nos dois autores. Responderam educadamente, tanto escrevendo uma carta quanto recomendando livros sobre a espiri­tualidade. Foster descobriu que o mesmo leitor havia entrado em contato com Henri Nouwen. "Você não vai acreditar no que Nouwen fez", disse ele. "Convidou este estranho para viver em sua comunidade por um mês de modo que pudesse ter orientação espiritual direta­mente dele."

Você precisaria ser um escritor para apreciar totalmente a ação de Nouwen. Nós, escritores, temos muito ciúme de nossa agenda e nossa privacidade, e as protegemos. Alguns anos atrás, mudei do centro de Chicago para uma área rural no Colorado especificamente para criar um distanciamento entre mim e o mundo louco lá fora. Sim, aceita­mos compromissos para apresentar palestras, responder cartas e até mesmo retornar ligações telefônicas de leitores curiosos, mas sempre cultivamos um domínio particular no qual ninguém entra. Henri Nouwen quebrou essas barreiras do profissionalismo. Ele mantinha um esquema ativo de correspondência com cerca de 500 pessoas e encorajava muitos deles a lhe fazerem uma visita pessoalmente.

Conheço muitas pessoas que vêem Nouwen como seu guia espiri­tual a distância. Ele respondia às suas dúvidas com cartas extensas, nunca dando a impressão de que as pessoas estavam interrompendo sua vida ou impedindo que ele fizesse coisas mais importantes. Bob Buford, uma dessas pessoas, relembra: "Ele se aproximou de mim, as­sim como de todas as outras pessoas, como se eu fosse a pessoa mais interessante com quem conversara". Ele tinha o dom de dar total aten­ção, tudo de si, a qualquer pessoa que estivesse com ele.Atualmente, quando vejo pessoas recordando Nouwen, sou consu­mido pela culpa. Quando alguém liga e fala demais, ligo meu computa­dor, cubro o fone para que a pessoa não ouça o ruído do botão do mouse, e começo a ver os compromissos que tenho no Microsoft Outlook. Mi­nha esposa conta-me uma história durante o jantar e eu pergunto um detalhe que, como gentilmente me diz, ela falou dois minutos atrás. Como acho difícil sair da vida interior, onde a vida da maioria dos escri­tores acontece, para o mundo das outras pessoas. Em contraste a isso, Nouwen vagueava ao lado das pessoas. Seus textos podem ter sofrido as conseqüências disto, mas muitas pessoas se beneficiaram.

Nouwen definiu, certa vez, a tarefa de um guia espiritual: "Você está numa grande sala com uma plataforma de 15 centímetros de largu­ra no centro. Ela está a apenas 30 centímetros do chão acarpetado da sala. Muitos de nós agimos como se estivéssemos vendados, tentando andar sobre esta plataforma, e temos medo de cair dela. Mas não perce­bemos que estamos a poucos centímetros do chão. O guia espiritual é alguém que pode tirá-lo desta plataforma e dizer: 'Viu? Tudo bem. Deus ainda ama você'".

Nouwen fez isto para mim em muitos aspectos. Comecei a assumir riscos em minha produção literária porque ele me mostrou esse caminho, falando abertamente de suas neuroses e fracassos ao mundo inteiro. Co­mecei a ver as pessoas não como uma interrupção de meu trabalho, mas como a razão dele. Passei a ver a mim mesmo, com Nouwen, como o irmão mais velho esperando do lado de fora da festa, ressentido pelos convidados que não lhe prestaram honras. Com esse incentivo, também vi as mãos do pai se estendendo em minha direção.

Já no fim da vida, Nouwen escreveu sobre a dificuldade que tinha para retornar à sua família na Holanda. Eles eram católicos devotos na época de sua adolescência, e ficaram felizes com sua decisão de ser pa­dre. Agora, porém, a maioria dos membros da família havia perdido o interesse nas coisas espirituais. Se ele batizava algum sobrinho durante suas visitas, os adultos diziam com condescendência: "Para você, isto é bom, mas é claro que não acreditamos nisto". Ele se sentia como um artista que não agradava sua platéia.

Ao ler tais relatos, entendi por que Nouwen fez tão poucas críticas contra uma Igreja que o irritava com suas políticas. Para ele, a Igreja, mesmo com todas as suas falhas, representava um porto de esperança e conforto. Ele via os resultados da falta de fé em sua família, mate­rialmente próspera, mas espiritualmente vazia, e nos alunos das uni­versidades de elite, angustiando-se com a falta de resposta a seus questionamentos sobre o sentido da vida. Nouwen nunca se tornou um propagandista da Igreja, mas certamente apontou o caminho na direção de uma comunhão com Deus. A fé era por demais importante para ele, o porto seguro de seu mundo atribulado.

Somente após sua morte, as pessoas conheceram a história com­pleta do burburinho que era sua vida. Seus textos possuem muitos indícios, e isto pode explicar sua extraordinária recepção tanto entre católicos quanto no meio dos protestantes, sem mencionar os incré­dulos. Ele dava a impressão de abrir seu coração, não retendo nada. Conseguiu nutrir a fé das pessoas enquanto lidava com seus próprios problemas - na verdade, justamente porque ele escreveu tão aberta­mente sobre suas dificuldades.

Citando Gordon Allport,81 Nouwen certa vez descreveu a "fé heurística", ou a fé que considera um fato válido até que possa ser confirmado. Nouwen apresentou-me um exemplo de fé heurística. Ele se apegava àquilo que acreditava, mesmo quando todas as circuns­tâncias de sua vida eram desfavoráveis. Ele confiava no caráter de Deus, mesmo quando sua vida ficava cada vez mais escura e a mão de Deus parecia invisível. Ele continuava agindo como o responsável ir­mão mais velho, mesmo quando, olhando para dentro de si, via-se como um pródigo.

Assim, estou orando, mesmo sem saber como orar. Descanso, mesmo quando me sinto impaciente; tenho paz quando estou sendo tentado; sinto-me seguro em meio à ansiedade; cercado de uma nuvem de luz, mesmo quando estou no meio das trevas; em amor, enquanto ainda tenho dúvidas.

(Extraído de The Road to Daybreak — Estrada para a paz 82)

Um ex-membro da comunidade Daybreak disse: "Quando penso em Henri, penso em dois livros: um é o livro que Henri escreveu 40 vezes, mas que não podia viver. O outro é o livro que Henri viveu por quase 65 anos, mas que não podia escrever. O segundo espera ser escri­to, agora que o significado da vida de Henri e a sabedoria são revelados,depois de sua morte". O próprio Nouwen lamentou: "As pessoas que lêem sua idéia tendem a pensar que seus textos refletem sua vida".

Michael Ford, o biógrafo de Nouwen, entrevistou mais de uma cen­tena de pessoas que conheciam bem o padre. Muitas delas voltaram ao tema da dissonância em sua vida, especialmente entre o que ele dizia nos livros e falava nas palestras e como ele agia em pessoa. Ele era capaz de abordar temas inspirativos sobre a vida espiritual e, então, cair em profundo pavor. Falava da força que obtivera ao viver na comunidade para, então, às duas horas da manhã, visitar um amigo e, soluçando, pedir ajuda. Suas contas telefônicas normalmente eram mais altas do que o valor do aluguel, pois ele ligava para o mundo inteiro, desconsi­derando fusos horários, na desesperada busca por companhia. Se um amigo deixava de cumprimentá-lo, demorava muito a responder a uma carta ou não o convidava para tomar um café depois de uma palestra, ele ficava amuado por vários dias, quase imobilizado pela rejeição. Em resumo, ele se sentia chamado a apresentar uma mensagem de paz inte­rior e aceitação que ele mesmo nunca sentiu.

Ford conclui que Nouwen era "um homem inteligente, cheio de gene­rosidade, graça e visão pastoral, mas também uma pessoa profundamente insegura, cheia de angústia, dor e ansiedade". Sua biografia revela um segredo que ele ocultou de todos, exceto algumas poucas pessoas, durante toda sua vida: o padre era celibatário homossexual. Como resultado, ele ansiava por relacionamentos íntimos, mas se afastava deles em função do medo de aonde eles poderiam levá-lo. Ford diz: "Percebi quanto o desejo homossexual há muito reprimido na vida de Nouwen significava para suas lutas, e como provavelmente fora o estímulo para seus pode­rosos textos sobre solidão, intimidade, marginalidade, amor e posse".

Conheci várias pessoas no ministério que lutam com questões rela­tivas à identidade sexual, sabendo que são gays e sentindo-se presas numa armadilha, sem nenhuma maneira aceitável de admitir a situação, e muito menos expressá-la. Não conheço um caminho mais difícil para ser tri­lhado por uma pessoa de integridade. Agora, releio os textos de Nouwen e vejo a profunda e oculta agonia que reside naquilo que ele escreveu sobre rejeição, sobre a ferida da solidão que nunca se cura, sobre amiza­des que nunca satisfazem.

Nouwen buscou ajuda num centro que trabalhava com mulheres e homens homossexuais, e ouviu seus amigos gays apresentarem várias opções. Ele poderia continuar como um padre celibatário e "sair do ar­mário" como um gay, o que, pelo menos, liberaria o segredo que ele man­tinha com tamanha angústia. Poderia se declarar, deixar o sacerdócio e buscar um companheiro. Ou poderia continuar publicamente como um padre e procurar, secretamente, desenvolver um relacionamento homos­sexual. Nouwen pesou cuidadosamente cada opção e rejeitou todas. Qualquer confissão pública de sua identidade atingiria seu ministério, temia ele. As duas últimas opções pareciam impossíveis para alguém que havia feito um voto de celibato e que tinha procurado orientação sobre imoralidade sexual na Bíblia e em Roma. Ele optou, assim, por continuar vivendo com sua ferida. Optou por esta saída muitas e mui­tas vezes.

O padre ou o pastor é constantemente tentado a ver-se como aquele que dá as respostas, a autoridade espiritual, o despenseiro da graça, não seu receptor. Para lutar contra essa tentação, a tentação do irmão mais velho, Nouwen concentrou seus textos nos fracassos e nas imper­feições. Ele normalmente expressava a ferida em termos de solidão, desassossego e rejeição, em vez de tratá-la como sexualidade. Arris­cando-se a gerar comentários, ele escreveu sobre laços emocionais com amigos que somente seus votos sacerdotais o impediram de consumar. Falou da alienação que sentiu quando deixou sua família e seu país, mudando-se para os Estados Unidos, depois para a América do Sul, e então para o Canadá. Considerado um desajustado dentro de sua pró­pria família na Holanda, buscou constantemente um verdadeiro lar.

Certa vez, ele descreveu a ferida da solidão como algo que lembrava o Grand Canyon: uma profunda incisão na superfície da existência que se transforma numa inextinguível fonte de beleza e autocompreensão. Esse insight tipifica a abordagem de Nouwen com relação ao ministério. Ele não promete uma saída para a solidão, tanto para si quanto para os outros. Em vez disto, ele apresentava a promessa de redenção através da solidão. Para os leitores e ouvintes, talvez a ferida tenha se tornado uma fonte de beleza e compreensão. Para o próprio Nouwen, ela rara­mente representava alguma coisa que não fosse dor.

Apesar de jamais resolver seu desassossego, ele aprendeu a controlá-lo do mesmo modo que algumas pessoas aprendem a lidar com uma dor crônica. "Você não foge dela, mas passa por ela, se levanta e a encara bem nos olhos." Se assim fizer, você poderá encontrar, no meio da dor,algum dom oculto, uma fonte de esperança. Nouwen confessou que, em sua própria vida, os verdadeiros dons eram concedidos nas áreas de maior sofrimento. A dor o forçou a se aproximar de Deus, em quem ele descobriu e redescobriu uma fonte de força "de alguém que me ampara, que me ama desde antes de eu ter nascido e que me amará muito depois de eu ter morrido".

A obra The Road to Daybreak comenta a decisão de Nouwen de mudar para Daybreak em busca de um verdadeiro lar. Um crítico (Harold Fickett) escreveu que ficou desapontado ao ver que os mes­mos problemas descritos uma década antes, em The Genesee Diary (O diário de Genesee) - amizades deficientes, amores não correspondidos, mágoas e desprezo -, continuavam a assolar a vida de Nouwen. Fickett prosseguiu: "É desanimador, do mesmo modo que é decepcionante, sermos nós mesmos - a mesma pessoa, com os mesmos problemas, que aprende e precisa aprender novamente, e mais uma vez, as lições bá­sicas da fé religiosa. Nouwen não poupa a si mesmo nem a nós do em­baraço dessa verdade perene".

Fickett colocou o dedo numa característica marcante de Nouwen: ele realmente não poupa nem a si nem aos leitores o embaraço da verda­de, independentemente da aparência que a verdade lhe dá. Muito de nosso sofrimento, dizia Nouwen, vem de nossas lembranças, enterradas profundamente dentro de nós, as quais liberam um tipo de toxina que ataca o centro de nosso ser. Mostramos as boas lembranças através de troféus, diplomas e álbuns de recortes. As outras, as lembranças ruins, permanecem ocultas de nossa visão, de onde escapam da cura e causam dano permanente.

Nossa reação instintiva a essas lembranças lesivas é agir como se aquilo não tivesse acontecido, não falar sobre elas e, em vez disto, pen­sar em coisas mais alegres. Porém, por meio da iniciativa de não nos lembrarmos, permitimos que as lembranças suprimidas ganhem força e prejudiquem nosso funcionamento como seres humanos. Nouwen teve a coragem de lançar luz sobre alguns desses lugares profundos, de expor as lembranças lesivas dentro de si mesmo. "Aquele que efetivamente cura feridas é o ferido", disse ele, numa frase memorável.

Minha única conversa longa com Nouwen ocorreu logo depois de ele ter voltado de São Francisco, onde havia trabalhado por uma sema­na numa clínica para doentes de Aids. Naquela época, eu não sabia nada sobre as questões sexuais de Nouwen. Ele me contou o que vira no distrito de Castro. A palavra gay 83 parecia totalmente fora de lugar na­quele local, bem no apogeu da crise da Aids. Rapazes morriam todos os dias, e milhares andavam apavorados, sem saber se eram portadores do vírus. Mesmo nas lojas em que eram vendidas camisetas espalhafatosas e objetos que beiravam o obsceno, o medo pairava como um denso ne­voeiro sobre as ruas. Não apenas o medo, disse ele, mas também o senti­mento de culpa, o ódio e a rejeição.

Na clínica, Nouwen ouvia histórias pessoais. "Sou um padre, este é meu trabalho. Ouço as histórias das pessoas. Elas se confessam a mim." Ele me contou de jovens banidos de suas próprias famílias, forçados a se prostituir nas ruas. Alguns deles tinham centenas de parceiros com quem haviam se encontrado em casas de banho, cujos nomes nunca soube­ram, sendo que, de um desses parceiros, eles haviam contraído o vírus que agora os estava matando.

Nouwen olhou para mim com seus olhos penetrantes, brilhando de compaixão e dor. "Philip, aqueles rapazes estavam morrendo - literal­mente - por causa de sua sede de amor." Ele prosseguiu, contando-me histórias individuais que ouvira ali. Todos os relatos tinham em comum a busca por um lugar seguro, por um relacionamento estável, por um lar, por aceitação, por amor incondicional, por perdão - a própria busca de Nouwen, percebo hoje.

Os comentários de Nouwen sobre sede me tocaram fundo e, com o passar do tempo, realizaram uma transformação em meu espírito. Como escritor associado da revista evangélica Christianity Today, tinha contato regular com pessoas que lideravam a direita religiosa. Com um grupo de 12 evangélicos, fui convidado a ir à Casa Branca para responder a uma pergunta do presidente Bill Clinton: "Por que os cristãos me odeiam?" Alguns de meus colegas se viram como cruzados numa imensa guerra cultural. Eles descreviam vividamente essa ameaça como tendo sido fei­ta por pessoas "imorais e ímpias".

Através dos olhos de Nouwen, passei a olhar essas pessoas com outros olhos. Não como imorais e ímpias, mas como sedentas, como pessoas que morriam por amor. Como a mulher samaritana no poço, elas haviam bebido uma água que não as satisfazia. Precisavam da Água Viva. Depois de conversar com Nouwen, todas as vezes que encontrava alguém cujo comportamento me ofendia ou revoltava,eu orava, dizendo: "Deus, ajude-me a ver esta pessoa não como alguém repulsivo, mas como uma pessoa sedenta".

Quanto mais orava assim, mais me via do mesmo lado da pessoa que me causava repulsa. Eu também não tinha nada a oferecer a Deus, senão minha sede. Como o irmão mais velho da parábola, nunca pode­rei experimentar a graça de Deus limpando minha vida ou participar da festa da família, se ficar do lado de fora da sala do banquete, de braços cruzados, numa postura de superioridade moral. A graça de Deus vem como um presente gratuito, mas somente aquele que estiver com os bra­ços abertos poderá recebê-la.

No fim de tudo, a contribuição de Henri Nouwen como sacerdote e escritor ficou em minha mente. Ele não oferece nada novo sobre a per­sonalidade humana, nenhuma sabedoria que não pudesse ser superada por qualquer outra autoridade. Ao contrário, ele oferece a postura hu­milde do filho pródigo.

A própria ferida profunda expôs a hipocrisia da posição natural de filho mais velho. Solidão, tentação, rejeição, alienação - tudo isso coope­rou para produzir nele uma sede inegável. Ele precisa acertar-se consigo, como o pródigo na busca incansável pelo lar.



A fé é a confiança radical de que a casa sempre esteve naquele lugar e sempre estará. As mãos estendidas do pai descansam sobre os ombros do pródigo com a duradoura bênção divina: "Tu és o meu Amado, meu favor é por ti". Mas muitas e muitas vezes eu deixei meu lar. Fugi das mãos abençoadoras e corri para lugares distantes em busca de amor! Esta é a grande tragédia de minha vida e das vidas de tantas pessoas que encontro em minha jornada. De algum modo, tornei-me surdo à voz que me chama "amado", deixei o único lugar em que poderia ouvir esta voz e corri desespe-radamente, esperando encontrar, em algum outro lugar, aquilo que não mais podia ver em minha casa.

(Extraído de The Return of the Prodigal Son)

Desde criança, sinto uma forte e, sem dúvida, injusta resistência aos evangelistas itinerantes, pregadores e autores devocionais que carregam dentro de si um tom de superioridade moral. Em muitos mo­mentos, eles me conduziram por caminhos errados; em muitas ocasiões, caíram do pedestal no qual eu os havia colocado. Ouço, porém, alguém que se apresenta como um pecador falando a outro. Dou ouvidos àque­le que começa com uma confissão de sede, de saudade de casa.

Em Making All Things New (Renovando todas as coisas 84, Henri Nouwen escreveu aquilo que pode ser colocado como o epitáfio de sua jornada:

Pobreza, dor, luta, angústia, agonia e até mesmo escuridão interior podem continuar a fazer parte de nossa experiência. Tudo isso pode até mesmo ser a maneira de Deus nos purificar. Mas a vida deixa de ser maçante, rancorosa, depressiva ou solitária porque passamos a entender que tudo que acontece faz parte do caminho que trilhamos rumo à casa do Pai.

Em incontáveis aparições pessoais, em mais de 40 livros e, acima de tudo, em sua vida pessoal, Nouwen demonstrou que defeitos e fideli­dade não suplantam um ao outro, mas coexistem. Todos nós temos feridas. A de Nouwen vinha da ansiedade sobre sua identidade sexual e a hipersensibilidade à rejeição. A minha vem, basicamente, da famí­lia e da Igreja. As de outros podem vir de doenças crônicas e de dores profundas. Podemos viver como vítimas, culpando a Deus ou alguém mais por nosso infortúnio. Ou, então, seguindo Nouwen, podemos dei­xar que essas feridas nos levem a Deus. Depois de passar seis meses entre os monges trapistas na abadia em Nova York, Nouwen pergun­tou a si mesmo se os momentos intensos com Deus haviam resolvido seu problema, se ele fora transformado numa pessoa diferente, mais espiritual. Ele precisava responder que não. Percebeu que um mos­teiro não foi construído para resolver problemas, mas para que Deus seja louvado ali.

Certa vez, enquanto servia como capelão na Comunidade L'Arche, na França, Nouwen ouvia o dia inteiro pessoas confessando suas vidas secretas no sacramento da reconciliação. Conforme ouvia suas histó­rias de culpa e vergonha, sentia-se sobrepujado por seu senso de isola­mento. Ele queria reunir todos aqueles que haviam se confessado e pedir que compartilhassem suas histórias uns com os outros, de modo que pudessem descobrir quanto tinham em comum. Cada um achava que era o único a lidar com uma dor ou dúvida em particular. Na realidade, eles estavam confessando uma humanidade compartilhada por todos. O padre Nouwen, sem ninguém com quem compartilhar seus segre­dos interiores, correu o risco de revelá-los - ou, pelo menos, a maioria deles - para o resto de nós. Ele sabia que, por escondermos nossa dor, também estamos escondendo nossa capacidade de curar. "Ninguém pode satisfazer todas as suas necessidades", lembrava ele a si mesmo, num diário mantido durante os anos de maior tensão na área sexual. "Você precisa gradualmente sair do choro exterior, clamando por alguém que você acha que pode satisfazer suas necessidades, para o choro interior, no lugar em que você pode se deixar ser seguro e amparado por Deus, que se encarnou na humanidade daqueles que o amam na comunidade."

Daybreak, o lugar em que passou a última década de sua vida, tor­nou-se essa comunidade para Nouwen. Foi uma transição muito difícil, num primeiro momento. Acostumado a se dirigir a grandes platéias de admiradores, achava irritante falar para pessoas que não compreen­diam palavras muito compridas, que roncavam, babavam e faziam mo­vimentos espasmódicos durante suas homilias. Se um dos internos não gostasse do sermão do padre, interrompia a missa para dizê-lo. Nouwen descobriu que suas palavras bonitas e sua argumentação tinham pouca relevância para aquilo que os internos estavam sofrendo. Para aqueles corpos e mentes danificados, o rico currículo do escritor não significava nada. Eles sequer podiam ler seus livros. Tudo que importava era se ele os amava.

Sendo um sacerdote que não sabia nada sobre as tarefas domés­ticas comuns - cozinhar, passar, cuidar de crianças -, viu-se completa­mente desajeitado quando lhe foi pedido que cuidasse dos doentes. Com o tempo, porém, ele passou a amar aquelas pessoas. E no nascimento da compaixão por aquelas pessoas com corpos defeituosos ao seu redor, ele começou, pelo menos, a perceber quanto Deus poderia amar uma pes­soa ferida como ele mesmo.

Precisei de muito tempo para sentir-me seguro neste clima imprevisível, e ainda há momentos nos quais sou severo e digo a todos para ficarem calados, formarem fila, me ouvirem e acreditarem naquilo que digo. Mas também tenho contato com o mistério de que a liderança significa, em grande parte, ser conduzido. Descobri que estou conhecendo uma série de coisas novas, não apenas as dores e as lutas das pessoas, mas também sua graça e seus dons únicos. Eles me ensinam sobre alegria, paz, amor, cuidado e oração, coisas que eu jamais poderia aprender nos meios acadêmicos. Eles também me ensinam o que ninguém mais poderia ter-me ensinado: coisas sobre a triste­za e a violência, o medo e a indiferença. Acima de tudo, eles me dão uma visão do primeiro amor de Deus, especialmente nos momentos em que me sinto deprimido e desencorajado.

(Extraído de In the Name of Jesus)

Nouwen ligou-se de tal modo àquelas pessoas, tornou-se tão dependente delas que começou a levá-las consigo quando viajava para fazer alguma conferência. Enquanto palestrantes conhecidos cobravam honorários de cinco mil a dez mil dólares, Nouwen pedia apenas 500 dólares (os quais eram entregues à Daybreak) e uma passagem de avião para ele e seu acompanhante. Um repórter do The Wall Street Journal lembra-se de sua participação numa dessas reuniões na Carolina do Norte. Quando Nouwen convidou seu amigo Bill - o mesmo que interrompeu a missa -para falar ao microfone, o repórter pensou consigo mesmo que as pes­soas viajaram de longe para ouvir Henri Nouwen, e não a Bill.

Nouwen ficou ao lado de Bill para lhe dar apoio. Bill olhou para a platéia, e as palavras lhe fugiram. Ele ficou paralisado. Simplesmente colocou a cabeça no ombro de Nouwen e chorou. Muito do que Nouwen disse foi esquecido por seus ouvintes na Carolina do Norte; a lembrança de Bill descansando sua cabeça nos ombros do padre, não. "Em verdade vos digo: quem não receber o Reino de Deus como uma criança, de ma­neira nenhuma entrará nele", disse Jesus. "Então, tomando-as nos bra­ços e impondo-lhes as mãos, as abençoava" (Mc 10:15, 16).

Daybreak designou uma pessoa em especial da qual Nouwen deve­ria tomar conta: Adam (seu relacionamento é celebrado no livro de Nouwen chamado Adam: God's Beloved Adam: o amado de Deus —, publicado postumamente, em 1997). Adam era a pessoa mais fraca e incapacitada da comunidade. Apesar de estar na casa dos 20 anos de idade, Adam não podia falar, vestir-se e caminhar sozinho, nem sequer se alimentar sem ajuda. Em vez de aconselhar estudantes das escolas mais prestigiadas dos Estados Unidos ou de administrar uma agenda superlotada, Nouwen precisou aprender uma série de novas habildades: dar comida a alguém; trocar a roupa e dar banho em Adam; segurar seu copo enquanto ele bebia água; empurrar sua cadeira de rodas por um caminho esburacado. Ele ministrou não a líderes e intelectuais, mas aum jovem que, para muitos, era considerado apenas um vegetal, uma pessoa inútil que não deveria ter nascido. Mas Nouwen gradualmente aprendeu que ele, não Adam, era o maior beneficiário daquela estranha e desajustada relação.

Das horas passadas com Adam, Nouwen obteve uma paz interior que fez que suas outras tarefas, mais intelectuais, parecessem desin­teressantes e superficiais. Sentado ao lado daquela criança adulta e silenciosa, ele percebeu quão obsessiva e marcada pela competição e pela rivalidade era sua busca pelo sucesso no meio acadêmico. De Adam, ele aprendeu que "o que faz de nós humanos não é nossa mente, mas nosso coração; não nossa habilidade de pensar, mas nossa capacidade de amar. Todo aquele que se refere a Adam como sendo um vegetal ou uma criatura semelhante a um animal deixa de ver o sagrado mistério de que Adam é plenamente capaz de dar e receber amor".

Veja o que Nouwen aprendeu com Adam:



Mantenha seus olhos naquele que se recusa a transformar pedras em pão, que não pula de uma grande altura e abdica de governar com grande poder temporal. Mantenha seus olhos naquele que diz: "Bem-aventurados são os pobres, os mansos, os que choram e aqueles que têm fome e sede de justiça; bem-aventurados são os misericordiosos, os pacificadores e aqueles que são perseguidos por causa da justiça" (...) Mantenha seus olhos naquele que é pobre com os pobres, fraco com os fracos e rejeitado com os rejeitados. Aquele que fez essas coisas é a fonte de toda a paz.

(Extraído da revista World Vision)

Enquanto estava sentado no Museu Hermitage, em São Petersburgo, Rússia, meditando no grande quadro de Rembrandt, Nouwen não teve problemas para se identificar com o irmão mais velho, pois aquela fora sua posição natural na vida, treinado desde jovem para ser um padre virtuoso. Também não tinha problemas para se identificar com o próprio filho pródigo, pois uma inquietação interna o levava a confron­tar seu próprio "eu" profundamente carente e a lançar-se sobre a mise­ricórdia do Pai. Foi ao se projetar na figura do pai que ele se recolheu. Para ele, o pai sempre foi um personagem poderoso e distante, alguém que inspirava temor.

Não no quadro de Rembrandt, porém. A mão direita colocada so­bre o ombro do pródigo é macia e carinhosa, a mão feminina. A cabeça do pai está carinhosamente inclinada para o lado, e ele se curva para encurtar a distância entre ele e seu filho. Ao fazê-lo, sua confortável capa vermelha estende-se como as asas de um pássaro protetor. Nouwen se lembra da imagem feminina que Isaías teve sobre Deus: 'Acaso, pode uma mulher esquecer-se do filho que ainda mama, de sorte que não se compadeça do filho do seu ventre? Mas ainda que esta viesse a se es­quecer dele, eu, todavia, não me esquecerei de ti" (49:15). Também se lembrou do clamor maternal de Jesus como o de uma galinha que reúne os pintinhos debaixo de suas asas (Mt 23:37). Ele percebeu que a ima­gem que tinha de Deus Pai precisava de grande correção.

Enquanto meditava mais sobre isso, teve um grande insight sobre aquela parábola: o mistério de que o próprio Jesus havia se tornado uma espécie de pródigo por nossa causa. "Ele deixou a casa de seu Pai celestial, veio a um país estranho, deu tudo o que tinha e, através da cruz, voltou à casa de seu Pai. Tudo isso ele fez não como um filho rebel­de, mas como o filho obediente, enviado para trazer de volta todos os filhos perdidos de Deus... Jesus é o filho pródigo do Pai pródigo, que abdicou de tudo que o Pai lhe confiara para que eu pudesse ser como ele e voltasse para a casa de seu Pai."

Finalmente, Nouwen encontrou uma maneira de se identificar com o pai da pintura de Rembrandt. As pessoas o chamavam "pai"85 o tempo todo, especialmente quando ele usava a batina e o colar clerical. Ele podia aceitar esse título da maneira como a parábola retratava, o pai como aquele que acena tanto para o filho mais velho quanto para o pródigo. "Não posso ser filho para sempre", pensava Nouwen. "Deus está me chamando para ser como ele, para mostrar aos outros a mesma compaixão que ele está mostrando a mim. Ele está me chamando para alcançar os feridos e necessitados, para dar-lhes boas-vindas à família de Deus." Foi esta percepção que motivou a difícil decisão de deixar Harvard e se transferir para Daybreak.

Nouwen foi a primeira pessoa que vi usar a expressão "mobilidade descendente". Em um artigo de 1981, publicado na Sojouners, Nouwen escreveu contra a incontrolável busca pelo prestígio, pelo poder e pela ambição - em outras palavras, a mobilidade ascendente -, tão carac­terística da cultura americana. "O grande paradoxo que as Escriturasnos revelam é que liberdade real e total só pode ser alcançada por meio da mobilidade descendente. A Palavra de Deus veio a nós e viveu entre nós como um escravo. O jeito divino é realmente o caminho para baixo."

Quando mudou-se para Daybreak, Nouwen agiu de acordo com o padrão divino da mobilidade descendente. Tudo isso aconteceu contra todos os instintos, admitiu ele. Deixar um cargo estável numa das mais importantes escolas do mundo para se estabelecer numa comunidade de deficientes mentais não fazia sentido, de acordo com os padrões mo­dernos de medida de sucesso. Quando ouvi a notícia, dei risada ao pen­sar sobre a decisão de Nouwen de ser um santo tolo. Quão errado eu estava. Ele não tomou a decisão como um ato de auto-sacrifício. Optou por causa dele mesmo.

Na verdade, o que os outros viram como um padrão de mobilidade descendente em sua carreira, Nouwen via como uma forma de mobili­dade interior. Ele se afastou com o objetivo de olhar para dentro de si, para aprender como amar a Deus e ser amado por ele de modo que pudesse chamar os outros a esse amor. Ele descreveu sua intenção ci­tando uma passagem do livro Zen and the Art of Motorcycle Maintenance (Zen e a arte da manutenção de motos), de Robert Pirsig:



Pirsig descreve dois tipos de alpinistas. Ambos colocam um pé na frente do outro, respiram na mesma freqüência, param quando estão cansados e se­guem adiante quando estão descansados. Mas aquele que escala egos não tira proveito desta experiência. Ele não nota a beleza da paisagem propor­cionada pela luz do Sol em meio às árvores. Busca a trilha para ver o que está adiante, muito embora tenha feito a mesma coisa dois segundos atrás. "Sua conversa é sempre sobre algum outro lugar, alguma outra coisa. Ele está ali, mas não está ali. Aquilo que ele busca está ao redor dele, mas ele não quer simplesmente porque aquilo está ao redor dele."

(Extraído de The Genesee Diary)

Nouwen estava vivendo sua vida espiritual como um alpinista de egos. Livros para ler, habilidades a desenvolver, palestras a apresentar, cartas para responder - estas coisas o pressionavam de tal modo que ele não notava a presença de Deus ao seu redor, e enquanto isso, esforçava-se para ver o que havia adiante, mais à frente na trilha. Quando pediu conselhos a Madre Teresa de Calcutá, ela disse: "Passe uma hora por dia em oração contemplativa e não cometa nenhum pecado de consciên­cia". Nouwen tinha dificuldades para separar uma hora por dia, mas em Daybreak ele conseguiu arrumar meia hora diariamente. Começou a pensar na oração de maneira diferente, não apenas como um tempo de conversar, mas de ouvir; um momento tranqüilo e atencioso para "ouvir a voz que diz coisas boas sobre mim". Para alguém inseguro e assolado por dúvidas como Nouwen, esta foi uma difícil disciplina.

Quando se mudou para Daybreak, Nouwen começou a ponderar sobre os efeitos do afastamento. Será que sofreria por viver fora do turbi­lhão? Em vez disto, do mesmo modo que Thomas Merton, ele descobriu que a cidade de recolhimento não leva necessariamente ao isolamento. Um escritor que já escreveu bastante sobre os eremitas traça um para­lelo entre eles e os cientistas que trabalham sozinhos na busca da cura de algumas doenças, o que, por fim, ajudará muitas pessoas. A maioria dos seguidores de Nouwen acha que sua obra cresceu e ficou mais rele­vante, não menos, durante o tempo que viveu em Daybreak.

Encontrei-me pessoamente com Henri Nouwen apenas uma vez, numa visita que fiz a Daybreak. Primeiramente, conversamos em seu escritório, compartilhando histórias sobre editores e comparando alguns dos tópicos sobre os quais queríamos escrever. Sentindo-me um pouco sem jeito, mencionei que estava terminando um livro intitulado Decepcio­nado com Deus. Em vez de franzir a testa ao ouvir o título, ele ficou cada vez mais entusiasmado, gesticulando sem parar, e contando-me suas próprias experiências de decepção. Em dado momento, ele se levantou, correu até a parede e tirou uma reprodução de um quadro de Van Gogh. "Aqui, é isto o que quero dizer", disse ele. "Isto captura o espírito. É seu. Aceite-o como um presente."

Quando chegou a hora do almoço, coloquei minha recém-adquirida obra de arte embaixo do braço e o segui por um caminho de madeira que levava ao lugar em que ele vivia. Tinha uma cama de solteiro, uma prateleira e algumas peças de mobília do estilo shaker.86 As paredes não tinham nenhum adorno, a não ser uma reprodução de outro quadro de Van Gogh - Nouwen havia contribuído para a elaboração de um livro chamado Van Gogh e Deus - e alguns poucos símbolos religiosos. Uma pessoa da cozinha trouxera, havia pouco tempo, uma tigela com salada césar, uma jarra de vinho e um pedaço de pão. Nada de aparelho de fax, computador, calendário pendurado na parede - nessa sala, ao menos, Nouwen encontrara serenidade. A indústria da igreja parecia estar bem longe dali.

Thoreau escreveu que "a maioria dos luxos e muitos dos assim chamados confortos da vida não são apenas dispensáveis, mas se co­locam como impedimentos à elevação da raça humana. Com respei­to aos luxos e confortos, o mais sábio viveu uma vida mais simples e escassa do que os pobres (...) Ninguém pode ser um observador sá­bio ou imparcial da vida humana se não estiver no vantajoso ponto de observação que deveríamos chamar pobreza voluntária". Olhan­do em volta e comparando mentalmente o ambiente de Nouwen com meu escritório cheio de máquinas, livros e coisas, senti uma ponta de inveja. Sim, ele tinha secretárias que cuidavam da correspondência e uma irmã religiosa que preparava suas refeições. Sim, um voto de pobreza eliminava preocupações com o imposto de renda e a nego­ciação de royalties, e um voto de obediência simplificava o processo de tomada de decisões. Mas não era exatamente isso o que importa­va? Ele havia se livrado daquele estorvo para se comprometer com algo mais elevado.

Mas o que era aquilo mais elevado? Nouwen havia passado a ma­nhã inteira com seu amigo Adam. "Você chegou aqui num momento muito especial", disse-me ele, bastante entusiasmado. "Hoje é o ani­versário de Adam [com seu sotaque holandês, o que ouvi foi "anifersário"]. Ele está fazendo 26 anos, e seus pais e irmãos estarão aqui para uma celebração muito especial da eucaristia."

Naquele mesmo dia, disse-me Nouwen, ele já havia passado quase duas horas preparando Adam. Li a descrição daquele dia feita pelo próprio Nouwen:



Levo quase uma hora e meia para acordar Adam, dar-lhe os remédios, levá-lo para tomar banho, barbeá-lo, limpar seus dentes, vesti-lo, caminhar com ele até a cozinha, dar-lhe seu café da manhã, colocá-lo na cadeira de rodas e levá-lo ao lugar em que passa a maior parte do dia fazendo fisioterapia (...) Ele não ri nem chora. Apenas ocasionalmente faz algum contato visual. Suas costas são tortas. Os movimentos dos braços e das pernas são irregulares. Ele sofre de epilepsia severa, e, apesar da forte medicação, passa poucos dias sem que tenha sérios ataques. Às vezes, quando fica repentinamente enrijecido, solta um grito muito forte. Em algumas poucas ocasiões, vi uma grande lágrima escorrendo por sua face.

(Extraído da revista World Vision)

Depois do almoço, fomos a uma pequena capela para o serviço religioso. Com solenidade, mas também com um brilho nos olhos, Nouwen dirigiu a liturgia em honra ao aniversário de Adam. Incapaz de falar e profunda­mente retardado, Adam não deu qualquer sinal de compreensão, apesar de parecer estar reconhendo que sua família viera para compartilhar com ele aquele momento. Ele babou durante toda a cerimônia e soltou gritos altos em alguns momentos.

Devo admitir que fiquei com uma dúvida passageira se aquela era realmente a melhor maneira de usar o tempo daquele sacerdote ocupa­do. Já ouvira palestras de Nouwen e lera vários de seus livros. Sabia tudo que ele tinha a oferecer. Será que não havia ninguém mais que poderia assumir a tarefa de cuidar de Adam? De volta a seu escritório, quando mencionei cuidadosamente o assunto com o próprio Nouwen, ouvi-o dizer que eu havia feito uma interpretação completamente erra­da dele. "Não vou abandonar nada", insistiu ele. "Sou eu, e não Adam, o maior beneficiário de nossa amizade."

Nouwen passou o resto da tarde respondendo às minhas perguntas, como se não acreditasse que pudesse perguntar tais coisas. Ficou citan­do várias maneiras pelas quais fora beneficiado por seu relacionamento com Adam. Ele estava verdadeiramente desfrutando de um novo tipo de graça espiritual, alcançado não formalmente, em Yale ou em Harvard, mas ao lado de Adam. Ao ouvi-lo, fiquei convencido de minha própria pobreza espiritual, eu que tão cuidadosamente arranjava minha vida de escritor para torná-la mais eficiente e concentrada.

Nouwen admitiu que foi muito difícil, no começo. O toque físico, a afeição e a confusão que é cuidar de uma pessoa totalmente sem coorde­nação não chegam com facilidade. Mas ele havia aprendido a amar Adam verdadeiramente. No processo, aprendeu como deve ser para Deus amar a nós - espiritualmente descoordenados, retardados e capazes de reagir com aquilo que, para Deus, são apenas gemidos e grunhidos desarticula­dos. Trabalhar com Adam havia ensinado a ele a humildade e o vazio al­cançado pelos monges somente depois de muito sacrifício. O tempo que ele passou cuidando de Adam se tornou um inestimável período de meditação.Nouwen disse que, em toda sua vida, duas vozes compeliam en­tre si dentro dele. Uma o encorajava a ter sucesso e alcançar posi­ções, enquanto que a outra o chamava simplesmente ao descanso e ao conforto de saber que ele era o amado de Deus. Somente na últi­ma década de sua vida ele deu ouvidos, de fato, a essa segunda voz. Já no fim de tudo, Nouwen concluiu que "o objetivo da educação e da formação para o ministério é reconhecer continuamente a voz do Senhor, sua face e seu toque em cada pessoa que você encontre". Lendo esta descrição, compreendo por que ele não considerava uma perda de tempo convidar um estranho para viver com ele durante um mês, ou dedicar várias horas do dia para o cuidado servil de Adam.

Recentemente, quando verificava os livros de Nouwen em minha biblioteca, deparei-me com três livros que ele havia autografado para mim depois de minha visita. "Obrigado por dar-me a coragem de con­tinuar escrevendo", escreveu ele num dos livros. Saí de Daybreak sentindo-me convicto e envergonhado, como um jornalista introme­tido que estava tomando o tempo de um sacerdote. Nouwen, porém, nutriu uma lembrança bastante diferente, a de um companheiro de busca, alguém amado por Deus. Como um pai, ele me deu as boas-vindas à comunidade de Deus. Mesmo hoje, depois de sua morte, ele continua me dando esse dom renovado.

Como Nouwen destaca: "Deus se alegra. Não porque os proble­mas do mundo tenham sido resolvidos, não por causa do fim da dor e do sofrimento humano, nem porque milhares de pessoas se conver­teram e agora estão louvando sua bondade. Não, Deus se regozija porque um de seus filhos que estava perdido foi achado".

Sinto falta de Henri Nouwen. Para alguns, seu legado consiste de seus muitos livros; para outros, seu papel como uma ponte entre os católicos e protestantes; para outros ainda, sua brilhante carreira entre as maiores universidades americanas. Para mim, porém, uma imagem simples captura o melhor de Nouwen: o sacerdote enérgico, cabelos desgrenhados, usando suas mãos incansáveis como que para forjar uma homília no ar, celebrando uma eloqüente eucaristia de aniversário para um homem-criança incapaz de reagir, tão defeituo­so que seus pais prefeririam tê-lo abortado. Não posso imaginar um símbolo melhor para a encarnação.

O legado de Henri Nouwen permanece vivo. Enquanto estava no processo de reunir todas essas reflexões, deparei-me com duas outras que incluo como um tipo de pós-escrito de sua vida.

A primeira ocorreu durante um discurso que ele fazia numa feira internacional em Frankfurt, Alemanha. Um editor holandês veio a mim depois da programação e disse: "Ah! mas você não sabe o resto da his­tória. Você mencionou como Henri se sentia deslocado em sua família e como seu vazio espiritual o chateava. Mesmo agora, depois de sua morte, isto está mudando. Seu irmão, que por muitos anos dirigiu a maior associação turística da Holanda, esteve diante de uma reunião de diplomatas, embaixadores, membros do parlamento e outros dig-nitários. Ele contou a experiência de estar presente no enterro de Henri e ouvir a palavra de pessoas vindas de diversos países, como Canadá, Estados Unidos, França, Bélgica e Holanda. Elas falaram do impacto de Henri em suas vidas. Seu irmão disse: 'Percebi que, comparado a Henri, não tenho nada. Sentado ali, ouvindo, a diferença ficou ainda mais clara: Henri tinha Deus, e isto fazia toda a diferença'. Ele prosse­guiu, falando da morte de sua esposa por causa de um câncer, e tam­bém da morte de seu pai, que viveu um pouco mais que Henri. Então, num espírito humilde, ele falou das mudanças que estava fazendo agora em sua própria vida, preparando-se melhor para a morte, restaurando seu relacionamento com o Deus a quem Henri conhecia tão bem. Como você pode perceber, talvez Henri não tenha sido algo tão estranho dentro de sua família".

A segunda lembrança ocorreu em um culto do qual participei numa cidade litorânea da Califórnia. O termo "informal" descreve perfeita­mente sua cultura de adoração: um líder vestido com roupas de surfis-ta (para pegar algumas ondas depois do culto) coloca sua guitarra no suporte, sobe ao púlpito e pergunta: "E aí, alguém tem alguma coisa para compartilhar com a gente hoje?"

Naquela manhã em particular, conforme aconteceu, três jovens vieram preparadas para relembrar Henri Nouwen, cujo livro Life of the Beloved haviam lido juntas num pequeno grupo.

A primeira a falar, chamada Elizabeth, tinha um monte de anota­ções, as quais seguiu estritamente. Falou de seus esforços para se tornar uma superempreendedora. No segundo grau, lutava para sempre tirar A, para vencer o campeonato estadual de tênis, para liderar o ConselhoEstudantil e para fazer parte de todos os clubes que pudesse. Ganhou o prêmio Super Seahawk na escola. Lendo o livro de Nouwen, viu se na mesma fase de superempreendedor do autor. Percebeu que, assim como Nouwen, estivera sedenta pelo amor de Deus o tempo todo, tentando desesperadamente alcançá-lo. Ela conseguiu perceber o que o autor quis dizer sobre ver-se como a filha querida de Deus, como uma pessoa que fora amada desde o princípio dos tempos, sem necessidade de se mos­trar digna desse amor.

A outra moça que falou, Kate, levou um computador portátil para o púlpito e começou a mexer com o mouse em busca de suas anotações. Sua impressora se recusara a funcionar naquela manhã. "Este é um tipo de sintoma de minha vida", disse ela. "Tudo sempre dá errado comigo." Ao contrário de Elizabeth, ela não tinha um currículo de grandes feitos. Na verdade, seu conselheiro lhe disse certa vez: "Kate, às vezes vejo pessoas com um complexo de Messias, pessoas que acham que podem salvar o mundo. Você tem um complexo de Satanás. Acha que é capaz de destruir o mundo inteiro sozinha". Ela realmente se sentia amaldi­çoada, incapaz de receber bondade. Estava aprendendo com Nouwen a, pela primeira vez, ver-se abençoada, e não amaldiçoada.

Kate fez outros comentários depreciativos sobre si e fechou seu com­putador no momento em que todos começaram a rir. Então Cathy se levantou. Seus lábios tremiam e lágrimas começaram a se formar no canto dos olhos. A congregação ficou em silêncio. "A maioria de vocês não conhece minha história. Fui molestada quando era criança. Na fa­culdade, droguei-me e fui violentada. Ficava perguntando: 'Por que eu?' Eu havia tentado ser boa. Ia à igreja todos os domingos e tudo o mais. Então eu simplesmente desisti. Voltei-me para o álcool, querendo dimi­nuir minha dor. É claro que isto só me trazia mais dor ainda, e então, eu bebia mais. Estava numa espiral que não levava a lugar algum, sentin-do-me velha antes de deixar de ser jovem. Certo dia, parei diante de minha velha igreja só para ver o que havia mudado lá dentro. No prédio vazio, sem qualquer planejamento, comecei a orar. Comecei a berrar feito uma criança.

"É claro que nem tudo se resolveu naquele dia. A dor não foi embo­ra. Era meu estado que eu estava confrontando na igreja, não minha cura. Mas, por intermédio de Henri Nouwen, aprendi que sofrimento e alegria podem caminhar juntos, que Deus pode usar todas as situações de nossa vida, até mesmo a dor que nunca vai embora. Comecei a clamar por quebrantamento.

"Fico feliz por essas coisas ruins terem acontecido em minha vida? Não. Mas realmente percebo que elas me ajudaram a fazer de mim a pessoa que sou hoje. Posso ser uma amiga verdadeira para outras pes­soas. Posso oferecer um lugar seguro para as pessoas se refugiarem nos momentos difíceis."

Cathy encerrou sua palavra com sua própria paráfrase de Lucas 4, uma cena dramática na qual Jesus entra na sinagoga e anuncia: "O Espírito do Senhor está sobre mim. Ele me enviou para proclamar liber­tação aos cativos" (ênfase do autor).

Por vários minutos, ninguém se mexeu, a não ser para pegar os len­ços. O tráfego lá fora, o dia ensolarado, os planos para o domingo na praia - nada disso importava mais. Deus estava naquele lugar.

Então, as três moças que haviam falado se levantaram e ofereceram os elementos da ceia umas às outras. "Este é o corpo de Cristo, partido por você", disse Kate, dando o pão a Elizabeth. "O sangue de Cristo, der­ramado por você", falou Elizabeth, estendendo o copo a Cathy. E o resto de nós formou duas filas desiguais no corredor central, para comer e beber do quebrantamento de Deus.


HENRI NOUWEN PARA INICIANTES


Seeds of Hope reúne, em um único volume, uma seleção de leituras das obras de Nouwen e fornece uma boa introdução àqueles que não se importam em ler passagens fora do contexto. Recomendo A volta do filho pródigo e Life of the Beloved como introdução à sua introspectiva porém confortante obra. The Genesee Diary, Uma estrada para a paz 87 e Sabbatical Journey trazem reflexões mais pessoais e autobiográficas. Dos muitos outros livros de Nouwen, gosto particularmente de Gracias! e Intimidade 88 . Nouwen Then e Wounded Prophet trazem reflexões sobre Nouwen feitas por aqueles que o conheceram.


1   ...   7   8   9   10   11   12   13   14   15


©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal