Alerta técnico



Baixar 33,36 Kb.
Encontro25.12.2018
Tamanho33,36 Kb.


ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE

CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE

DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde- Controle de Infecção

INFORME TÉCNICO Nº 01/2007


ASSUNTO: CONTROLE DE BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES
Introdução

Sabe-se que aproximadamente 10% dos pacientes hospitalizados desenvolvem infecções em conseqüência de procedimentos invasivos ou de terapia imunossupressora, e que o uso de antimicrobianos de forma maciça e indiscriminada contribui para a multirresistência bacteriana.

Essas infecções são comumente causadas por Estafilococos resistentes à metilicina, Enterobactérias e Pseudomonas, podendo ocorrer também por Acinetobacter. A identidade do organismo causador pode fornecer alguma indicação em relação à sua fonte, todavia, certos patógenos têm significado especial porque podem causar grandes surtos em todo hospital.

O uso dos antimicrobianos de uma maneira maciça e indiscriminada exige medidas urgentes para combater o surgimento de novas cepas bacterianas multirresistentes, inclusive aos medicamentos antimicrobianos recentemente comercializados, levando a conseqüências importantes, com efeitos diretos na problemática das infecções hospitalares.

É importante ressaltar que a racionalização de antimicrobianos, oferece a oportunidade de determinar seu apropriado uso nos casos para os quais estão indicados, e, assim identificar situações na qual seu uso seria impróprio.

As Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) são reservatórios freqüentes das bactérias multirresistentes. A transmissão interpacientes é amplificada em UTIs, em função da menor adesão à higienização das mãos, associada ao excesso de trabalho.



Bacilos Gram-Negativos Multirresistentes

São o principal problema em UTIs brasileiras, em função das altas taxas de resistência de antimicrobianos de última geração disponíveis.



Meios de transmissão dos bacilos Gram-negativos:

• Contato direto, através das mãos dos profissionais de saúde;

• Contato indireto, através de artigos contaminados;

Bacilos Gram-negativos não-fermentadores de glicose

São agentes de quase todas as infecções adquiridas na UTI - em particular, infecções do trato respiratório. São representados, principalmente, por cepas de Pseudomonas aeruginosa e Acinetobacter spp. Sua sobrevivência em água e outros ambientes com requisição de nutrientes favorecem sua presença no trato respiratório - por colonizarem coleções de água relacionadas ao aparato de ventilação mecânica.


Acinetobacter - Este gênero é composto por cocobacilos gram-negativos não fermentadores, imóveis (daí o nome a-cineto), oxidase negativos.

São bactérias de vida livre, geralmente encapsuladas, amplamente distribuídas na natureza, podendo ser isoladas em objetos inanimados e animados, presentes em praticamente 100% de amostras de solo e água, transmitidos pelo contato direto e indireto com estas fontes e possivelmente por via aérea .


Este é o mais freqüente gênero de bactérias gram-negativas isoladas colonizando persistentemente a pele humana, principalmente em dobras, sendo que o A. johnsonii, A. lwoffi e A. radioresistans são habitantes naturais. O complexo A. calcoaceticus/A. baumannii é encontrado na pele em até 25% das pessoas sadias e na cavidade oral em até 7% destas, aumentando em pacientes hospitalizados e profissionais de saúde. Assumem importância crescente no ambiente hospitalar, sobrevivendo em superfícies úmidas ou secas e colonizando a pele de pacientes e da própria equipe de saúde, principalmente suas mãos, ocasionando contaminação cruzada. Sua capacidade de sobrevivência no ambiente é grande, por exemplo, em uma bancada uma colônia sobrevive por até nove dias contra menos de um dia observada para P. aeruginosa . A espécie mais freqüentemente encontrada em hospitais é o complexo A. calcoaceticus/A. baumannii, isolados em infecções nos tratos respiratório, urinário, ferida cirúrgica e acesso vascular, podendo levar a quadros septicêmicos, mas pode causar infecções em virtualmente todos os órgãos. A letalidade chega a ser superior a 36%.

Muitas UTIs brasileiras convivem atualmente com cepas de pseudomonas e acinetobacter resistentes a todos os antimicrobianos disponíveis, representando um alto custo no tratamento dos pacientes infectados.

Os principais mecanismos de resistência estão relacionados à produção de enzimas – em particular as beta-lactamases, que conferem resistência à cefalosporinas e penicilinas de amplo espectro. Um sub-grupo particular de beta-lactamases, as metalo-beta-lactamases, produzidas principalmente por pseudomonas e acinetobacter conferem resistência aos carbapenens (imipenem e meropenem), os quais constituem as principais armas para o tratamento de Gram negativos multirresistentes.

Outros mecanismos de resistência estão associados à perda de porinas da parede bacteriana, mecanismo de efluxo a partir do ambiente intracelular e modificação do sítio de ligação dos antibióticos. Felizmente, as taxas de resistência à polimixina são muito baixas (< 5%) – único antimicrobiano disponível para esta situação. Os problemas relacionados ao uso de polimixina estão na toxicidade (nefrotoxicidade, principalmente), no pouco conhecimento sobre aspectos farmacocinéticos e farmacodinâmicos e na pouca disponibilidade do medicamento no mercado brasileiro.


Medidas recomendadas para prevenção das Bactérias Multirresistentes:

• Identificar precocemente o paciente colonizado ou com infecção;

• Manter o paciente em isolamento;

• Respeitar as medidas de isolamento de contato preconizadas pela SCIH;


Precauções de Contato

Indicações

Infecção (ou suspeita de infecção) ou colonização por bactérias multirresistentes ou microrganismos epidemiologicamente importantes (como rotavírus, vírus sincicial respiratório, herpes simples localizado, diarréia aguda, furunculose, infecção de ferida operatória, escabiose, pediculose), passíveis de transmissão por contato direto.


Internação de paciente: quando possível, em quarto privativo ou em quarto com paciente que apresente infecção pelo mesmo microrganismo (coorte).

A distância mínima entre as camas deve seguir as orientações da vigilância sanitária e das entidades de classe e critérios técnicos determinados para o isolamento.


Todos os portadores deverão ter o prontuário visivelmente identificados, com informações objetivas e claras sobre a colonização/infecção e as respectivas medidas de precaução.
Profissionais: o número mínimo de profissionais, por turno de trabalho, deve atender as determinações da vigilância sanitária local, obedecendo as orientações dos respectivos conselhos de classe e das comissões de infecção, para a situação específica.

Os profissionais da limpeza, previamente treinados, deverão ser devidamente instruídos quanto às medidas de precaução. O Brasil adota diagnóstico seguindo os critérios NISS.



Higienização das mãos: deve ser enfatizada a importância desta ação; utilizar anti-séptico como o álcool-gel ou soluções degermantes (clorexidina a 2% ou PVP-I 10%).

A higienização das mãos é uma precaução fundamental!!
Devem ser higienizadas após cada troca de luvas e seguindo as orientações técnicas da Anvisa com álcool 70% gel ou anti-séptico degermante.
Luvas: todas as pessoas que tiverem contato com o paciente devem usar luvas de procedimento limpas, não estéreis, ao entrar no quarto durante o atendimento ao paciente; trocar de luvas após contato com material biológico; retirar as luvas antes de deixar quarto.
Avental: usar avental limpo - não necessariamente estéril - ao entrar no quarto durante o atendimento ao paciente e retirá-lo antes de deixar o quarto, obedecendo à técnica.

Jamais transitar com o avental para outra unidade!
Equipamentos de cuidado ao paciente: estetoscópio, esfignomanômetro e termômetro devem ser de uso individual. Caso não seja possível, devem ser limpos e desinfetados com álcool a 70%, entre pacientes.
Ambiente: itens com os quais o paciente teve contato e superfícies ambientais devem ser submetidos à desinfecção com álcool a 70% (ou produto compatível com a natureza da superfície), a cada plantão.

As medidas de transporte de qualquer tecido (roupa de cama, roupa do paciente e outro) até a lavanderia deverão se realizadas seguindo protocolo específico da CCIH, sob orientação da vigilância sanitária local.


Visitante e Acompanhante: Visita restrita e reduzida. Deverão, obrigatoriamente, ser instruídos verbalmente e por escrito com recomendações expressas quanto à restrição de locomoção sua e do paciente, higienização de mãos e limpeza de todos os objetos e pertences pessoais do portador. Utilizar a mesma paramentação indicada para os profissionais de saúde;

A adoção das instruções, por parte dos visitantes e acompanhantes, deverá ser supervisionada pela equipe de saúde.


Transporte do paciente: Limitado. Evitar o deslocamento do paciente para outras áreas da instituição. Quando for indispensável, as precauções deverão ser cumpridas em todo o trajeto a ser percorrido, incluindo o elevador. Este deverá ser, no momento do uso, destinado exclusivamente ao transporte do paciente, não sendo admitida a presença de outros pacientes no mesmo elevador. Utilizar luvas para auxiliar na locomoção, mas com o cuidado de não tocar em superfícies com as mãos calçadas.
Nota: No caso das unidades de UTI neonatal, a desinfecção das incubadoras deve ser realizada com água e sabão e solução de quartenário de amônio.

Nota: É recomendável que o paciente infectado/colonizado somente deixe o isolamento após cultura (s) negativa(s) ou ao deixar o hospital.
As macas, cadeiras e outros utilizados, assim como os locais onde o paciente teve contato devem ser desinfetados com solução alcoólica 70% ou conforme a recomendação do fabricante para os materiais.
Objetos e superfície: os equipamentos (estetoscópio, termômetro, torniquetes, nebulizadores, umidificadores, circuito de respirador e outros) devem ser desinfetados com álcool 70% antes e após o uso. Pela impossibilidade de desinfecção, o manguito do aparelho de pressão não deve entrar em contato com a pele do paciente, devendo ser protegido por um tecido limpo e fino.

Todos os itens potencialmente contaminados devem ser descontaminados diariamente ou desprezados.

Artigos contaminados com material infectado devem ser rotulados, antes de enviados à descontaminação e reprocessamento. Cuidado especial deverá ser tomado quantos aos objetos concernentes ao serviço de nutrição e dietética.

Desinfetar superfícies planas com hipoclorito de sódio a 0,2% ou álcool a 70%.

Os objetos de uso pessoal do paciente devem ser de uso exclusivo e apenas no quarto do portador.
Nota: Após procedimento cirúrgico de paciente conhecidamente infectado ou colonizado deve-se proceder à limpeza terminal do bloco cirúrgico.
Outros: Na identificação do primeiro pacientes infectado/colonizado por microrganismos transmitidos por contato direto ou indireto, deverá ser implantada a rotina de freqüência, padronizada pela CCIH, para a pesquisa de colonizado na unidade acometida. Esse intervalo de monitoramento varia entre 5 e 7 dias.
Nota: A direção da instituição tem a responsabilidade de disponibilizar recursos financeiros, técnicos e humanos em quantidade e qualidade mínimos à viabilização para a adoção e aplicação rigorosa das medidas de isolamento propostas pela CCIH, CMCIH, CECCIH de modo complementar a este documento.

Referência Bibliográfica:


RENISS –GIPEA/GGTES/ANVISA

Infección nosocomial por "Acinetobacter baumanii" multiresistente en Unidades de Cuidados Críticos: Enfermería integral: Revista científica del Colegio Oficial de A.T.S de Valencia, ISSN 0214-0128, Nº. 72, 2005 , pags. 15-22


Fernandes,Antonio Tadeu. Infecção Hospitalar e suas Interfaces na Área da Saúde. São Paulo:Editora Atheneu, 2000
Portaria nº 2.616 de 12 de maio de 1998 do Ministério da Saúde D.O.U.
http://www.praticahospitalar.com.br/pratica%2037/paginas/materia%2001-37.html

http://infectiousdiseases.about.com/od/faqs/p/A_baumannii.htm



©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal