A arte e o espaçO



Baixar 20,23 Kb.
Encontro26.10.2017
Tamanho20,23 Kb.

A ARTE E O ESPAÇO

(Die Kunst und der Raum - 1969)

In Gesamtausgabe nº 013 – Aus der Erfahrung des Denkens

(Sobre a Experiência do Pensar)

MARTIN HEIDEGGER

 

Quando pensamos muito por nós mesmos, encontramos bastante sabedoria dentro da linguagem. Sem dúvida, não é provável que lá tenhamos tudo introduzido,mas realmente há bastante sabedoria na linguagem, como nos provérbios.



 

G. CHR. LICHTENBERG

Dokeí de mega ti eínai kai chalapon lephthenai ho topos

Parece, pois algo grandioso e difícil de aprender, o topos, isto é, o espaço-lugar.

 

Aristóteles, Física, IV



 

As observações a respeito da arte, do espaço, de seu entrelaçamento recíproco permanecem questões mesmo quando falam em forma de afirmação. Limitam-se as artes plásticas e entre elas á escultura. As formas da escultura são corpos. Seu material, composto de diferentes matérias, estrutura-se variadamente. A formação ocorre num delimitar, movimento de incluir e excluir limites. Com isso entra em jogo o espaço. Ocupado pela forma escultural, o espaço é definido por um volume acabado, penetrado e vazio. Esse estado de coisas é bem conhecido e ainda assim rico em enigma.

  O espaço escultural in-corpora algo. In-corpora o espaço? Será então a escultura uma apropriação do espaço, uma dominação do espaço? Será que assim a escultura corresponderia á conquista técnica cientifica do espaço?

  Enquanto arte, a escultura é, sem dúvida, uma discussão1[1] com o espaço artisitco. A arte e a técnica cientifica consideram e trabalham o espaço em intenções e modos diversos.

  Mas e o espaço – permanece o mesmo? Não foi esse mesmo espaço que experimentou sua primeira determinação com Galileu e Newton? Espaço – essa discussão uniforme, onde nenhuma das possíveis posições é privilegiada, válida em qualquer direção, Mas imperceptível aos sentidos?

  O espaço – que nesse meio tempo, provoca o homem moderno a domina-lo até as últimas conseqüências, de maneira crescente e teimosa? E as artes plásticas moderna também não seguem essa mesma provocação ao compreender-se como discussão com o espaço? Não será nisso que elas encontram confirmado o seu caráter de contemporâneas?

  E o espaço dos projetos técnicos da física, ou qualquer que seja sua determinação ulterior, pode pretender-se o único espaço verdadeiro? Em comparação, todos os outros espaços diferentemente estruturados, o espaço artístico, o espaço das ações e deslocamentos cotidianos, serão apenas formas primitivas, do sujeito, derivações do único espaço cósmico objetivo?

  No entanto, o que isso significaria se a objetividade do espaço objetivo do mundo permanecesse inevitavelmente o correlato da subjetividade de uma consciência, estranho aos séculos que precederam a modernidade européia?

  Mesmo se reconhecemos a diversidade da experiência de espaço nas épocas passadas, obteríamos já com isso uma visão penetrante do próprio do espaço, ainda não é questionada e muito menos respondida. Permanece indeciso de que modo o espaço “é” e se lhe pode corresponder um ser.

  Portanto o espaço aos fenômenos originários (Urphänomenon) em cujo contato, segundo uma palavra de Goethe, sobrevêm ao homem uma espécie de timidez que chega até a angústia? Pois atrás do espaço , assim parece, já não existe nada a que pudesse ser reconduzido. Diante dele, não existe desvio possível para uma outra coisa. O próprio do espaço deve mostrar-se a partir dele mesmo, o que ele é, ainda se deixa dizer?

  A necessidade de uma tal pergunta arranca de nós uma confissão inevitável: enquanto não experimentamos o próprio do espaço, o discurso sobre o espaço artístico permanecerá sempre obscuro. O modo, como o espaço permeia a obra de arte, fica em suspenso no indeterminado.

  O espaço, onde a forma estrutural pode ser encontrada como um objeto simplesmente dado, o espaço, que encerra os volumes da figura, o espaço, que existe como o vazio entre os volumes – são estes três espaços, na unidade de seu entrelaçamento recíproco, meras derivações de um espaço técnico da física, mesmo se as medidas de cálculo não intervierem nas formas artísticas? Admitindo-se que a arte seja o tornar-se obra da verdade e que a verdade signifique o desvelamento do ser, não deve, então, na obra de arte plástica, tornar-se decisivo o espaço verdadeiro, isto é, aquele que desvela o seu próprio?

  No entanto como podemos encontrar o próprio do espaço? Existe um atalho, embora estreito e hesitante. Tentemos escutar a linguagem. De que ela fala na palavra espaço? Fala o espaçar. Isso significa desbravar, liberar a selva.

  O espaçar instala o livre, que se abre para o homem estabelece-se e habita. Pensado em sua propriedade, o espaçar é a livre doação de lugares, em que os destinos do homem em sua habitação voltam para a graça de um abrigo, para a desgraça do desabrigo ou até para a indiferença de ambos. Espaçar é a livre doação dos lugares em que surge um deus, dos lugares em que os deuses fugiram, dos lugares em que o aparecer do divino há muito de retrai. Espaçar instala a localidade que, cada vez, prepara um habitar. Espaços profanos são sempre a privação de espaços sagrados há muito abandonados. Espaçar é a livre doação de lugares. No espaçar fala vela, ao mesmo tempo, um acontecer. Esse caráter de espaçar é muito facilmente desconsiderado. E, quando visto, continua sempre difícil de ser determinado, sobretudo enquanto o espaço da física a técnica permanecer o único espaço valido, ao que toda caracterização do que é espacial deve se ater.

