A história da Medicina Portuguesa



Baixar 23,91 Kb.
Encontro27.05.2017
Tamanho23,91 Kb.

6ª aula. História da Medicina. FMUP. A Medicina Portuguesa até ao séc. XVII



A História da Medicina Portuguesa.

Da fundação ao séc. XVII.

Baseado na aula leccionada pela Prof.ª Amélia Ferraz

13 de Maio  2005

A História da Medicina em Portugal acaba por ser o reflexo, mais ou menos nítido, da História da Medicina Internacional.

Do período Neolítico encontram-se também crânios trepanados, discos de trepanação e amuletos, bem como microsílicas utilizadas em pequenos actos cirúrgicos.

Depois chega o período proto-histórico dos Lusitanos, que veneravam vários deuses, dos quais se salienta o da Medicina: o deus Endovélico.

Assim como os egípcios, os Lusitanos tinham muitas estelas (pedras encostadas à parede) com imagens e escritas variadas, e mesmo homenagens ao deus Endovélico.

Do séc. II ao séc. V temos o exponente máximo da medicina grega e romana que nos é trazida pelos Romanos. Assiste-se à construção de condutas de água e termas, de sistemas de saneamento pioneiros. É um período muito forte na hidroterapia, na utilização das águas com fim medicinal.

Os Romanos foram sobretudo higienistas, compreendendo que a medicina deve ter por objectivo a beneficiação da Vida humana.

Nos locais de enterramento de militares romanos encontram-se também objectos pessoais, para além das armas, tendo já sido encontrado um estojo com instrumentos cirúrgicos em bronze.

É interessante ver que só na Grécia é que a Medicina e a Cirurgia estavam unidas, enquanto que a sua separação permaneceu em Portugal até à Escola Médico-Cirúrgica (1836).

Mais tarde, a filha de D. Afonso VI, D.Teresa, ao casar com o conde D. Henrique, recebeu como dote um território vasto que ia do Minho ao Tejo – o Condado Portucalense. D.Afonso Henriques, seu filho, lutaria contra a mãe pela sua independência e, após a vitória de S. Mamede, tornar-se-ia o primeiro rei de Portugal.

Entretanto, com a criação do Condado Portucalense, dá-se a entrada das Ordens Religiosas, às quais coube durante muito tempo o papel do ensino e assistência médica, cópia e tradução dos livros e a criação dos jardins botânicos. A um Mosteiro estava muitas vezes associado um pequeno hospital, ou uma escola: a de Alcobaça foi a primeira escola pública do país.

Em 1130, no Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra surge a primeira escola médica do país. D.Mendo Dias, religioso português, voltou do estrangeiro com um curso de Medicina, graças a uma bolsa de D. Sancho I, e leccionou aí a primeira aula de Medicina.

No entanto, só em 1290 foram criados por D. Dinis os Estudos Gerais em Lisboa – a primeira Universidade – sem beneficiar directamente os estudantes de medicina. No século XVI a universidade fixa-se no Palácio Real, onde vai permanecer.

É deste período um grande vulto da Medicina portuguesa: Pedro Hispano ou Pedro Julião, nascido no séc. XIII na freguesia de S. Julião em Lisboa. Foi professor de Medicina em Itália e Papa João XXI durante apenas 6 meses, vindo a falecer com a queda da abóbada de sua casa. Deixou vários livros: o mais famoso “Thesaurus Pauperum” – o Tesouro dos Pobres, a arte de curar pensada para os iletrados: era uma colectânea de receitas em versos simples para serem facilmente decoradas, e o povo se conseguir tratar a si próprio. (Também Garcia de Orta escreveu com um intuito pedagógico um livro em diálogo.)

Consta que uma das suas terapêuticas curou Miguel Ângelo de uma doença ocular. Foi pioneiro no seu Tratado de Oftalmologia. Escreveu também sobre as ideias do tempo em termos hipocráticos, galénicos e árabes. É famoso o seu Tratado de Psicologia, “De anima”, sobre a alma.

Geralmente ligado em apêndice ao Thesaurus de Pedro Hispano, vinha o “Regimen sanitatis” de Arnaldo de Vilanova (séc.XIII).



Até ao século XVI, o número de cadeiras foi aumentando: no fim do séc. XV ainda só havia duas cadeiras (a prima e a vespera), mas ao longo do séc. XVI suceder-lhes-iam as cadeiras de Filosofia natural, Avicena, a primeira Catedrilha, a Anatomia e a Cirurgia. Havia dissecção, mas só em animais. Era um ensino livresco, teórico, onde se dava Galeno, Hipócrates e os Árabes. O lente lia os livros da cadeira.

As farmácias eram essencialmente conventuais, e era dominante a Medicina Religiosa, dando-se importância à intercessão dos santos na cura de determinadas doenças, principalmente em epidemias, como a lepra. A lepra, com as Cruzadas, atingiu proporções epidémicas, surgindo locais específicos para o isolamento dos doentes leprosos, as Gafarias ou Gafanhas.

Os primeiros livros impressos, os Incunabos, eram muitos parecidos, quanto à forma gráfica de apresentação da escrita, com os livros manuscritos, os Papiros. A primeira letra do primeiro capítulo, a letra capital, era sempre ampliada e com um desenho simbólico.

Como já vimos, junto aos Mosteiros havia sempre pequenos hospitais, centros de assistência para doentes, mas também para peregrinos, pobres e crianças abandonadas. A grande maioria dos centros de assistência eram pequenas albergarias, normalmente localizadas em caminhos para sítios de peregrinação.

No Porto também existiam albergarias, não só ao longo do rio, como forma de apoio nos locais de desembarcações, mas também no sentido de Santiago de Compostela.

Esta dispersão dos locais de assistência impossibilitava, a nível administrativo, a melhoria dos cuidados prestados. Só nos finais do séc. XV / inícios do séc. XVI é que se assistiu, com a criação das Misericórdias pela Rainha D. Leonor, à unificação dos centros de assistência médica. A ideia teria sido sugerida à Rainha pelo seu confessor, Frei Miguel de Fronteras (?).

A primeira Misericórdia foi construída em Lisboa, no ano a seguir no Porto, e outras as sucederam pelo país.

Aparece em Lisboa, em 1604, o famoso Hospital Real de Todos os Santos. Tem este nome porque resultava, como foi falado, da aglutinação das várias albergarias. Cada uma era da responsabilidade de Ordens diferentes e tinha o nome de um Santo diferente. Para que não houvesse privilégio de um Santo em detrimento de outro, o nome adoptado foi “de Todos os Santos”. Tinham sempre uma igreja, e os doentes tinham assistência do corpo e da alma: podiam inclusivamente assistir à missa sem se levantarem. Aqui se desenvolvia primordialmente o exercício e o ensino da Cirurgia em Portugal. Era perto da Praça da Figueira, e com a construção do Metro foram encontrados vários vestígios arqueológicos.

Os doentes frequentavam também a “Casa das Águas”, onde era pormenorizadamente observado o aspecto da urina pelo provedor (mmm...), médico ou cirurgião: a chamada uroscopia. Os doentes tinham, como pré-requisito, de se confessar antes da consulta.

No Porto, o primeiro grande hospital surgiu no século XVII, em 1605, na rua das Flores perto da Albergaria de D. Roque Amador (uma das casinhas de assistência médica): o Hospital de D. Lopo. Para o suceder, o Hospital de Santo António aparece apenas no séc. XVIII, e ficaria sempre algo inacabado. No entanto, está bem descrita a procissão de transferência dos doentes do Hospital de D.Lopo para este, em que a rua foi festivamente enfeitada com flores.

Ainda no Porto, o primeiro Hospital de Epidemiados era sediado na ainda existente Torre de Pedro Cem, para isolamento dos doentes com doenças epidémicas. É interessante ver que, apesar de não se conhecer ainda a existência de microrganismos e a etiologia do contágio, havia a noção de que existia este contágio. Era algo de negativo, que tornava necessário queimar as roupas, colocar troncos aromáticos a arder nas ruas, fazer procissões pelas estradas para acalmar a força das doenças, e colocar gado na rua para inspirar os miasmas libertados pelos doentes e purificar o ambiente.

Noutros sítios onde os portugueses estiveram também criaram hospitais famosos: o Hospital de Goa era considerado dos melhores, em que os doentes recebiam uma alimentação riquíssima e dormiam em lençóis de seda. Os alunos da Escola Médico-Cirúrgica de Goa vinham apenas terminar os seus estudos a Portugal. Outras Escolas Médicas e Hospitais existiam nas colónias: em S.Paulo no Brasil, em Macau, etc.

Os portugueses tinham também, nesta época, grande escolas de Cartografia, que elaboravam mapas com representações de pormenor (árvores, pessoas casas). Também mostravam as belezas do novo mundo.

No séc. XVI, XVII e XVIII, grande parte dos farmacêuticos e médicos portugueses eram de origem hebraica, mas saíram do país por intolerância religiosa. Deixaram no estrangeiro obras fantásticas, principalmente na zona de Flandres. No entanto gostavam de reafirmar as sua raízes, adoptando no nome, por exemplo, o apelido “Lusitano”.



Um exemplo era Amato Lusitano, de verdadeiro nome João Rodrigues de Castelo Branco, que viveu no séc. XVI. Contribuiu para a definição da circulação sanguínea. Escreveu 7 Centúrias, com 100 casos clínicos cada, e acabou por morreu na Grécia.

Leu-se depois um caso clínico de uma das Centúrias com a descrição da utilização de velas para alívio dos apertos da uretra.

Página de




©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal