1 Marco Aurélio Ferreira da Silva



Baixar 66,05 Kb.
Encontro11.09.2017
Tamanho66,05 Kb.

ESPAÇOS DE DISPUTA: A TRANSIÇÃO DO FUTEBOL AMADOR PARA O FUTEBOL PROFISSIONAL EM FORTALEZA

Caio Lucas Morais Pinheiro1

Marco Aurélio Ferreira da Silva2

Universidade Estadual do Ceará

Resumo: Neste artigo, traçaremos algumas características sobre como a transição do futebol amador para o profissional, em Fortaleza, na década de 30, estava sendo apropriada nos diversos ambientes futebolísticos: a torcida, a entidade esportiva, as ligas, os dirigentes e os jogadores do futebol cearense. As questões centrais que buscaremos discutir, no primeiro tópico, são: Como o profissionalismo foi incorporado dentro e fora de campo? Quais os significados sociais que permaneceram e que mudaram com o caráter que se propagava no esporte? Na segunda parte deste capítulo nos deteremos nas seguintes indagações: Em que sentido o surgimento de clubes populares modifica o ambiente esportivo naquele momento? Quais os significados do “amadorismo marrom” em Fortaleza? Após ter realizado uma breve introdução sobre o contexto e as transformações que se sucederam na década de 30, mostraremos como a atividade profissional foi se estabelecendo junto ao amadorismo no futebol local, quais as relações que esses dois tipos de modos de se praticar o esporte, seus significados sociais e a relação com o contexto da sociedade cearense.

Palavras-chave: Futebol. Amadorismo. Profissionalismo

    1. Jogadores amadores e profissionais: a via de mão dupla

A década de 30, ao mesmo tempo em que se mostrava com grandes transformações, também apresentava algumas instabilidades nos campeonatos cearenses, visto que muitos clubes saíam dos torneios ou se desfiliavam da Associação Desportiva Cearense, interrompendo ou paralisando as disputas esportivas.

Nessa década, os clubes populares passaram a se destacar não somente pelas questões de polícia frequentemente elencados na imprensa esportiva, mas também pela qualidade técnica dos players provenientes das classes economicamente desfavorecidas, que com uma frequência cada vez maior figuravam nos clubes das elites. Nirez de Azevedo afirma que


Ainda nesse ano surgiram os times do Ferroviário e do Tramways, que só participariam do campeonato a partir de 1938 e 1939, respectivamente. O Tramways era o time da companhia inglesa The Ceará Tramways Light, Co., fornecedora de luz e força, bondes e ônibus em Fortaleza. No dia 7 de setembro de 1933, na Rua Barão do Rio Branco, 142, às 14 horas, no escritório Central da Light, os funcionários fundaram a Associação Desportiva da Light, onde eram praticados esportes como tênis, vôlei e outros jogos de salão. As cores escolhidas foram o azul e branco, com camisas listradas verticalmente e calção branco. (2002, p.40)

Constata-se que esses dois clubes se filiaram à Liga Suburbana e passaram a se destacar nos matchs, conseguindo vaga na liga principal, que geralmente era composta por clubes mais tradicionais, o Fortaleza, o Ceará, o Maguari, o América, o Estrela do Mar e o Penarol.

Os jogadores, nesse período, permutavam de clubes frequentemente, sendo necessária somente a autorização da ADC, que se reunia semanalmente para resolver pendências do campeonato. Assim, na súmula das partidas, é frequente a troca de clubes entre os jogadores, que recebiam ofertas melhores de outro team, através dos “bichos” ou qualquer garantia de pagamento. Essa mudança dos jogadores de times é destacada na reportagem:

Terminando suas declarações, o capitão Oscar Barroso informou ao O Povo que voltaram ás fileiras do Ceará todos os seus antigos elementos, inclusive o arqueiro Zeonofre, que estava atuando no Fortaleza. 3

Este episódio ocorre devido a uma crise entre o clube do Ceará Sporting Clube e a Associação Desportiva Cearense, que inicialmente desfilia o clube alvinegro da entidade e libera os seus jogadores para qualquer clube que se interesse, como notamos na reportagem:

Diante dessa manifestação de indisciplina – adiantou o cap. Juremir – serei levado a eliminar o Ceará da ADC, concedendo ampla liberdade a seus jogadores para, se quiserem, inscrever se nos outros clubes filiados e participar ainda do atual campeonato. É isso, concluiu o nosso entrevistado, o que vou fazer amanhã na sessão semanal da a.d.c.4

Essa situação ainda caracterizava a sensação elitista amadora dos praticantes da pelota, que recusavam a profissionalização do esporte e, em contrapartida, resistiam com a prática do amadorismo-marrom ou profissionalismo disfarçado, como também é reconhecido. Esse ambiente gerou conflitos em todo o cenário nacional, pois a torcida e a imprensa, inicialmente não viam da melhor forma essa mistura de homens com condições econômicas opostas em um mesmo time.

É curiosa essa mudança institucional do amadorismo para o profissionalismo em Fortaleza, pois desde a década de 20, como vimos, são constatadas “contratações” de jogadores de outros estados como também a incorporação de negros, que também foi uma questão bastante discutida. E, nesse sentido, os memorialistas cearenses apontam que a profissionalização definitiva ocorre em 1939, justificando que as derrotas do selecionado cearense para clubes de outros estados em 1938 demonstrou a baixa qualidade técnica do campeonato local. Vejamos essa situação abaixo:


Tudo indica que o ano de 39, em materia de futebol, será um dos mais animados que a historia desportiva do Ceará tem registrado.

Influenciados pelas ultimas temporadas inter-estaduais promovidas no campo do Prado, diversos cavalheiros de destaque na sociedade patrícia dispuseram se a tomar parte direta e ativa no movimento pebolistico cearense, emprestando seu auxilio ao trabalho que a nova direotira da A.D.C pretende levar adiante. Nota se, assim, nos diversos grêmios locais, uma agitação bastante promissor, sinal evidente de que, à maneira do que ocorreu em 1938, teremos em 39 um período desportivo dos mais interessantes e movimentos.5

Entretanto, é importante destacarmos que, mesmo após o ano de 1939, continuou existindo jogadores amadores que mantinham suas experiências rígidas de não se tornar profissional, diferentemente dos vários exemplos de conversão ao profissionalismo que ocorreu. Vejamos um exemplo na reportagem:
Em sua sede provisória, á rua General Sampaio, reuniu se ontem em sessão extraordinária preparatória, o America Foot ball Clube. Grande foi o numero de americanos presentes á mesma, não so da nova, como da velha guarda. O entusiasmo que vai pelas hostes americanas é mesmo de admirar. Tomando de uma grande febre de vencer e convictos de grandes triunfos no ano esportivo de 40, foi logo após aberta a sessão, sendo proclamado presidente do clube dr. Ubirajara, o dr. Jurandir Picanço, por unanimidade de votos. Entre outros assuntos interessantes tratados em sessão, foi objeto de discussão o caso do profissionalismo. O américa não adotará, em absoluto, tal regime. Entretanto, os seus cracks serão vantajosamente compensados, desde que saibam impor o seu valor. Oitenta por cento da renda dos jogos ganhos serão divididos com os mesmos. O américa, que se havia desligado da A.D.C o ano passado, pediu nova filiação, já tendo pago a taxa e solicitou inscrição para o campeonato deste ano. 6

Decorrem vários aspectos a serem analisados dessa reportagem, como o já mencionado caso de coexistência de players amadores e profissionais em vários clubes do período, visto que, nesse caso, os americanos optaram por não adotar em absoluto o profissionalismo. Também é importante perceber a questão financeira do futebol local, em que geralmente a manutenção das sedes, o pagamento aos jogadores e as inscrições na ADC são realizadas através da renda dos jogos. Assim, percebe-se a importância da “assistência” no Campo do Prado ou no Campo de Pelotas, pois quanto maior o público, mais competente e disputado será o campeonato.

Quando o futebol surge e se consolida nas terras alencarinas, os clubes eram sustentados exclusivamente pelos seus sócios, que geralmente eram os próprios jogadores, o que mostra as boas condições de renda desses praticantes do jogo. Sobre essa questão financeira, vejamos o trecho da reportagem seguinte: “Verificou-se, assim, a exclusão do Carioca sob alegação de que o mesmo se encontra em atraso para com a tesouraria da ADC”7.

Trata-se de que os clubes filiados pagam uma quantia para a Associação Desportiva Cearense e esta entidade organiza o futebol de acordo com suas condições financeiras, principalmente para pagar os inter-estaduais que movimentavam os campos de futebol naquele período, como podemos verificar a seguir: “A proposta do Bahia foi a seguinte: 4 jogos por 25 contos; passagens e estadia para uma embaixada de 20 pessoas”. A A.D.C fez uma contra-proposta: 3 jogos por 18 contos, passagem e estadia.8

Também é fundamental analisar as permanências e as mudanças na transição do futebol amador para o profissionalismo nos diversos ambientes em que o futebol está inserido, como podemos perceber através da reportagem “O noturno internacional de hoje”:
O field do Prado vai reviver, hoje, á noite, os tempos áureos de há quinze anos atrás, quando tivemos vários encontros internacionais entre equipes cearenses e teams de navios extrangeiros que ancoravam neste porto. Áquela época, as arquibancadas enchiam se de uma assistência seleta e entusiástica e em derredor do gramado enfileiravam se dezenas de automóveis ocupados pelas melhores famílias de Fortaleza. Foi esse um tempo bom que se passou. Não havia, é verdade, a técnica aprimorada de hoje, mas havia inquestionavelmente mais disciplina entre os players disputantes e menos espirito guerreiro entre os espectadores. O match dessa noite, no qual se enfrentarão o Ceará, o campeão da cidade, e um conjunto de oficiais do paquete extrangeiro Bandet, promete relembrar aquêle passado em que os jogadores timbravam em respeitar quantos acorriam ao velho campo, exibindo um jogo forte mas dentro das regras do verdadeiro association.9

Compreende-se uma comparação realizada pelo periódico entre dois períodos distintos da prática futebolística, um exemplo anterior aos anos 30 e um jogo internacional na década de 40. Nota-se que alguns caráteres são lembrados com um ar nostálgico, como é o caso do público seleto e entusiástico nas arquibancadas, marcadas pela presença dos carros deslumbrantes da alta sociedade. O jornal ainda fala que anteriormente não havia tanta técnica, referindo-se ao fato da inserção do modo de jogar das classes subalternas e dos negros no futebol cearense, mas deprecia a violência e a indisciplina desses jogadores contemporâneos do discurso da imprensa.

Para complementar essa discussão, comprova-se que esse caráter disputado e guerreiro do jogo a partir do que o jornal O Povo mostra como “campeões da indisciplina”10 para retratar fatos violentos em um jogo que fizera o juiz sair da partida.

Portanto, entre as experiências amadoras e profissionais, esses aspectos preenchem espaços que, para alguns, foram essenciais na modernização do esporte e, para outros, representou uma perda para o modo de se jogar elitista.



1.2) Permanências e mudanças: a transição se reflete “fora das 4 linhas”

Alguns aspectos são vistos por pesquisadores do esporte, cronistas esportivos e torcedores como fatos relevantes para o futebol cearense durante os anos 30 e início dos anos 40. Serão destacados, nesta parte, os fatos principais que impulsionaram a fixação definitiva e o desenvolvimento do futebol no Estado do Ceará.

Durante os anos 30, com a crescente popularização do futebol no Brasil, a imprensa passou a dar mais espaço as questões esportivas e a ver o esporte com outros olhos. Segundo Airton de Farias (2005), para os meios de comunicação, quanto mais se aproximar da prática social futebolística significaria obter mais leitores, ouvintes e, logicamente, conseguir mais anunciantes e lucros. Por outro lado, essa maior participação da imprensa no campo esportivo serviu como uma forma de divulgar a legião de admiradores do “esporte bretão”. Nas décadas 40 e 50, o rádio vai se tornar o grande veículo de comunicação de todo o país e, com seu jeito peculiar de transmitir o futebol, tornou-se ferramenta e companheira indispensável ao torcedor amante da “pelota”. No Estado do Ceará, a primeira emissora foi fundada especificamente em maio de 1934, a Ceará Rádio Clube, lendária PRE-9, por João Dummar. Mas, apenas no ano de 1939, houve a primeira transmissão, como nos mostra o historiador Airton de Farias:
A primeira transmissão de futebol no Estado, ocorrida em1939, foi inusitada: um dos funcionários da PRE-9, Rui Costa Souza, ficou no campo do Prado assistindo o jogo e pelo telefone relatava todos os lances para o “locutor oficial” José Cabral de Araújo – ante a maestria do speaker, os ouvintes sequer desconfiaram do truque. (2005, p.45)
O ano de 1939 foi um dos anos fundamentais para as pretensões de desenvolvimento do futebol cearense. Nesse ano, é empregado o profissionalismo, como nos mostra o memorialista Edgar de Alencar:
E nas peladas dos pequenos campos e nas movimentadas manhãs domingueiras das praças da Lagoinha, da Estação, de Pelotas e Fernandes Vieira e até nos quintais ou nas pequenas quadras de alguns colégios despontavam craques que chegariam até a década de 30, em cujo último ano seria implantado o profissionalismo no futebol do Estado. (1980, p.73)
Apesar de que os memorialistas afirmem que a transição do futebol amador para o profissional aconteça de uma forma rápida e definitiva no campeonato estadual de 1939, percebemos nos periódicos que essa transição adquiriu especificidades. Note-se na reportagem abaixo a questão do conflito por um jogador cobiçado por dois clubes:
Tanto o Tramways como o Ceará possuem fichas daqueles players e nenhum dos dois clubes está disposto a abrir mão dos mesmos. Como, pois, decidir o impasse? A vontade dos dois cracks, a nosso ver, deve ser o arbitro da questão, pois não temos profissionalismo em Fortaleza”.11
Vemos que os periódicos pesquisados não nos aponta a situação do futebol cearense que os memorialistas nos mostram, o que nos rendeu referências diferentes para analisar a transição do amadorismo para o profissionalismo em Fortaleza.

Partindo dessa perspectiva profissional, os clubes começaram a contratar jogadores de outros estados do país com o objetivo principal em mente: alcançar os títulos. Com todo esse entusiasmo, os jornais faziam entrevistas com os jogadores e com os dirigentes, mostravam reportagens sobre a seleção nacional, deixando visível o interesse da sociedade pelo esporte. É importante notarmos a reportagem em que o O Povo entrevista jogadores de um clube pernambucano que faz uma temporada em Fortaleza contra os clubes dessa cidade:


Constantino propôs, de inicio, que, na palestra, fosse obedecida a origem de organização do time. Assim, falou ele em primeiro lugar, como guardiã:

“Estreei no Sporte Clube de Concordia, em 34. Passei um ano nesse clube para em seguida ingressar no O Estudante, em que atuei durante seis meses. Em 36 entrei para o Sporte Clube Flamengo, da Federação Pernambucana, No Great Western, ingressei em 38, e no mesmo continuo como amador”.

Depois veiu Zeca: - Em 35, comecei a jogar futebol, 2 quadro do S. Paulo, clube suburbano de Recife. Passei em 36, para o Ateniense, da Federação. Em 1937, transferi-me para o Great WESTERN, COMO AMADOR E EM 38 passei a profissional. Joguei no Rio na scrath pernambucana, no campeonato brasileiro de futebol.

Neno não estava presente. Chamaram-no. – Em 1928 – começou – estréie no União. Quando sai desse clube engressei no Caravana, no qual pouco me demorei, passando para o Cociete, todos suburbanos. Em 38 entrei para o Great Western.

Lourival se adiantou: Sou o half direito. Comecei num clube infantil, nem sei quando. Em 25 disputei com o Flamengo, no 2 quadro. Nesse mesmo ano passei para o 1 qudro. Em 37 estive no Rio Grande do Norte, onde atuei no ANC, como profissional. Em 38 fui para o Great Western onde jogo como amador.

Zuza: iniciei me no Central, em Camarú. Estive no Great Western, em 35, passando novamente para o Central. Em 38 atuei no América como profissional. Passei no mesmo ano, para o Great Western, como profissional.12


É imprescindível esse trecho de entrevista com esses jogadores do Great Western por mostrar como a transição entre a prática amadora e profissional era fluida, em que jogadores amadores se tornavam profissionais ou vice-versa.

O jornal “O Povo” também chegava a fazer concursos de palpites para ver quem acertava o placar do jogo, dando prêmios aos vencedores, que muitas vezes eram mulheres, demonstrando o envolvimento e interesse de ambos os sexos com o futebol, como podemos perceber na reportagem “Mulher ganha o prêmio do concurso”.13

Ainda em 1939, um dos pontos de encontro da sociedade, o campo do Prado, recebe iluminação, como nos esclarece a reportagem do Jornal “O Povo”:
Os refletores que a A.D.C. havia encomendado para o Rio, a fim de iluminar o campo do Prado, chegaram domingo a esta capital e serão inaugurados quinta feira próxima, numa sensacional peleja noturna entre os esquadrões do Ferroviário e do Estrela do Mar. Falando pela manha de hoje ao O POVO, o cap. Juremir confirmou a realização do embate, o qual será sem menor duvida um dos grandes acontecimentos desportivos do ano em Fortaleza. Pela primeira vez, e graças á personalidade do presidente da A.D.C., vamos ter um jogo noturno em Fortaleza. Dizemos pela primeira vez porque as partidas noturnas anteriores, efetuadas há alguns anos, não produziram o resultado desejado. Agora, com a custosa e apropriada instalação feita no Prado, teremos, em verdade, exibições de futebol á luz dos refletores14.

Os jogos noturnos no campo do Prado logo a primeira vista foram um sucesso e passaram a fazer parte do cotidiano dos aficionados pelo futebol, comprovado em mais uma reportagem do Jornal “O Povo”: “Ficou provado, assim, logo de inicio, que o futebol noturno vai ser uma esplendida realidade em Fortaleza, cuja população encontrará no Prado, uma ou duas vezes por semana, o divertimento que lhe faltava para preencher as noites”15.

Dentro desse padrão de desenvolvimento, surge em 1941, a grande praça esportiva de Fortaleza, o Estádio Presidente Getúlio Vargas, considerado, na época, como ultramoderno para as possibilidades locais. A partir dessa data, os grandes movimentos esportivos migraram do campo do Prado para o novo Estádio. O “PV” foi inaugurado em 14 de setembro de 1941, com desfiles e shows musicais, ocorrendo somente o primeiro jogo em 21 de setembro, entre as equipes do Ferroviário 1 x 0 Tramways Clube, de Pernambuco, com o gol assinalado pelo jogador Chinês, aos vinte minutos do primeiro tempo. Havia acabado a “Era Prado” e iniciada a “Era PV”. Antes mesmo da construção do Estádio, o então Presidente da Federação Brasileira de Futebol (FBF), Castelo Branco, em entrevista a imprensa do Rio de Janeiro, fez vastos elogios ao futebol cearense como um todo, como podemos ver na entrevista transcrita pelo jornal O Povo:

“UM SPORTMAN DE VERDADE”. Indagámos de Castelo Branco, qual o motivo de tamanho interesse dos cearenses pelo violento esporte. O presidente da Federação Brasileira, respondeu-nos assim: Para mim, pelo que observei nas palestras do povo de Fortaleza pelo futebol, é devido ao trabalho do atual presidente da A.D.C., que realmente é grandioso. Ao cap. Juremir Pires de Castro, este é o nome do presidente da Associação Desportiva Cearense – continuou Castelo Branco – devem os cearenses o prestígio de seu futebol. Esse moço, que é um sportmann de verdade, chegando ali há pouco mais de um ano, dedicou-se de tal maneira aos esportes, que hoje, é um verdadeiro ídolo em Fortaleza.

“STADIUM GETULIO VARGAS”. Castelo Branco a seguir passou a falar sob e o futuro stadium do Estado, que deverá ser o maior do Nordeste. Pela maquete que me mostram, não tenho duvida que o Ceará no fim do ano terá uma grande praça de esportes. O capitão Juremir Pires de CASTRO – CONTINOU Castelo Branco – em homenagem ao presidente da Republica, resolveu denominar a obra ora iniciada de Estádio Getúlio Vargas.

“PUBLICO FINO”. Faço questão de lhes dizer outra cousa; prosseguiu CASTELO BRANCO: o publico que frequenta os jogos de foot-ball no Ceará é gente muito fina: Sinceramente, fiquei encantado com a educação esportiva da gente no hospital estado nordestino.

“RENDAS FABULOSAS”. Quando vocês receberem notícias que uma partida foot-ball rendeu 20000$000 em Fortaleza, podem acreditar. Estive lá e pude ver que não existe exagero nas notícias vindas para o Rio. Para que vocês possam fazer um calculo, cito lhes o seguinte exemplo: - Um jogo do certame local, disputado num dia útil, á tarde, rendeu quase quinze contos. Se o Ceará continuar assim, - terminou CASTELO BRANCO. Bahia e Pernambuco, dentro em breve ficarão para traz16.

Portanto, nota-se que, durante a década de 30 e os primeiros anos da década de 40, ocorrem fatos essenciais para que seja compreendida a situação atual do futebol cearense, como a introdução de jogos noturnos através dos refletores, a construção do Estádio Presidente Vargas e a difusão das transmissões de jogos pelo rádio, que ainda hoje tem seu valor na sociedade fortalezense.

Nessa perspectiva, neste artigo, propusemos reelaborar alguns traços marcantes do período inicial do futebol local, buscando na investigação historiográfica do “esporte bretão” em Fortaleza aspectos que façam emergir elementos da população da época e, além disso, perceber o início de uma modernização da prática esportiva, que implicou atualmente em um futebol “telespetacularizado” que movimenta muito dinheiro em propagandas, artigos esportivos e pelas transmissões das redes de televisão.

BIBLIOGRAFIA
ALENCAR, Edigar de. Fortaleza de ontem e anteontem. Fortaleza: Ed. UFC; Prefeitura Municipal de Fortaleza, 1980.

AZEVEDO, Nirez. História do Campeonato Cearense de Futebol. Fortaleza: Equatorial Produções, 2002.

BRUHNS, Heloisa Turini. Futebol, Carnaval e Capoeira: entre as gingas do corpo brasileiro”.Campinas – SP: Editora Papirus, 2000. p. 65.

DAMASCENO, Alberto. Futebol Cearense: a história. Fortaleza: Edição Própria, 2011.

DAMATTA, Roberto. O Universo do futebol: esporte e sociedade brasileira. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1982.

FARIAS, Airton de. Ceará: uma história de paixão e glória. Fortaleza: Edições Livro Técnico, 2005.

FRANZINI, Fábio. Corações na ponta da chuteira. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

HUIZINGA, Johan. Homo ludens. São Paulo: Perspectiva, 2010.

MIRANDA, Melina Nóbrega. Futebol e o Projeto de Unidade Nacional no Estado Novo (1937-1945), Campinas, SP – Brasil, X Simpósio Internacional Processo Civilizador, 2007.

PEREIRA, Leonardo Affonso de Miranda. Footballmania. Uma história social do futebol no Rio de Janeiro (1902-1938). Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. História & História Cultural – Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

PINTO. Rodrigo Márcio Souza. Do Passeio Público à Ferrovia: o futebol proletário em Fortaleza (19º04-45). Fortaleza: Dissertação de Mestrado em História/UFC, 2007.



________________. A formação dos times de futebol proletário e as intervenções das elite: a construção da história do futebol cearense e os conflitos sociais em torno da bola. (1919 – 1938), 2007.

PRIORE, Mary Del; MELO, Victor Andrade de. História do esporte no Brasil: do Império aos dias atuais. São Paulo: Editora da UNESP, 2009.

PRONI, Marcelo Weishaupt. Esporte-Espetáculo e Futebol-Empresa. Tese (Doutorado) apresentada à Faculdade de Educação Física da Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 1998.

REIS, Heloísa Helena Baldy; ESCHER, Thiago de Aragão. Futebol e Sociedade. Brasília: Liber Livro, 2006.




1 Graduando em Licenciatura História pela Universidade Estadual do Ceará (UECE), no 7º semestre. Monitor da Disciplina de História Medieval pelo Programa de Monitoria Acadêmica (PROMAC). Professor temporário da Rede Pública do Estado do Ceará e Assessor Técnico da Comissão de Juventude da Assembleia Legislativa do Estado do Ceará.

2 Professor Dr. Adjunto da Universidade Estadual do Ceará (UECE) e Professor Permanente do Mestrado Acadêmico em História (MAHIS).

3 O Povo, Dia 6 de novembro de 1939, ano XII, nº 4234, p.4. 2ª edição. “Fala ao O Povo o cap. Oscar Barroso – Todos os elementos alvi-negros retornaram ao Vovô” “Voltaram todos os elementos”

4 O Povo, Dia 3 de outubro de 1939, ANO XII, Nº 4205, 2 EDIÇÃO, P.04. “O ceará será eliminado da A.D.C.” Fala ao O POVO o Capitão Juremir

5 O Povo, Dia 13 de janeiro de 1939, p. 08. “Expectativas para o ano”

6 Jornal Gazeta de Noticias, 27 de janeiro DE 1940, ANO XIII, n 3918. Gerente Camerino Teixeira. Diretor Ruy Costa Sousa. Pagina 7. “O America agiganta-se para o campeonato de 1940” Nada de profissionalismo – 80 por cento das rendas para os jogadores.

7 O Povo, dia15 de fevereiro de 1939, p. 08. “Campeonato de 39”

8 O Povo, Dia 12 de abril de 1939, p. 08.

9 Gazeta de Notíciais, 13 de fevereiro de 1940, Ano XIII, Diretor: Ruy Costa Sousa, Gerente: Camerino, página 7, nº 3933.

10 O Povo, 15 de dezembro de 1939, Ano XII, nº 4266, p.08.

11 O Povo, Dia 28 de janeiro de 1939, p. 08: “O caso da ADC” .“Um caso entre o Ceara e o Tramways”

12 O Povo, Dia 8 de março, p. 08: “Entrevista com os jogadores do Great Western.” “A VIDA DESPORTIVA DOS CRACKS PERNAMBUCANOS”. “Estabelecida maior intimidade entre o repórter e os cracks pernambucanos, passamos a conversar sobre a vida desportiva de cada um deles”.

13 O Povo, dia 19 de maio de 1939. p. 8.

14 O Povo, dia 26 de setembro de 1939, ANO XII N 4199. p. 4.

15 O Povo, dia 29 de Setembro de 1939, ANO XII N 4202, 2ª EDIÇÃO. p. 4.

16 O Povo, dia 9 de novembro de 1939, 2ª edição, p.4-3, ano XII n 4237. “Declarações do Presidente da F.B.F á Imprensa do Rio” “A Hegemonia do Futebol Nordestino pertencerá aos Cearenses” .




©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal