A federaçÃo e o correio do povo: os indígenas na mídia impressa



Baixar 87,23 Kb.
Encontro10.09.2017
Tamanho87,23 Kb.

A FEDERAÇÃO E O CORREIO DO POVO: OS INDÍGENAS NA MÍDIA IMPRESSA

Cíntia Régia Rodrigues1


Resumo

O presente trabalho visa apresentar a imprensa sul-riograndense na construção da imagem do índio, no período que compreende o surgimento do jornal A Federação e o Correio do Povo até o ano de 1910, quando da criação do SPILTN (Serviço de Proteção aos Índios e Localização de Trabalhadores Nacionais). O Jornal A Federação, nasceu em Porto Alegre em janeiro de 1884 e circulou até o ano de 1937, era um órgão do PRR (Partido Republicano Rio-Grandense). O jornal Correio do Povo, “um jornal que se propunha informativo”, foi criado em outubro de 1895 em Porto Alegre. Os jornais devem ser entendidos como instrumentos pelos quais a sociedade produz modelos, reflexões e representa percepções de época. Serão vislumbrados, em tendências gerais, os fundamentos dos respectivos jornais citados e seu posicionamento em relação ao indígena, para a sociedade sul-riograndense. Palavras Chave: IMPRENSA - SOCIEDADE SUL-RIOGRANDENSE - ÍNDIO – IMAGEM.


Abstract

The present work aims at to present the press south-riograndense in construction of the image of the indian, in the period that the sprouting of the periodical understands “A Federação” e “Correio do Povo” year of 1910, when the “SPILTN”( Serviço de proteção aos Índios e Localização de Trabalhadores Nacionais) was created. The Periodical “A Federação”, it was born in Porto Alegre in January of 1884 and circulated at year of 1937, was organ from PRR (Partido Republicano Rio-Grandense). The ‘Correio do Povo”, um periodical that if considered news, was created in October of 1895 in Porto Alegre. The periodicals must be understood as instruments for which the society produces models, reflections and represents time perceptions. They will be glimpsed, in general trends, the beddings of respective cited periodicals and its positioning in relation to the aboriginal, for the society south-riograndense Words Key: THE PRESS - SOCIETY SUL-RIOGRANDENSE –INDIAN - IMAGE.

O estudo da imprensa vem afirmando-se como importante fonte para as construções da história, interrelacionando-se com as práticas políticas, econômicas, sociais e mesmo com as correntes ideológicas dos mais diversos setores da sociedade.2

Algumas correntes afirmam: que existe um problema no trato para com os jornais pelos historiadores, no que tange à falta de uma crítica ao conteúdo jornalístico e sua utilização.3 Por isso, ressalta-se que os jornais devem ser apreendidos enquanto fontes históricas, não como “expressão da verdade” de uma época ou como condutores imparciais na “transmissão de informação”, mas como um dos instrumentos pelos quais a sociedade produz modelos, reflexões e representa percepções de época. Conforme Clifford Geertez em sua obra “A Interpretação das Culturas”, não existe um documento totalmente imparcial, pois todo relato já é, em si, interpretação, reelaboração para Geertz, “(...) no fundo da base fatual, a rocha dura, se é que existe uma, de todo empreendimento, nós estaríamos sempre explicando e, o que é pior, explicando explicações”4.

Durante o século XIX, no Rio Grande do Sul e no restante do país, a imprensa era de caráter partidário, ou como caracteriza Alves5, praticava-se um jornalismo opinativo. Ainda como destaca Alves6, durante todo o século XIX, a imprensa escrita figurou como o principal meio de comunicação entre a sociedade sul-riograndense. Figuravam, ao lado dos pasquins, as folhas noticiosas e as literárias, que surgiram a partir das preocupações com a cultura, a ciência e as humanidades.

Cabe enfatizar que não há um só jornal neste período que tenha sido fruto de iniciativa particular, todos eles estavam filiados aos partidos políticos dominantes. Para Alves, a imprensa do século XIX caracterizava-se:

Como meio de comunicação mais eficaz na difusão de informações e opiniões, ao longo do século XIX, a imprensa escrita teve um papel significativo na formação dos hábitos, dos gostos, das atitudes, dos desejos e, enfim da opinião pública, de modo a constituir-se num instrumento de manipulação de interesses e intervenção na vida social.7

Porém, entende-se que esta afirmação deve ser relativisada, posto que os jornais, no período em questão (1884-1910), não poderiam ser fontes amplamente utilizadas por toda a sociedade sul-riograndense, pois havia um custo para se adquirir um jornal e, além do mais, o processo de alfabetização no estado não era realizado em larga escala, não havia muitas escolas; a maioria era freqüentada por filhos de indivíduos influentes, que detinham um capital econômico expressivo.8

Então, o jornal era um artigo de luxo, lido por pessoas de cabedal. E não se sabe até que ponto a imprensa criava modelos com potencialidade de intervir na vida social de todo o conjunto da sociedade sul-riograndense9; sobre as camadas mais abastadas e ou letradas, no entanto, sua influência era inquestionável.

No trabalho com a imprensa, é necessário vislumbrar que o segmento da imprensa, com o qual se está trabalhando, era elaborado por uma “elite” composta por indivíduos influentes. É pertinente destacar que existem vários tipos de elite, como por exemplo: a econômica, a política, a administrativa, a intelectual. De acordo com Heinz, “Elite seria um termo empregado em um sentido amplo e descritivo, com referência a categorias ou grupos que parecem ocupar o “topo” de estruturas de autoridade ou de distribuição de recursos”.10

Utilizando-se da linguagem, a imprensa tem a capacidade de determinar valores morais, ser direcionada para incendiar paixões políticas, classificar, justificar categorias e grupos sociais, isso é “um ato de poder”, como se encontra em Bourdieu.11 Desta forma, vislumbra-se que a imprensa detinha “poder” perante a sociedade, não pela violência, pois a imprensa não deve ser vista apenas como um elemento de repressão, mas também como uma “força” que gera reflexões, induz ao prazer, forma opiniões e produz discursos.12 O discurso é considerado histórico quando “produz em condições determinadas e projeta-se no futuro, mas também é histórico porque cria tradição, passado, e influencia novos acontecimentos”.13

Aliado a isso, Schaff14, afirma que, o conhecimento é um processo, em que existe um sistema de referências, ocorrendo a seleção ou reunião de fatos. Logo é, pertinente destacar que a interpretação das informações adquiridas na imprensa também está condicionada aos significados que se detém, dependendo de onde o indivíduo esteja posicionado socialmente, posto que os grupos formam consensos, que por sua vez formarão o tecido social mais amplo com seus consensos e suas tensões.

Outro ponto importante quando do trabalho com a imprensa, centra-se no próprio “silêncio” dos jornais em alguns períodos, como destaca Orlandí: “O silêncio é assim a “respiração” (o fôlego) da significação; um lugar de recuo necessário para que se possa significar sobre espaço para o que não é “um”, para o que permite o movimento do sujeito”.15 Entende-se por silêncio nos jornais a ausência de informações de um determinado assunto, no caso em questão, sobre os índios, em determinados períodos, posto estarem presentes no cenário regional, porém, não estavam sendo reportados pela imprensa. Esta ausência leva à indagação dos motivos que estavam por trás desta política de omissão dos jornais para com a questão indígena, pois as notícias referentes ao indígena, em determinados períodos, eram escassas.

A própria política pouco operante do governo federal em relação ao índio, é um fator que pode haver influenciado em alguns períodos de silêncio, por parte da imprensa, mesmo assim o índio ainda aparecerá mais na imprensa, durante o século XIX e início do XX, que nas políticas estatais.

A partir das três últimas décadas do século XIX, ocorre um grande desenvolvimento da imprensa gaúcha acompanhando o movimento nacional. Desta forma, as práticas jornalísticas se expandem. Além disso, com o aprimoramento das técnicas, passam a existir grandes e pequenos jornais, os primeiros com mais recursos financeiros e mais organizados, os segundos, com mais dificuldades para se expandir. Nesta etapa de especialização da imprensa sul-riograndense surgiram periódicos que visavam determinados grupos da sociedade.16

A Federação – Um jornal político-partidário


O Jornal A Federação17, nasceu em Porto Alegre em 1º de janeiro de 1884 e circulou até o ano de 1937. Como já descrito anteriormente (primeiro capítulo), este jornal era um órgão do PRR (Partido Republicano Rio-Grandense) e suas bases estavam alicerçadas no positivismo.18 O PRR utilizava o jornal para disseminar seus ideais positivistas. A Federação articulava, em suas publicações, questões políticas ligadas ao Estado e ao país, além de apresentar as ocorrências policiais, trazendo ainda alguns anúncios, geralmente para vender e comprar escravos. Circulava em Porto Alegre de segunda a sábados nos anos pesquisados. O período pesquisado vai de 1884 a 1910, quando se cria o SPILTN (Serviço de Proteção aos Índios e Localização de Trabalhadores Nacionais).

Nesse jornal encontra-se notícias referentes ao indígena de todas as partes do Brasil, e não apenas do Estado do Rio Grande do Sul. Aliás, o maior número de ocorrências advém de outros Estados, no caso específico sul-riograndense, havia poucas chamadas. Dos outros Estados da União encontrou-se 37 notícias referente aos indígenas, já no Rio Grande do Sul, encontrou-se 7 notícias. Dentre o período de 1884 a 1910, encontrou-se então, 44 chamadas ao total.



A Federação firmava suas raízes na ideologia positivista, sendo que foram detectadas no jornal 33 notícias que se enquadravam nos preceitos comteanos em relação ao indígena.

O PRR utilizou-se do jornal para tratar sobre o órgão criado em 1908 (Diretoria de Terras e Colonização):



O nosso amigo dr. Carlos Torres Gonçalves, director da Diretoria de Terras e Colonisação, já fez entrega ao nosso amigo dr. Candido de Godoy, secretario das Obras Publicas do seu copioso e interessante relatorio sobre os indigenas do Rio Grande do Sul. Neste trabalho, que consta de muitas paginas, vem tratando desenvolvidamente os toldos do rio Ligeiro e Fachinal relação entre os ocidentaes e os indigenas, informações sobre a vida e os costumes delles, situação e população dos diversos toldos do Estado, que o dr. Torres Gonçalves calcula, pelos dados que colheu na sua recente visita aos toldos, em cerca de 300 habitantes. O director de Terras e Colonisação propõe ao governo do Estado, para que todo o serviço de protecção fraterna aos indigenas deste Estado, passe para a Directoria de Terras e Colonisação, e que melhormente poderá attendel-o, intervindo junto aos toldos, seja directamente, seja por intermedio das commisões respectivamente mais proximas, a elle subordinada.19

A efetiva criação do SPILTN em 1910, vem unir-se dentro de uma proposta, uma política nacional para os indígenas que, deveria acabar com o problema fundiário, aldeando-os e assim abrindo espaço para as frentes nacionais e aos propósitos positivistas de civilização do índio. Neste âmbito abriu-se um grande espaço na primeira página da A Federação para os pronunciamentos do representante do governo federal e do presidente do SPILTN, Rondon20, dentre outros.

Este jornal abria espaço para fatos importantes, como à solicitação dos índios ao governo federal ou estadual, de providências contra invasões de colonos em locais habitados pelos mesmos. Pois, como citado anteriormente, o avanço da sociedade nacional fez com que os índios, gradativamente, fossem rechaçados das terras que ocupavam. A seguir elenca-se um apelo indígena ao Estado referente ao fato acima mencionado:

Achavam-se em São Paulo, há dias indios da tribu guarany, que vivem no antigo aldeamento de São João Baptista do Rio Verde, proximo a Itaporanga. Elles foram, com o seu chefe, falar ao dr. Bernardino de Campos, presidente do Estado, afim de solicitar auxilios de modo a não serem perturbados na posse dos terrenos que cultivam e onde vivem. Queixam-se os indios guaranys de ainda não terem podido falar com o presidente – o seu maior desejo; confiavam em que, falando directamente a s. ex., teriam as providencias que desejavam. O chefe,em conversa no Diario Popular, disse que aquelles que lhes querem tirar as terras que cultivam são homens poderosos que mandam em todos: queixaram se ao delegado de policia, e este, além de dar pancada no capitão Joaquim de Almeida, chefe da tribu, mandou pol-o no xadrez, ameaçando de espancal-o mais, si tornasse a aborrecel-o. O aldeamento conta cerca de 800 pessoas que se mostram descontentes com as auctoridades.21

O Correio do Povo – Um Jornal informativo


O Correio do Povo22, um jornal que se propunha informativo23, como citado anteriormente, foi criado em 1º de outubro de 1895 por Francisco Antonio Vieira Caldas Júnior, em Porto Alegre. O jornal circulava em Porto Alegre semanalmente, com exceção dos domingos. Acredita-se que o referido jornal, não esteve totalmente alheio as questões partidárias, ou seja, pode-se imaginar que este, teria algum vínculo com algum extrato da sociedade sul-riograndense. Como destaca Chagas24, “o jornal se pretende independente, defendendo as elites agrárias”.

Como a característica do jornal denuncia, o Correio do Povo visava informar. Para tanto, suas colunas eram repletas de informações para a comunidade, as notícias eram variadas conforme o próprio contexto que pairava no ar. O período que foi analisado no jornal vai de 1895, ano de sua fundação, a 1910, quando é criado o SPILTN (Serviço de Proteção aos Índios e Localização de Trabalhadores Nacionais), iniciando uma nova fase na política indígena nacional, já caracterizado anteriormente.

Quanto à questão indígena, esta era tratada, na maior parte das vezes, na seção dos diversos, na qual havia uma infinidade de informações ao leitor. Raras vezes, a questão indígena merecia a primeira página, apenas quando os índios cometiam alguma atrocidade ou quando da criação do SPILTN em 1910. Neste ano, houve uma grande repercussão desse fato, sendo dado amplo espaço no Correio do Povo para os discursos do governo federal referente ao assunto. Encontrou-se 21 chamadas referentes aos indígenas no jornal, destas apenas 4 notícias eram sobre os índios no Rio Grande do Sul. Dentre o período de 1895 a 1910.

O “Bom e Mau Selvagem na Imprensa Sul-Riograndense


Cabe enfatizar que a própria designação “Índio” foi dada pelos espanhóis quando da conquista da América , e era atribuída aos povos nativos que aqui viviam, imaginando que haviam chegado às Índias, conforme Caleffi: “Índio, assim, corresponde a uma clara projeção inicial do imaginário de Colombo e seus companheiros, seguida de uma construção constante. Ou seja, índio é um objeto socialmente construído”.25

Como se percebeu ao longo do processo de colonização da América espanhola e portuguesa, construiu-se uma identidade para as populações nativas. Esta identidade atribuída26 foi fruto do próprio eurocentrismo e egocentrismo que permeava todas as ações do homem europeu na América, isto é, as construções de “índio” foram estruturadas a partir dos signos e significados que estavam contidos na própria cultura européia.

Sabe-se que, ao longo de toda a colonização, os povos nativos da América eram tidos como “bons selvagens” ou como “selvagens”. Estas duas imagens diversas e contraditórias dos índios foram sendo construídas desde os primeiros contatos dos europeus com as populações nativas do Novo Mundo, sendo perpetuadas ao longo de toda a colonização da América pela historiografia mundial.27

Pode-se, então, afirmar que existem duas imagens de índio: o bom e mau. Aliado a isso, foi acrescido a identidade atribuída “Índio” à palavra selvagem.28Percebe-se, então, que a questão indígena, desde os primórdios da colonização, esteve ligada a imagens preconceituosas, deturpadas e intolerantes, criadas pelos europeus e tidas como verdades29, e ainda muito disseminadas pela opinião pública nos dias atuais.

No período trabalhado, que corresponde 1884 a 1910, na imprensa sul-riograndense, nota-se claramente nos jornais pesquisados, A Federação e o Correio do Povo, as duas imagens em questão: o Bom selvagem, aquele que detinha qualidades e estava na infância da humanidade, estando subjugado perante a sociedade, e o Mau selvagem, este que matava, agredia, e era um empecilho ao desenvolvimento da sociedade e retardava o progresso em todos os aspectos, mas principalmente no econômico, pois não trazia nenhum benefício à sociedade.

Neste caso, serão apresentadas notícias sobre os indígenas, nas quais convergem para dois pólos de imagens, já citadas anteriormente.

As notícias retratadas nos dois jornais pesquisados30, A Federação e o Correio do Povo, sobre o índio, em sua maioria, eram matérias retiradas de outros jornais, vindos, principalmente, de São Paulo e do Rio de Janeiro. Neste caso, a notícia era reproduzida na íntegra. Assim, algumas vezes, os dois jornais em questão traziam a mesma notícia, advinda de outras capitais brasileiras, referentes aos indígenas. Têm-se também notícias sobre os indígenas no Rio Grande do Sul. O número de notícias encontradas sobre o índio no período desta pesquisa (1884 a 1910), foram 65 chamadas, destas apenas 11 ocorrências advêm do indígena do Rio Grande do Sul.

Através deste números de notícias a respeito do índio, daria uma média anual de 2,4 notícias por ano, porém, ressalta-se que esta média anual pode passar uma conclusão enganosa, posto que, como se disse anteriormente, havia longos períodos de silêncio, em relação ao indígena e outros onde as notícias eram mais freqüentes.

No corpo do texto optou-se em descrever as notícias que nos pareceram mais relevantes ou exemplares. No entanto, salienta-se que as conclusões sobre as imagens do índio refletidas na imprensa sul-riograndense foram realizadas sobre o material total da pesquisa .

O “Bom Selvagem” foi retratado nos jornais pesquisados dependendo do contexto regional e nacional político e econômico vigentes. Dessa maneira, a imprensa relatava os protestos “civilizados” dos indígenas contra os colonos perante o governo federal ou estadual. Além disso, fazia menção a apresentações culturais dos índios bons, descrevia ainda, os esforços empreendidos pelo governo ou particulares para a efetiva catequização dos índios. Vale lembrar que o saldo positivo da catequização dos índios era mostrado exaustivamente pela imprensa como uma espécie de afirmação dos órgãos públicos de que sem dúvida, a “civilização” dos índios era um sonho palpável para a sociedade nacional.

Nos jornais, foram encontradas algumas atividades culturais realizados pelos indígenas ou pela sociedade para com os índios, demostrando que o índio poderia tornar-se “civilizado”:

Devem lembrar-se os leitores que há dias demos noticia de que, procedente de Nonohay, havia chegado á colonia de Sobradinho, municipio da Soledade, um grupo de 14 indios, entre homens , mulheres e creanças(...)Esses bugres chegaram a esta cidade e se acham actualmente nas immediações do Amorim, onde armaram tendas(...)Pretendiam elles dar dois espectaculos na Cachoeira, que constarão de dansas, contos guaranys e outras interessantes diversões. Ao ar livre, vão elles fazer um exercício, atirando fechas(...)No pateo do hotel Central, ás 5 horas da tarde de hoje, terá logar a estreá do grupo de bugres, que ora nos visita, sendo o programma o seguinte:1º apresentação dos bugres, 2º atiradas de fechas ao ar por bugrinhos, e 3º contos guaranys.31


Chama-se a atenção aqui para a classificação dos guaraní, como bugre, isto é raro pois, geralmente bugre é usado justamente para os grupos que não são de origem Tupi-Guaraní.

Em outro trecho da imprensa, precisamente no jornal A Federação, encontrou-se um segmento, no qual a chamada da primeira página já traz o índio como civilizado, ou seja, já sabia ler e escrever, já se vestia como um civilizado:

Na Associação dos Empregados no Commercio do Rio Grande, houve (...), uma audição da banda de musica dos indios bororós corôados, cujas tribus, em numero de dez mil pessoas, vivem errantes pelas selvas do longinquo Estado de Matto Grosso. O grupo a que nos referimos, foi catechisado pelos padres salesianos, fundadores de varios collegios naquella região e segue para o Rio, onde far-se á ouvir na próxima exposição nacional(...). Os bororós de que tratamos fallam uma mistura de portuguez e guarany, lingua esta peculiar a esse povo. Sabem ler, escrever e possuem noções rudimentares de arithmetica. Aos que não pertecem a sua raça dirigem-se sempre em idioma portuguez. Andam vestidos á europêa.32
De acordo com as pesquisas realizadas, foram inúmeras as denúncias por parte dos indígenas quanto ao abuso dos colonos em relação as terras habitadas por aqueles. Os indígenas dirigiam-se ao governo federal e estadual para que alguma providência fosse tomada:

Acham-se em São Paulo, há alguns dias da tribu guarany, que vivem no antigo aldeamento de S. João Baptistaa do Rio Verde, proximo a Itaporanga. Elles foram, com o se chefe, falar ao dr. Bernardino de campos, presidente do Estado, afim de solicitar auxilios de modo a não serem perturbados na posse dos terrenos que cultivam e onde vivem. Queixam –se os indios guaranys de ainda não terem podido falar com o presidente – o seu maior desejo; confiavam em que, falando directamente a s. ex., teriam as providencias que desejavam. O chefe, em conversa no Diario Popular, disse que aquelles que lhes querem tirar as terras que cultivam são homens poderosos que mandam em todos: queixaram-se do delegado de policia, e este, além de dar pancada no capitão Joaquim de Almeida, chefe da tribu, mandaou pol-o no xadrez, ameaçando de espancal-o mais, si tornasse a aborrecel-o. Diziam elles que o que se pretende é que elles abandonem as terras(...).33


A partir do total de notícias, que encontrou-se sobre o indígena, constatou-se que das 65 chamadas, já citadas anteriormente, 50 descreviam o índio como um “bom selvagem”.

O “Mau Selvagem”construído na imprensa sul-riograndense, no período trabalhado cometia atrocidades infindas, principalmente, com os colonos, que eram considerados suas maiores vítimas. As violências empreendidas pêlos índios eram descritas em seus mínimos detalhes. Não se economizava nos adjetivos utilizados para retratar os selvagens e os seus feitos nocivos à sociedade.

As violências atribuídas aos indígenas eram cometidas para com os diversos segmentos da sociedade, adultos e crianças não escapavam do ódio e da crueldade indígenas. Foram, também retratados ataques de índios bravios contra índios mansos. Houve casos em que os índios aprisionavam indivíduos:

O nosso colega Progresso, de Montenegro, noticiou, há dias, ter ali chegado Henrique Zipp, moço que fizera a pé a viagem do Matto Grosso áquella localidade. Conta aquelle ter sido Zipp aprisionado pelos selvagens taipins, dos quaes conseguiu elle fugir, depois de haver estado ao serviço dos mesmos durante cêrca de um anno.34


Na imprensa, foram encontradas passagens cruéis, em que os índios atacam para matar:

Noticiam de Belém, no Pará, que os indios tapajós trucidaram o collector das rendas federaes em Matto Grosso Thomaz Carneiro, o alferes Ernesto Carnerio, commandante do destacamento, cinco praças deste e uma mulher. Depois de fazerem uso das flechas, arrancaram a facão os intestinos das victimas.35

Noticiam do Pará que os indios – urubus – assassinaram a flechadas a esposa de Hildebrando Ligeira. Mataram tambem duas filhas e uma sobrinha daquelle, saqueando a barraca situada em Jaboty Maior.36

Os indigenas da ilha das Flores surprehenderam uma patrulha holandesa, matando 19 homens, oito mulheres e creanças.37

No municipio de Lages, no estado de Santa Catharina 5 leguas distante dessa cidade, deu-se há dias um barbaro crime praticado por indios. Aconteceu que os donos da casa onde se deu o barbaro attentado, tiveram de auxiliar a passagem de uma tropa, em um passo proximo á sua residencia; nesta occasião, um bando de indios atacou a referida casa onde só existiam mulheres e menores e como esses se fechassem os indios derrubaram as cercas, collocando as madeiras junto á casa e attearam fogo. Amedrontadas as senhoras e creanças, pretenderam fugar, sendo, porém, mortas, a cacetadas, pelos indios, ficando um menor de 10 annos, gravemente ferido. Ao regressarem os donos da casa ficaram apavorados ante a medonha atrocidade. Um de nome Julio pretendeu suicidar-se, disparando a arma que trazia debaixo do queixo, sendo o seu estado grave. Dois indios que penetraram no predio, para roubarem, ficaram sepultados nos escombros do incendio. Uma turma de 20 homens anda a caça dos indios.38
Em outra passagem dela imprensa também encontram-se notícias que demonstram, como já expresso acima, a crueldade dos índios, a selvageria contra os colonos:

O Diario da tarde, de Corityba, noticia, como abaixo se segue, um assalto de indios Botocudos, occorrido a 19 do mez passado: Os botocudos, tribu feroz de selvicolas, que habitam as densas selvas da serra do Mar, de quando em vez irrompem em grupos sedentos de sangue nos logares povoados, praticando toda a sorte de selvageria. Ora é um tropeiro simples que, de viagem do Rio Grande do Sul para o nosso Estado, cae no meio da jornada atravessado pela flecha traçoeira do indio, ora é um pobre colono, que, na roça, onde amanhã a terra para a subsistencia dos seus, tomba victimado pelo tacape pesado do botocudo(...). Alé disso, dois filhos menores de Neppel não puderam ser encontrados, divergindo as opiniões sobre o destino delles: acreditam uns que as infelizes creanças tenham morrido no incendio da casa ateada pelos bugres, ou outros suppõem que hajam sido levados para os toldos, como habito dos botocudos. Esse horroroso drama, que deu em resultado o exterminio de uma familia laboriosa e estimada, produziu, como era natural, a mais profunda commoção entre os habitantes da colonia Lucena, que pedem ao governo providencias para que não se reproduzam factos dessa natureza, que trazem a falta absoluta de segurança para a vida e propriedade dos colonos.39


Na imprensa sul-riograndense, mais especificamente nos jornais trabalhados, A Federação e o Correio do Povo refletiram-se as imagens do índio que vem sendo perpassadas desde a colonização do Brasil. Estas imagens o “Bom e Mau Selvagem” foram disseminadas pelo menos para uma determinada parte da sociedade. (a elite como foi analisado). A partir da pesquisa, constatou-se que a imagem de bom selvagem foi amplamente divulgada pela imprensa gaúcha, ao contrário, entretanto, da imagem do mau selvagem, que foi menos repassada, mas também esteve presente. A supremacia da imagem do bom selvagem perante a do mau selvagem nos jornais, pode estar associada a grande difusão da ideologia positivista no contexto político sul-riograndense do período estudado (1884-1910).

Os jornais trabalhados advêm de períodos distintos da imprensa sul-riograndense, inclusive o jornal A Federação, detendo vínculos com o positivismo. A partir das suas ocorrências, constatou-se que este jornal divulgou em larga escala a imagem de bom selvagem, estando de acordo com os seus ideais comteanos, sendo que apenas encontrou-se 1 ocorrência de mau selvagem para o indígena do Estado. O Correio do Povo também repassou, na maioria de suas notícias a respeito do índio, a imagem de bom selvagem. Deste modo, os dois jornais, pelo menos em relação ao indígena, estavam de acordo com os ideais positivistas.

Foram encontradas ao longo do trabalho 65 chamadas em relação ao indígena, destas, 32 ocorrências são anteriores ao ano de 1910, e 33 ocorrências são do ano de 1910. Como percebe-se, a criação do SPILTN e a própria estruturação da Diretoria de Terras e Colonização no Rio Grande do Sul, trazem um aumento considerável nas notícias sobre os índios. Do bom selvagem encontrou-se 50 notícias, destas, 10 foram notícias sobre os indígenas do Estado.

Quanto à imagem de mau selvagem, esta foi pouco disseminada nos jornais gaúchos, encontrou-se 15 chamadas. É pertinente destacar, no entanto, que a maioria das notícias vinculadas em ambos os jornais pesquisados advinham de outros estados brasileiros e não do próprio Estado do Rio Grande do Sul. No Estado do Rio Grande do Sul, encontrou-se apenas uma chamada da imagem de mau selvagem do índio.

A partir do jornais, constatou-se a existência de guaraní vindos do Paraguai para o Rio Grande do Sul, no início do século XX, este fato é pertinente, pois na historiografia deste período, é quase nula a referência do guaraní no Estado. Outro aspecto relevante que se observou nos jornais, foi a utilização da expressão bugre, para designar índios guaraní. A referida expressão era geralmente utilizada na bibliografia que trata do século XIX para designar índios oriundos do tronco Jê, no caso os Kaingang, para diferenciá-los dos Tupi, no qual os guaraní faziam parte. Não encontrou-se nos jornais a confirmação da imagem de bom selvagem relacionada exclusivamente aos indígenas da família lingüística Tupi-guaraní, como é construído na historiografia, posto que o bom selvagem para a imprensa, no RS, deste período, poderia ser também o Kaingang. O que, sim notou-se, é que efetivamente o guaraní nunca esta relacionado a imagem de mau selvagem.

Percebe-se, portanto, que a imagem do bom selvagem foi uma constante no imaginário de parte da sociedade sul-riograndense e que a imprensa gaúcha esteve em consonância com os preceitos comteanos em relação à humanidade dos índios. No caso específico do Rio Grande do Sul, notou-se que o indígena do Estado foi pouco noticiado, uma vez que os jornais pesquisados eram gaúchos, e havia um órgão que tratava da questão indígena no Estado, desde 1908. Em nível nacional, a efetiva criação do SPILTN em 1910, como constatou-se foi uma tentativa de concretização da imagem do bom selvagem, dentro dos ideais positivistas, e largamente noticiada pela imprensa.


BIBLIOGRAFIA

ALVES, Francisco das Neves. O Discurso Político-Partidário Su-Rio-Grandense sob o prisma da Imprensa Rio-Grandina (1868-1895). 1998. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

________. O Jornalismo Sul-Rio-Grandense no século XIX: Um breve histórico e o espaço do debate político-partidário. In: NEUBERGER, Lotario (Org.). RS: no contexto do Brasil. Porto Alegre: Ediplat, 2000. p. 21-33.

BOURDIEU, Pierre. A Economia das Trocas Linguísticas: O que Falar Quer Dizer. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1998.

CALEFFI, Paula. A Identidade Atribuída: um estudo da Historiografia sobre o índio. Estudos Leopoldenses, Série História, São Leopoldo: Unisinos, v. 1, n. 1, p.50-64, 1997.

CHAGAS, Carlos. O Brasil sem retoque: 1808-1964: a História contada por jornais e jornalistas. Rio de Janeiro: Record, 2001. v. 1.

DILLENBURG, Sérgio Roberto. Correio do Povo: história e memórias. Passo Fundo: Editora da Universidade de Passo Fundo, 1997.

ESPIG, Márcia Janete. O uso da fonte jornalística no trabalho historiográfico: o caso do contestado. Estudos Ibero-Americanos, Porto Alegre: PUCRS, v. XXIV, n. 2, p. 269-289, dez. 1988.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Graaal, 1995.

FRANCO, Sérgio da Costa. A evolução da imprensa gaúcha e o Correio do Povo. Revista do Instituto Histótico e Geográfico do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, n. 131, p. 33-40, 1995.

GEERTZ, Clifford. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogon, 1990.

HEINZ, Flávio Madureira. Considerações acerca de uma História das Elites. Canoas: Logos, v. 11. n. 1, p. 41-52, maio 1998.

LIMA, Antônio Carlos de Souza. Um grande cerco de paz – poder tutelar e indianidade no Brasil. Rio de Janeiro: Vozes, 1995.

LOVE, Joseph L. O Regionalismo Gaúcho e as Origens da Revolução de 1930. São Paulo: Perspectiva, 1975.

MENGET, Patrick. Entre Memória e História. In: NOVAES, Adauto (Org.). A outra margem do Ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 1999. p. 153-165.

ORDANDI, Eni P. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. Campinas: Editora da UNICAMP, 1995.

________. Terra à vista – discurso do confronto: Velho e Novo Mundo. São Paulo: Cortez, 1990.

PEZAT, Paulo Ricardo. Auguste Comte e os fetichistas: estudo sobre as relações entre a Igreja Positivista do Brasil, o Partido Republicano Rio-Grandense e a política indigenista na República Velha. 1997. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

REVERBEL, Carlos. Evolução da imprensa rio-grandense. In: Enciclopédia rio-grandense: o Rio Grande Antigo. Canoas: Editora Regional, 1956. v. 2. p. 241-264.

RIBEIRO, Darcy. Os índios e a civilização: a integração das populações indígenas no Brasil moderno. Petrópolis: Vozes, 1986.

________. A política indigenista brasileira. Rio de Janeiro: Ministério da Agricultura/Serviço de Informação Agrícola, 1962.

RODRIGUES, Cíntia Régia. As imagens do Índio na Imprensa Sul-Riograndense. 1884-1910. 2002. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS, São Leopoldo, p. 198.

SCHAFF, Adam. História e Verdade. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

SILVA, Jandira M. M. da et. al. Breve histórico da imprensa Sul-Rio-Grandense. Porto Alegre: CORAG, 1986.

SODRÉ, Nelson Werneck. A história a imprensa no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1966.

Relatórios


RELATÓRIO da Secretaria do Interior e Exterior: Relatório da Diretoria de Estatística. Porto Alegre: Solar dos Câmara, 1890 a 1910. (Documentos Selecionados).

Reportagens Selecionadas


A FEDERAÇÃO. Porto Alegre, n. 33, 07 de fevereiro de 1903.

________. Porto Alegre, n. 49, 27 de fevereiro de 1903.

________. Porto Alegre, n.99, 29 de abril de 1903.

________. Porto Alegre, n. 67, 21 de março de 1910.

________. Porto Alegre, n. 135, 10 de junho de 1908.

________. Porto Alegre, n. 225, 25 de setembro de 1907.

________. Porto Alegre, n. 257, 04 de novembro de 1907.

________. Porto Alegre. n. 226, 29 de setembro de 1902.

________.Porto Alegre. n. 140, 18 de junho de 1910.
CORREIO DO POVO. Porto Alegre, n. 37, 08 de fevereiro de 1905.

________. Porto Alegre, n. 126, 03 de junho de 1903.





1Mestre e Doutoranda em História do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS. Docente do curso de História das Faculdades UNIVEST – Lages/SC.

2 A importância da imprensa no estudo da história observar: ALVES, Francisco das Neves. O Discurso Político-Partidário Su-Rio-Grandense sob o prisma da Imprensa Rio-Grandina (1868-1895). 1998. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

3 Observar neste sentido: ZICMAN Apud ESPIG, Márcia Janete. O uso da fonte jornalística no trabalho historiográfico: o caso do contestado. Estudos Ibero-Americanos, Porto Alegre: PUCRS, v. XXIV, n. 2, p. 269-289, dez. 1988.

4 GEERTZ, Clifford. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogon, 1990, p.19.

5ALVES, Francisco das Neves. O Jornalismo Sul-Rio-Grandense no século XIX: Um breve histórico e o espaço do debate político-partidário. In: NEUBERGER, Lotario (Org.). RS: no contexto do Brasil. Porto Alegre: Ediplat, 2000. p. 21-33.

6 Ibid., p. 21-33.

7 ALVES, op. cit., 1998, p. 10.

8 De acordo com o “Relatório da Secretaria do Interior e Exterior 1909. Relatório da Directoria de Estatistica”, sobre a população do Rio Grande do Sul em 1900: “O recenseamento de 1900 cuja apuração foi recentemente terminada offerece diversas informações sobre a população(...). Segundo o gráo de instrucção sabiam lêr 384.381 e não sabiam 774.689; em numeros proporcionaes correspodem a 33% os que sabiam ler e a 67% os analphabetos de todas as idades (...). Por serem de incontestavel valor os dados relativos á instrucção, bastará citar-se como prova o elevado algarismo de 774.689 analphabetos apurados sobre o total de 1.149.070 habitantes arrolados em 1900: numeros esses que nos attribuem um coeficiente de ignorancia superior a dous terços da população”. p. 98-399. Se referindo sobre a população escolar: “Pelo censo de 1872 ficou demostrada a existencia de 86.495 creanças com idade escolar (06 a 15 annos), verificando-se então que 17.793 ou 20,57% frequentavam escolas; as operações de 1890 e 1900 não discriminaram essa frequencia permittindo sómente determinar-se o numero de escolares da mesma idade, sendo em 1890 de 227.314 e em 1900 de 284.748, que em numeros proporcionaes equivalem a 24, 78% e 25, 38%”. In: Relatorio da Secretaria do Interior e Exterior: Relatorio da Directoria de Estatistica, 1909. Arquivo do Solar dos Câmara.

9 Love destaca alguns dados sobre a alfabetização no Rio Grande do Sul: “Os dados do censo de 1890 relativos a alfabetização nos municípios do Estado mostram claramente a diferença entre o Rio Grande urbano e dos colonos, de um lado, e o Rio Grande das estâncias, de outro: 58% dos habitantes de Porto Alegre (incluindo as idades de 0-6) e 54,7% dos habitantes de São Leopoldo, a principal colônia alemã, eram analfabetos, contra cerca de 84% de São Borja (no Distrito das Missões) e apenas ligeiramente inferiores aos de Quaraí e São Francisco de Paul, na Campanha e na Serra central, respectivamente.” LOVE, Joseph L. O Regionalismo Gaúcho e as Origens da Revolução de 1930. São Paulo: Perspectiva, 1975.

10 HEINZ, Flávio Madureira. Considerações acerca de uma História das. Elites. Logos, Canoas, v. 11. n. 1, p. 50. 41-52, maio 1998.

11 Ver BOURDIEU, Pierre. A Economia das Trocas Linguísticas: O que Falar Quer Dizer. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1998.

12 Ver FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Graal, 1995.

13 ORDANDI, Eni P. Terra à vista – discurso do confronto: Velho e Novo Mundo. São Paulo: Cortez, 1990, p. 35. Para a utilização do discurso na história observar: GOLDMAN, Noemí. El discurso como objeto de la historia. Buenos Aires: Hachette, 1989.

14 Ver SCHAFF, Adam. História e Verdade. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

15 ORLANDI, Eni. P. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. Campinas: Editora da UNICAMP, 1995, p. 13.

16 Ver ALVES, op. cit., 2000, p. 21-33.

17 De acordo com Silva, o Jornal A Federação foi fundado por Venâncio Aires, que foi o primeiro diretor da redação, sendo que logo em seguida a direção do jornal passa as mãos de Julio de Castilhos. Lembra que “O jornal esteve sempre voltado para os ideias republicanos, por isto é considerado um continuador das aspirações dos revolucionários de 1835, tendo sido um dos poucos em que a data farroupinha foi sempre lembrada. Seus objetivos estão expressos no cabeçalho: federação(...), unidade(...), centralização(...) desmembramento(...)”. SILVA, Jandira M. M. da et. al. Breve histórico da imprensa Sul-Rio-Grandense. Porto Alegre: CORAG, 1986, p. 271. Conforme Sodré, A Federação “órgão republicano com papel político muito importante, em cujas colunas se refletiram alguns dos principais episódios da Questão Militar”. SODRÉ, op. cit., p. 264.

18 Conforme Ribeiro, os positivistas estão “baseados no evolucionismo humanista de Augusto Comte, propugnavam pela autonomia das nações indígenas na certeza de que, uma vez libertas de pressões externas e amparadas pelo Governo, evoluiriam espontaneamente. Segundo o modo de ver dos positivistas, os índios, mesmo permanecendo na etapa “fetichista” do desenvolvimento do espírito humano, eram susceptíveis de progredir industrialmente”. RIBEIRO, Darci. Os índios e a civilização: a integração das populações indígenas no Brasil moderno. Petrópolis: Vozes, 1986, p.134. Ver PEZAT, Paulo Ricardo. Auguste Comte e os fetichistas: estudo sobre as relações entre a Igreja Positivista do Brasil, o Partido Republicano Rio-Grandense e a política indigenista na República Velha. 1997. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, p. 430.

19 A FEDERAÇÃO. Porto Alegre, n. 140, 18 de junho de 1910.

20 O Marechal Cândido Rondon, devido aos trabalhos realizados em 1906-1909, nas Linhas Telegráficas de Mato Grosso ao Amazonas, quando do contato com os indígenas, sua figura deteve uma grande amplitude em âmbito nacional, sendo inclusive chamado para se tornar presidente do SPILTN, em 1910. Neste mesmo ano, foram publicadas na imprensa, no Jornal A Federação e no Correio do Povo, pareceres de Rondon ao governo federal quanto aos índios.

21 A FEDERAÇÃO. Porto Alegre, n. 99, 29 de abril de 1903.

22Para ver sobre sua história observar: DILLENBURG, Sérgio Roberto. Correio do Povo: história e memórias. Passo Fundo: Editora da Universidade de Passo Fundo, 1997. FRANCO, Sérgio da Costa. A evolução da imprensa gaúcha e o Correio do Povo. Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, n. 131, p. 33-40, 1995.

23 A noção de informativo buscava fazer o contraponto dos jornais que eram órgãos diretos dos partidos, como A Federação, e era possível devido ao paradigma da época, que acreditava na viabilidade de descrever os fatos sem que esta descrição tivesse algum direcionamento ideológico.

24 CHAGAS, Carlos. O Brasil sem retoque: 1808-1964: a História contada por jornais e jornalistas. Rio de Janeiro: Record, 2001. v. 1, p. 198.

25 CALEFFI, Paula. A Identidade Atribuída: um estudo da Historiografia sobre o índio. Estudos Leopoldenses: Série História, São Leopoldo, v. 1, n. 1, p. 50-64, 1997, p. 50.

26 CALEFFI, op. cit., 1997, p.50-64.

27 De acordo com Menget, as primeiras reflexões construídas no século XVI sobre a origem das populações nativas da América ressaltam que os nativos teriam esquecido os preceitos divinos, causa da perda de sua cultura. Ainda tratando da obra de Menget, os jesuítas destacavam que os ensinamentos repassados às populações nativas eram facilmente esquecidos, ou conforme Vieira, “Só lhes falta a cultura ”. VIEIRA, Maria do Pilar de et. al. A Pesquisa em História. São Paulo: Ática, 1991, p. 154. MENGET, Patrick. Entre Memória e História. In: NOVAES, Adauto (Org.). A outra margem do Ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 1999. p. 153-165.

28 Na obra de Lima, encontramos uma designação para indígenas selvagens: “brasileiros reduzidos à condição de brutos, inúteis a si e à coletividade e, o que é mais, entravando, em mais de um ponto, o aproveitamento da terra e das forças naturais, sendo inclusive exterminados barbaramente, como feras (...)”.(Brasil, MAIC, SPITLN, Relatório de Diretotia/1917, p.1. SEDOC, m. 380, f. 1239). Cf. LIMA, Antônio Carlos de Souza. Um grande cerco de paz – poder tutelar e indianidade no Brasil. Rio de Janeiro: Vozes, 1995, p. 120.

29 Para Foucault, não existe a verdade, mas uma verdade forjada pelas relações de poder, “cada sociedade tem seu regime de verdade, (...) os tipos de discurso que ela acolhe e faz funcionar como verdadeiros”. FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Graal, 1995, p. 12.

30 Para ver mais notícias sobre os índios na imprensa sul-riograndense: RODRIGUES, Cíntia Régia. As imagens do Índio na Imprensa Sul-Riograndense. 1884-1910. 2002. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS, São Leopoldo, p. 198.


31 CORREIO DO POVO. Porto Alegre, n. 37, 08 de fevereiro de 1905.

32 A FEDERAÇÃO. Porto Alegre, n. 135, 10 de junho de 1908.

33 A FEDERAÇÃO. Porto Alegre. n. 226 29 de setembro de 1902.

34 CORREIO DO POVO. Porto Alegre, n. 126, 03 de junho de 1903.

35 A FEDERAÇÃO. Porto Alegre, n. 33, 07 de fevereiro de 1903.

36 A FEDERAÇÃO. Porto Alegre, n. 225, 25 de setembro de 1907.

37 A FEDERAÇÃO. Porto Alegre, n. 257, 04 de novembro de 1907.

38 A FEDERAÇÃO. Porto Alegre, n. 67, 21 de março de 1910.

39 A FEDERAÇÃO. Porto Alegre, n. 49, 27 de fevereiro de 1903.




©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal