A auto existência de deus 12



Baixar 11,95 Kb.
Encontro03.07.2018
Tamanho11,95 Kb.

A AUTO EXISTÊNCIA DE DEUS

12

Salmos 90.2; João 1.1-5; Atos 17.22-31; Colossenses 1.15-20; Apocalipse 1.8

Quando a Bíblia declara que Deus é o Criador do universo, ela indica que Deus mesmo é incriado. Existe uma distinção crucial entre o Criador e a criação. A criação porta o selo do Criador e testemunha de sua glória. A criação, porém, nunca deve ser adorada. Ela não é suprema.

É impossível que alguma coisa crie a si mesma. O conceito de autocriação é uma contradição de termos, uma afirmação sem sentido. Peço ao leitor que faça uma pausa e pense um pouco. Nada pode ser autocriado. Nem mesmo o próprio Deus pode criar a si mesmo. Para que Deus pudesse criar a si mesmo, teria de existir antes de si mesmo. Nem mesmo Deus pode fazer isso.

Todo efeito deve ter uma causa. Isso é verdadeiro (por definição). Deus, porém, não é um efeito. Ele não tem um início e, portanto, não tem uma causa antecedente. Ele é eterno. Ele sempre foi ou é. Ele tem, dentro de si, o poder de ser. Ele não necessita de assistência de fontes externas para continuar a existir. Isso é o que se subentende pela idéia de auto-existência. Bem compreendido, trata-se de um conceito sublime e impressionante. Não conhecemos nada que se compare a ele. Tudo o que percebemos em nossa estrutura de referência é dependente e foi criado. Não podemos compreender plenamente algo como auto-existente.

Entretanto, só porque é impossível (por definição) que uma criatura seja auto-existente, não significa que seja impossível para o Criador ser auto-existen­te. Deus, assim como nós, não pode ser autocriado. Deus, porém, diferentemen­te de nós, pode ser auto-existente. De fato, essa é a própria essência da diferen­ça entre o Criador e a criação. E isso que faz dele o ser supremo e a fonte de todos os outros seres.

O conceito de auto-existência não viola nenhuma lei da razão, da lógica ou da ciência. É uma noção racionalmente válida. Em comparação, o conceito da autocriação viola as leis mais básicas da razão, da lógica e da ciência — a lei da não-contradição. A auto-existência é racional; a autocriação é irracional.

A noção de alguma coisa ser auto-existente não só é racionalmente pos­sível, como é racionalmente necessária. Além disso, a razão exige que se algo é, então algo deve ter, em si mesmo, o poder de ser. De outra maneira nada existi­ria. A menos que algo exista em si mesmo, não seria possível existir absoluta­mente nada.

Talvez a questão mais antiga e mais profunda de todas seja: por que existe algo, ao invés de nada? Uma resposta necessária pelo menos para parte desta pergunta é por que Deus existe. Deus existe em si mesmo eternamente. Ele é a fonte e o manancial de toda existência. Só ele tem, em si mesmo, o poder de existir. O apóstolo Paulo declara nossa dependência do poder do ser de Deus para nossa própria existência, quando diz: "Pois nele vivemos, e nos movemos, e existimos (At 17.28).

Sumário

1 Todo efeito deve ter uma causa.

2. Deus não é um efeito; Ele não tem uma causa.

3. Aautocriação é um conceito irracional.

4. A auto-existência é um conceito racional.

5. A auto-existência não só é racionalmente possível, mas é racionalmente neces­sária.



Para discussão e avaliação

1. Deus é autocriado ou auto-existente? Por quê?

2. Por que o autor afirma que autocriação é irracional e auto-existência é racional?

3. Por que o autor afirma que a noção da auto-existência não só é possível, como também necessária?

4. Se Deus existe antes de tudo, sempre existiu e é a origem criadora de tudo, há alguma coisa que possa ser maior do que Deus?

5. Por que o homem moderno continua recusando aceitar a idéia de que Deus é a causa de tudo o que foi criado?



6. O que podemos fazer quando compreendemos a verdade da "auto-existência" de Deus?

7. Como a compreensão da "auto-existência" de Deus pode afetar nossa adoração e nossos atos de culto?



©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal