A mensagem do Islam



Baixar 0,72 Mb.
Página8/13
Encontro19.07.2018
Tamanho0,72 Mb.
1   ...   5   6   7   8   9   10   11   12   13

E não lhes fora ordenado senão adorar a Allah, sendo sinceros com Ele na devoção, sendo monoteístas., e cumprir a oração e conceder az-zakah. (a ajuda caridosa). E essa é a religião reta. [98:5]
Quem rejeita esta obrigação cai em incredulidade, e transgrediu contra o fraco, o pobre e o necessitado. Não é uma taxa arrecadada dos cidadãos pelo Estado Islâmico, como os ignorantes acreditam; pois se fosse, seria arrecadado de muçulmanos e de não muçulmanos igualmente! Dentre as condições do Zakaah está que o sujeito deve ser muçulmano, e não deve ser recebida dos não muçulmanos.
A seguir estão algumas de suas condições.


  1. Possuir a quantidade mínima necessária: A riqueza de uma pessoa deve alcançar o limite que foi estabelecido pela religião do islam.

  2. O lapso de um ano: se a riqueza não está sob posse da pessoa por este período, não há obrigação de pagar o Zakaah.

Allah especificou aquelas pessoas que são elegíveis para receber o Zakaah. Allah diz:


As sadaqats, as ajudas caridosas, são, apenas, para os pobres e os necessitados e os encarregados de arrecada-las e aqueles, cujos corações estão prestes a harmonizar-se com o islam e os escravos, para se alforriarem, e os endividados e os combatentes no caminho de Allah e o filho do caminho, o viajante em dificuldade: é preceito de Allah. E Allah é Onisciente, Sábio. [9:60]
A quantidade a ser paga é de 2.5% do montante arrecadado no período de um ano. Através disso, o Islam busca erradicar a pobreza da sociedade muçulmana e aliviar os perigos que resultam dela, como roubo, assassinato, e atos de transgressão contra a honra das pessoas. Revitaliza o espírito da dependência mútua e da irmandade da sociedade islâmica, preenchendo as necessidades dos pobres e necessitados.
A diferença entre o Zakaah e o imposto é que os muçulmanos pagam-na por vontade própria, cada um é quem supervisiona seu pagamento. Além disso, seu nome indica um objetivo37, que é a purificação da alma dos muçulmanos ricos. Ela também purifica o muçulmano da avareza, do egoísmo, da cobiça, e do amor desse mundo temporal e de se afogar nos desejos desse mundo, que o fazem esquecer seus irmãos dentre os pobres e necessitados. Allah s.w.t. diz:
E quem se guarda de sua própria mesquinhez, esses são os bem-aventurados. [59:9]
Também purifica os pobres do ódio e do ciúme que eles possam sentir dos ricos. Eles os vêem dando de sua riqueza aquilo que Allah ordenou, continuamente se importando com eles ao dar-lhes dinheiro e tratá-los bem.
O Islam adverte duramente aqueles que se recusam a pagar o Zakaah. Allah s.w.t. diz:
E que os que são avaros com o que Allah lhes concedeu de seu favor não suponham que isso lhes seja um bem; ao contrário, isso lhes é um mal. No Dia da Ressurreição, estarão cingidos, ao pescoço, por aquilo a que se apegarem com avareza. [3:180]
O Profeta s.a.w. disse:
Se qualquer possuidor de ouro ou prata não pagar o que tem obrigação de pagar, quando o Dia da Ressurreição vier, pratos de fogo serão feitos para ele. Eles então serão aquecidos no fogo Infernal, e seus lados, sua testa e suas costas serão cauterizadas com eles. Quando eles esfriarem, o processo será repetido por um dia cuja extensão é de cinqüenta mil anos, até que o julgamento seja pronunciado sobre os servos, e ele veja se seu caminho o leva para o Paraíso ou para o Inferno”. [Muslim]
O Quarto Pilar: O Jejum do Ramadan
Um muçulmano deve jejuar um mês no ano, que é o mês de Ramadaan, todo ano. Do início do amanhecer até que o sol se ponha, o muçulmano deve abster-se de qualquer coisa que quebre o jejum, seja comida, bebida, relação sexual. O jejum não é uma adoração que foi apresentada pelo Islam; ao contrário, ele era uma obrigação legislada nas outras religiões também. Allah s.w.t. diz:
Ó vós que credes! É-vos prescrito o jejum, como foi prescrito aos que foram antes de vós, para serdes piedosos. [2:183]
O objetivo de jejuar não é meramente se abster de coisas materiais e físicas que possam quebrar o jejum. Ao contrário, é se abster de coisas imateriais que diminuem a recompensa do jejum da pessoa, como mentir, falar mal de alguém, fofocar, trapacear, enganar, conversas falsas, e outros comportamentos ofensivos. A pessoa deve ter em mente que é obrigatório para ela abster-se desses atos ofensivos fora do Ramadaan, mas ainda mais neste mês, devido ao dito do profeta s.a.w:
Quem quer que não se abstenha de falsos discursos e ações, Allah não precisa que ele deixe sua comida e bebida.” [Bukhari]
O Jejum é um esforço entre a alma da pessoa e suas vontades e desejos. Ele tem diversos benefícios sociais, que o Profeta s.a.w. explicou neste dito:
Todas as ações dos filhos de Adam são para eles, exceto o jejum, pois o jejum é para Mim e Eu recompenso por ele. Jejuar é um escudo. Quando um de vós jejua, ele não deve falar o mal, nem deve gritar e berrar, e se alguém o praguejar, ele deve dizer, ‘Estou jejuando’. Por Aquele em cujas mãos está a alma de Muhammad, o cheiro da boca do jejuador é mais querido por Allah do que o cheiro de almíscar. Aquele que jejua terá dois momentos de alegria: quando quebrar o jejum e quando encontrar com seu Senhor.” [al-Bukhari e Muslim]
Através do jejum, a pessoa se dá conta de como seus irmãos carentes se sentem, por não encontrarem comida suficiente, vestes, e abrigo e isso o instiga a preencher as necessidades desses irmãos, procurar saber sobre seu bem estar e cuidar de suas necessidades
O Quinto Pilar: Hajj
Hajj é a peregrinação que uma pessoa faz até a Casa Sagrada de Allah (a Ka’bah) para realizar certos ritos em lugares específicos e em tempos específicos. Este pilar do Islam é obrigatório a todo muçulmano, homem ou mulher, que é são e alcançou a idade da puberdade, uma vez na vida, se eles tiverem condições físicas e financeiras.
Se uma pessoa tem uma doença incurável que impede que ela faça o Hajj, mas ela tem condições financeiras, ela deve designar alguém para fazer Hajj por ela. Mas se a pessoa não tiver mais dinheiro do que o necessário para arcar com suas despesas diárias ou daqueles que estão sob sua responsabilidade, o Hajj não é obrigatório para ela. Allah s.w.t. diz:
E, por Allah, impende aos homens a peregrinação à Casa, a quem até ela possa chegar. E quem renega isso, saiba que, por certo, Allah é Bastante a Si mesmo, prescindindo dos mundos. [3:97]
O Hajj é o maior ajuntamento Islâmico. Muçulmanos de todo o mundo se reúnem em um lugar no mesmo período; eles todos chamam pelo mesmo Senhor, vestem as mesmas roupas, realizam os mesmos rituais, e recitam o mesmo chamado:
Labbaik allahumma labbaik, labbaika laa shareeka laka labbaik. Innal hamda wunni-mata laka wal-mulk laa shareeka lak.
Significado:

Aqui estou oh Allah, aqui estou. Tu não tens sócios. Aqui estou. Todo o louvor e graça são para Ti, e para Ti é o domínio. Tu não tens sócios.
Não há diferença entre o rico e o pobre, o nobre e o plebeu, branco e o negro, o árabe e o não árabe. Todos são iguais diante de Allah; não há diferença entre eles senão a piedade (taqwaa). O Hajj é um evento que enfatiza a irmandade de todos os muçulmanos e a união de suas esperanças e sentimentos.

O Aspecto Político do Islam
A legislação Islâmica introduziu princípios básicos e regras gerais nos assuntos políticos que atuam como as bases sobre as quais o Estado Islâmico é construído. O governante do Estado Muçulmano executa e aplica os mandamentos de Allah. Allah s.w.t. diz:
Buscam, então, o julgamento dos tempos da ignorância? E quem melhor que Allah, em julgamento, para um povo que se convence da verdade? [5:50]
O governante de um país Islâmico é na verdade um deputado para a Ummah, o que o obriga a aplicar o seguinte:
[1] Fazer tudo dentro de sua capacidade para aplicar as legislações e leis de Allah, e fornecer meios de vida honráveis e honestos para a nação, para salvaguardar a religião, a segurança as vidas e a riqueza. O Profeta s.a.w. disse:
Nenhum servo de Allah é incumbido de cuidar dos assuntos dos Muçulmanos e falha na sinceridade e verdade nisso, exceto que ele não sinta o cheiro do Paraíso.” [al-Bukhari]
O governante do Estado Islâmico deve ter as características necessárias, conforme descrito por ‘Umar ibn al-Khattab r.a.a. quando ele disse aos seus Companheiros: “Mostrem-me um homem a quem eu possa designar a responsabilidade por certos assuntos que me preocupam”. Eles responderam: “Abdur-Rahman inm ‘Auf”. Ele disse: “Ele é fraco”. Eles mencionaram um outro homem e ele disse: “Não é dele que eu preciso”. Então eles perguntaram: “Que tipo de pessoa você quer?” Ele disse: “Eu quero um homem que, se ele for líder deles, se comporte como se fosse um deles, e se ele não for líder deles, que aparente ser.” Eles disseram: “Ninguém é mais adequado que Ar-Rabee’ah ibn ul-Haarith” ‘Umar disse: “Vocês falaram a verdade”, e ele o designou.
[2] O governante não deve escolher ninguém dos muçulmanos que não se encaixe na função ou em quem não se confie. Ele não deve favorecer um amigo ou um parente ao invés de um candidato para um determinado posto. O Profeta s.a.w. disse:
Nenhum servo recebe a responsabilidade sobre um povo e morre em um estado em que ele foi desleal a eles, exceto que Allah proíba para ele o Paraíso” [Muslim]
As regras e princípios mencionados acima são caracterizados pelo seguinte:
Elas são divinas, ordenadas por Allah e suas luzes são todas consideradas iguais... o governante e o governado, o rico e o pobre, o nobre e o plebeu, o branco e o negro – ninguém, não importa quão elevada seja sua posição, tem permissão de violá-las ou criar leis que contradigam estas. Allah s.w.t. diz:
E não é admissível a crente algum nem a crente alguma – quando Allah e Seu Mensageiro decretam uma decisão – que a escolha seja deles, por sua própria decisão. E quem desobedece a Allah e a Seu Mensageiro, com efeito, se descaminhará com evidente descaminho. [33:36]
Todos devem se submeter, respeitar e aplicar estas regras e princípios; ambos governantes e governados. Allah s.w.t. diz:
O dito dos crentes, quando convocados a Allah e a Seu Mensageiro, para que este julgue, entre eles, é, apenas, dizerem: “Ouvimos e obedecemos”. E esses são os bem-aventurados. [24:51]
No Islam, nenhum homem tem poder absoluto; inclusive o governante, pois seus poderes são restringidos pelos limites estabelecidos pela Legislação Islâmica; se ele se opuser a eles, o povo deve desobedecê-lo e seguir a verdade. O Profeta s.a.w. disse:
É obrigatório para o muçulmano ouvir e obedecer (a autoridade) naquilo que ele gostar ou não, exceto se ele for ordenado a fazer algo pecaminoso. Se ele for ordenado a cometer um pecado, ele não deve ouvir nem obedecer”. [al-Bukhari]
Consulta mútua... o sistema político no Islam é construído sobre isso. Allah s.w.t. diz:
E para os que atendem a seu Senhor, e cumprem a oração, e cuja conduta é a consulta, entre eles, e despendam daquilo que lhes damos por sustento. [42:38]
Allah s.w.t. também diz:
E, por uma misericórdia de Allah, tu, Muhammad, te tornaste dócil para eles. E, se houvesses sido ríspido e duro de coração, eles se haveriam debandado de teu redor. Então, indulta-os e implora perdão para eles e consulta-os sobre a decisão. [3:159]
No primeiro versículo, Allah associa a consulta mútua com as orações, que são a espinha dorsal do Islam. Isto indica a importância de consulta mútua no Islam em todos os assuntos que dizem respeito à Ummah (nação). As pessoas com conhecimento devem ser consultadas nestes assuntos. Ao final da primeira ayah, Allah s.w.t. elogia os crentes em geral por eles se consultarem mutuamente em todos os assuntos.
Na segunda ayah, Allah s.w.t. ordena Seu Mensageiro, que era o Chefe de Estado, a consultar mutuamente seus Companheiros em assuntos de interesse comum para a Ummah (nação) se nenhuma regra aparente sobre o assunto houver sido revelada. Não há consulta mútua quanto aos assuntos que têm regra na Shari’ah. O Profeta s.a.w. disse:
Nenhum povo se consulta mutuamente sem que seja guiado da melhor forma. O Mensageiro de Allah s.a.w. então recitou:
{... e que conduzem seus assuntos através da mútua consulta}” [al-Adab al-Mufrad]
Os sábios estabeleceram a obrigação de o governante consultar o povo em assuntos relativos aos seus interesses. Se ele negligenciar sua consulta, as pessoas devem exigir isso para que possam expressar suas opiniões. Isto é baseado nos versículos mencionados acima, e porque a religião do Islam considera o governante como um deputado que é responsável por cumprir aquilo que lhe foi delegado. Assim o povo deve monitorar de que forma o governante aplica a Lei. O Islam dá a todos a liberdade de expressar suas opiniões e de criticar da maneira que considerarem apropriada, de acordo com os princípios estabelecidos pela religião. Eles não devem fazer isso de uma forma que cause perturbação. O Profeta s.a.w. disse:
Certamente a melhor Jihad é pronunciar uma palavra de justiça diante de um governante tirano” [Abu Dawood & ibn Majaah]
Abu Bakr, o primeiro Califa do Islam, se dirigiu às pessoas dizendo:

Ó povo! Eu fui designado como seu governante apesar de eu não ser o melhor dentre vós. Então se me encontrarem sobre a verdade, me ajudem. Mas se me encontrarem no erro, me corrijam. Me obedeçam enquanto eu obedecer Allah quanto a conduzir seus assuntos. Entretanto, se eu desobedecê-lO, não reivindico que me obedeçam”


Umar ibn al-Khattab, o segundo Califa, subiu um dia no púlpito e se dirigiu às pessoas dizendo: “Ó povo! Se souberem que caí em corrupção... então endireitem-me”. Um beduíno se levantou no meio do povo e disse: “Por Allah! Se soubermos que você se entortou (corrompeu), nós o endireitaremos com nossas espadas”, e ainda assim ‘Umar não ficou bravo nem pensou mal dele. Ele apenas levantou suas mãos para os céus e disse: “Louvado seja Allah Que fez dentre nossa nação uma pessoa capaz de corrigir a tortuosidade de ‘Umar.”
O governante também prestará contas e será questionado. Uma vez, ‘Umar se dirigiu ao povo vestindo duas peças de roupa. Quando ele disse: “Ó povo! Escutai e obedecei”, um homem se levantou e disse: “Nós não ouviremos nem obedeceremos!” ‘Umar r.a.a. perguntou: “E por que não?” O homem respondeu: “Porque você está usando duas peças de roupa e nós estamos usando apenas uma (ele deu uma roupa para cada muçulmano). ‘Umar então gritou o mais alto que podia: “Abdullah ibn ‘Umar (filho dele)! Diga-lhes!Abdullah disse: “É minha roupa que eu dei a ele” O homem então disse: “Agora nós ouvimos e obedecemos”.
Assim o Islam preserva os direitos e a liberdade tanto da sociedade como do indivíduo. Ele protege as fontes da legislação dos caprichos e vontades dos legisladores, pois eles modelam suas legislações com necessidades pessoais e regionais e com as circunstâncias. A Legislação Islâmica não discute outros detalhes menores do governo. Isso com o objetivo de deixar aberta a porta para is muçulmanos criem regras e regulamentos apropriados que se encaixem às suas condições específicas e sirvam ao máximo aos seus interesses em qualquer época e local específico, contanto que tais regras e regulamentos não contradigam os princípios e fundamentos do Islam.

O Aspecto Econômico do Islam
A riqueza é a energia e a base sobre a qual a vida é mantida. A Shari’ah Islâmica objetiva com ela estabelecer uma sociedade equilibrada, na qual a justiça social é sustentada e o indivíduo pode viver uma vida honrável. Allah s.w.t. disse:
As riquezas e os filhos são o ornamento da vida terrena . [18:46]
Como o Islam considera o dinheiro uma das necessidades indispensáveis sem a qual o indivíduo nem a sociedade podem existir, ele ordena que o Zakaah (2,5%) seja retirado do capital dos ricos, se a quantidade necessária da qual ele é retirado está sob posse da pessoa pelo período de um ano lunar. O dinheiro deve ser distribuído entre os pobres. É um direito dos pobres e é proibido negar-lhes isso.
Isso não significa que o Islam abole posses individuais e propriedades privadas; ao contrário, ele as sanciona e as respeita. Existem muitos textos explícitos que proíbem a transgressão contra a riqueza e a propriedade dos outros. Allah s.w.t. diz:
E não devoreis, ilicitamente, vossas riquezas, entre vós. [2:188]
O Islam decretou leis e regulamentos cuja aplicação garante alcançar seu objetivo... fornecer uma vida honrável para cada indivíduo na sociedade islâmica. Alguns desses regulamentos são:
[1] O Islam proibiu os juros, pois não permite que as pessoas explorem os outros nem devorem suas riquezas erroneamente. O Islam tornou a riqueza e a propriedade invioláveis. Devido ao fato de que os juros levam as pessoas a abandonar a generosidade e os leva ao acúmulo de riquezas nas mãos de poucos. Allah s.w.t. diz:
Ó vós que credes! Temei a Allah e deixai o que resta da usura, se sois crentes. E, se o não fizerdes, certificai-vos de uma guerra de Allah e de Seu Mensageiro; e, se vos voltardes para Allah arrependidos, tereis vosso capital. Não estareis cometendo injustiça nem sofrendo injustiça. [2:278-9]
[2] A religião do Islam encoraja as pessoas a dar empréstimos. Também encoraja a pessoa a estender o prazo (para devolução), se ela estiver tendo dificuldade para pagar o empréstimo. Não se deve ser severo com aquele que tenciona pagar seu débito. Quanto àqueles que têm como pagar o débito, mas escolhem não pagar, deve-se tomar uma providência diferente. Allah s.w.t. diz:
E, se um devedor estiver em dificuldade, concedei-lhe espera, até que tenha facilidade. [2:280]
O Profeta s.a.w. disse:
Quem emprestar dinheiro a uma pessoa com dificuldade receberá uma recompensa de caridade para cada dia que der à pessoa. E quem estende o prazo para o devedor que tem dificuldade em pagar um empréstimo receberá uma recompensa de caridade por cada dia que assim fizer.” [Ibn Majaah]
[3] O Islam encoraja que o empréstimo seja perdoado em sua totalidade se for difícil para o devedor pagá-lo. Allah s.w.t. diz:
E, se um devedor estiver em dificuldade, concedei-lhe espera, até que tenha facilidade. E fazerdes caridade vos é melhor. Se soubésseis! [2:280]
O Profeta s.a.w. disse:
Quem deseja que Allah o salve das dificuldades no Dia da Recompensa, que ele estenda o prazo para um devedor ou que perdoe a dívida”. [Muslim]
[4] Acumular e monopolizar qualquer tipo de comodidade é proibido, porque assim o comerciante se empossa de produtos que as pessoas precisam sem vendê-los até que todo o fornecimento diminua, e ele então os vende ao preço que desejar. Isso prejudica tanto o indivíduo como a sociedade, os ricos e os pobres. O Profeta s.a.w. disse:
Quem acumular (comodidades) estaria pecando...” [Muslim]
Abu Yusuf, o aluno do Imam Abu Haneefah, que Allah esteja satisfeito com ele, disse:
Qualquer coisa que é acumulada e se torna comprovadamente prejudicial para as pessoas, é considerada como do tipo proibido de monopólio, mesmo que (a coisa acumulada) seja ouro ou prata. Quem acumular (qualquer coisa que as pessoas precisam) estaria certamente fazendo mau uso do que possui. A razão pela qual o monopólio é proibido é para proteger as pessoas de se prejudicarem, pois por certo, as pessoas têm muitas necessidades diferentes, e monopolizar nisso seria impor dificuldade sobre as pessoas.”
Um governante deve forçar aquele que acumula comodidades a vendê-las por um preço razoável que não seja prejudicial nem para o comerciante nem para os clientes. Se o monopolista se recusar a vender desta forma, o governante deve tomar posse das comodidades acumuladas e vendê-las pelo preço razoável de forma a prevenir aqueles que estejam pensando em explorar as pessoas de monopolizar os bens dos quais elas precisam.
[5] O Islam proibiu impostos cobrados de um comerciante para permitir que ele venda seus produtos ou para que importe para outro país. O Profeta s.a.w. disse:
Aquele que recolhe impostos dos comerciantes não entrará no Paraíso.” [Ahmad & Abu Dawood]
Esse imposto é considerado como receber dinheiro ilegalmente e dá-lo àqueles que não o merecem. Todos que contribuem para esse imposto, incluindo cobradores, escrivães, testemunhas e recebedores caem no dito do Profeta s.a.w.:
Nenhuma carne cresce a partir de coisas ilícitas será admitida no Paraíso. O Inferno terá a melhor reivindicação dela” [at-Tirmidhi]
[6] O Islam proibiu o acúmulo de riqueza e o não gasto dela com os direitos de Allah; ambos indivíduo e sociedade se beneficiariam disso. A riqueza deve circular na sociedade para estimular a economia, e com isso todos os indivíduos dentro da sociedade se beneficiariam. Allah s.w.t. diz:
E os que entesouram o ouro e a prata e não os despendem no caminho de Allah, alvissara-lhes doloroso castigo. [9:34]
Como o Islam respeita a propriedade individual, ele impõe direitos e deveres sobre ela. Dentre elas estão obrigações relativas ao proprietário, tais como ele deve cuidar de si e de seus dependentes, parentes e aqueles que ele mantém. Há outros direitos relacionados aos indivíduos na sociedade, como o dever de pagar o Zakaah, dar em caridade e ajudar os outros. Outras obrigações referem-se à sociedade como um todo, como o dever de construir escolas, hospitais, orfanatos, mesquitas e outras instalações que beneficiariam a sociedade. O que se busca com isso é que os recursos não fiquem acumulados nas mãos de poucos dentro da sociedade.
[7] Proíbe dar menos na medida e no peso, pois isto é um tipo de roubo, trapaça e enganação. Allah s.w.t. diz:
Ai dos fraudadores, que, quando compram algo, por medida, aos homens, a exigem exata, e, quando lhes vendem algo, por medida ou peso, fraudam-nos. [83:1-3]
[8] Proibiu domínio de uma posse pública, como a água ou pastagens abertas, que não pertencem à ninguém; e também proibiu prevenir as pessoas de se beneficiar delas. O Mensageiro de Allah s.a.w. disse:
Há três pessoas com quem Allah não falará no Dia do Juízo nem para quem não olhará. Uma pessoa (comerciante) que jurou falsamente ter comprado um produto por um preço maior que aquele pelo que (o comprador) o comprou, uma pessoa que jura falsamente pelo (tempo sagrado de) ‘Asr (a tarde) para usurpar o dinheiro de um muçulmano, e um homem que recusar dar um excedente de água. Nesse dia, Allah dirá a ele: ‘Hoje eu nego a você a Minha Graça assim como você negou o excedente de suas necessidades, mesmo você não sendo criador delas’” [al-Bukhari]
O Profeta s.a.w. disse:
Todos os muçulmanos tem parcelas iguais em três coisas: pastagem, água e fogo.” [Ahmad]
[9] A Religião do Islam trouxe um sistema de herança através do qual a riqueza é distribuída entre os herdeiros legais de um homem; sejam eles jovens, velhos, homens ou mulheres. Ninguém tem o direito de distribuir a herança de qualquer maneira. Um dos benefícios desse sistema é que ele divide os estados não importando seu tamanho quando for dividida em partes menores, tornando, desta forma, impossível que o dinheiro fique estagnado com um certo grupo. O Profeta s.a.w. disse:
Por certo, Allah deu à cada pessoa seu direito. Então que nenhum de vós deixe algo para alguém a quem já tenha sido destinada uma porção da herança”. [Abu Dawood & at-Tirmidhi]
[10] O Islam legislou doações, que são de dois tipos:


  1. Doações privadas limitadas à família e aos filhos do doador para protegê-los da pobreza e de ter que pedir esmola. A condição para sua validade é que a doação deve servir para causas caridosas após cessar a descendência do doador.

  2. Doações de caridade pública que são usadas para manter causas caridosas, tais como construir hospitais, escolas, ruas, livrarias públicas, mesquitas, casas de assistência social para órfãos, menores abandonados e idosos, e tudo isso é de interesse público.

[11] A Religião do Islam legislou um sistema de transmissão; assim, todo muçulmano tem o direito de transferir uma porção de seu dinheiro para ser usado após sua morte para propósitos virtuosos. A religião limitou esta porção para um terço, para que os herdeiros não sejam prejudicados. Aamir bin Sa’d r.a.a. disse:


O Profeta s.a.w. me visitou enquanto eu estava doente em Makkah. Eu disse a ele, ‘Eu tenho alguma riqueza, posso deixá-la por inteiro (para caridade)?’ Ele respondeu, ‘Não’, Eu disse, ‘E metade dela?’, Então eu disse, ‘Um terço?’, Ele respondeu, ‘Um terço, e um terço é muito. Se você deixar seus herdeiros ricos isso seria melhor para eles do que deixá-los pobres. O que você gastar será um ato de caridade para você, até mesmo um bocado de comida com que você alimente sua esposa. Talvez Allah eleve seu status e faça com que algumas pessoas se beneficiem de você, ou que faça com que se prejudiquem’” [al-Bukhari]
[12] o Islam proibiu tudo que cai sob as palavras de Allah:


1   ...   5   6   7   8   9   10   11   12   13


©livred.info 2019
enviar mensagem

    Página principal