  Como acontece o espaçar? Não é dar-espaço e no duplo modo de permitir e dispor? Pro um lado, dar-espaço concede algo. Deixa o vigor do que se abriu, faz aparecer as coisas presentes, de que o habitar humano depende.

  Por outro, o dar-espaço prepara ás coisas a possibilidade de pertencerem cada um para seu lugar e a partir daí umas ás outras.

  No duplo movimento deste dar-espaço acontece a propiciação de lugares. O caráter desse acontecimento é guardar e cuidar. Mas o que é o lugar se o que tem de próprio há de se determinar pelo espaço liberador de espaços? O lugar abre cada vez mais uma contréia2[2], na medida em que nela reúne as coisas para um mútuo-pretender.

  No lugar se articula a reunião no sentido de abrigar livremente as coisas para sua contréa. E a contréa? A forma antiga da palavra diz “contrata” (Gegnet). Evoca a livre distância. Por ela o aberto é forçado a deixar cada coisa repousar em si mesma. Isto diz também, resguardar a reunião das coisas em seu mútuo pretender.

  A pergunta se impõe: os lugares são apenas resultado e conseqüência de um dar-espaço? Ou o dar-espaço recebe o que tem de próprio, da vigência dos lugares reunidos? Neste caso, deveríamos procurar o próprio doe espaçar na fundação (Grüdung) da localidade, deveríamos pensar a localidade como o jogo recíproco de lugares.

  Deveríamos considerar o fato e modo, em que esse jogo recebe da distância livre da contréa as indicações para o mútuo pertencer das coisas. Deveríamos aprender a reconhecer que as coisas são em si mesmas lugares e não apenas pertencem a um lugar.

  Nesse caso, seriamos forçados, ao longo do tempo, a aceitar um fato estranho: o lugar não se encontra em um espaço dado, à maneira do espaço da física e da técnica. Ao contrário, é este que se desdobra a partir da vigência de lugares numa contréa.

  O entrelaçamento de arte e espaço deveria ser pensado como experiência de lugar e contréa. A arte como escultura: nenhuma apropriação e dominação do espaço. À estrutura não seria uma discussão com o espaço.

  A escultura seria a in-corporação de lugares que, acolhendo e aguardando uma contréa, mantém consigo uma liberdade, garantindo a cada coisa o seu tempo e ao homem um habitar em meio ás coisas.

  Assim o que seria do volume das esculturas, formas que cada vez in-corpora um lugar? Certamente, já não seria uma delimitação de espaços contrapostos, em cujas superfícies um interior opor-se-ia a um exterior.

  O que se denomina com a palavra volume, deveria perder o nome, pois seu significado é tão antigo quanto as ciências naturais e técnicas modernas.

  Os caracteres de in-corporação da plástica que buscam e formas lugares ficaram de inicio sem nome.

  E o que seria do vazio do espaço? Com muita freqüência, aparece apenas como falta. O vazio corresponde, pois a uma deficiência no preencher de vãos e intervalos.

  Certamente, no entanto, o vazio é parente do que o lugar tem de próprio e por isso não é uma falta,mais um transparecer. Mais uma vez a linguagem pode nos dar um sinal. No verbo “esvaziar” fala o colher no sentido originário de reunir que vige no lugar. Esvaziar o copo diz: recolhe-lo para a libertação de seu modo de ser. Esvaziar as frutas colhidas num cesto, diz: preparar-lhes esse lugar. O vazio não é um nada. Não é também uma falta. Na in-corporação da escultura, o vazio joga como modo de instaurar lugares em buscas e criações.

  As observações precedentes não nos levam certamente longe o bastante, para mostrarmos de maneira clara e suficiente o próprio da escultura como um gênero das artes plásticas. À escultura: um tornar-se obra que in-corpora lugares e com ele abre contréas para uma possível habitação dos homens, uma possível permanência das coisas que os cercam e concernem.

  À escultura: in-corporação da verdade do ser obra instauradora de lugares.

  Já uma visão cuidadosa do próprio dessa arte nos permite presumir que a verdade enquanto desvelamento do ser não se dá apenas nem necessariamente na in-corporação.

  Goethe diz: “não é sempre necessário que o verdadeiro adquira corpo, já basta que plane como espírito e provoque harmonia que, como o toque dos sinos, se espera nos ares, sorrindo em sua gravidade.”




1[1] Dis-cutir pretende recuperar a força da expressão alemã Auseinandersetzung: trata-se de uma composição de Setzen = por, colocar e Auseinander = um fora do outro num movimento diferenciador. O texto original recorre a esta composição para designar o entendimento comum do espaço como disposição de partes e integrantes numa exterioridade. Para traduzir este sentido, recorre-se aqui ao verbo discutere = bater e rebater até posicionar que, em sua história de derivação do latim para o português, também repete, de alguma maneira, o mesmo processo.

2[2] A palavra Gegend possui o sentido comum de região. Optamos por um neologismo (contréa) derivado do francês contrée ed o italiano contrata, para deixar aparecer a dimensão do confronto (contra) implícito a todo encontro. “Abrigar livremente as cosias para a sua contréa” diz não apenas a vigência de cada coisa em sua diferença como também a força de diferenciação que implica uma tensão de contraposição




©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal